Português: Interpretação de Textos - Gramática

AUTORIA, PESQUISA, REVISÃO, ORGANIZAÇÃO: JOSÉ CARLOS DUTRA DO CARMO.

SITE: www.sitenotadez.net, já acessado por quase 10 milhões de pessoas.

E-MAIL: sitenotadez@sitenotadez.net

2.298 EXERCÍCIOS, COM GABARITO.

Pesquisados na Internet, em centenas de SITES com exercícios e provas da Língua Portuguesa.

TEXTO.

A Filosofia teve origem na tentativa humana de escapar para um mundo em que nada mudasse. Platão,

fundador dessa área da cultura que hoje chamamos Filosofia, supunha que a diferença entre o passado e o futuro seria mínima.

Foi somente quando começaram a levar a História e o tempo a sério que os filósofos colocaram suas esperanças quanto ao futuro deste mundo no lugar antes ocupado por seu desejo de conhecer um outro mundo.  

A tentativa de levar o tempo a sério começou com Hegel, que formulou explicitamente suas dúvidas

quanto à tentativa platônica de escapar do tempo e mesmo quanto ao esforço de Kant em achar condições

a-históricas de possibilidade de fenômenos temporais. A Filosofia distanciou-se da questão "O que somos?"

para focalizar "O que poderíamos vir a ser?"

1. Assinale a opção concordante com as idéias do texto.

A. Platão não só foi o filósofo que superou as formulações de Hegel e Kant relativas aos fenômenos temporais como foi o que cogitou na idéia de futuro.

B. Inicialmente, em suas origens, a Filosofia se interessou pelas condições não-históricas das transformações temporais a que os seres humanos se sujeitam.

C. Os filósofos sempre se preocuparam prioritariamente com a questão da passagem do tempo e das conseqüentes mudanças históricas.

D. Hegel inaugurou, na Filosofia, as cogitações relativas ao tempo e às condições históricas dos fenômenos temporais.

E. A Filosofia nasceu marcada pelo  interesse do homem em sondar as suas próprias possibilidades de transformação e mudança no tempo e na História.

TEXTO.

Quando a justiça entra em conflito com a lealdade, essa última geralmente leva a melhor. Muitos de nós alimentamos e protegemos nossas famílias antes de podermos pensar nas necessidades de nossos vizinhos. Muitos de nós estamos muito mais interessados no bem-estar dos nossos compatriotas do que na situação das pessoas do outro lado do mundo.

2. Em relação às idéias do texto, assinale a opção incorreta.

(A) O senso de justiça entre indivíduos de povos diferentes é superior à lealdade que se dispensa aos familiares mais próximo.

(B) A lealdade geralmente prevalece sobre a justiça quando há conflito entre as duas forças.

(C) O pensamento relativo às necessidades dos nossos conhecidos é secundário em relação às preocupações com os familiares.

(D) O interesse pelas causas nacionais é prioritário em relação aos contextos do exterior.

(E) A solidariedade entre pessoas de uma mesma nacionalidade sobrepõe-se à solidariedade para com povos estrangeiros.­

TEXTO.

 Prever o futuro é tão arriscado que, podendo sempre errar, é preferível errar pelo otimismo. E há boas razões para ser otimista quanto à democracia. Nos últimos 20 anos, dobrou ou triplicou o número de pessoas que não vivem em ditadura. Talvez seja demais chamar Ucrânia ou El  Salvador hoje de Estados democráticos, mas certamente há bem mais liberdade nesses países ou no Brasil, após a queda do comunismo e das ditaduras apoiadas pelo primeiro mundo, do que havia em 1980. A conjuntura mundial torna difícil o cenário usual, que era a rigorosa repressão ante o avanço de reivindicações populares.

3. Em relação ao texto, assinale a opção correta.

a) Pode-se inferir do texto que atualmente não há clima favorável à repressão de movimentos populares.

b) Até há pouco tempo não havia restrições às demandas e reivindicações de segmentos insatisfeitos da sociedade.

c) A expressão “tão arriscado que” pode ser substituída por tão arriscado quanto sem prejuízo para a correção do texto.

d) Se a palavra “certamente” vier entre vírgulas o texto transgride as normas de pontuação.

e) A vírgula após “usual” indica que a oração a seguir é restritiva.

TEXTO.

O quadro geral de apaziguamento abre espaço para a expansão da democracia. Mas resta muito por fazer. Mais que tudo, é preciso desenvolver a idéia de que a democracia não é só um regime político, mas um regime de vida. Quer dizer que o mundo dos afetos deve ser democratizado. É preciso democratizar o amor, seja paternal ou filial; a amizade; o contato com o desconhecido: tudo o que na modernidade fez parte da vida privada. É preciso democratizar as relações de trabalho, hoje tuteladas pela propriedade privada. A democracia só vai se consolidar, o que pode tardar décadas, quando passar das instituições eleitorais para a vida cotidiana. É claro que isso significa mudar, e muito,  o  que  significa democracia. Cada vez mais ela terá a ver com o respeito ao outro.

4. Assinale a opção que está em desacordo com as idéias do texto.

a) A noção de regime político é mais restrita que a noção de regime de vida.

b) Pode-se inferir que as relações de trabalho tuteladas pela propriedade privada não são suficientemente democráticas.

c) A proposta de ampliação do conceito de democracia transcende as questões públicas e políticas e invade o universo individual e privado.

d) A consolidação da democracia tem como condição a abrangência das questões da vida cotidiana.

e) A mudança do conceito de democracia é uma transformação que está ocorrendo na sociedade e seus resultados serão vistos brevemente.

TEXTO.

 Na pesquisa para avaliar a gestão nas empresas em relação à qualidade no setor de software, foram considerados os seguintes fatores: a elaboração de planos estratégicos, a inclusão de metas consistentes, a coleta de indicadores precisos, a contabilidade adequada de custos, a implantação de programas de qualidade total e a certificação dos sistemas.

O relacionamento das empresas com seus empregados foi acompanhado a partir de aspectos da participação dos mesmos na solução de problemas, sua satisfação e oportunidades de aperfeiçoamento profissional. O relacionamento com o mercado era avaliado considerando-se a realização de pesquisas de expectativa e de satisfação junto aos clientes; a existência de estruturas de atendimento; a resolução de reclamações e o uso desses tipos de dados na revisão de projetos ou na especificação de novos produtos e serviços.

Procedimentos específicos para qualidade em software foram medidos por indicadores referentes à adoção de métodos de engenharia para prevenção ou detecção de defeitos, à utilização de ferramentas automatizadas de desenvolvimento e ao tipo de documentação adotada. Adicionalmente, todo um conjunto de aspectos foi levantado vi¬sando à caracterização das empresas e do software desenvolvido no Brasil.

5. Em relação ao texto, assinale a opção correta.

a) As escolhas sintáticas e lexicais do texto são apropriadas para um texto de relatório.

b) Para que a pontuação do texto se torne correta é necessário substituir as quatro vírgulas após o sinal de dois pontos por sinais de ponto e vírgula.

c) O uso da voz passiva em “foi acompanhado” tem o efeito estilístico de explicitar e reforçar o papel do agente da ação.

d) Em “O relacionamento com o mercado era avaliado”, a transformação da voz passiva analítica para sintética corresponde a: Avaliou-se o relacionamento com o mercado.

e) O uso do pretérito indica que a pesquisa a que o texto se refere está em andamento.

TEXTO.

O mundo é grande

O mundo é grande e cabe

Nesta janela sobre o mar.

O mar é grande e cabe

Na cama e no colchão de amar.

O amor é grande e cabe

No breve espaço de beijar.

6. Neste poema, o poeta realizou uma opção estilística: a reiteração de determinadas construções e expressões lingüísticas, como o uso da mesma conjunção para estabelecer a relação entre as frases. Essa conjunção estabelece, entre as idéias relacionadas, um sentido de:

(A) oposição.

(B) comparação.

(C) conclusão.

(D) alternância.

(E) finalidade.

TEXTO.

Oh! Que saudades

Do luar da minha terra

Lá na serra branquejando

Folhas secas pelo chão

Este luar cá de cidade

Tão escuro não tem aquela saudade

Do luar lá do sertão!

7. Os versos acima ilustram características do Arcadismo:

a) exaltação à natureza da terra natal.

b) declarada contenção dos sentimentos.

c) expressão de sentimentos universais.

d) volta ao passado para escapar das agruras do presente.

e) oposição entre o campo e a cidade.

TEXTOS.

I – “A parança que foi ¾ conforme estou vivo lembrado ¾ numa vereda sem nome nem fama, corguinho deitado demais, de água muito simplificada.”

II – “...penetrar no universo do grande sertão é trilhar as veredas da poesia e, com Riobaldo, propor-se grandes questionamentos.”

III – “Após a batalha, os jagunços pararam para descansar num curso d’água orlado de buritis.”

8. Observando as relações entre as expressões grifadas, é correto afirmar que ocorre:

a) homonímia entre I e II e antonímia entre I e III.

b) polissemia entre I e II e sinonímia entre I e III.

c) paronímia entre I e II e homonímia entre I e III.

d) homonímia entre I e II e sinonímia entre II e III.

TEXTO.

Leia o excerto abaixo extraído de uma suposta entrevista com Riobaldo, personagem de Grande sertão: veredas.

“Mire e veja o leitor e a leitora: se não houvesse Brasil, não haveria ‘Grande sertão: veredas’, não haveria Riobaldo. Deviam ter pensado que pelo menos para isso serviu. E o resto é silêncio. Ou melhor, mais uma pergunta senhor Riobaldo.  O que é silêncio?

R ¾ O senhor sabe o que o silêncio é? É a gente mesmo, demais.”

(Alberto Pompeu de Toledo, Veja).

9. No trecho acima, predominam as seguintes funções da linguagem:

a) poética e fática.

b) fática e conativa.

c) expressiva e poética.

d) conativa e metalingüística.

TEXTOS.

Leia as observações abaixo a respeito de Grande sertão veredas.

I – A história é narrada, durante três dias, a alguém culto, que toma notas, mas que não aparece explicitamente no corpo da narrativa. As falas desse homem da cidade não são reproduzidas no livro. Sabemos de suas intervenções somente por meio das respostas de Riobaldo.

II – Como se trata da longa fala de um fazendeiro do noroeste de Minas Gerais, que foi jagunço e não teve muito estudo, a linguagem do livro é marcada por expressões típicas do lugar em que vive o narrador-perso-nagem, por provérbios e exemplos tirados do seu cotidiano rural.

III – Quanto à estruturação do romance, não há divisão em capítulos. O início se dá com um travessão, marcando a fala de um personagem ¾ Riobaldo ¾ fala essa que só é interrompida quando ele acaba de contar a história.

IV – As histórias contadas por Riobaldo desenrolam-se no sertão, o espaço síntese onde as ações humanas são refletidas. Nele, cada rio, cada vereda, cada árvore ou pássaro, sem deixarem de pertencer ao mundo natural, mantêm profunda correspondência com a esfera humana. Daí a preocupação do autor com uma delimitação geográfica precisa, que o mantém fiel aos nomes de rios e cidades existentes na região.

10. Com relação ao romance de Guimarães Rosa, estão corretas as assertivas:

a) I e IV.

b) I, II e III.

c) I, III e IV.

d) II, III e IV.

TEXTO.

“E Maria Mutema, sozinha em pé, torta magra de preto, deu um gemido de lágrimas e exclamação, berro de corpo que faca estraçalha. Pediu perdão! Perdão forte, perdão de fogo, que da dura bondade de Deus baixasse nela, em dores de urgência, antes de qualquer hora de nossa morte. E rompeu fala, por entre prantos, ali mesmo, a fim de perdão de todos também, se confessava.”

11. Nesse episódio de Grande sertão: veredas, Maria Mutema confessa ter:

a) assassinado o marido e provocado a morte do vigário.

b) despejado chumbo derretido no ouvido do vigário, enquanto este dormia.

c) matado o marido de desgosto ao confessar seu amor pelo vigário.

d) mantido um relacionamento pecaminoso com o finado vigário, com o qual teve três filhos.

TEXTO.

O GRANDE AMOR.

Tom Jobim e Vinícius de Moraes.

Haja o que houver

Há sempre um homem para uma mulher

E há de sempre haver

Para esquecer um falso amor

E uma vontade de morrer

Seja como for

Há de vencer o grande amor

Que há de ser no coração

Como um perdão para quem chorou.

12. Sobre o texto acima, é correto afirmar que:

a) possui interdependência entre elementos argumentativos e descritivos, os quais são transformados em poesia.

b) narra, poeticamente, a história de um personagem que conseguiu esquecer um falso amor quando encontrou um grande amor.

c) apresenta um narrador que expõe seu ponto de vista sobre o relacionamento amoroso, usando o procedimento de auto-referência.

d) expressa a idéia, por meio de elementos discursivos, arranjados numa linguagem poética-argumentativa, de que o verdadeiro amor sempre vence.

TEXTO.

“Oxímoro (ou paradoxo) é uma construção textual que agrupa significados que se excluem mutuamente. Para Garfield, a frase de saudação de Jon expressa o maior de todos os oxímoros”.

13. Nas alternativas abaixo, estão transcritos versos retirados do poema "O operário em construção". Pode-se afirmar que ocorre um oxímoro em:

(A) "Era ele que erguia casas

Onde antes só havia chão."

(B) "...a casa que ele fazia

Sendo a sua liberdade

Era a sua escravidão."

(C) "Naquela casa vazia

Que ele mesmo levantara

Um mundo novo nascia

De que sequer suspeitava."

(D) "... o operário faz a coisa

E a coisa faz o operário."

(E) "Ele, um humilde operário

Um operário que sabia Exercer a profissão."

(Vinícius de MORAES. Antologia Poética. São Paulo: Companhia das Letras, 1992).

TEXTO.

"Os progressos da medicina condicionaram a sobrevivência de número cada vez maior de indivíduos com constituições genéticas que só permitem o bem-estar quando seus efeitos são devidamente controlados através de drogas ou procedimentos terapêuticos. São exemplos os diabéticos e os hemofílicos, que só sobrevivem e levam vida relativamente normal ao receberem suplementação de insulina ou do fator VIII da coagulação sanguínea".

14. Essas afirmações apontam para aspectos importantes que podem ser relacionados à evolução humana. Pode-se afirmar que, nos termos do texto:

(A) os avanços da medicina minimizam os efeitos da seleção natural sobre as populações.

(B) os usos da insulina e do fator VIII da coagulação sanguínea funcionam como agentes modificadores do genoma humano.

(C) as drogas medicamentosas impedem a transferência do material genético defeituoso ao longo das gerações.

(D) os procedimentos terapêuticos normalizam o genótipo dos hemofílicos e diabéticos.

(E) as intervenções realizadas pela medicina interrompem a evolução biológica do ser humano.

TEXTO.

Cortando fronteiras com capital e tecnologia, as multinacionais otimizam mercados, recursos naturais e políticos em escala mundial. Uma nova forma de acumular lucros, uma nova divisão internacional do trabalho.

15. A nova divisão internacional do trabalho apresentada no texto tem como causa a seguinte atuação das multinacionais:

a) aplicação de capitais em atividades agropastoris nos países periféricos.

b) implantação de filiais em países de mão-de-obra barata.

c) participação em mais de um ramo de atividade.

d) importação de matérias-primas do Terceiro Mundo.

e) exploração de novas fontes de energia.

TEXTO.

No trecho abaixo, o narrador, ao descrever a personagem, critica sutilmente um outro estilo de época: o romantismo.

"Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza a mais voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para fins secretos da criação."

16. A frase do texto em que se percebe a crítica do narrador ao romantismo está transcrita na alternativa:

a) ...o autor sobredoura a realidade e fecha oa solhos às sardas e espinhas...

b) ...era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça ...

c) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, ...

d) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos...

e) ...o indivíduo passa a outro indivíduo, para fins secretos da criação.

TEXTOS.

Rui Guerra e Chico Buarque de Holanda escreveram uma peça para teatro chamada Calabar, pondo em dúvida a reputação de traidor que foi atribuída a Calabar, pernambucano que ajudou decisivamente os holandeses na invasão do Nordeste brasileiro, em 1632.

-Calabar traiu o Brasil que ainda não existia? Traiu Portugal, nação que explorava a colônia onde Calabar havia nascido? Calabar, mulato em uma sociedade escravista e discriminatória, traiu a elite branca?

Os textos referem-se também a esta personagem.

Texto I: " ... dos males que causou à Pátria, a História, a inflexível História, lhe chamará infiel, desertor e traidor, por todos os séculos. "

Texto II: "Sertanista experimentado, em 1627 procurava as minas de Belchior Dias com a gente da Casa da Torre; ajudara Matias de Albuquerque na defesa do Arraial, onde fora ferido, e desertara em conseqüência de vários crimes praticados..." (os crimes referidos são o de contrabando e roubo).

17. Pode-se afirmar que:

a) A peça e os textos abordam a temática de maneira parcial e chegam às mesmas conclusões.

b) A peça e o texto I refletem uma postura tolerante com relação à suposta traição de Calabar, e o texto II mostra uma atitude contrária à atitude de Calabar.

c) Os textos I e II mostram uma posição contrária à atitude de Calabar, e a peça demonstra uma posição indiferente em relação ao seu suposto ato de traição.

d) A peça e o texto II são neutros com relaçao à suposta traição de Calabar, ao contrário do texto I, que condena a atitude de Calabar.

e) A peça questiona a validade da reputação de traidor que o texto I atribui a Calabar, enquanto o texto II descreve ações positivas e negativas dessa personagem.

TEXTO.

Tu só, tu, puro amor, com força crua    

Que os corações humanos tanto obriga,  

Deste causa à molesta morte sua,

Como se fora pérfida inimiga.

Se dizem, fero Amor, que a sede tua

Nem com lágrimas tristes se mitiga,

É porque queres, áspero e tirano, 

Tuas aras banhar em sangue humano.    

Estavas, linda Inês, posta em sossego

De teus anos colhendo

Naquele engano da alma ledo e cego,

Que a fortuna não deixa durar

Nos saudosos campos do Mondego,

De teus fermosos olhos

Aos montes ensinando e às ervinhas,

O nome que no peito escrito tinhas.

18. Os Lusíadas, obra de Camões, exemplificam o gênero épico na poesia portuguesa, entretanto oferecem momentos em que o lirismo se expande, humanizando os versos. O episódio de Inês de Castro, do qual o trecho acima faz parte, é considerado o ponto alto do lirismo camoniano inserido em sua narrativa épica. Desse episódio, como um todo, pode afirmar-se que seu núcleo central:

a) personifica e exalta o Amor, mais forte que as conveniências e causa da tragédia de Inês.

b) celebra os amores secretos de Inês e de D. Pedro e o casamento solene e festivo de ambos.

c) tem como tema básico a vida simples de Inês de Castro, legítima herdeira do trono de Portugal.

d) retrata a beleza de Inês, posta em sossego, ensinando aos montes o nome que no peito escrito tinha.

e) relata em versos livres a paixão de Inês pela natureza e pelos filhos e sua elevação ao trono português.

TEXTO.

O franciscano Roger Bacon foi condenado, entre 1277 e 1279, por dirigir ataques aos teólogos, por uma suposta crença na alquimia, na astrologia e no método experimental, e também por introduzir, no ensino, as idéias de Aristóteles. Em 1260, Roger Bacon escreveu:

"Pode ser que se fabriquem máquinas graças às quais os maiores navios, dirigidos por um único homem, se desloquem mais depressa do que se fossem cheios de remadores; que se construam carros que avancem a uma velocidade incrível sem a ajuda de animais; que se fabriquem máquinas voadoras nas quais um homem (...) bata o ar com asas como um pássaro. (...) Máquinas que permitam ir ao fundo dos mares e dos rios"

19. Considerando a dinâmica do processo histórico, pode-se afirmar que as idéias de Roger Bacon:

(A) inseriam-se plenamente no espírito da Idade Média ao privilegiarem a crença em Deus como o principal meio para antecipar as descobertas da humanidade.

(B) estavam em atraso com relação ao seu tempo ao desconsiderarem os instrumentos intelectuais oferecidos pela Igreja para o avanço científico da humanidade.

(C) opunham-se ao desencadeamento da Primeira Revolução Industrial, ao rejeitarem a aplicação da matemática e do método experimental nas invenções industriais.

(D) eram fundamentalmente voltadas para o passado, pois não apenas seguiam Aristóteles, como também baseavam-se na tradição e na teologia.

(E) inseriam-se num movimento que convergiria mais tarde para o Renascimento, ao contemplarem a possibilidade de o ser humano controlar a natureza por meio das invenções.

TEXTO.

Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas.

Um acordar alegre e farto de quem dormiu de uma assentada, sete horas de chumbo.

(…).

O rumor crescia, condensando-se; o zunzum de todos os dias acentuava-se; já se não destacavam vozes dispersas, mas um só ruído compacto que enchia todo o cortiço. Começavam a fazer compras na venda; ensarilhavam-se discussões e rezingas; ouviam-se gargalhadas e pragas; já se não falava, gritava-se. Sentia-se naquela fermentação sangüínea, naquela gula viçosa de plantas rasteiras que mergulham os pés vigorosos na lama preta e nutriente da vida, o prazer animal de existir, a triunfante satisfação de respirar sobre a terra.

20. Assinale a alternativa que NÃO corresponde a uma possível leitura do fragmento citado:

a) No texto, o narrador enfatiza a força do coletivo. Todo o cortiço é apresentado como um personagem que, aos poucos, acorda como uma colméia humana.

b) O texto apresenta um dinamismo descritivo, ao enfatizar os elementos visuais, olfativos e auditivos.

c) O discurso naturalista de Aluísio Azevedo enfatiza nos personagens de O Cortiço o aspecto animalesco, “rasteiro” do ser humano, mas também a sua vitalidade e energia naturais, oriundas do prazer de existir.

d) Através da descrição do despertar do cortiço, o narrador apresenta os elementos introspectivos dos personagens, procurando criar correspondências entre o mundo físico e o metafísico.

e) Observa-se, no discurso de Aluísio Azevedo, pela constante utilização de metáforas e sinestesias, uma preocupação em apresentar elementos descritivos que comprovem a sua tese determinista.

TEXTO.

O trecho a seguir é parte do poema "Mocidade e morte", do poeta romântico Castro Alves:

Oh! eu quero viver, beber perfumes Na flor silvestre, que embalsama os ares;

Ver minh´alma adejar pelo infinito,

Qual branca vela n´amplidão dos mares.

No seio da mulher há tanto aroma...

Nos seus beijos de fogo há tanta vida...

- Árabe errante, vou dormir à tarde

À sombra fresca da palmeira erguida.

Mas uma voz responde-me sombria:

Terás o sono sob a lájea fria.

21. Esse poema, como o próprio título sugere, aborda o inconformismo do poeta com a antevisão da morte prematura, ainda na juventude. A imagem da morte aparece na palavra:

(A) embalsama.

(B) infinito.

(C) amplidão.

(D) dormir.

(E) sono.

TEXTO.

PSICOLOGIA DE UM VENCIDO.

Eu, filho do carbono e do amoníaco,

Monstro de escuridão e rutilância,

Sofro, desde a epigênesis da infância,

A influência má dos signos do zodíaco.

Profundissimamente hipocondríaco,

Este ambiente me causa repugnância…

Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia

Que se escapa da boca de um cardíaco.

Já o verme — este operário das ruínas —

Que o sangue podre das carnificinas

Come, e à vida em geral declara guerra,

Anda a espreitar meus olhos para roê-los,

E há-de deixar-me apenas os cabelos,

Na frialdade inorgânica da terra!

22. A partir desse soneto, é correto afirmar:

I. Ao se definir como filho do carbono e do amoníaco, o eu lírico desce ao limite inferior da materialidade biológica pois, pensando em termos de átomos (carbono) e moléculas (amoníaco), que são estudados pela Química, constata-se uma dimensão onde não existe qualquer resquício de alma ou de espírito.

II. O amoníaco, no soneto, é uma metáfora de alma, pois, segundo o eu lírico, o homem é composto de corpo (carbono) e alma (amoníaco) e, no fim da vida, o corpo (orgânico) acaba, apodrece, enquanto a alma (inorgânica) mantém-se intacta.

III. O soneto principia descrevendo as origens da vida e termina descrevendo o destino final do ser humano; retrata o ciclo da vida e da morte, permeado de dor, de sofrimento e da presença constante e ameaçadora da morte inevitável.

Está(ão) correta(s):

a) apenas II. 

b) apenas III.

c) apenas I e II.

d) apenas I e III.

e) apenas II e III.

TEXTO.

No trecho abaixo, o narrador, ao descrever a personagem, critica sutilmente um outro estilo de época: o romantismo.

"Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos; era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça, e, com certeza, a mais voluntariosa. Não digo que já lhe coubesse a primazia da beleza, entre as mocinhas do tempo, porque isto não é romance, em que o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas; mas também não digo que lhe maculasse o rosto nenhuma sarda ou espinha, não. Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, que o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação."

23. A frase do texto em que se percebe a crítica do narrador ao romantismo está transcrita na alternativa:

(A) ... o autor sobredoura a realidade e fecha os olhos às sardas e espinhas...

(B) ... era talvez a mais atrevida criatura da nossa raça ...

(C) Era bonita, fresca, saía das mãos da natureza, cheia daquele feitiço, precário e eterno, ...

(D) Naquele tempo contava apenas uns quinze ou dezesseis anos ...

(E) ... o indivíduo passa a outro indivíduo, para os fins secretos da criação.

TEXTO.

O trecho abaixo é parte do último capítulo de Dom Casmurro, de Machado de Assis.

O resto é saber se a Capitu da Praia da Glória já estava dentro da de Mata-cavalos, ou se esta foi mudada naquela por efeito de algum caso incidente. Jesus, filho de Sirach, se soubesse dos meus primeiros ciúmes, dir-me-ia, como no seu cap. IX, vers. I: “Não tenhas ciúmes de tua mulher para que ela não se meta a enganar-te com a malícia que aprender de ti”. Mas eu creio que não, e tu concordarás comigo; se te lembras bem da Capitu menina, hás de reconhecer que uma estava dentro da outra, como a fruta dentro da casca.

24. Invocando aqui a memória e o testemunho do leitor de sua história, o narrador arremata a narrativa:

a) lembrando que os ciúmes de Bentinho por Capitu poderiam perfeitamente ser injustificáveis.

b) concluindo que a única explicação para a traição de Capitu é a força caprichosa de circunstâncias acidentais.

c) citando uma passagem da Bíblia, à luz da qual acaba admitindo a possibilidade da inocência de Capitu.

d) pretendendo que a personalidade de Capitu tenha se desenvolvido de modo a cumprir uma natural inclinação.

e) se mostra reticente quanto à convicção de que fora traído, sugerindo que continuará ponderando os fatos.

TEXTOS.

Os textos referem-se à integração do índio à chamada civilização brasileira.

I - "Mais uma vez, nós, os povos indígenas, somos vítimas de um pensamento que separa e que tenta nos eliminar cultural, social e até fisicamente. A justificativa é a de que somos apenas 250 mil pessoas e o Brasil não pode suportar esse ônus.(...) É preciso congelar essas idéias colonizadoras, porque elas são irreais e hipócritas e também genocidas.(...) Nós, índios, queremos falar, mas queremos ser escutados na nossa língua, nos nossos costumes."

II - "O Brasil não terá índios no final do século XXI (...) E por que isso? Pela razão muito simples que consiste no fato de o índio brasileiro não ser distinto das demais comunidades primitivas que existiram no mundo. A história não é outra coisa senão um processo civilizatório, que conduz o homem, por conta própria ou por difusão da cultura, a passar do paleolítico ao neolítico e do neolítico a um estágio civilizatório."

25. Pode-se afirmar, segundo os textos, que:

(A) tanto Terena quanto Jaguaribe propõem idéias inadequadas, pois o primeiro deseja a aculturação feita pela "civilização branca", e o segundo, o confinamento de tribos.

(B) Terena quer transformar o Brasil numa terra só de índios, pois pretende mudar até mesmo a língua do país, enquanto a idéia de Jaguaribe é anticonstitucional, pois fere o direito à identidade cultural dos índios.

(C) Terena compreende que a melhor solução é que os brancos aprendam a língua tupi para entender melhor o que dizem os índios. Jaguaribe é de opinião que, até o final do século XXI, seja feita uma limpeza étnica no Brasil.

(D) Terena defende que a sociedade brasileira deve respeitar a cultura dos índios e Jaguaribe acredita na inevitabilidade do processo de aculturação dos índios e de sua incorporação à sociedade brasileira.

(E) Terena propõe que a integração indígena deve ser lenta, gradativa e progressiva, e Jaguaribe propõe que essa integração resulte de decisão autônoma das comunidades indígenas.

TEXTO.

Fragmento I.

Pálida à luz da lâmpada sombria,

Sobre o leito de flores reclinada,

Como a lua por noite embalsamada,

Entre as nuvens do amor ela dormia!

Era a virgem do mar na escuma fria

Pela maré das águas embalada!

Era um anjo entre nuvens d’alvorada

Que em sonhos se banhava e se esquecia!

Fragmento II.

É ela! é ela! — murmurei tremendo,

E o eco ao longe murmurou — é ela!

Eu a vi — minha fada aérea e pura —

A minha lavadeira na janela!

(…)

Esta noite eu ousei mais atrevido

Nas telhas que estalavam nos meus passos

Ir espiar seu venturoso sono,

Vê-la mais bela de Morfeu nos braços!

Como dormia! que profundo sono!…

Tinha na mão o ferro do engomado…

Como roncava maviosa e pura!…

Quase caí na rua desmaiado!

(…)

É ela! é ela! — repeti tremendo;

Mas cantou nesse instante uma coruja…

Abri cioso a página secreta…

Oh! meu Deus! era um rol de roupa suja!

26. Os fragmentos acima são de Álvares de Azevedo e desenvolvem o tema da mulher e do amor. Caracterizam duas faces diferentes da obra do poeta. Comparando os dois fragmentos, podemos afirmar que:

a) no primeiro, manifesta-se o desejo de amar e a realização amorosa se dá plenamente entre os amantes.

b) no segundo, apesar de haver um tom de humor e sátira, não se caracteriza o rebaixamento do tema amoroso.

c) no primeiro, o poeta figura a mulher adormecida e a toma como objeto de amor jamais realizado.

d) no segundo, o poeta expressa as condições mais rasteiras de seu cotidiano, porém, atribui à mulher traços de idealização iguais aos do primeiro fragmento.

e) no segundo, ao substituir a musa virginal pela lavadeira entretida com o rol de roupa suja, o poeta confere ao tema amoroso tratamento idêntico ao verificado no primeiro fragmento.

TEXTO.

Leia o texto abaixo, extraído do romance Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida.

“Desta vez porém Luizinha e Leonardo, não é dizer que vieram de braço, como este último tinha querido quando foram para o Campo, foram mais adiante do que isso, vieram de mãos dadas muito familiar e ingenuamente. E ingenuamente não sabemos se se poderá aplicar com razão ao Leonardo.”

27. Considere as afirmações abaixo sobre o comentário feito em relação à palavra ingenuamente na última frase do texto.

I. O narrador aponta para a ingenuidade da personagem frente à vida e às experiências desconhecidas do primeiro amor.

II. O narrador, por saber quem é Leonardo, põe em dúvida o caráter da personagem e as suas intenções.

III. O narrador acentua o tom irônico que caracteriza o romance.

Quais estão corretas?

a) Apenas I. 

b) Apenas II.

c) Apenas III.

d) Apenas II e III.

e) I, II e III.

TEXTO.

Leia o trecho abaixo, do conto “Um homem célebre”.

“A fama do Pestana dera-lhe definitivamente o primeiro lugar entre os compositores de polcas; mas o primeiro lugar da aldeia não contentava a este César, que continuava a preferir-lhe, não o segundo, mas o centésimo em Roma.”

28. Assinale a resposta correta, tendo em perspectiva o conto referido.

a) O narrador insinua que Pestana aspira a compor uma obra clássica.

b) A alusão metafórica a César aponta para o anseio de poder político da personagem.

c) Preferir o centésimo lugar em Roma significa o desejo da personagem de residir naquela cidade.

d) Ter obtido “o primeiro lugar entre os compositores de polcas” corresponde ao ideal artístico de Pestana.

e) A identificação com César remete a uma sintonia de Pestana com os ideais imperialistas.

TEXTO.

“(…) esta aparência de cansaço ilude. Nada é mais surpreendedor do que vê-la desaparecer de improviso. Naquela organização combalida operam-se, em segundos, transmutações completas. Basta o aparecimento de qualquer incidente exigindo-lhe o desencadear das energias adormecidas. O homem transfigura-se.”

29. Assinale a frase que, retirada de Os sertões, sintetiza o trecho citado.

a) “é o homem permanentemente fatigado”.

b) “o sertanejo é, antes de tudo, um forte”.

c) “a raça forte não destrói a fraca pelas armas, esmaga-a pela civilização”.

d) “Reflete a preguiça invencível (…) em tudo”.

e) “a sua religião é como ele — mestiça”.

TEXTO.

“(…) Estou me enganando, preciso voltar. Não sinto loucura no desejo de morder estrelas, mas ainda existe a terra. É porque a primeira verdade está na terra e no corpo. Se o brilho da estrela dói em mim, se é possível essa comunicação distante, é que alguma coisa quase semelhante a uma estrela tremula dentro de mim. Eis-me de volta ao corpo. Voltar ao meu corpo. Quando me surpreendo ao fundo do espelho assusto-me. Mal posso acreditar que tenho limites, que sou recortada e definida. Sinto-me espalhada no ar, pensando dentro das criaturas, vivendo nas coisas além de mim mesma. Quando me surpreendo ao espelho não me assusto porque me ache feia ou bonita. É que me descubro de outra qualidade. Depois de não me ver há muito quase esqueço que sou humana, esqueço meu passado e sou com a mesma libertação de fim e de consciência quanto uma coisa apenas viva. (…)”

30. Assinale, entre as alternativas a seguir, aquela em que todos os itens se destacam em toda a obra de Clarice Lispector.

a) Prosa intimista; busca da essência das coisas; os fatos em si importam menos do que a repercussão dos fatos no indivíduo.

b) Prosa poética; busca da essência das coisas; os fatos em si importam mais do que a repercussão dos fatos no indivíduo.

c) Prosa intimista; busca da essência das coisas; forte pessimismo.

d) Prosa poética; engajamento religioso; intimismo.

e) Prosa intimista; idealismo regionalista; os fatos em si importam menos do que a repercussão dos fatos no indivíduo.

TEXTO.

Eis que de repente vejo que não sei nada. O gume de minha faca está ficando cego? Parece-me que o mais provável é que não entendo porque o que vejo agora é difícil; estou entrando sorrateiramente em contato com uma realidade nova para mim e que ainda não tem pensamentos correspondentes e muito menos ainda alguma palavra que a signifique. É mais uma sensação atrás do pensamento.

31. Neste trecho de Clarice Lispector, expõe-se uma convicção muitas vezes determinante para seu modo de produção ficcional:

a) o ato de narrar persegue a revelação de coisas essenciais que desafiam a expressão.

b) a narrativa deve registrar fielmente as ações sobre as quais o narrador se debruça.

c) às idéias mais claras e cortantes devem corresponder as palavras mais simples.

d) toda história tem que determinar por si mesma o movimento natural das palavras.

e) só se pode encontrar uma nova realidade quando se está liberto das puras sensações.

TEXTO.

Leia estes trechos:

I. Dizem-se, estórias. Assim mesmo, no tredo estado em que tacteia, privo, mal-existente, o que é, cabidamente, é o filho tal-pai-tal; o “cão”, também, na prática verdade.

II. O pecurrucho tinha cabeça chata e Macunaíma inda a achatava mais batendo nela todos os dias e falando pro guri:

— Meu filho, cresce depressa pra você ir pra São Paulo ganhar muito dinheiro.

32. Com base nessa leitura, é INCORRETO afirmar que os dois trechos:

a) assinalam a semelhança indiscutível entre pai e filho.

b) reescrevem, à sua maneira, ditados e expressões populares.

c) referem-se a situações que envolvem pai e filho.

d) utilizam a linguagem coloquial do povo brasileiro.

TEXTO.

Chega! Meus olhos brasileiros se fecham saudosos. Minha boca procura a “Canção do Exílio”. Como era mesmo a “Canção do Exílio”? Eu tão esquecido de minha terra… Ai terra que tem palmeiras onde canta o sabiá!

33. Neste excerto, a citação e a presença de trechos... constituem um caso de...

a) do famoso poema de Álvares de Azevedo / discurso indireto.

b) da conhecida canção de Noel Rosa / paródia.

c) do célebre poema de Gonçalves Dias / intertextualidade.

d) da célebre composição de Villa-Lobos / ironia.

e) do famoso poema de Mário de Andrade / metalinguagem.

TEXTO.

Decerto a gente daqui jamais envelhece aos trinta nem sabe da morte em vida, vida em morte, severina.

34. Neste excerto, a personagem do “retirante” exprime uma concepção da “morte e vida severina”, idéia central da obra, que aparece em seu próprio título. Tal como foi expressa no excerto, essa concepção só NÃO encontra correspondência em:

a) “morre gente que nem vivia”.

b) “meu próprio enterro eu seguia”.

c) “o enterro espera na porta.

o morto ainda está com vida”.

d) “vêm é seguindo seu próprio enterro”.

e) “essa foi morte morrida ou foi matada?”.

TEXTO.

 “Olho o Tejo, e de tal arte Que me esquece olhar olhando, E súbito isto me bate De encontro ao devaneamento — Que é ser — rio, e correr? O que é está-lo eu a ver?”

35. As relações entre o homem e a natureza sempre estiveram presentes nas obras literárias. Nos versos acima, de Fernando Pessoa, ortônimo, a visão do rio Tejo produz, no eu-lírico do poema:

a) indiferença, porque não gera nenhuma reflexão.

b) oposição entre a sua alma e a do rio.

c) saudade, visto ter sido o Tejo a porta de saída dos portugueses para as grandes conquistas.

d) integração com a natureza que o leva a refletir sobre a existência e a contemplação do rio.

e) desilusão, porque o homem está matando o rio.

TEXTOS.

I. “Ah, o mundo é quanto nós trazemos. Existe tudo porque existo”.

II. “Da minha pessoa de dentro não tenho noção de realidade. Sei que o mundo existe, mas não sei se existo”.

36. Lendo comparativamente os dois fragmentos, e considerando a proposta poética pessoana, pode-se afirmar que:

a) Tanto em Alberto Caeiro como em Fernando Pessoa “ele mesmo”, o eu é sempre uma identidade “fingida”.

b) Há uma espécie de neo-romantismo em Fernando Pessoa, devido ao centramento no eu.

c) Observa-se uma permanência do naturalismo do século XIX, devido ao naturismo de Caeiro.

d) Em ambos, observa-se uma mesma relação entre o eu e o mundo.

TEXTO.

"Além de parecer não ter rotação, a Terra parece também estar imóvel no meio dos céus. Ptolomeu dá argumentos astronômicos para tentar mostrar isso. Para entender esses argumentos, é necessário lembrar que, na Antigüidade, imagina-se que todas as estrelas (mas não os planetas) estavam distribuídas sobre uma superfície esférica, cujo raio não parece ser  muito superior à distância da Terra aos planetas. Suponhamos agora que a Terra esteja no centro da esfera das estrelas. Neste caso, o céu visível à noite deve abranger, de cada vez, exatamente a metade da esfera das estrelas. E assim parece realmente ocorrer: em qualquer noite, de horizonte a horizonte, é possível contemplar, a cada instante, a metade do zodíaco. 

Se, no entanto, a Terra estivesse longe do centro da esfera estelar, então o campo de visão à noite não seria, em geral, a metade da esfera: algumas vezes poderíamos ver mais da metade, outras vezes poderíamos ver menos da metade do zodíaco, de horizonte a horizonte.

Portanto, a evidência astronômica parece indicar que a Terra está no centro da esfera de estrelas. E se ela está sempre nesse centro, ela não se move em relação às estrelas."

37. Os termos além de, no entanto, então, portanto, estabelecem no texto relações, respectivamente de:

a) distanciamento - objeção - tempo – efeito.

b) adição - objeção - tempo – conclusão.

c) distanciamento - conseqüência - conclusão – efeito.

d) distanciamento - oposição - tempo – conseqüência.

e) adição - oposição - conseqüência – conclusão.

TEXTO.

I. "As palavras, paralelamente, iam ficando sem vida. Já a oração era morna, depois fria, depois inconsciente..."

II. "Nas feiras, praças e esquinas do Nordeste, costuma-se ferir a madeira com o que     houver à mão: gilete, canivete ou prego. Já nos ateliês sediados entre Salvador e o Chui, artistas cultivados preferem a sutileza da goiva ou do buril."

III. "Ele só se movimenta correndo e perdeu o direito de brincar sozinho na rua onde mora - por diversas vezes já atravessou-a com sinal fechado para pedestres, desviando-se de motoristas apavorados."

38. Nos textos acima, o termo já exprime, respectivamente, a idéia de:

a) tempo, causalidade, intensificação.

b) oposição, espaço, tempo.

c) tempo, oposição, intensificação.

d) intensificação, oposição, tempo.

e) tempo, espaço, tempo.

TEXTO.

"É comum, no Brasil, a prática de tortura contra presos. A tortura é imoral e constitui crime. Embora não exista ainda na leis penais a definição do 'crime de tortura', torturar um preso ou detido é abuso de autoridade somado à agressão e lesões corporais, podendo qualificar-se como homicídio, quando a vítima da tortura vem a morrer. Como tem sido denunciado com grande freqüência, policiais incompetentes, incapazes de realizar uma investigação séria, usam a tortura para obrigar o preso a confessar um crime. Além de ser um procedimento covarde, que ofende a dignidade humana, essa prática é legalmente condenada. A confissão obtida mediante tortura não tem valor legal e o torturador comete crime, ficando sujeito a severas punições."

39. Pode-se afirmar que esse trecho é uma dissertação:

a) que apresenta, em todos os períodos, personagens individualizadas, movimentando-se num espaço e num tempo terríveis, denunciados pelo narrador, bem como a predominância de orações subordinadas, que expressam seqüência dos acontecimentos;

b) que apresenta, em todos os períodos, substantivos abstratos, que representam as idéias discutidas, bem como a predominância de orações subordinadas, que expressam o encadeamento lógico da denúncia;

c) que apresenta uma organização temporal em função do pretérito, jogando os acontecimentos denunciados para longe do momento em que fala, bem como a predominância de orações subordinadas, que expressam o prolongamento da idéias repudiadas;

d) que consegue fazer uma denúncia contundente, usando, entre outros recursos, a ênfase, por meio da repetição de um substantivo abstrato em todos os períodos, bem como a predominância de orações coordenadas sindéticas, que expressam o prolongamento das idéias repudiadas;

e) que consegue construir um protesto persuasivo com uma linguagem conotativa, construída sobre metáforas e metonímias esparsas, bem como com a predominância de orações subordinadas, próprias de uma linguagem formal, natural para esse contexto.

TEXTO.

"Acho que não pode haver discriminação racial e religiosa de espécie alguma. O direito de um termina quando começa o do outro. Em todas as raças, todas as categorias, existe sempre gente boa e gente má. No caso particular dessa música, não posso julgar, porque nem conheço o Tiririca. Como posso saber se o que passou na cabeça dele era mesmo ofender os negros? Eu, Carmen Mayrink Veiga, não tenho idéia. Mas o que posso dizer é que se os negros acharam que a música é uma ofensa, eles devem estar com toda razão."

40.

a) A argumentação, desenvolvida por meio de clichês, subtende um distanciamento entre o eu / enunciador e o ele / negros.

b) A argumentação revela um senso crítico e reflexivo, uma mente que sofre com os preconceitos e, principalmente, com a própria impotência diante deles.

c) A argumentação, partindo de visões inusitadas, mas abalizadas na realidade cotidiana, aponta para a total solidariedade com os negros e oprimidos.

d) O discurso, altamente assumido pelo enunciador, a ponto de autocitar-se sem pejo, ataca rebeldemente a hipocrisia social, que mascara os preconceitos.

e) Impossível conceber, como desse mesmo enunciador, essa frase: "Sempre trabalhei como uma negra", publicada semanas antes na mesma revista.

TEXTO.

DOIS VERSOS PARA GRETA GARBO.

O teu sorriso é imemorial como as Pirâmides

e puro como a flor que abriu na manhã de hoje.

41. Assinale a alternativa correta sobre o texto.

a) O poeta descreveu o sorriso por meio de duas orações subordinadas adverbiais comparativas e uma oração subordinada adjetiva restritiva.

b) A flor com a qual se compara o sorriso da mulher é toda flor de toda manhã da vida do poeta.

c) O poeta fala da mulher, musa inspiradora, mas não a posiciona como sua interlocutora.

d) Os termos que têm a função sintática de predicativo do sujeito insinuam figuras de um leve erotismo na descrição do sorriso da mulher.

e) A oração subordinada adjetiva explicativa, que abriu na manhã de hoje, expande o conceito de flor, a que é comparado o sorriso.

TEXTO.

Sou homem de tristes palavras. De que era que eu tinha tanta, tanta culpa? Se o meu pai, sempre fazendo ausência: e o rio-rio-rio — o rio — pondo perpétuo [grifo nosso]. Eu sofria já o começo da velhice — esta vida era só o demoramento. Eu mesmo tinha achaques, ânsias, cá de baixo, cansaços, perrenguice de reumatismo. E ele? Por quê? Devia de padecer demais.

De tão idoso, não ia, mais dia menos dia, fraquejar o vigor, deixar que a canoa emborcasse, ou que bubuiasse sem pulso, na levada do rio, para se despenhar horas abaixo, em tororoma e no tombo da cachoeira, brava, com o fervimento e morte. Apertava o coração. Ele estava lá, sem a minha tranqüilidade. Sou o culpado do que nem sei, de dor em aberto, no meu foro. Soubesse — se as coisas fossem outras. E fui tomando idéia.

42. No quadro do Modernismo literário no Brasil, a obra de Guimarães Rosa destaca-se pela inventividade da criação estética. Considerando-se o fragmento em análise, essa inventividade da narrativa roseana pode ser constatada através do(a):

a) recriação do mundo sertanejo pela linguagem, a partir da apropriação de recursos da oralidade.

b) aproveitamento de elementos pitorescos da cultura regional que tematizam a visão de mundo simplista do homem sertanejo.

c) resgate de histórias que procedem do universo popular, contadas de modo original, opondo realidade e fantasia.

d) sondagem da natureza universal da existência humana, através de referência a aspectos da religiosidade popular.

TEXTO.

43. Numere os períodos na ordem em que formem um texto coeso e coerente, e marque o item correspondente.

( ) Essa invenção permitiu o sofisticado gosto dos reis franceses de colecionar livros, e a mesma revolução que os degolou foi responsável por abrir suas coleções ao povo.

( ) Há cerca de 2.300 anos, os homens encontraram uma maneira peculiar de guardar o conhecimento escrito juntando-o num mesmo espaço. A biblioteca foi uma entre outras das brilhantes idéias dos gregos, que permanecem até hoje.

( ) Apesar da resistência da Igreja, a informação começou a girar mais rápido com a invenção da imprensa de Gutemberg.

( ) Assim, as bibliotecas passaram a ser "serviço de todos", como está escrito nos anais da maior biblioteca do mundo, a do Congresso, em Washington, que tem 85 milhões de documentos em 400 idiomas diferentes.

( ) Depois deles, a Idade Média trancou nos mosteiros os escritos da antigüidade clássica e os monges copistas passavam o tempo produzindo obras de arte.

a) 1, 3, 5, 2, 4.

b) 3, 2, 4, 5, 1.

c) 2, 3, 5, 4, 1.

d) 4, 1, 3, 5, 2.

e) 5, 4, 1, 3, 2.

TEXTO.

Oficialmente o país saiu da recessão. O PIB cresceu por dois trimestres consecutivos. A alta foi de 0,93% no segundo trimestre em relação ao primeiro, segundo o IBGE. Na prática háoutras questões relevantes. A primeira e mais importante é saber se a recuperação é sustentável. Nesse debate os números ajudam, mas não são suficientes.

44. Assinale a alternativa incorreta quanto ao fragmento do editorial jornalístico acima.

a) Esse tipo de texto analisa dados da realidade cotidiana.

b) A primeira e mais importante traz elíptica a expressão prática.

c) Predomina, no trecho, a função referencial da linguagem.

d) Nesse debate é um recurso anafórico e recupera as idéias expostas em ambos os parágrafos.

e) O elemento coesivo mas possui carga semântica de oposição.

TEXTO.

Rubião interrompeu as reflexões para ler a notícia. Que era bem escrita, era. Trechos havia que releu com muita satisfação. O diabo do homem parecia haver assistido à cena. Que narração! Que viveza de estilo! Alguns pontos estavam acrescentados - confusão de memória - mas o acréscimo não ficava mal.

Julgue os itens.

I - As exclamações, no trecho, são índice de função expressiva.

II - Os travessões presentes no texto são índice de discurso direto.

III - As frases em discurso indireto livre mostram um Rubião interessado naquilo que foi escrito e não no modo como foi escrito.

IV - Os trechos em destaque mostram, em discurso indireto, o pensamento do personagem.

V - Em "O diabo do homem parecia haver assistido à cena", o trecho refere-se ao personagem Rubião.

45. A quantidade de itens certos é equivalente a:

a) 1.

b) 2.

c) 3.

d) 4.

e) 5.

TEXTO.

"Tão barato que não conseguimos nem contratar uma holandesa de olhos azuis para este anúncio."

46. No texto, o vocábulo "nem" estabelece uma relação semântica de:

a) alternância.

b) negação.

c) exclusão.

d) adição.

e) intensidade.

TEXTO.

47. De acordo com o ditado popular "invejoso nunca medrou, nem quem perto dele morou".

a) o invejoso nunca teve medo, nem amedronta seus vizinhos;

b) enquanto o invejoso prospera, seus vizinhos empobrecem;

c) o invejoso não cresce e não permite o crescimento dos vizinhos;

d) o temor atinge o invejoso e também seus vizinhos;

e) o invejoso não provoca medo em seus vizinhos.

TEXTO.

48. A prosopopéia, figura que se observa no verso "Sinto o canto da noite na boca do vento", ocorre em:

a) "A vida é uma ópera e uma grande ópera."

b) "Ao cabo tão bem chamado, por Camões, de ‘Tormentório’, os portugueses apelidaram-no de ‘Boa Esperança’."

c) "Uma talhada de melancia, com seus alegres caroços."

d) "Oh! eu quero viver, beber perfumes, Na flor silvestre, que embalsama os ares."

e) "A felicidade é como a pluma..."

TEXTO.

Folha: De todos os ditados envolvendo o seu nome, qual o que mais lhe agrada?

Satã: O diabo ri por último.

Folha: Riu por último.

Satã: Se é por último, o verbo não pode vir no passado.

49. Rejeitando a correção ao ditado, Satã mostra ter usado o presente do indicativo com o mesmo valor que tem em:

a) Romário recebe a bola e chuta. Gooool!

b) D. Pedro, indignado, ergue a espada e dá o brado de independência.

c) Todo dia ela fez tudo sempre igual.

d) O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos.

e) Uma manhã destas, Jacinto, apareço no 202 para almoçar contigo.

TEXTO.

Reflita sobre o diálogo abaixo:

X – Seu juízo melhorou?

Y – Bom... é o que diz nosso psiquiatra.

Em Y:

(1) Bom não se classifica como adjetivo.

(2) é e diz estão conjugados no mesmo tempo.

(3) o é pronome demonstrativo.

(4) psiquiatra é o núcleo do sujeito.

50. Somando-se os números à esquerda das declarações corretas com referência a Y, o resultado é:

a) 6

b) 7

c) 8

d) 9

e) 10

TEXTO.

"(...) a gíria desceu o morro e já ganhou rótulo de linguagem urbana. A gíria é hoje o segundo idioma do brasileiro. Todas as classes sociais a utilizam."

51. Assinale a letra em que não se emprega o fenômeno lingüístico tratado no texto.

a) A linguagem tida como padrão, galera, é a das classes sociais de maior prestígio econômico e cultural

b) Gíria não é linguagem só de marginal, como pensam alguns indivíduos desinformados.

c) Apesar de efêmera e descartável, a gíria é um barato que enriquece o idioma.

d) "A gíria enriquece tanto a linguagem como o poder de interação entre as comunidades. Sacou?!"

e) O economista começou a falar em indexação, quando rolava um papo super cabeça sobre babados mil.

TEXTO.

"Sou, em princípio, contra a pena de morte, mas admito algumas exceções. Por exemplo: pessoas que contam anedotas como se fossem experiências reais vividas por elas e só no fim você descobre que é anedota. Estas deviam ser fuziladas.

Todos os outros crimes puníveis com a pena capital, na minha opinião, têm a ver, de alguma maneira, com telefone.

Cadeira elétrica para as telefonistas que perguntam: "Da onde?"

Forca para pessoas que estendem o polegar e o dedinho ao lado da cabeça quando querem imitar um telefone.

(Curiosamente, uma mímica desenvolvida há pouco. Ninguém, misericordiosamente, tinha pensado nela antes, embora o telefone, o polegar e o mindinho existam há anos).

Garrote vil para os donos de telefone celular em geral e garrote seguido de desmembramento para os donos de telefone celular que gostam de falar no meio de multidões e fazem questão de que todos saibam que se atrasou para a reunião porque o furúnculo infeccionou.

(Claro, a condenação só viria depois de um julgamento, mas com o Aristides Junqueira na defesa.)"

52. Indique a alternativa correta:

a) em princípio (linha 1) tem sentido equivalente a por princípio;

b) como se (linha 3) estabelece, ao mesmo tempo, uma relação de aparência e dúvida;

c) deviam (linha 4) corresponde ao futuro do pretérito;

d) Em Todos os (linha 6), o artigo poderia ser dispensado;

e) têm a ver (linha 7) constitui um todo indissociável cuja idéia central é expressa pelo verbo auxiliar.

TEXTO.

"O destino não é só dramaturgo, é também o seu próprio contra-regra, isto é, designa a entrada dos personagens em cena, dá-lhes as cartas e outros objetos, e executa dentro os sinais correspondentes ao diálogo, uma trovoada, um carro, um tiro."

53. Assinale a alternativa correta sobre esse fragmento de D. Casmurro, de Machado de Assis:

a) é de caráter narrativo;

b) é de caráter reflexivo;

c) evita-se a linguagem figurada;

d) é de caráter descritivo;

e) não há metalinguagem.

TEXTO.

"Tão barato que não conseguimos nem contratar uma holandesa de olhos azuis para este anúncio."

54. No texto, a orientação semântica introduzida pelo termo nem estabelece uma relação de:

a) exclusão;

b) negação;

c) adição;

d) intensidade;

e) alternância.

TEXTO.

– Ah, não sabe? Não o sabes? Sabes-lo não?

– Esquece.

– Não. Como "esquece"? Você prefere falar errado? E o certo é "esquece" ou "esqueça"? Ilumine-me. Mo diga. Ensines-lo-me, vamos.

– Depende.

– Depende. Perfeito. Não o sabes. Ensinar-me-lo-ias se o soubesses, mas não sabes-o.

– Está bem. Está bem. Desculpe. Fale como quiser.

55. O texto tem por finalidade:

a) satirizar a preocupação com o uso e a colocação das formas pronominais átonas;

b) ilustrar ludicamente várias possibilidades de combinação de formas pronominais;

c) esclarecer pelo exemplo certos fatos da concordância de pessoa gramatical;

d) exemplificar a diversidade de tratamentos que é comum na fala corrente.

e) valorizar a criatividade na aplicação das regras de uso das formas pronominais.

TEXTO.

Bem cuidado como é, o livro apresenta alguns defeitos.

56. Começando com "O livro apresenta alguns defeitos", o sentido da frase não será alterado se continuar com:

a) desde que bem cuidado;

b) contanto que bem cuidado;

c) à medida que é bem cuidado;

d) tanto que é bem cuidado;

e) ainda que bem cuidado.

TEXTO.

Marcela ofereceu-me(1) polidamente o refresco; minha resposta foi dar com a mão no copo e na salva; entornou-se-lhe(2) o líquido no regaço, a  preta  deu  um grito, eu bradei--lhe que se(3) fosse embora. Ficando a sós, (...)  disse-lhe  que  ela era  um  monstro (...) que me(4) deixara descer a tudo...”

57. Assinale a alternativa em que a função sintática do termo sublinhado está incorreta.

a) (1) objeto indireto

b) (2) adjunto adnominal

c) (3) sujeito

d) (4) sujeito

TEXTOS.

I - Meu pai era homem de imaginação; escapou à tanoaria nas asas de um calembour. Era um bom caráter, meu pai, varão digno e leal como poucos.

II - Ela tinha agora a beleza da velhice, um ar austero e maternal; estava menos magra do que quando a vi, na vez passada, numa festa de São João, na Tijuca.

III - Creio que prefere mais a anedota do que a reflexão, como os outros leitores, seus confrades, e acho que faz muito bem.

58. Os textos apresentam, respectivamente:

a) cacófato, eco e pleonasmo.

b) solecismo, cacófato e hiato.

c) obscuridade, eco e barbarismo.

d) galicismo, cacófato e solecismo.

TEXTO.

Preliminarmente, devo consignar que relato o presente recurso em virtude do sorteio efetuado por motivo de afastamento do Relator original do feito. No que concerne à adimissibilidade, ouso discordar dos posicionamentos da Unidade Técnica e do Ministério Público junto ao Tribunal, por entender ausente o requisito intrínsico do interesse de recorrer, em razão da inexistência de um de seus elementos constitutivos, qual seja a utilidade do recurso, que está intimamente relacionada à sucumbência, gravame ou prejuízo sofrido por uma das partes da relação processual, decorrente da decisão proferida. 

59. Identifique  no  texto o  número  de  erros  de ortografia.

a) nenhum erro

b) um erro

c) dois erros

d) três erros

e) quatro erros

TEXTO.

 É necessário analisar a eficácia explicativa de conceitos como resistência, conformismo, as polaridades nacional versus estrangeiro, tradicional versus moderno, popular versus erudito, bem como as dimensões que de fato podem ser associadas ao conceito de dominação cultural. É curioso notar como continuam sendo elaborados projetos culturais de matriz nacional ou mesmo local, numa perspectiva conservacionista, quando não conservadora. Na América Latina, palco da mescla e do conflito permanentes entre elementos culturais de matrizes indígena, européia, africana, essa tendência de construir uma identidade nacional (ou local), baseada nas oposições polares há pouco mencionadas, convive com movimentos alternativos que vão exatamente na direção da construção de uma identidade cultural que incorpore, reelaborando-os, os elementos culturais hegemônicos. Nesse caso, a globalização é, apesar de tudo, plural, abrindo novos caminhos.

60. Em relação às idéias do texto, assinale a opção incorreta.

a) A idéia central do texto relaciona-se à oposição nacional versus global.

b) A globalização traz novos elementos que podem enriquecer, pela pluralidade, os horizontes culturais de uma região.

c) Os conceitos associados à idéia de dominação cultural precisam ser revistos na atualidade.

d) A América Latina tem sido a região mais resistente aos novos elementos trazidos pelos valores culturais globalizados.

e) Nem todos os projetos culturais alcançam a modernidade da reelaboração dos valores que vêm com a globalização.

TEXTO.

A aplicação do princípio da boa-fé nos contratos sempre suscitou controvérsias, pois o Código Civil de  1916, ainda em vigor, não consigna expressamente nenhuma regra genérica atinente à sua aplicação na formação ou execução dos contratos. Concebido dentro de uma perspectiva individualista, voluntarista e patrimonialista do Direito Civil, o referido diploma legal consagrou o princípio da boa-fé subjetiva, embasado na intenção ou na consciência do sujeito da relação jurídica de estar agindo de acordo com o Direito e com ausência de má-fé, ou seja, sem a intenção de lesar outrem. Entretanto, tal concepção de boa-fé, por demandar de seus intérpretes análise eivada de incertezas e dificuldades, uma vez que é relacionada com o aspecto psicológico dos sujeitos, passou a não mais atender às novas exigências criadas pela sociedade moderna que busca mais segurança e razoabilidade nos contratos firmados. Tanto é assim que a doutrina e a jurisprudência começaram a reconhecer sua observância obrigatória, independentemente de sua positivação, por ser um imperativo das necessidades éticas inerentes a qualquer sistema jurídico.

61. Julgue se os itens a seguir, que constituem paráfrases de trechos do texto, respeitam as idéias deste.

I. O princípio da boa-fé subjetiva, consagrado pelo Código Civil de 1916, foi concebido dentro de uma perspectiva individualista, voluntarista e patrimonialista.

II. O princípio da boa-fé subjetiva baseia-se na intenção ou na consciência que o sujeito da relação jurídica tem de que age com ausência de má-fé e de acordo com o Direito.

III. O princípio da boa-fé, relacionado com o aspecto psicológico dos sujeitos, não requer de seus intérpretes uma análise cheia de incertezas e dificuldades e passou a não atender às exigências da sociedade moderna.

IV. O princípio da boa-fé reconhece a observância obrigatória da doutrina e da jurisprudência como um imperativo das necessidades éticas inerentes a qualquer sistema jurídico, para sua positivação.

Estão certos apenas os itens:

A. I, II.

B. I, III.

C. III, IV.

D. I, II, IV.

E. II, III, IV.

TEXTO.

CASA DE CAMPO.

Eu quero uma casa no campo

onde eu possa compor muitos rocks rurais

e tenha somente a certeza dos amigos do peito

e nada mais

Eu quero uma casa no campo

onde eu possa ficar do tamanho da paz

e tenha somente a certeza dos limites do corpo

e nada mais

Eu quero carneiros e cabras pastando solenes

no meu jardim

Eu quero o silêncio das línguas cansadas

Eu quero a esperança de óculos

um filho de cuca legal

Eu quero plantar e colher com a mão

a pimenta e o sal

Eu quero uma casa no campo

do tamanho ideal

pau-a-pique e sapê

Onde eu possa plantar meus amigos

meus discos

meus livros

e nada mais

62. Sobre “Casa no campo”, pode-se afirmar que:

a) quando o eu-lírico diz “e nada mais”, revela sua desesperança em relação à civilização e ao progresso.

b) ao refugiar-se no campo, buscando o “silêncio das línguas cansadas”, o eu-lírico afirma sua descrença nos homens.

c) ao enaltecer o campo como espaço ideal, ambiente não corrompido, o eu-lírico revela sua negação ao enfrentamento da problemática urbana.

d) ao pretender ser o próprio produtor de seus alimentos e ao “plantar” amigos, discos e livros, o eu-lírico nega o progresso urbano-industrial, a arte e fundamentalmente a máquina que, numa inversão de papéis, passou a produzir tudo por ele.

TEXTO.

No Sistema de Pagamentos Brasileiro, a tecnologia se toma variável crítica e o executivo de negócios e planejamento precisa encarar este risco sob a mesma ótica que encara os riscos de crédito e mercado. Doravante um problema tecnológico pode interferir diretamente na questão da liquidez da instituição, mesmo que por poucos momentos. Trata-se de uma questão de continuidade de negócios. As interrupções no processamento da informação, ou a degradação nos sistemas de informação fazem parte da rotina nas estruturas de tecnologia de qualquer empresa, seja ela financeira ou não. Esses são eventos programados que visam atender a demandas ocasionais do negócio ou da tecnologia. O que deve preocupar os executivos de uma instituição financeira são as interrupções não-programadas. Problemas que afetam diretamente a infra-estrutura tecnológica. São falhas de hardware e/ou sistema operacional, conflitos de aplicações; sabotagem; desastres (incêndio, inundação etc); falha humana; corrupção de dados; vírus etc. Estes acidentes causam maior impacto por serem de maior dificuldade de identificação e recuperação. O seu custo é proporcional ao valor da informação afetada e ao volume de negócios interrompidos pelo evento. Dependendo da situação, a recuperação da estrutura operacional pode levar algumas horas e, no caso do SPB, afetar não só a instituição como eventuais parceiros. É importante o planejamento e a implementação de uma solução de continuidade de negócios. Os riscos não são desprezíveis. Um estudo feito pela Universidade do Texas com empresas que sofreram uma perda catastrófica de dados concluiu que 43% jamais voltaram a operar, 51% faliram em dois anos e apenas 6% sobreviveram. Entre as empresas vítimas do primeiro atentado a bomba no World Trade Center (New York), 50% das que não possuíam um plano de contingência faliram em menos de 2 anos.

63. Em relação às idéias do texto, assinale a opção correta.

a) A tecnologia constitui um risco insignificante se comparado ao risco natural do mercado e do crédito.

b) Nenhuma instituição pode apresentar interrupções no processamento da informação, mesmo que programadas, pois significam perdas irrecuperáveis.

c) As interrupções não-programadas, que afetam a infra-estrutura rotineira da empresa, no Serviço de Pagamentos Brasileiro, restringem-se à própria empresa.

d) O custo decorrente de acidentes é calculado a partir do valor das informações perdidas e do volume de negócios interrompidos pelo acontecimento.

e) No Serviço de Pagamentos Brasileiro, as perdas de informação ocorridas em uma empresa circunscrevem-se a ela apenas, sem afetar outras empresas que com ela tenham negócios.

TEXTO.

SINFONIA NEOLIBERAL.

Rio de Janeiro – A história não é minha. Veio numa revista estrangeira. Tampouco é recente. O que confirma a velha sentença de Salomão, segundo a qual nada existe de novo sob o Sol. Vamos a ela. No mundo da modernidade e da eficiência, um presidente de empresa recebeu convite para uma audição da Sinfonia Inacabada, de Schubert. Como tinha compromisso anteriormente assumido, transferiu o convite para o segundo homem do board, pedindo-lhe um relatório da missão. No dia seguinte recebeu um paper: “1) Durante períodos consideráveis, quatro músicos que tocavam oboé nada tinham para fazer. Eles podiam ser eliminados, donde: os custos seriam distribuídos e haveria mais lucro. 2) Quarenta violinos tocaram notas idênticas. Um desperdício. Essa parte poderia ser drasticamente reduzida. 3) Notou-se esforço desnecessário na execução de bemóis e sustenidos. Se o autor os tivesse suprimido, arredondando o valor de cada um deles pela nota mais simples (o si bemol seria apenas si, o dó sustenido seria ré), obter-se-ia considerável economia de meios e uma execução mais rápida e fluente. 4) Não detectei nenhuma finalidade prática na repetição pelos metais dos mesmos temas já executados pelas cordas. Se essas passagens redundantes fossem eliminadas, o concerto poderia obter os mesmos resultados com a economia aproximada de 20 minutos, donde o autor, o vienense Franz Schubert, poderia ter completado sua sinfonia inacabada.” O relatório foi apresentado na reunião semanal da diretoria. Consideraram-no excelente. Na semana seguinte, o presidente do board foi surpreendido com a aceitação de seu pedido de demissão – demissão que ele não pedira. Um novo gênio do neoliberalismo ocuparia o seu lugar, justamente o segundo homem da empresa, autor do relatório sobre a peça de Schubert. No exercício seguinte, a empresa demitiu 3.570 empregados, fechou 18 filiais espalhadas em 12 Estados e, numa licitação pública do Ministério do Meio Ambiente, foi considerada a mais indicada para enlatar o ar da Suíça a ser vendido no Cubatão.

64. É correto inferir do texto que:

A) o autor é um adepto do neoliberalismo, conforme comprova o título.

B) o acontecimento narrado exemplifica a sentença de Salomão e pode aplicar-se a circunstâncias atuais.

C) a arte é dispensável em uma sociedade justa, moderna e eficiente.

D) Schubert não terminou a Sinfonia Inacabada porque perdeu tempo inutilmente.

E) o novo presidente da empresa teve de tomar medidas duras, porém necessárias à preservação ambiental.

TEXTO.

A PAZ E A LEI.

A paz!! Não a vejo. Não há, como não pode existir, senão uma, é a que assenta na lei, na punição dos crimes, na responsabilidade dos culpados, na guarda rigorosa das instituições livres. Outra espécie de paz, não é senão a paz da servidão, a paz indigna e aviltante dos países oprimidos, a paz abjeta que a nossa índole, o nosso regímen essencialmente repelem, a paz que humilha todos os homens honestos, a paz que nenhuma criatura humana pode tolerar sem abaixar a cabeça envergonhada. Esta não é a paz que eu quero. Quando peço a observância da lei, é justamente porque a lei é o abrigo da tolerância e da bondade. Não há outra bondade real, Srs. Senadores, senão aquela que consiste na distribuição da justiça, isto é, no bem distribuído aos bons e no castigo dispensado aos maus. E a tolerância, que vem a ser senão a observância da igualdade legal? Porventura temos sido nós iguais perante a lei, neste regímen, nestes quatro anos de Governo, especialmente? Há algum chefe de partido, há algum cabeça de grupo, algum amigo íntimo da situação, algum parente ou chegado às autoridades, que não reúna em sua pessoa um feixe de regalias, que não goze de prerrogativas especiais, que não tenha em torno de sua individualidade uma guarda e defesa régia ou principesca? Essa excursão, Srs. Senadores, me levaria longe e poderia por si só absorver os meus poucos minutos de tribuna nesta sessão. Nas poucas vezes em que me atrevo a perturbar a serenidade absoluta deste recinto e a contrariar os sentimentos dos meus honrados colegas, tenho consciência, Sr. Presidente, de ter-me colocado sempre em um plano, que não se opõe nem à tolerância nem à paz; que é, ao contrário, o terreno onde a paz e a tolerância se devem estabelecer, o único terreno em que nós todos nos poderíamos aproximar e dar-nos as mãos, o terreno da reconciliação com a lei, com a República, com as suas instituições constantemente postergadas, debaixo da política sem escrúpulos da atualidade.

65. Com base no texto, assinale a opção correta.

425

A) A paz desejada pelo autor é a da servidão e a dos países oprimidos.

B) Com base nas argumentações do autor, é correto afirmar que existem, pelo menos, duas espécies de paz.

C) O tema do discurso é extemporâneo, uma vez que, quando o pronunciou o autor, o mundo passava por um longo período de paz.

D) Infere-se da afirmação “A paz!! Não a vejo.” que o autor tinha uma grave deficiência visual.

E ) Qualquer espécie de paz é melhor do que a guerra.

TEXTO.

A JUSTIÇA.

Esta é uma carta que em sua forma gráfica indica, acima de tudo, eqüidade, retidão, equilíbrio e senso de justiça. O Arcano VIII exprime, no mundo divino, a justiça absoluta, já no mundo intelectual, exprime a atração e a repulsão, e no mundo físico inclina para a justiça relativa, que pode ser falível e limitada, que naturalmente provém dos homens. Esta carta é uma simbologia de uma mulher sentada em um trono, com a fronte cingida por uma coroa; tem na mão direita uma espada com ponta levantada, e na esquerda, uma balança. É o antigo símbolo da justiça que pesa os atos e que opõe ao mal, para contrapeso, a Espada da expiação. A justiça, emanada de Deus, é a reação equilibrante que reconstitui a ordem, isto é, o equilíbrio entre o direito e o dever. A espada é aqui um sinal de proteção para os bons e de ameaça para os maus. Os olhos da justiça estão bem abertos para mostrar que ela penetra muito além das razões parciais daqueles que se acham sob a sua jurisdição. Para realizar todas as coisas é preciso estabelecer um equilíbrio entre as forças que são postas em movimento. Toda ação produz uma reação, a vontade deve prever o choque das forças contrárias, para temperá-lo e anulá-lo. Todo futuro balança-se para o Bem e para o Mal. Toda inteligência que não sabe equilibrar-se é como um sol abortado.

66. Com base no texto, julgue se os itens abaixo estão certos concomitantemente dos pontos de vista do conteúdo e da gramática.

I - A justiça humana é relativa porque, criada pelo homem, pode ser falível e limitada.

II - Apesar da justiça absoluta emanar de Deus, ela só existe de fato no mundo físico.

III - A espada da Justiça é uma arma de dois gumes: o primeiro, protege os bons; o segundo, ameaça os maus.

IV - Os dois símbolos que carregam a Justiça – a espada e a balança – representam, respectivamente, o direito e o dever.

V - A carta de tarô descrita no texto e reproduzida acima ilustra plenamente o ditado popular: A justiça é cega.

A quantidade de itens certos é igual a:

A) 1

B) 2

C) 3

D) 4

E) 5.

TEXTO.

“As diferentes épocas são mais facilmente rotuladas quando coloridas de siglas e apelidos, quando tendenciosamente hierarquizadas, quer pela autoconsciência que uma geração tem do momento em que vive, quer pela visão que, deste momento, possuirá um grupo póstero de analistas”.

67. Infere-se do texto que:

(A) tanto as gerações atuais quanto as vindouras alicerçam-se em fatores subjetivos para a rotulação das épocas.

(B) há um grupo póstero de analistas cuja função consiste em criticar o lado negativo de cada época.

(C) tendenciosamente hierarquizadas, as diversas épocas alimentam-se da autoconsciência das gerações que nelas vivem.

(D) existe uma autoconsciência capaz de estabelecer confronto entre uma época e outra.

(E) o colorido das siglas e apelidos hierarquiza e rotula as tendências das diferentes épocas.

TEXTO.

LINHÃO DE GURI BAIXA TARIFA DE ENERGIA ELÉTRICA EM RORAIMA.

Em treze de agosto passado, o presidente Fernando Henrique Cardoso inaugurou oficialmente a linha de transmissão que interliga Boa Vista ao Complexo Hidrelétrico de Guri/Macágua, na Venezuela. O “Linhão de Guri”, como ficou conhecido o empreendimento, vai abastecer o estado de Roraima pelos próximos vinte anos. Na ocasião, o presidente anunciou a redução na tarifa de energia paga pelos consumidores de Roraima. A redução, segundo o presidente, deve ser de 5% a 6%. Por isso, empresas concessionárias, consumidores e o governo de Roraima estão na expectativa da decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) sobre o assunto. Atualmente, o preço de venda da energia para o consumidor final em Roraima, é de 70 dólares o megawatt (MW), o que não cobre os custos de produção, que são de 125 dólares o MW. Com a linha de transmissão de Guri, esse valor cairá cerca de 80% — de 125 dólares para 26 dólares.

68. Assinale a opção correta acerca da estrutura e das idéias do texto.

A. “empreendimento” refere-se à expressão “Complexo Hidrelétrico de Guri/Macágua”.

B.a vírgula após “empreendimento” pode ser eliminada sem que haja prejuízo à estrutura textual.

C. sem que houvesse alteração do sentido do texto, a oração “A redução, segundo o presidente, deve ser de 5% a 6%” poderia ser reescrita da seguinte forma: “Segundo o presidente, a redução pode ser de até 6%”.

D. De acordo com os dados do último parágrafo do texto, atualmente o preço de venda de 1 MW de energia para o consumidor final é superior à metade dos correspondentes custos de produção.

E. De acordo com o último parágrafo do texto, com a linha de transmissão de Guri, “o preço de venda da energia para o consumidor final” cairá para aproximadamente 44 dólares o MW.

TEXTO.

No Sistema de Pagamentos Brasileiro, a tecnologia se toma variável crítica e o executivo de negócios e planejamento precisa encarar este risco sob a mesma ótica que encara os riscos de crédito e mercado. Doravante um problema tecnológico pode interferir diretamente na questão da liquidez da instituição, mesmo que por poucos momentos. Trata-se de uma questão de continuidade de negócios. As interrupções no processamento da informação, ou a degradação nos sistemas de informação fazem parte da rotina nas estruturas de tecnologia de qualquer empresa, seja ela financeira ou não. Esses são eventos programados que visam atender a demandas ocasionais do negócio ou da tecnologia. O que deve preocupar os executivos de uma instituição financeira são as interrupções não-programadas. Problemas que afetam diretamente a infra-estrutura tecnológica. São falhas de hardware e/ou sistema operacional, conflitos de aplicações; sabotagem; desastres (incêndio, inundação etc); falha humana; corrupção de dados; vírus etc. Estes acidentes causam maior impacto por serem de maior dificuldade de identificação e recuperação. O seu custo é proporcional ao valor da informação afetada e ao volume de negócios interrompidos pelo evento. Dependendo da situação, a recuperação da estrutura operacional pode levar algumas horas e, no caso do SPB, afetar não só a instituição como eventuais parceiros. É importante o planejamento e a implementação de uma solução de continuidade de negócios. Os riscos não são desprezíveis. Um estudo feito pela Universidade do Texas com empresas que sofreram uma perda catastrófica de dados concluiu que 43% jamais voltaram a operar, 51% faliram em dois anos e apenas 6% sobreviveram. Entre as empresas vítimas do primeiro atentado a bomba no World Trade Center (New York), 50% das que não possuíam um plano de contingência faliram em menos de 2 anos.

69. Em relação às idéias do texto, assinale a opção correta.

a) A tecnologia constitui um risco insignificante se comparado ao risco natural do mercado e do crédito. b) Nenhuma instituição pode apresentar interrupções no processamento da informação, mesmo que programadas, pois significam perdas irrecuperáveis.

c) As interrupções não-programadas, que afetam a infra-estrutura rotineira da empresa, no Serviço de Pagamentos Brasileiro, restringem-se à própria empresa.

d) O custo decorrente de acidentes é calculado a partir do valor das informações perdidas e do volume de negócios interrompidos pelo acontecimento.

e) No Serviço de Pagamentos Brasileiro, as perdas de informação ocorridas em uma empresa circunscrevem-se a ela apenas, sem afetar outras empresas que com ela tenham negócios.

TEXTO.

Nas duas últimas décadas, os Bancos Centrais do mundo todo têm desempenhado um papel importante  no sistema de pagamento dos seus países em conseqüência da globalização, do crescimento das atividades financeiras e da rápida evolução tecnológica. Por ser a base da infra-estrutura necessária para suportar as atividades econômicas do país e um veículo crítico de penetração em outros mercados,

o Banco Central do Brasil tem se empenhado em desenvolver um sistema nacional de pagamentos que possa, de uma maneira segura e eficiente, tratar as transferências de grandes volumes financeiros. Estamos no caminho certo e não podemos ficar isolados do resto do mundo.

70. Em relação ao texto acima, assinale a opção correta.

a) Depreende-se do texto que globalização e evolução tecnológica constituem duas importantes conseqüências do crescimento das atividades financeiras dos bancos centrais.

b) A expressão “têm desempenhado” pode ser substituída, sem prejuízo para a correção gramatical do período, por “vem desempenhando”.

c) Infere-se do texto que os bancos centrais têm contado com um declínio em sua importância econômico-social, paralelamente ao seu incremento tecnológico.

d) A articulação entre as idéias dos dois parágrafos pode se realizar inserindo-se no início do segundo parágrafo a expressão: Em consonância com esta evidência e por...

e) As formas verbais do último período sintático do texto, “Estamos” e “podemos”, estão sendo utilizadas como reforço estilístico para inserir todos os países que têm bancos centrais no esforço da globalização.

TEXTO.

As instituições financeiras estão obrigadas a operar dentro das regras e definições do novo sistema de pagamentos que compreende os serviços de compensação de cheques e outros papéis, a liquidação de ordens eletrônicas de débitos e créditos, a transferência de fundos e outros ativos financeiros, a compensação e liquidação de operações na Bolsa de Mercadorias e Futuros, incluindo aquelas relativas a derivativos financeiros. Desta forma, conceitua-se o Sistema de Pagamentos Brasileiro como um conjunto de regras, procedimentos, instrumentos de controle e sistemas operacionais que devem funcionar integrados para transferir fundos do pagador para o recebedor.

71. Em relação ao texto acima, assinale a opção incorreta.

a) A expressão “estão obrigadas” pode ser substituída por “obrigam-se”, sem alterar a correção gramatical do período.

b) A forma verbal “compreende” está sendo utilizada com a mesma significação que no seguinte exemplo: O Código de Ética e Decoro compreende ações tanto públicas quanto privadas de agentes públicos.

c) Se a expressão “devem funcionar integrados” estivesse no singular, “deve funcionar integrado”, para concordar com “um conjunto”, o período estaria igualmente correto.

d) Em “relativas a derivativos” o uso do sinal indicativo de crase é facultativo.

e) O trecho “conceitua-se o Sistema de Pagamentos Brasileiro como” pode ser substituído por “o Sistema de Pagamentos Brasileiro é conceituado como”, sem prejuízo para a correção gramatical do período.

TEXTO.

Nenhum País pode estar obrigado(1) por um tratado que ainda não ratificou: não existe regra de direito internacional geral a dizer tal coisa(2), nem poderia a regra tópica, escrita no próprio tratado, criar(3) para o Estado negociador uma obrigação independente do ato ratificatório(4) e anterior a este – salvo no domínio do mero procedimento – ou ainda a conta do(5) princípio da boa-fé (assim o dever de não solapar, na expectativa de vigência, os objetivos do tratado).

72. Assinale a opção correspondente a erro gramatical, no texto acima.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

TEXTOS.

73.  Em relação à pontuação, assinale a opção correta.

a) O Programa Sociedade da Informação foi concebido, pelo Ministério da Ciência e Tecnologia para preparar a nova geração de redes, e viabilizar, assim, um novo estágio de evolução da Internet e suas aplicações no país.

b) Constitui um conjunto de iniciativas que prevê ações dos governos federal, estaduais, municipais, junto com a iniciativa privada, tanto na capacitação de pessoal para pesquisa, e desenvolvimento quanto na garantia de serviços avançados de comunicação e informação.

c) Faz parte do Plano Plurianual 2000-2004, com investimentos previstos de R$ 3,4 bilhões, e tem o objetivo de colocar o país em condições de operar a Internet com todos os requisitos técnicos; já existentes nos países mais avançados, tanto no que diz respeito à velocidade de transmissão de dados, quanto a novos serviços e aplicações.

d) Sua meta é criar, nos próximos quatro anos as bases para que aumente substancialmente a participação da economia da informação no Produto Interno Bruto (PIB) – hoje estimada em dez por cento, tornando as empresas mais competitivas no mercado internacional.

e) Estão sendo feitas articulações e firmadas parcerias que envolvem o governo, a iniciativa privada e o terceiro setor (entidades que prestam serviços à sociedade, sem objetivar lucro). A indústria e as empresas brasileiras deverão ser os setores mais beneficiados da sociedade.

TEXTO.

 Na pesquisa para avaliar a gestão nas empresas em relação à qualidade no setor de software, foram considerados os seguintes fatores: a elaboração de planos estratégicos, a inclusão de metas consistentes, a coleta de indicadores precisos, a contabilidade adequada de custos, a implantação de programas de qualidade total e a certificação dos sistemas.

O relacionamento das empresas com seus empregados foi acompanhado a partir de aspectos da participação dos mesmos na solução de problemas, sua satisfação e oportunidades de aperfeiçoamento profissional. O relacionamento com o mercado era avaliado considerando-se a realização de pesquisas de expectativa e de satisfação junto aos clientes; a existência de estruturas de atendimento; a resolução de reclamações e o uso desses tipos de dados na revisão de projetos ou na especificação de novos produtos e serviços.

Procedimentos específicos para qualidade em software foram medidos por indicadores referentes à adoção de métodos de engenharia para prevenção ou detecção de defeitos, à utilização de ferramentas automatizadas de desenvolvimento e ao tipo de documentação adotada. Adicionalmente, todo um conjunto de aspectos foi levantado visando à caracterização das empresas e do software desenvolvido no Brasil.

74. Em relação ao texto, assinale a opção correta.

a) As escolhas sintáticas e lexicais do texto são apropriadas para um texto de relatório.

b) Para que a pontuação do texto se torne correta é necessário substituir as quatro vírgulas (linhas 4, 5, 6, 7) após o sinal de dois pontos (linha 4)  por sinais de ponto e vírgula.

c) O uso da voz passiva em “foi acompanhado” (linha 11) tem o efeito estilístico de explicitar e reforçar o papel do agente da ação.

d) Em “O relacionamento com o mercado era avaliado”(linhas 15, 16), a transformação da voz passiva analítica para sintética corresponde a: Avaliou-se o relacionamento com o mercado.

e) O uso do pretérito indica que a pesquisa a que o texto se refere está em andamento.

TEXTO.

75. Assinale a opção em que uma das sugestões é incorreta para o preenchimento coeso e coerente da lacuna correspondente.

      Existem hoje no País cerca de 3,8 milhões de computadores conectados à Internet. _____1_______ o ritmo atual de crescimento, esse número dobrará em menos de quatro anos, podendo comprometer a velocidade e a qualidade das conexões e esgotar em pouco tempo o potencial de ingresso de novos usuários.

O programa Sociedade da Informação tem como um de seus objetivos evitar ___2_____ esgotamento e contribuir para a redução das desigualdades sociais e regionais. Para isso, pretende ___3_____ o uso do computador em todo o território nacional e criar condições para que o maior número de brasileiros ___4___ acessar a Internet.

O programa inclui as Redes Metropolitanas de Alta Velocidade (Remavs), que já ___5____ implantadas por projetos pilotos em 14 cidades brasileiras.

Nessa etapa, o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Ministério da Educação terão interligado na rede todas as instituições federais de ensino superior e institutos de pesquisa do país.

a) 1. Se for mantido / Caso seja mantido

b) 2. esse / tal

c) 3. disseminar / difundir

d) 4. possa / chega a

e) 5. vêm sendo / estão sendo

TEXTO.

76. Leia o texto e marque a afirmação incorreta.

      A ciência e o processo científico não constituem __1__ única forma de obtenção do conhecimento. Além da experiência cotidiana, constituindo __2__ base cultural, __3__ os saberes reflexivos da filosofia. Apenas o simples processo experimental da ciência não conduz __4__ sabedoria: é necessário submeter os seus resultados __5__ elaboração filosófico-conceitual, __6__  preceitos éticos, para torná-los verdadeiramente humanos.

a) As lacunas 1 e 2 devem ser preenchidas com a, artigo feminino singular.

b) Na lacuna 3 é correto colocar há, pois o verbo haver, quando utilizado no sentido de existir, é impessoal.

c) Duas opções, a e à, podem ser utilizadas indistintamente na lacuna 4, uma vez que conferem sentido idêntico ao período.

d) Estaria correto preencher a lacuna 5 com à.

e) A estrutura sintática do período admite que a lacuna 6 seja preenchida com aos.

TEXTOS.

77. Assinale a opção em que a redação sugerida para o fragmento está correta, coesa e coerente.

a) Diante da velocidade que ocorrem às transformações no setor de software, principalmente quanto aos curtos ciclos de tecnologia observados e à rápida evolução dos produtos, entende-se de que não basta um profissional bem formado. É preciso promover, regularmente, em termos de conhecimentos, sua atualização.

b) Quanto a curtos ciclos de tecnologia observados e a rápida evolução dos produtos, diante da velocidade que ocorrem as transformações no setor de software, entende que não basta um profissional bem formado. Promover, regularmente, sua atualização em termos de conhecimentos, é preciso.

c) Diante da velocidade com que ocorrem as transformações no setor de software, principalmente no que se refere aos curtos ciclos de tecnologia e à rápida evolução dos produtos, entende-se que não basta um profissional bem formado. É preciso promover, regularmente, sua atualização em termos de conhecimentos.

d) No setor de software, diante da velocidade em que ocorrem as transformações, tanto quanto aos curtos ciclos de tecnologia observados e a rápida evolução dos produtos, entendem-se que não basta um profissional bem formado. Regularmente, é preciso promover sua atualização em termos de conhecimento.

e) Ocorrem transformações com velocidade no setor de software, no que se refere aos curtos ciclos de tecnologia observados e a rápida evolução dos produtos, entende-se de que não basta um profissional bem formado. É preciso promoverem, regularmente, suas atualizações em termos de conhecimentos.

TEXTOS.

78. Os fragmentos abaixo constituem um texto, mas estão desordenados. Numere os itens quanto à sua ordenação coesa e coerente e assinale a opção correspondente:

(  ) O espaço aberto para a participação dos empregados na construção dessa atmosfera é constituído por meio de reuniões de trabalho, adoção de equipes, programas de sugestões e pesquisa de satisfação.

(  ) Conseqüentemente, as empresas, tanto quanto promover tal atualização de seus profissionais em termos de conhecimento, procuram estabelecer uma atmosfera em que as relações pessoais, o acesso às informações e o espírito de equipe sejam valorizados.

(  ) Entretanto, a partir dos anos 80, quase meio século passado desde que o controle estatístico de qualidade começou a ser implantado nas empresas, vem-se consolidando o interesse pela qualidade dos serviços associados e pelo comportamento humano.

(  ) Por volta dos anos 30, o que importava para as empresas era a produção e a redução da quantidade de peças defeituosas.

(  ) Assim, além de questões diretamente relacionadas a ganhos financeiros, os empresários vêm cuidando da qualidade técnica, dos padrões de seus produtos e serviços, e também da qualificação dos trabalhadores.

a) 3, 2, 1, 4, 5

b) 5, 4, 2, 1, 3

c) 2, 3, 4, 5, 1

d) 1, 5, 3, 2, 4

e) 4, 1, 5, 3, 2

TEXTOS.

79. Quanto  à estrutura sintática dos períodos, assinale a opção correta.

a) A busca da competitividade da indústria brasileira de software e outros produtos passam, necessariamente, pelo alcance de padrões internacionalmente aceitos de qualidade e produtividade de seus produtos e serviços.

b) As pesquisas de satisfação, o registro e o acompanhamento das reclamações dos clientes revestem-se de importância à proporção que os dados coletados são utilizados pelas empresas na revisão de seus projetos ou na especificação de novos produtos ou serviços.

c) As pesquisas diretas junto em empresas que desenvolvem software no Brasil vêm sendo realizadas com o objetivo de acompanhar a evolução desse setor quanto à aspectos do planejamento estratégico, sistemas da qualidade e certificação para a qualidade dos produtos.

d) Estratégias e ações propostas  a  luz  de   diagnósticos objetivos e fidedignos representam uma base sólida para a promoção da competição internacional dos produtos e serviços brasileiros, no momento que as econo-mias mundiais passam por processos de globalização.

e) A contabilização de custos da qualidade está associada a ferramentas de maior complexidade, que se adaptam principalmente à sistemas da qualidade em fase relativamente madura.

TEXTO.

No período desenvolvimentista, o Brasil foi um dos poucos países subdesenvolvidos que conseguiu percorrer quase todos os passos previstos para o processo de industrialização retardatária, registrando uma das mais elevadas taxas médias de crescimento mundial. De maneira que, ao ser atingido pela crise dos anos 80, o Brasil singularizava-se no contexto latino-americano pela extensão de sua indústria, pelo porte de seu setor de bens de consumo duráveis e de bens de produção, pelo seu grau de articulação interindustrial, e, finalmente, pelo dinamismo de seu setor externo. Durante todo esse longo período, a heterogeneidade e as desigualdades sociais aumentaram e se alastraram com o desenvolvimento econômico e a urbanização.

80. Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

a) A expressão “quase todos os” (linha 3) pode, sem prejuízo para a correção do período, ser substituída por grande parte dos.

b) A forma verbal de gerúndio “registrando” (linha 5), pode ser substituída por “e registrou,” sem prejuízo para a correção do texto.

c) A expressão “De maneira que” (linhas 6, 7) estabelece com a idéia do período anterior uma relação de natureza explicativa.

d) Em “singularizava-se” (linha 8) o verbo é pronominal.

e) Se a expressão “Durante todo esse longo período” (linhas 13, 14) fosse substituída por “ao longo desse período”, a palavra longo pertenceria à mesma classe e teria a mesma função sintática nas duas formulações.

TEXTO.

O Poder Judiciário ____1____se mostrando sensível ao problema da protelação e ___2___buscado novas soluções. Encontrou na mediação um projeto promissor, uma alternativa modernizante e eficaz para solucionar conflitos, que ___3___anos nos tribunais e significativos recursos, __4__ o Judiciário e o cidadão não dispõem. O campo de aplicação da mediação é amplo. Seu principal efeito ___5___ será reduzir o tempo para solução dos conflitos que chegam à Justiça.

81. Assinale a opção que indica o preenchimento incorreto da lacuna correspondente.

a) 1 - vem

b) 2 - tem

c) 3 - demandariam

d) 4 - os quais

e) 5 - a curto prazo

TEXTO.

No processo da mediação, o trabalho do mediador será importantíssimo, exercido por advogados assistidos, e, __1__ necessário, por profissionais multidisciplinares. Ele terá função diferenciada do magistrado, __2__ não julgará, __3__ propiciará __4__ partes a análise de diferenciados pontos de vista, estimulando a discussão, apontando fatos importantes e facilitando o entendimento. Em nenhum momento estimulará a contenda, __5__ o entendimento, e não tomará partido.

82. Assinale a opção que indica o preenchimento incorreto da lacuna correspondente.

a) 1 - quando

b) 2 - por que

c) 3 - mas

d) 4 - às

e) 5 - mas

TEXTO.

O emprego da mediação deve evidenciar __1__ uma sociedade plural necessita de soluções diferenciadas e criativas, __2__ possam atender às divergentes demandas, vencendo alguns problemas

cruciais da Justiça, como a morosidade dos processos. Os efeitos pedagógicos __3__ sociedade, provocados por esse instrumento, também devem ser positivos, principalmente __4__ tange à cultura do entendimento e da solução rápida e eficiente __5__ contendas que, de outra forma, demandariam dispêndio significativo de tempo e recursos.

83. Assinale a opção que indica o preenchimento incorreto da lacuna correspondente.

a) 1 - que

b) 2 - as quais

c) 3 - sob a

d) 4 - no que

e) 5 - para as

TEXTO.

O secretário da Receita Federal, na audiência pública na comissão especial da Câmara, disse apreciar(1) a proposta de emenda constitucional que prorroga a CPMF, uma vez que(2) 4.516 pessoas físicas isentas de tributação ou omissas movimentaram, juntas, mais de R$ 25 bilhões no ano passado com operações individuais que(3) ultrapassaram R$ 10 milhões. Afirmou também que outras 2.449 pessoas jurídicas imunes, inativas, isentas, omissas ou optantes do imposto Simples movimentaram, juntas, R$ 147 bilhões. A movimentação desses "contribuintes" é desproporcional e ofende o senso comum. Desse

total, 857 contribuintes já foram fiscalizados, que(4) resultou num lançamento tributário da ordem de R$ 400 milhões, além de outras iniciativas de ordem judicial. Qualquer tipo de imposto está sujeito a sonegação, mas a CPMF é mais resistente que qualquer outro, tanto à sonegação quanto à(5) elisão fiscal.

84. Para que o texto fique correto, é necessário substituir:

a) “disse apreciar”(1) por “disse que apreciava”

b) “uma vez que”(2) por “já que”

c) “que”(3) por “as quais”

d) “que”(4) por “o que”

e) “quanto à”(5) por “como à”

TEXTO.

Max Weber, um dos analistas mais críticos da lógica da história moderna (ou da falta dela), observou que o fenômeno que marcava o nascimento do novo capitalismo era a separação entre atividade econômica e atividade doméstica – em que o doméstico significava a densa rede de direitos e obrigações mútuas mantidas pelas comunidades rurais e urbanas, pelas paróquias ou grupos de artesãos, em que as famílias e vizinhos estavam estreitamente envolvidos. Com essa separação, o mundo dos negócios se aventurou por uma autêntica terra fronteiriça, uma terra de ninguém, livre de problemas morais e restrições legais e pronta a ser subordinada ao código de conduta próprio da empresa. Como já sabemos, essa extraterritorialidade sem precedentes da atividade econômica conduziu a um avanço espetacular da capacidade industrial e a um acréscimo da riqueza. Também sabemos que, durante quase todo o século XX, essa mesma extraterritorialidade resultou em muita miséria humana, em pobreza e em uma quase inconcebível polarização das oportunidades e níveis de vida da humanidade. Por último, também sabemos que os Estados modernos, então emergentes, reclamaram essa terra de ninguém que o mundo dos negócios considerava de sua exclusiva propriedade.

85. Em relação às idéias do texto, assinale a opção incorreta.

a) Com a separação entre o mundo dos negócios e o mundo doméstico, houve um grande desenvolvimento industrial e distribuição mais justa da riqueza produzida.

b) No novo capitalismo há uma separação entre a atividade econômica, ou mundo dos negócios e a atividade doméstica.

c) No mundo dos negócios predomina o código de conduta próprio da empresa, que é livre de questões morais.

d) A noção de “extraterritorialidade” se opõe à existência de uma densa rede de direitos e obrigações mútuas, próprias das comunidades menores.

e) A extraterritorialidade conduziu inicialmente a um avanço industrial e à riqueza, mas posteriormente à pobreza e à desigualdade.

TEXTO.

Atualmente, o maior entrave da Justiça brasileira é a morosidade. E, como bem enfatizou Rui Barbosa, justiça protelada é negação da justiça. A falta de agilidade do Judiciário compromete, principalmente, a cidadania plena, uma vez que vivemos em um país onde as desigualdades são históricas e a distribuição da justiça vem-se constituindo como um fator a mais na diferenciação entre os cidadãos, quando todos deveriam ter acesso igualitário à lei, sem privilégios e exceções.

86. A idéia central do texto é:

a) Todos deveriam ter acesso igual à justiça.

b) Vivemos num país em que as desigualdades são históricas.

c) A distribuição da justiça é fator de diferenciação entre indivíduos.

d) Rui Barbosa enfatizou que a justiça protelada é a negação da justiça.

e) A morosidade do judiciário compromete a cidadania plena e a igualdade.

TEXTO.

Globalização significa que todos nós dependemos uns dos outros. As distâncias pouco importam agora. O que acontece em um lugar pode ter conseqüências mundiais. Graças aos recursos, instrumentos técnicos e conhecimentos adquiridos, nossas ações abrangem enormes distâncias no espaço e no tempo. Por mais localmente limitadas que sejam nossas intenções, erraríamos se não levássemos em conta os fatores globais, pois eles podem decidir o êxito ou o fracasso de nossas ações. O que fazemos (ou nos abstemos de fazer) pode influir nas condições de vida (ou de morte) de gente que vive em lugares que nunca visitaremos e de gerações que jamais conheceremos.

87. Em relação ao texto, assinale a opção correta.

a) O uso da primeira pessoa do plural confere ao texto mais formalidade, pois a voz do enunciador torna-se impessoal.

b) O segundo período do texto permite a inferência de que as distâncias não terão importância no futuro.

c) Se a palavra “gente” (linha 13) for substituída por pessoas o texto dispensa outras alterações.

d) Se a forma verbal “erraríamos” (linha 9) for substituída por erraremos a forma verbal “levássemos” (linha 9) deve também ser substituída por levarmos.

e) Se a forma verbal “erraríamos”(linha 9) for substituída por erramos a forma verbal “levássemos” (linha 9) dispensa alterações.

TEXTOS.

88. Assinale a opção sintaticamente correta.

a) Durante os setenta anos da história imperial brasileira, o velho sonho do paraíso, que alimentou a vontade dos primeiros colonizados, foram sendo substituídos pela utopia da “modernização”, uma idealização explícita do modelo socieconômico das potências da Europa do norte, e mais tarde do modelo da sociedade norte-americana.

b) Até a crise mundial de 1930, o país foi fiel ao livrecambismo e seguiu uma trajetória de crescimento e modernização restrita as suas áreas exportadoras.

c) O Brasil não era um domínio da Inglaterra (como o Canadá, a Austrália e a Nova Zelândia), mas estava submetido ao seu sistema monetário e financeiro e à Doutrina Monroe, que foi formulada, de fato, por Castlereagh, ministro de Relações Exteriores inglês.

d) Mais tarde, no período da transição para a hegemonia norte-americana, o país foi forçado a adotar uma posição defensiva, começando o caminho de construção de uma economia nacional de que só consolidou depois da Segunda Guerra Mundial.

e) O Brasil não ocupou posição relevante na geo-política da Guerra Fria, embora manteve um alinhamento quase automático com a política internacional norte-americana, ocupando, durante esse período, a posição de principal sócio econômico dos Estados Unidos na periferia sul-americana.

TEXTOS.

89. Os fragmentos abaixo constituem um texto, mas estão desordenados. Numere-os, observando a ordem em que devem ocorrer para constituírem um texto coeso e coerente, e assinale a seqüência correspondente.

( ) Essa incapacidade, que é também uma impossibilidade de exercer a cidadania, fomenta a censura e a obrigatoriedade de normas como forma de conquista da ordem.

( ) A existência de regras acrescidas desse significado individual torna o resultado mais efetivo.

( ) Para Montesquieu, quando o indivíduo entrega ao Estado o poder de governar e decidir os rumos que ele deve seguir, começa a morrer a sua capacidade de auto governar-se.

( ) Por isso, na constituição da ética de controle social deve haver espaço para a contribuição e estabelecimento de uma ética individual.

( ) Contudo, a coerção não é o caminho desejado para uma nação democrática e moderna.

a) 4, 3, 1, 5, 2

b) 2, 5, 1, 4, 3

c) 4, 1, 3, 5, 2

d) 3, 2, 1, 5, 4

e) 3, 4, 5, 2, 1

TEXTO.

90. Assinale a opção que preenche correta e coerentemente as lacunas do texto.

Uma preocupação do governo está relacionada ___ manutenção do registro do débito na contabilidade das empresas mesmo depois de seu pagamento. Isso pode propiciar __ contabilização de prejuízos referentes ___ variação cambial e ___gastos com juros que na verdade não existiriam. Se o pagamento tiver sido feito, mas __ empresas tiverem mantido seus registros contábeis, isso pode reduzir artificialmente o lucro das companhias, o que prejudica ____ arrecadação do imposto.

a) a – a – a – aos – as – à

b) a – à – à – a – às – a

c) à – a – à – aos – as – a

d) à – à – a – aos – às – à

e) a – à – a – à – às - a

TEXTOS.

91. Assinale a opção em que as duas versões do trecho estão gramaticalmente corretas e contêm a mesma informação.

a) Desde 95, o Governo tenta coibir a elisão fiscal. Uma das brechas consideradas fechadas é a operação de preço de transferência. / O Governo tenta coibir a elisão fiscal desde 95, e a operação de preço de transferência, é uma das brechas consideradas fechadas.

b) Descobriu-se que as filiais de multinacionais no Brasil estavam superfaturando importações ou subfaturando exportações como uma maneira de enviar recursos para suas matrizes sem tributação. / As filiais de multinacionais no Brasil estavam superfaturando importações ou subfaturando exportações,  pois uma maneira sem tributação de enviar recursos para suas matrizes foi descoberto.

c) Casos como o de profissionais que se tornam pessoas jurídicas e são contratados para prestar serviços fazem parte do grupo em relação ao qual também se pretende intensificar a fiscalização. / Os profissionais que são contratados para prestar serviços às pessoas jurídicas são alguns dos casos que fazem parte do grupo que também pretende intensificarem a fiscalização.

d) Para pagar menos imposto, o contribuinte abre uma empresa e é tributado como pessoa jurídica, pois as alíquotas são menores. / O contribuinte abre uma empresa e é tributado como pessoa jurídica, embora as alíquotas são menores para pagar menos imposto.

e) Pelo fato de a relação entre o prestador de serviço e a empresa não estabelecer vínculo empregatício, a empresa não fica obrigada a reter encargos sociais e tampouco o Imposto de Renda Retido na Fonte. / A empresa não fica obrigada a reter encargos sociais e tampouco o Imposto de Renda Retido na Fonte, porque não se estabelece vínculo empregatício na relação entre o prestador de serviço e a empresa.

TEXTOS.

92. Assinale a asserção correta acerca do segmento abaixo, que inicia reportagem sobre a reforma tributária.

“Em países organizados, duas coisas são certas para qualquer cidadão: a morte e os impostos. No Brasil, são três: a morte, os impostos e outros impostos.”

a) Nas duas vezes em que ocorrem os dois pontos, servem eles para marcar uma enumeração explicativa.

b) O emprego da conjunção e para coordenar um substantivo abstrato com um concreto, como “morte” e “impostos”, revela incorreção e desrespeito às regras de coordenação.

c) Concorrerem na mesma citação termos iguais ou assemelhados como “os impostos” e “outros impostos” cria a figura da tautologia, prejudicial ao entendimento do texto.

d) A elipse marcada pela vírgula em “No Brasil, são três” está mal empregada, pois provoca a seguinte leitura errônea: “No Brasil, duas coisas são três”.

e) Pelo fato de o texto principiar com advérbio restritivo, depreende-se que o Brasil não é um país organizado.

TEXTOS.

93. Assinale, entre as opções propostas, aquela que se desvia, ainda que parcialmente, do conceito e da direção argumentativa expressos no período abaixo.

“Dizia o sociólogo norte-americano, Robert Merton, que o que há de mais relevante e espantoso com as profecias é que elas se auto-realizam, como um vaticínio, um augúrio.”

a) Ao serem concebidas pela imaginação ilimitada dos homens, as profecias potencializam a chance de se transformarem em realidade, projetando e fortalecendo um desejo ou temor coletivo.

b) Pelo simples fato de que foram inventadas por alguém, com ousadia e eficácia simbólica, ganham existência real, criando a probabilidade de serem incorporadas à vida social em futuro imediato ou distante.

c) Quando uma grande (ou pequena) idéia se cristaliza, sua força transformadora entra em ação com os mesmos poderes que comandam as leis da Física.

d) Acima de profetas e messias, está o império da história, que constrói o futuro com seus próprios vetores e forças internas atuando à revelia do desiderato e do fado humanos.

e) A história da humanidade registra fatos que provam a existência de uma simbiose natural entre os grandes sonhos e as grandes mudanças, fruto da magia pessoal e de uma vontade inabalável.

TEXTO.

Nem tudo convida a manifestações otimistas.

A dívida pública alcança hoje algo em torno de 55% do Produto Interno Bruto (PIB), nada menos de R$ 685,286 bilhões. É difícil administrá-la para todo o sempre apenas com os expedientes do alongamento mediante resgate com emissão de novos títulos a juros corrigidos. O saldo do comércio exterior de US$ 306 milhões nos dois primeiros meses deste ano não foi obtido por meio das exportações, mas pela redução das importações. Reduzir importações compromete a entrada no país de bens de capital e de tecnologias, fatores indispensáveis à qualificação do produto brasileiro. Está posta assim a necessidade de introdução urgente de política industrial capaz de privilegiar exportações e substituir importações mediante produção interna de matrizes, componentes e insumos básicos.

94. Em relação ao texto, julgue os itens como verdadeiros (V) ou falsos (F) e marque a opção que apresenta a seqüência correta.

( ) Em “a manifestações” seria igualmente correta a estrutura “às manifestações”.

( ) As estruturas “nada menos de”, “nada menos que” e “nada menos do que” são igualmente aceitáveis para o contexto em que ocorre a primeira.

( ) Em “administrá-la” o pronome enclítico retoma por substituição coesiva a expressão “dívida pública”.

( ) A expressão “para todo o sempre” neutraliza a ênfase da idéia do período por seu tom bíblico.

( ) A forma verbal “compromete” tem como sujeito um agente humano.

( ) Caso as palavras “exportações” e “importações” fossem precedidas de artigo definido no plural o período se tornaria incoerente.

a) V, V, V, F, F, F

b) V, V, F, F, V, V

c) F, V, F, V, F, V

d) F, F, V, F, V, F

e) F, V, V, F, F, V

TEXTO.

95.  Assinale a norma gramatical que justifica, com correção e propriedade, a flexão plural do verbo “ser” no período abaixo.

Já é mais do que conhecido que o principal problema do sistema tributário nacional são justamente as contribuições, e não os impostos propriamente ditos.”

a) “Com os verbos ser e parecer a concordância se faz de preferência com o predicativo, se este é plural.”

b) “Nas frases em que ocorre a locução invariável é que, o verbo concorda com o substantivo ou pronome que a precede, pois são eles efetivamente o seu sujeito.”

c) “Se tanto o sujeito como o predicativo forem personativos e nenhum dos dois for pronome pessoal, a concordância será facultativa (pode-se concordar com o sujeito ou o predicativo).”

d) “Expressões de sentido quantitativo (...) acompanhadas de complemento no plural admitem concordância verbal no singular ou no plural.” (Manual de Redação da Presidência da República)

e) “Se o sujeito composto tem os seus núcleos ligados por série aditiva enfática (...), o verbo concorda com o mais próximo ou vai ao plural (o que é mais comum quando o verbo vem antes do sujeito)”.

TEXTO.

96. No texto abaixo, foram introduzidos erros. Para saná-los, foram propostas algumas substituições. Julgue as substituições e depois assinale a opção que contém a seqüência das alterações necessárias para adequar o texto ao padrão culto formal do idioma.

O conceito de tributo, face sua interpretação nos conformes à Constituição, tem essa peculiaridade: deve obedecer ao princípio da legalidade estrita. Cumpre ressaltar mais uma vez: não há possibilidade de discricionariedade na definição legislativa do tributo, mas só teremos tributo se o dever de pagar uma importância ao Estado for vinculado à previsão de ter riqueza.”

I. substituir “face” por “em face de”

II. substituir “nos conformes à” por “de conformidade com a”

III. substituir “essa” por “esta”

IV. substituir “discricionariedade” por “discricionaridade”

V. substituir “ter riqueza” por “existência de riqueza”

A seqüência das substituições necessárias é:

a) II – III – IV – V

b) III – IV – V

c) III – IV

d) I – II – V

e) I – II – III – V

TEXTO.

Os argumentos em favor da política industrial mudam, mas em geral eles continuam sofrendo da mesma falta de embasamento econômico. Um deles, que vem sendo repetido de uns tempos para cá, é o da economia de divisas. Identifica-se um item de peso na pauta de importações como, por exemplo, componentes eletrônicos. Ora, se o dispêndio com este produto é alto, por que então não fazer com que ele seja produzido no país por meio de uma política industrial ativa, poupando-se, desta forma, moeda forte?

97. Assinale, entre as substituições sugeridas, a que está em desacordo com a norma culta.

a) “em favor” por “a favor”

b) “em geral” por “geralmente”

c) “Um deles” por “Dentre esses” argumentos

d) “Identifica-se” por “É identificado”

e) “poupando-se” por “o que pouparia”

TEXTO.

98. Assinale, entre as substituições propostas, aquela que insere erro gramatical no trecho abaixo.

Nenhum país que pretenda ser competitivo na economia global pode-se permitir a prática de tributação cumulativa.”

a) Substituir “Nenhum país” por “País algum”

b) Substituir “que” por “o qual”

c) Substituir “pretenda” por “pretende”

d) Substituir “pode-se permitir” por “pode-se anuir”

e) Substituir “a prática” por “o uso”

TEXTO.

99. Assinale a opção que preenche as lacunas de forma coesa e coerente.

As cotações do dólar em relação ao real se apresentam estáveis desde os últimos três meses de 2001. 0 câmbio em equilíbrio desperta reações positivas dos mercados internacionais, favorece as exportações e ____1_____ confiança no país. O Brasil revelou-se resistente ___2____várias situações adversas. Absorveu o choque causado pelo racionamento de energia, com demonstração clara de que a população brasileira possui alto índice de disciplina social. E, até agora, se mantém ao largo da catástrofe econômica argentina. Não _____3________ a expectativa internacional de que a economia brasileira sofreria os efeitos do furacão portenho. Completa o quadro estimulante a convicção ______4________Estados Unidos voltarão a crescer entre 2,5% e 3,5% este ano”.

a) infiltra, as,  consumou-se, de que o

b) insinua-se, às, consumou, que os

c) instila, a, se consumou, de que os

d) introduz, as, consumando-se, que o

e) insinua, à, consumando em, que os

TEXTOS.

100. Assinale a opção gramaticalmente correta.

a) Sob a ótica de um Estado em particular – a despeito de a “Guerra Fiscal” do ICMS ser prejudicial à nação –, há ganhos a serem obtidos se ouvesse um aumento conjuntural de receita para o Estado.

b) Se todos os Estados parassem de conceder incentivos, todos ganhariam; mas se um Estado se abstesse de tal política e os demais continuassem a praticá-la, esse perderia.

c) Tendo em vista a análise histórica da “Guerra Fiscal”, alguns autores propuseram uma divisão de períodos que começam com a criação do ICM e chegam até a atualidade.

d) No primeiro período, o Governo Central tirou dos Estados a competência de instituir e aumentar alíquotas dos impostos, e ficou estabelecido que couberiam tais atribuições somente ao Senado.

e) Pressionado pelas disputas inter-regionais, o Governo Federal interviu no incipiente mecanismo de concessão de incentivos, e, por meio de lei complementar, criou o CONFAZ.

TEXTOS.

101. Julgue os itens quanto ao emprego dos sinais de pontuação.

I. O desempenho da economia brasileira em 2001, foi aquém do necessário para um aumento da renda média nacional.

II. No entanto, considerando-se os diversos constrangimentos, internos e externos que o país precisou enfrentar ao longo de 2001, a expansão de 1,51% no Produto Interno Bruto (PIB) não foi um mau resultado, pois ao menos não se deu passos para trás.

III. Alguns desses constrangimentos estão superados. Já não há mais racionamento de energia elétrica, por exemplo, e o Brasil poderá crescer um pouco mais em 2002.

IV. Mas ainda será preciso aIgum tempo para que a economia volte a se expandir aceleradamente de forma sustentada, sem criar novos gargalos que possam abortar o processo de recuperação logo adiante, num círculo vicioso.

Estão corretos apenas os itens:

a) I, II

b) II, III

c) II, IV

d) I, III

e) III, IV

TEXTO.

A compactação do tempo na sociedade tecnológica não aceita a cronometragem tradicional e quase provoca uma simultaneidade. Até o início de nosso século, o homem acumulava riquezas. Hoje, o que se tem é a acumulação de velocidade. Sem sair do lugar em que se encontra, uma pessoa pode estar, num átimo, em toda parte.”

102. Assinale a opção que completa a frase-síntese abaixo, mantendo a mesma linha de argumentação e a coerência de idéias do texto.

As modernas tecnologias dotaram o ser humano de _________________ e ________________.

a) ubiquação – irremovibilidade

b) ubiqüidade – instantaneidade

c) ubiedade – insipiência

d) onipresença – intemperança

e) onisciência – intempestividade

TEXTO.

103. Indique o item que completa o texto a seguir, com correção gramatical e coerência com a direção argumentativa e o conjunto das idéias nele expressas.

O que as estatísticas mais recentes dos organismos internacionais revelam é o alargamento da brecha entre ricos e pobres. As ___________ condições de competitividade ______________ um desejável salto de qualidade no processo tecnológico de desenvolvimento que permitisse recuperar terreno e acelerar o progresso nacional. Uma das áreas essenciais é a educação. O conhecimento é a medida da diferença entre o progresso e a estagnação. ________________ despreparados para absorver os novos conceitos, para usar as novas técnicas, para criar, na pesquisa, suas próprias respostas instrumentais às novas demandas, condenam-se à contemplação estática de um mundo que cada vez mais _____________________ .”

a) necessárias – impedem – Quem estiver – dele exigirá

b) injustas – impulsionam – Dentre aqueles – deles se apartará

c) desiguais – desfavorecem – Os que estiverem – deles se afastará

d) des-humanas – impelem – Aqueles que estejam – alijará a eles

e) iníquas – retardam – Os brasileiros que tiverem – lhe excluirá dele

TEXTO.

Entre outros fatores favoráveis à melhoria do desempenho do Brasil na transição para o novo milênio, devem-se citar: a redução da taxa de crescimento demográfico, a maior racionalidade econômica resultante do abandono do dirigismo intervencionista pela economia de mercado, a melhoria de produtividade incentivada pela abertura internacional e a retomada de investimentos estrangeiros diretos, que começou a atingir índices expressivos a partir de 1996.

104. Em relação ao texto acima, assinale a opção incorreta.

a) A expressão “à melhoria” pode ser substituída por “com a melhoria” sem prejuízo para a correção gramatical do período.

b) Ao se transformar a estrutura “devem-se citar” em passiva analítica, o particípio fica no masculino para concordar com “fatores favoráveis”.

c) A palavra “resultante” pode ser substituída pela estrutura “que resulta”, mantendo a correção sintática e as mesmas relações semânticas.

TEXTO.

Chegamos a um ponto muito próximo da comunidade econômica eficaz, com seus desdobramentos sobre o quotidiano coletivo, e é possível que não nos encontremos longe de outros ideais comunitários que as constituições preconizam, e que têm tão longa história: a integração política, cultural e social. Se isso não fosse possível ao longo de tanto tempo passado desde as projeções bolivarianas, se nessa espera atravessamos um século e já outro bate à nossa porta, há pelo menos uma convicção generalizada no sentido de que os passos até agora dados são seguros, não havendo mais risco de retrocesso. E não há dúvida de que o êxito em empreendimentos econômicos comuns tem como pressuposto o cenário político que o continente hoje apresenta.

105. Em relação aos elementos constituintes do texto acima, assinale a opção incorreta.

a) O verbo encontrar está no subjuntivo por exigência da estrutura anterior “é possível que”, que confere ao período a idéia de probabilidade e não de certeza.

b) A forma verbal “preconizam” está semanticamente relacionada às idéias de recomendar, propugnar, estabelecer.

c) Mantêm-se inalteradas as relações temporais do texto ao se substituir a expressão “Se isso não fosse possível” por “Caso isso não seja possível”.

d) A palavra “projeções” está sendo empregada no sentido de planos, projetos, conjecturas, prognósticos.

e) O emprego da expressão “pelo menos” reforça a idéia de que as duas considerações anteriores – iniciadas por “se” – são negativas.

TEXTO.

A lei definiu não apenas as instituições financeiras propriamente ditas como também as que lhes são equiparadas e estendeu as suas disposições e disciplinas, no que fossem aplicáveis, às bolsas de valores, companhias de seguros e de capitalização, sociedades que efetuem distribuição de prêmios imóveis, mercadorias ou dinheiro, mediante sorteio e de títulos de sua emissão ou por qualquer forma; e pessoas físicas ou jurídicas que exerçam, com habitualidade mínima, por conta própria ou de terceiros, atividade relacionada com a compra e venda de ações e outros quaisquer títulos, realizando, nos mercados financeiros e de capitais, operações ou serviços de natureza dos executados pelas instituições financeiras.

106. Assinale a opção que não dá continuidade ao texto acima de forma coerente.

a) Temos também, além das instituições financeiras propriamente ditas e das que lhes são equiparadas, outras instituições a que se aplicam as disposições e disciplinas da lei, embora não abrangidas por aquele conceito legal.

b) Essa coleta e essa intermediação por parte das instituições oficiais dizem respeito a recursos financeiros de terceiros, sendo que coletar significa arrecadar e intermediar significa repassar a outrem os recursos arrecadados.

c) A habitualidade mínima, de difícil conceituação, pois tem natureza essencialmente subjetiva, significa que a instituição financeira ou a entidade a ela equiparada precisa praticar qualquer dos atos que lhe são próprios por mais de uma vez.

d) A lei exige o caráter público, ou seja, que a atividade da instituição financeira e das que lhe são equiparadas seja geral, divulgada, conhecida, não bastando que dela tenha conhecimento apenas determinada pessoa.

e) Lembremos ainda que o fim lucrativo é inerente a qualquer espécie de aplicação feita por instituição financeira, ou por aquelas que lhe são equiparadas, pois é justamente desse lucro que ela pagará a remuneração do dinheiro arrecadado de terceiros e arcará com suas despesas administrativas.

TEXTO.

Nenhum País pode estar obrigado(1) por um tratado que ainda não ratificou: não existe regra de direito internacional geral a dizer tal coisa(2), nem poderia a regra tópica, escrita no próprio tratado, criar(3) para o Estado negociador uma obrigação independente do ato ratificatório(4) e anterior a este – salvo no domínio do mero procedimento – ou ainda a conta do(5) princípio da boa-fé (assim o dever de não solapar, na expectativa de vigência, os objetivos do tratado).

107. Assinale a opção correspondente a erro gramatical, no texto acima.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

TEXTO.

108. Escolha o conjunto de itens que preenche corretamente as lacunas do texto.

De braços abertos sobre a Guanabara e ______ mais de 700 metros de altura, ele está completando 70 anos, com o mesmo vigor _____ que o tornou conhecido em todo o mundo. Exaltado em prosa e verso, o Cristo Redentor é o mais altaneiro, o mais ______________ e o mais democrático símbolo do Rio de Janeiro: é visto por todos e de quase todas as partes da cidade – pelo menos _________ a especulação imobiliária não __________ muralhas de __________ para impedir sua visão.

a) à / simbólico / religioso / aonde / ergueu / arranhas-céus

b) há / arquitetônico / piedoso / onde / levantou / arranhas-céu

c) a / iconográfico / fervoroso / aonde / construiu / arranha-céus

d) à / austero / patriótico / aonde / ergueu / arranhas-céus

e) a / simbólico / conspícuo / onde / ergueu / arranha-céus

TEXTO.

Nas questões 109 e 110, marque a afirmação incorreta em relação ao texto seguinte.

“A ética quixotesca está toda resumida naquele trecho da obra em que Dom Quixote confessa a Sancho não saber o que realizava à custa de tantos trabalhos e de tantas penas. Não se tratava, contudo, de decepção do utopista, pois é essencial não confundir quixotismo com utopismo. Nosso herói não abandonou sua rotina acanhada de fidalgo manchego para fazer um mundo melhor; muito menos inspirava-o um projeto para o homem ou para a sociedade. Ele saiu em nome do ideal de emendar injustiças e punir delitos cometidos contra os mais fracos, como mandava a ética cavalheiresca, não para impedir que, no futuro, eles voltassem a ser praticados. O utopista, em comum com o racionalista, tem sempre um programa muito preciso, e Dom Quixote tem um ideal, mas não tem projeto algum, o que é algo eminentemente saudável numa época como a nossa, em que há demasiados projetos e poucos ideais.

109.

a) O adjetivo "manchego" é depreciativo e está relacionado à situação de penúria do herói.

b) Uma utopia pressupõe um projeto que possa trazer benefícios a alguém ou a algum grupo.

c) A ética quixotesca visava à reparação de injustiças.

d) A ética cavalheiresca hauria-se em um ideal difuso de defesa dos oprimidos.

e) Dom Quixote não tinha projeto, só tinha ideal.

110.

a) "está toda resumida" pode ser substituída por “resume-se toda”.

b) A oração reduzida "não saber o que realizava à custa de tantos trabalhos" pode ser substituída por oração desenvolvida iniciada pela conjunção integrante que, fazendo-se as adaptações necessárias.

c) Em "Não se tratava…" o verbo é impessoal.

d) Se suprimidas as vírgulas usadas no segundo período do texto prejudicam-se sua clareza, correção e legibilidade.

e) Em "inspirava-o" o pronome refere-se ao sintagma "mundo melhor", que o precede no enunciado.

TEXTO.

O conceito de instituição financeira adotado pela Lei nº 7.492, de 16/6/1986, é, de um lado, mais amplo e, de outro, mais restrito que o adotado pela Lei no 4.595/64. Na disciplina dessa última é irrelevante a origem dos recursos, se próprios ou de terceiros, para a caracterização da instituição financeira. Já na lei penal, esses recursos são limitados aos de terceiros, o que a torna mais restrita que a outra. Por outro lado, é ela mais ampla ao abranger as atividades de custódia, emissão, distribuição, negociação, intermediação ou administração de valores mobiliários, enquanto que a Lei no 4.595/64 somente alude à custódia de valor de propriedade de terceiros.

111. Assinale a opção em que a correspondência entre os elementos lingüísticos que formam a coesão do texto acima está incorreta.

a) “dessa última” = “Lei nº 4.595/64”

b) “lei penal” = “Lei nº 7.492”

c) “a” (antes de “torna”) = “lei penal”

d) “a outra” = “Lei nº 4.595/64”

e) “ela” = “Lei nº 4.595/64”

112. Assinale a opção que foi transcrita com a pontuação correta.

a) Ao criar o Conselho Monetário Nacional e transformar, a então, existente Superintendência da Moeda e do Crédito no Banco Central do Brasil, a Lei nº 4.595, de 31/12/1964, definiu instituição financeira.

b) Consideram-se instituições financeiras, para os efeitos da legislação em vigor as pessoas jurídicas públicas ou privadas que tenham como atividade principal ou acessória a coleta, intermediação ou aplicação de recursos financeiros próprios ou de terceiros; em moeda nacional ou estrangeira e a custódia de valor de propriedade de terceiros.

c) Para os efeitos desta lei e da legislação em vigor, equiparam-se às instituições financeiras as pessoas físicas que exerçam qualquer das atividades referidas neste artigo, de forma permanente ou eventual.

d) Esse conceito amplo de instituição financeira, serve de sustentáculo para alguns delitos constantes da Lei nº 4.595/64, se bem que em número bastante restrito; concessão de empréstimos a diretores; quebra de sigilo; atuação sem autorização do Banco Central.

e) É, assim, de enorme amplitude a noção do que se deva entender, para os fins legais por instituição financeira.

TEXTO.

Leia o texto abaixo para responder às questões 113 e 114.

A economia brasileira, há alguns anos, apresentava fortes barreiras protecionistas, e controles cambiais provocavam a valorização artificial do câmbio comercial, havendo ágio expressivo no mercado livre. A realidade hoje é outra. As barreiras tarifárias foram muito reduzidas, a taxa de câmbio é flutuante e não há diferença significativa entre o mercado oficial e o paralelo. Os modelos econométricos disponíveis, por menos precisos que sejam, são unânimes em apontar para uma desvalorização do real acima do seu equilíbrio de longo prazo, e não o contrário. Logo, onde está o problema? Por que gastar escassos recursos públicos – pois não se faz política industrial sem eles – para poupar divisas quando o mercado já está bem sinalizado nesta direção? Pode até haver outras razões para justificar a política proposta. Mas economia de divisas não é uma delas.

113. Assinale a opção em que as duas expressões exercem a mesma função sintática no texto.

a) “controles cambiais” = “fortes barreiras protecionistas”

b) “a valorização artificial do câmbio comercial” = “A economia brasileira”

c) “há alguns anos” = “hoje”

d) “a taxa de câmbio” = “diferença significativa”

e) “escassos recursos públicos” = “o mercado”

114. Julgue as asserções abaixo e marque a opção correspondente.

I. Caso a expressão “diferença significativa” seja colocada no plural a forma verbal que a antecede deve ser obrigatoriamente flexionada.

II. Se o artigo em “o paralelo” for eliminado, prejudica-se a compreensão de que existe, antes de “paralelo” elipse da palavra “mercado”.

III. A expressão “por menos precisos que sejam” permite a inferência de que o leitor pode considerar “Os modelos econométricos” pouco precisos.

IV. A grafia de “Por que” justifica-se por se tratar de conjunção explicativa.

V. O termo “delas” refere-se ao antecedente “outras razões”

A quantidade de item(ns) incorreto(s) é:

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

TEXTO.

Leia o texto para responder às questões 115 e 116.

O país talvez esteja passando por períodos de descrença e desrespeito para com o patrimônio público, pois parece que a separação entre o bem comum e o bem privado deixa de existir ou pelo menos de ser respeitada. Essa descrença talvez seja resultado de um processo de décadas de injustiça social e de negação da identidade cidadã. Uma nação constituída por pessoas que defendem e honram os seus direitos e deveres tem melhores condições de diminuir as injustiças sociais, dentre elas as causadas pela corrupção, e aumentar o nível de desenvolvimento e progresso. O desenvolvimento da Educação Fiscal torna-se primordial, pois permite informar os mecanismos de constituição do Estado, ao mesmo tempo em que torna o cidadão ciente da importância da sua contribuição, fazendo com que o pagamento de tributos seja entendido e visto como investimento para o bem comum. Com a informação, o indivíduo pode se apropriar do poder de questionar e verificar a utilização destes investimentos sociais.

115. Em relação às idéias do texto, assinale a opção incorreta.

a) Os argumentos do texto defendem o poder da informação no exercício da cidadania.

b) O respeito à separação entre o bem comum e o bem privado é necessário para neutralizar a descrença.

c) Justiça social, desenvolvimento e progresso estão relacionados à defesa e respeito aos direitos e deveres de cada indivíduo.

d) A injustiça social e a negação da cidadania existentes há décadas podem estar provocando descrença.

e) É dispensável, para que os tributos sejam considerados investimentos para o bem comum, um processo de esclarecimento ao cidadão.

116. Em relação às estruturas do texto, assinale a opção incorreta.

a) A incerteza em relação às afirmações do primeiro parágrafo é reforçada pelas expressões: “talvez” e “parece”.

b) A expressão “para com o” corresponde semanticamente a “em relação ao”.

c) A forma verbal “tem” está no singular para concordar com “Uma nação”.

d) Pode-se substituir “fazendo com que” por “permitindo que”, sem prejuízo para a correção gramatical do período.

e) A expressão “torna-se primordial” corresponde gramaticalmente e semanticamente a “foi tornada primordial”.

TEXTO.

O Governo está investigando todos os contratos de dívida externa de cerca de 8 mil empresas que tiveram seus débitos considerados pagos pelo Banco Central. Os técnicos querem saber se os débitos foram realmente liquidados ou repactuados. Algumas dessas operações podem ter sido contabilizadas de modo irregular __________________menos imposto.

117. Assinale o trecho que, ao ser inserido na lacuna, torna o período gramaticalmente incorreto.

a) para que se permitisse às empresas pagarem

b) para que às empresas fosse permitido pagar

c) de forma que as empresas pagassem

d) para permitirem as empresas pagarem

e) para permitir que as empresas pagassem

118. No que se refere à estrutura gramatical do texto, assinale a opção correta.

a) Desde setembro, o Banco Central passou a considerar pagos todos os vencimentos de dívida externa de empresas privadas depois de decorridos 120 dias, mesmo sem ter recebido comunicação oficial das companhias.

b) Além disso, em agosto o BC passou a considerar investimento direto, e não dívida, os empréstimos concedidos por multinacionais à suas filiais no Brasil.

c) Os dois procedimentos, que seguem padrões do Fundo Monetário Internacional, reduziram há cerca de US$ 30 bilhões o montante total da dívida externa brasileira.

d) A preocupação dos técnicos está voltada para os empréstimos com mais de 15 anos de prazo e os lançamentos de papéis com prazo superior há oito anos.

e) Pela legislação vigente, as remessas de recursos ao exterior para o pagamento de juros dessa forma de operação não sofre a incidência do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF).

TEXTO.

Leia o texto abaixo para responder às questões 119 e 120.

Mesmo sem ser incluído entre os países cujo “desenvolvimento a convite” foi fortemente apoiado — por motivos geopolíticos — pelo governo americano, o Brasil transformou-se no laboratório de uma estratégia associada — pública e privada — de industrialização que contemplou todos os segmentos do capitalismo central. Não se pode esquecer que, depois da vitória da Revolução Chinesa e da Guerra da Coréia, e do início da descolonização asiática, o ‘desenvolvimentismo’ se transformou na resposta capitalista — tolerada pelos liberais — ao projeto socialista para os países subdesenvolvidos. Esse foi um fator decisivo para que o projeto de industrialização e o intervencionismo estatal do novo modelo econômico contassem com o apoio de quase todos os segmentos da classe dominante brasileira e de suas elites políticas regionais. Quando essas facilidades se estreitaram, com o fim do padrãodólar e a crise econômica mundial dos anos 70, e quando a política econômica internacional dos Estados Unidos e a geoeconomia dos países centrais mudaram, com a restauração liberalconservadora dos anos 80, o consenso e a coalizão desenvolvimentista se desfizeram.

119. Em relação ao texto, assinale a opção em que a substituição sugerida é gramaticalmente incorreta.

a) “Mesmo sem” por “Apesar de não”.

b) “transformou-se” por “foi transformado”.

c) “se transformou” por “transformou-se”.

d) “contassem” por “contasse”.

120. Em relação às idéias e à estrututra do texto, assinale a opção correta.

a) A expressão “o consenso e a coalizão desenvolvimentista se desfizeram” é a oração principal e poderia ser deslocada para o início do período a que pertence.

b) O Brasil foi laboratório de uma experiência de industrialização porque foi convidado pelo governo americano.

c) Houve uma motivação geopolítica para que o governo brasileiro recusasse a industrialização americana.

d) O desenvolvimentismo foi a resposta liberal ao capitalismo subdesenvolvido.

e) O projeto socialista dos países subdesenvolvidos foi o modelo econômico de industrialização apoiado pelas elites regionais.

TEXTOS.

121. Numere os trechos, observando a ordem em que devem aparecer para constituírem um texto coeso e coerente, e assinale a resposta correta.

( ) Em decorrência dessa atitude de desdém, de rejeição, não ter aparelho televisor, não assistir à televisão são marcas de distinção intelectual.

( ) Ela é a principal difusora de informações, entretenimento, modismos, comportamentos, valores.

( ) A popularidade da televisão torna-a suspeita aos olhos dos bem pensantes.

( ) Poucos negariam que a influência da televisão, nas sociedades contemporâneas, é gigantesca.

( ) Mas a atenção dos acadêmicos é inversamente proporcional à força dessa difusão. Uma palavra é suficiente para entender tal fenômeno: preconceito.

(Itens adaptados de Luís Felipe Miguel, Cegueira intelectual, Caderno Pensar, Correio Braziliense, 22/07/2001).

a) 2, 4, 3, 5, 1

b) 5, 2, 4, 1, 3

c) 3, 1, 2, 4, 5

d) 4, 3, 2, 1, 5

e) 4, 5, 1, 3, 2

122.  Marque a palavra que pode substituir, no contexto, a palavra sublinhada, preservando o sentido do  enunciado.

O lançamento do imposto pode ser diferido nas operações ou prestações com os produtos e serviços nominados no art. 44, I, na forma do Regulamento.

a) deferido

b) indeferido

c) antecipado

d) retardado

e) anulado

TEXTO.

Leia o texto abaixo e, nas questões 123 e 124, assinale a opção incorreta.

A competência tributária do Estado do Mato Grosso do Sul, disciplinada por este Código, compreende: I- impostos sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestação de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior;

II- taxas, em razão do exercício de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de serviços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos à sua disposição;

III- contribuição de melhoria, decorrente de obras públicas;

IV- contribuição, cobrada dos servidores estaduais, para o custeio, em benefício destes, do sistema de previdência e assistência social.

Parágrafo único. Para conferir efetividade aos objetivos de pessoalidade dos impostos e da sua graduação segundo a capacidade econômica do contribuinte, fica facultado à Administração Tributária, sempre que possível e respeitados os direitos individuais e as prescrições deste Código, identificar o patrimônio, os rendimentos e as atividades do sujeito passivo da obrigação.

123.

a) A segunda preposição “sobre”, no inciso I, pode ser substituída por “à”.

b) Todos os sinais indicadores de crase empregados no texto são de uso obrigatório.

c) No inciso II, “em razão do” pode ser substituído corretamente por “em virtude de”.

d) A próclise do pronome átono no inciso I é preferível à ênclise.

e) A vírgula em III separa expressão de natureza explicativa.

124.

a) O adjetivo “divisíveis”, no inciso II, refere-se explicitamente à divisão dos tributos entre Município, Estado e União.

b) No inciso IV, pode-se, corretamente, substituir “dos” por “aos”.

c) No inciso IV, “do sistema de previdência e assistência social” é complemento nominal de “custeio”.

d) Se o sintagma “as prescrições deste Código” ocorresse imediatamente antes de “os direitos individuais”, no parágrafo único, seria correto empregar-se ali “respeitadas” em vez de “respeitados”.

e) No parágrafo único do inciso IV, “sujeito passivo da obrigação” refere-se a “contribuinte”.

TEXTO.

Leia o texto abaixo para responder às questões 125 e 126.

Antigamente, falava-se em reformismo ou socialismo, termos que, embora não isentos de ambivalência, indicavam a intenção básica de corrigir desequilíbrios na repartição do poder político ou econômico em favor dos mais débeis. Modernização, ao contrário, evocaria em certas condições o que foi descrito por intérpretes da evolução histórica brasileira como "modernização conservadora". É um processo, em certos casos ambicioso, de alteração política, chegando mesmo às vezes à mudança de regime – a Independência, a Proclamação da República, a Revolução de 30 –, mas sem tocar em profundidade nas estruturas sociais e econômicas. Dirigentes antigos são substituídos por "modernos", esses dispõem-se até a cooptar membros da velha classe dirigente – a exemplo dos conselheiros do Império, Rodrigues Alves e Afonso Pena, elevados a presidentes da República –, mas não há transformações para valer nas posições respectivas de dominadores e dominados em termos de poder ou de riqueza.

125. De acordo com o texto assinale a opção correta.

a) Tanto “reformismo” como “socialismo” propunham distribuição desequilibrada do poder político.

b) “Reformismo” e “socialismo” são termos mais exatos e precisos, que não oferecem margem de interpretação dúbia.

c) A “modernização conservadora” propõe avanços significativos sempre dentro do mesmo regime.

d) As transformações profundas das estruturas sociais e econômicas somente podem ocorrer no quadro proposto pelos “modernos”.

e) A “Modernização” pode produzir profundas alterações políticas, mas não altera a assimetria das relações, seja no poder seja na distribuição da riqueza.

126. Em relação às estruturas do texto, assinale a opção incorreta.

a) Em “falava-se” o “se” indica indeterminação do sujeito.

b) A palavra “débeis” está sendo utilizada no sentido de fisicamente fracos, doentes.

c) Em todas as ocorrências de travessões, a substituição por parênteses estaria correta.

d) A palavra “cooptar” significa atrair possíveis adversários para seus objetivos, até mesmo, ignorando os procedimentos de praxe.

e) Confere-se ao texto mais formalidade ao substituir a expressão “para valer” por reais e significativas.

TEXTOS.

Nas questões 127 e 128, assinale a opção que corresponde a erro gramatical, ortográfico ou relativo à propriedade vocabular no texto.

127. Planos e metas  não  devem  ser  estabelecidos para serem(1) esquecidos, pois são dinâmicos e exigem aperfeiçoamentos e mudanças contínuos(2). Um grande número de empresários já reconhece(3) que investimentos em qualidade produzem resultados extremamente positivos; não fazer nada é que custa caro, de tal modo que os prejuízos causados pela imagem de uma empresa associada em(4) má qualidade podem ser(5) incalculáveis. No entanto, apenas 6% das empresas mantinham em 1997 contabilidade de custos da qualidade de forma sistemática.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

128. A economia mundial passa por processos de globalização e pela liberalização dos mercados, as quais(1) exigem o crescimento e a modernização da indústria e da prestação de serviços, com base(2) não só na inovação e incorporação de novas tecnologias, mas(3) na capacidade gerencial das empresas, que(4) devem promover a competição de forma agressiva e em(5) crescentes níveis de qualidade e produtividade.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

TEXTO.

Para responder às questões de números 129 e 130, leia o quadrinho abaixo.

“Contos de fadas O Príncipe Sapo. ...então,depois que se casaram, o príncipe pouco a pouco virou sapo

de novo...”

129. De acordo com o texto, pode-se concluir que o autor faz crítica:

(A) às mães que contam histórias para suas filhas, por atrapalharem o sono das mesmas.

(B) às crianças que não dormem cedo, por falta de atividade durante o dia.

(C) às mães que deixam os filhos com a avó, porque trabalham fora.

(D) aos finais das histórias infantis, por serem distantes da realidade feminina.

(E) à falta de leitura na sociedade moderna, porque livros são caros.

130. Procedendo à substituição da expressão “depois que” por “assim que”, os verbos do período deverão ser alterados para:

(A) casariam, vira.

(B) casassem, viraria.

(C) casem, viram.

(D) casaram, virasse.

(E) casarão, vira.

TEXTO.

“A capital de Roraima cresceu às margens do rio Branco. O marco da cidade é a estátua de um garimpeiro e sua bateia, erguida na praça central. Entre os políticos e comerciantes locais, a grande preocupação é lidar com os 70% de área protegida do estado, terra indígena ou reserva ecológica, segundo eles, o maior entrave para desenvolver a região. Mas, até recentemente, Boa Vista sequer contava com energia elétrica regular, que era produzida por gerador a dísel”.

131.

Com relação à acentuação de palavras e à sintaxe do texto, assinale a opção correta.

A. A mesma regra determina os acentos presentes nas palavras “às” e “é”.

B. Seria correto substituir a expressão “O marco da cidade”, por “Cujo o marco”.

C. A mesma regra determina a acentuação das palavras “políticos”, “indígena” e “ecológica”.

D. As expressões “a região”, e “energia elétrica regular”, são, respectivamente, objeto indireto e objeto direto.

E. Não haverá prejuízo à sintaxe do texto, caso se substitua o vocábulo “contava” pela palavra “proporcionava”.

132.

No texto haverá prejuízo à sua compreensão ou à sua sintaxe, caso se substitua:

A. “erguida” por “erigida”.

B. “lidar” por “esforçar-se”.

C. “segundo” por “de acordo com”.

D. “entrave” por impedimento.

E. “sequer” por nem ao menos.

TEXTO.

“Falar de boca cheia não é mais falta de educação Todo mundo concorda que educação é básico. O que muita gente não sabe é que uma alimentação inadequada na primeira infância compromete qualquer projeto de educação no futuro. A Ação Criança atua em vários estados, garantindo alimentação para milhares de crianças, de zero a sete anos, a partir da gestação. É uma entidade sem fins lucrativos, apoiada pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Ajude a alimentar o futuro desde já. Colabore com a Ação Criança”.

133.

O texto deixa claro que:

A. houve um tempo em que falar de boca cheia era considerado falta de educação.

B. o básico, em educação, é que ela seja estendida a todos os cantos do país.

C. a alimentação, a saúde dentária e a educação são fatores essenciais para as crianças do mundo inteiro.

D. a única preocupação do Programa Ação Criança é o futuro, já que ao passado não se retorna.

E. todo o cidadão cuja mãe teve acompanhamento pré-natal tem o futuro garantido.

134.

Assinale a opção que, embora desenvolva o assunto do texto, está incorreta quanto às normas gramaticais.

A. Há crianças que têm o seu futuro educacional ameaçado devido à alimentação inadequada na infância.

B. Existe postos da Ação Criança em vários estados brasileiros, cujas capitais dão alimentos à milhares de crianças.

C. Há preocupação maior com a nutrição infantil na faixa etária que vai de zero a sete anos, porque nesse período o corpo e a mente estão se formando.

D. A Ação Criança, entidade sem fins lucrativos, recebe apoio da UNESCO, com a finalidade de suprir carências alimentares infantis.

E. A Ação Criança visa à conscientização popular a respeito da necessidade de complementação alimentar das crianças muito pobres.

TEXTO.

“Eu sei que o mundo é redondo, mas para mim é chato, mas Ronaldo só sabe que o mundo é redondo, para ele não parece chato. Porque eu estive em muitos países e vi que lá o céu também é em cima, por isso o mundo parecia todo reto para mim. Mas Ronaldo nunca saiu do Brasil e pode pensar que só aqui é que o céu é lá em cima, que nos outros lugares é embaixo ou de lado, e ele pode pensar que o mundo só é chato no Brasil, que nos outros lugares que ele não viu vai redondando. Quando dizem para ele é só acreditar, para ele nada precisa parecer”.

135. Infere-se do texto que:

(A) o mundo, para Ronaldo, é um globo, pois sabe que ele se arredonda em outros países, embora não os conheça.

(B) dizem que o mundo é redondo, o que Ronaldo poderá comprovar com sua própria observação no dia em que puder viajar.

(C) Ronaldo só acredita naquilo que vê; por esse motivo, aceita normalmente a idéia de que o mundo é

redondo.

(D) como nunca saiu do Brasil, Ronaldo só vê o mundo como uma planura, o que o deixa atrapalhado para acreditar que o mundo é redondo.

(E) se Ronaldo viajasse, constataria que o mundo parece plano em toda parte, o que lhe dificultaria aceitar a idéia de que o mundo é redondo.

136. De acordo com o texto, o locutor, em seu monólogo:

(A) afirma que seria muito melhor se as coisas fossem aquilo que elas parecem ser.

(B) deixa-se enganar pelo lado exterior das coisas, pois elas apresentam uma face que realmente não é a sua.

(C) acredita que ser é mais importante do que parecer, o que o leva a desconfiar daquilo que as coisas parecem ser.

(D) questiona a disparidade existente entre aquilo que as coisas são e aquilo que elas parecem ser.

(E) só acredita no que lhe dizem quando pode comprovar um fato com os dados de sua experiência pessoal.

TEXTO.

“Tanto quanto produzir originalmente, traduzir é, contemporânea e futuramente, uma das condições da criação de "um mundo só" - na certeza de que a ignorância das realidades alheias é dupla fonte de mal, pela subestimação das realidades alheias e pela supervalorização, por vezes agressiva, das realidades próprias. A consciência plena da diversidade parece dar maior força à convicção profunda da unidade humana – sem preconceitos de falsos valores raciais, éticos, morais, culturais, materiais e até mesmo tecnológicos; tanto é verdade que, neste particular, em que a complexidade e divisão dos instrumentos de ação parecem dar uma medida do progresso, mesmo dos povos ditos atrasados, há formas e estruturas sociais que podem dar lições de eficácia aos povos ditos avançados”.

137. De acordo com o texto:

(A) a civilização contemporânea não tem o direito de ser pretensiosa, já que nela existem ainda povos primitivos, de cultura rudimentar.

(B) a aldeia global vai sendo estabelecida à medida que os escritores de cada país encontram tradutores eficientes para melhorar suas obras.

(C) o desconhecimento de outras culturas leva ao isolamento e à mediocrização das obras literárias de um povo.

(D) a possibilidade de conhecimento das obras escritas de outros povos é um fator que permite ultrapassar barreiras culturais.

(E) os preconceitos contra povos mais atrasados são rompidos quando eles têm obras escritas passíveis

de tradução.

138. Infere-se do mesmo texto que:

(A) a civilização de um povo deve ser avaliada pelo seu progresso tecnológico.

(B) não se pode discriminar um povo por causa do nível pouco avançado do seu estágio cultural.

(C) não existem mais, no mundo atual, povos ditos avançados e outros ditos atrasados.

(D) há instrumentos precisos para avaliar o grau de desenvolvimento de um povo, seja ele avançado ou

atrasado.

(E) o progresso de um povo está diretamente associado ao seu grau de civilização.

TEXTO.

“A ilusão de uma verdade puramente exterior, existindo ‘a priori’ e sem a participação do indivíduo na sua realidade intrínseca, entrou a dominar a literatura européia (...). A imaginação perdeu seu poder temporal e suas prerrogativas absolutas; as ‘construções’ que não tinham por base documento principiavam a vacilar, e a observação limitou o terreno da fantasia, nivelou-lhe a superfície irregular, marcou-lhe as dimensões e determinou-lhe os confins, reduzindo-o a uma porção insignificante e quase desprezível.”

139. Marque a opção em que as duas palavras do texto NÃO podem ser incluídas na mesma regra de acentuação, embora o acento gráfico de ambas incida na mesma sílaba tônica.

a) intrínseca e século

b) superfície e indivíduo

c) intrínseca e desprezível

d) desprezível e superfície

140. As palavras exterior e intrínseca, presentes no texto, apresentam, em sua estrutura mórfica, prefixos latinos que indicam circunstâncias opostas. De posse desse dado, assinale o par de palavras que contêm, respectivamente, prefixos gregos correspondentes aos latinos mencionados.

a) exonerar e incrustar

b) êxodo e endoscópio

c) exógeno e hipertrofia

d) emigrante e imigrante

TEXTO.

Questões 141 e 142.

Há duas instâncias em que existem riscos significativos de aumento da desigualdade entre países ricos e países em desenvolvimento: a infra-estrutura de tecnologia de informação e de comunicação (cabeamento, satélites etc.) e a universalização do acesso a essa infra-estrutura (políticas de conexão para populações de baixa renda, regulação de tarifas). Para os especialistas, no entanto, nessas duas instâncias o diagnóstico e as políticas (públicas e empresariais) são relativamente claros e até fáceis de executar. Mas o grande desafio é a área em que se encontram as maiores perspectivas de rentabilidade: conteúdo. É nesse campo que os países em desenvolvimento deveriam demonstrar mais agilidade para colocar o Estado a seu favor. Por isso, alguns dos principais atores nos mercados brasileiros de telecomunicações atravessam um período de grande agitação.

141. O texto estabelece algumas subdivisões para conceitos mais abrangentes. Assinale a opção em que os dois tópicos não representam subdivisões do conceito mencionado, destacado em negrito.

A. instâncias de desigualdade:

infra-estrutura de tecnologia de informação e comunicação;

universalização do acesso a essa infra-estrutura.

B. infra-estrutura de tecnologia:

de informação;

de comunicação.

C. universalização do acesso à infra-estrutura:

políticas de conexão para populações de baixa renda;

regulação de tarifas.

D. infra-estrutura de comunicação:

diagnóstico;

políticas.

E. políticas:

públicas;

empresariais.

142. Cada uma das opções abaixo apresenta uma proposta de substituição de expressões no texto. Assinale aquela em que a substituição proposta provocaria erro de concordância, independentemente das alterações de sentido provocadas no texto.

A. “existem riscos significativos” por “existe risco significativo”

B. “as políticas (...) são” por “a política (...) é”

C. “encontram as maiores perspectivas” por “encontra a maior perspectiva”

D. “os países (...) deveriam” por “todo país (...) deveria”

E. “alguns dos principais atores (...) atravessam” por “o principal ator (...) atravessa”

TEXTO.

Questões 143 e 144.

Ao abrir o anexo de um e-mail, você verifica imediatamente que está vendo informações que não poderiam ter chegado aos seus olhos. Uma tabela de preços que deveria estar em branco aparece com os dados confidenciais de um competidor, que, na concorrência pública em que você está trabalhando, é parceiro e subcontratado de sua empresa. Cenas como essa passaram a ser normais no cotidiano das empresas na era da tecnologia e, à medida que a Internet abrange cada vez mais processos e transações, a tecnologia da informação e as pessoas que a administram estarão cada vez mais à frente das decisões que tenham implicações éticas. O debate sobre ética nos negócios não é novo, mas o que é novo, sem dúvida, é o papel central que a tecnologia da informação passa a ter em algumas das mais importantes questões relativas ao tema: privacidade, propriedade de dados e integridade das parcerias.

143. Assinale a opção em que, no texto, o emprego singular ou plural da expressão na coluna da esquerda deve-se ao número (plural ou singular) da expressão correspondente na coluna da direita.

A. “está trabalhando” / “competidor”

B. “administram” / “pessoas”

C. “estarão” / “transações”

D. “tenham” / “empresas”

E. “passa a ter” / “papel central”

144. Cada uma das opções que se segue apresenta uma proposta de alteração no texto. Assinale aquela em que a alteração proposta desrespeita as idéias do texto ou provoca incorreção gramatical.

A. Substituir “Ao abrir” por “Abrindo”.

B. Substituir “aos seus olhos” por “a seus olhos”.

C. Inserir vírgulas isolando a oração “que deveria estar em branco”

D. Suprimir a preposição na expressão “em que”

E. Suprimir a conjunção em “mas o que”

TEXTO.

Leia atentamente o texto abaixo para responder às questões 145 e 146, e assinale a alternativa correta.

LETRA PARA UMA VALSA ROMÂNTICA.

A tarde agoniza

Ao santo acalanto

Da noturna brisa.

E eu, que também morro,

Morro sem consolo,

Se não vens, Elisa!

Ai nem te humaniza

O pranto que tanto

Nas faces desliza

Do amante que pede

Suplicantemente

Teu amor, Elisa!

Ri, desdenha, pisa!

Meu canto, no entanto,

Mais te diviniza,

Mulher diferente,

Tão indiferente,

Desumana Elisa!

145. Segundo o poema:

A. Elisa não se humaniza porque é divinizada pelo eu-lírico.

B. A ordem direta dos versos 8, 9 e 10 seria: Nas faces do amante o pranto que tanto desliza.

C. há apenas dois adjetivos referentes a Elisa.

D. Elisa, ante a súplica do eu-lírico, reage com menosprezo.

E. No quarto verso da primeira estrofe (“E eu, que também morro,”), o vocábulo “também” se justifica pela afirmação do primeiro verso.

146. Quanto ao poema anterior, pode-se afirmar que:

A. apresenta a função poética da linguagem porque exprime sentimentos e emoções individuais através  do emprego da primeira pessoa do singular (eu, morro, meu).

B. O décimo terceiro verso (“Ri, desdenha, pisa!”) caracteriza-se pelo emprego da função fática da linguagem.

C. O eu-lírico é o poeta Manuel Bandeira.

D. A aceitação da superioridade da mulher, bem como a postura de submissão do eu-lírico ante a mulher amada justifica o adjetivo “romântica” do título.

E. O poema é narrado em primeira pessoa (narrador-personagem), predominando uma visão objetiva do sentimento amoroso.

TEXTO.

ESPÍRITO DE COORDENAÇÃO.

Um chefe não tem só superiores e subordinados. Em um organismo, qualquer que seja o seu desenvolvimento, há iguais que, segundo as profissões, se apelidarão entre si de colegas ou de confrades. Encarregados de um serviço ou de uma tarefa análoga, contribuem, cada um de sua forma, para o bem do conjunto. A dificuldade está em conseguir de todos o esforço de uma boa coordenação, porque cada um, preocupado com a sua tarefa própria, tem a tentação de a realizar por si próprio sem

querer ter em conta a marcha dos outros. Daí podem resultar obstáculos gravemente nocivos para todos e, em particular, para a eficiência do ideal comum. Verifica-se isso em todas as formas da atividade humana. No plano militar, a falta de integração das diferentes armas e, na mesma arma, entre as diferentes unidades, pequenas ou grandes, é uma das causas infalíveis da derrota. Em uma oficina, se existir separação estanque entre os serviços centrais, a produção e a expedição, corre-se o risco de aparecer o congestionamento, de se multiplicarem os atrasos e de sobrevir o descontentamento da clientela. No setor escolar, quando os diferentes professores de um curso não se entendem para criteriosamente combinar os exercícios a que devem sujeitar os seus alunos, estes acabam por não saber para onde se voltar e por atamancarem tudo. Na verdade, o problema da coordenação nem sempre é fácil de resolver. Cada qual, com efeito, tem a tendência para não ver senão o seu campo e para julgar que o seu setor é o mais importante de todos. Por outro lado, quanto mais os chefes possuírem personalidades fortes, mais se sentirão inclinados a minimizar o trabalho dos seus colegas. Daí a ignorá-lo não vai um passo, mas não é verdade que, na prática, eles saltam por cima? Isto exige um esforço de convivência com os vizinhos, para manter um alinhamento com eles, para sincronizar ou, ao menos, para harmonizar os seus movimentos com os deles. Nessa altura, é necessário um espírito de síntese que, para além dos interesses imediatos do serviço, mantenha em vista o interesse superior do conjunto. É por isso que são necessárias as gotas de óleo da compreensão mútua e da cordialidade para que todos os carretos da engrenagem se movam uns nos outros com suavidade e sem perigo de engriparem.

147. O texto afirma que:

A. O problema da coordenação de uma equipe não é de fácil solução, pois exige um esforço no sentido da convivência harmônica com os colegas e os subordinados.

B. Todas as organizações civis e militares funcionam da mesma maneira: com subordinados, coordenados e autônomos.

C. O orgulho, a desmedida e o exercício de autoridade são os principais empecilhos ao desenvolvimento de qualquer empresa.

D. A principal exigência para que um bom chefe obtenha êxito é o espírito de síntese, que deve transcender os interesses imediatos do serviço.

E. As gerências de empresas particulares devem seguir o exemplo das empresas públicas, principalmente as de natureza militar e escolar.

148. Quanto ao sentido das palavras no texto, julgue os seguintes itens.

I. “superiores e subordinados” têm sentidos opostos, mas não são termos antagônicos.

II. “colegas” e “confrades”, como apresentados no texto, são termos sinônimos.

III. “análoga”, por significar semelhante, admite, no contexto, a substituição por parecida.

IV. “nocivos” e “eficiência” admitem a substituição, respectivamente, por doloso e eficaz.

V. “diferentes”, em qualquer das duas ocorrências, admite a troca por distintos, dessemelhantes ou díspares.

VI. “trabalho” e “esforço”, por serem sinônimos, podem ser intercambiados.

VII. “engriparem” está empregada denotativamente, no sentido de enguiçarem.

A quantidade de itens certos é igual a:

A. 3

B. 4

C. 5

D. 6

E. 7

TEXTO.

Leia o texto para responder às questões 149 e 150.

 0 ano 2000 chegou com mudanças surpreendentes: avanço espetacular da Internet, fusões e incorporações a rodo, globalização e queda de mitos.

0 que se convencionou chamar de Velha Economia, contudo, não se evaporou no espaço. A humanidade vai entrar no novo milênio movida ainda a petróIeo e a energia elétrica e continua consumindo o pão de cada dia que a velha e estressada terra produz. Será possível crescer nesse novo ambiente de instabilidade?

0 erro é não ver que o velho e o novo continuarão convivendo por gerações, até que se estabeleçam, provavelmente na segunda metade do século XXI, padrões inteiramente novos de comportamento empresarial e individual.

Nesse contexto é que se deve localizar o desafio do crescimento do Brasil. Um contexto que não envolve apenas números redondos sobre o crescimento industrial, a taxa de desemprego ou o barulho provocado pela má distribuição  das propriedades no campo.

149. Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

a) O sinal de dois pontos pode ser substituído por vírgula e o período permanece correto.

b) Em “O que se convencionou...” “O” pode ser substituído por Aquilo, sem prejuízo para a correção gramatical.

c) A próclise do “se” ocorre indicada pela presença do “que” e do “não”, respectivamente.

d) O uso de vírgula após “pão de cada dia” transforma a oração que se segue em restritiva.

e) A forma verbal “continuarão” admite a substituição por vão continuar, sem alteração do significado.

150. Assinale a opção que apresenta uma informação incorreta.

a) A expressão “até que” pode ser substituída por até quando, sem prejuízo para a correção do período.

b) A união dos dois últimos períodos do texto pode ser a transformação ...Brasil, ou seja, um contexto...

c) A estrutura  “se estabeleçam” admite substituição por  seriam estabelecidos e o texto permanece correto.

TEXTO.

Leia o excerto abaixo tendo como referência  a leitura de São Bernado.

¾ Por que é que sua sobrinha não procura marido?

(D. Glória) Melindrou-se:

¾ Minha sobrinha não é feijão bichado para se andar oferecendo.

¾ Nem eu digo isso, minha senhora. Deus me livre. É um conselho de amigo. Garantir o futuro...”

151. Sobre esse excerto são feitas as seguintes afirmações:

I - Os travessões marcam a mudança de interlocutor no diálogo, e o ponto de interrogação expressa o tom irônico e provocador  típico de Paulo Honório.

II - Os dois-pontos anunciam a entrada do interlocutor, e a vírgula isola o aposto.

III - As reticências expressam a interrupção da fala nervosa e desconexa do interlocutor.

IV - A vírgula após “isso” isola o vocativo, e os travessões podem ser substituídos por aspas.

Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s):

a) I, II e III.

b) I, III e IV.

c) II apenas.

d) IV apenas.

152. Observando a regência dos verbos, assinale a alternativa em que o emprego do pronome oblíquo está em desacordo com a norma padrão da língua.

a) Azevedo Gondim chamou-lhe patriota.

b) Senti-me obrigado a informar-lhe o ocorrido.

c) O político pediu-me as fotografias, observou-as e, ao se retirar, pagou-mas.

d) Não queria presenciar a decadência de São Bernardo, assistir-lhe seria demasiado penoso.

TEXTO.

“E dizendo isso abraçou-me com tal
       1

ímpeto, que não pude evitá-lo. Separamo-nos
                    2

finalmente, eu a passo largo, com a camisa
amarrotada do abraço; enfadado e triste. Já
não dominava em mim a parte simpática da
sensação, mas a outra.  Quisera ver-lhe a
miséria digna, contudo, não pude deixar de
comparar outra vez o homem de agora com o
de outrora, entristecer-me e encarar o abismo
que separa as esperanças de um tempo da
                              3

realidade de outro tempo...”

153. Assinale, entre os fechos seguintes, o que sintetiza o capítulo “O abraço”, de Memórias póstumas de  Brás Cubas, vindo a completar com coerência  e adequação o episódio acima envolvendo Brás Cubas e Quincas Borba.

a) “¾ Ora adeus! Vamos jantar, disse comigo.

Meto a mão no colete e não acho o relógio. Última desilusão! O Borba furtara-mo...”

b) “Tirei a carteira, escolhi uma nota de cinco mil-réis, ¾ a menos limpa, ¾ e
dei-lha. Ele recebeu-ma com os olhos cintilantes de cobiça. Levantou a nota ao ar, e agitou-a entusiasmado.

¾ In hoc signo vinces! bradou.”

c) “¾ Procure-me, disse eu, poderei arranjar-lhe alguma coisa.

Um sorriso magnífico lhe abriu os lábios. ¾ Não é o primeiro que me promete alguma coisa, replicou, e não sei se será o último que não me fará nada.”

d) “Cuidei que o pobre diabo estivesse doido, e ia afastar-me, quando ele me pegou no pulso, e olhou alguns instantes para o brilhante que eu trazia no dedo. Senti-lhe na mão uns estremeções de cobiça, uns pruridos de posse.

¾ Magnífico! disse ele.”

154. Sobre as orações subordinadas sublinhadas, é correto afirmar que:

a) 1, 2 e 3 são adverbiais.

b) 2 é adverbial consecutiva.

c) 2 e 3 são adjetivas restritivas.

d) 3 é adjetiva restritiva com pronome relativo em função de objeto direto.

TEXTO.

“Custou-lhe muito a aceitar a casa; farejara a intenção, e doía-lhe o ofício; mas afinal cedeu. Creio que chorava, a princípio, tinha nojo de si mesma.”

155. Transpondo o verbo “custar” para a primeira pessoa do singular, considerando a norma culta da língua, ter-se-á:

a) Custei muito aceitar a casa ...

b) Custou-me muito aceitar a casa ...

c) Custei-me muito a aceitar a casa ...

d) Me custou muito a aceitar a casa ...

156. A forma “farejara” exprime um processo:

a) em curso ou prolongado, equivalendo a tendo/havendo farejado.

b) que ocorreu antes de outro processo e corresponde a tinha/havia farejado.

c) concluído e localizado num momento ou período definido do passado, equivalendo a tem/há farejado.

d) que estava em desenvolvimento quando da ocorrência de outro, equivalendo a teria/haveria farejado.

TEXTO.

Um operário desenrola o arame, o outro o endireita, um terceiro corta, um quarto o afia nas pontas para a colocação da cabeça do alfinete; para fazer a cabeça do alfinete requerem-se 3 ou 4 operações diferentes.

157. A respeito do texto são feitas as seguintes afirmações:

I - Ambos retratam a intensa divisão do trabalho, à qual são submetidos os operários.

II - O texto refere-se à produção informatizada, e o quadrinho, à produção artesanal.

III - Ambos contêm a idéia de que o produto da atividade industrial não depende do conhecimento de todo o processo por parte do operário.

Dentre essas afirmações, apenas:

a) I está correta.

b) II está correta.

c) III está correta.

d) I e II estão corretas.

e) I e III estão corretas.

158. Os provérbios constituem um produto da sabedoria popular e, em geral, pretendem transmitir um ensinamento. A alternativa em que os dois provérbios remetem a ensinamentos semelhantes é:

(A) "Quem diz o que quer, ouve o que não quer" e "Quem ama o feio, bonito lhe parece".

(B) "Devagar se vai ao longe" e "De grão em grão, a galinha enche o papo".

(C) "Mais vale um pássaro na mão do que dois voando" e "Não se deve atirar pérolas aos porcos".

(D) "Quem casa quer casa" e "Santo de casa não faz milagre".

(E) "Quem com ferro fere, com ferro será ferido" e "Casa de ferreiro, espeto de pau".

TEXTO.

"Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d’água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.

Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com um mínimo de elementos.

De água e luz ele faz seu esplendor, seu grande mistério é a simplicidade. Considerei, por fim, que assim é o amor, oh minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz do teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico."

159. Nas três "considerações" do texto, o cronista preserva, como elemento comum, a idéia de que a sensação de esplendor:

a) ocorre de maneira súbita, acidental e efêmera;

b) é uma reação mecânica dos nossos sentidos estimulados;

c) decorre da predisposição de quem está apaixonado;

d) projeta-se além dos limites físicos do que a motivou;

e) resulta da imaginação com que alguém vê a si mesmo.

160. Atente para as seguintes afirmações:

I - O esplendor do pavão e o da obra de arte implicam algum grau de ilusão.

II - O ser que ama sente refletir em si mesmo um atributo do ser amado.

III - O aparente despojamento da obra de arte oculta os recursos complexos de sua elaboração.

De acordo com o que o texto permite deduzir, apenas:

a) as afirmações I e III estão corretas;

b) as afirmações I e II estão corretas;

c) as afirmações II e III estão corretas;

d) a afirmação I está correta;

e) a afirmação II está correta.

TEXTO.

Murilo Mendes, em um de seus poemas, dialoga com a carta de Pero Vaz de Caminha:

"A terra é mui graciosa,

Tão fértil eu nunca vi.

A gente vai passear,

No chão espeta um caniço,

No dia seguinte nasce

Bengala de castão de oiro.

Tem goiabas, melancias,

Banana que nem chuchu.

Quanto aos bichos, tem-nos muito,

De plumagens mui vistosas.

Tem macaco até demais

Diamantes tem à vontade

Esmeralda é para os trouxas.

Reforçai, Senhor, a arca,

Cruzados não faltarão,

Vossa perna encanareis,

Salvo o devido respeito.

Ficarei muito saudoso

Se for embora daqui".

161. Arcaísmos e termos coloquiais misturam-se nesse poema, criando um efeito de contraste, como ocorre em:

(A) A terra é mui graciosa / Tem macaco até demais.

(B) Salvo o devido respeito / Reforçai, Senhor, a arca.

(C) A gente vai passear / Ficarei muito saudoso.

(D) De plumagens mui vistosas / Bengala de castão de oiro.

(E) No chão espeta um caniço / Diamantes tem à vontade.

162. O setor residencial brasileiro é, depois da indústria, o que mais consome energia elétrica. A participação do setor residencial no consumo total de energia cresceu de forma bastante acelerada nos últimos anos. Esse crescimento pode ser explicado:

I. pelo processo de urbanização no país, com a migração da população rural para as cidades.

II. pela busca por melhor qualidade de vida, com a maior utilização de sistemas de refrigeração, iluminação e aquecimento.

III. pela substituição de determinadas fontes de energia - a lenha, por exemplo - pela energia elétrica.

Dentre as explicações apresentadas:

(A) apenas III é correta.

(B) apenas I e II são corretas.

(C) apenas I e III são corretas.

(D) apenas II e III são corretas.

(E) I, II e III são corretas.

TEXTO.

O Departamento Social do Tribunal de Contas convidou seus funcionários para uma festa de final de ano, publicando, em seu mural, o seguinte texto:

O Departamento Social realiza, no dia 31 de dezembro, a maior festa do chope de Florianópolis: comidas típicas açorianas e muito chope distribuídos gratuitamente aos funcionários.

163. Assinale a opção correta quanto à concordância nominal:

a) O adjetivo distribuídos concorda com  funcionários.

b) O adjetivo distribuídos concorda com muito chope.

c) O adjetivo distribuídos concorda com comidas típicas açorianas.

d) O adjetivo distribuídos concorda com comidas e chope – ambos são de graça.

164. Apenas uma opção está errada quanto ao uso da crase. Assinale-a:

a) A partida de futebol começara às dezesseis horas.

b) Entreguei o livro àquele rapaz.

c) Voltei à casa muito feliz.

d) Eles passaram a tarde a discutir as vantagens às quais julgavam ter direito.

TEXTO.

"Em nossa última conversa, dizia-me o grande amigo que não esperava viver muito tempo, por ser um "cardisplicente".

– O quê?

– Cardisplicente. Aquele que desdenha do próprio coração.

Entre um copo e outro de cerveja, fui ao dicionário.

– "Cardisplicente" não existe, você inventou – triunfei.

– Mas seu eu inventei, como é que não existe? – espantou-se o meu amigo.

Semanas depois deixou em saudades fundas companheiros, parentes e bem-amadas. Homens de bom coração não deveriam ser cardisplicentes."

165. Conforme sugere o texto, "cardisplicente" é:

a) um jogo fonético curioso, mas arbitrário;

b) palavra técnica constante de dicionários especializados;

c) um neologismo desprovido de indícios de significação;

d) uma criação de palavra pelo processo de composição;

e) termo erudito empregado para criar um efeito cômico.

166. "– Mas se eu inventei, como é que não existe?"

Segundo se deduz da fala espantada do amigo do narrador, a língua, para ele, era um código aberto:

a) ao qual se incorporariam palavras fixadas no uso popular;

b) a ser enriquecido pela criação de gírias;

c) pronto para incorporar estrangeirismos;

d) que se amplia graças à tradução de termos científicos;

e) a ser enriquecido com contribuições pessoais.

TEXTO.

"A triste verdade é que passei as férias no calçadão do Leblon, nos intervalos do novo livro que venho penosamente perpetrando. Estou ficando cobra em calçadão, embora deva confessar que o meu momento calçadônido mais alegre é quando, já no caminho de volta, vislumbro o letreiro do hotel que marca a esquina da rua onde finalmente terminarei o programa-saúde do dia. Sou, digamos, um caminhante resignado. Depois dos 50, a gente fica igual a carro usado, é a suspensão, é a embreagem, é o radiador, é o contraplano do rolabrequim, é o contrafarto do mesocárdio epidítico, a falta da serotorpina folimolecular, é o que mecânicos e médicos disseram. Aí, para conseguir ir segurando a barra, vou acatando os conselhos. Andar é bom para mim, digo sem muita convicção a meus entediados botões, é bom para todos."

167. No período que se inicia em "Depois dos 50...", o uso de termos (já existentes ou inventados) referentes a áreas diversas tem como resultado:

a) um tom de melancolia, pela aproximação entre um carro usado e um homem doente;

b) um efeito de ironia, pelo uso paralelo de termos da medicina e da mecânica;

c) uma certa confusão no espírito do leitor, devido à apresentação de termos novos e desconhecidos;

d) a invenção de uma metalinguagem, pelo uso de termos médicos em lugar de expressões corriqueiras;

e) a criação de uma metáfora existencial, pela oposição entre o ser humano e objetos.

168. Na frase "Aí, para conseguir ir segurando a barra, vou acatando os conselhos...". Aí será corretamente substituído, de acordo com seu sentido no texto, por:

a) Nesse lugar.

b) Nesse instante.

c) Contudo.

d) Em conseqüência.

e) Ao contrário.

TEXTOS.

Nas conversas diárias, utiliza-se freqüentemente a palavra "próprio" e ela se ajusta a várias situações. Leia os exemplos de diálogos:

I - A Vera se veste diferente!

- É mesmo, é que ela tem um estilo próprio.

II - A Lena já viu esse filme uma dezena de vezes! Eu não consigo ver o que ele tem de tão maravilhoso assim.

- É que ele é próprio para adolescente.

III - Dora, o que eu faço? Ando tão preocupada com o Fabinho! Meu filho está impossível!

- Relaxa, Tânia! É próprio da idade. Com o tempo, ele se acomoda.

169. Nas ocorrências I, II e III, "próprio" é sinônimo de, respectivamente:

(A) adequado, particular, típico.

(B) peculiar, adequado, característico.

(C) conveniente, adequado, particular.

(D) adequado, exclusivo, conveniente.

(E) peculiar, exclusivo, característico.

170. I - Para o filósofo inglês Thomas Hobbes (1588-1679), o estado de natureza é um estado de guerra universal e perpétua. Contraposto ao estado de natureza, entendido como estado de guerra, o estado de paz é a sociedade civilizada.

Dentre outras tendências que dialogam com as idéias de Hobbes, destaca-se a definida pelo texto abaixo.

II - Nem todas as guerras são injustas e correlativamente, nem toda paz é justa, razão pela qual a guerra nem sempre é um desvalor, e a paz nem sempre um valor.

Comparando as idéias de Hobbes (texto I) com a tendência citada no texto II, pode-se afirmar que:

(A) em ambos, a guerra é entendida como inevitável e injusta.

(B) para Hobbes, a paz é inerente à civilização e, segundo o texto II, ela não é um valor absoluto.

(C) de acordo com Hobbes, a guerra é um valor absoluto e, segundo o texto II, a paz é sempre melhor que a guerra.

(D) em ambos, a guerra ou a paz são boas quando o fim é justo.

(E) para Hobbes, a paz liga-se à natureza e, de acordo com o texto II, à civilização.

TEXTO.

“A literatura que se produziu nos anos 30 e nos anos 40 basicamente gravitou em torno da difícil realidade gerada pela ditadura que se instalou no Brasil a partir de outubro de 1930, com a ascensão de Getúlio Vargas ao poder. Cada autor passou a refletir essa época de agonia à sua maneira. Assim, por exemplo, ao lado de uma literatura regionalista, que fez realçar a região focalizando o problema social, também apareceu uma literatura urbana, muito intimista, em que a narração se construiu por registros de atmosferas. A poesia enveredou, no segundo tempo modernista, para a crítica social e para o entendimento das relações conturbadas do homem com o universo.”

171. Tomando por base a leitura do texto, pode-se afirmar, sobre esse período de nossa literatura, que:

a) entre os autores “muito intimistas” não pode faltar o nome de Raquel de Queiroz com o romance Caminho de pedras, em que o enfoque psicológico sobrepõe-se ao social.

b) Grande sertão: veredas e Os sertões estão entre as obras desse decênio que fazem realçar uma dada “região focalizando o problema social”.

c) o modo típico de um escritor regionalista, dessa “época de agonia”, conceber a personagem pode ser exemplificado pela caracterização de Paulo Honório.

d) o maior expoente dessa poesia que envereda para o “entendimento das relações conturbadas do homem com o universo” e para a “crítica social” é João Cabral de Melo Neto.

172. Assinale a alternativa que apresenta concordância verbal correta.

a) Falam-se entre 4000 e 6800 idiomas na Terra. Poderão haver menos de 1000 em 100 anos. Em 300 anos não mais do que 24.

b) É possível que se faça implantes de células humanas no cérebro de animais para que a comunicação entre estes e os seres humanos melhore.

c) No português existe sons anasalados, e o final das palavras não é pronunciado por completo. Quem fala espanhol fica completamente perdido com essas peculiaridades.

d) A influência do inglês em nosso idioma está cada vez maior, haja vista os programas de televisão e os milhares de filmes e músicas que invadem nossas fronteiras desde o final da II Guerra.

TEXTO.

Estudos realizados por economistas, na década de 80, identificavam uma tendência de crescimento mais acelerado nas regiões mais pobres do Brasil. Discutindo com mais detalhe as explicações para a frustração daquelas expectativas mais positivas, chega-se a duas conclusões inelutáveis. Primeiro, apenas com políticas mais consistentes de desenvolvimento e atração de investimento, será possível enfrentar o problema da desigualdade regional. Segundo, o padrão de modernização da economia torna ainda mais difíceis os horizontes das regiões mais pobres.

173. Assinale a alternativa incorreta quanto ao texto.

a) As duas conclusões inelutáveis explicitam-se nos períodos seguintes.

b) As expectativas mais positivas, do segundo parágrafo, é um termo que se refere a uma tendência do crescimento mais acelerado nas regiões mais pobres do Brasil.

c) Embora houvesse, na década de 80, perspectivas de maior desenvolvimento nas regiões mais pobres, estas se frustraram nos anos seguintes.

d) Trata-se da questão das desigualdades econômicas sociais entre as diferentes regiões brasileiras.

e) Aprofundando-se a análise das razões que levaram ao não crescimento das regiões mais pobres, chega-se a duas conclusões discutíveis.

174. Assinale a alternativa correta quanto ao texto.

a) Os elementos coesivos primeiro e segundo introduzem idéias que se opõem à frustração, apresentada anteriormente.

b) Discutindo pressupõe circunstância de condição ou de tempo.

c) O verbo na voz ativa que abre o primeiro parágrafo expressa o eu que fala.

d) Trata-se de um trecho de natureza denotativa, ou seja, linguagem subjetiva.

e) Em: "Discutindo com mais detalhe as explicações..." possui as mesmas relações semânticas que "Discutindo as explicações mais detalhadas...".

TEXTO.

O MERCOSUL é uma das iniciativas mais fecundas deste final de século. No contexto de um mundo marcado pelo fenômeno da globalização, a formação de blocos regionais é um movimento cada vez mais abrangente, caracterizado pela busca de maior escala de produção. A integração comercial entre os países do Cone Sul, que surgiu como subproduto de uma política de abertura pela abertura, de traços indefinidos, foi evoluindo ao longo do tempo para a construção de uma agenda mais positiva, especialmente diante da necessidade de se buscarem formas eficazes para a superação da persistente crise econômica dos anos 80.

Hoje se pode afirmar, sem medo de errar, que o MERCOSUL é uma tentativa de ponte para um melhor desempenho e maior inserção dos nossos países no cenário internacional.

175. Assinale o item incorreto em relação ao texto.

a) A palavra "fecundas" tem, no texto, o mesmo significado de "produtivas".

b) O adjetivo "abrangente" está relacionado, no texto, à idéia de "crescimento, ampliação."

c) O substantivo "agenda", no texto, tem o significado de "programa de compromissos, plano, pauta de objetivos comuns."

d) Se a construção "se buscarem formas eficazes" for substituída por "formas eficazes forem buscadas" o texto continua correto.

e) A colocação pronominal proclítica em "Hoje se pode afirmar" está adequada ao padrão culto da língua escrita.

176. Assinale o item correto em relação às idéias do texto.

a) A idéia do MERCOSUL já nasceu com o desenho que tem hoje.

b) O objetivo de alcançar maior nível de produção é um dos fatores que impulsiona a criação de blocos regionais, numa economia cada vez mais globalizada.

c) A crise econômica dos anos 80 dificultou e atrasou a formação de um bloco no Cone Sul.

d) O MERCOSUL tende a restringir as relações comerciais apenas às trocas entre os países que o integram.

e) A globalização atinge apenas os países do Hemisfério Norte.

TEXTO.

Não faz muito tempo assim, um deputado-cartola disse para quem quisesse ouvir que quando vendeu um craque para o La Coruña, da Espanha, ele teve um trabalhão para depositar numa conta na Suíça parte do dinheiro devido ao jogador, como havia sido combinado. Comunicou o fato a telespectadores de uma mesa-redonda com a mesma tranqüilidade com que sonegou a informação à Receita. Quem tem dinheiro, poder, notoriedade ou um bom advogado não costuma passar por grandes apertos. No retrato da nossa pátria-mãe tão distraída, jogadores de futebol são os adventícios que chegam aos andares de cima da torre social, como recompensa por um talento excepcional, o que convenhamos, é mérito raro. Mas isso não lhes confere isenções fiscais.

Se o Leão ficar arisco para repentinos sinais exteriores de riqueza, vai empanturrar-se de banquetes fora dos gramados.

177. Assinale o item incorreto em relação ao texto.

a) O pronome "ele" se refere a "deputado-cartola".

b) O substantivo "jogador" se refere a "um craque".

c) O agente dos verbos "Comunicou" e "sonegou" é o mesmo dos verbos "disse", "vendeu" e "teve".

d) As palavras "trabalhão" e "apertos" contribuem para conferir informalidade ao texto.

e) A expressão "devido ao" indica relação sintática de causa.

178. Assinale o item incorreto em relação ao texto.

a) A expressão "andares de cima da torre social" está sendo utilizada em sentido figurado ou metafórico.

b) Uma paráfrase correta para o último período do texto seria: "Se a Receita Federal fiscalizar rigorosamente aqueles que mostram sinais de enriquecimento súbito, vai aumentar sua arrecadação em outras áreas que não apenas o futebol".

c) A palavra "adventícios" significa, no texto, "perseverantes, obstinados, místicos".

d) O uso do "se" em "Se o Leão ficar arisco" estabelece uma relação sintática de condição.

e) O uso do "se" em "empanturrar-se" tem função reflexiva.

TEXTO.

“Passa uma borboleta por diante de mim E pela primeira vez no Universo eu reparo Que as borboletas não têm cor nem movimento, Assim como as flores não têm perfume nem cor. A cor é que tem cor nas asas da borboleta, No movimento da borboleta o movimento é que se move. O perfume é que tem perfume no perfume da flor. A borboleta é apenas borboleta E a flor é apenas flor.”

179. A leitura do texto nos permite concluir que Fernando Pessoa falava pela voz de:

a) Ricardo Reis, por remeter a temas e formas da poética clássica.

b) Alberto Caeiro, pelo tratamento simples da natureza com a qual se sente intimamente ligado.

c) Álvaro de Campos, que representa o mundo moderno e a vanguarda futurista.

d) Pessoa, ele mesmo, por expressar traços marcantes da poesia do século XX.

e) Bernardo Soares, por adotar uma atitude intimista.

180. Fernando Pessoa dizia que o Padre Vieira era o imperador da língua portuguesa. No que diz respeito à criação literária, assinale a alternativa que justifica o fato de Vieira ser chamado de Imperador.

a) Embora vivesse no Brasil, defendeu posições favoráveis à administração do império português.

b) Era possuidor de alta espiritualidade e por isso não se interessava por assuntos mundanos.

c) Revelava-se em seus sermões com uma arrogância desmedida que o distanciava das pessoas.

d) Servindo-se de um sofisticado jogo de idéias e conceitos, acabou por aprimorar, em grande estilo, a esteticidade do idioma português.

e) Utilizou-se de um discurso pedagógico e investiu-se das funções de moralizador de todas as camadas sociais.

TEXTO.

Ao pular-se do pecado original para o "homem naturalmente bom num mundo mau", abriu-se uma grande florescência de socialismos que, em princípio, se propunham refazer a sociedade segundo uma utopia generosa. Em meados do século passado, veio um golpe: a teoria da evolução das espécies, de Darwin, segundo a qual, na natureza, os seres vivos evoluíam pela disputa de uns com outros no jogo da sobrevivência do mais apto. Essa idéia não foi logo entendida como ameaça pelos socialistas, porque, como os seus coetâneos, tinham um profundo temor reverencial pela "ciência". Não demorariam, porém, a aparecer extrapolações como o "darwinismo social", e as idéias racistas supostamente "científicas". "Ao vencedor as batatas", como diria Machado de Assis.

181. Apesar de o texto estar claro ao leitor leigo, um estudo mais profundo traria à tona um erro que modificaria totalmente o sentido do primeiro período desse parágrafo, pois:

a) Em princípio só aparentemente tem sentido temporal, mas, na verdade, tem valor concessivo, podendo ser substituído por "apesar de". A expressão que indica tempo é "a princípio".

b) Refazer possui o sentido de "fazer novamente"; isso daria o significado de que a sociedade não mais existia, o que não condiz com a realidade.

c) Ao pular-se denota interrupção na ação, como se uma ação abruptamente fosse interrompida, para que outra se iniciasse. O certo seria "Ao se pular".

d) Florescência significa "iluminação", o que denotaria que os socialismos já existiam, mas o autor quis indicar que eles surgiam naquele momento.

e) Generosa é qualidade que só pode ser admitida em pessoas, portanto não cabe neste texto.

182. Na frase "Essa idéia não foi logo entendida como ameaça pelos socialistas...":

a) Deve-se substituir essa por esta, pois os pronomes demonstrativos que indicam algo já apresentado anteriormente no texto são este, esta, isto.

b) Deve-se colocar logo depois de entendida, pois não se deve separar os verbos que formam locução verbal por elemento algum.

c) Há dois advérbios.

d) Não há emprego de preposição.

e) Não se deve substituir essa por esta, pois os advérbios que indicam algo já apresentado anteriormente no texto são esse, essa, isso.

TEXTO.

BOTAFOGO ETC.

"Beiramarávamos em auto pelo espelho de aluguel arborizado das avenidas marinhas sem sol. Losangos tênues de ouro bandeira nacionalizavam os verdes montes interiores.

No outro lado azul da baía a Serra dos Órgãos serrava.

Barcos. E o passado voltava na brisa de baforadas gostosas. Rolah ia vinha derrapava em túneis. Copacabana era um veludo arrepiado na luminosa noite varada pelas frestas da cidade.

183. Didaticamente, costuma-se dizer que, em relação à sua organização, os textos podem ser compostos de descrição, narração e dissertação; no entanto é difícil encontrar-se um trecho que seja só descritivo, apenas narrativo, somente dissertativo.

Levando-se em conta tal afirmação, selecione uma das alternativas abaixo para classificar o texto de Oswald de Andrade:

a) Narrativo-descritivo, com predominância do dissertativo.

b) Dissertativo-descritivo, com predominância do dissertativo.

c) Descritivo-narrativo, com predominância do narrativo.

d) Descritivo-dissertativo, com predominância do dissertativo.

e) Narrativo-dissertativo, com predominância do narrativo.

184. "Florzinha Singela, esses seus cabelos loiros enfeitiçaram vorazmente um coração sedento e puro e sentimentos anteriores..."

O texto é um exemplo de carta:

a) familiar.

b) amorosa.

c) crítica.

d) doutrinária.

e) comercial.

TEXTO.

Olivier Blanchar ataca o que chama de "cultura do desemprego", ou seja, a visão pessimista do futuro, baseada em estatísticas do presente e apoiada numa certa tolerância para com o fenômeno que as redes de suporte ao desempregado asseguram, especialmente em alguns países da Europa ocidental.

185. Em relação aos elementos do texto, assinale a opção incorreta.

A. "apoiada" significa difundida.

B. "tolerância" significa indulgência, consentimento.

C. "ataca" significa reprova, opõe-se.

D. "redes" significa conjuntos de instituições e agências interligadas que se destinam a prestar serviços.

E. "fenômeno" significa fato de natureza social.

186. Em relação às idéias do texto, assinale a opção incorreta.

 (A) As redes de suporte ao desempregado garantem tolerância em relação ao fenômeno do desemprego.

(B) Alguns países da Europa ocidental possuem redes de suporte ao desempregado.

(C) Segundo Olivier Blanchar, 'cultura do desemprego' é a visão pessimista do futuro no que se refere ao mercado de trabalho.

(D) Olivier Blanchar, diante das estatísticas do presente, defende uma visão pessimista do futuro.

(E) As estatísticas da atualidade e a tolerância para com o fenômeno do desemprego fundamentam uma visão desemprego fundamentam uma visão pessimista do futuro.

TEXTO.

 As razões do desinteresse pelas eleições, verificado neste último pleito, vão desde os imprecisos limites éticos da política no Brasil até fatores mais gerais que têm a ver com a evolução da democracia de massas no mundo. Não importa se ela é majoritária ou proporcional, parlamentarista ou presidencialista, a distância social e política entre representantes e representados ficou excessiva. O diálogo entre governo e sociedade, Parlamento e sociedade, quase desapareceu.

As fronteiras ideológicas embolaram, os valores das sociedades mudaram mais que os dogmas dos políticos – à esquerda e à direita – e as diferenças nas políticas econômicas de liberal conservadores e social democratas quase desapareceram.

187. Assinale o item que completa o texto acima com uma idéia conclusiva e coerente.

a) Tudo isso contribuiu para alimentar o desinteresse de muitos cidadãos pela vida partidária e eleitoral.

b) Desse modo, as crises, o desequilíbrio fiscal e a globalização também fazem decretar a participação no regime democrático como decisiva.

c) Por isso torna-se válido concluir que o regime democrático, por mais participativo  e liberal que seja, está chegando aos objetivos previstos na sua origem.

d) É, portanto, um caso constitucional que se abre à opinião pública: o de rever o desgaste do nacionalismo frente aos problemas originados pela descrença popular.

e) Assim, devido às pesquisas que alertam para o perigo em que se encontra a democracia, há uma crise nas fronteiras ideológicas.

188. Marque a afirmação incorreta a respeito do emprego das expressões e palavras do texto.

a) O emprego das preposições “desde” e “até” indica a possibilidade de existir mais do que apenas as duas razões mencionadas.

b) O pronome “ela” refere-se a democracia.

c) O adjetivo “excessiva” qualifica “distância social e política entre representantes e representados”.

d) A forma verbal “embolaram” admite, nesse contexto, também o emprego reflexivo: embolaram-se.

e) As expressões “à esquerda e à direita” indicam as diferentes direções que os valores da sociedade tomaram em suas mudanças.

TEXTO.

 É mais ou menos consensual que o país precisa de uma reforma tributária, mas o acordo se desfaz quando ela começa a ser concretamente debatida. Aliás, é exagero dizer que haja um debate em curso. Os interesses falam mais alto e, até o presente momento, foram capazes de manter a reforma no limbo das intenções sempre reiteradas e nunca realizadas.

 Nesse contexto de falta de definição, em tudo agravado pela prioridade óbvia da crise financeira, vez por outra surgem idéias dignas de nota. Uma delas foi apresentada pelo diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP), David Zylbersztajn: uma sobretaxa para combustíveis.

 À primeira vista, parece apenas mais  um ônus sobre os contribuintes e a atividade econômica. E seria mesmo, caso a medida viesse isolada, como mais um artifício para aumentar a arrecadação  –  algo inaceitável.

 Não é com tal feitio que esse tributo vem sendo discutido em países desenvolvidos, em que é encarado como instrumento econômico para obter a redução na emissão de poluentes. A idéia foi apoiada por 2 500 economistas dos EUA, liderados por dois prêmios Nobel e uma estrela do brilho de (Paul Krugman).

189. Resume-se corretamente o assunto central do texto em:

(A) No contexto indefinido da crise financeira, a falta de debates voltados para nossa reforma tributária impede que sigamos a lição dos economistas dos EUA.

(B) Não é com medidas onerosas, como a da sobretributação dos combustíveis, que se vai amenizar esta óbvia crise financeira ou mesmo o nível de poluição ambiental.

(C) Pode ser oportuna para o país a sobretaxa para combustíveis, medida que os países desenvolvidos vêm discutindo como instrumento para a redução da emissão de poluentes.

(D) O diretor da ANP, seguindo o caminho dos economistas dos EUA, estuda medidas que tragam efetiva redução nos impostos que assolam também o nosso país.

(E) Em meio aos debates sobre a crise financeira, são oportunas as medidas, anunciadas por Paul Krugman e muitos outros economistas, relativas à nossa reforma tributária.

190. Considere as seguintes afirmações:

I. A crise financeira tornou-se um assunto mais preocupante do que a necessidade de uma reforma tributária.

II. Uma sobretaxa para combustíveis, além de colocar em debate a reforma tributária, é atraente por seus  efeitos ecológicos.

III. Será onerosa, e talvez inócua, a medida do diretor da ANP, que visa a reduzir a emissão de poluentes.

Está correto, em relação ao texto, o que vem afirmado em:

(A) I,  II,  III.

(B) I,  II,  apenas.

(C) I,  III,  apenas.

(D) II,  III,  apenas.

(E) II,  apenas.

191. Indique a alternativa em que, considerado o contexto, se traduz corretamente o sentido de uma expressão do texto.

(A) "mais ou menos consensual" (acordo efetivamente implícito)

(B) "no limbo das intenções" (no plano das restrições)

(C) "prioridade óbvia" (importância mais que relativa)

(D) "com tal feitio" (segundo esse caráter)

(E) "idéias dignas de nota" (propostas facilmente avaliáveis)

TEXTO.

AFC.

Os investimentos conjuntos de empresas de dois ou mais países serão os pilares de sustentação do Mercado Comum do Cone Sul. Esse movimento do setor privado dos países amarra definitivamente os laços que envolvem os mercados, dando a modelagem para a integração, de forma prática. Por isso a importância dos números que já podem ser colhidos na criação de empreendimentos conjuntos entre empresas da Argentina e do Brasil, recentemente compilados pela Embaixada da Argentina em Brasília. Nos demais países, ações semelhantes estão em estudo.

É bem verdade que os países industrializados do Hemisfério Norte ainda lideram com grande margem o ranking dos investidores externos no Cone Sul. Suas grandes empresas, interessadas no mercado do MERCOSUL, vêm para o nosso continente em busca de oportunidades de negócios. Esse é o caminho natural dos capitais e seus agregados, como as tecnologias que acompanham os investimentos dos países avançados. Os países do Cone Sul são atrativos. Basta ver o mercado argentino, com 35 milhões de habitantes e uma renda per capita de US$ 9 mil por ano, que apresenta os mesmos padrões de consumo dos europeus.

Entretanto, os novos sinais indicam que as associações e fusões entre capitais brasileiros e argentinos já se encaminham para setores estratégicos da economia, o que representa um passo à frente, porque cria interesses permanentes em torno de objetivos a longo prazo.

192. Assinale o item que não está de acordo com as idéias do texto.

a) As fusões entre capitais brasileiros e argentinos estão cada vez mais voltadas para setores periféricos, o que prejudica os interesses duradouros e os objetivos a curto prazo.

b) A Embaixada da Argentina em Brasília compilou dados sobre a criação de empreendimentos conjuntos entre empresas brasileiras e argentinas.

c) As grandes empresas do Hemisfério Norte, com seus capitais e tecnologias, ainda lideram os investimentos externos no Cone Sul.

d) Os países industrializados participam da economia do Cone Sul porque o mercado oferece atraentes padrões de consumo.

e) As iniciativas do setor privado definem a base e o desenho das integrações entre os países do Cone Sul.

193. Assinale o item incorreto em relação ao texto:

a) A palavra "pilares" está sendo utilizada em sentido conotativo ou metafórico.

b) A expressão "amarra definitivamente os laços" tem como paráfrase correta: "consolida definitivamente as relações."

c) A palavra "compilados" significa, no texto, "estimulados, favorecidos".

d) O acento gráfico na palavra "países" se justifica para marcar a separação das vogais do hiato.

e) A expressão "per capita" é latina e significa "por cabeça."

194. Assinale o item incorreto em relação ao texto.

a) O verbo "cria" (linha 18) está no singular para concordar com a palavra "economia" (linha 17).

b) O uso do sinal indicativo de crase no "a" antes de "longo prazo" é indevido por tratar-se de expressão no gênero masculino.

c) O acento gráfico na palavra "estratégicos" se justifica por tratar-se de uma proparoxítona.

d) Em "vêm para o nosso continente" a forma verbal de 3ª pessoa do plural do verbo "vir" se distingue do verbo "ver", que se grafa "vêem".

TEXTO.

PRONOMINAIS.

Dê-me um cigarro

Diz a gramática

Do professor e do aluno

E do mulato sabido

Mas o bom negro e o bom branco

Da nação brasileira

Dizem todos os dias

Deixa disso camarada

Me dá um cigarro.

195. Assinale a opção correta.

a) O pronome oblíquo no verso Me dá um cigarro obedece às normas da língua padrão.

b) Em Dê-me e Me dá o pronome oblíquo me  ocupa a mesma posição.

c) O pronome oblíquo no verso Me dá um cigarro está em posição de mesóclise.

d) O pronome oblíquo no verso Dê-me um cigarro está na posição de ênclise.

196. Observe os períodos abaixo e assinale a opção que traz o período corretamente pontuado:

a) Entregue àquele rapaz, o jovem advogado o processo que, deve ser analisado.

b) Entregue àquele rapaz, o jovem advogado, o processo que deve ser analisado.

c) Entregue àquele rapaz o jovem advogado – o processo que, deve ser analisado.

d) Entregue àquele rapaz o jovem advogado, o processo que deve ser analisado.

197. Assinale a opção que não está pontuada conforme as normas da gramática:

a) Para pôr fim às especulações, o presidente eleito, deveria revelar de imediato, o novo ministério.

b) A Literatura Catarinense nos deu dois grandes escritores: Cruz e Sousa, grande poeta simbolista, e Luiz Delfino, poeta romântico-parnasiano.

c) Olá! Quando eu terminar a prova, posso ir à praia?

d) Muitos se esforçam; poucos conseguem.

TEXTO.

A NUVEM. 

- Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue escrever uma semana inteira sem reclamar, sem protestar, sem espinafrar!

E meu amigo falou da água, telefone, Light em geral, carne, batata, transporte, custo de vida, buracos na rua, etc. etc. etc.

Meu amigo está, como dizem as pessoas exageradas, grávido de razões. Mas que posso fazer? Até que tenho reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar rezingando todo dia, estou roubado: quem é que vai agüentar me ler? Acho que o leitor gosta de ver suas queixas no jornal, mas em termos.

Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e outras mazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste inverno deram um show luxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado feio eu confessar que há uma jovem gostando de mim? 

Ah, bem sei que esses encantamentos de moça por um senhor maduro duram pouco. São caprichos de certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz bem; eu o recebo terna e gravemente; sem melancolia, porque sem ilusão. Ele se irá como veio, leve nuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre as cinzas de meu crepúsculo.

E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga. Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus tradicionais buracos.

198. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o narrador cronista:        

a) sente-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público;

b) reflete sobre a oposição entre literatura e realidade;

c) reflete sobre diversos aspectos da realidade e sua representação na literatura;

d) defende a posição de que a literatura não deve ocupar-se com problemas sociais;

e) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está acompanhando os novos tempos.

199. Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga", o narrador:

a) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou;

b) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagem metafórica;

c) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo;

d) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu;

e) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor comum.

200. Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica:

a) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas;

b) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos;

c) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público leitor;

d) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentação objetiva;

e) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagem metafórica.

TEXTO.

COMUNHÃO.

O homem que pensa é uma dádiva,

é como o pão,

é como os rios.

O homem que pensa é franco e generoso,

é pura chuva,

tem o coração voltado para os outros.

O homem que pensa é fonte e hóstia,

é musgo e noite,

é cor de sangue, cor de Sol a pino.

o homem que pensa é justo e solidário:

o pensamento é trigo

a partilhar na mesa dos convivas;

o pensamento não é fruto, é todo o horto das nogueiras.

o pensamento é comunhão: bebei do vinho,

que esse é o vinho do Homem que não morre;

o pensamento é comunhão

e se oferece para que o homem seja mais humano

e viva mais humanamente:

a Lua não é Lua quando não é vista,

porém é Lua, e Lua mais terrena e mais perfeita

quando fulgura, cheia, em pleno céu,

a dar-se toda no ato de brilhar,

a desfazer-se em luz por sobre todos.

201. Em “esse é o vinho do Homem que não morre”, a expressão grifada é exemplo de:

a) perífrase.

b) hipérbole.

c) eufemismo.

d) paronomásia.

202. Analisando a oração “que pensa” no texto, observamos que é adjetiva:

a) restritiva, pois a capacidade de pensar é tida como algo inerente a todos os homens.

b) restritiva, pois a palavra homem nesse caso tem seu sentido individualizado, delimitado.

c) explicativa, pois o texto refere-se apenas àqueles homens que pensam, e não a todos os homens.

D) explicativa, pois apenas explicita uma idéia que já sabemos estar contida no conceito de  homem.

203. “O homem que pensa é fonte e hóstia”

“e se oferece para que o homem seja mais humano.

Analisando os termos em destaque no texto, assinale a alternativa que aponta, respectivamente, aqueles de função sintática análoga à de cada uma das orações acima assinaladas.

a) franco/ humano

b) terrena/ do vinho

c) do vinho/ para os outros

d) dos convivas/ em pleno céu

TEXTO.

“Mas eu ainda espero angariar as simpatias da opinião, e o primeiro remédio é fugir a um prólogo explícito e longo. O melhor prólogo é o que contém menos coisas, ou o que as diz de um jeito obscuro e truncado. Conseguintemente, evito contar o processo extraordinário que empreguei na composição destas Memórias, trabalhadas cá no outro mundo. Seria curioso, mas nimiamente extenso, e aliás desnecessário ao entendimento da obra. A obra em si mesma é tudo: se te agradar, fino leitor, pago-me da tarefa; se te não agradar, pago-te  com um piparote, e adeus.”

204. Sobre o fragmento em questão, pode-se afirmar que:

a) explicita o modo de composição da obra em questão, feita em estilo “obscuro e truncado”, além de reticencioso, de tal modo ambíguo, que  quase prejudica a compreensão do sentido.

b) revela a visão artística do autor para quem a literatura, por estar restrita a um público letrado na Europa e composto, principalmente, pela ala feminina, deveria atender ao gosto desse leitor.

c) expressa, por meio da ironia e desdém, a visão que Machado tinha da sociedade e do próprio leitor de seu tempo, cuja frivolidade se espelhava no gosto pelas narrativas esvaziadas de complexidade ou de apelos à reflexão.

d) a excessiva preocupação com as aparências e com “angariar as simpatias da opinião” conduzirá a narrativa, seus avanços e recuos, e será essa a lente que ditará a melhor conduta e, por conseguinte, o destino de Brás Cubas.

205. O termo “nimiamente” pode ser substituído, sem alterar o sentido do texto, por:

a) mormente.

b) sobejamente.

c) sequiosamente.

d) paulatinamente.

206. Assinale a alternativa que apresenta, respectivamente, a correta classificação morfossintática dos termos em destaque.

a) pronome demonstrativo e predicativo; pronome relativo e sujeito; pronome pessoal e objeto direto; pronome relativo e objeto direto.

b) pronome pessoal e predicativo; pronome relativo e objeto direto; pronome demonstrativo e objeto direto; pronome relativo e sujeito.

c) pronome pessoal e adjunto adnominal; pronome relativo e predicativo; pronome demonstrativo e sujeito; pronome relativo e sujeito.

d) pronome demonstrativo e adjunto adnominal; conjunção e objeto direto; pronome pessoal e sujeito; pronome relativo e objeto direto.

TEXTO.

“Mas, na ocasião, me lembrei dum conselho que Zé Bebelo, na Nhanva, um dia me tinha dado. Que era: que a gente carece de fingir às vezes que raiva tem, mas raiva mesma nunca se deve de tolerar de ter. Porque, quando se curte raiva de alguém, é a mesma coisa que se autorizar que essa própria pessoa passe  durante o tempo governando a idéia e o sentir da gente; o que isso era falta de soberania, e farta bobice, e fato é.”

207. Sobre o excerto são feitas as seguintes considerações:

I – A palavra “raiva” aparece três vezes com a mesma função sintática.

II – A palavra “raiva”, na oração subordinada adverbial temporal, e a palavra “idéia” são objetos diretos.

III – “de alguém” e “da gente” são, respectivamente, complemento nominal e adjunto adnominal.

Dessas considerações é(são) verdadeira(s):

a) I e II.

b) I, II e III.

c) somente a II.

d) somente a III.

208. Considerando a norma culta da língua, ao substituirmos o verbo “lembrar” por “esquecer” no excerto “me lembrei dum conselho”, não seria aceitável o seguinte:

a) esqueci um conselho.

b) esqueci-me um conselho.

c) esqueceu-me um conselho.

d) esqueci-me de um conselho.

209. Assinale a alternativa que apresenta incorreção quanto ao emprego do pronome relativo.

a) Situado no norte de Minas Gerais, mas podendo estar em toda parte, o sertão é o reino onde formas de vida rústicas e uma paisagem selvagem e bela se espelham e por vezes se transfiguram.

b) No texto, a mistura de romance e narrativa oral toma forma de um monólogo na fala de um velho sertanejo, Riobaldo, que narra sua vida de aventuras a um interlocutor da cidade.

c) O sertão é o vasto campo da guerra jagunça, mas, ao mesmo tempo também, o espaço da travessia solitária de um herói de romance que se interroga sobre o sentido da existência.

d) Ao abrir-se o livro, o ex-jagunço surge como um contador de casos, especulando sobre a existência do demônio, que pode estar misturado em tudo e cuja a sombra se intromete no interior de sua própria consciência.

TEXTO.

A famosa citação do jurista americano Potter

Stewart sobre a obscenidade – “I know it when I

see it” (sei o que é quando vejo) – é uma diretriz

útil, mas incompleta sobre o sono. Apesar

da dificuldade em se definir o sono com precisão,

um observador pode normalmente dizer

quando uma pessoa está dormindo: aquele que

dorme exibe um certo distanciamento do ambiente

e fica, usualmente, imóvel. Entre os animais,

no entanto, golfinhos e outros mamíferos

marinhos nadam enquanto dormem e alguns

pássaros talvez durmam durante as longas migrações.

Em 1953, o pioneiro da pesquisa sobre o sono

Nathaniel Kleitman e seu aluno Eugene

Aserinsky, ambos da University of Chicago, derrubaram

definitivamente a crença comum de

que o sono era simplesmente uma interrupção

na maior parte da atividade cerebral. Eles descobriram

que o sono é marcado por períodos

de movimentos rápidos dos olhos, conhecido

como sono REM (do inglês Rapid Eye

Movement). Sua existência implica que alguma

coisa ativa ocorre durante o sono. Todos os mamíferos

terrestres examinados têm o sono REM,

que se alterna, em ciclos regulares, com o sono

não-REM.

Mais recentemente, o maior progresso nessa

área foi alcançado com a caracterização da natureza

do sono na escala das células nervosas

(neurônios) no cérebro. Nos últimos vinte anos,

cientistas se especializaram em técnicas para

guiar microfios (com apenas 32 mícrons de largura,

comparáveis ao mais fino cabelo humano)

por várias regiões cerebrais. Esses fios não

causam dor ao ser implantados e têm sido utilizados

em humanos e em uma grande variedade

de animais de laboratório, que podem continuar

mantendo suas atividades rotineiras, inclusive

dormir, enquanto são examinados. Esses

estudos demonstram, como poderíamos esperar,

que a maioria dos neurônios cerebrais está

em seu nível máximo de atividade, ou perto dele,

quando o paciente está acordado. As atividades

neurais durante o sono, porém, são surpreendentemente

variadas. Apesar da postura similar

e do distanciamento do ambiente demonstrados

por quem dorme, o cérebro se comporta de

maneira completamente diferente nos dois estágios

do sono.

210. De acordo com a leitura completa do fragmento de texto acima, é correto afirmar que:

A. as diferentes constatações a respeito do sono, amparadas ou não pelo rigor científico, chegarão às mesmas conclusões, com maior ou menor grau de detalhamento.

B. nas linhas de 4 a 13, o autor procura deixar claro que a observação é suficiente para descrever e definir o sono, o que se confirma com a famosa citação do jurista americano Potter Stewart.

C. no segundo parágrafo, afirma-se que os estudos da década de cinqüenta foram marcantes por constatar que, durante o sono, ocorriam interrupções na maior parte da atividade cerebral, o que se confirma com o REM.

D. no último parágrafo, afirma-se que, nos últimos vinte anos, com o auxílio de microfios, alcançou-se a constatação de que os neurônios mantêm, durante o sono, a mesma atividade acelerada que têm quando o indivíduo está acordado.

E. os estudos mais recentes a respeito do sono, apresentados no último parágrafo, permitem afirmar que as atividades neurais durante o sono são variadas.

211. De acordo com a leitura completa do fragmento de texto citado, é correto afirmar que:

A. na linha 10, a expressão “no entanto” serve para abrir a conclusão a que se pode chegar a partir da afirmação anterior, em que o autor declara que um observador pode dizer quando uma pessoa está dormindo.

B. na linha 17, a supressão da preposição “de” é permitida pela gramática tradicional, como se observa em: “... derrubaram definitivamente a crença comum que o sono era simplesmente uma interrupção...”.

C. na linha 24, o verbo “ocorrer” não pode ser substituído pelo verbo “haver”, porque a afirmação a que se chegará é incompreensível em Língua Portuguesa: “ Sua existência implica que alguma coisa ativa há durante o sono.”

D. nas linhas 24/25, a expressão “todos os mamíferos” poderia ser substituída, sem prejuízo semântico,

desde que houvesse adaptação na flexão verbal, por “todo o mamífero”.

E. a afirmação que contém a conjunção “porém”, na linha 45, expressa a quebra da expectativa de que, durante o sono, a atividade neural não fosse variada ou de que ela tendesse a zero.

212. Considerando-se o termo “os cientistas” como agente do verbo “alcançar” em “Mais recentemente, o maior progresso nessa área foi alcançado com a caracterização da natureza do sono na escala das células nervosas (neurônios) no cérebro”, a correta transposição da oração acima para a voz ativa – aquela em que o sujeito é também o agente da ação – é:

A. Os cientistas, mais recentemente, alcançaram, com a caracterização de natureza do sono na escala das células nervosas (neurônios) no cérebro, o maior progresso nessa área.

B. Mais recentemente, os cientistas têm alcançado, com a caracterização de natureza do sono na escala das células nervosas (neurônios) no cérebro, o maior progresso nessa área.

C. Alcançou-se, mais recentemente, com a caracterização de natureza do sono na escala das células nervosas (neurônios) no cérebro, o maior progresso nessa área.

D. Mais recentemente, com a caracterização de natureza do sono na escala das células nervosas (neurônios) no cérebro, alcançou-se o maior progresso nessa área.

E. Pelos cientistas, mais recentemente, foi alcançado, com a caracterização de natureza do sono na escala das células nervosas (neurônios) no cérebro, o maior progresso nessa área.

TEXTO.

Meu maior temor é essa coisa chamada “destino”:

coisa tantas vezes vivida como uma cadeia

inflexível e inexorável de acontecimentos, coisa

capaz de nos empurrar para a mais absoluta

impotência e fragilidade. Destino é tudo o que

nos escapa, que nos é exterior e que nos atinge

no mais íntimo de nós mesmos. Na Antigüidade,

os gregos designavam como “ananké” a

esse fenômeno capaz de constranger o indivíduo

sem dó nem piedade, dobrando-o malgrado sua

própria vontade e impedindo-o de desmontar todas

as iniciativas que pudessem interceptar

malefícios.

Hoje, mesmo que personagens de tempos em

que a presença constante da ciência e da técnica

pareçam garantir que somos os “senhores da natureza”

ou ainda acreditando que, graças a agendas

políticas, podemos determinar a liberdade e a

igualdade como um objetivo a ser partilhado por

todos os homens, a figura mítica do destino continua

a nos atemorizar.

213. De acordo com a leitura completa do fragmento de texto acima, é correto afirmar que:

A. na linha 2, a palavra “cadeia” significa “prisão”, o que se confirma com a idéia de que o destino é o maior temor da autora, porque é “ capaz de nos empurrar para a mais absoluta impotência e fragilidade”.

B. na linha 2, a palavra “cadeia” significa “conjunto de fatos que ocorrem sucessivamente”, o que se confirma com o termo que a modifica: “de acontecimentos”.

C. na linha 3, a palavra “inexorável” significa “abalável, frágil, vulnerável”, o que se confirma, no texto, com a frase “... esse fenômeno capaz de constranger o indivíduo sem dó nem piedade..”.

D. na linha 10, a palavra “malgrado” significa “por causa de”, o que se confirma, nos dois parágrafos, com a idéia de que o homem escolhe seu próprio destino.

E. na linha 12, a palavra “interceptar” significa “favorecer”, o que se confirma com a idéia, defendida em todo o texto, de que o homem pretende fugir a seu destino.

214. De acordo com a leitura completa do fragmento de texto citado, é correto afirmar que:

A. nas linhas 1 e 2, a palavra “coisa” não tem a função de retomar um termo anteriormente citado, mas serve para marcar e enfatizar, no texto, a idéia de que o destino remete o homem a algo que já está escrito, mas que não é conhecido.

B. nas linhas 8 a 10, a supressão das preposições e a inversão dos termos da oração não terão implicações semânticas como se observa em: “... os gregos designavam esse fenômeno capaz de constranger o indivíduo sem dó nem piedade “ananké”.

C. os pronomes oblíquos destacados em “ dobrando-o malgrado sua própria vontade e impedindo-o de desmontar todas as iniciativas” – fragmento das linhas 10 e 11 – referem-se ao termo “fenômeno”, alusão ao destino, anteriormente citado.

D. na linha 14, o advérbio “hoje” serve para iniciar afirmações a respeito do destino nos tempos atuais, em que esse conceito que tanto assustara o homem da Antigüidade não atormenta os contemporâneos, seguros que estão por serem senhores da natureza.

E. nas linhas de 16 a 21, afirma-se que, por considerar-se senhor da natureza e por poder determinar com clareza os conceitos de liberdade e igualdade, o homem pôde, também, nos tempos atuais, livrar-se da figura mítica do destino.

215. Escolha a alternativa abaixo que corresponda semanticamente às afirmações feitas no segundo parágrafo do texto. Foram destacadas as palavras modificadas.

A. Hoje, já que personagens de tempos em que a presença constante da ciência e da técnica garantem que somos os “senhores da natureza” ou a fim de acreditar que, graças a agendas políticas, possamos determinar a liberdade e a igualdade como um objetivo a ser partilhado por todos os homens, a figura mítica do destino continua a nos atemorizar.

B. Hoje, conquanto personagens de tempos em que a presença constante da ciência e da técnica pareçam garantir que somos os “senhores da natureza” ou embora acreditemos, graças a agendas políticas, determinar a liberdade e a igualdade como um objetivo a ser partilhado por todos os homens, a figura mítica do destino começa a nos atemorizar.

C. Hoje, apesar de personagens de tempos em que a presença constante da ciência e da técnica pareçam garantir que somos os “senhores da natureza” ou ainda que acreditemos, graças a agendas políticas, poder determinar a liberdade e a igualdade como um objetivo a ser partilhado por todos os homens, a figura mítica do destino continua a nos atemorizar.

D. Hoje, apesar de personagens de tempos em que a presença constante da ciência e da técnica garantirem que somos os “senhores da natureza” ou por acreditar que, graças a agendas políticas, possamos determinar a liberdade e a igualdade como um objetivo a ser partilhado por todos os homens, a figura mítica do destino continua a nos atemorizar.

E. Hoje, malgrado personagens de tempos em que a presença constante da ciência e da técnica parecerem garantir que somos os “senhores da natureza” ou porque acreditamos, graças a agendas políticas, poder determinar a liberdade e a igualdade como um objetivo a ser partilhado por todos os homens, a figura mítica do destino continua a nos atemorizar.

TEXTO.

O BOM SELVAGEM E A SOCIEDADE CRUEL.

Uma das perguntas mais intratáveis da vida moderna é sobre se o indivíduo tem precedência sobre o ente coletivo, ou o contrário? Prevalecerá a preferência pessoal de cada um, ou a vocação altruísta de se sacrificar pelos demais? Nas sociedades primitivas, o problema era menos complicado porque a sobrevivência individual estava estreitamente ligada à do grupo. Mas por outro lado, o egoísmo grupal era implacável. Na era moderna, o indivíduo adquiriu autonomia, tornou-se cidadão votante e consumidor soberano. Os conflitos entre egoísmo e altruísmo foram complicados pelo anonimato, pela burocracia, e pelo gigantismo das sociedades. Fora do círculo íntimo da família nuclear, os laços de solidariedade tornaram-se indiretos e difusos.

216. O primeiro período do texto diz que:

a) Há dúvidas quanto a se o indivíduo proveio do ente coletivo ou se foi o contrário.

b) Não se trata de elaborar perguntas na vida moderna, pois o indivíduo tem preferência sobre o ente coletivo.

c) Há dúvidas, na vida moderna, quanto a quem é mais importante: o indivíduo ou a sociedade?

d) Há dúvidas, na vida moderna, quanto ao que surgiu antes: o indivíduo ou o ente coletivo?

e) Há dúvidas quanto à possibilidade de se sacrificar o indivíduo, para melhorar a sociedade.

217. Há erros de pontuação no primeiro parágrafo do texto. Corrigindo-os, teremos:

a) "...da vida moderna, é sobre, se o indivíduo..."; "...complicado, porque a sobrevivência..."

b) "...complicado, porque a sobrevivência..."; "...Mas, por outro lado, o egoísmo..."; "...burocracia e pelo gigantismo..."

c) "...o problema, era menos complicado..."; "...Mas, por outro lado, o egoísmo..."; "...burocracia e pelo gigantismo..."

d) "...a vocação altruísta, de se sacrificar..." ; "...complicado, porque a sobrevivência..."; "...Mas, por outro lado, o egoísmo..."

e) "...sociedades primitivas, o problema..."; "...foram complicados, pelo anonimato..."; "... Fora do círculo íntimo da família nuclear..."

218. Indique a afirmação correta em relação ao texto:

a) Era mais fácil viver na sociedade primitiva, pois todos se ajudavam mutuamente.

b) Os grupos que se formavam, na sociedade primitiva, não eram isolados uns dos outros.

c) A burocracia existente na vida moderna arrefeceu os conflitos entre o egoísmo e o altruísmo.

d) Em toda família nuclear, há laços de solidariedade.

e) A vida moderna fortaleceu os conflitos entre o individualismo e o altruísmo.

TEXTO.

A inversão de Rousseau teve conseqüências imprevistas. Se o problema residia na sociedade, bastaria ao homem transformá-la para voltar ao paraíso. Tentação tanto mais irresistível quanto estava acontecendo a transição do mundo pré-industrial para os horizontes inexplorados da Revolução Industrial. Durante três séculos, a Era da Razão vinha abalando os alicerces intelectuais da cosmovisão religiosa que sustentara a grande unidade espiritual da Idade Média. E a vitória do racionalismo humanista trazia no bojo o liberalismo político e econômico.

219. A frase que altera a idéia básica do segundo período desse parágrafo é:

a) Já que o problema residia na sociedade, bastaria ao homem transformá-la para voltar ao paraíso.

b) Uma vez que o problema residia na sociedade, bastaria ao homem transformá-la para voltar ao paraíso.

c) Como o problema residia na sociedade, bastaria ao homem transformá-la para voltar ao paraíso.

d) Embora o problema residisse na sociedade, bastaria ao homem transformá-la para voltar ao paraíso.

e) Porquanto o problema residisse na sociedade, bastaria ao homem transformá-la para voltar ao paraíso.

220. Segundo o texto:

a) Três séculos depois de Rousseau, teve início a Idade Média.

b) O liberalismo político e econômico era uma das caraterísticas do racionalismo humanista.

c) A vitória do racionalismo humanista extinguiu o liberalismo político e econômico.

d) A Era da Razão e a Idade Média são nomes para uma mesma época.

e) O problema realmente residia na sociedade.

221. Não é certa a substituição de elementos do texto em:

a) "...bastaria ao homem transformá-la, a fim de voltar ao paraíso."

b) "...bastaria o homem transformá-la, para voltar ao paraíso."

c) "... a Era da Razão vinha abalando as bases intelectuais da cosmovisão religiosa..."

d) "...vinha abalando os alicerces intelectuais da concepção religiosa do mundo..."

e) "...E o triunfo do racionalismo humanista trazia no bojo o liberalismo político e econômico."

TEXTO.

A NUVEM.

- Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue escrever uma semana inteira sem reclamar, sem protestar, sem espinafrar!

E meu amigo falou da água, telefone, Light em geral, carne, batata, transporte, custo de vida, buracos na rua, etc. etc. etc.

Meu amigo está, como dizem as pessoas exageradas, grávido de razões. Mas que posso fazer? Até que tenho reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar rezingando todo dia, estou roubado: quem é que vai agüentar me ler? Acho que o leitor gosta de ver suas queixas no jornal, mas em termos.

Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e outras mazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste inverno deram um show luxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado feio eu confessar que há uma jovem gostando de mim?

Ah, bem sei que esses encantamentos de moça por um senhor maduro duram pouco. São caprichos de certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz bem; eu o recebo terna e gravemente; sem melancolia, porque sem ilusão. Ele se irá como veio, leve nuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre as cinzas de meu crepúsculo.

E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga. Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus tradicionais buracos.

222. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o narrador cronista:

a) sente-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público;

b) reflete sobre a oposição entre literatura e realidade;

c) reflete sobre diversos aspectos da realidade e sua representação na literatura;

d) defende a posição de que a literatura não deve ocupar-se com problemas sociais;

e) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está acompanhando os novos tempos.

223. Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga", o narrador:

a) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou;

b) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagem metafórica;

c) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo;

d) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu;

e) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor comum.

224. Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica:

a) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas;

b) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos;

c) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público leitor;

d) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentação objetiva;

e) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagem metafórica.

TEXTO.

O PAI, HOJE E AMANHÃ.

A civilização industrial, entidade abstrata, nem por isso menos poderosa, encomendou à ciência aplicada a execução de um projeto extremamente concreto: a fabricação do ser humano sem pais. A ciência aplicada faz o possível para aviar a encomenda a médio prazo. Já venceu a primeira etapa, com a inseminação artificial, que, de um lado, acelera a produtividade dos rebanhos (resultado econômico) e, de outro, anestesia o sentimento filial (resultado moral). O ser humano concebido por esse processo tanto pode considerarse filho de dois pais como de nenhum. Em fase mais evoluída, o chamado bebê de proveta dispensará a incubação em ventre materno, desenvolvendo-se sob condições artificiais plenamente satisfatórias. Nenhum vínculo de memória, gratidão, amor, interesse, costume — direi mesmo: de ressentimento ou ódio — o ligará a qualquer pessoa responsável por seu aparecimento. O sêmen, anônimo, obtido por masturbação profissional e recolhido ao banco especializado, por sua vez cederá lugar ao gerador sintético, extraído de recursos de naturezas vegetal e mineral. Estará abolida, assim, qualquer participação consciente do homem e da mulher no preparo e formação de uma unidade humana. Esta será produzida sob critérios políticos e econômicos tecnicamente estabelecidos, que excluem a inútil e mesmo perturbadora intromissão do casal. Pai? Mito do passado. Aparentemente, tal projeto parece coincidir com a tendência, acentuada nos últimos anos, de se contestar a figura tradicional do pai. Eliminando-se a presença incômoda, ter-se-ia realizado o ideal de inúmeros jovens que se revoltam contra ela — o pai de família e o pai social, o governo, a lei — e aspiram à vida isenta de compromissos com valores do passado. Julgo ilusória tal interpretação. O projeto tecnológico de eliminação do pai vai longe demais no caminho da quebra de padrões. A meu ver, a insubmissão dos filhos aos pais é fenômeno que envolve novo conceito de relações, e não ruptura de relações. O pai é solicitado a olhar outra vez, com olhos desprevenidos, a paisagem sabida, para identificar nela pontos de luz e sombra, diferenças, nuanças, pormenores insuspeitados ou menosprezados, senão a totalidade do panorama antes encerrado em moldura barroca ou vitoriana, e agora excedente de qualquer moldura que não seja a própria capacidade de mirar, sentir, compreender. Isto não lhe poupará, sem dúvida, o risco de ser eliminado da sociedade futura, com a oficialização do filho de laboratório, planejado por tecnocratas insensíveis à graça e à emoção de gerar pelas próprias entranhas o acontecimento da vida.

225. Segundo o texto:

A. A civilização industrial opõe-se à ciência aplicada no sentido de que aquela visa a resultados  econômicos e esta, a resultados morais.

B. O ser humano produzido por um processo artificial estará ileso, definitivamente, de perturbadores sentimentos: amor, ódio, memória, ressentimentos e fraternidade.

C. O processo de inseminação artificial, de que resultou o bebê de proveta, é mito do passado, por causa da clonagem e das novas conquistas genéticas.

D. No caminho da quebra de padrões, a eliminação do pai pela ciência é utópica: propondo a ruptura de relações, busca um novo conceito de funções paternas.

E. O projeto de fabricação artificial de seres humanos cria a possibilidade da eliminação da figura paterna das sociedades futuras.

226. No texto, seria sintaticamente correto substituir:

I. “encomendou à ciência aplicada a execução de um projeto extremamente concreto” por “encomendou-lhe à ciência aplicada”.

II. “acelera a produtividade dos rebanhos” por “acelera-os”.

III. “o chamado bebê de proveta dispensará a incubação em ventre materno” por “o chamado bebê de proveta dispensá-la-á”.

IV. “O sêmen (...) cederá lugar ao gerador sintético” por “O sêmen (...) ceder-lo-á lugar”.

V. “critérios políticos e econômicos tecnicamente estabelecidos, que excluem a inútil e mesmo perturbadora intromissão do casal” por “critérios políticos e econômicos, tecnicamente estabelecidos, que a excluem”.

Estão certos apenas os itens.

A. I, II.

B. I, III.

C. II, IV.

D. III, V.

E. IV, V.

227. Assinale a opção cujo fragmento apresenta incorreção gramatical.

A. A participação consciente do casal no preparo e na formação de um ser humano, será substituída por critérios políticos e econômicos, tecnicamente estabelecidos, que excluem a inútil presença do feminino e a perturbadora intromissão do masculino.

B. Manifestações de poder e de autoridade, o pai de família, o governo e a lei são instituições culturais contra as quais os jovens, que aspiram à vida isenta de compromissos e de valores passados, rebelam-se.

C. Haverá mais tempo disponível para que os pais, com olhos sem preconceitos, admirem a paisagem  esquecida; identifiquem nela pontos de luz e de sombra, diferenças, nuanças; percebam pormenores insuspeitados ou menosprezados, senão a totalidade do panorama.

D. A extensão do sentimento fraternal ao paternal, fundindo-se com este e dando-lhe novo colorido, será a chave de um entendimento mais positivo e incomparavelmente superior à atitude belicosa.

E. Em termos imperfeitos, mas compatíveis com os avanços tecnológicos de nossos dias, os moços convidam os pais e — por que não dizer? — os homens e as mulheres de gerações anteriores a olharem com outros olhos a vida.

TEXTO.

A integridade cultural de um povo faz-se através das idéias. As mudanças culturais duráveis se fazem através do debate, do confronto de opiniões. É perfeitamente possível, por exemplo, de um dia para o outro, só se permitir a publicação, no país, de livros brasileiros; é perfeitamente possível interditar totalmente a emissão, pelas estações de rádio, de música estrangeira; perfeitamente possível taxar de tal modo o disco e o livro que eles se tornem inacessíveis; perfeitamente viável impedir que as emissoras de TV introduzam os enlatados nas suas programações. Sim, não é impraticável, em nome da nossa integridade como povo, das nossas tradições e mesmo sob a alegação de combater o uso de drogas psicotrópicas — segundo alguns, a música estrangeira induziria a juventude brasileira ao consumo de entorpecentes —, transformar o país em uma ilha cultural. Mas, em primeiro lugar, tal insulamento não seria de modo algum fecundo e desejável. Em segundo lugar, qual o valor de tais medidas se não repousam verdadeiramente em um processo de amadurecimento? Cessado o freio, voltaríamos, na melhor das hipóteses, à mesma situação de antes, sem qualquer evolução verdadeira. Um ser humano não muda e evolui sem que colabore com isto. Ninguém muda de fora para dentro. É necessário que alguém tome consciência do seu estado, convença-se da necessidade de mudança e — pode ser que com a ajuda de outros — empreenda-a. Nessas condições, uma mudança tem sentido. Se um homem, porém, é forçado a agir diferentemente, se uma força exterior o dobra, que houve na verdade? Desaparecendo a pressão, o indivíduo traz consigo os mesmos vícios. Com os povos não é diferente. É necessário que os povos adquiram uma consciência nova, que tomem consciência do que lhes é nocivo, e, de dentro para fora, empreendam suas mudanças. Isso, é evidente, não se faz da noite para o dia. Não será, sequer, o trabalho de uma só geração. Todos esses fenômenos são árduos e lentos, com idas e vindas, com avanços e recuos. Assim pensamos nós, que reverenciamos a cultura. Difere, nosso pensamento, do que julgam os indivíduos penetrados da noção de autoridade. Estes, adeptos da força, estão convencidos de que, obrigando ou proibindo, mudam tudo: tanto os indivíduos como os países.

228. Com base na leitura interpretativa do texto, assinale a opção correta.

A. No parágrafo inicial do texto, entre outras possibilidades defendidas como essenciais à limpeza cultural de um povo, está a permissão exclusiva da publicação, no país, de livros brasileiros.

B. O autor julga que é perfeitamente viável impedir que as emissoras de TV introduzam propagandas de produtos alimentícios enlatados nas suas programações.

C. O autor aquiesce com aqueles que consideram que principalmente a música estrangeira induz a juventude brasileira ao consumo de entorpecentes.

D. Ao afirmar que o insulamento de modo nenhum seria fecundo e ao questionar o valor das medidas proibitivas, o autor do texto posiciona-se contrário ao avanço cultural da população.

E. No parágrafo final, o autor insere-se no texto, modestamente, colocando-se como homem apreciador de cultura, fato que fica registrado no discurso pelo emprego da primeira pessoa do plural.

229. Cada opção abaixo apresenta a reescritura de parte do texto, indicada entre aspas. Assinale a que, embora gramaticalmente correta, apresenta acréscimos ao sentido original.

A. “A integridade (...) opiniões” — Por intermédio das idéias, do debate, do confronto de opiniões, constrói-se não só a integridade, como também as mudanças culturais duráveis de um povo.

B. “Um ser (...) com isto” — Um ser humano só muda e evolui se colabora com isso.

C. “Se um homem (...) verdade?” — Caso um homem, todavia, seja forçado a agir diferentemente do habitual, caso uma força exterior o dobre, nada houve de importante na verdade.

D. “É necessário (...) mudanças”  — Necessário é que os povos adquiram uma nova consciência, que tomem ciência do que lhes é danoso, e, do interior para o exterior, façam as suas mudanças.

E. “Assim pensamos (...) autoridade” — Nós, que reverenciamos a cultura, pensamos assim; nosso pensamento difere do que os indivíduos penetrados da noção de autoridade julgam.

230. Considerando as escolhas vocabular, sintática e semântica do texto, assinale a opção correta.

A. Logo no início do texto, o vocábulo “através” admite a substituição pela expressão “por meio de” e tem o sentido de porquanto.

B. A reescritura de “país” e “estado” com iniciais maiúsculas alteraria o sentido com que tais palavras foram originalmente empregadas pelo autor do texto.

C. As expressões “em nome da” e “sob a alegação de” são essencialmente sinônimas porque uma tem o mesmo significado da outra.

D. A expressão “esses fenômenos” refere-se a “avanços e recuos”.

E. O pronome demonstrativo “Estes” está relacionado a “governantes e ditadores que estão no poder”, idéia subjacente a todo o texto.

TEXTO.

Hoje o “povo” é a base e o ponto de referência comum de todos os governos nacionais, excetuando-se os teocráticos. Isso não apenas é inevitável, como certo — afinal, se o governo tem algum objetivo, só pode ser o de cuidar do bem-estar de todos os cidadãos e falar em nome deles. Na era do homem comum, todo governo é governo do povo e para o povo, embora não possa, em qualquer sentido operacional do termo, ser exercido pelo povo. Os governos dos Estados-nação ou dos Estados territoriais modernos erguem-se sobre três premissas. Primeira: eles têm mais poder que outras unidades que operam em seu território. Segunda: os habitantes de seus territórios aceitam sua autoridade mais ou menos de bom grado. Terceira: os governos podem prover aos habitantes de seu território serviços que, de outro modo, não seriam fornecidos com eficácia igual ou nem sequer seriam fornecidos — serviços como “lei e ordem”, segundo a frase proverbial. Nos últimos trinta ou quarenta anos, essas premissas vêm deixando de ser válidas.

231. Depreende-se do texto que:

A. O autor procura demonstrar a impossibilidade do sucesso dos Estados-nação.

B. O governo nos Estados teocráticos não tem objetivo.

C. A validade das três premissas enumeradas no segundo parágrafo sustenta os governos dos Estados-nação.

D. Todo governo deve ser exercido operacionalmente pelo povo e é destinado ao homem comum.

E. Os Estados territoriais modernos têm dificuldade para ter sua autoridade aceita por seus habitantes.

232. Assinale a opção incorreta a respeito das estruturas lingüísticas do texto:

A. De acordo com o sentido textual, o gerúndio em “excetuando-se” pode, sem prejuízo da correção gramatical, ser substituído por “excetuados”.

B. Na linha 2, se o advérbio “apenas” for deslocado para imediatamente depois do verbo “é”, o sentido e a correção gramatical da oração serão mantidos.

C. Na palavra composta “Estados-nação”, a idéia de nação deve ser compreendida como uma qualificação, uma restrição da idéia de Estado.

D. As formas verbais “têm” e “vêm” são acentuadas de acordo com a mesma regra gramatical e, se concordassem com um nome no singular, não teriam acento gráfico.

E. Na linha 6, os pronomes “seu”, “seus” e “sua” referem-se a “habitantes”.

233. Considerando que são características da linguagem oficial a clareza, a concisão, a impessoalidade e o uso do nível formal da linguagem e que o texto faça parte de um documento oficial, assinale a opção correta.

A. Como está, o texto pode fazer parte de um parecer, com o objetivo, por exemplo, de sustentar uma opinião técnica submetida a exame.

B. Em um relatório, a linguagem precisaria ser mais formal, evitando-se, por exemplo, o emprego de aspas e alterando-se a regência de “prover aos habitantes” para “prover os habitantes”.

C. Se o texto fizesse parte de um ofício, os pronomes de terceira pessoa deveriam ser alterados para a primeira pessoa do plural ou deveria ser usada a voz passiva.

D. Como está, o texto pode fazer parte de um edital porque argumenta quanto a assunto público e de interesse do Estado.

TEXTO.

JORNAL.

Vai bem com café da manhã. A maior parte dos leitores de jornal o lêem durante o café da manhã. Anunciar produtos matinais como cereais, sucos, manteiga, leite, queijos, iogurtes é juntar a fome com a vontade de comer. Considerando que 78% dos leitores têm educação média ou superior e 92% têm filhos, portanto são naturalmente mais bem informados e preocupados com a qualidade da alimentação, a situação fica ainda mais favorável para quem anuncia em jornal. Jornal. Faz de seu produto um produto muito mais interessante.

234. O texto afirma que:

A. os leitores costumam ler os anúncios de jornais no café matinal, porque assim o sabor dos alimentos aumenta.

B. os jornais destinam-se, prioritariamente, aos cidadãos instruídos e preocupados com a formação de seus filhos.

C. as matérias dos jornais auxiliam o crescimento demográfico, físico e intelectual dos anunciantes.

D. cereais, sucos, manteiga, queijos, iogurte etc. devem fazer parte do café matinal dos leitores dos jornais.

E. quem anuncia em jornal consegue divulgar seus produtos a um público de melhor nível instrucional.

235. Assinale a opção cuja reescritura mantém o sentido original da mensagem do texto e está gramaticalmente correta.

A. Grande número de pessoas lê o jornal enquanto toma o café da manhã.

B. O anúncio de produtos alimentícios abre o apitite e aumenta a vontade de comer.

C. São produto matinal líquidos, leite e sucos; pastosos: manteiga e iogurte; sólidos, queijo e cereais.

D. Os leitores superiormente educados somam setenta e oito por cento e noventa e dois é a percentagem dos que tem filhos.

E. A preocupação com a qualidade de vida das novas gerações passa pela qualidade da alimentação e por situação financeira mais favoráveis.

236. Quanto à correção gramatical e à adequação às idéias do texto, julgue os itens abaixo.

I. Muitos dos que lêem jornal lêem-no pela manhã.

II. Uma multidão de leitores têm o ensino médio completo no Brasil.

III. Considerando que apenas 8% dos leitores não têm filhos, os anúncios procuram vender produtos alimentícios pela manhã.

IV. O sujeito do último período do texto — “Faz de seu produto um produto muito mais interessante.”  — está oculto, mas sabe-se que é anúncios.

V. Sendo mais bem informados e preocupados com a alimentação, os adultos são o alvo principal, se não de todos os anúncios, pelo menos de anúncios dos produtos de consumo matinal.

Estão certos apenas os itens:

A. I, II.

B. I, V.

D. III, IV.

C. II, III.

E. IV, V.

TEXTO.

A CRIAÇÃO DOS DIREITOS.

Quando a democracia foi inventada pelos atenienses, criou-se a tradição democrática como instituição de três direitos fundamentais que definiam o cidadão: igualdade, liberdade e participação no poder. Igualdade significava: perante a lei e os costumes da polis, todos os cidadãos possuem os mesmos direitos e devem ser tratados da mesma maneira. Por esse motivo, Aristóteles afirmava que a primeira tarefa da justiça era igualar os desiguais, seja pela redistribuição da riqueza social, seja pela garantia de participação no governo. A mera declaração do direito à igualdade não faz existir os iguais, mas abre o campo para a criação da igualdade, por meio das exigências e demandas dos sujeitos sociais. Em 13 outras palavras, declarado o direito à igualdade, a sociedade pode instituir formas de reivindicação para criá-lo como direito real. É verdade que as lutas populares nos países de capitalismo avançado ampliaram os direitos e que a exploração dos trabalhadores diminuiu muito, sobretudo com o Estado do bem-estar social. No entanto, houve um preço a pagar: a exploração mais violenta do trabalho pelo capital recaiu sobre as costas dos trabalhadores nos países do Terceiro Mundo. Houve uma divisão internacional do trabalho e da exploração que, ao melhorar a igualdade e a liberdade dos trabalhadores de uma parte do mundo, agravou as condições de vida e de trabalho da outra parte. E não foi por acaso que, enquanto nos países capitalistas avançados cresciam o Estado de bem-estar e a democracia social, no Terceiro Mundo eram implantadas ditaduras e regimes autoritários, com os quais os capitalistas desses países se aliavam aos das grandes potências econômicas.

237. No que se refere às idéias do texto, assinale a opção incorreta.

A. A democracia não existiu sempre, é uma invenção humana.

B. Na Antiguidade, já existia desigualdade social.

C. O direito real depende de participação, reivindicação.

D. É tarefa da justiça distribuir a riqueza e garantir a participação de todos.

E. O direito declarado institui automaticamente o direito real e concreto.

238. A coerência do texto ficaria prejudicada se a conjunção alternativa “seja (...) seja” fosse substituída por:

A. ou (...) ou.

B. quer (...) quer.

C. tanto (...) como.

D. nem (...) nem.

E. ora (...) ora.

239. Assinale a opção cuja frase está gramaticalmente correta.

A. No sistema democrático dos atenienses, todos os cidadãos possuiam os mesmos direitos e deviam ser tratado do mesmo modo.

B. Para reinvindicar direitos, é preciso primeiramente tê-los.

C. Na democracia, houve um erro à pagar: a exploração dos países do Terceiro Mundo.

D. Para que houvessem igualdade e liberdade em um lugar, prejudicou-se em outro.

E. Aos capitalistas dos países ricos aliavam-se os do Terceiro Mundo, que tinham por regime político, em seu país, a ditadura.

TEXTO.

Talvez estejamos cometendo um equívoco, mas a intolerância e o preconceito quase sempre são resultantes de uma inocência deteriorada, que compõe o cenário moderno.

240. De acordo com o texto, é correto afirmar que:

(A) atualmente todos são intolerantes e preconceituosos.

(B) a intolerância e o preconceito estão presentes na sociedade urbana sem sombra de dúvidas.

(C) há a convicção de que o preconceito e a intolerância têm a mesma origem.

(D) embora não haja certeza, a intolerância e o preconceito podem ter a mesma origem.

(E) há sérias dúvidas sobre a existência da intolerância e do preconceito.

241. Em “inocência deteriorada”, o adjetivo significa:

(A) pura, cândida.

(B) exteriorizada, externa.

(C) escondida, interna.

(D) indevida, imprópria.

(E) adulterada, estragada.

242. A palavra equívoco obedece à mesma regra de acentuação das seguintes palavras:

(A) júpiter, espírito, gramática.

(B) retórica, farmácia, saída.

(C) cardíaco, túnel, frívolo.

(D) obséquio, hepático, língua.

(E) fonética, caráter, frívolo.

TEXTO.

“Talvez estejamos cometendo um equívoco, mas a intolerância e o preconceito quase sempre são resultantes de uma inocência deteriorada, que compõe o cenário moderno”.

243. De acordo com o texto, é correto afirmar que:

(A) atualmente todos são intolerantes e preconceituosos.

(B) a intolerância e o preconceito estão presentes na sociedade urbana sem sombra de dúvidas.

(C) há a convicção de que o preconceito e a intolerância têm a mesma origem.

(D) embora não haja certeza, a intolerância e o preconceito podem ter a mesma origem.

(E) há sérias dúvidas sobre a existência da intolerância e do preconceito.

244. Em inocência deteriorada, o adjetivo significa:

(A) pura, cândida.

(B) exteriorizada, externa.

(C) escondida, interna.

(D) indevida, imprópria.

(E) adulterada, estragada.

245. A palavra equívoco obedece à mesma regra de acentuação das seguintes palavras:

(A) júpiter, espírito, gramática.

(B) retórica, farmácia, saída.

(C) cardíaco, túnel, frívolo.

(D) obséquio, hepático, língua.

(E) fonética, caráter, frívolo.

TEXTO.

Uma das grandes ilusões da década dos 90 é que houve tal mudança na economia americana que precisamos de uma “nova teoria econômica” para explicá-la. É verdade que no período 1995/1999 houve uma aceleração do crescimento da economia acompanhada (o que parece paradoxal) por uma redução da taxa de inflação. É um paradoxo apenas na aparência. Não existe nenhuma razão para pensar que a simples e pura aceleração do crescimento deve, necessariamente, levar a um aumento da taxa de inflação. Isso só deveria ocorrer se a demanda global estivesse tentando crescer mais depressa do que a oferta global e a economia estivesse em pleno emprego. Há muitas razões pelas quais não se deve aceitar tal relação de causalidade. Por exemplo, se a participação da massa salarial na renda global estiver diminuindo e a produtividade do trabalho estiver crescendo, o custo do trabalho por unidade de produto diminuirá e haverá um aumento de lucro. Isso estimulará o investimento e a incorporação de novas tecnologias, aumentando a oferta global. Outra possibilidade é a combinação de uma redução dos preços das importações com uma valorização externa da moeda. Mas em que a década dos 90 é diferente da dos 80 na economia americana? A tabela abaixo compara as duas, usando a média trimestral das variáveis. Verificamos que as diferenças residem no aumento da produtividade do trabalho, na redução da taxa de desemprego e na queda da taxa de inflação. Esta última é notável quando levamos em conta que uma taxa anual de 5,6% produz, em dez anos, uma inflação acumulada de 72%, enquanto uma taxa anual de 3% produz uma inflação acumulada, na década, de 34%.

246. As seguintes asserções estão corretas em relação ao texto, exceto:

a) Com relação ao crescimento médio real da economia dos EUA, não há diferença entre as décadas comparadas (80 e 90).

b) Na década dos 90, nos EUA, verificou-se um surto de crescimento produtivo e redução da inflação.

c) Na aceleração do crescimento dos anos 90, a demanda global ultrapassou a oferta global, nos EUA.

d) A utilização da capacidade produtiva nos EUA, no período analisado, está abaixo do ponto em que as pressões da demanda costumam superar a oferta.

e) O uso do futuro do pretérito no verbo auxiliar (l.12) antecedendo a oração condicional indica ao leitor que o enunciado representa uma conjectura.

247. A afirmação não é verdadeira:

a) A “relação de causalidade” (linha 17), que o autor refuta é: aceleração do crescimento causa necessariamente aumento de inflação.

b) Em “explicá-la” (linha 4) o pronome átono referese a “nova teoria econômica” (linhas 3, 4).

c) O segmento “no período 1995/1999” (linha 4, 5) poderia estar entre vírgulas.

d) Para que a ênfase recaia sobre a palavra “crescimento” (linha 6) a flexão de gênero pode ser no masculino em “acompanhada” (linha 6).

e) O segmento “Não existe nenhuma razão” (linha 9) pode ser substituído, com vantagem estilística, por Não existe razão alguma.

248. Em qual alternativa a afirmação é falsa?

a) Os parênteses às linhas 6 e 7 podem ser substituídos por vírgulas, sem prejuízo da textualidade.

b) O segmento “Há muitas razões pelas quais...” (linhas 15, 16) pode também ser corretamente escrito como Há muitas razões por que...

c) Por uma questão estilística, deve-se preferir a ênclise do pronome ao verbo auxiliar em “não se deve aceitar” (linha 16).

d) O pronome “Isso” (linha 22) refere-se a todo o período anterior.

e) O complemento nominal de “Outra possibilidade” (linha 24), que está implícito, encerra a idéia: de a aceleração do crescimento levar ao aumento da taxa de inflação.

249. A opção na qual a afirmação não é verdadeira é:

a) Não se flexionou no plural a forma verbal do verbo haver (linha 21) porque o sintagma que se lhe segue está no singular.

b) Há elipses de substantivos às linhas 28 e 29.

c) No último parágrafo, comparam-se as taxas de inflação de períodos iguais de tempo.

d) À linha 9, pode-se incluir o índice de sujeito indeterminado junto ao predicado “pensar que...”.

e) Estaria também correto iniciar-se o texto assim: Uma das grandes ilusões da década dos 90 é a de que houve tal mudança....

TEXTO.

O PRIMO.

Primeira noite ele conheceu que Santina não era moça. Casado por amor, Bento se desesperou. Matar a noiva, suicidar-se, e deixar o outro sem castigo? Ela revelou que, havia dois anos, o primo Euzébio lhe fizera mal, por mais que se defendesse. De vergonha, prometeu a Nossa Senhora ficar solteira. O próprio Bento não a deixava mentir. testemunha de sua aflição antes do casamento, Santina pediu perdão, ele respondeu que era tarde — noiva de grinalda sem ter direito.

250. Segundo o texto, podemos afirmar que a relação entre Santina e Euzébio se deu num clima de:

A) equilíbrio.

B) cumplicidade.

C) indiferença.

D) violência.

E) permissividade.

251. No texto, há informações que nos são passadas em linguagem figurada, ou seja, usam-se palavras em sentido conotativo. Em que alternativa percebemos isso?

A) "Casado por amor, Bento se desesperou.”

B) “Matar a noiva, suicidar-se, e deixar o outro sem  castigo?”

C) "Ela revelou que, havia dois anos, o primo   Euzébio lhe fizera mal, por mais que se defendesse.”

D) "... prometeu a Nossa Senhora ficar solteira.”

E) “O próprio Bento não a deixava mentir..."

252. Uma das seguintes alternativas apresenta erro quanto ao emprego do pronome grifado. Assinale-a.

A) Santina guardava consigo, muito tempo, aquele segredo.

B) Bento disse a Santina que precisava falar consigo.

C) O primo lhe fizera mal, mas isso ficou em segredo.

D) "Isso deve ficar entre mim e você, poderia Bento ter dito a Santina, e tudo estaria resolvido.

E) O medo de Santina era este: ser considerada uma mulher vulgar.

253. Em todas as alternativas a regência dos verbos está adequada ao padrão culto, exceto em:

A) Bento estaria apenas obedecendo às normas da sociedade?

B) Será que Santina não preferiria ficar solteira do que passar por aquela situação?

C) De certa forma, Santina já informara a Bento o que ocorrera com ela no passado.

D) Desculpar Santina, perdoar-lhe apagaria o passado?

E) Santina procurava justificar-se para agradar ao marido, mas nada o convencia da inocência dela.

TEXTO.

Quais são as profissões mais perigosas? Os acidentes de trabalho têm probabilidades muito maiores de serem fatais quando ocorrem em lugares de onde é impossível escapar. “É o caso de mergulhadores profissionais, de trabalhadores em minas subterrâneas e em plataformas petrolíferas. E também de técnicos de linhas de transmissão de energia, que lutam contra o vento pendurados , a 30 metros de altura, em cabos que transportam mais de 200 000 volts”, diz o físico Damásio de Aquino, da Fundação de Segurança e Medicina do Trabalho (Fundacentro), em São Paulo, órgão filiado ao Ministério do Trabalho, que é o maior centro de pesquisas sobre o assunto em toda a América Latina. Por incrível que pareça, nem a Organização Mundial do Trabalho tem um ranking estatístico ou um estudo global que aponte as profissões com os índices de óbitos por acidente mais elevados. No Brasil, porém, dados do Ministério do Trabalho mostram que a atividade econômica com o maior número de vítimas fatais é o setor madeireiro, com 37 óbitos para 100 000 empregados durante o ano de 2000. Em segundo lugar, vêm as ocupações ligadas à extração mineral, categoria que reúne duas das profissões de mais alto risco: mineração subterrânea e extração de petróleo (principalmente nas famigeradas plataformas marinhas citadas acima). No caso da indústria madeireira, o pior é que boa parte dos acidentes poderia ser evitada com máquinas mais seguras. “A maioria das mortes ocorre naquelas serrarias espalhadas em cantos remotos do país, onde não há uma pressão para a melhoria das condições de trabalho e não se investe em mecanismos de proteção”, afirma Damásio. O mais recente estudo do gênero nos Estados Unidos, realizado na década de 90, também apontava para o perigo das madeireiras. Um operador de serras tinha uma chance de morrer em serviço 20 vezes maior que a média dos trabalhadores em todos ou outros setores – de longe, a profissão mais perigosa do país.

254. De acordo com o texto, pode-se afirmar que:

I. segundo estatísticas mundiais, as profissões com maior risco de fatalidade são as de técnicos de transmissão de energia;

II. no Brasil, o setor madeireiro apresenta grande número de vítimas por falta de segurança nas máquinas;

III. segundo o físico Damásio de Aquino, a indústria madeireira e a profissão de mergulhador profissional não investem em condições de trabalho;

IV. de acordo com pesquisa do Ministério do Trabalho, os setores com maior número de vítimas fatais são: mineração subterrânea , extração de petróleo e indústria madeireira.

Estão corretas as afirmações contidas apenas em:

(A) II, III.

(B) I, IV.

(C) I, III.

(D) II, IV.

(E) III, IV.

255. Segundo o texto, pode-se concluir que:

(A) os acidentes de trabalho poderiam ser sempre evitados se houvesse maior fiscalização do Ministério do Trabalho.

(B) há serrarias no interior do país que não apresentam condições de trabalho.

(C) o perigo de um operador de serras morrer em serviço decorre do fato de haver serrarias em lugares muito remotos.

(D) os Estados Unidos, na década de 90, realizaram um estudo para evitar o excessivo número de acidentes de trabalho em locais inacessíveis.

(E) há uma organização mundial que se preocupa em apontar as profissões com os maiores índices de óbitos por acidentes.

256. No trecho: No Brasil, porém, dados do Ministério do Trabalho mostram que..., a conjunção “porém” pode ser substituída, sem alteração de sentido, por:

(A) mas.

(B) conquanto.

(C) portanto.

(D) logo.

(E) porque.

257. Observe o trecho a seguir:

...mineração subterrânea e extração de petróleo (principalmente nas famigeradas plataformas marinhas citadas acima). No contexto, a expressão entre parênteses indica que:

(A) as plataformas são notáveis por apresentarem desenvolvimento tecnológico de grande porte.

(B) as plataformas são afamadas pela ocorrência de acidentes fatais.

(C) as plataformas são desconhecidas, pois estão em lugares de difícil acesso.

(D) as plataformas são responsáveis por um grande número de acidentes fatais.

(E) as plataformas são um dos locais em que ocorrem duas das profissões de maior risco: mineração subterrânea e extração de petróleo.

TEXTO.

LUZ NO CAMPO.

Mudando o campo da noite para o dia O governo federal, por intermédio do Ministério de Minas e Energia e da ELETROBRÁS, está lançando o Programa Luz no Campo. Um projeto que vai levar energia elétrica para mais de um milhão de domicílios e propriedades rurais no interior do país. Junto com o Programa, vão chegar desenvolvimento, conforto e todos os benefícios que a energia traz. Com isso, o homem do campo vai poder continuar morando no campo. E o sonho de dona Alzira, e de todas as pessoas que estavam esperando a energia elétrica chegar, vai poder ser realizado.

258. De acordo com as idéias do texto, assinale a opção correta.

A. O título do texto sugere que, após chegar a eletricidade ao campo, a natureza estará tão clara, à noite, que parecerá um pasto verdinho durante o dia.

B. Destinado exclusivamente às comunidades pobres do Nordeste, o Programa tem alcance eficaz, porém muito limitado, geograficamente.

C. O Programa Luz no Campo é apresentado no texto como uma iniciativa positiva do governo, porque estimula a eletrificação rural do país.

D. O desenvolvimento chegará apenas às propriedades urbanas, porque elas já possuem os benefícios e o conforto proporcionados pela energia elétrica.

E. O Programa Luz no Campo vai realizar o sonho de muitas mulheres trabalhadoras, a exemplo de dona Alzira, cujo desejo é possuir uma geladeira.

259. Com referência às abreviações e à grafia de iniciais maiúsculas, assinale a opção correta.

A. O Programa Luz no Campo é de responsabilidade do Mi.Mi.En.

B. A eletrobrás vai levar energia ao NE do país.

C. O governo Federal vai poder realizar a aspiração de dona Alzira.

D. O Programa Luz no Campo, que vai levar luz elétrica à zona rural, é um subproduto do Projeto Avança Brasil.

E. O objetivo do PLC é, com a eletrificação rural, mudar o Campo da Noite para o Dia.

260. _____________________ luz no campo, os moradores _______________________ algum conforto. Assinale a opção cujos termos, na ordem que são apresentados, preenchem corretamente os espaços da frase acima.

A. Se houver – poderá ter

B. Quando houver – irão usufluir de

C. Embora haja – não tem podido gozar de

D. Apesar de não haver – têm podido gozar de

E. Quando haver – terão

261. Assinale a opção gramaticalmente correta.

A. O governo lançará, brevemente, um projeto de alto-suficiência em energia elétrica no campo.

B.  Afim de conseguir seu intento, o governo não medirá esforços.

C. O projeto, que vai gerar mais energia, livrará o homem do campo de muitos impecilhos ao pogresso.

D. Seja chegando ao campo, seja chegando à cidade, a energia elétrica é sempre um insentivo ao progresso.

E. Dona Alzira, cujo sonho é ter eletrodomésticos, agora poderá cozer os seus doces favoritos.

TEXTO.

Minha infância é hoje

aquele peixe de prata

que me escorregou da mão

como se fosse sabão.

Mergulho no antigo rio

atrás do peixe vadio

Quem viu? Quem viu?

Minha infância é hoje

aquele papagaio fujão

no ar, sua muda canção.

Subo nos galhos da goiabeira

atrás do falaz papagaio

Me segura, me segura

senão eu caio.

262. No texto, as duas funções de linguagem facilmente identificáveis são:

A. referencial e emotiva

B. referencial e fática

C. poética e emotiva

D. poética e apelativa

E. emotiva e metalingüística

263. Na primeira estrofe temos:

A. uma locução adjetiva, uma conjunção comparativa e uma conjunção integrante.

B. um pronome relativo, uma conjunção adverbial condicional e um verbo transitivo direto.

C. um verbo de ligação, uma preposição e um artigo indefinido.

D. um verbo transitivo, dois verbos de ligação e um adjetivo.

E. um verbo intransitivo, um pronome demonstrativo e um advérbio.

264. Na segunda estrofe temos dois substantivos, sendo que:

A. um deles tem função de complemento nominal.

B. um deles tem função de sujeito.

C. os dois têm função de adjunto adverbial.

D. um deles tem função de aposto.

E. um deles tem função de objeto.

265. Na última estrofe temos:

A. um caso de colocação pronominal que está de acordo com a norma culta.

B. um adjunto adnominal.

C. um adjunto adverbial de tempo.

D. quatro verbos intransitivos.

E. uma conjunção adverbial concessiva.

TEXTO.

Mas há sempre algum altruísmo nas pessoas. Serão valores embutidos em nossa cultura por um legado religioso? Ou um impulso inato, recebido da natureza ao nascer? Sangue, e rios de tinta, ainda não responderam a essa pergunta. No século 18, J. J. Rousseau, invertendo muitos séculos da visão pessimista do homem naturalmente pecador e mau, embutida na tradição cristã, substituiu-a por uma idéia oposta: a do homem que nasce virtuoso, e degenera na sociedade. É o "bom selvagem", uma das contribuições iniciais da descoberta do Brasil ao pensamento europeu.

266. Segundo o texto, J. J. Rousseau:

a) Afirmou que o homem é naturalmente pecador e mau, mas, devido à tradição cristão, quando nasce virtuoso, degenera na sociedade.

b) É o bom selvagem que contribuiu para a descoberta do Brasil.

c) Errou, ao inverter a visão da Igreja, que sempre acreditou ser o homem virtuoso, mas degenerador da sociedade.

d) Contradisse a tradição cristã, ao afirmar que o homem nasce virtuoso, e a sociedade o corrompe.

e) Contribuiu para a descoberta do Brasil, ao afirmar que o selvagem que aqui habitava era naturalmente bom.

267. O autor do texto:

a) Afirma que as pessoas, de alguma maneira, são solidárias com as demais.

b) Explica que existe nas pessoas algum conceito que a leva a praticar atos estranhos.

c) Discute a validade de se levarem em consideração os ensinamentos da Igreja.

d) Mostra o pensamento de um ateu, que escreveu obras contra a Igreja.

e) Revela que nossa cultura tem valores embutidos por um cidadão, considerado legado religioso.

268. Considerando-se algumas palavras do texto, é errado afirmar que:

a) Altruísmo está para altruísta assim como escotismo está para escoteiro.

b) Embutidos está para embutir assim como vindo está para vir.

c) Impulso está para impelir assim como decurso está para decorrer.

d) Embutida está para imbutida assim como emigrar está para imigrar.

e) Contribuições está para contribuir assim como intuições está para intuir.

269.  No texto, foram empregadas em sentido conotativo as seguintes palavras:

a) visão e pecador.

b) tradição e idéia.

c) altruísmo e valores.

d) cultura e legado.

e) sangue e rios.

TEXTO.

O LEÃO.

A menina conduz-me diante do leão, esquecido por um circo de passagem. Não está preso, velho e doente, em gradil de ferro. Fui solto no gramado e a tela fina de arame é escarmento ao rei dos animais. Não mais que um caco de leão: as pernas reumáticas, a juba emaranhada e sem brilho. Os olhos globulosos fecham-se cansados, sobre o focinho contei nove ou dez moscas, que ele não tinha ânimo de espantar. Das grandes narinas escorriam gotas e  pensei, por um momento, que fossem lágrimas.

Observei em volta: somos todos adultos, sem contar a menina. Apenas para nós o leão conserva o seu antigo prestígio - as crianças estão em redor dos macaquinhos. Um dos presentes explica que o leão tem as pernas entrevadas, a vida inteira na minúscula jaula.

Derreado, não pode sustentar-se em pé.

Chega-se um piá e, desafiando com olhar selvagem o leão, atira-lhe um punhado de cascas de amendoim. O rei sopra pelas narinas, ainda é um leão: faz estremecer as gramas a seus pés.

           Um de nós protesta que deviam servir-lhe a carne em pedacinhos.

           - Ele não tem dente?

           - Tem sim, não vê? Não tem é força para morder.

           Continua o moleque a jogar amendoim na cara devastada do leão. Ele nos olha e um brilho de compreensão nos faz baixar a cabeça: é conhecido o travo amargoso da derrota.

Está velho, artrítico, não se agüenta das pernas, mas é um leão. De repente, sacudindo a juba, põe-se a mastigar capim. Ora, leão come verde! Lança-lhe o guri uma pedra: acertou no olho lacrimoso e doeu.

           O leão abriu a bocarra de dentes amarelos, não era um bocejo. Entre caretas de dor, elevou-se aos poucos nas pernas tortas. Sem sair do lugar, ficou de pé. Escancarou penosamente os beiços moles e negros, ouviu-se a rouca buzina do fordeco antigo.

           Por um instante o rugido manteve suspensos os macaquinhos e fez bater mais depressa o coração da menina. O leão soltou seis ou sete urros. Exausto, deixou-se cair de lado e fechou os olhos para sempre.

270. I. Embora não seja um texto predominantemente descritivo, ocorre descrição, visto que o autor representa a personagem principal através de aspectos que a individualizam.

II. Por ressaltar unicamente as condições físicas da personagem, predomina a descrição objetiva no texto, com linguagem denotativa.

III. Por ser um texto predominantemente narrativo, as demais formas - descrição e dissertação - inexistem.

Inferimos que, de acordo com o texto, pode(m) estar correta(s):

a) Todas.

b) Apenas a I.

c) Apenas a II.

d) Apenas a III.

e) Nenhuma das afirmações.

271. I. Fato principal: a morte do leão. Causas principais: o circo, que o abandonou, e a criança, que o acertou com uma pedra.

II.  A decadência física do leão, assunto predominante do texto, denota animalização do ser humano.

III. A velhice do leão, assunto predominante do texto, conota marginalização, maus tratos e decadência física  dos animais.

Inferimos que, de acordo com o texto, pode(m) estar correta(s):

a) Todas.

b) Apenas a I.

c) Apenas a II.

d) Apenas a III.

e) Nenhuma das afirmações.

272. I. Conotativamente, o leão chora; denotativamente, o menino agride.

II. A decadência do leão é tanta, que nada faz lembrar a sua antiga reputação. Nem mesmo os adultos o reconhecem mais.

III. Metaforicamente, o leão, que não mais produz e não mais trabalha, pode representar a marginalização, abandono e agressão a que são submetidos os idosos.

Inferimos que, de acordo com o texto, pode(m) estar correta(s):

a) Todas.

b) Apenas a I.

c) Apenas a II.

d) Apenas a III.

e) Nenhuma das afirmações.

273. I. Evidencia-se  explicitamente no texto uma comparação: a decadência do leão é similar a do ser humano em geral.

II. Incapaz de reagir fisicamente às provocações, o leão, sentindo-se inconformado, morre.

III. O fato de o leão "não estar preso em gradil de ferro constitui, por parte de seus antigos donos, uma prova de gratidão.

Inferimos que, de acordo com o texto, pode(m) estar correta(s):

a) Todas.

b) Apenas a I.

c) Apenas a II.

d) Apenas a III.

e) Nenhuma das afirmações.

TEXTO.

 (..) Era para ser uma semana de celebrações,

mas o governo não teve tempo de levantar a cabeça

da trincheira.

O tiroteio, que havia começado uma semana

antes com as denúncias contra os presidentes do

Banco Central e do Banco do Brasil, prosseguiu

com o embate com a oposição dentro da CPI do

Banestado e com a reação forte, nos meios de

comunicação, a duas propostas encampadas pelo

Planalto: a criação da Agência Nacional do Cinema

e a do Audiovisual e do Conselho Federal de

Jornalismo (CFJ).

Na quarta-feira, nova proposta polêmica (CFJ)

entrou na linha de tiro: o governo quer proibir que

funcionários públicos responsáveis por investigações

passem informações para a imprensa.

Não pretendo analisar, hoje, a política de informação

do governo, embora esse conjunto de iniciativas

e várias declarações de ministros indiquem

uma tendência a restringir a ação da imprensa e a

“discipliná-la”.

Vou me ater à proposta do Conselho de Jornalismo,

elaborada e aprovada pela Fenaj (Federação

Nacional dos Jornalistas), modificada pela

Casa Civil da Presidência da República e encaminhada

na quinta-feira, dia 5, ao Congresso, pelo

ministro do Trabalho, Ricardo Berzoini, em nome

do presidente Lula.

Em primeiro lugar, deve ser dito que a proposta

foi bombardeada na imprensa, inclusive nesta

Folha. O noticiário foi predominantemente contrário

ao projeto de lei que cria o conselho.

A Folha foi quem deu mais destaque à iniciativa

e associou-a imediatamente a uma tentativa do

governo de controle da imprensa. O jornal lembrou

que a proposta se inseria num contexto de

“dificuldades de relacionamento entre o governo

Lula e a imprensa”, o que não está de todo errado.

Mas, ao carimbá-lo como chapa-branca, o jornal

omitiu uma informação relevante: o texto tinha sido

gerado nos sindicatos profissionais.

Levantamento que fiz até sexta-feira mostra

que há uma aparente busca de imparcialidade do

jornal: contei, ao longo da semana, 15 opiniões favoráveis

ao CFJ dentro das reportagens publicadas

e 14 contrárias. Mas é um equilíbrio apenas numérico,

porque as opiniões desfavoráveis tiveram

mais destaque ao longo da semana e foram repetidas

diversas vezes. No mesmo período, foram

publicados seis artigos de opinião, apenas um de

apoio ao conselho, assinado por Ricardo Kotscho,

secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência.

O jornal publicou um editorial condenando o

CFJ já no domingo (“A mão sinistra”). Foram

editadas 12 cartas de leitores sobre o assunto:

cinco a favor do conselho e sete contra. Esse

desequilíbrio não permitiu que a proposta fosse

debatida com mais profundidade.

274. De acordo com a leitura completa do fragmento de texto acima, é correto afirmar que:

A. no segundo parágrafo do texto, fica evidente que a discussão a respeito do CFJ estava inserida em um contexto adverso ao governo.

B. a intenção do autor do texto é analisar a política de informação do governo, que, por sua vez, pretende restringir a ação da imprensa.

C. nas linhas 30 e 31, a expressão “inclusive nesta Folha” pretende fazer que o jornal no qual o autor escreve seja visto como diferente dos outros.

D. a conjunção “mas”, na linha 39, inicia um período que confirma a hipótese de que o CFJ é uma tentativa do governo de controlar a imprensa.

E. nas linhas de 42 a 59, observa-se que o jornal em que o autor do texto trabalha é imparcial no tratamento da polêmica a respeito do CFJ.

275. De acordo com a leitura completa do fragmento de texto acima, é correto afirmar que:

A. as expressões “trincheira” (linha 3), “tiroteio” (linha 4), “linha de tiro” (linha 14) e “bombardeada” (linha 30) foram utilizadas no sentido figurado e servem para ilustrar os conflitos e críticas sofridos pelo governo.

B. a omissão das vírgulas nas linhas 4 e 5 não teria implicação semântica no parágrafo ou no texto como um todo, já que o pronome relativo “que” refere-se a um termo no singular.

C. nas linhas de 17 a 21, a forma verbal “indiquem” flexionou-se no plural porque deve concordar com o substantivo “ministros”, de acordo com a regra geral de concordância verbal.

D. na linha 38, o pronome pessoal oblíquo “o” refere-se a “governo Lula” (linhas 37/38), que também se relaciona diretamente à expressão “chapa-branca”.

E. nas linhas 58/59, a flexão do verbo “ser”, no imperfeito do subjuntivo, poderia ser alterada, sem prejuízo semântico para o texto como um todo, para a forma de presente do subjuntivo, “seja”.

276. Sobre o ponto de vista do autor, de acordo com a leitura completa do fragmento de texto acima, é correto afirmar que:

A. o autor tende à parcialidade ao longo do texto, especialmente no que diz respeito ao governo e ao jornal em que trabalha, colocando-se mais vezes a favor deste do que daquele.

B. o autor preocupa-se, ao longo do texto, em levantar aspectos favoráveis ao governo na questão do CFJ, o que fica evidente nas primeiras linhas, nas quais se parte do pressuposto de que o contexto desfavorável prejudicou o governo.

C. o autor preocupa-se, ao longo do texto, em demonstrar o quão imparcial foi, na questão do CFJ, a imprensa e, em particular, o jornal em que trabalha, de modo que as conseqüências negativas angariadas pelo governo ficam entendidas como decorrentes de sua vontade de censurar.

D. o autor tenta ser, ao longo do texto, imparcial e levantar dados que confirmem que a imprensa – e o jornal em que trabalha – privilegiou os ataques ao governo na questão do CFJ, apesar de notar que o governo, por sua vez, parece tender a restringir a ação da imprensa e a “discipliná-la”.

E. O autor, ao longo do texto, frisou que o governo restringe a ação da imprensa e pretende discipliná-la, apesar de os levantamentos feitos no jornal em que trabalha revelarem a tendência da imprensa em atacar o CFJ.

277. Nas linhas de 17 a 21, “ Não pretendo analisar, hoje, a política de informação do governo, embora esse conjunto de iniciativas e várias declarações de ministros indiquem uma tendência a restringir a ação da imprensa e a ‘discipliná-la’ ”, a palavra embora tem o mesmo valor sintático e semântico que a palavra destacada em:

A. Caso haja outras manifestações violentas, o policiamento será redobrado.

B. Uma vez que o policiamento será redobrado, não haverá manifestações violentas.

C. O policiamento será redobrado, de modo que não haverá manifestações violentas.

D. Não haverá manifestações violentas porque o policiamento será redobrado.

E. Ainda que não haja manifestações violentas, o policiamento será redobrado.

TEXTO.

Existe um relativo consenso de que inúmeras foram as transformações que alteraram, no último quarto de século, a geopolítica e a geoeconomia do mundo tal como foram organizadas depois do fim da Segunda Guerra, sob a égide da competição interestatal entre os Estados Unidos e a União Soviética. A grande divergência está na forma em que cada um interpreta o movimento mais geral, hierarquizando suas determinações e suas conseqüências. Para alguns, trata-se de conseqüência necessária e inapelável das transformações tecnológicas que, somadas à expansão dos mercados, derrubaram as fronteiras territoriais e sucatearam os projetos econômicos nacionais, promovendo uma redução obrigatória e virtuosa da soberania dos Estados. A partir daí, a própria globalização econômica e a força dos mercados promoveriam também uma homogeneização progressiva da riqueza e do desenvolvimento das nações, e para os mais otimistas, em algum tempo mais, um governo global, uma ‘‘paz perpétua’’ e uma ‘‘democracia cosmopolita’’. Não é necessário dizer que essa leitura dos acontecimentos reproduz a utopia liberal que desde o século XVIII vem anunciando e propondo, reiteradamente, esse mesmo objetivo terminal para a economia capitalista: um mercado global desvencilhado dos problemas impostos pelos particularismos nacionais e os protecionismos estatais.

278. Assinale a opção que está de acordo com as idéias do texto.

a. O movimento econômico mundial, ao contrário do que se possa imaginar, impediu transformações tecnológicas em vários territórios que antes estavam liderando o processo produtivo internacionalizado.

b. A divergência em relação às grandes transformações econômicas dos últimos 25 anos diz respeito a quais são as suas causas e quais são as suas conseqüências no panorama do desenvolvimento das nações.

c. As grandes transformações econômicas do final do século coincidem com o fim da estratégia de poder imperial que vem se impondo ao mundo a partir de seu eixo anglo-saxão.

d. Uma visão menos positiva do fenômeno da globalização prevê a sobrevivência e a ampliação da soberania dos Estados Nacionais.

e. Compreende-se que a globalização necessita adotar os mesmos ideais propagados pela utopia liberal da economia capitalista desde o século XVIII.

279. Assinale a opção que apresenta uma seqüência coesa e coerente para o texto.

a. E o que é essencial: essas transformações, que se aceleram a partir da década de 70, não suprimiram as leis de movimento e tendências de longo prazo do sistema capitalista.

b. E todas as grandes transformações do sistema capitalista envolveram, simultaneamente, decisões e mudanças no campo da concorrência e acumulação do capital e da luta e centralização do poder político.

c. Nem sua forma de evoluir disruptivamente, impulsionados pelos movimentos simultâneos e interrelacionados da acumulação do poder e da riqueza, estimulados, a um só tempo, pela competição interestatal e pelas relações e conflitos de dominação entre os poderes dominantes e os grupos sociais e países subordinados.

d. Por isso, desde a constituição do capitalismo como um sistema econômico global e nacional, a um só tempo, e durante toda sua ex¬pansão, nos últimos cinco séculos, a partir da Europa do Norte, os estados territoriais e os capitais demonstraram a mesma vocação compulsiva e competitiva ao império e à globalidade.

e. Entretanto, essa velha utopia envelheceu e o fenômeno da globalização econômica não é uma imposição tecnológica, nem um fenômeno puramente econômico, pois envolve novas formas de dominação social e política que resultaram de conflitos, estratégias e imposição vitoriosa de determinados interesses, internacionais e nacionais.

280. Indique a opção em que o trecho foi transcrito em desacordo com a norma escrita culta.

a. Muitos economistas transferem para o plano analítico o que é sua obsessão ideológica: a eliminação da política e do conflito de interesses das classes e dos estados.

b. Por isso, vêem intenções ou construções ‘‘conspiratórias’’ onde, na verdade, o que existe é o desenvolvimento histórico de um sistema de criação da riqueza que é inseparável do processo de acumulação do poder político.

c. Razão pela qual a explicação dos acontecimentos e da evolução de médio e longo prazos do próprio sistema envolvem o acompanhamento e a análise permanente do seu ‘‘jogo’’ de poder, no plano internacional como no plano local.

d. Para eles é bem mais simples desqualificar o poder político como ‘‘conspiração’’, e as próprias conspirações concretas como se elas tampouco existissem e não fossem um processo de decisão política absolutamente corriqueiro.

e. Com isso conseguem descartar tanto o mundo dos interesses contraditórios como o das hierarquias estabelecidas, e, ao mesmo tempo, desvalorizar o momento da vontade, da organização, da decisão e da coragem para questionar e mudar os rumos daquilo que consideram ser mera imposição tecnológica ou do mercado.

281. Indique a opção que resume as idéias principais do texto.

Uma das grandes mudanças do século é a que responde pelo nome de ‘‘revolução tecnológica’’, cujas invenções e descobertas fundamentais ocorreram durante a Segunda Guerra Mundial.  Sua utilização econômica só ocorreu, porém, a partir da crise econômica dos anos 70. Os resultados, sobretudo no campo da microeletrônica, dos computadores e da telecomunicação, afetaram diretamente a extensão, o custo e a velocidade de circulação das informações, facilitando a integração em tempo real de todos os mercados financeiros e provocando alterações produtivas e gerenciais que têm permitido aumentos de produtividade e lucratividade, sobretudo depois de 1990, às custas, em grande medida, de uma redução gigantesca dos postos de trabalho.

a. A revolução tecnológica intensificou a circulação de informações, integrando os mercados financeiros e provocando produtividade e lucratividade, mas também desemprego.

b. A circulação de informações que ocorreu em conseqüência do aumento de produtividade e de lucratividade, intensificou os efeitos positivos da revolução tecnológica.

c. A integração dos mercados financeiros depois da Segunda Guerra Mundial, em conseqüência das telecomunicações, provocou a redução da lucratividade e dos postos de trabalho.

d. A utilização econômica dos produtos da revolução tecnológica, a partir dos anos setenta, provocou um avanço da microeletrônica prejudicando o custo das informações.

e. Após 1990, o aumento da produtividade das empresas de microeletrônica, de computadores e de telecomunicações afetou de forma negativa a circulação das informações e os postos de trabalho.

TEXTO.

 O uso inadequado da linguagem oral, assim como o da escrita, pode ocasionar situações embaraçosas. Um humorista, aproveitando-se do grotesco de tais situações, costuma reproduzi-las para veicular ensinamentos. Dessa maneira, o humor, ao mesmo tempo que descontrai, educa. Ë o que se vê noi caso abaixo.

Amigo de Lampião

 O empresário João, dono de uma grande rede de supermercado, dizia que não tinha o menor constrangimento de lembrar de sua formação modesta. A sua bem-sucedida carreira empresarial começou com uma pequena padaria onde, certa ocasião, teve como fregueses os cangaceiros de Lampião.

 - Os homens comeram quase todo o nosso estoque, mas, na hora de pagar, usei de prudência e não cobrei nada. Lampião ficou meu amigo até a morte.

 Seu João garante que foi um bom comerciante porque tinha uma solução pronta para tudo. Certa vez, ele encomendou algumas toneladas de sal, mas quando a mercadoria chegou era cal.

 Prontamente ele protestou. Mas o vendedor mostrou o pedido e lá estava escrito cal com sua própria letra.

 Aí ele balançou a cabeça e falou:

 - Pois é, era sal que eu queria. Só que eu esqueci a cedilha.

282. Assinale a opção que, além de gramaticalmente correta, mantém as idéias originais do parágrafo introdutório do texto.

a) Os usos inadequados da linguagem oral e escrita, podem ocasionar situações embaraçosas a um bom humorista. Este, aproveitando-se de tais situações, costuma reproduzir-lhes, para veicular ensinamentos. Desta maneira, o humor e ao mesmo tempo que descontrai educa; isto se vê no caso abaixo.

b) O uso inadequado da linguagem oral, também assim o da escrita, pode ocasionar situações embaraçosas. Aproveitando-se do grotesco de tais situações, um bom humorista costuma reproduzi-las para veicular ensinamentos. Dessa forma, ao mesmo tempo que descontrai, o humor educa. Isso é o que se vê no caso abaixo.

c) Usando inadequadamente as linguagens oral e escrita, pode-se ocasionar situações embaraçosas que um bom humorista aproveita, costumando reproduzi-las para veicular ensinamentos. É o que se vê no caso abaixo em que, o humor descontrai e educa.

d) Os usos inadequados da linguagem oral e também da escrita, podem ocasionar situações embaraçosas. Um humorista bom, aproveitando bem o grotesco de tais embaraços, costuma reproduzi-los para veicular ensinamentos. Dessa feita, o humor descontrai educando. Isto se vê no caso abaixo.

e) O uso inadequado não só da linguagem oral, mas o da escrita, pode provocar situações embaraçosas. Dessa maneira, o aproveitamento do humor por um bom humorista, ao mesmo tempo que descontrai, educa; é o que se vê no caso abaixo.

283. Evidenciando a compreensão do caso apresentado no texto, assinale a opção correta.

a) O narrador do texto disse que os homens de Lampião tinham comido quase todo o estoque.

b) O empresário João contou que, na hora de ele pagar tinha usado de prudência.

c) João ficou amigo de Lampião porque não cobraria nada dos seus capangas, até na hora de sua morte.

d) Seu João, conforme diziam, fora bom comerciante porque possuía uma resposta pronta para tudo.

e) Ao mostrar que o pedido tinha sido de cal, e não de sal, o vendedor defendeu-se perante João, mostrando que o erro fora deste, e não daquele.

284. Assinale a opção que respeita a norma culta da língua portuguesa.

a) A opinião da gerência não satisfaz porque, veio ao encontro de nossos projetos.

b) Haja visto os últimos acontecimentos, tomaremos as medidas que se impõe.

c)  Foi-me feita uma solicitação: é para mim, cuidadosamente, avaliar os passos da obra.

d) Encaminho inclusa a mercadoria solicitada, mas os cheques seguem apensos ao recibo a ser assinado.

e) Participamos e apreciamos, muito, o conserto musical oferecido pela diretoria ontem.

285. Para a seleção de candidatos a gerente de marketing publicitário, uma empresa publicou um anúncio exigindo dos pretendentes o seguinte:

• formação superior em publicidade ou marketing, preferencialmente com pós-graduação;

• excelente redação, incluindo a capacidade de analisar e editar textos alheios;

• talento para criar e analisar layouts e peças publicitárias;

• capacidade para criar e implementar ações promocionais.

Com base nessas informações, assinale a opção que contempla de forma correta todas as exigências contidas nos tópicos listados acima.

a) Exige-se dos candidatos a formação superior em publicidade ou marketing – pós-graduação preferencialmente -, excelente capacidade de redação e de analisar ou editar textos alheios, talento para criar ou analisar layouts e peças publicitárias e capacidade para criação e implementação de ações promocionais.

b) Os candidatos devem ser formados em publicidade ou marketing, com pós-graduação, principalmente, ter excelente capacidade de redação, incluindo análise e edição de textos diversos, ter talento para a criação e análise de layouts e peças publicitárias e ter desenvolvido a capacidade da criação e implementação de ações promocionais.

c) Os candidatos devem possuir formação superior em publicidade ou marketing – com pós-graduação, preferencialmente; saber redigir primorosamente, demonstrando também capacidade de analisar e editar textos alheios; ter capacidade para criar e analisar, com talento, peças publicitárias e layouts e para criar e implementar ações promocionais.

d) Exige-se dos pretendentes: preferencialmente a pós-graduação em publicidade ou marketing; a redação exímia e a capacidade de analisar e editar textos diversos; o talento para criar e analisar layouts e pacas publicitárias; a capacidade de implementar as ações promocionais.

e) Para se candidatar, o profissional deve ser formado em marketing ou publicidade, principalmente com pós-graduação, e demonstrar capacidade de: excelente redação, análise e edição de textos alheios, criação e análise de layouts e peças publicitárias e criação e implementação de ações promocionais.

TEXTO.

As questões de números 286 e 287 baseiam-se no texto abaixo.

“Eu sei que o mundo é redondo, mas para mim é chato, mas Ronaldo só sabe que o mundo é redondo, para ele não parece chato. Porque eu estive em muitos países e vi que lá o céu também é em cima, por isso o mundo parecia todo reto para mim. Mas Ronaldo nunca saiu do Brasil e pode pensar que só aqui é que o céu é lá em cima, que nos outros lugares é embaixo ou de lado, e ele pode pensar que o mundo só é chato no Brasil, que nos outros lugares que ele não viu vai redondando. Quando dizem para ele é só acreditar, para ele nada precisa parecer”.

286. Infere-se do texto que:

(A) o mundo, para Ronaldo, é um globo, pois sabe que ele se arredonda em outros países, embora não os conheça.

(B) dizem que o mundo é redondo, o que Ronaldo poderá comprovar com sua própria observação no dia em que puder viajar.

(C) Ronaldo só acredita naquilo que vê; por esse motivo, aceita normalmente a idéia de que o mundo é

redondo.

(D) como nunca saiu do Brasil, Ronaldo só vê o mundo como uma planura, o que o deixa atrapalhado para acreditar que o mundo é redondo.

(E) se Ronaldo viajasse, constataria que o mundo parece plano em toda parte, o que lhe dificultaria aceitar a idéia de que o mundo é redondo.

287. De acordo com o texto, o locutor, em seu monólogo:

(A) afirma que seria muito melhor se as coisas fossem aquilo que elas parecem ser.

(B) deixa-se enganar pelo lado exterior das coisas, pois elas apresentam uma face que realmente não é a sua.

(C) acredita que ser é mais importante do que parecer, o que o leva a desconfiar daquilo que as coisas parecem ser.

(D) questiona a disparidade existente entre aquilo que as coisas são e aquilo que elas parecem ser.

(E) só acredita no que lhe dizem quando pode comprovar um fato com os dados de sua experiência pessoal.

As questões de números 288 e 289 baseiam-se no texto abaixo.

“Tanto quanto produzir originalmente, traduzir é, contemporânea e futuramente, uma das condições da  criação de "um mundo só" - na certeza de que a ignorância das realidades alheias é dupla fonte de mal, pela subestimação das realidades alheias e pela supervalorização, por vezes agressiva, das realidades próprias. A consciência plena da diversidade parece dar maior força à convicção profunda da unidade humana – sem preconceitos de falsos valores raciais, éticos, morais, culturais, materiais e até mesmo tecnológicos; tanto é verdade que, neste particular, em que a complexidade e divisão dos instrumentos de ação parecem dar uma medida do progresso, mesmo dos povos ditos atrasados, há formas e estruturas sociais que podem dar lições de eficácia aos povos ditos avançados”.

288. De acordo com o texto:

(A) a civilização contemporânea não tem o direito de ser pretensiosa, já que nela existem ainda povos primitivos, de cultura rudimentar.

(B) a aldeia global vai sendo estabelecida à medida que os escritores de cada país encontram tradutores eficientes para melhorar suas obras.

(C) o desconhecimento de outras culturas leva ao isolamento e à mediocrização das obras literárias de um povo.

(D) a possibilidade de conhecimento das obras escritas de outros povos é um fator que permite ultrapassar barreiras culturais.

(E) os preconceitos contra povos mais atrasados são rompidos quando eles têm obras escritas passíveis

de tradução.

289. Infere-se do mesmo texto que:

(A) a civilização de um povo deve ser avaliada pelo seu progresso tecnológico.

(B) não se pode discriminar um povo por causa do nível pouco avançado do seu estágio cultural.

(C) não existem mais, no mundo atual, povos ditos avançados e outros ditos atrasados.

(D) há instrumentos precisos para avaliar o grau de desenvolvimento de um povo, seja ele avançado ou

atrasado.

(E) o progresso de um povo está diretamente associado ao seu grau de civilização.

TEXTO.

Diz-se habitualmente que uma das desvantagens dos países subdesenvolvidos de hoje é o “efeito de emulação”. Tendem a imitar prematuramente os hábitos de consumo dos países ricos, e com isso desviam para o consumo recursos que deveriam empregar para aumento do capital produtivo. Mas já o professor Wallich lança uma nesga de dúvida sobre essa tese. Talvez a ânsia de adquirir artefatos de luxo – o rádio, a televisão ou o automóvel – provoque um enorme aumento do esforço do trabalhador, despertando-lhe a ambição de apurar o seu treinamento técnico e tornar-se mais eficiente e produtivo, a fim de conseguir dinheiro para acesso ao supérfluo. Donde ser possível que o consumo de bens dispensáveis venha a facilitar a absorção de tecnologia, e, por via indireta, provocar aumento de produtividade e acelerar a formação de capital.

290. Segundo o texto, o efeito de emulação nos países subdesenvolvidos:

a) tende a limitar a aquisição dos bens de consumo.

b) compromete, a longo prazo, o aumento do capital produtivo.

c) constitui-se numa imitação prematura que em nada favorece a economia.

d) talvez concorra para melhorar o desempenho dos trabalhadores.

e) implica num desprezo pelo supérfluo e, com isso, leva ao aumento do capital produtivo.

291. A propósito do texto, preencha os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso):

( ) O professor Wallich condena, nos países subdesenvolvidos, o desvio para o consumo de recursos que deveriam ser usados para aumentar o capital produtivo.

( ) A imitação dos hábitos dos países ricos, por parte dos países subdesenvolvidos, seria prematura por estes últimos visarem ao aumento do capital produtivo em detrimento do consumo.

( ) Eficiência e produtividade só ocorrem quando os países subdesenvolvidos imitam os hábitos de consumo dos países ricos.

( ) Nem sempre a absorção de tecnologia e o aumento da produtividade decorrem apenas da destinação de recursos para o aumento do capital produtivo.

A alternativa correspondente à seqüência correta é:

a) FVFV

b) FFVV

c) VFFV

d) FFFV

e) VFVV

292. Segundo o texto, os países subdesenvolvidos são êmulos dos países ricos, ou seja:

a) deles desconfiam.

b) com eles se parecem.

c) deles se aproximam.

d) com eles competem.

e) deles se afastam.

293. Considere o fragmento: “...recursos que deveriam empregar para aumento do capital produtivo.”. Na voz passiva, a construção verbal que substitui corretamente a expressão grifada é:

a) deveriam ser empregados.

b) deveria empregarem-se.

c) deveria serem empregados.

d) deveria ser empregados.

e) dever-se-ia empregarem.

294. O valor semântico do termo entre parênteses classifica-se ERRADAMENTE em:

a) “...e com isso desviam para o consumo recursos...” – (direção).

b) “...desviam (...) recursos que deveriam empregar para aumento do capital produtivo.” – (finalidade).

c) “Mas já o professor Wallich lança uma nesga de dúvida sobre essa tese.” – (conseqüência).

d) “...despertando-lhe a ambição de (...) tornar-se mais eficiente e produtivo...” – (intensidade).

e) “Donde ser possível que o consumo de bens dispensáveis venha a facilitar a absorção de tecnologia...” – (conclusão).

TEXTO.

JUSTIÇA E RAZÃO.

 Os legisladores e os juízes, que dispõem da sanção e da coerção para garantir o respeito às leis e a execução dos julgamentos, têm de exercer suas funções dentro do espírito em que elas lhes foram conferidas: devem elaborar leis justas, porque conformes às aspirações da comunidade de que são os representantes; devem aplicá-las dentro de um espírito de eqüidade, conforme às tradições da comunidade de que são os magistrados. Mas o filósofo não é, como o juiz, encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida: tampouco deve, como o político, se amoldar aos desejos de seus eleitores para ganhar-lhes os votos. Se existe uma missão, que seria a do filósofo, é a de ser o porta-voz da razão e o defensor dos valores universais, que se supõem válidos para todos os homens. Como escrevia Husserl: “Somos, em nosso trabalho filosófico, funcionários da humanidade.”

295. Faz-se uma afirmação NÃO AUTORIZADA pelo texto na opção:

a) compete aos juízes agir com espírito de eqüidade;

b) os filósofos sistematizam os costumes de cada sociedade para orientar os legisladores;

c) compete aos legisladores elaborar leis conformes às aspirações da sociedade;

d) legisladores e juízes têm tarefas distintas, mas que se complementam em função do interesse público;

e) compete aos filósofos exprimir os conteúdos da razão e defender os valores universais.

296. O comentário correto sobre o emprego de  “conformes” e  de “conforme” encontra-se na opção:

a) ambos são adjetivos e estão concordando em número com os termos a que se referem;

b) “conformes” concorda em número com o substantivo “leis” e “conforme” é invariável por ser advérbio;

c) há erro gramatical no uso de “conformes”, pois este vocábulo é invariável;

d) há erro de concordância em “conforme”, que deveria estar no plural concordando com “-las” (= as leis);

e) não há erro nas formas adotadas no texto porque, no caso, a concordância é facultativa.

297. As opções abaixo apresentam novas redações do enunciado  “Mas o filósofo não é, como o juiz, encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida”. Feitas as modificações, o conteúdo original do enunciado SÓ foi preservado na opção:

a) Tanto quanto o juiz, o filósofo não é, contudo, encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida;

b) Entretanto, assim como o filósofo, o juiz é encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida:

c) No entanto, diferentemente do juiz, o filósofo não é encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida;

d) Assim como o juiz, todavia, o filósofo não é encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida;

e) Mas o filósofo não é, consoante o juiz, encarregado de fazer que se respeite a ordem estabelecida.

298. O pronome “LHES”  tem com o verbo a que se prende na frase “tampouco deve, como os políticos, se amoldar aos desejos de seus eleitores para ganhar-lhes os votos” as mesmas relações sintáticas e de sentido que se encontram no exemplo da opção:

a) se seus irmãos quiserem, posso emprestar-lhes meu carro durante o fim de semana;

b) os uniformes das crianças já estão desbotados, mas só lhes posso comprar outros no mês que vem;

c) eles são nossos amigos; não podemos negar-lhes ajuda em um momento tão difícil;

d) os Romanos, crendo-se superiores aos povos germânicos, chamavam-lhes ‘bárbaros’;

e) o policial ameaçava os detidos a fim de arrancar-lhes  uma confissão.

299. Em “tampouco deve (...) se amoldar aos desejos de seus eleitores...”, “tampouco”     é substituível, sem prejuízo do sentido, por:

a) sobretudo não;

b) ainda assim não;

c) também não;

d) apesar disso não;

e) particularmente não.

TEXTO.

VERDADE E LIBERDADE.

 O problema da verdade não é da competência exclusiva da filosofia, como pretendem os filósofos acadêmicos e oficiais, porque envolve, também, pressupostos éticos e políticos que esses filósofos não julgam prudente reconhecer.

 Essa implicação entre a verdade e a política já se acha presente no processo de Sócrates, condenado, por um tribunal político, a beber cicuta na prisão de Atenas. O mestre de Platão não era, porém, um agitador, um agente subversivo, mas um filósofo, preocupado exclusivamente com a procura e a definição da verdade. Se era inocente, se não cometera crime algum, por que o condenaram? Condenaram-no a pretexto de que corrompia a mocidade e subvertia a religião tradicional, sustentáculo ideológico da cidade grega que, como se sabe, repousava na escravidão.

 Ao processo de Sócrates deveremos sempre voltar porque, como tudo o que é grego, apresenta um aspecto exemplar, paradigmático que, até hoje, nos serve de escarmento e edificação. O filósofo, porque procurava e dizia a verdade, foi condenado e morto, quer dizer, assassinado. Os motivos alegados na denúncia eram fúteis, meros pretextos, como se verifica ao ler esse texto admirável que é a Apologia de Platão. A defesa do acusado, no entanto, feita por ele próprio, embora fosse irrespondível, não logrou demover a maioria do tribunal, que se pronunciou em função de motivos políticos, que diziam respeito aos seus interesses e paixões e nada tinham em comum com a verdade.

 Essa tragédia, que está no pórtico da filosofia ocidental, prefigura o destino do filósofo que, na sociedade dividida entre senhores e escravos, correu sempre, ao denunciar a injustiça e a violência, o risco de provocar a ira e as represálias dos senhores. Sim, porque os senhores sempre permitiram que tudo fosse dito, menos que eram os senhores porque escravizavam, porque oprimiam e espoliavam. Essa verdade, que revelava e desmascarava o segredo de que eram os beneficiários, não devia ser dita, embora fosse, de todas, a mais importante a revelar.

Com base no texto, responda às questões de 16 a 20:

300. Na nova redação dada a algumas passagens do texto,  cometeu-se ERRO de concordância verbal na opção:

a) Não se podia denunciar nem a justiça nem a violência;

b) Alegaram-se na denúncia motivos muito fúteis;

c) A maioria dos jurados pronunciou-se em função de interesses políticos;

d) Nem a justiça nem a violência podiam ser denunciadas;

e) Deviam haver interesses e paixões que nada tinham em comum com a verdade.

301. É INCOMPATÍVEL  com o conteúdo deste texto a afirmação de que:

a) para os filósofos acadêmicos e oficiais o problema da verdade é da competência exclusiva da filosofia;

b) para Roland Corbisier, os gregos são o modelo de cultura e pensamento das sociedades ocidentais modernas;

c) o processo de Sócrates serve para mostrar que o poder dos  senhores se sustenta na ocultação da verdade;

d) a subversão da religião e a corrupção da juventude foram pretextos usados para condenar Sócrates;

e) na história das sociedades os grandes julgamentos sempre se basearam em motivos políticos.

302. A cada expressão do texto destacada abaixo segue-se outra destinada a substituí-la. Esta substituição, porém, alteraria o sentido original do texto em:

a) “não logrou demover” – não conseguiu dissuadir;

b) “oprimiam e espoliavam” – coagiam e pilhavam;

c) “paradigmático” – modelar;

d) “corrompia (...) e subvertia” – pervertia e desorganizava;

e) “escarmento e edificação” – projeto e construção.

303. Na nova redação dada a algumas passagens do texto,  cometeu-se ERRO de regência verbal na opção:

a) O problema da verdade não compete exclusivamente à filosofia;

b) Alguns filósofos desconhecem que o problema da verdade implica aspectos políticos;

c) Ao processo de Sócrates devemos sempre recorrer;

d) Os senhores jamais permitiriam que fosse desvendado o segredo que lhes beneficiava;

e) Sócrates fez de si próprio uma defesa a que os juízes foram incapazes de responder.

304. A escolha dos instrumentos de conexão sintática – como as preposições, conjunções e respectivas locuções – atende, muitas vezes, a sutis intenções do enunciador. Dentre as opções abaixo, a substituição do conectivo original acarretou outra interpretação para a intenção do enunciador em:

a) Condenaram-no porque corrompia a mocidade e subvertia a religião tradicional;

b) A defesa do acusado, não obstante irrespondível, não logrou demover a maioria do tribunal;

c) O filósofo, porquanto procurava e dizia a verdade, foi condenado e morto;

d) Essa verdade (...) não devia ser dita, conquanto fosse, de todas, a mais importante a revelar;

e) Ao processo de Sócrates devemos sempre voltar porque, a exemplo de tudo o que é grego, apresenta um aspecto exemplar.

TEXTO.

ENCARANDO A FERA.

 A demissão é um dos momentos mais difíceis na carreira de um profissional. A perda de um emprego costuma gerar um série de conflitos internos: mágoa, revolta, incerteza em relação ao futuro e dúvidas sobre sua capacidade. Mesmo sendo uma possibilidade concreta na vida de qualquer profissional, somos quase sempre pegos de surpresa pela notícia. Apesar de se uma situação delicada, é possível, sim, transformar esse fantasma em algo bem menos assustador e, conseqüentemente, dar a volta por cima de forma mais rápida.

 Em primeiro lugar, é preciso ter consciência de que ninguém é intocável. Não no mercado competitivo de hoje. Esteja, portanto, preparado para essa possibilidade. Isso nada tem haver com o pessimismo. Trata-se de manter os pés no chão e saber que as empresas trabalham com equipes cada dia mais enxutas. As mudanças acontecem em um ritmo frenético e há sempre risco de alguém não se adaptar a uma determinada filosofia.

 Em segundo lugar, não espere ser demitido para começar a pensar nessa possibilidade. Mesmo estando bem empregado, continua sua network. Ou seja: mantenha contato permanente com pessoas que possam ajuda-lo futuramente a uma possível colocação. “Geralmente, a pessoa só se lembra de que precisa desenvolver sua network quando está desempregado”, afirma Carlos Monteiro, diretor de recursos humanos. “Essa, no entanto, é uma lição de casa que deve ser feita todos os dias”. Ele recomenda ainda manter o currículo, permanentemente atualizado, criar o hábito de retornar todos os recados e responder aos e-mails rapidamente. Em resumo, é fundamental ser acessível. Um exemplo disso foi a carta que Monteiro recebeu recentemente de um executivo que comunicava sua mudança de empresa. Ele falava do novo desafio em sua carreira e informava  o número de seu novo telefone. “Ele tinha um novo emprego, mas nem por isso abandonou os contatos. O melhor momento para a network não é quando se precisa dela, mas quando se está bem colocado. Isso faz a demissão ser menos traumática”.

305. A respeito das idéias desenvolvidas no texto, assinale a opção incorreta.

a) Embora seja uma possibilidade na vida de qualquer profissional, a demissão consiste em um dos momentos mais difíceis na carreira profissional de qualquer individuo.

b) No mercado competitivo de hoje, a possibilidade de demissão é iminente porque as empresas operam com equipes cada vez mais reduzidas.

c) Em virtude de as mudanças acontecerem em ritmo muito rápido, alguém, não se adaptando a essa veloz realidade, será inevitavelmente descartado do mercado de trabalho.

d) Entre as recomendações apresentadas para lidar melhor com a demissão, estão manter o currículo atualizado, responder a todos o recados e manter contatos com as pessoas convenientes.

e) É possível transformar o temor da demissão em algo racionalmente controlável e reverter a situação de maneira mais favorável.

306. A respeito das idéias do texto, julgue os itens abaixo.

I - O trecho “A demissão é um dos momentos mais difíceis na carreira de um profissional” (linhas 1 a 3) mantém as mesmas relações de idéias de A perda do emprego é a situação mais temida na carreira de um profissional.

II - A seqüência de conflitos internos: “mágoa, revolta, incerteza em relação ao futuro e dúvidas sobre sua capacidade” (linhas 5 a 7) corresponde, semanticamente, a  revolta, incerteza com referência ao futuro,mágoas e dúvidas acerca de sua capacidade.

III - A afirmação “uma possibilidade concreta na vida de qualquer profissional” (linhas 8 a 10) equivale, semanticamente, à assertiva a concreta possibilidade na vida de um profissional qualquer.

IV - Possuem as mesmas relações de sentidos as afirmativas: “somos quase sempre pegos de surpresa pela notícia” (linhas 10, 11) e somos sempre quase pegos de surpresa pela notícia.

V - O período situado nas linhas de 12  a 16 apresenta as mesmas condições de idéias de Mesmo ao ser uma situação delicada, é possível, certamente, transformar esse fantasma em algo bom menos assustador e, por conseguinte, dar a volta por cima rapidamente.

A quantidade de itens certos é igual a:

a) 1b) 2   c) 3      d) 4       e) 5

307. Assinale a opção em que a reescrita do trecho do terceiro parágrafo do texto, além de apresentar correção gramatical mantém as idéias da redação original do texto.

a) Linhas de 29 a 35: Em segundo lugar, não espere ser demitido para começar a pensar nessa possibilidade: mesmo estando bem empregado, construa a sua network; ou seja, mantenha contato permanente com pessoas, que possam ajuda-lo futuramente em uma possível recolocação.

b) Linhas de 36 a 40: “Geralmente, a pessoa só se lembra de que precisa desenvolver sua network quando está desempregada” afirma Carlos Monteiro – diretor de recursos humanos: “essa no entanto é uma lição de casa que deve ser feita dia-a-dia”.

c) Linhas de 41 a 44: Ele recomenda ainda manter o currículo permanentemente atualizado: criar o hábito retornar todos os recados; e responder aos e-mails rapidamente. Em resumo é fundamental ser acessível.

d) Linhas de 46 a 51: Foi um exemplo disso a carta que Monteiro recebeu, recentemente, de um executivo que comunicava sua mudança de empresa: ele falava de novo desafio em sua carreira informava o número de seu telefone.

e) Linhas de 51 a 56: “Ele tinha um novo emprego, mas nem por isso abandonou os contatos (...) O melhor momento para a network, não é quando se precisa dela, mas, quando se está bem colocado, isso faz a demissão ser menos traumática”.

308. O texto apresenta, no último parágrafo, uma série de recomendações ao leitor. Assinale a opção que, alterando a pessoa gramatical relativa ao destinatário da mensagem, mantém unidade de tratamento e correção gramatical frente à norma culta da língua portuguesa.

a) Não espera a sua demissão para começar a pensar na possibilidade de teu desemprego.

b) Crie o hábito de retornar todos os recados enviados a você e responda aos e-mails de seus correspondentes.

c) Mantenham contatos com pessoas que possam ajudar-lhe no futuro e seja acessível.

d) Faça a sua lição de casa diariamente e mantenham cópias de currículo atualizado.

e) Mesmo você está bem empregado, constrói a tua network rapidamente.

309. Com base na organização sintática do texto, julgue os itens que se seguem.

I - “sua” (linha 6) refere-se a “de um profissional” (linhas 2 e 3);

II - “possibilidade concreta” (linha 8) é a “demissão” (linha 1) ou a “perda do emprego” (linha 3);

III -    “nessa possibilidade” (linhas 30, 31) refere-se a “ser demitido” (linhas 29, 30);

IV - “Essa” (linha. 40) refere-se à necessidade de se desenvolver a própria network;

V - “Ele” (linha 50) refere-se a “Carlos Monteiro” (linha 39).

A quantidade de itens certos é igual a:

a) 1b) 2   c) 3      d) 4       e) 5

TEXTO.

Após a devastação geral provocada pelo neoliberalismo triunfante, firma-se, em todos os continentes, a convicção de que o capitalismo substitui, aos poucos, o Estado totalitário como o principal adversário da democracia e dos direitos humanos. Para suscitar a esperança é preciso, pois, urgentemente, apontar à humanidade as vias de resistência a esse seu inimigo irreconciliável. Elas passam por um esforço combinado de reconstrução, tanto na cúpula quanto na base do edifício social. Na cúpula, trata-se de instituir a supremacia do poder político sobre as forças econômicas, tanto na esfera nacional quanto na internacional.

310. Assinale a opção que constitui uma seqüência coesa e coerente para o texto acima.

a) Porquanto, em janeiro de 2001, ao mesmo tempo que os mais ricos vão se reunir, como fazem todos os anos, em Davos (Suíça), Porto Alegre acolherá  os participantes do Primeiro Fórum Social Mundial.

b) O caminho que conduz  essa  justiça é um só: fortalecimento do poder político, com efetiva participação e controle popular, ou seja, a soberania dos povos (não dos Estados nem dos grandes grupos empresariais), com o integral respeito aos direitos humanos. Em suma, a boa e verdadeira democracia.

c) Bem como um número crescente de movimentos e associações articula-se para de¬nunciar, nas ruas e praças de todo o globo, a ação predatória das grandes organizações internacionais que regulam as finanças do mundo.

d) Conquanto, nunca, em toda a história das civilizações, uma sociedade política  foi militarmente tão poderosa quanto os EUA o são hoje. Seu orçamento militar é 12 vezes superior à soma de todos os demais orçamentos do mundo.

e) Uma desproporção comparável se desenvolve em termos de preponderância militar e capacidade de espionagem graças ao concurso de vários satélites de transmissão, 50.000 especialistas em informática e macrocomputadores que processam 95% das telecomunicações que se fazem nos diversos países.

TEXTO.

A visão destes anos 80 mostra uma sociedade cindida de ponta  a(A) ponta e em cada detalhe da vida social por conflitos heterogêneos, fragmentados, violentos, mobilizantes.  Cada movimento destes se faz por conflitos distintos e reconhece a(B)  si mesmo em espaço político próprio. E o Estado, em cujo espaço institucional se traduzem  os efeitos de uma sociedade plural e desigual, formaliza suas reações a(C) mobilização social. Nestes tempos turbulentos os governantes imaginaram uma forma de exercício de poder  que conciliasse a(D)  emergência dos novos direitos  com os limites autoritários de sua gerência. O Executivo se lança, então, a(E) experiências várias de contenção social.

311. Indique o item em que, de acordo com as regras gramaticais, o a deve receber o acento indicativo de crase.

a) A

b) B

c) C

d) D

e) E

312. Os fragmentos abaixo constituem um texto que foi transcrito com erros. Assinale a opção gramaticalmente correta.

a) À partir de 1995, com o fim da espiral inflacionária, os governantes tiveram de lidar com a verdade dos números públicos. A correta gestão dos recursos tornou mais urgente do que nunca.

b) Paralelamente, um novo fenômeno começou a surgir no País, ainda que de forma tímida: o exercício da cidadania. As pessoas passaram a conscientizar que pagam impostos e serviços públicos de qualidade são obrigação do Estado.

c) Nesse contexto, foi concebida e começou a ser implementada uma ampla e radical reforma do Estado brasileiro, com mudanças constitucionais; novos procedimentos em gestão, controle e operação de órgãos públicos; uso mais intensivo de tecnologia da informatização e, sobretudo, uma nova relação com o usuário dos serviços públicos, o cidadão.

d) Buscando a profissionalização do servidor, o governo elaborando a Política Nacional de Capacitação dos Servidores Públicos Federais, além de implantar o Plano de Qualidade para a Administração Pública em todos os órgãos da administração federal.

e) Novas carreiras, equiparação de salários defasados em relação ao que pagam o mercado e a realização de concursos públicos (há muito interrompidos), além do oferecimento de oportunidades de treinamento, tudo isso foi feito tendo em vista a prioridade de conferir o melhor atendimento ao cidadão-cliente.

TEXTO.

Entre os recentes avanços da economia brasileira, _________destacar a privatização ou a liquidação de muitos bancos comerciais controlados pelos governos estaduais. A estratégia de controle dos déficits públicos de Estados e municípios, _________________apoiada pelo governo federal desde o segundo semestre de 1995, quando se registrou parte da responsabilidade daqueles na formação do déficit consolidado de 5% do PIB, tem sido a de ___________ o acesso a diferentes fontes de financiamento, internas ou externas. Esta estratégia _____________, também, à reestruturação dos sistemas financeiros estaduais, através de um programa especial coordenado pelo Banco Cenntral.

313. Assinale a opção que preenche de forma correta as lacunas do texto.

a) podemos / a qual vêm sendo / dificultar a eles / se estende

b) devemos / em qual vem sendo / dificultar eles / extende-se

c) deve-se / de qual vem sendo / dificultar para eles / extende-se

d) há que se / que vem sendo / dificultar-lhes/  estende-se

e) é necessário / por qual veio sendo / lhes difi¬cultar / se extende

TEXTO.

Embora, desde 1983, tenham sido criados diversos programas de assistência e de recuperação dos bancos estaduais, a maioria destes continuou a conviver com dificuldades operacionais e patrimoniais, as quais acabaram ampliando o nível de desequilíbrio das contas públicas. A questão do desequilíbrio financeiro e patrimonial desses bancos é de natureza estrutural e vinha desafiando diferentes administrações do governo federal e dos governos estaduais.

314. Assinale a única opção que é inadequada e incorreta como seqüência sintática para o texto.

a) Um de seus maiores problemas vinha sendo o excesso de agências deficitárias mantidas em operação sob argumentos políticos, inconsistentes e precários.

b) A concentração de operações de crédito apenas com governos e suas empresas foi um dos fatores que acentuou de forma crítica a fragilidade dessas instituições.

c) Observou-se que um dos problemas freqüentes nesses estabelecimentos  era o dos empréstimos ao setor privado com precária análise de risco.

d) A desprofissionalização da alta administração como mecanismo de sustentação de interesses políticos clientelísticos intensificou a crise dessas instituições.

e) Observando anéis burocráticos que tornam insólitas muitas práticas de créditos e de financiamentos e quando emperram o fluxo de circulação desejável.

TEXTO.

 A globalização é um fato. Os desafios institucionais que ela vem gerando devem ser compreendidos utilizando os próprios instrumentos metodológicos que ela produziu. Embora o Brasil não tenha uma autêntica tradição de livre mercado e de competição, se se lograr superar a inércia, será fácil ao país lançar-se na vanguarda da modernidade, precisamente porque nossa reconhecida desvantagem,  a de não possuirmos instituições estáveis e bem arraigadas, poderá ser, afinal, o nosso trunfo nesta vertiginosa era das comunicações.

315. Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

a) O pronome “ela”, em suas duas ocorrências, refere-se à palavra “globalização”.

b) A forma “utilizando os”, sem prejuízo para a correção do período, pode ser assim substituída: por meio da utilização dos.

c) Em “lançar-se” o pronome “se” indica indeterminação do sujeito.

d) A estrutura “se se lograr”, sem prejuízo para a correção do período, pode ser assim substituída: caso se logre.

e) As vírgulas após “desvantagem” e após “arraigadas” podem ser corretamente substituídas por travessões ou parênteses.

TEXTOS.

316. Assinale a opção em que a estrutura sintática  está incorreta.

a) Se o crescimento é um dado meramente econômico e quantitativo, o desenvolvimento, ao contrário, enquanto é qualitativo e pressupõe uma administração e uma legislação racionalizadas, a difusão do ensino, o recrutamento dos homens de empresa e a formação do capital de investimento necessário.

b) O crescimento é um dado meramente econômico e quantitativo, mas o desenvolvimento, ao contrário, é qualitativo e pressupõe administração e legislação racionalizadas, difusão do ensino, recrutamento dos homens de empresa e formação do capital de investimento necessário.

c) O crescimento é um dado meramente econômico e quantitativo. Entretanto, o desenvolvimento é qualitativo, pressupondo administração e legislação racionalizadas,  difusão do ensino,  recrutamento dos homens de empresa e formação do capital de investimento necessário.

d) O desenvolvimento é qualitativo e pressupõe administração e legislação racionalizadas, difusão do ensino, recrutamento dos homens de empresa e  formação do capital de investimento necessário, enquanto, ao contrário, o crescimento é um dado meramente econômico e quantitativo.

e) Enquanto o crescimento é um dado meramente econômico e quantitativo, o desenvolvimento, ao contrário, é qualitativo e pressupõe uma administração e uma legislação racionalizadas, a difusão do ensino, o recrutamento dos homens de empresa e a formação do capital de investimento necessário.

TEXTO.

(1) a globalização tem aspectos altamente positivos, criando pontes entre as nações, em substituição aos antigos muros que as separavam, e permitindo (2) uma ampla divulgação e utilização das tecnologias mais modernas. (3), é evidente que a globalização pode tornar-se, em determinados casos, um elemento destruidor da cultura nacional e da escala de valores de uma sociedade. Cabe (4) ao Estado, tendo em vista o contexto nacional, ser um fiscal e catalisador eficiente do nível adequado da globalização que interessa ao país, abrindo a sua economia, num mundo que não mais admite que as nações se transformem em verdadeiras autarquias, (5), protegendo adequadamente os valores humanos, econômicos, intelectuais e morais do País e dos cidadãos.

317. Assinale  a  opção incorreta  em  relação  às lacunas do texto.

a) O texto permaneceria correto se iniciado pela expressão Não há dúvida de que (1).

b) É opcional o uso de também, entre vírgulas, em (2).

c) Como se trata de uma oposição de idéias, é correto o uso de Entretanto em (3).

d) O articulador sintático correto para (4) é conquanto.

e) Em (5), para acentuar a oposição de idéias, seria correto colocar todavia.

TEXTO.

318. Assinale a seqüência de sinais de pontuação que preenche corretamente os espaços numerados do seguinte fragmento. Ignore a necessidade de letras maiúsculas.

Toda estrutura da nossa sociedade colonial teve sua base fora dos meios urbanos (1) é preciso considerar esse fato para compreender  exatamente as condições que (2) por via direta ou indireta (3) nos governaram até muito depois de proclamada nossa independência política e cujos reflexos não se apagaram ainda hoje (4) é efetivamente nas propriedades rústicas que toda vida da colônia se concentra durante os  séculos  iniciais da ocupação européia (5) as cidades são virtualmente simples dependências delas.

a) : ,  .         , -

b) . ,  , . :

c) ; -  , , .

d) , -  ; : ;

e) ? :  , . .

319.  Assinale  a opção em que o texto apresenta pontuação correta.

a) Há no mundo regiões que agora enfrentam problemas generalizados, infinitamente mais graves que, aqueles com que nos confrontamos em nossos piores momentos do passado.

b) Mas parece reinar, em toda parte a certeza de que hoje faz sentido lançar idéias à mesa e trabalhar sobre elas.

c) Tantas passagens – remotas ou recentes – da história, foram marcadas pela esterilidade, pela convicção coletiva de que nada do que se pensasse, dissesse, fizesse, tentasse, ousasse adiantaria alguma coisa, tão bloque¬adas eram as perspectivas.

d) Hoje vivemos o contrário disso. Sabemos que idéias,  palavras e  gestos têm o poder de fecundar o terreno do século que termina, do século que começa e que, vale a pena, por isso viver esse momento.

e) Se aproveitamos com integridade, inteligência, trabalho e sentido de criação, não há limite para o que nos pode vir em troca. Se perdermos essa oportunidade, se nos perdermos em banalidades neste ponto da história que reclama grandeza, sobrará depois um profundo remorso.

TEXTO.

Um dos traços marcantes do atual período histórico é (...) o papel verdadeiramente despótico da informação. (...) As novas condições técnicas deveriam permitir a ampliação do conhecimento do planeta, dos objetos que o formam, das sociedades que o habitam e dos homens em sua realidade intrínseca. Todavia, nas condições atuais, as técnicas da informação são principalmente utilizadas por um punhado de atores em função de seus objetivos particulares. Essas técnicas da informação (por enquanto) são apropriadas por alguns Estados e por algumas empresas, aprofundando assim os processos de criação de desigualdades. É desse modo que a periferia do sistema capitalista acaba se tornando ainda mais periférica, seja porque não dispõe totalmente dos novos meios de produção, seja porque lhe escapa a possibilidade de controle.

O que é transmitido à maioria da humanidade é, de fato, uma informação manipulada que, em lugar de esclarecer, confunde.

320. Julgue os itens abaixo.

I - Predomina no texto a linguagem objetiva - denotativa.

II - Trata-se de um texto predominantemente argumentativo.

III - Deduz-se do texto que a humanidade, por mais que avance tecnologicamente, não será capaz de superar o egoísmo.

a) Os itens I e III estão corretos.

b) Somente o item III está correto.

c) Os itens I e II estão corretos.

d) Somente o item II está correto.

e) Somente o item I está correto.

321. Assinale a alternativa correta.

a) "Um dos traços marcantes do atual período..." equivale semanticamente a "marcantes traços do período atual...".

b) Em: "As novas condições técnicas deveriam permitir a ampliação..." pode ser reescrito sem alteração semântica: "As novas condições técnicas permitem a ampliação..."

c) O vocábulo "o", linha 3, nas duas ocorrências possui o mesmo referente - "conhecimento".

d) "Todavia" (linha 4) pode ser substituído por "Portanto", sem provocar quaisquer alterações semânticas.

e) A expressão "de fato" (linha 10) tem caráter ratificativo.

322. Observe os sinônimos indicados entre parênteses.

I - "o papel verdadeiramente despótico (= tirânico) da informação.

II - "dos homens em sua realidade intrínseca (= inerente)

III - "são apropriadas (= adequadas) por alguns Estados".

Considerando-se os textos, a relação de sinonímia está correta apenas em:

a) I.

b) II.

c) III.

d) I e II.

e) I e III.

323. No trecho: "Todavia, nas condições atuais, as técnicas da informação são principalmente utilizadas..."

O termo destacado estabelece relação semântica de:

a) oposição.

c) condição.

c) conclusão.

d) causa.

e) explicação.

324. Assinale a alternativa correta.

a) O pronome oblíquo "lhe" (linha 8) está proclítico, mas deveria ser colocado após a forma verbal.

b) Pode-se omitir o acento indicativo da crase na linha 10, sem provocar, no texto, alterações sintático-semânticas.

c) Os vocábulos: histórico, despótico, técnicas, periférico e intrínseca são acentuados pela mesma razão de: caráter, louvável e fênix.

d) O pronome relativo "que" (linha 3), nas duas ocorrências, exerce a mesma função sintática - sujeito.

e) O vocábulo "Estados" (linha 6) poderia ser grafado com letra minúscula sem, contudo, provocar quaisquer alterações semânticas no texto.

TEXTO.

UMA CARTA INÉDITA A DRUMMOND.

Querido Carlos, afetuoso abraço.

Leio nos jornais que você pediu demissão. Sem dúvida é uma pena para o Brasil, mas você está correto. E outros dias virão.

Pessoalmente, não posso deixar de lhe agradecer tantas finezas que você me prestou, sempre tão solicitamente, quando no exercício do cargo.

Confirmo meu telegrama de hoje, pedindo-lhe o favor de me representar no almoço de sábado próximo, e de transmitir minha solidariedade à declaração de princípios do 1° Congresso de Escritores.

Abandonei a colaboração n'A Manhã, se bem que estivesse gostando, pois me deva um certo treino de escrever prosa, e além disso os 800 cruzeiros me eram necessários, nas circunstâncias atuais de minha vida. Mas o governo excedeu-se, perdeu todo o controle, divorciou-se por completo das aspirações populares, e esgotou o seu já fraco conteúdo. De qualquer forma, continuar os artigos seria uma espécie de colaboracionismo.

Como você sabe, continuo em regime de saúde, por isso não posso tomar parte pessoalmente na campanha que se desenrola. Entretanto, estou bastante atento à mesma; por isso - caso você julgue oportuno - poderá divulgar que eu estou solidarizado com a campanha democrática, e absolutamente contra os métodos do governo. Se acharem interessante, poderei escrever, mesmo sobre assunto político, pequenas crônicas e notas - desde que minha saúde o permita.

Que coisa a morte do Mário, hein? Fiquei muito sentido, e, sabendo que vocês eram muito amigos, é o caso de se apresentar pêsames a você.

Em que pé está o nosso livro? E o seu?

Então, querido Carlos, lembranças a Dolores e Maria Julieta.

O abraço amigo do Murilo

P. S. Lembranças também ao João Cabral.

325. Com relação aos elementos lingüísticos utilizados no texto, é correto afirmar que:

a) o advérbio tão, em "tão solicitamente", enfatiza a presteza e o empenho de Drummond no atendimento ao amigo;

b) a oração intercalada "caso você julgue oportuno" tira de Murilo a responsabilidade de se envolver mais profundamente com a campanha, porque estava doente;

c) a condicional "se acharem interessante" aponta para a insegurança de Murilo em escrever prosa, até porque foi consagrado como poeta;

d) o termo destacado em "Lembranças também ao João Cabral" revela a necessidade de incluir João Cabral entre as pessoas lembradas;

e) todas as alternativas estão corretas.

326. O parágrafo pode ser considerado um microtexto; dessa forma, deve conter introdução (tópico frasal), desenvolvimento e conclusão. 

Com base nesta afirmativa, releia o 4° parágrafo e identifique a alternativa correta em relação à sua estrutura:

a) O tópico frasal inicia em "Abandonei" e se estende até "gostando".

b) O tópico frasal contém uma atitude concessiva justificada no desenvolvimento.

c) Na conclusão, fica explicitado seu desejo de não colaborar com as atitudes do governo, seja de forma direta ou indireta.  

d) Todas estão corretas.

e) Nenhuma das anteriores.

327. Identifique as justificativas incorretas com relação ao uso das conjunções e das locuções conjuntivas no 4° parágrafo.

a) "se bem que" permite compreender que a atitude de abandonar o que fazia não se relaciona ao fato de estar ou não gostando;

b) nas, em "nas circunstâncias atuais", introduz uma idéia de tempo;

c) o 2° parágrafo contém 4 orações que indicam as alternativas do leitor em relação às atitudes do governo;

d) "pois" introduz justificativas que corroboram o gosto pelo que fazia e precisou abandonar;

e) "Mas" introduz uma idéia contrária ao "estava gostando" e precede os verdadeiros motivos pelos quais abandonou o que fazia.

328. No 5° parágrafo, Murilo Mendes usa muitas condições e concessões para falar de sua doença e do seu desejo de trabalhar. Com base nisto, identifique a alternativa cujo trecho contém, pelo menos, uma condição ou concessão.

a) "Entretanto, estou bastante atento à mesma; por isso - caso você julgue oportuno-."

b) "Como você sabe, continuo em regime de saúde..."

c) "...continuo em regime de saúde, por isso não posso tomar parte pessoalmente na campanha que se desenrola."

d) "...poderá divulgar que estou solidarizado com a campanha democrática, e absolutamente contra os métodos do governo."

e) Todas as alternativas estão erradas.

329. Com relação ao texto, é correto afirmar que:

a) Trata-se de uma carta familiar, por isto percebem-se muitas informações, lembranças e questionamentos colocados à proporção que vinham à lembrança do remetente.

b) O remetente pode se utilizar do post scriptum para acrescentar lembranças que não tenham ocorrido em tempo.

c) Apesar da familiaridade da carta, não foram esquecidos o local, a data, o vocativo, a despedida e a assinatura, necessários, inclusive nas cartas oficiais.

d) A intimidade entre remetente e destinatário permite a elaboração de um texto cuja profunda compreensão obriga o leitor a recorrer a muitos elementos localizados fora do texto.

e) todas as alternativas estão corretas.

TEXTO.

TTN 98.

Na última terça-feira, fiscais da Receita Federal fizeram uma blitz no Porto de Santos com resultados surpreendentes. Eles apreenderam 122 contêineres com uma carga de 1.500 toneladas de mercadoria importada de maneira fraudulenta. Num deles, mochilas chinesas, dessas que a criançada usa na escola, por um preço declarado de 70 centavos de dólar a dúzia ou 5 centavos a unidade, o que é um valor impraticável mesmo na China. Em outro, que deveria carregar "peças diversas" segundo o documento de importação, acharam uma perua van. No total, os produtos confiscados valem 41 milhões de reais. Essa foi a maior apreensão feita pela Receita Federal em sua história e aponta para um problema que está crescendo à sombra da abertura comercial. Na gíria dos fiscais, ele se chama "importabando". Nessa operação, o importador malandro declara à Receita um valor muito menor do que realmente pagou por aquilo que está trazendo. O objetivo é recolher menos impostos e concorrer em posição de vantagem com o comerciante que importou de maneira legal.

Não há um cálculo oficial sobre o volume de contrabando, ou de importações com documentação fraudada, que está ingressando no país, mas apenas uma estimativa feita pela confederação Nacional de Comércio. Ela calcula que, no ano passado, produtos no valor de 15 bilhões de dólares foram importados irregularmente, causando uma perda fiscal de 4 bilhões.

Nas questões de 330 a 333, marque a afirmativa que não é verdadeira.

330. a) Os empréstimos lingüísticos "contêineres" e "dólar" já tiveram sua grafia aportuguesada, o que não ocorreu ainda com "blitz".

b) O acento indicador de crase "à" (linha 10) é obrigatório.

c) "fraudulenta" (linha 3) e "fraudada" (linha 14) podem-se substituir mutuamente, sem prejuízo do sentido dos enunciados onde aparecem.

d) "criançada" (linha 4) é uma expressão freqüente na linguagem coloquial.

e) A expressão "mesmo na China" foi usada no texto de modo pejorativo, já que se origina no dito popular "nem aqui, nem na China".

331.

a) Em "valor impraticável" (linha 5) o adjetivo deriva-se do verbo "praticar" no seu emprego próprio do jargão da Economia: "praticar preços".

b) Na formação da gíria "importabando" foi usado o processo morfológico de aglutinação.

c) A expressão "à sombra" (linhas 8, 9) foi empregada com sentido conotativo, como no conhecido verso de Casimiro de Abreu "à sombra das bananeiras, debaixo dos laranjais".

d) Em "Num deles, mochilas chinesas...", (linha 3) há um verbo elíptico.

e) A primeira vírgula do texto pode ser dispensada.

332.

a) O sujeito de "acharam" (linha 6) é indeterminado.

b) O excerto da opção c abaixo pode também ser escrito, com correção, da seguinte forma: "Em outro, que deveria carregar peças diversas, segundo o documento de importação...

c) Em "Em outro, que deveria carregar peças diversas segundo o documento de importação,..." (linhas 5, 6) as vírgulas isolam oração explicativa.

d) O pronome "Essa" (linha 7) pode ser substituído pelo pronome "Esta".

e) Em "Na gíria dos fiscais, ele se chama "importabando" (linha 9) o pronome átono também poderia vir enclítico ao verbo.

333.

a) Em "com o comerciante que importou de maneira legal" (linha 12), se a oração relativa for separada por vírgula, altera-se o sentido do enunciado.

b) "país", na oração da opção abaixo pode ser grafado com letra maiúscula.

c) A oração "que está ingressando no país" (linha 14) pode ser empregada na voz passiva sem prejuízo do sentido no texto.

d) A conjunção "mas" (linha 14) pode ser suprimida, sem alterar a correção do período.

e) "impostos" (linha 11) pode ser usado no singular.

TEXTO.

A crise que explodiu de forma inédita nos presídios de São Paulo comprova a falência definitiva do sistema penitenciário fechado e exclusivamente punitivo, em que a ênfase é a disciplina, e não a recuperação do criminoso. O problema é antigo e não é só nosso. Todos os seminários e discussões sobre o sistema penal condenam, há décadas, o que os especialistas descrevem como “a prevalência da idéia de segurança sobre a idéia da recuperação”. E condenam, também, a ilusão de que a segurança da sociedade consiste em trancafiar todo e qualquer tipo de criminoso, e não apenas aqueles de alta periculosidade. A afirmação acima foi tirada de uma conferência feita em 1980 por um dos grandes advogados de São Paulo, Manoel Pedro Pimentel (1922-91), que viveu de perto o problema por ter sido Secretário de Justiça e de Segurança. Ele era bem explícito: “Acho que não há mais dúvida de que o sistema das prisões fechadas não tem condições de promover a reabilitação social de um indivíduo.” Uma das provas da falência é a taxa altíssima de reincidência. Estudos diferentes mostram que entre 40% a 60% dos criminosos acabam voltando para a prisão.

334. É correto afirmar que no texto o autor, principalmente:

(A) condena as sociedades que buscam manter afastados, em presídios mal administrados e com pouca segurança, aqueles que não cumprem suas regras.

(B) defende a opinião de que é importante em qualquer sociedade proteger os cidadãos de situações de violência, mantendo presos os que agem de maneira contrária às suas normas.

(C) desenvolve a idéia de que o sistema carcerário deve privilegiar a reabilitação do criminoso e não apenas mantê-lo obrigatoriamente afastado do convívio social.

(D) considera que, na violenta sociedade atual, os bandidos gozam de mais privilégios do que os cidadãos comuns, já que o sistema penitenciário é antigo e pouco eficiente.

(E) baseia-se em estudos feitos recentemente em vários países, para propor novos métodos de recuperação de criminosos, inclusive por meio de severas punições.

335. O que os especialistas descrevem como “a prevalência da idéia de segurança sobre a idéia da recuperação”. O segmento destacado significa, considerando-se o contexto, que:

(A) é mais importante punir com o encarceramento do que recuperar o indivíduo marginalizado.

(B) nem sempre a punição se torna fator de recuperação dos indivíduos encarcerados.

(C) só ocorre a recuperação do criminoso se houver a devida punição da infração cometida.

(D) a recuperação de criminosos e a segurança da sociedade são noções que têm o mesmo valor.

(E) a punição de criminosos deve ter mais importância, para garantir a segurança da sociedade.

336. Estudos diferentes mostram que entre 40% a 60% dos criminosos acabam voltando para a prisão. A afirmação do texto foi usada para comprovar que:

(A) falta mais disciplina nos presídios atualmente, tanto para criminosos quanto para os responsáveis.

(B) nem sempre é necessário manter os criminosos afastados da sociedade, em prisões fechadas.

(C) a ausência de controle dos prisioneiros dentro das penitenciárias é elevada, por falta de especialistas em segurança.

(D) um sistema penitenciário fechado e baseado apenas na imposição da disciplina não apresenta bons resultados, como deveria.

(E) é possível recuperar praticamente todos os criminosos, desde que eles estejam dentro das prisões.

337. Há dois trechos do texto que estão entre aspas porque eles:

(A) introduzem idéias de outra pessoa, que são contrárias ao desenvolvimento do texto.

(B) são uma citação fiel das palavras de especialistas em segurança pública.

(C) interrompem o desenvolvimento lógico das idéias do texto.

(D) indicam o assunto principal do texto, do qual partem as idéias secundárias.

(E) resumem os problemas discutidos habitualmente pelas autoridades em suas reuniões.

338. A conferência foi feita em 1980 por um dos grandes advogados de São Paulo. Transpondo-se a frase acima para a voz ativa, a forma verbal passa a ser:

(A) foram feitas.

(B) tinha feito.

(C) fizeram.

(D) fez-se.

(E) fez.

TEXTO.

O ESTRANHO COMPORTAMENTO DOS GAMBÁS.

Há alguns animais que se fingem de mortos. Em vez de correr ou lutar contra o inimigo, eles se deitam imóveis, parecendo mortos. Isso confunde muitos predadores, que preferem se alimentar de animais vivos. Esse tipo de comportamento dos gambás norte-americanos deu origem à expressão “brincar de  morrer”. Quando atacados, eles mancam, caem e rolam no chão, fecham os olhos e ficam com a língua para fora – o suficiente para afugentar a maioria de seus inimigos!

339. Alguns animais se fingem de mortos para:

(A) lutar contra o inimigo.

(B) devorar os animais vivos.

(C) enganar seus inimigos.

(D) brincar com seus amigos.

340. Os gambás, quando atacados, preferem:

(A) deitar-se, ficando sem se mexer.

(B) andar de olhos fechados.

(C) lutar com todas as forças.

(D) correr para bem longe.

341. Assinale a alternativa que contém uma afirmação do texto.

(A) Todos os animais se fingem de mortos quando são atacados.

(B) Muitos animais gostam de ter como alimento animais vivos.

(C) Alguns animais, como o gambá, lutam até ficar com a língua para fora.

(D) A expressão “brincar de morrer” refere-se ao comportamento dos predadores dos gambás.

342. Na frase: – ...eles se deitam imóveis, parecendo mortos. –, o sentido contrário da palavra grifada é:

(A) sem medo.

(B) quietos.

(C) parados.

(D) em movimento.

343. Em “seus inimigos”, no final do texto, “seus” refere-se a inimigos:

(A) de animais que foram mortos.

(B) do povo norte-americano.

(C) dos animais predadores.

(D) dos gambás.

TEXTO.

Estava à toa na vida, o meu amor me chamou

Pra ver a banda passar cantando coisas de amor.

A minha gente sofrida despediu-se da dor

Pra ver a banda passar cantando coisas de amor.

O homem sério que contava dinheiro parou.

O faroleiro que contava vantagem parou.

A namorada que contava estrelas parou para ver,

ouvir e dar passagem.

A moça triste que vivia calada sorriu.

A rosa triste que vivia fechada se abriu.

A meninada toda se assanhou pra ver a banda

passar cantando coisas de amor. (...)

344. A passagem da banda provocou no povo da cidade:

(A) indignação com o tumulto.

(B) apatia diante do fato.

(C) hesitação quanto às atitudes a serem tomadas.

(D) intransigência com a desordem.

(E) transformação do comportamento.

345. Na expressão “minha gente”, o uso do pronome possessivo minha indica:

(A) indiferença.

(B) desprezo.

(C) ironia.

(D) cortesia.

(E) afeto.

346. A oração “pra ver a banda passar” pode ser substituída por outra de sentido equivalente, apresentada na alternativa:

(A) porque viu a banda passar.

(B) quando viu a banda passar.

(C) a fim de que eu visse a banda passar.

(D) assim que a banda passou.

(E) embora tivesse visto a banda passar.

347. Assinale a alternativa em que determinada palavra está empregada em sentido figurado.

(A) O homem sério que contava dinheiro parou.

(B) O meu amor me chamou...

(C) A moça triste que vivia calada sorriu.

(D) A rosa triste que vivia fechada se abriu.

(E) A meninada toda se assanhou.

348. No trecho – pra ver a banda passar, cantando coisas de amor –, tem-se o seguinte:

(A) “passar” como ação posterior a “cantando”.

(B) “passar” como ação anterior a “cantando”.

(C) “passar” como ação simultânea a “cantando”.

(D) “ver” como ação anterior a “passar”.

(E) “ver” como ação posterior a “passar”.

TEXTO.

Já disse, numa expressão feliz, que a contribuição brasileira para a civilização será de cordialidade —  daremos ao mundo o "homem cordial". A lhaneza no trato, a hospitalidade, a generosidade, virtudes tão gabadas por estrangeiros que nos visitam, representam, com efeito, um traço definido do caráter brasileiro, na medida, ao menos, em que permanece ativa e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano, informados no meio rural e patriarcal. Seria engano supor que essas virtudes possam significar "boas maneiras", civilidade. São antes de tudo expressões legítimas de um fundo emotivo extremamente rico e transbordante. Na civilidade há qualquer coisa de coercitivo — ela pode exprimir-se em mandamentos e em sentenças. Entre os japoneses, onde, como se sabe, a polidez envolve os aspectos mais ordinários do convívio social, chega a ponto de confundir-se, por vezes, com a reverência religiosa Já houve quem notasse este fato significativo, de que as formas exteriores de veneração à divindade, no cerimonial xintoísta, não diferem essencialmente das maneiras sociais de demonstrar respeito. Nenhum povo está mais distante dessa noção ritualista da vida do que o brasileiro. Nossa forma ordinária de convívio social é, no fundo, justamente o contrário da polidez. Ela pode iludir na aparência — e isso se explica pelo fato de a atitude polida consistir precisamente em uma espécie de mímica deliberada de manifestações que são espontâneas no "homem cordial": é a forma natural e viva que se converteu em fórmula. Além disso, a polidez é, de algum modo, organização de defesa ante a sociedade. Detém-se na parte exterior, epidermica do indivíduo, podendo mesmo servir, quando necessário, de peça de resistência. Equivale a um disfarce que permitirá a cada qual preservar intatas sua sensibilidade e suas emoções.

349. A passagem em que se explicita o diálogo entre as idéias do autor e as do leitor é:

(A) "Equivale a um disfarce..."

(B) "... são, antes de tudo, expressões legítimas ..."

(C) "Nossa forma ordinária de convívio social..."

(D) "Na civilidade há qualquer coisa de coercitivo."

(E) "Seria engano supor ..."

350. A expressão "espécie de mímica deliberada" retoma a idéia de:

(A) "... noção ritualista da vida..."

(B) "... traço definido do caráter brasileiro..."

(C) "... influência ancestral dos padrões do convívio humano..."

(D) "... virtudes tão gabadas por estrangeiros que ..."

(E) "... fundo emotivo rico e transbordante."

351. "... pelo fato de a atitude polida consistir ..." Nesta passagem não se dá a contração da preposição “de” com o artigo “a” porque:

(A) o autor fez uma opção estilística

(B) a preposição "de" integra a expressão "pelo fato de"

(C) se trata de um período composto

(D) "a atitude polida" é sujeito da oração do verbo consistir

(E) o substantivo "atitude" vem seguido do adjetivo "polida"

352. "... virtudes tão gabadas por estrangeiros que nos visitam ..." O período que apresenta uma oração de classificação semelhante à anterior, é:

(A) Estava tão cansado, que logo foi deitar-se.

(B) O colégio onde foram realizadas as palestras é tão antigo!

(C) Eram funcionários tão necessários quanto os outros.

(D) Quanto mais o conheço, mais o estimo.

(E) Foram pessoas tão admiradas enquanto estiveram aqui!

353. Assinale a alternativa que contém erro de concordância.

(A) São cinco questões que falta resolver.

(B) Os verões terríveis que fazia ali desesperavam a todos.

(C) Existiam televisores e rádios para todos os habitantes.

(D) Fui eu quem denunciou as irregularidades.

(E ) As questões que haviam no livro eram difíceis.

TEXTO.

O MEDO SOCIAL.

No Rio de Janeiro, uma senhora dirigia seu automóvel com o filho ao lado. De repente foi assaltada por um adolescente, que a roubou, ameaçando cortar a garganta do garoto. Dias depois, a mesma senhora reconhece o assaltante na rua. Acelera o carro, atropela-o e mata-o, com a aprovação dos que presenciaram a cena. Verídica ou não, a história é exemplar. Ilustra o que é a cultura da violência, a sua nova feição no Brasil. Ela segue regras próprias. Ao expor as pessoas a constantes ataques à sua integridade física e moral, a violência começa a gerar expectativas, a fornecer padrões de respostas. Episódios truculentos e situações-limite passam a ser imaginados e repetidos com o fim de caucionar a idéia de que só a força resolve conflitos. A violência torna-se um item obrigatório na visão do mundo que nos é transmitida. Cria a convicção tácita de que o crime e a brutalidade são inevitáveis. O problema , então, é entender como chegamos a esse ponto. Como e por que estamos nos familiarizando com a violência, tornando-a nosso cotidiano. Em primeiro lugar, é preciso que a violência se torne corriqueira para que a lei deixe de ser concebida como o instrumento de escolha na aplicação da justiça. Sua proliferação indiscriminada mostra que as leis perderam o valor normativo e os meios legais de coerção, a força que deveriam ter. Nesse vácuo, indivíduos e grupos passam a arbitrar o que é justo ou injusto, segundo decisões privadas, dissociadas de princípios éticos válidos para todos. O crime é, assim, relativizado em seu valor de infração.  Os criminosos agem com consciências felizes. Não se julgam fora da lei ou da moral, pois conduzem-se de acordo com o que estipulam ser o preceito correto. A imoralidade da cultura da violência consiste justamente na disseminação de sistemas morais particularizados e irredutíveis a ideais comuns, condição prévia para que qualquer atitude criminosa possa ser justificada e legítima.

354. “No Rio de Janeiro, uma senhora dirigia seu automóvel com o filho ao lado. De repente foi assaltada por um adolescente...”; a passagem do pretérito imperfeito para o pretérito perfeito marca a mudança de:

a) um texto descritivo para um texto narrativo;

b) a fala do narrador para a fala do personagem;

c) um tempo passado para um tempo presente;

d) um tempo presente para um tempo passado;

e) a mudança de narrador.

355. “De repente foi assaltada por um adolescente...”; esta frase, na voz passiva analítica, tem como correspondente na voz ativa a frase:

a) De repente assaltou-se um adolescente;

b) Um adolescente, de repente, assaltou (a senhora)...”;

c) De repente, uma senhora foi assaltada...”;

d) De repente, um adolescente assalta (uma senhora)...”;

e) Um adolescente foi assaltado por uma senhora, de repente.

356. “...que a roubou, ameaçando cortar a garganta do garoto.”; o bom uso do gerúndio requer que sua ação seja simultânea à do verbo principal, como ocorre nesse segmento do texto. Assim, é exemplo de mau uso do gerúndio a frase:

a) O assaltante gritou, abrindo a porta...”;

b) O motorista acovardou-se, abaixando o vidro;

c) O assaltante entrou, sentando-se no banco traseiro;

d) O marginal ameaçou-o, mostrando a arma;

e) O motorista obedeceu, acelerando o carro.

357. A narrativa contida no primeiro parágrafo tem a função textual de:

a) exemplificar algo que vai ser explicitado depois;

b) justificar a reação social contra a violência;

c) despertar a atenção do leitor para o problema da violência;

d) mostrar a violência nas grandes cidades;

e) relatar algo que vai justificar uma reação social.

358. A idéia não contida no texto é:

a) a violência cria regras próprias;

b) os criminosos agem segundo regras particulares;

c) a violência aparece socialmente justificada;

d) a violência aparece como algo inevitável;

e) a violência requer uma ação governamental eficiente.

TEXTO.

PERDÃO.

Perdoar alguém é renunciar ao ressentimento, à ira ou a outras reações justificadas por algo que essa pessoa tenha feito. Isso levanta um problema filosófico: essa pessoa é tratada de forma melhor do que ela merece; mas como pode exigir-se, ou mesmo como permitir-se, tratar alguém de uma maneira que não merece? Santo Agostinho aconselhava-nos a detestar o pecado, mas não o pecador, o que também indica uma atitude objetiva ou impessoal para com o pecador, como se o caráter do agente estivesse apenas acidentalmente ligado ao caráter detestável de suas ações.

359. “Perdoar alguém é renunciar ao ressentimento...”; o vocábulo renunciar equivale semanticamente (sinônimo) a:

a) denunciar;

b) anunciar;

c) abandonar;

d) retirar;

e) condenar.

360. O termo alguém da primeira frase do texto aparece referido com outras palavras no desenvolvimento do texto; o único termo destacado que NÃO o repete é:

a) “....por algo que essa pessoa tenha feito.”;

b) “...é tratada de forma melhor do que ela merece; ...”;

c) “...a detestar o pecado, mas não o pecador, ...”;

d) “...como se o caráter do agente...”;

e) “...ligado ao caráter detestável de suas ações.”

361. O verbo perdoar está com sua regência errada na frase:

a) Devemos perdoar a nossos ofensores;

b) Seria bom que perdoassem às nossas dívidas;

c) Perdoai-lhes os pecados;

d) Perdoei os erros ao pobre rapaz;

e) É difícil perdoar aos pecadores.

362. “Isso levanta um problema filosófico: essa pessoa é tratada de forma melhor do que ela merece;...”; esse segmento do texto diz-nos, implicitamente, que:

a) todos devem ser tratados segundo seus atos;

b) devemos tratar a todos de forma semelhante;

c) todos devem ser tratados de forma melhor do que merecem;

d) todos devem ser tratados de forma pior do que merecem;

e) ninguém deve ser maltratado.

363. Santo Agostinho ensina que:

a) não devemos confundir agente e paciente;

b) devemos separar ato e agente;

c) devemos confundir agente e ação;

d) devemos perdoar o ato e condenar o agente;

e) agente e ato são elementos idênticos.

TEXTO.

Maria Berlini não mentira quando dissera que não trabalhava, nem estudava. Mas trabalhara pouco depois de chegada ao Rio, com minguados recursos, que se evaporaram como por encanto. A tentativa de entrar para o teatro fracassara. Havia só promessas. Não era fácil como pensara. Mesmo não tinha a menor experiência. Fora estrela estudantil em Guará. Isso, porém, era menos que nada! Acabado o dinheiro, não podia viver de brisa! Em oito meses,  fora sucessivamente chapeleira, caixeira de perfumaria, manicura,  para se sustentar. Como chapeleira, não agüentara dois meses, que era duro!, das oito da manhã às oito da noite, e quantas vezes mais, sem tirar a cacunda da labuta não era possível! As ambições teatrais não haviam esmorecido, e cadê tempo? Conseguira o lugar de balconista numa perfumaria com ordenado e comissão. Tinha jeito para vender, sabia empurrar mercadoria no freguês. Os cobres melhoravam satisfatoriamente. Mas também lá passara pouco tempo. O horário era praticamente o mesmo, e o trabalho bem mais suave - nunca imaginara que houvesse tantos perfumes e sabonetes neste mundo! Contudo continuava numa prisão. Não nascera para prisões. Mesmo como seria possível se encarreirar no teatro, amarrada num balcão todo o santo dia? Precisava dar um jeito. Arranjou vaga de manicura numa barbearia, cujo dono ia muito à perfumaria fazer compras e que se engraçara com ela. Dava conta do recado mal e porcamente, mas os homens não são exigentes com um palmo de cara bonita. Funcionava bastante, ganhava gorjetas, conhecera uma matula de gente, era muito convidada para almoços, jantares, danças e passeios, e tinha folgas - uf, tinha folgas! Quando cismava, nem aparecia na barbearia, ia passear, tomar banho de mar, fazer compras, ficava dormindo...

364. Em nenhuma parte do texto está expressa a idéia de que:

(A) uma profissão é mais honrada do que a outra.

(B) a protagonista efetivamente queria ser atriz.

(C) a beleza ajuda nas relações empregatícias.

(D) certas profissões exigem uma dose de sacrifício.

(E) o dinheiro é essencial à sobrevivência.

365. A protagonista do texto é caracterizada de diferentes maneiras. Assinale a opção cuja qualidade não se aplica a ela.

(A) ingênua 

(B) inexperiente

(C) altruísta

(D) ambiciosa

(E) esperta

366. Entende-se por parágrafo a unidade da escrita em que, por meio de uma série de frases, se desenvolve uma idéia. Analisando a distribuição das idéias do texto, assinale a opção em que há uma coerente proposta de distribuição dos parágrafos.

(A) Dois parágrafos: 1 .° - da linha 1 até "Não era possível!" (linha 7) e                                            2.° - de “As ambições" (linha 7) até “dormindo..." (linha 18).   

(B) Três parágrafos: 1 .° - da linha 1 até "sustentar." (linha 6), 2.° - de "Como chapeleira'' (linha 6) até "santo dia?" (linhas 12, 13) e 3.° - de "Precisava" (linha 13) até "dormindo..." (linha 18).    

(C) Quatro parágrafos: 1 .° - da linha 1 até “encanto." (linha 2). 2.° - de "A tentativa'' (linha 2) até "comissão." (linha 8), 3.°- de "Tinha jeito" (linha 9) até "para prisões." (linha 12) e 4.° - de "Mesmo'' (linha 12) até "dormindo..." (linha 18).                                    

(D) Cinco parágrafos: 1.° - da linha 1 até "sustentar." (linha 6), 2.° - de "Como chapeleira" (linha 6) até "cadê tempo?" (linha 8). 3.° - de "Conseguira" (linha 8) até "mundo!" (linha 11), 4.° - de "Contudo" (linha 11 ) até "jeito." (linha13) e 5.° - de "Arranjou" (linha 13) até "dormindo..." (linha 18).

(E) Seis parágrafos: 1 .° - da linha 1 até "encanto." (Linha 2), 2.° - de "A tentativa'' (linha 2) até "de brisa!" (linha 5), 3.° - de "Em oito meses" (linha 5) até "para se sustentar." (linhas 5, 6), 4.° - de "Como chapeleira" (linha 6) até "comissão." (linha 8), 5.°- de "Tinha jeito" (linha 9) até "freguês." (linha 9) e 6.° - de "Os cobres" (linha 9) até "dormindo..." (linha 18).

367. O primeiro período do texto é constituído por:

(A) duas orações coordenadas. somente.

(B) duas orações subordinadas, somente.

(C) três orações, sendo duas subordinadas e uma coordenada.

(D) três orações, sendo duas coordenadas e uma subordinada.

(E) quatro orações; entre elas, duas subordinadas e uma coordenada e subordinada, ao mesmo tempo.

368. Sabe-se que o h é uma letra diferente das demais, pois não corresponde a um fonema. Em certos casos, porém, associada a uma consoante, constitui um dígrafo. Assinale a opção em que todas as palavras apresentam dígrafos formados com a letra h.

(A) trabalhava, chegada, horário   

(B) horas, havia, chuva     

(C) manhã, melhoravam, homenagem

(D) trabalho, chapeleira, banho     

(E) homens, ganhava, hotel

TEXTO.

Tal como a chuva caída

Fecunda a terra no estio

Para fecundar a vida.

O trabalho se inventou.

Feliz quem pode orgulhoso

Dizer: - Nunca fui vadio

E se hoje sou venturoso,

Devo ao trabalho o que sou.

369. Compreender um texto implica apreender os valores que são defendidos por quem o propõe. Assinale a opção que apresenta a afirmativa valorizada pelo autor.

(A) O trabalho assim como a felicidade são próprios do ser humano.

(B)  O trabalhador rural tem mais valor do que o urbano.

(C)  A vadiagem e o orgulho são prejudiciais ao homem.

(D)  É venturoso quem trabalha sem reclamar.

(E)  O trabalho dignifica a vida.

370. Segundo o texto,  a finalidade do trabalho é:

(A) deixar o homem orgulhoso

(B) prover o homem de recursos à sobrevivência.

(C) evitar a malandragem.

(D) semear a terra e produzir bons frutos.

(E) garantir a felicidade.

371. Considerando a sentença contida nos versos 5 e 6, quanto à morfossintaxe, assinale a opção incorreta.

(A) O adjetivo ''orgulhoso'' está exercendo a função de predicativo do objeto.

(B) "Feliz'' e "vadio" são adjetivos que exercem as funções de predicativos de seus sujeitos.

(C) "Nunca" é um advérbio que atualiza as circunstâncias de tempo e de negação, simultaneamente.

(D) Na locução verbal "pode ... Dizer", o primeiro verbo é auxiliar e o segundo é o principal.

(E) Reescrevendo a sentença na ordem direta, em discurso indireto, tem-se: Quem pode dizer orgulhoso que nunca foi vadio é feliz.

372. Em "se hoje sou venturoso,  Devo ao trabalho o que sou.", há apenas:  

(A) duas vezes o sujeito eu. 

(B) um pronome pessoal do caso oblíquo.

(C) um pronome relativo e um pronome demonstrativo.  

(D) dois predicados verbais.  

(E) três predicados nominais.

373. Seguindo as normas gramaticais da língua culta, a sugestão "Seja trabalhador e você também será venturoso.", se for expressa na terceira pessoa do plural tornar-se-á:

(A) Sede trabalhadores e vós também sereis venturosos.                    

(B) Sejam trabalhadores e vós também sejais venturosos.         

(C) Sê trabalhadores e vocês também serão venturosos. 

(D) Sejam trabalhadores e vocês também serão venturosos.    

(E) Sejais trabalhadores e vocês também serão venturosos.

TEXTO.

Aqui, ali, por toda a parte, encontravam-se trabalhadores, uns ao sol, outros debaixo de pequenas barracas feitas de lona ou de folhas de palmeira. De um lado cunhavam pedra cantando; de outro a quebravam a picareta; de outro afeiçoavam lajedos a ponta de picão; mais adiante faziam paralelepípedos a escopro e macete. E todo aquele retintim de ferramentas, e o martelar da forja, e o coro dos que lá em cima brocavam a rocha para lançarlhe ao fogo, e a surda zoada ao longe, que vinha do cortiço, como de uma aldeia alarmada; tudo dava a idéia de uma atividade feroz, de uma luta de vingança e ódio. Aqueles homens gotejantes de suor, bêbedos de calor, desvairados de insolação, a quebrarem, a espicaçarem, a torturarem a pedra, pareciam um punhado de demônios revoltados na sua impotência contra o impassível gigante que os contemplava com desprezo, imperturbável a todos os golpes e a todos os tiros que lhe desfechavam no dorso, deixando sem um gemido que lhe abrissem as entranhas de granito.

374. Assinale a opção que completa adequadamente as lacunas da sentença abaixo.

No texto, aparecem operários trabalhando em uma ______________, utilizando ferramentas como o(a) ________em   um clima de __________________.

(A) barraca - picareta - revolta 

(B) pedreira - macete - agitação

(C) construção civil - picão - desvario

(D) mina de prata -  escopro - alegria     

(E) extração – paralelepípedo - ferocidade

375. O que leva o autor a comparar os trabalhadores a um "punhado de demônios" (linha 7) é:

(A) a persistência com que executam sua tarefa.

 (B) o caráter sanguinário dessas pessoas.

(C) a ferocidade de suas habituais ações.

(D) a impotência para realizarem a tarefa.

(E) o estado físico em que se encontram após um período de trabalho.

376. Assinale a opção em que aparecem antônimos das palavras sublinhadas na seguinte passagem: "tudo dava a idéia de uma atividade feroz, de uma luta de vingança e ódio.'' (linhas 5, 6).

(A) branda / descanso / perdão / amor

(B) mansa / repouso / dignidade / amizade 

(C) calma / pacífica /docilidade / afeto

(D)  nociva / alegria / calma / amizade

(E) fecunda / regozijo / brandura / amor

377. No fragmento "gotejantes de suor, bêbedos de calor, desvairados de insolação" (linhas 6, 7), não há:

(A) substantivo concreto.

(B) substantivo derivado.

(C) adjunto adnominal.

(D) complemento nominal.

(E) paralelismo.

378. Analise o emprego dos conectivos que sublinhados no fragmento a seguir: "o impassível gigante que os contemplava com desprezo, imperturbável a todos os golpes e a todos os tiros que lhe desfechavam no dorso, deixando sem um gemido que lhe abrissem as entranhas de granito" (linhas 8-10). Assinale a opção correta.

(A) Nas três ocorrências, o que é pronome relativo.

(B) Na primeira ocorrência, o que é sujeito da oração seguinte.

(C) Na segunda ocorrência, o que é expletivo, podendo ser retirado da sentença sem prejuízo do sentido.

(D) Na terceira ocorrência, o que é o objeto direto do verbo deixar.

(E) Nas duas últimas ocorrências, o que é conjunção subordinativa integrante, não exercendo função sintática.

TEXTO.

— Então, quando se casa, D. lsmênia?

— Em março. Cavalcânti já está formado e...

Afinal a filha do general pôde responder com segurança à pergunta que se lhe vinha fazendo há quase cinco anos. O noivo finalmente encontrara o fim do curso de dentista e marcara o casamento para daí a três meses. A alegria foi grande na família; e, como em tal caso, uma alegria não poderia passar sem um baile, uma festa foi anunciada para o sábado que se seguia ao pedido da pragmática.

As irmãs da noiva, Quinota, Zizi, Lalá e Vivi, estavam mais contentes que a  irmã  nubente. Parecia que ela lhes ia deixar o caminho  desembaraçado, e fora a irmã quem até ali tinha impedido que se casassem. Noiva havia quase cinco anos, lsmênia já se sentia meio casada. Esse sentimento junto a sua natureza pobre fê-la não sentir um pouco mais de alegria. Ficou no mesmo. Casar, para ela, não era negócio de paixão, nem se inseria no sentimento ou nos sentidos: era uma idéia, uma pura idéia. Aquela sua inteligência rudimentar tinha separado da idéia de casar o amor, o prazer dos sentidos, uma tal ou qual liberdade, a maternidade, até o noivo. Desde menina, ouvia a mamãe dizer: "Aprenda a fazer isso, porque quando você se casar..." ou senão: “Você precisa aprender  a pregar botões, porque quando você se casar..."

A todo instante e a toda hora, lá vinha aquele — "porque, quando você se casar..."  — e a menina foi se convencendo de que toda a existência só tendia para o casamento. A instrução, as satisfações íntimas, a alegria, tudo isso era inútil; a vida se resumia numa coisa: casar.

De resto, não era só dentro de sua família que ela encontrava aquela preocupação. No colégio, na rua, em  casa das famílias conhecidas, só se falava em casar. "Sabe, D. Maricota, a Lili casou-se; não fez grande negócio, pois parece que o noivo não é lá grande coisa"; ou então. "A Zezé está doida para arranjar casamento, mas é tão feia, meu Deus!...”

379. Segundo o texto, pode-se afirmar que a relação do casal de nubentes era:

A) de amor, pois já fazia quase cinco anos de noivado.

B) de acomodação, pois, pelo menos da parte de lsmênia, não havia paixão.

C) de equilíbrio, uma vez que não havia mais os arrebatamentos da paixão.

D) desejada pela família, apesar de esta não cobrar casamento das filhas.

E) de cumplicidade, pois sendo um relacionamento horizontal, os dois partilhavam sentimentos,   projetos e decisões.

380.  Em relação ao texto, todas as alternativas abaixo são verdadeiras, exceto:

A) A submissão anula a identidade do ser humano, faz dele um autômato sem desejos, sentimentos ou sonhos.

B) Quando se adestra um ser humano em vez de educá-lo, quando seu destino é traçado pela cultura de que faz parte, prejudica-se o seu desenvolvimento afetivo e intelectual.

C) O machismo diminui a figura feminina na sociedade a ponto de fazê-la pensar que, sem um marido, não consegue ser alguém ou até   mesmo viver.

D) O autor tratou o assunto sem fazer uso do humor ou da ironia. uma vez que esse é um tema sério que precisa ser visto e discutido pela sociedade.

E) O casamento, visto como fim em si mesmo, não representa a realização afetiva da mulher, mas   o único objetivo de sua vida.

381.  Podemos afirmar que lsmênia representa:

A) a mulher comedida, cautelosa que, para se defender da sociedade machista, não se deixa arrebatar pelas paixões desenfreadas.

B) o perfil de companheira ideal, pois sabe ser paciente e tolerante a ponto de esperar a  formatura do noivo para traçar os planos para o casamento.

C) a mulher-objeto que não foi educada para sentir, para ser, mas para desempenhar apenas o papel de coadjuvante na sociedade.

D) o equilíbrio, pois mesmo sendo cobrada pela sociedade, esperou que seu noivo concluísse o curso superior para marcar a data do casamento.

E) uma exceção, pois dificilmente as mulheres de sua época seriam ou agiriam como ela.

382.  As palavras dentista, casamento e finalmente foram formadas pelo processo de:

A) derivação.

B) composição.

C) redução.

D) hibridismo.

E) derivação parassintética.

383. É grande a dúvida quanto ao emprego de a (preposição) e há (forma verbal). Em qual das     alternativas abaixo houve erro quanto ao emprego  de uma dessas palavras?

A) Há muito tempo a mulher luta por um espaço na sociedade.

B) Daqui a algum tempo, existirão ainda vestígios de preconceito contra a mulher.

C) Há cerca de trinta anos a mulher brasileira vem conquistando espaços na sociedade.

D) Será que somente a alguns anos o problema do machismo vem sendo discutido?

E) O preconceito também tem a ver com a formação cultural de um povo.

384. Que alternativa apresenta as palavras que preenchem corretamente as lacunas abaixo?

1. lsmênia casar-se-ia por ___________ que fossem as conseqüências (pior).

2. As irmãs da noiva, elas _____________    estavam mais felizes que a nubente. (mesmo)

3. Não haveria ___________ motivos para que o    casamento se realizasse? (bastante)

A) pior, mesmas, bastante

B) piores, mesmas, bastantes

C) pior, mesmo, bastante

D) piores, mesmas, bastante

E) pior, mesmo, bastantes

385. A construção sintática "uma festa foi anunciada para o sábado", sem modificar-lhe o sentido, pode ser substituída por:

A) Uma festa esteve anunciada para o sábado.

B) Uma festa tinha sido anunciada para o sábado.

C) Anunciava-se uma festa para o sábado.

D) Anunciou-se uma festa para o sábado.

E) Anunciara-se uma festa para o sábado.

386.  Com base no texto, marque a opção em que é feita uma comparação:

A) "... lsmênia já se sentia meio casada.”

B) "...estavam mais contentes que a irmã   nubente.”

C) "... fê-la não sentir um pouco mais de alegria.”

D) “...  o noivo não é lá grande coisa...”

E) "... mas é tão feia, meu Deus! ..."

TEXTO.

 Os seguros de vida, embora tenham crescido em um percentual semelhante aos dos seguros de saúde, ainda têm um papel relativamente pequeno no mercado. Aparentemente, hábitos arraigados levam o brasileiro  a se preocupar menos com a sorte de sua família, na falta de seu chefe, do que com o automóvel ou o padrão de vida após a aposentadoria. Mas há outras explicações para tal fato.

Nos tempos da hiperinflação, formou-se a convicção de que a indenização seria corroída pela desvalorização da moeda e nenhum seguro de vida seria suficiente para garantir o bem-estar da família. Apenas os seguros de vida em grupo, por serem baratos, atraíam algum interesse.

Com a estabilização da moeda, o crescimento do seguro de vida individual deveria ser mais rápido, mas isto não ocorreu. Por isso, as empresas pleiteiam que o governo elimine o IOF de 7% incidente sobre os prêmios. Não se pode ignorar que o seguro de vida é uma forma de criação de reservas, ou seja, de poupança de longo prazo.

387. Em relação ao texto, assinale a opção correta.

a)Se a expressão “o brasileiro” estivesse no plural, a forma verbal “preocupar”, para respeitar as exigências de concordância da norma culta, deveria estar na terceira pessoa do plural.

b) A expressão “tal fato” refere-se ao fato de o brasileiro se preocupar mais com a segurança do automóvel que com a aposentadoria.

c) O termo “formou-se” indica uso da voz  passiva, de forma que, gramaticalmente, o agente responsável pela formação não é explicitado.

d) As expressões no futuro do pretérito “seria corroída” e “nenhum ... seria suficiente” são utilizadas para indicar certeza de que os fatos referidos ocorreram.

e) Para que a forma verbal do verbo “pleitear” fique correta, deve ser corrigida para “pleiteam”.

388. Assinale a opção que está em desacordo com o texto.

a) A forma verbal “atraíam” está no pretérito imperfeito do indicativo para se referir aos “tempos da hiperinflação”, que, conforme o texto, estão no passado.

b) O fato de que o seguro é espécie de poupança é um argumento favorável ao pleito das empresas junto ao governo.

c) A convicção de que a inflação iria corroer a indenização é uma das “outras explicações” para a atitude reticente do brasileiro em relação ao seguro de vida.

d) Durante o período de hiperinflação, apenas os seguros de vida em grupo resistiram à corrosão provocada pela desvalorização da moeda.

e) A velocidade de crescimento dos investimentos em seguro de vida, mesmo diante da estabilização da moeda, não tem correspondido à expectativa dos empresários.

389. No que se refere à pontuação do texto, assinale a opção correta.

a) As seguradoras brasileiras aumentaram seu faturamento de R$ 20,3 bilhões, em 1999, para R$ 23,4 bilhões, em 2000, ou seja, apresentaram um crescimento de 14,8%.

b) É um sinal de que os brasileiros estão destinando mais recursos à proteção do patrimônio, da saúde e da renda futura (aposentadoria), seguindo, portanto, ainda que de longe, os  hábitos  dos  consumidores de países desenvolvidos.

c) Entre as preocupações com segurança, as famílias têm colocado, em primeiro lugar seus automóveis, cujos índices de furto são anormalmente elevados em relação aos de outros países. O crescimento do seguro de automóveis foi de 17,4%, passando de R$ 6,3 bilhões para R$ 7,4 bilhões.

d) O setor que apresentou maior crescimento percentual, no entanto, foi o da aquisição de planos de previdência privada, cujo faturamento apresentou um aumento de 52,1%. É uma indicação de que vem aumentando, a confiança dos brasileiros nos mecanismos de seguridade privada, que permitem complementar a previdência do INSS.

e) Os brasileiros continuam gastando pouco em seguros de vida. No ano passado, o gasto total foi de apenas R$ 4 bilhões, ou seja cerca de 17% do total pago em seguros e pouco mais da metade do que é dispendido com a proteção dos automóveis. É um percentual bem inferior, ao apresentado em outros países.

390. Numere os trechos de forma a compor um texto coeso e coerente e assinale a seqüência correta.

(  ) Mas, atualmente, uma nova forma de garantia está começando a se tornar comum no mercado. É a chamada garantia estendida ou complementar, que garante o produto por um prazo além da garantia legal e contratual e é oferecida a quem adquire bens duráveis.

(  ) Esse alongamento do prazo de garantia é adquirido como um serviço à parte do produto, pelo qual o consumidor desembolsa um determinado valor, no ato da compra, e é oferecido, em geral, por outra empresa, não pelo fabricante do produto adquirido.

(  ) Essa é a garantia legal, conforme o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Em seu artigo 26 estipula 30 dias de garantia para produtos não-duráveis (alimentos, cosméticos, etc.) e 90 para produtos duráveis.

(  ) Sempre que adquire um produto ou contrata um serviço, o consumidor deve ter suas expectativas correspondidas, no que diz respeito à sua quantidade, qualidade e eficiência.

(  ) Além dessa garantia legal, a maioria dos produtos conta também com a garantia contratual, oferecida pelo fabricante, por meio do termo de garantia, no qual o prazo e o lugar em que ela deve ser exigida devem estar explicitamente informados.

a) 4,  5,  2,  1,  3

b) 3,  1,  5,  4,  2

c) 2,  4,  3,  5,  1

d) 1,  2,  4,  3,  5

e) 5,  3,  1,  2,  4

391. Assinale a opção em que o texto está de acordo com as exigências da norma culta escrita.

a) A decisão de vender a garantia como um seguro dará ao consumidor uma segurança maior, uma vez que, se tiver problemas, ele poderá recorrer à um órgão regulador e fiscalizador.

b) As montadoras de automóveis, com poucas diferenças entre suas propostas, foram as primeiras à oferecer garantia estendida no País.

c) A pessoa pode escolher o tipo de cobertura que quizer, de acordo com os benefícios que achar importante. A estensão pode ser de 12 ou 24 meses.

d) A garantia prolongada funciona como uma apólice de seguro, sendo variável a cobertura e o prazo, e podem ser adquirida em qualquer concessionária.

e) Há um programa por meio do qual a garantia de fábrica pode ser estendida por mais 24 meses. No momento da compra do automóvel, é firmado um contrato de adesão que garante ao proprietário a realização de reparos, com exceção dos casos que envolvam peças de desgaste normal.

TEXTO.

O crime não ocorre por acaso. Antes de atacar, o bandido costuma observar atentamente sua vítima. Estuda seus movimentos e pontos fracos e avalia os riscos da investida. A não ser que esteja drogado, quem pratica uma ação criminosa pesa todos esses fatores antes de decidir se vale a pena arriscar. Facilidade de ataque e fuga, fragilidade do alvo e possibilidade de bons ganhos são fatores que pesam na decisão. Analisando dessa forma, fica fácil entender o que se deve fazer para diminuir o risco de se tornar alvo preferencial, sujeito a ataques a qualquer momento. O melhor é recorrer ao bom senso. Não ostentar jóias nem outros objetos de valor, evitar lugares desertos, procurar estar sempre acompanhado, somente utilizar caixas eletrônicas em locais públicos e prestar atenção quando estiver no trânsito. Apesar de amplamente conhecidos, esses cuidados costumam ser negligenciados pelas pessoas. A tendência é imaginar que coisas ruins só acontecem com os outros. Para evitar o risco de engrossar as estatísticas da criminalidade, a melhor tática é seguir os conselhos de policiais e profissionais especialistas em segurança. Ao caminhar pela calçada, por exemplo, os ladrões preferem abordar pessoas distraídas e que aparentam ter algo de valor. É aconselhável ficar afastado das aglomerações e andar com bolsas e sacolas junto ao corpo. A observação do movimento também ajuda. Uma pessoa precavida tem muito mais chance de um caminho livre de bandidos.

392. De acordo com o texto, o crime acontece:

(A) muitas vezes com pessoas que estão muito próximas de nós, sem que possamos ajudá-las.

(B) pela ausência de um policiamento eficaz, especialmente em lugares mais afastados.

(C) por não haver informações seguras às pessoas em geral, dadas por especialistas na área.

(D) com a colaboração involuntária da vítima, que se expõe desnecessariamente aos bandidos.

(E) principalmente devido ao uso de drogas, que facilita a ação dos bandidos, tornando-os mais ágeis.

393. Esses cuidados costumam ser negligenciados pelas pessoas. Transpondo-se a frase acima para a voz ativa, a forma verbal passa a ser:

(A) costumam negligenciar.

(B) costuma-se negligenciar.

(C) negligenciam.

(D)) tinham negligenciado.

(E) estão sendo negligenciados.

394. O melhor é recorrer ao bom senso. A mesma regência exigida pelo verbo grifado está na frase:

(A) Estuda seus movimentos e pontos fracos.

(B) Não ostentar jóias nem outros objetos de valor.

(C) que coisas ruins só acontecem com os outros.

(D) e andar com bolsas e sacolas junto ao corpo.

(E)) A observação do movimento também ajuda.

395. Todas as palavras recebem acento pela mesma razão que o justifica em tendência na alternativa:

(A) fenômeno, aconselhável, espécie.

(B) vítima, Taubaté, trajetória.

(C)) propício, públicos, fácil.

(D) presídios, secretário, providências.

(E) jóias, trânsito, específicas.

396. Num assalto ...... mão armada, é aconselhável que a vítima obedeça ...... ordens do bandido, evitando expor-se ainda mais ...... qualquer tipo de agressão. As lacunas da frase acima estão corretamente preenchidas por:

(A) a - as - à

(B) à - às - a

(C) à - às - à

(D) a - as - a

(E) à - as - à

397. Encontram-se palavras escritas de maneira INCORRETA na frase:

(A))Altas tachas de reincidência, apesar de reconhecidas, não são levadas em consideração

quando se avaliam os resultados negativos do sistema carcerário no Brasil.

(B) As associações de criminosos, existentes nos presídios, demonstram que nem sempre as lideranças se manifestam de forma positiva, levando a ações perversas.

(C) É aconselhável entregar a um bandido tudo aquilo que ele está exigindo, sem discussão nem reação, ou tentativa de convencê-lo a mudar de idéia.

(D) Pesquisas recentes revelam a preocupação dos brasileiros com o aumento da criminalidade, especialmente nos grandes centros urbanos.

(E) Todos devem, ao entrar e sair de casa, agir com precaução para reduzir as possibilidades de serem vítimas acessíveis de assaltantes.

TEXTO.

REINAUGURAÇÃO.

Entre o gasto dezembro e o florido janeiro,

entre a desmitificação e a expectativa,

tornamos a acreditar, a ser bons meninos,

e como bons meninos reclamamos

a graça dos presentes coloridos.

Nossa idade - velho ou moço - pouco importa.

Importa é nos sentirmos vivos

e alvoroçados mais uma vez, e revestidos de beleza que vem                                         

dos gestos espontâneos

e do profundo instinto de subsistir

enquanto as coisas em redor se derretem e somem

como nuvens errantes no universo estável.

Prosseguimos. Reinauguramos. Abrimos olhos gulosos

a um sol diferente que nos acorda para os

descobrimentos.

Esta é a magia do tempo.

Esta é a colheita particular

que se exprime no cálido abraço e no beijo comungante,

no acreditar na vida e na doação de vivê-la

em perpétua procura e perpétua criação.

E já não somos finitos e sós.

Somos uma fraternidade, um território, um país

que começa outra vez no canto do galo de 1º de janeiro

e desenvolve na luz o seu frágil projeto de felicidade.

398. O pronome relativo QUE exerce, nos versos 13, 17 e 22, as funções sintáticas de:

a) sujeito - objeto direto - predicativo;

b) objeto direto - predicativo - sujeito;

c) objeto direto - objeto direto - objeto direto;

d) sujeito - sujeito - sujeito;

e) predicativo - predicativo - predicativo.

399. Expectativa (verso 2) e espontâneo (verso 8) estão corretamente grafadas, assim como as palavras:

a) espectador e exceção;

b) extensão e esplosivo;

c) estermínio e excessivo;

d) esclarecedor e expontaneidade;

e) expansivo e extender.

400. A cada palavra abaixo segue-se a justificativa de sua acentuação. Essa justificativa está INCORRETA em:

a) país (verso 21) – oxítono terminado em “-is”;

b) estável (verso 11) – paroxítono terminado em “-l”;

c) perpétua (verso 19) – paroxítono terminado em ditongo;

d) cálido (verso 17) – proparoxítono;

e) já (verso 20) – monossílabo tônico em “a”.

401. Encontra apoio no texto a afirmação de que:

a) somente crianças bondosas terão presentes;

b) a vida tem valor apenas para a mocidade;

c) só a velhice é merecedora da vida;

d) a crença na vida é uma eterna busca;

e) a felicidade humana sempre é forte.

402. Ao final do texto, conclui-se que:

a) cada um deve buscar o seu caminho;

b)  a fraternidade é incompatível com a convivência humana;

c) a integração prevalece sobre o isolamento;

d) a individualidade deve ser preservada;

e) a solidão é nossa principal característica.

403. Das construções abaixo, a que NÃO apresenta anteposição do adjetivo ao substantivo é:

a) gasto dezembro (verso 1);

b) profundo instinto (verso 9);

c) colheita particular (verso 16);

d) cálido abraço (verso 17);

e) frágil projeto (verso 23).

TEXTO.

JUVENTUDE, DELINQÜÊNCIA OU ESPERANÇA.

 Jovens de classe média e média alta têm freqüentado o noticiário policial. Crimes, vandalismo, consumo e tráfico de drogas deixaram de ser uma marca registrada das favelas e da periferia das grandes cidades. O novo rosto da delinqüência, perverso e cruel, transita nos bares badalados, vive nos condomínios fechados, estuda nos colégios da moda e não se priva de regulares viagens aos points da Flórida.

 O fenômeno das gangues bem-nascidas, aparentemente surpreeendente, é reflexo acabado de uma montanha de equívocos. O novo mapa do crime não é fruto do acaso. É o resultado acabado da crise da família, da educação permissiva e do bombardeio de uma mídia que se empenha em apagar qualquer vestígio de valores objetivos.

 Os pais da geração transgressora têm grande parcela de culpa. Choram os delitos que medraram no terreno fertilizado pelo egoísmo e pela omissão. Compensam a ausência com valores materiais. O delito não é apenas reflexo da falência da autoridade familiar: é uma agressão, um bilhete revoltado. A pobreza material castiga o corpo, mas a falta de amor corrói a alma. Os adolescentes, disse alguém, necessitam de pais morais e não de pais materiais.

 Certas teorias no campo da educação, cultivadas em colégios que fizeram uma opção preferencial pela permissividade, estão apresentando sua fatura. Uma legião de desajustados, crescida

à sombra do dogma da educação traumatizante, está mostrando a sua face anti-social. A despersonalização da culpa e o anonimato da responsabilidade, característica da educação permissiva, estão gerando delinqüentes de luxo.

 Ao traçar o perfil da sociedade americana, o sociólogo Christopher Lasch sublinha as dramáticas conseqüências que estão ocultas sob a aparência da tolerância: “Gastamos a maior parte da nossa energia no combate à vergonha e à culpa, pretendendo que as pessoas se sentissem bem consigo mesmas.” O saldo, no entanto, é uma geração desnorteada, desfibrada, incapacitada para assumir seu papel na comunidade. A forja do caráter, compatível com o clima de autêntica liberdade, começa a ganhar contornos de solução válida. É  a sístole da diástole da História. A pena é que tenhamos de pagar um preço tão alto para reencontrar o óbvio.

 As páginas de comportamento, carregadas de frivolidade, transmitem uma falsa visão da felicidade. O inchaço do ego e o emagrecimento da solidariedade estão na raiz de inúmeros problemas.

 Outra juventude, no entanto, livre e amadurecida, emerge dos escombros. Toda uma geração, detectada em dados de várias pesquisas de opinião, está escandalizando a antiga estirpe dos pais moderninhos. Ao contrário do ideário dos seus genitores, muitos deles tardiamente atormentados com a ressaca de décadas de liberação, acreditam em valores como amizade, fidelidade, amor, respeito.

 Há uma demanda reprimida de normalidade. Por isso, o futuro não será conservador na acepção pejorativa que a manipulação semântica impôs ao termo. Será, estou certo, um período de recuperação do verdadeiro humanismo.

404. Pela leitura do texto chega-se à conclusão de que:

a) a violência das cidades vem das favelas;

b) as gangues bem-nascidas estão na periferia da cidade;

c) os pais dos delinqüentes não têm qualquer responsabilidade nesse processo;

d) a opção de alguns colégios por uma educação mais liberal combateu a criminalização;

e) o surgimento de jovens idealistas dá esperanças de um  futuro melhor.

405. Com base no trecho “A pobreza material castiga o corpo, mas a falta de amor corrói a alma. Os adolescentes, disse alguém, necessitam de pais morais e não de pais materiais”, podemos afirmar que:

a) o espírito humano não suporta a falta de recursos materiais;

b) os jovens precisam mais de carinho do que de conforto;

c) o corpo humano é valorizado pelos pais morais;

d) a alma humana tem a atenção dos pais materiais;

e) os adolescentes preferem a riqueza à pobreza.

406. Em “...pretendendo que as pessoas se sentissem bem consigo mesmas”, a forma pronominal sublinhada está corretamente empregada, o que também ocorre em:

a) psiu, quero falar consigo;

b) ele quer falar conosco mesmos;

c) ela conversará com nós;

d) o pai pensava consigo mesmo;

e) eu só discutirei o assunto consigo.

407. Levada ao plural de diferentes formas, a frase “Há uma demanda reprimida de normalidade” só estaria correta em:

a) vão haver demandas reprimidas de normalidade;

b) pode haver demandas reprimidas de normalidade;

c) deve existir demandas reprimidas de normalidade;

d) haviam demandas reprimidas de normalidade;

e) vai ocorrer demandas reprimidas de normalidade.

408. As opções abaixo apresentam variações da frase “Outra juventude, no entanto, livre e amadurecida, emerge dos escombros”. A opção em que, feitas as mudanças, uma norma de emprego da vírgula foi contrariada é:

a) Livre e amadurecida, no entanto, emerge dos escombros outra juventude.

b) No entanto, outra juventude, livre e amadurecida, emerge dos escombros.

c) Dos escombros, livre e amadurecida, emerge, no entanto, outra juventude.

d) No entanto, outra juventude, emerge livre e amadurecida dos escombros.

e) Livre e amadurecida, emerge dos escombros, no entanto, outra juventude.

409. Ao substantivo “agressão” e ao adjetivo “transgressora”  correspondem os verbos  ‘agredir’ e ‘transgredir’, que se conjugam exatamente da mesma forma em todos os modos, tempos e pessoas. Diferentemente deles, porém, apresentam flexões distintas no presente do indicativo os verbos:

a) provir e vir;

b) prover e ver;

c) conferir e preferir;

d) conter-se e abster-se;

e) consumir e presumir.

TEXTO.

DIREITA  OU  ESQUERDA?

 Todos sabem que a principal diferença entre os helicópteros e os aviões está nas asas: naqueles, elas são rotativas e nestes, fixas.  Mas, dentre todas as diferenças entre os dois tipos de aparelhos mais-pesados-que-o-ar há uma bem interessante: nos aviões, o piloto solo ou comandante ocupa o assento da esquerda e, nos helicópteros, ele ocupa o da direita. Você já parou para pensar no porquê disso?

 Vamos analisar os dois casos separadamente. Primeiro os aviões. Geralmente tenta-se justificar que o piloto, nos aviões lado a lado, senta-se à esquerda devido aos circuitos de tráfego nas aproximações, que geralmente são feitos para a esquerda, o que lhes facilitaria a visão da pista para o pouso.  Mas, o que surgiu primeiro, o avião, a pista ou o circuito de tráfego? Considerando que o avião foi realmente o primeiro, se o piloto ocupasse o lado direito da cabine, a maioria das aproximações seriam executadas para a direita.

 A hipótese que melhor justifica a posição do piloto é, curiosamente, a mesma que explica o tráfego de automóveis pela esquerda em países como a Inglaterra, por exemplo.  E tudo começou quando não existiam automóveis e muito menos aviões.

 Na Idade Média, os cavaleiros transitavam pelo lado esquerdo das estradas porque mantinham a espada na mão direita.  E, no sentido contrário, poderia se aproximar um inimigo.  Portanto, a mão esquerda segurava as rédeas e a direita permanecia livre para o caso de luta.

 Os primeiros pilotos, principalmente os que lutaram na Primeira Guerra Mundial, eram cavaleiros e, a partir da colocação de assentos lado a lado nos aviões (o primeiro com essa disposição teria sido o Farman Goliath, de 1916), os cavaleiros-pilotos teriam preferido manter-se à esquerda e com a mão direita mais livre que a outra.

 Depois disso vieram as pistas com circuitos de tráfego e, inclusive, diferentemente dos automóveis, nos países onde o tráfego é pela direita, as ultrapassagens no ar são feitas por este mesmo lado, não pela esquerda como os carros.

 Agora os helicópteros:  os primeiros com mais de um lugar seguiram o arranjo interno dos aviões, e o piloto sentava-se à esquerda.  Entretanto, logo foi percebido que não era uma boa idéia, pois os primeiros aparelhos de asas rotativas eram instáveis, e nem sempre o piloto poderia tirar a mão direita do cíclico, principal comando dos helicópteros, para acionar outros instrumentos ou comandos.  Era preferível soltar a mão esquerda do comando coletivo, o que oferecia menos problemas ao vôo.

 Portanto, nos aviões, a mão mais livre do piloto solo ou comandante é a direita, ou a que está do lado interno da cabine, pronta para cuidar da potência, instrumentos, etc. Já no caso dos helicópteros, a mão direita cuidará do comando principal (o cíclico) e a esquerda estará mais livre (igualmente será do lado interno da cabine).

410. De acordo com o texto, na Idade Média, os cavaleiros transitavam pelo lado esquerdo, porque:

a) mantinham a espada na mão direita.

b) seguravam as rédeas com a mão esquerda.

c) permitiam, assim, a passagem do inimigo pela direita.

d) poderiam defender-se facilmente, pois carregavam a espada na mão esquerda.

411. O texto acima afirma, no primeiro parágrafo, que:

a) o piloto solo de avião ocupa o assento do lado oposto ao do piloto solo de helicóptero.

b) apenas as asas são as responsáveis pela diferença entre os aviões e os helicópteros.

c) a principal diferença entre os aviões e os helicópteros é que nestes as asas são fixas e naqueles, rotativas.

d) os pilotos de ambas as aeronaves sentam-se em lugares diferentes para diferenciar os tipos de aeronave.

412. Leia com atenção:

I. Para explicar a diferença entre aviões e helicópteros, a autora inicia analisando primeiro um (helicóptero) e depois outro (avião).

II. Chega-se à conclusão de que a visualização da pista de pouso determinou a posição do assento do piloto.

III. A melhor hipótese para a posição, na aeronave, do assento do piloto é a mesma que justifica o tráfego de automóveis pela esquerda.

Está (ão) correta (s) a (s) afirmativa (s):

a) I, II.

b) I apenas.

c) II apenas.

d) III apenas.

413. Segundo o texto, os primeiros aparelhos de asas rotativas possuíam assento do lado esquerdo para o piloto solo ou comandante, entretanto:

a) os pilotos estavam habituados com o assento do lado direito.

b) era preciso soltar a mão esquerda do comando principal para acionar os demais.

c) a melhor posição era o lado esquerdo, pois assim os pilotos ficavam com a mão direita livre.

d) não foi boa idéia, pois os pilotos, muitas vezes, não tinham a mão direita disponível para acionar outros instrumentos.

414. Observe este excerto:

“Um dia Azevedo Gondim trouxe boatos de revolução. O sul revoltado, o centro revoltado, o nordeste revoltado.” Faz-se referência a movimento militar de marcante influência na trama de São Bernardo, pela crise que provoca nas oligarquias rurais do país. Trata-se da:

a) Coluna Prestes.

b) Revolução de 30.

c) Campanha do Contestado.

d) Revolta do General Isidoro D. Lopes.

415. Atente para este excerto de “Sarapalha” :

“Estremecem, amarelas, as flores da aroeira. Há um frêmito nos caules rosados da erva-de-sapo. A erva-de-anum crispa as folhas, longas, como folhas de mangueira. Trepidam, sacudindo as suas estrelinhas alaranjadas, os ramos da vassourinha. Tirita a mamona, de folhas peludas, como o corselete de um cassununga, brilhando em verde-e-azul. A pitangueira se abala, do jarrete à grimpa. E o açoita-cavalos derruba frutinhas fendilhadas, entrando em convulsões.” Observando-se nele várias palavras da área semântica de “tremer”, pode-se dizer que, com esse recurso estilístico, o narrador busca sugerir o reflexo na natureza de relevante fato da narrativa:

a) estouro de boiada.

b) morbidez de malária.

c) prenúncio de vendaval.

d) aproximação do caipora.

TEXTO.

  Para acabar com uma contradição na legislação trabalhista, o Brasil reafirmou à Organização Inter nacional do Trabalho (OIT), em junho, que menores de 16 anos estão proibidos de trabalhar no país - a não ser na condição de aprendizes, a partir dos 14 anos. Antes, havia uma ambigüidade entre a constituição e os compromissos assumidos no plano inter nacional. A lei brasileira exige que a idade mínima para o trabalho seja de 16 anos. Ao mesmo tempo, o País havia fixado, na OIT, 14 anos como idade mínima para trabalhar.

   A decisão do gover no é, ao mesmo tempo, uma notícia boa e outra não tão boa assim. Boa, porque mostra a preocupação em proteger jovens e crianças. E não tão boa, porque agora o País terá de intensificar e ampliar os programas de combate e erradicação do trabalho infanto-juvenil, além de melhorar a fiscalização, a fim de realmente impedir o trabalho irregular de menores de 16 anos. Caso contrário, corre o risco de ser alvo de denúncias em organizações como a OIT e a Organização Mundial do Comércio (OMC).

   Em 1995, as exportações de calçados brasileiros foram prejudicadas por denúncias de uso de mão-de-obra infantil em Franca, no interior de São Paulo. O problema hoje está superado, mas na época levou à mobilização dos empresários do setor, que criaram o Instituto Pró-Criança, para combater o trabalho infantil na indústria de calçados. Agora, com a mudança da idade limite na OIT, o setor está sendo forçado a reorganizar-se, para adaptar-se às novas regras.

   Nem todos os segmentos, porém, têm programas e ações estruturadas para combater o trabalho infantil. O Brasil tem uma legislação mais protetora do que muitos países, mas a realidade socioeconômica e o desaparecimento do emprego formal são os maiores problemas, porque o jovem acaba sendo empurrado para o mercado de trabalho. A própria OIT admite uma legislação mais flexível - desde que não prejudique a saúde, a educação e o desenvolvimento psíquico - como o trabalho em família e artísticos leves. A flexibilização poderia ser uma forma de evitar as denúncias e combater o principal problema do trabalho infanto-juvenil no país: a informalidade.

416. A contradição referida no texto está:

A) na escolha dos setores industriais em que os menores de idade podem trabalhar, de acordo com a legislação atual.

B) na determinação da idade mínima permitida para que jovens possam trabalhar no Brasil.

C) nas denúncias feitas por organizações internacionais contra o trabalho infantil no país.

D) nos programas de preparação para o trabalho que atendem a jovens, formando aprendizes.

E) em situações que podem ser favoráveis ou não, dependendo da opinião das organizações internacionais.

417. O texto permite concluir corretamente que as maiores dificuldades para controlar o trabalho infantil estão: 

A) nos limites impostos pela legislação aos acordos comerciais com outros países e à venda de alguns produtos brasileiros.

B) na falta de programas sociais destinados a formar jovens mais capacitados para o trabalho nas empresas.

C) nas denúncias feitas por organizações internacionais de desrespeito aos limites de idade impostos pela legislação.

D) nos problemas socioeconômicos da população brasileira e na ampliação do mercado de trabalho informal.

E) na proteção que as leis brasileiras oferecem aos jovens e às crianças que necessitam trabalhar, para ajudar a família.

418. O texto afirma que a notícia não é tão boa assim porque:

A) a mão-de-obra infantil fará muita falta no emprego informal, pois garante lucros no comércio com outros países.

B) não existe uma legislação específica para controlar o trabalho infantil, especialmente em algumas cidades do interior.

C) haverá muita dificuldade dos órgãos responsáveis em controlar o uso da mão-de-obra infantil no país, por várias razões.

D) são poucos os empresários que se preocupam com os jovens e as crianças, oferecendo-lhes condições favoráveis de trabalho.

E) não se conseguiu, ainda, modificar as disposições da lei que impede o trabalho regular de menores de 16 anos.

419. A frase que resume o assunto do texto é:

A) Organização Internacional do Trabalho prejudica negócios brasileiros.

B) Mudanças na Constituição brasileira reduzem idade mínima para o trabalho.

C) Legislação brasileira impede venda de produtos industrializados para outros países.

D) Instituto internacional favorece a utilização de mão-de-obra infantil em empresas.

E) Órgãos responsáveis terão de fiscalizar ainda mais o trabalho infantil no Brasil.

420. ...e combater o principal problema do trabalho infanto-juvenil no país: a informalidade. O emprego dos dois pontos na última frase do texto serve para introduzir uma:

A) causa.

B) explicação.

C) condição.

D) conseqüência.

E) finalidade.

421. ... mostra a preocupação em proteger jovens e crianças. A expressão sublinhada na frase está corretamente substituída por um pronome em: 

A) protegê-los.

B) proteger-nos.

C) proteger-os.

D) proteger-lhes.

E) proteger eles.

TEXTO.

O drama dos sem-terra, que volta às manchetes da imprensa brasileira e excita o debate político, não é, como a alguns parece, uma questão recente. Remonta às raízes de nossa colonização, agrava-se com o fim do modelo escravagista, no final do século passado, e recrudesce com a vertiginosa urbanização do país nas últimas décadas.

A palavra chave, como de hábito, é concentração. Há muita terra nas mãos de poucos e inexiste uma política agrária no País. Fala-se em reforma agrária sem que a tenha precedido qualquer forma de organização agrária. O drama social de milhares de famílias nômades, em busca de um pedaço de terra onde possam se estabelecer e produzir, é o fermento que alimenta a violência na periferia das grandes cidades. Esse grande número de trabalhadores sem especialização não é absorvido pelo mercado de trabalho, cada vez mais exigente, e acaba presa fácil do crime organizado - sobretudo do narcotráfico.

422. Assinale a opção que conclui o texto de forma coesa e coerente.

(A) No entanto , esse segmento precisou, para alcançar esse benefício, ocupar os espaços mais representativos nos meios de comunicação e no debate político  nacional.

(B) Quem observa tal estado de coisas  pode inferir que a situação dos direitos humanos e da distribuição de riquezas no Brasil têm evoluído  com rapidez.

(C) Tem-se aí a síntese da tragédia brasileira contemporânea atualização do drama de Canudos, descrito é magistralmente, há quase um século, por Euclides da Cunha.

(D) Preliminarmente, é necessário considerar as desigualdades sociais inerentes a um sistema concentrador para então compreender as reinvidicações do segmento patronal.

(E) A questão do êxodo rural seria analisada também com igual rigor e brilho por Graciliano Ramos em seu livro Vidas Secas.

423. Em relação aos elementos do texto, assinale a opção incorreta.

(A) A expressão "como a alguns parece" (linha 2) pode ser substituída por como parece a alguns sem alterar o significado do período.

(B) Os verbos "Remonta" (linha 2), "agrava-se" (linha 2) e "recrudesce" (linha 3) referem-se a "O drama dos sem-terra" (linha 1).

(C) O pronome se, em "Fala-se" (linha 6) ,  indica indeterminação  do sujeito.

(D) A omissão da vírgula antes de "que", na linha 1, mudaria a função sintática da oração "que volta às manchetes da imprensa brasileira e excita o debate político (linha 1).

(E) Na expressão "sem que a tenha precedido" (linha 6), o a se refere a "organização agrária" (linhas 6, 7).

424. Em relação ao texto, assinale a opção correta.

A. A palavra "nômade" (linha 7) significa pessoas que vagueiam sem residência fixa.

B. A palavra "fermento" (linha 8) está sendo utilizada em sentido denotativo.

C. Em "acaba presa fácil" (linha 10) , a palavra "presa" é verbo.

D. A palavra "absorvido" (linha 9) tem a mesma raiz de absolvição.

E. A palavra "narcotráfico" (linha 10) é formada por derivação imprópria.

425. Quanto às exigências da norma culta, assinale a opção cujo texto está correto.

A. Embora seja capaz de dominar feras e de enfrentar tempestades, e esteja habituado a guerrear, a conquistar montanhas e abismos sem mostrar medo, o homem possui um inimigo que o aterroriza e do qual prefere nem pensar: a dor.           

B. A idéia de sofrimento intenso e intolerável, à qual está associado o conceito de dor, torna-a um flagelo do qual é necessário escapar de qualquer mane'.

C. Uma dor não pode causar  a morte, mas os mecanismos psicológicos que associam a ela podem levar nesse resultado.                          

D. Uma grande dor pode provocar um espasmo coronariano, que leve no infarto, ou causar um pico de hipertensão que, por sua vez, leve numa embolia pulmonar fatal.

E. Há casos  que a dor, tornando-se insuportável, leva o indivíduo a morte por suicídio.

426. Quanto à concordância verbal, assinale a opção incorreta.

A. Há hoje, no mundo, o equivalente a 13 brasis sem empregos ou vivendo precariamente do subemprego.

B. O número total de desempregados ou subemprego alcançam 800  milhões de pessoas, segundo a Federação Internacional de Empregados Técnicos.

C. Não há solução à vista nem sequer consenso com relação a causas  e soluções para a crise do emprego, o mais sério problema estrutural na virada do século.

D. O emprego pode ser visto como uma doença  diabolicamente complexa e revestida, tal como o câncer, de uma multiplicidade de aspectos, cujos mecanismos permanecem mal conhecidos e mal explorados.

E. Depois da Segunda Guerra Mundial ,  as economias  ocidentais ofereceram salários e  emprego para toda uma  geração. Mas, a partir dos anos 70, instalou-se no  mundo rico uma nítida dicotomia entre emprego e salário.

427. Quanto à concordância verbal, assinale a opção incorreta.

(A) Nos próximos 50 anos, o mercado de trabalho mundial estará de tal forma alterado que será impossível evitar altíssimas taxas de desemprego, a não ser que radicais mudanças políticas comecem a ser adotadas logo.

(B) Atualmente o número de desempregados no mundo é tão assustador quanto na Depressão dos anos 30, e a terceira grande revolução industrial vai muito diferente das ante.         

(C) Na primeira Revolução Industrial, que perdeu emprego na cultura foi para as indústrias. Na segunda, quem saiu das indústrias foram para os se serviços.    

(D) Agora, quando o setor e serviços sendo "desmontado" pela tecnologia, não há opção.  

(E) Os empresários estão satisfeitos tendência atual de se usar a força de trabalho temporária, sem vínculos empregatícios e, portanto, sem ônus trabalhistas.

TEXTO.

AS MARCAS DO BEM.

 Nos anos 30, Charles Chaplin empenhava toda a sua criatividade na produção de filmes como Tempos Modernos. Na obra, que se passa durante a Depressão Econômica, o genial Carlitos torna-se operário de uma grande indústria e vira líder grevista por acaso. O filme é uma crítica à industrialização desenfreada, às relações desumanas nas linhas da produção e ao descaso com os deserdados em geral, especialmente os operários.

 A engraçada – nem por isso pouco ácida – crítica de Carlitos já não cabe a um grupo de empresas que, nos anos mais recentes, introduziram nos seus plano estratégicos e a preocupação com a responsabilidade social. Essa nova postura pressupõe o resgate de valores, como o humanitarismo e a solidariedade, além de adoção de princípios éticos na sua relação com empregados, clientes, fornecedores, comunidade e meio ambiente. São empresas que abandonaram a posição acomodada de doar um chefe, periodicamente, a instituições em apuros. Essa postura foi substituída por outra, “na qual o aprendizado coletivo é um dos itens mais importantes”, na definição de Guilherme Leal, presidente do conselho consultivo do Instituto Ethos, entidade fundada recentemente para aglutinar empresários que compartilham idéias parecidas, quando o assunto é responsabilidade social.

 Nessa nova concepção de apoio, o dinheiro quase nunca chega sozinho às entidades sociais. Junto com ele, os empresários transferem o aprendizado que acumulam ao longo dos anos no próprio gerenciamento de seus negócios. “Queremos fortalecer as entidades que apoiamos”, diz Antônio Meireles, diretor-presidente de uma das empresas associadas ao Instituto Ethos. Há, pelo menos, duas conseqüências dessa postura, que está muito distante do “paternalismo” e da caridade descompromissada. Uma delas é o surgimento de instituições bem gerenciadas e que, por isso mesmo têm mais condições de captar recursos na sociedade. Par destaca-las já existe até um prêmio, o “Bem Eficiente”.

 O apoio a projetos que nascem na própria comunidade é propriedade das empresas socialmente solidárias. Um dos exemplos é o programa Crer para Ver. Mantido pela Fundação Abrinq Pelos Direitos da Criança, financiou, em 1998, projetos em 1.103 escolas públicas, localizadas em 16 estados, atendendo a 154.000 crianças. Todas as idéias vieram da comunidade e foram submetidas a análise de um comitê técnico. O dinheiro para manter o programa foi captado com a venda de cartões de Natal.

 As experiências vividas no trabalho comunitário enriquecem também o dia-a-dia dentro das empresas. Essa troca é possível porque algumas corporações liberam empregados para ir a campo e fazer trabalho social.

 Os motivos que levam as empresas adotarem posturas solidárias não são necessariamente humanitários, mas é inegável que seus projetos aglutinam pessoas dispostas a doar parte de seu tempo e experiência a quem nasce com a sina de perdedor em uma cidade cada vez mais excludente. O consumidor está atento e prefere as marcas de quem faz o bem. No Brasil, ainda não existem dados sobre isso, mas, nos Estados Unidos, pesquisa mostram que mais de 60% das pessoas optam por artigos de fabricantes “politicamente corretos”. Os benefícios à imagem são inegáveis. O diferencial competitivo também. Do lado dos colaboradores, há mais envolvimento.

428. Com referência à tipologia textual, o texto:

a) é fundamentalmente argumentativo; o redator posiciona-se favoravelmente ao comprometimento de empresas com os problemas sociais, pelo resgate de valores humanitários e solidários;

b) é essencialmente a descrição do programa Crê para Ver, pois quantifica as metas alcançadas ao longo de um ano de atividades;

c) compara, narrando a história do tratamento dado à questão social nas últimas seis décadas, os resultados de pesquisas acerca do assunto no Brasil e nos Estados Unidos da América;

d) é principalmente dissertativo porque desenvolve o assunto das relações desumanas na sociedade industrial contemporânea, exemplificando com iniciativas no sentido da solução desse problema;

e) é uma propaganda do Instituto Ethos, pois visa estimular os empresários a adquirirem seus produtos incentivando o consumo.

429. De acordo com as idéias do texto, assinale a opção correta.

a) Charles Chaplin com “filmes como Tempos Modernos” (linha 3) criticava as causas da Depressão Econômica: a industrialização desenfreada, as relações de trabalho desumanas e o descaso com os empregados.

b) Atualmente, não há mais espaço para a crítica de Carlitos, pois as empresas “introduziram nos seus planos estratégicos a preocupação com a responsabilidade social” (linhas 16 a 18).

c) O “dinheiro quase nunca chega sozinho às entidades sociais” (linhas 38/39): em geral, os próprios empresários o levam. 

d) O programa Crer para Ver, por ter sido criado por empresas, não constitui um exemplo de “experiências vividas no trabalho comunitário” (linha 69).

e) Embora as razões das empresas não tenham sempre caráter humanitário, a postura empresarial solidária por elas adotada leva o consumidor a optar por produtos ligados a esse tipo de ação.

430. Segundo o texto, são politicamente corretas:

a) todas as experiências vividas no trabalho comunitário, iniciando com Carlitos, na década de 30;

b) todas as razões que levam as empresas adotarem postura solidária;

c) as ações de empresas preocupadas com a responsabilidade social que, fugindo da postura paternalista,  propõem o humanitarismo e a solidariedade;

d) as trocas que algumas corporações fazem com os empregados, liberando-os da carga horária contratual para a prestação de serviços de assistência social;

e) somente as iniciativas que visam ao bem-estar da empresa e também dos empregados e de seus familiares.

431. No texto, não se estabelece nenhuma relação entre:

a) trabalho e alienação;

b) capital e educação;

c) industrialização e desumanização;

d) economia e ética;

e) empresariado e responsabilidade social.

432. Não serão respeitadas as idéias do texto caso se substitua:

a) “empenhava” (linha 2) por aplicava;

b) “desenfreada” (linha 9) por  descomedida;

c) “descompromissada” (linha 50) por descomprometida;

d) “análise” (linha 66) por apreciação;

e) “liberam” (linha 73) por concedem.

433. Assinale a opção correta quanto à regência e ao emprego do sinal indicativo da crase:

a) O filme de Carlitos traça a crítica a um processo de industrialização desenfreado.

b) O texto manifesta-se contrário às relações desumanas nas linhas de produção e à indiferença para com as camadas deserdadas, na sociedade em geral.

c) A crítica de Carlitos não se sustenta frente a mais de uma dezena de empresa que, às vezes, introduzem para os seus planos estratégias visando a minimização dos problemas atinentes as conjunturas sociais.

d) A contribuição pecuniária quase nunca chega sozinha àquelas entidades sociais favorecidas; junto com ela, as empresas transferem na aprendizagem acumulada no longo dos anos.

e) O apoio à iniciativas pertinentes a própria comunidade é prioridade junto as entidades socialmente solidárias.

TEXTO.

LONGEVIDADE.

 Pouquíssimas são as longevidades justificáveis. Curta ou longa, a vida deveria encerrar-se logo ao cessar a missão de quem viveu: criar um filho, realizar uma obra, fazer uma guerra, perpetrar um crime... Existências exemplares que souberam quando terminar! Desgraçadamente essa ciência a mais ninguém hoje se concede, empenhada que anda a medicina em proporcionar meras e miseráveis sobrevivências.

434. O termo longevidade significa:

(A) vida inútil;

(B) vida distante;

(C) vida indiferente;

(D) vida miserável;

(E) vida longa.

435. Pouquíssimas só não eqüivale semanticamente a:

(A) mínimas;

(B) raríssimas;

(C) muito poucas;

(D) extremamente raras;

(E) bastante poucas.

436. “Existências exemplares” são aquelas que:

(A) realizaram obras benéficas;

(B) tiveram longevidades injustificáveis;

(C) souberam quando terminar;

(D) não cumpriram missões negativas;

(E) recusaram sobrevivências miseráveis.

437. A “ciência” a que se refere o autor do texto é:

(A) a medicina, encarregada da sobrevivência humana;

(B) a competência de criar um filho;

(C) a possibilidade de realizar uma missão, curta ou longa;

(D) a de ter consciência de saber quando morrer;

(E) a possibilidade de ampliar a extensão da vida humana.

438. O autor critica a Medicina porque ela:

(A) desconhece a origem dos males;

(B) aceita missões positivas e negativas;

(C) prolonga vidas inúteis;

(D) não é ensinada de forma competente a mais ninguém;

(E) só propicia vida melhor para uns poucos privilegiados.

439. “Curta ou longa” é um exemplo de antítese, em que se opõem dois vocábulos de significação oposta; o item abaixo em que os dois vocábulos indicados possuem oposição semântica é:

(A) encerrar-se/iniciar-se;

(B) realizar/imaginar;

(C) pouquíssimas/reduzidíssimas;

(D) cessar/interromper;

(E) exemplares/inúteis.

TEXTO 1.

(1) O real não é constituído por coisas. Nossa experiência direta e imediata da realidade nos leva a imaginar que o real é feito de coisas (sejam elas naturais ou humanas), isto é, de objetos Físicos, psíquicos, culturais oferecidos à nossa percepção e às nossas vivências.

(4) Assim, por exemplo, costumamos dizer que uma montanha é real porque é uma coisa. No entanto, o simples fato de que essa "coisa" possua um nome, que a chamemos "montanha", indica que ela é, pelo menos, uma "coisa–para-nós", isto é, algo que possui um sentido em nossa experiência. Suponhamos que pertencemos a (7) uma sociedade cuja religião é politeísta e cujos deuses são imaginados com formas e sentimentos humanos, embora superiores aos dos homens, e que nossa sociedade exprima essa superioridade divina fazendo que os deuses sejam habitantes dos altos lugares. A montanha já não é uma coisa: é a morada dos deuses Suponhamos, (10) agora, que somos uma empresa capitalista que pretende explorar minério de ferro e que descobrimos uma grande jazida numa montanha. Como empresários, compramos a montanha, que, portanto, não é uma coisa, mas propriedade privada. Visto que iremos explorá-la para obtenção de lucros. não é uma coisa, mas capital.  Ora, sendo propriedade privada capitalista, só existe como tal se for lugar de trabalho. Assim, a montanha não é (14) coisa, mas relação econômica e, portanto, relação social. A montanha, agora, é matéria-prima num conjunto de forças produtivas, entre as quais se destaca o trabalhador. Suponhamos, agora, que somos pintores. Para nós, a montanha é forma, cor, volume, linhas, profundidade - não é uma coisa, mas um campo de visibilidade.

440. Com base nas idéias do texto, assinale a opção correta.

A)  O conhecimento da realidade é causa imediata dos objetos Físicos, psíquicos e culturais.

B) A percepção da realidade depende do modo como os homens relacionam-se entre si e com a natureza; depende dos propósitos dos investimentos simbólicos de cada cultura.

C) O exemplo da montanha, estendido a todos os entes reais, é utilizado no texto para provar que só a propriedade privada oferece campo real de trabalho, independentemente da ideologia adotada.

D) É necessária uma visão de artista e uma sensibilidade de pintor para absorver todas as possibilidades de existência de uma  "coisa", como a montanha, por exemplo.

E) Seria mantida a coerência na argumentação se a primeira oração do texto fosse substituída por: O real é constituído apenas de idéias.

441. A ligação, a conexão entre palavras, frases ou expressões de um texto chama-se coesão. Os elementos que retomam um mesmo referente formam os elos de uma cadeia coesiva. Assinale a opção em que os elementos sublinhados e numerados não formam uma cadeia coesiva.

A) O simples fato de que essa "coisa" possua um nome, que a chamemos "montanha", indica que ela é, pelo menos, uma "coisa-para-nós".

B) Pertencemos a uma sociedade cuja religião é politeísta e cujos deuses são imaginados com formas e

sentimentos humanos.

C) Somos uma empresa capitalista que pretende explorar minério de ferro e que descobrimos uma grande jazida numa montanha.

D) Compramos a montanha, que, portanto, não é uma coisa, mas propriedade privada. Visto que iremos explorá-la para obtenção de lucros, não é uma coisa.

E) Sendo propriedade privada capitalista, só existe como tal se for lugar de trabalho.

442. Assinale a opção que apresenta erro de pontuação.

A) O real é feito de coisas, sejam elas naturais ou humanas; isto é, de objetos físicos, psíquicos e culturais oferecidos à nossa percepção.

B) O simples fato de que essa "coisa" possua um nome - que a chamemos "montanha" - indica que ela é uma coisa para nós.

C) A montanha já não é uma coisa. É a morada dos deuses.

D) Assim, costumamos dizer; uma montanha é real porque é uma coisa.

E) Para nós, a montanha é forma cor, volume, linhas, profundidade. Não é uma coisa, mas um campo de visibilidade.

Leia o texto 2 abaixo para responder às questões 29 a 32.

TEXTO 2.

(1) Antes de continuar esta leitura, pare um instante e olhe à sua volta O mundo que você vê é real ou imaginário? A luz que se projeta a seu redor seria observada e sentida da mesma forma se você não estivesse aqui? Os sons produziriam o efeito se não existissem ouvidos para captá-los? Tudo o que você vê, ouve e sente reflete o mundo exterior.

(5)A forma como alguém percebe, interpreta ou reage a isso, no entanto, é pura criação do cérebro, a mais maravilhosa e elaborada produção da vida na Terra. "O que o cérebro faz o tempo todo, dormindo ou acordado, é criar imagens", diz o neurocientista Rodolfo Llinas. "Luz nada mais é do que radiação (8)eletromagnética  a Cores não existem fora da nossa mente. Nem os sons. O som é um produto da relação entre uma vibração externa e o cérebro. Se não existisse cérebro, não haveria som, nem cores, nem luz, nem escuridão."

(11)Desde que os seres humanos adquiriram a capacidade de pensar sobre sua própria existência, o cérebro é um desafio, o permanente ao entendimento. Nada se compara, porém, aos avanços obtidos nessa área nos últimos anos. Uma infinidade de novas descobertas, feitas em laboratórios e centros de estudos, tem revelado o cérebro como um órgão mais fascinante, complexo e poderoso do que antes se imaginava.         

(15)Descobriu-se que, ao contrário dos outros órgãos do corpo humano, ele pode melhorar seu desempenho durante a vida. A única exigência é que seja permanentemente treinado e exercitado em atividades intelectuais.    

443. Assinale a opção correta quanto às idéias do texto.

A)  O texto defende a tese de que tudo o que existe no mundo é irreal ou imaginário.

B) A argumentação do texto demonstra que as atividades do cérebro humano dependem da visão de mundo de cada indivíduo.

C) As afirmações expressas no terceiro parágrafo são desmentidas no parágrafo seguinte.

D) A aventura humana de desvendar os segredos da mente é uma curiosidade despertada apenas recentemente.

E) O conhecimento que o ser humano tem do mundo exterior é um reflexo que o cérebro produz dos fenômenos experienciados.

444. Assinale a opção correta a respeito da organização dos parágrafos no texto.

A) O texto começa dirigindo-se ao leitor porque se desenvolve em forma de carta.

B) Dirigir-se diretamente ao leitor, como se estivesse conversando com ele, é uma estratégia argumentativa para atraí-lo para os pontos de vista que serão defendidos.

C) O texto dirige-se, inicialmente, ao leitor, pata que este explicite suas respostas, necessárias ao desenvolvimento das teses que serão defendidas nos parágrafos seguintes; sem as respostas do leitor, perde-se a coerência do texto.

D) Referir-se ao leitor como "você" (linha 1 ), no primeiro parágrafo, e mudar para "alguém" (linha 5) e depois para "seres humanos" (linha 11), no parágrafo seguinte, torna a argumentação do texto vaga e imprecisa.

E) O primeiro parágrafo deveria ter sido omitido porque as respostas do leitor às perguntas nele apresentadas poderiam pôr em risco a argumentação do texto.

445. Assinale a opção que não constitui uma continuação coerente às idéias do último parágrafo textual.

A) Dessa forma, ler, estudar e desenvolver ações mentalmente desafiadoras é imprescindível para manter e aprimorar a capacidade cerebral.

B) Assim, buscar atividades cerebrais novas e originais, fora do cotidiano, é salutar para provocar um alargamento no campo de atuação das funções cognitivas.

C) Logo, para memorizar melhor, um caminho é associar aquilo que se quer lembrar com outras atividades cerebrais, como imagens, emoções, sons ou qualquer conhecimento já familiar.

D) Desse modo, o cérebro bem estimulado em tarefas como resolução de problemas matemáticos pode manter em atividade por mais tempo a capacidade cognitiva e mental de uma pessoa.

E) Por isso, o cérebro, que é uma máquina maravilhosa, com pouco mais de um quilo, representa apenas 2% do peso de um homem adulto e desempenha múltiplas tarefas biológicas.

446. Após comparar o texto 1 e o texto 2, julgue os itens que se seguem.

I - Os dois textos têm em comum a idéia de que a apreensão da realidade não é direta: é sociocultural, no primeiro; mental, no segundo.

II - Os dois textos completam-se quando uma afirmação do texto 2 explica a primeira afirmação do texto 1: o "real não constituído por coisas" (texto 1, linha 1 ) porque é "pura criação do cérebro" (texto 2, linha 5).

III - A figura da "montanha", no texto 1, tem a função de ilustrar a argumentação; no texto 2, essa mesma função é desempenhada pela figura do "cérebro".

Assinale a opção correta

A) Apenas o item I está certo

B) Apenas o item II está certo.

C) Apenas o item III está certo.

D) Apenas os itens I e II estão certos.

E) Apenas os itens I e III estão certos.

TEXTO.

A LINHA E O LINHO.

É a sua vida que eu quero bordar na minha

Como se eu fosse o pano e você fosse a linha

E a agulha do real nas mãos da fantasia

Fosse bordando ponto a ponto nosso dia-a-dia

E fosse aparecendo aos poucos nosso amor

Os nossos sentimentos loucos, nosso amor

O ziguezague do tormento, as cores da alegria

A curva generosa da compreensão

Formando a pétala da rosa da paixão

A sua vida, o meu caminho, nosso amor

Você a linha e eu o linho, nosso amor

Nossa colcha de cama, nossa toalha de mesa

Reproduzidos no bordado

A casa, a estrada, a correnteza

O sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza.

447. Quanto ao uso das classes gramaticais no texto, são feitas algumas afirmações. Analise-as. A seguir, assinale a opção correta:

I. A linha e o linho, no título, indicam flexão de gênero.

II. Dia-a-dia e ziguezague são substantivos compostos.

III. Em A sua vida, o meu carinho, nosso amor, as palavras sublinhadas são pronomes possessivos adjetivos.

IV. Em Fosse bordando e  E fosse aparecendo, os verbos destacados estão no particípio.

a) Estão corretas somente as afirmativas I e III.

b) Estão corretas somente as afirmativas I e IV.

c) Estão corretas somente as afirmativas II e III.

d) Estão corretas somente as afirmativas I,  III e IV.

448. Assinale a opção correta. Em Os nossos sentimentos loucos..., temos, em seqüência:

a) artigo indefinido – pronome demonstrativo – substantivo – adjetivo.

b) artigo definido – pronome possessivo adjetivo – substantivo – adjetivo.

c) artigo indefinido – pronome possessivo adjetivo – adjetivo – substantivo.

d) artigo definido – pronome demonstrativo – adjetivo – adjetivo.

449. Considere as seguintes afirmações e assinale a opção correta:

a) A palavra ninho tem um encontro consonantal.

b) Fonemas e letras são a mesma coisa.

c) Os fonemas sublinhados em pães – pais – país – põe são semivogais.

d) A palavra excesso tem sete letras e cinco fonemas e obsessão  tem oito letras  e  sete fonemas.

450. Observe o período abaixo e indique a opção em que todas as expressões são apropriadas para substituir as expressões sublinhadas, sem prejuízo para o sentido do enunciado: Parecia estar prestes a acontecer a desclassificação do time, pois os jogadores demonstraram usar métodos pouco sábios  na realização dos treinos finais para a partida.

a) iminente  – insipientes – consecução

b) eminente – insipientes – conseqüência

c) eminente – incipientes – concecussão

d) iminente  – incipientes – concecução

451. Assinale a opção que contém a conjunção adequada para reescrever o enunciado: Seja racional, pois aqui não cabem critérios subjetivos, sem alterar a idéia. Comece pela parte final: Aqui não cabem critérios subjetivos ________ seja racional. 

a) portanto

b) visto que

c) enquanto

d) posto que

452. Assinale a opção em que tanto a como b estão adequados à modalidade escrita padrão, na afirmação feita e nos exemplos:

a) a. Dígrafo é o conjunto de duas letras que representam mais de um fonema:     chove – guincho – excelente.

b. Há encontros  consonantais  separáveis  ou   disjuntos,   pois   ficam   em   sílabas     separadas: rit-mo – as-pe-cto – apti-dão.

b) a. As letras que formam os dígrafos rr, ss, sc, sç, xc devem ser separadas  na  divisão silábica: bar-ro, as-sun-to, des-cer, nas-ço, ex-ce-to.

b. Contêm dígrafos vocálicos: limpo, milho, nenhum.

c) a. Grupos consonantais que ocorrem no início dos vocábulos são inseparáveis: psi-co-se, dra-ma, pneu-mo-ni-a.

b. Os hiatos são separados em duas sílabas: du-e-tos, a-mên-do-a, ca-a-tin-ga.

d) a. O encontro vogal + semivogal é chamado de ditongo decrescente: moita, tesoura, gratuito.

b. Tritongo é a seqüência formada por uma semivogal, uma vogal  e uma semivogal:     Paraguai, nasais, Blumenau.

453. Assinale a opção em que há erro de grafia:

a) comprido (longo), suar (transpirar),  discrição (reserva, modéstia)

b) horizonte, anti-herói, eletricista

c) autorisar,  enxada,  compreenção

d) abolir, vultoso (volumoso), submissão

TEXTO.

E, por falar em saudade, onde anda você?

Onde andam seus olhos, que a gente não vê?

454. Agora assinale a opção que faz uma afirmação correta:

a) A palavra por é uma forma verbal, por isso não está acentuada.

b) Você e vê são, respetivamente, palavras oxítona e monossílaba tônica terminadas em e.

c) Há uma palavra proparoxítona no trecho citado.

d) O que não está acentuado porque é uma conjunção integrante.

455. Preencha a coluna II de acordo com a coluna I, considerando as expressões  sublinhadas, e assinale a opção que indica a função sintática correta, na seqüência de cima para baixo:

COLUNA I                 COLUNA II

1. sujeito                   (    ) Os empresários cederam à tentação do lucro.

2. vocativo                 (    ) Alimentos e roupas andam caríssimos.

3. objeto direto           (    ) A situação mudou muito ultimamente.

4. objeto indireto        (    ) A seca trouxe consigo a fome.

5. adjunto adverbial   (    ) Participação  crítica,   jovens,   é  o  caminho  para um Brasil melhor.

a) 1 – 5 – 3 – 2 – 4

b) 4 – 1 – 5 – 3 – 2

c) 3 – 1 – 4 – 5 – 2

d) 2 – 1 – 5 – 4 – 3

456. Observe os seguintes períodos e assinale a opção que indica aqueles em que as palavras estão corretamente acentuadas:

I. Ai está mais um resultado da sua imprudência no respeito as leis de trânsito.

II. O eucalipto exige muita água para sua sobrevivência.

III. Gases de baixa temperatura tem menos movimento molecular.

IV.  Essa ideia que você têm de que há um universo só seu é esquisita mesmo.

a) Está correto somente o período II.

b) Está correto somente o período III.

c) Estão corretos somente os períodos I e III.

d) Estão corretos somente os períodos I, II e IV.

457. Assinale a opção em que tanto a como b não obedecem à norma  culta, no que diz respeito à regência verbal:

a) a. A cidade que moramos já não é mais tão calma.

b. O objetivo a que visamos será alcançado.

b) a. Almejo um futuro melhor, em 2003, ao povo brasileiro.

b. Isso é um direito que pertence para todos nós.

c) a. Todos os candidatos aspiravam o primeiro lugar no concurso.

b. Comprei alguns livros que você gosta.

d) a. Custamos para enxergar o óbvio.

b. Cidadania implica direitos e deveres.

458. Preencha os espaços com uma das alternativas entre parênteses e assinale a opção que indica a seqüência correta:

I. Refiro-me _____ diretora do colégio. (a, à)

II. Assisti ____  jogos memoráveis no último domingo. (a, à)

III. Refiro-me ____  Vossa Excelência. (a, à)

IV. Virei ____  Florianópolis neste verão. (a, à)

V. Cheguei a este local ____  14 horas. (as, às)

a) a – à – à – a – às

b) à – a – a – a – às   

c) à – a – à – à – as

d) à – à – a – a – as

459. Assinale a opção em que está correta a  regência  nominal,  de  acordo com a norma culta:

a) Não há oposição a que ele entre no grupo.

b) Estou ansioso de que esse problema seja resolvido rápido.

c) O povo está desejoso em que se encontre uma saída para a crise.

d) Existe gente insensível por miséria.

460. Assinale a opção que permite reescrever as frases abaixo, substituindo, em seqüência, as lacunas pelas formas verbais que tornam correta a concordância, de acordo com a língua padrão:

I. ___________ às pressas da sala os últimos candidatos.

II. ___________ na estrada poeirenta a última boiada da fazenda.

III. Não se ____________ nos planos.

IV. Os Estados Unidos não ______________ o acordo comercial.

V. Perto de vinte candidatos ____________ hoje.

a) Saíram, Sumiam, confiava, aceitara, faltara

b) Saía, Sumia, confiavam, aceitaram, faltara

c) Saíra, Sumiam, confiavam, aceitara, faltaram

d) Saíram, Sumia, confiava, aceitaram, faltaram 

TEXTO.

O MITO E O MUNDO MODERNO.

   MOYERS: Por que mitos? Por que deveríamos im-portarnos com os mitos? O que eles têm a ver com minha vida?

   CAMPBELL: Minha primeira resposta seria: ''Vá em frente, viva a sua vida, é uma boa vida - você não precisa de mitologia''. Não acredito que se possa ter interesse por um assunto só porque alguém diz que isso é importante. Acredito em ser capturado pelo assunto, de uma maneira ou de outra. Mas você poderá descobrir que, com uma introdução apropriada, o mito é capaz de capturá-lo. E então, o que ele poderá fazer por você, caso o capture de fato?

   Um de nossos problemas, hoje em dia, é que não estamos familiarizados com a literatura do espírito. Estamos interessados nas notícias do dia e nos problemas do momento. Antigamente, o campus de uma universidade era uma espécie de área hermeticamente fechada, onde as notícias do dia não se chocavam com a atenção que você dedicava à vida interior, nem com a magnífica herança humana que recebemos de nossa grande tradição - Platão, Confúcio, o Buda, Goethe e outros, que falam dos valores eternos, que têm a ver com o centro de nossas vidas. Quando um dia você ficar velho e, tendo as necessidades imediatas todas atendidas, então se voltar para a vida interior, aí bem, se você não souber onde está ou o que é esse centro, você vai sofrer.

   As literaturas grega e latina e a Bíblia costumavam fazer parte da educação de toda gente. Tendo sido suprimidas, toda uma tradição de informação mitológica do Ocidente se perdeu. Muitas histórias se conservaram, de hábito, na mente das pessoas. (...).

461. A leitura do texto permite afirmar que a conjunção e, presente no título, sugere idéia de:

A) adição.

B) explicação.

C) conseqüência.

D) alternância.

E) contraste.

462. Dando outra forma ao título do texto, de acordo com o sentido, obtém-se:

A) Mitos? Por quê?

B) Mitos: Porque?

C) Mitos? Por que?

D) Mitos: Porquê?

E) Mitos? Por que?

463. Considerando que ironia seja um recurso com o qual se afirma o contrário do que se enuncia, aponte a alternativa em que tal recurso se manifesta.

A) (...) as notícias não se chocavam com a atenção que você dedicava à vida interior.

B) E então, o que ele poderá fazer por você, caso o capture de fato?

C) (...) o campus de uma universidade era uma espécie de área hermeticamente fechada.

D) Vá em frente, viva a sua vida, é uma boa vida - você não precisa de mitologia.

E) Quando um dia você ficar velho (...), se você não souber onde está (...), você vai sofrer.

464. Com a substituição de você por tu, a frase ''Vá em frente, viva a sua vida, é uma boa vida - você não precisa de mitologia'', deverá, obedecendo à norma culta, ser:

A) Vais em frente, vives a tua vida, é uma boa vida - tu não precisas de mitologia.

B) Vai em frente, vive a tua vida, é uma boa vida - tu não precisas de mitologia.

C) Vai em frente, vivas a tua vida, é uma boa vida - tu não precisará da mitologia.

D) Vá em frente, vivas a sua vida, é uma boa vida - tu não precisarás da mitologia.

E) Vá em frente, vive a tua vida, é uma boa vida - tu não precisas de mitologia.

465. Na frase ''(...) uma espécie de área (...) onde as notícias do dia não se chocavam (...)'', o emprego da palavra destacada obedece - é evidente - à norma culta. O mesmo ocorre em:

A) A Diretoria Central quer informações sobre onde você vai.

B) Dessa conversa surgiu o pensamento onde se refletiu sobre nossa vida.

C) É preciso investigar o escritório onde se esconderam os ladrões.

D) O próximo domingo será o dia onde se tratará desse tema.

E) Cuidado com aquele grupo de pessoas, onde o líder é agressivo.

466. Da leitura do texto, pode-se depreender que: 

A) entre outros, Platão, Confúcio, Goethe e Buda são os responsáveis pela mitologia.

B) a satisfação das necessidades imediatas dos velhos propicia-lhes uma sobrevida feliz.

C) o centro interior do homem idoso foi definido por Platão, Confúcio, Buda e Goethe, entre outros.

D) o possível sofrimento do velho depende, entre outras coisas, da preocupação com a sua vida interior.

E) a literatura do espírito não é acolhida nos campus das universidades declaradamente fechadas.

467. Com a substituição de você por um pronome de tratamento formal, a oração ''Quando um dia você ficar velho'' deverá, obedecendo à norma culta, transformar-se em: 

A) Quando um dia Sua Excelência ficar velha.

B) Quando um dia Vossa Excelência ficar velho.

C) Quando um dia Vossa Excelência ficares velha.

D) Quando um dia Sua Excelência ficardes velha.

E) Quando um dia Vossa Excelência ficardes velho.

TEXTO.

A CPI E A IMPRUDÊNCIA DO LEGISLATIVO.

Há mais de dez anos a magistratura clama por ampla reforma do Poder Judiciário. Logo após sua instalação em 1987, um conjunto de sugestões oriundo de órgãos superiores da Justiça foi levado ao exame da Assembléia Nacional Constituinte. Magistrados, membros do Ministério Público, juristas, conselheiros da Ordem dos Advogados do Brasil, professores, enfim a representação mais autêntica do universo jurídico sustentou na Assembléia debate ativo e esclarecedor sobre o tema. Mas o legislador constituinte ignorou as propostas mais consistentes para destinar ao Poder Judiciário os instrumentos aptos a levá-lo à progressiva dinamização de suas atividades. Conquanto o modelo que viesse a ser posto na Constituição não fosse suficiente para alcançar resultados automáticos, pelo menos abriria os espaços autorizativos para as transformações futuras. Todavia, as mudanças mal arranharam os subúrbios do problema. Agora, o poder que agiu de forma imprudente, desidiosa, se julga portador de autoridade moral para submeter o Judiciário à ação corrosiva, desmoralizante, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito. E é indispensável anotar que as deficiências na atividade judicial resultam, de maneira substancial, de leis dissimuladas, contraditórias, aberrantes elaboradas pelo Congresso. No mais, a instituição não pode elevar os seus níveis de operacionalidade diante de uma legislação processual que consagra número quase infinito de rituais e formalidades. Como também se acha manietada pelas oportunidades recursais, que opõem distância insuportável entre o direito ofendido e a reparação via sentença irrecorrível. Por trás da noção mesquinha que as elites no poder cultivam em relação ao Judiciário viceja a ignorância. O Legislativo e o Executivo não se dão conta de que o magistrado não é funcionário público. Caso fosse, seu dever de lealdade não seria com a sociedade, cujos direitos e garantias lhe cumpre tutelar, mas com o Estado. O juiz é antes um agente da sociedade, por isso sua atividade está protegida pelo manto da independência. A CPI é um golpe contra a magistratura independente.

468. Com base no conteúdo do texto, assinale a opção correta.

A) O autor é francamente favorável à instalação de uma CPI para investigar os atos do Poder Judiciário.

B) O clamor popular por uma ampla reforma do Poder Judiciário manifestou-se, há mais de dez anos, antes da instalação da Assembléia Nacional Constituinte.

C) Uma CPI para a investigação do Poder Judiciário foi instalada em 1987.

D) O legislador constituinte procurou incorporar à atual Constituição brasileira todas as propostas que visavam tornar o Poder Judiciário mais dinâmico e eficiente.

E) Profissionais ligados ao universo jurídico muito contribuíram para que a questão da reforma do Poder Judiciário fosse ativa e esclarecedoramente debatida durante a Assembléia Nacional Constituinte.

469. Tendo como referência as idéias contidas no texto, assinale a opção incorreta.

A) As elites no poder têm em boa opinião o Poder Judiciário porque estão cientes dos problemas enfrentados pela Justiça brasileira.

B) O conjunto de sugestões enviado pelos órgãos superiores da Justiça aos legisladores constituintes tinha objetivos a serem alcançados a longo prazo.

C) Se a Justiça brasileira é ineficiente, isso se deve, em parte, à legislação elaborada pelo Congresso Nacional.

D) A atual legislação processual brasileira é ritualística e formalista.

E) A facilidade em impetrar recursos é parcialmente responsável pela morosidade da Justiça brasileira.

470. Ainda com base no texto, assinale a opção correta.

A) Se o magistrado fosse de fato um funcionário público, o seu dever de lealdade seria antes com a sociedade do que com o Estado.

B) Os congressistas brasileiros têm a noção mesquinha de que o Poder Judiciário é constituído por um bando de ignorantes.

C) O Poder Legislativo, que agiu de forma imprudente e desidiosa, não tem, na opinião do autor, autoridade moral para julgar os atos do Poder Judiciário.

D) O manto aludido na linha 18 refere-se à toga do juiz.

E) A CPI é um golpe da magistratura independente contra o Poder Judiciário.

471. No texto, haverá alteração de sentido caso se substitua:

A) “Conquanto” por Mesmo que”; “manietada” por “entravada”.

B) “subúrbios” por “arrabaldes”; “tutelar” por “defender”.

C) “desidiosa” por “conflituosa”.

472. Nas opções abaixo, os fragmentos são reescrituras do texto. Assinale aquela em que o fragmento reescrito apresenta sentido diferente do encontrado no texto.

A) A magistratura clama, há mais de dez anos, por ampla reforma do Poder Judiciário.

B) A Assembléia Nacional Constituinte levou a exame, logo após sua instalação em 1987, um conjunto de sugestões oriundo de órgãos superiores da Justiça.

C) Enfim, a representação mais autêntica do universo jurídico – magistrados, membros do Ministério Público, juristas, conselheiros da Ordem dos Advogados do Brasil, professores – sustentou, sobre o tema, debate ativo e esclarecedor na Assembléia.

D) Viceja, por trás da noção mesquinha que as elites no poder cultivam em relação ao Judiciário, a ignorância.

E) Caso fosse, seu dever de lealdade seria com o Estado, não com a sociedade, cujos direitos e garantias lhe cumpre tutelar.

473. Assinale a opção correta.

A) Na palavra “órgãos”, o til exerce dupla função: indica a nasalidade do fonema “a” e a sílaba tônica do vocábulo.

B) Do ponto de vista da divisão silábica, os vocábulos a seguir estão todos corretamente segmentados: “Ad-vo-ga-dos”, “cons-tituin-te”, “vi-es-se”, “su-fi-ci-en-te”, “i-gno-rân-cia”.

C) O neologismo “autorizativos” significa autorizados.

D) Em “Todavia, as mudanças mal arranharam os subúrbios do problema”, tem-se um exemplo de linguagem metafórica.

E) Na expressão “de leis dissimuladas”, a preposição pode, sem alteração de sentido, ser substituída por “em”.

TEXTO.

 “O Brasil entrou no século XXI justificando o lugar comum do século passado: continua sendo um país de contrastes. Isso é o que revelam os números iniciais do Censo 2000, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No último ano da década passada, em comparação com o primeiro – 1991 –, muito mais brasileiros estavam estudando, tinham carros, eletrodomésticos, telefones, luz, água encanada, esgoto e coleta de lixo, e muito menos brasileiros morriam antes de completar um ano de vida. A mortalidade infantil caiu 38%: de 48 por mil nascimentos para 29,6. A queda foi maior do que os especialistas haviam projetado no início da década. Isso, a despeito de a maioria da população continuar vivendo com rendimentos franciscanos: pouco mais da metade dos 76,1 milhões de membros da população economicamente ativa ganhava até dois salários mínimos por mês (ou R$ 302,00 à data do recenseamento e R$ 400,00 hoje) e apenas 2,4% ganhavam mais de vinte salários mínimos, ou seja, R$ 4 000,00 – um salário relativamente modesto nas sociedades desenvolvidas. Por esse ângulo, pode-se dizer que o Brasil é um país igualitário: ostenta a dramática igualdade na pobreza. Os números agregados escondem que o consumo se distribui de forma acentuadamente desigual pelo território e entre os diversos grupos de renda. Enquanto no Sul e no Sudeste os domicílios com carro somam mais de 40%, no Norte e no Nordeste não chegam a 15%. De certo modo, quem pode consumir bens duráveis acaba consumindo por si e por quem não pode. O desequilíbrio regional e social do consumo acompanha, obviamente, a concentração da capacidade aquisitiva. Os dados que apontam para a intolerável persistência da igualdade na pobreza entre os brasileiros têm relação manifesta com o desempenho da economia. Se é verdade que, em matéria de expansão dos benefícios sociais e do acesso a bens indispensáveis no mundo contemporâneo, como o telefone, os anos 1990 foram uma década ganha, no que toca ao crescimento econômico foram uma década das mais medíocres, desde a transformação do País em sociedade industrial. Entre 1991 e 2000, o Brasil cresceu, em média, parcos 2,7% ao ano. Mesmo em 1994, o melhor ano do período, o Produto Interno Bruto (PIB) não chegou a 6% – muito abaixo dos picos registrados na década de 1970, a do "milagre brasileiro". É óbvio que a retomada do desenvolvimento é condição sine qua para a elevação da renda do povo”.

474. De certo modo, quem pode consumir bens duráveis acaba consumindo por si e por quem não pode. A afirmação acima aponta para:

(A) a melhoria real do padrão de vida da população brasileira, registrando existência de consumo mesmo entre os mais pobres.

(B) resultados estatísticos aparentemente otimistas, mas que deixam de mostrar dados pouco animadores da situação econômica e social da população brasileira.

(C) um equilíbrio final da capacidade de consumo da população nas várias regiões brasileiras, igualando

os resultados de cada uma delas.

(D) o paradoxo que resulta dos dados do último censo, pois eles indicam o consumo de bens duráveis por uma população que não tem poder aquisitivo.

(E) a falsidade do resultado de certas pesquisas, cujos dados desvirtuam a realidade, especialmente a da classe social mais desfavorecida.

475. Considere as afirmativas abaixo, a respeito do texto. O Censo 2000:

I. indica o avanço do Brasil, idêntico ao de algumas sociedades desenvolvidas, especialmente quanto à garantia de emprego, apesar de um valor modesto para o salário mínimo.

II. apresenta índices positivos de melhoria na qualidade de vida do povo brasileiro, ao lado de disparidades acentuadas, em todo o território nacional.

III. assinala um aumento geral do poder aquisitivo do povo brasileiro, reduzindo a um mínimo as diferenças regionais.

Está correto o que se afirma SOMENTE em:

(A) I, II

(B) II, III

(C) I

(D) II

(E) III

476. Por esse ângulo, pode-se dizer que o Brasil é um país igualitário. É correto afirmar que a conclusão acima tem um caráter:

(A) acentuadamente irônico, pela constatação que se segue a ela.

(B) bastante otimista, por ter sido possível constatar melhorias na distribuição de renda.

(C) de justificado orgulho, pela melhoria da qualidade de vida no Brasil.

(D) de extremo exagero, considerando-se os dados indicativos do progresso brasileiro.

(E) pessimista, tendo em vista a impossibilidade de aumento do salário mínimo.

477. Há, no texto, relação de causa e efeito entre:

(A) retomada do desenvolvimento e elevação da renda do povo.

(B) a década do "milagre brasileiro" e a persistência da situação de pobreza do povo.

(C) situação econômica do Brasil no século XX e a que se apresenta no início do século XXI.

(D) queda dos índices de mortalidade infantil e valor do salário mínimo.

(E) consumo maior no Sul e no Sudeste e acentuadamente menor no Norte e no Nordeste.

478. A mortalidade infantil caiu 38%: de 48 por mil nascimentos para 29,6. O emprego dos dois pontos assinala:

(A) uma restrição à afirmação do período anterior.

(B) a ligação entre palavras que formam uma cadeia na frase.

(C) a inclusão de um segmento explicativo.

(D) a citação literal do que consta no relatório do IBGE.

(E) a brusca interrupção da seqüência de idéias.

479. Os números iniciais do Censo 2000 revelam melhorias. A queda das taxas de mortalidade infantil foi maior do que o esperado. Boa parte da população brasileira continua vivendo na pobreza. As frases acima formam um único período, com correção e lógica, em:

(A) Se as taxas de mortalidade infantil entraram em queda maior do que era esperada, a população brasileira continua vivendo na pobreza, apesar das melhorias que o Censo 2000, revelam em seus dados iniciais.

(B) A população brasileira em boa parte continua vivendo na pobreza, os números iniciais do Censo 2000 revelam as melhorias, onde as taxas de mortalidade infantil em queda, maior do que se esperava.

(C) Com a queda das taxas de mortalidade infantil, e os números iniciais do Censo 2000 revela que foi maior que o esperado, mas boa parte da população brasileira continua vivendo na pobreza.

(D) Os números iniciais do Censo 2000 melhoraram, com a queda das taxas de mortalidade infantil, que foi maior do que se esperavam, onde boa parte da população brasileira continua vivendo na pobreza.

(E) Boa parte da população brasileira continua vivendo na pobreza, conquanto os números iniciais do Censo 2000 revelem melhorias, como a queda das taxas de mortalidade infantil, maior do que o esperado.

480. A concordância nas frases abaixo, adaptadas do texto, está correta em:

(A) Os números iniciais do Censo 2000 mostram que o consumo nas diversas regiões brasileiras são distribuídas de maneira desigual e contrastante.

(B) Constituem uma proporção relativamente pequena as famílias brasileiras que podem dar-se ao luxo de serem sustentadas por um único membro.

(C) Alguns dados resultantes do Censo 2000 parece incompatível com aqueles que assinalam o aumento do consumo de bens duráveis, no mesmo período.

(D) A qualidade de vida dos brasileiros, refletida principalmente na saúde, dependem de aspectos importantes na área de serviços, como a de saneamento básico.

(E) Os dados referentes à economia informal não é captados pelas estatísticas, o que geram algumas situações aparentemente contraditórias.

TEXTO.

SÓ DÓI QUANDO EU RIO.

Só fico à vontade

na minha cidade.

Volto sempre a ela,

feito criminosa...

Doce e dolorosa,

a minha história escorre aqui.

Há quem não se importe

mas a Zona Norte

é feito cigana

lendo a minha sorte:

sempre que nos vemos

ela diz quanto eu sofri.

E Copacabana,

a linda meretriz-princesa.

Loura Mãe de Santo

com sua gargantilha acesa...

ela me ensinou pureza e pecado,

a respiração do mar revoltado...

Rio de Janeiro, favelas no coração.

481. Há uma afirmação FALSA a respeito do texto na opção:

a) a cidade do poeta é apresentada como um ser vivo;

b) Copacabana deu ao poeta lições de vida opostas;

c) no título há uma ironia;

d) uma parte da cidade tem predominância de ciganos;

e) é forte a ligação do autor com a sua cidade.

482. Sobre Copacabana, encontra apoio no texto o seguinte comentário:

a) a expressão “meretriz-princesa” (verso 14) ressalta seus aspectos positivos;

b) a expressão “loura Mãe de Santo” (verso 15) destaca seu catolicismo;

c) a expressão “gargantilha acesa” (verso 16) refere-se a suas joalherias;

d) a expressão “pureza e pecado” (verso 17) constitui uma oposição de sentido;

e) no penúltimo verso o poeta refere-se a um afogamento.

483. O sinal grave indicador da crase está corretamente empregado na locução “à vontade” (verso 1), o que NÃO ocorre com a locução sublinhada em:

a) falávamos à respeito de privatização;

b) à medida que o tempo passa, a crise aumenta;

c) estava à espera de vocês;

d) vive às custas do pai;

e) saiu às escondidas.

484. Em “Há quem não se importe” (verso 7), está correta a colocação do pronome “se”, assim como a do pronome sublinhado em:

a) Deus abençoe-te, meu filho!;

b) tem comportado-se muito mal aquele jogador;

c) poderia-se adiar esse encontro para a próxima semana;

d) os rebeldes não entregar-se-iam facilmente;

e) para ajudar-me, era capaz de tudo.

485. Em “sempre que nos vemos, ela diz...” (versos 11, 12), o verbo “ver” está no presente do indicativo. No futuro do subjuntivo, exigiria a seguinte construção:

a) sempre que nos veremos, ela dirá;

b) sempre que nos virmos, ela dirá;

c) sempre que no veríamos, ela diria;

d) sempre que nos víssemos, ela diria;

e) sempre que nos vermos, ela dirá.

486. Em “sempre que nos vemos”(verso 11) e “volto sempre a ela” (verso 3), os pronomes pessoais  estão empregados segundo as normas do português escrito culto. Entre os exemplos abaixo, o que também está de acordo com essas normas é:

a) ela trouxe o livro para mim ler;

b) entre eu e você tudo acabou;

c) não estou lhe reconhecendo;

d) parece que o filme não o agradou;

e) estivemos muito próximos, mas não lhe vi o rosto.

487. O verbo da frase “ela me ensinou pureza e pecado” (verso 17)  apresenta a mesma regência do que aparece sublinhado em:

a) pouco me importa o resultado;

b)  não me atraem esses passeios;

c) lembrei-me do ocorrido;

d) o boletim nada me informou de novo;

e) ocorreu-me uma idéia.

TEXTO.

A JUSTIÇA.

   De uma colina, onde se descortinava toda a cidade, dois homens mantinham silêncio olhando os dois corpos que balançavam lado a lado no patíbulo da praça. Um dos homens era o juiz mais sábio e justo de todo o país, e o outro, um lenhador, seu amigo.

   E o lenhador quebrou o silêncio:

   - Senhor juiz, nunca houve uma sentença sua que eu não aceitasse como a suprema justiça. Mas, desculpe minha infinita ignorância, por que enviar à forca uma mulher que no julgamento perdoou ao frio assassino do filho? Qual a razão desta sentença, senhor juiz?

   E o juiz grave, solene, respondeu:

   - A justiça, meu amigo.

   - Mas como a justiça, meritíssimo? Essa mulher era uma santa. Perdoava a todos; até ao assassino do filho.

   E o juiz, do fundo da sua sabedoria, disse:

   - A esse crime ela não tinha o direito de dar o seu perdão.

488. A ilogicidade do texto está em que:

A) ninguém perdoa, de fato, o assassino do próprio filho;

B) o fato de perdoar não pode ser visto como ato criminoso;

C) não há mais a utilização da forca nas penas de morte;

D) a profissão de lenhador já está extinta;

E) um juiz que condena à morte seja considerado sábio.

489. Na forma verbal mantinham, a irregularidade está:

A) na alteração do radical do infinitivo;

B) na utilização de desinência fora do modelo regular;

C) no novo sentido atribuído ao verbo;

D) na utilização do imperfeito pelo perfeito;

E) em estar anteposto ao sujeito.

490. O vocábulo perdão, presente no texto, tem como plural perdões; o item abaixo em que todos os vocábulos podem fazer o plural do mesmo modo é:

A) cidadão, vulcão, capelão;

B) escrivão, aldeão, razão;

C) capelão, situação, alazão;

D) corrimão, cidadão, escrivão;

E) vulcão, aldeão, alazão.

491. Pode-se inferir do texto que os dois corpos ''que balançavam lado a lado no patíbulo da praça'' eram:

A) do juiz e do lenhador;

B) do assassino e da mãe do filho assassinado;

C) do assassino e de alguém não mencionado no texto;

D) da mãe do filho assassinado e de alguém desconhecido;

E) de dois criminosos condenados.

492. Sentença e justiça são vocábulos grafados com Ç; o item abaixo em que um dos vocábulos está erradamente grafado com essa letra é:

A) caçarola, adereço, maço;

B) alçapão, caniço, dança;

C) distorção, terçol, tição;

D) noviço, piaçaba, maçante;

E) presunção, prevenção, ascenção.

493. O item abaixo que apresenta erradamente uma separação de sílabas é:

A) trans-o-ce-â-ni-co;

B) cor-rup-te-la;

C) sub-li-nhar;

D) pneu-má-ti-co;

E) e-co-no-mi-a.

494. Senhor pode ter como abreviatura Sr. ; o item abaixo que apresenta uma forma abreviada erradamente é:

A) Vossa Majestade - V. M.;

B) Vossa Alteza - V. A.;

C) Vossa Excelência - V. Excia.;

D) Vossa Senhoria - V. S ª.;

E) Vossa Santidade - V. S.

495. O item abaixo em que o acento gráfico marca o timbre é:

A) constrói;

B) construído;

C) construíram;

D) construíste;

E) construísse.

TEXTO.

01                Dentre  as  ocupações  valorizadas  e mais bem  remuneradas,  há  duas categorias. A primei-

02  ra é a dos cientistas,  engenheiros  e muitos outros profissionais cuja preparação requer  o  domí-

03  nio   de  técnicas   complexas  e especializadas  –  além  das competências  “genéricas”.  Ninguém

04  vira engenheiro eletrônico sem longos anos  de  estudo.  Mas  pelo menos  a  metade   das  ocupa-

05  ções  que  requerem diploma superior  exige  conhecimentos específicos limitados.  Essas   ocupa-

06  ções  envolvem  administrar,  negociar,  coordenar, comunicar-se e por aí afora. Pode-se aprendê-

07  las por experiência ou em cursos curtos. Mas somente quem dominou as competências  genéricas

08  trazidas por uma boa educação tem a cabeça arrumada de forma a aprendê-las rapidamente. Por

09  isso, nessas ocupações há gente de todos os tipos de diploma. Nelas estão os graduados em econo-

10  mia, direito e dezenas de outras áreas. É tolo pensar que estão fora   de  lugar ou  mal aproveita-

11  dos,  ou que se frustou sua profissionalização, pois não a  exercem. É interessante  notar  que  as

12  grandes  multinacionais contratam “especialistas”  para  posições  subalternas e, para  boa parte

13  das  posições  mais  elevadas, pessoas   com a  melhor  educação  possível, qualquer  que  seja   o

14  diploma.

15A profissionalização mais duradoura e valiosa tende a vir mais do lado genérico que do   espe-     

16                cializado. Entender bem o que leu, escrever claro e comunicar-se,  inclusive  em  outras  línguas,

17 são os conhecimentos mais valiosos. Trabalhar  em grupo e usar números para resolver                 18 problemas, pela  mesma forma, é profissionalização. E quem suou a camisa  escrevendo                            19 ensaios sobre o existencialismo,  decifrando Camões  ou  Shakespeare, pode estar mais bem          20  preparado para uma empresa moderna do que quem  aprendeu  meia dúzia de técnicas, mas não

21  sabe escrever.

496. No texto NÃO há a mínima indicação sobre:

A. que profissional o mercado de trabalho mais valoriza.

B. quais são as competências genéricas.

C. para que serve uma boa educação.   

D. por que em algumas ocupações o que importa não é o tipo de diploma.

E. que fatores contribuem para a modernização das empresas.  

497. De acordo com o ponto de vista do autor, o melhor profissional é o que:

A. sabe cada vez mais sobre cada vez menos.

B. consegue pensar e agir de forma abrangente.

C. domina uma área específica.

D. conhece as últimas teorias da moda.

E. dedica-se apenas à leitura dos clássicos.

498. Considere as afirmações sobre os recursos empregados na argumentação desenvolvida.   

I   – O autor compara os tipos de profissionais e suas chances no mercado de trabalho.

II  – O autor procura analisar, sem desqualificar, opiniões contrárias às suas.

III – O autor apóia-se em idéias de conhecidos escritores da literatura ocidental.

Quais estão corretas?

A. Apenas I.

B. Apenas II.

C. Apenas I e II.

D. Apenas II e III.

E. I, II e III.

499. O verbo “envolver” tem o mesmo sentido em “Essas ocupações envolvem administrar,  negociar, coordenar, comunicar-se” (linhas 05 e 06)  e na alternativa

A. A especialização extrema envolve redução das oportunidades de colocação em áreas    mais competitivas.

B. Os processos de  seleção  nas  multinacionais  envolvem  análise de currículo, testes,   entrevistas  e,  às vezes, até a participação dos candidatos em atividades grupais.

C. Constantes denúncias de sonegação envolvem os dirigentes dessa empresa, mas não  afetam a produção.

D. Os preparativos para a Semana do  Meio  Ambiente   envolveram todos os funcionários da fábrica, da direção à produção.

E. A beleza  dos  versos  de  Camões,  recitados  no  início  da cerimônia,   envolveu todos os presentes à entrega do prêmio de Melhor Empresário do Ano.

500. Considerando o emprego que as expressões destacadas têm no texto, NÃO está correta a substituição da alternativa:

A. “Essas ocupações” (linhas 05 e 06)  por  “Tais ocupações”.

B. “somente quem dominou as competências (linha 07) por “apenas quem dominou as compe-tências”.    

C. “gente de todos os tipos de diploma”  (linha 09)  por  “gente  com  todos os tipos  de       diploma”.

D. “Nelas estão os graduados em economia” (linhas 09 e 10) por  “Onde  estão os graduados em economia”.

E. “É interessante notar que as grandes multinacionais contratam” (linhas 11 e 12) por      “É interessante notar como as grandes multinacionais contratam”.

501. Considere as seguintes afirmações sobre a pontuação no texto.

I  –  Uma vírgula poderia  substituir o travessão na linha 03, mas isso atenuaria o destaque à idéia acrescentada após esse sinal.

II  –  Uma  vírgula  poderia  ser  acrescentada depois da palavra “educação” na linha  08, para assinalar a pausa  necessária à boa leitura do texto.

III – O paralelismo entre os termos enumerados nas linhas 12 e 13 seria  melhor evidenciado  com  a  colocação de uma vírgula antes de “para posições subalternas”.

Quais estão corretas?

A. Apenas I.

B. Apenas II.

C. Apenas I e II.

D. Apenas II e III.

E. I, II e III.

502.  A alternativa que apresenta  uma transformação correta da frase  “Mas  pelo  menos   a metade das ocupações que requerem diploma superior exige conhecimentos específicos  limitados”  (linhas 04 e 05) é:

A. Mas exige-se  conhecimentos  específicos limitados em pelo menos a metade das  ocupações  que requerem diploma superior.

B. Mas  pelo  menos  a  metade  das profissões  tem como requisito  diploma superior, exigindo conhecimentos específicos limitados.

C. Mas  são  limitados  os  conhecimentos  específicos  que  se  exige  em pelo menos a metade das profissões que tem como requisito diploma superior.

D. Mas,  pelo menos  na metade  das  profissões em que se requer  diploma  superior,  é  limitado os conhecimentos específicos exigidos.

E. Mas,  em  pelo  menos a  metade das profissões  que  requerem   diploma   superior, exigem-se conhecimentos específicos limitados.   

503. O período em que devem ser utilizados dois acentos indicativos de crase é:

A. A despeito da falta de  técnicos  especializados  entre nós,  o  mercado  tende  a valorizar o profissional de formação mais genérica.

B. Quem está a par do que acontece na economia brasileira  fica a  espera  de uma ação mais enérgica das autoridades.

C. O articulista  não faz menção apenas aquilo que acontece nas grandes potências, mas também a situação de países em desenvolvimento, como o Brasil.

D. As empresas também  cabe zelar pela qualidade da educação  a  que  os filhos de seus funcionários têm acesso.

E. A  formação  direcionada  a  áreas especializadas pode não ser bem sucedida  se  a ela não se integrar um conhecimento mais amplo do mundo e das pessoas.

TEXTO.

UM SONHO DE SIMPLICIDADE.

   Então, de repente, no meio dessa desarrumação feroz da vida urbana, dá na gente um sonho de simplicidade. Será um sonho vão? Detenho-me um instante, entre duas providências a tomar, para me fazer essa pergunta. Por que fumar tantos cigarros? Eles não me dão prazer algum; apenas me fazem falta. São uma necessidade que inventei. Por que beber uísque, por que procurar a voz de mulher na penumbra ou os amigos no bar para dizer coisas vãs, brilhar um pouco, saber intrigas?

   Uma vez, entrando numa loja para comprar uma gravata, tive de repente um ataque de pudor, me surpreendendo assim, a escolher um pano colorido para amarrar ao pescoço.

   Mas, para instaurar uma vida mais simples e sábia, seria preciso ganhar a vida de outro jeito, não assim, nesse comércio de pequenas pilhas de palavras, esse ofício absurdo e vão de dizer coisas, dizer coisas... Seria preciso fazer algo de sólido e de singelo; tirar areia do rio, cortar lenha, lavrar a terra, algo de útil e concreto, que me fatigasse o corpo, mas deixasse a alma sossegada e limpa.

   Todo mundo, com certeza, tem de repente um sonho assim. É apenas um instante. O telefone toca. Um momento! Tiramos um lápis do bolso para tomar nota de um nome, de um número... Para que tomar nota? Não precisamos tomar nota de nada, precisamos apenas viver sem nome, nem número, fortes, doces, distraídos, bons, como os bois, as mangueiras e o ribeirão.

504. Em seu sonho de simplicidade, o cronista Rubem Braga idealiza sobretudo:

A) uma depuração maior no seu estilo de escrever, marcado por excessivo refinamento.

B) as pequenas necessidades da rotina, que cada um de nós cria inconscientemente.

C) uma relação mais direta e vital do homem com os demais elementos da natureza.

D) o aperfeiçoamento do espírito, por meio de reflexões constantes e disciplinadas.

E) a paixão ingênua que pode nascer com a voz de uma mulher na penumbra.

505. Considere as seguintes afirmações:

I. O cronista condiciona a conquista de uma vida mais simples à possibilidade de viver sem precisar produzir nada, sem executar qualquer tipo de trabalho, afora o da pura imaginação.

II. Alimentar um tal um sonho de simplicidade é, na perspectiva do cronista, uma característica exclusiva dos escritores que não mantêm relações mais concretas com o mundo.

III. Cigarros, gravatas e telefones são elementos utilizados pelo cronista para melhor concretizar o mundo que representa uma antítese ao seu sonho de simplicidade.

Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que se afirma em:

A) I.

B) II.

C) III.

D) I e II.

E) II e III.

506. Na frase: Mas, para instaurar uma vida mais simples e sábia, seria preciso ganhar a vida de outro jeito, não assim, nesse comércio de pequenas pilhas de palavras, esse ofício absurdo e vão de dizer coisas, dizer coisas... o cronista: 

A) ressalta, com a repetição de dizer coisas, a importância de seu trabalho de escritor, pelo qual revela aos outros as verdades mais profundas.

B) justifica com a expressão comércio de pequenas pilhas de palavras a visão depreciativa que tem de seu próprio ofício.

C) apresenta como conseqüência de instaurar uma vida mais simples e sábia o fato de ganhar a vida de outro jeito.

D) utiliza a expressão não assim para apontar uma restrição à vida que seria preciso ganhar de outro jeito.

E) se vale da expressão ofício absurdo e vão para menosprezar o trabalho dos escritores que se recusam a profissionalizar-se.

507. Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

A) O sonho do cronista parece estravagante, mas há que se reconhecer nele a beleza de uma vida a ser levada com muito mais distenção.

B) Quem vive de forma mais displiscente não é o homem distraído das obrigações, mas aquele que atribue importância exclusiva aos negócios e à rotina urbana.

C) Um telefone corta abruptamente nossa evazão imaginária, e anotamos nomes e números, na sugeição aos velhos hábitos e compromissos.

D) Se uma vida mais natural nos restitui a extinta simplicidade, que empecilhos tão fortes nos impedem de desfrutá-la?

E) A singeleza de uma vida natural exclue, é obvio, aqueles valores supérfluos que encorporamos sem nunca os analisar.

508. As normas de concordância verbal estão inteiramente respeitadas SOMENTE na frase:

A) Quando se fatigam os corpos, as almas restam mais sossegadas e limpas.

B) O que aflige o autor é os compromissos e os ofícios vãos, com os quais se envolvem permanentemente.

C) Não dura senão um rápido instante os vislumbres de uma vida mais simples.

D) Todas as coisas que se sonha nascem de carências reais.

E) Se houvessem mais coisas simples em nossa vida, não sonharíamos tanto com elas. 

509. Transpondo-se para a voz passiva a frase ''Eles não me dão prazer algum'', resultará a forma verbal: 

A) têm dado.

B) é dado.

C) tem sido dado.

D) teriam dado.

E) foi dado.

510. Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas na frase:

A) Se todos se detessem mais do que um instante, um sonho seria mais que um sonho.

B) Como nunca te conviu sonhar, deduzo que sejas feliz.

C) O cronista provê de sonhos sua vida, ainda que sejam fugazes.

D) De onde proviram as gravatas, que se ostentam tão vaidosamente?

E) Ah, se retêssemos por mais tempo os sonhos que valham a pena sonhar...

511. Está inteiramente adequada a pontuação da seguinte frase:

A) Tive, sim um ataque de pudor, quando olhando-me com a gravata, tomei consciência de que pretendia ficar elegante com um pano colorido que mecanicamente, amarrara ao pescoço.

B) Tive sim um ataque de pudor quando, olhando-me com a gravata tomei consciência, de que pretendia ficar elegante com um pano colorido, que mecanicamente amarrara, ao pescoço.

C) Tive, sim, um ataque de pudor quando olhando-me, com a gravata, tomei consciência, de que pretendia ficar elegante com um pano, colorido, que mecanicamente amarrara ao pescoço.

D) Tive, sim, um ataque de pudor; quando olhando-me com a gravata, tomei consciência de que pretendia ficar elegante: com um pano colorido que, mecanicamente, amarrara ao pescoço.

E) Tive, sim, um ataque de pudor quando, olhando-me com a gravata, tomei consciência de que pretendia ficar elegante com um pano colorido que, mecanicamente, amarrara ao pescoço.

TEXTO.

A INTELIGÊNCIA ANIMAL.

Há muito vem sendo estudada a possibilidade de haver, no reino animal, outros tipos de inteligência além da humana. Vejam, por exemplo, o golfinho. Dizem que esses simpáticos mamíferos pensam mais rápido do que o homem, têm linguagem própria e também podem aprender uma língua humana. Além disso, chegam a adquirir úlceras de origem psicológica e sofrem stress por excesso de atividade.

512. “...sofrem stress por excesso de atividade.”; o item abaixo que substitui INADEQUADAMENTE a preposição “por” nesse segmento do texto é:

a) em razão do;

b) por causa do;

c) devido ao;

d) visto o;

e) após o.

513. A semelhança entre o golfinho e o homem só NÃO está:

a) na possibilidade de sofrer distúrbios psicológicos;

b) na presença de inteligência;

c) no uso da linguagem;

d) na impossibilidade de aprender;

e) na utilização de várias linguagens.

514. O golfinho serve de exemplo comprovador de que:

a) há animais que não pensam tão rápido quanto o homem;

b) outros animais também possuem inteligência humana;

c) o homem não pode falar com os golfinhos;

d) outros mamíferos também podem falar a nossa língua;

e) há animais que pensam como os humanos.

515. Ao dizer “Vejam...”, o autor do texto refere-se:

a) aos amigos que o escutam;

b) a todos os homens;

c) aos que não crêem no que diz;

d) aos possíveis leitores;

e) aos biólogos, em geral.

516. A palavra que, no texto, se refere a golfinho, evitando a sua repetição, é:

a) animal;

b) mamífero;

c) inteligência;

d) reino;

e) linguagem.

517. “Dizem que esses simpáticos mamíferos...”; a utilização da forma verbal dizem mostra que:

a) a ciência já estudou a questão;

b) há certeza no que se diz;

c) o autor não acredita no que é dito por outros;

d) ainda há possibilidades de haver erro no que é dito;

e) ainda não houve livros publicados a respeito desse assunto.

518. Após a leitura do texto, podemos dizer que os golfinhos:

a) não são inteligentes;

b) são pouco inteligentes;

c) são humanamente inteligentes;

d) são diferentemente inteligentes;

e) talvez sejam inteligentes como os humanos.

519. EXCESSO é vocábulo grafado com XC; o item abaixo em que há erro porque o vocábulo NÃO deveria ser escrito com esse dígrafo é:

a) excelente;

b) exceção;

c) exceder;

d) excitar;

e) rexcisão.

TEXTO 2.

“As fronteiras políticas das nações-estados são estreitas e limitadas demais para definir o escopo e o alcance da empresa moderna”.

TEXTO 3.

“As estruturas políticas mundiais são inteiramente obsoletas. Não mudaram em pelo menos cem anos e estão lamentavelmente desafinadas como progresso tecnológico”.

520. O vocábulo escopo, presente no texto 2, significa:

a) o tipo;

b) o investimento;

c) a qualidade;

d) o objetivo;

e) a estrutura.

521. A vogal E do vocábulo “obsoletas” deve ser pronunciado com o mesmo timbre dessa mesma vogal em uma das palavras abaixo:

a) obeso;

b) fecho;

c) espelho;

d) topete;

e) maqueta.

522. Dizer que as “estruturas políticas mundiais são inteiramente obsoletas” corresponde a afirmar que essas estruturas devem ser:

a) preservadas por seus valores tradicionais;

b) mantidas em função de sua obsolescência;

c) substituídas por outras mais baratas;

d) modernizadas por serem agora inadequadas;

e) alteradas, apesar de seu caráter nacionalista.

523. A afirmação correta em relação aos textos 2 e 3:

a) o texto 2 é narrativo enquanto o texto 3 é dissertativo;

b) o texto 2 trata de tema menos amplo que o texto 3;

c) ambos os textos mostram que a tecnologia é prejudicial;

d) só o texto 3 defende a alteração das fronteiras políticas atuais;

e) os dois textos têm caráter descritivo.

524. Vocábulo que, dentro do contexto dos textos 2 e 3, destoa dos demais, por seu valor semântico, é:

a) estreitas;

b) limitadas;

c) obsoletas;

d) desafinadas;

e) moderna.

525. O verbo estar, presente no texto 3, é classificado como irregular, como provam as formas abaixo, exceto uma:

a) estiveste;

b) estou;

c) estavam;

d) estejam;

e) estiver.

526. “ Não mudaram em pelo menos cem anos”; o vocábulo cem é classificado como numeral. A frase em que não ocorre nenhum tipo de numeral é:

a) A maioria das empresas se modernizou em função da globalização;

b) Ambos motivos fizeram com que as fronteiras políticas perdessem a importância;

c) O item a do regulamento deve ser alterado;

d) Um terço das empresas necessita modernizar-se;

e) Somos o penúltimo país do mundo em distribuição de renda.

527. A função sintática de “estreitas” e “limitadas” (texto 2) é a mesma do termo:

a) das nações (texto 2);

b) moderna (texto 2);

c) mundiais (texto 3);

d) desafinadas (texto 3);

e) tecnológico (texto 3).

TEXTO.

CULTURA E SOCIEDADE.

 Creio que é somente  na  década  de 40 que se pode  considerar    seriamente a presença de uma série de  atividades vinculadas a uma  cultura  popular de  massa  no  Brasil.  Claro, é sempre possível  recuarmos  no  passado  e   encontrarmos  exemplos  que  atestam a existência dos “meios” de comunicação. A imprensa já havia consagrado desde o início do século formas como os jornais diários, as revistas  ilustradas,  as  histórias  em   quadrinhos. Mas não é a realidade concreta dos modos comunicativos que institui uma cultura de mercado, é necessário que toda a sociedade se reestruture para que eles adquiram um novo significado e uma amplitude social. Se apontamos os anos 40 como o início de uma “sociedade de massa”  no Brasil é porque se consolida neste momento o que os sociólogos denominaram de sociedade urbano-industrial. Não nos cabe retomar as análises já realizadas sobre este tema, mas é importante lembrar que a sociedade brasileira, particularmente após a Segunda Guerra Mundial, se moderniza em diferentes setores. A velha sociologia do desenvolvimento costumava descrever essas mudanças sublinhando fenômenos como o crescimento da industrialização e da urbanização, a transformação do sistema de estratificação social com a expansão da classe operária  e das camadas médias, o advento da burocracia e das novas formas de controle gerencial, o aumento populacional, o desenvolvimento do setor terciário em detrimento do setor agrário. É dentro desse contexto mais amplo que são redefinidos os antigos meios (imprensa, rádio e cinema) e direcionadas as técnicas como a televisão e o marketing. Sabemos que é nas grandes cidades que floresce este mundo moderno; a questão que se coloca é conhecermos como ele se estrutura, e em que medida determina parâmetros novos para a problemática da cultura. Por isso se faz necessário entender como se articulam no período os diversos ramos de produção e de difusão de massa.

528. O conteúdo presente ao longo do texto e que lhe garante unidade de assunto é:

a) Surgimento de uma cultura de massa no Brasil;

b) Influência da sociedade industrial nos costumes da população brasileira;

c) Teses da sociologia do desenvolvimento sobre a sociedade brasileira;

d) Expansão da classe operária e das camadas médias da população;

e) Presença dos meios de comunicação na formação social brasileira.

529. O emprego da primeira pessoa do plural tem duplo valor no texto: ora refere-se apenas ao autor, ora inclui outros indivíduos. A alternativa em que ambas as formas de primeira pessoa do plural se referem apenas ao autor é:

a) recuarmos – sabemos;

b) sabemos – não nos cabe;

c) recuarmos – não nos cabe;

d) apontamos – sabemos;

e) não nos cabe – apontamos.

530. No trecho “o desenvolvimento do setor terciário em detrimento do setor agrário”, a locução sublinhada significa:

a) em proveito de;

b) a despeito de;

c) por causa de;

d) em prejuízo de;

e) em conseqüência de.

531. Na nova redação dada a certas passagens do texto, cometeu-se um erro gramatical na opção:

a) A imprensa já consagrara desde o início do século formas como os jornais diários;

b) Sabemos que são nas grandes cidades que floresce este mundo moderno;

c) Por isso faz-se necessário entender como se articulam no período os diversos ramos de produção e de difusão de massa;

d) São sempre possíveis o recuo no passado e o encontro de exemplos que atestam a existência dos “meios” de comunicação;

e) Não é a realidade concreta dos modos comunicativos, todavia, que institui uma cultura de mercado.

532. A alternativa em que o deslocamento do pronome oblíquo átono foi efetuado de acordo com as normas do padrão culto escrito do português é:

a) que pode considerar-se seriamente;

b) que toda a sociedade reestruture-se;

c) como articulam-se;

d) A questão que coloca-se;

e) Não cabe-nos retomar as análises.

533. As quatro ocorrências da palavra “que” no trecho abaixo “Sabemos que é nas grandes cidades que floresce este mundo moderno; a questão que se coloca é conhecermos como ele se estrutura, e em que medida determina parâmetros novos para a problemática da cultura” estão corretamente classificadas na opção:

a) conjunção integrante – pronome relativo – palavra expletiva – pronome relativo;

b) pronome indefinido – palavra expletiva – pronome relativo – conjunção integrante;

c) conjunção integrante – palavra expletiva - pronome relativo – pronome indefinido;

d) pronome indefinido – conjunção integrante – palavra expletiva – pronome relativo;

e) palavra expletiva – pronome relativo – pronome indefinido – conjunção integrante.

534. Se compararmos a frase “É nas grandes cidades que floresce este mundo moderno” com sua variante “Este mundo moderno floresce nas grandes cidades”, notaremos que a primeira construção dá realce à parte sublinhada graças ao emprego de ‘É ... que’. A opção que apresenta outro exemplo desse mesmo tipo de construção é:

a) “...é necessário que toda a sociedade se reestruture”;

b) ”...a questão que se coloca é conhecermos como ele se estrutura...”;

c) “É dentro desse contexto mais amplo que são redefinidos os antigos meios...”;

d) “...mas é importante lembrar que a sociedade brasileira (...) se moderniza em diferentes setores.”;

e) “...é sempre possível recuarmos no passado...”.

535. O verbo FLORESCER escreve-se com o dígrafo ‘SC’, tanto quanto CRESCER e NASCER. Dentre as alternativas abaixo, cometeu-se erro de grafia pelo uso indevido desse dígrafo em:

a) suscitar – descer -  prescindir;

b) rejuvenescer – suscinto – ressuscitar;

c) piscina – ascensão – disciplina;

d) rescindir – remanescente – abscesso;

e) miscigenação – recrudescer – condescender.

TEXTO.

QUEM FICA COM O TOTÓ?

O aposentado Antônio Fernando Noceti, de 59 anos, tem um casal de filhos mimados. Eles já completaram 10 anos, mas ainda dormem na cama do papai. E ai de quem tentar expulsá-los. Noceti anda inconsolável. Ocila Ramos, sua ex-mulher, quer tirar dele seus dois xodós. A disputa foi parar na justiça de Brasília. Na audiência, o choro do aposentado não sensibilizou o juiz. Noceti perdeu em primeira instância, mesmo tendo o laudo de um especialista, que alertava: seus filhotes poderiam sofrer de depressão, fobias e automutilação. As crianças de Noceti chamam-se Paquito e Laika. São dois cães. Derrotado, o aposentado solta os cachorros: “Vou lutar até o fim pelos meus filhos”. Como nos Estados Unidos, o divórcio já provoca a disputa de animais. No Brasil, até pouco tempo, pais e mães de totós eram mansos. Na separação, selavam acordos informais. O caso de Noceti é o primeiro de que se tem notícia nos tribunais do país.

536. De acordo com o texto, é correto afirmar que:

(A) Noceti tem dois meninos de 10 anos que ainda dormem na cama do pai.

(B) Noceti tem dois cachorros que são tratados como filhos.

(C) Noceti tem um casal de filhos e um casal de cachorros.

(D) Noceti é o nome de um cachorro.

537. Paquito e Laika são nomes:

(A) de dois garotos.

(B) de um menino e de uma menina.

(C) de um casal de cães.

(D) do aposentado e de sua mulher.

538. ..., “sua ex-mulher, quer tirar dele seus dois xodós”. No texto, a palavra xodós transmite sentimento de:

(A) desprezo.

(B) vingança.

(C) espanto.

(D) afeto.

539. Derrotado, o aposentado solta os cachorros: “Vou lutar até o fim pelos meus filhos”. A expressão solta os cachorros quer dizer que o aposentado:

(A) ficou de mau humor.

(B) ficou satisfeito.

(C) mostrou-se despreocupado.

(D) libertou os cachorros.

Para responder às questões de números 17 e 18, considere a seguinte frase: “No Brasil, até pouco tempo, pais e mães de totós eram mansos”.

540. O adjetivo mansos refere-se a:

(A) pais.

(B) mães.

(C) totós.

(D) pais e mães.

541. O adjetivo mansos foi empregado com o sentido de:

(A) domesticados.

(B) calmos.

(C) imóveis.

(D) malcriados.

542. Assinale a alternativa que contém a frase cujas palavras estão escritas corretamente.

(A) Os cachoros tanbém amam seus donos.

(B) Os cachorros tanbém amão seus donos.

(C) Os cachorros também amam seus donos.

(D) Os cachoros também amão seus donos.

543. “Vou lutar até o fim pelos meus cachorros”. Sem alterar o sentido, está correto dizer essa mesma frase da seguinte maneira:

(A) Lutava até o fim pelos meus cachorros.

(B) Lutaria até o fim pelos meus cachorros.

(C) Lutarei até o fim pelos meus cachorros.

(D) Lutei até o fim pelos meus cachorros.

TEXTO.

A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos. De um lado, existe um estado permanente de beligerância, pela vizinhança com Israel, o que tende a concentrar o poder nas mãos de um líder ou de um grupo. O constante clima de guerra, além do mais, torna prioridade o fortalecimento do Exército, do serviço de inteligência, da polícia secreta, da guarda nacional, instituições que também servem para conter aspirações populares malvistas pelos dirigentes. De outro lado, a comunidade árabe é dividida pela glória e pela desgraça do petróleo. Quem tem senta-se sobre ele. Quem não tem usa sua influência junto aos países ricos em petróleo para garantir investimentos e ajuda externa. Assim, tanto os com-petróleo quanto os sem-petróleo, excessivamente amarrados à dependência do capital externo, tendem a ignorar as demandas internas por maior participação popular.

544. O texto apresenta como tema principal o (a):

a) clima de violência que impera nos países árabes.

b) dificuldade de implantar a democracia em países árabes.

c) divisão dos países árabes pela glória e pela desgraça do petróleo.

d) dependência de países árabes ao capital estrangeiro.

e) estratégia de manutenção do poder nos países árabes.

545. De acordo com o texto, é causa de um estado permanente de beligerância nos países árabes o (a):

a) concentração do poder nas mãos de um líder ou de um grupo.

b) fortalecimento de instituições que servem para conter aspirações populares.

c) vizinhança com Israel.

d) divisão da comunidade árabe pela glória e pela desgraça do petróleo.

e) auto-suficiência dos com-petróleo.

546. A propósito do texto, afirma-se:

I. Os sem-petróleo são mais sensíveis que os com-petróleo aos apelos da população árabe por uma maior participação política.

II. A divisão dos países árabes entre os que têm e os que não têm petróleo alimenta-lhes o interesse pela democracia.

III. O fato de que uns têm petróleo, e outros não, agrava entre os países árabes a dificuldade de criar regimes democráticos.

Das afirmações acima, está(ão) correta(s) apenas:

a) I

b) II

c) III

d) I, II

e) I, III

547. Considere os fragmentos:

I. “...decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”

II. “....o que tende a concentrar o poder nas mãos de um líder ou de um grupo.”

III. “Quem não tem usa sua influência junto aos países ricos em petróleo para garantir investimentos e ajuda externa.”

Os termos neles grifados têm, respectivamente, valor:

a) opositivo, aditivo e modal.

b) concessivo, alternativo e locativo.

c) adversativo, explicativo e final.

d) opositivo, alternativo e final.

e) adversativo, alternativo e consecutivo.

548. A construção “Quem tem senta-se sobre ele.” sugere, nos países que possuem o petróleo, uma atitude de:

a) ganância e insatisfação.

b) tolerância e resignação.

c) vigilância e comodismo.

d) orgulho e generosidade.

e) humildade e temor.

549. Apresentam hiato todos os vocábulos da alternativa:

a) criar/ países/ prioridade.

b) criar/ razão/ inteligência.

c) países/ mãos/ vizinhança.

d) instituições/ prioridade/ aspirações.

e) inteligência/ petróleo/ beligerância.

550. No fragmento: “A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”, pertencem à mesma classe gramatical as palavras:

a) de/mas.

b) de/em.

c) hoje/dois.

d) dificuldade/árabes.

e) democráticos/fatores.

551. Só NÃO ocorre dígrafo nas palavras da alternativa:

a) decorre/glória/vizinhança.

b) assim/garantir/permanente.

c) criar/clima/glória.

d) decorre/assim/glória.

e) vizinhança/clima/permanente.

552. Considere o trecho: “A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”. Segundo a norma culta da língua, outra forma correta de pontuá-lo seria:

a) “A dificuldade de criar regimes democráticos, em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”.

b) “A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão, de dois aspectos.”.

c) “A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre, de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”.

d) “A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores, históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”.

e) “A dificuldade de criar regimes democráticos, em países árabes, decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.”.

TEXTO.

CORPO.

 Na doença é que descobrimos que não vivemos sozinhos, mas sim encadeados a um ser de um reino diferente, de que nos separam abismos, que não nos conhece e pelo qual nos é impossível fazer-nos compreender: o nosso corpo. Qualquer assaltante que encontremos numa estrada, talvez consigamos torná-lo sensível ao seu interesse particular, senão à nossa desgraça. Mas pedir compaixão a nosso corpo, é discorrer diante de um polvo, para quem as nossas palavras não podem ter mais sentido que o rumor das águas, e com o qual ficaríamos cheios de horror de ser obrigados a viver.

553. Segundo o texto, o nosso corpo:

(A) tem plena consciência de viver encadeado a um ser diferente;

(B) conhece perfeitamente o outro ser a que está encadeado;

(C) é separado de nossa alma por um abismo intransponível;

(D) se torna conhecido pouco a pouco;

(E) só na doença é que tem sua existência reconhecida.

554. No segmento “Na doença é que descobrimos que não vivemos sozinhos...”:

(A) o sujeito de descobrimos é diferente do sujeito de vivemos;

(B) a expressão é que atua como expressão de realce;

(C) Na doença indica uma idéia circunstancial de lugar;

(D) que não vivemos sozinhos é complemento do verbo ser;

(E) não é advérbio de negação ligado a sozinhos.

555. A conjunção mas (linha 1) opõe basicamente duas palavras do texto, que são:

(A) descobrimos/vivemos;

(B) sozinhos/encadeados;

(C) vivemos/encadeados;

(D) doença/reino;

(E) sozinhos/ser.

556. “...pelo qual nos é impossível fazer-nos compreender.”; esse segmento do texto quer dizer que:

(A) não nos é possível fazer com que nosso corpo nos compreenda;

(B) é impossível compreender o nosso corpo;

(C) é possível fazer com que alma e corpo se entendam;

(D) é impossível ao corpo compreender o ser humano;

(E) o corpo humano pode compreender mas não pode ser compreendido.

557. Qualquer assaltante apresenta sentido diferente de um assaltante qualquer; o par abaixo que não apresenta diferença significativa de sentido é:

(A) pobre homem/homem pobre;

(B) funcionário competente/competente funcionário;

(C) grande mulher/mulher grande;

(D) folha branca/branca folha;

(E) bom menino/menino bom.

558. “Qualquer assaltante que encontremos...”; nesse segmento, o uso do subjuntivo mostra uma:

(A) certeza;

(B) comparação;

(C) possibilidade;

(D) previsão;

(E) condição.

559. O item abaixo em que o pronome sublinhado tem seu antecedente corretamente indicado é:

(A) “...ao seu interesse particular...”: corpo;

(B) “...para quem as nossas palavras...”: assaltante;

(C) “...de que nos separam abismos...”: sozinhos;

(D) “...e com o qual ficaríamos...”: águas;

(E) “...talvez consigamos torná-lo...”: assaltante.

560. “...senão à nossa desgraça.”; o vocábulo sublinhado eqüivale, nesse segmento, a:

(A) ou;

(B) exceto;

(C) salvo;

(D) e não;

(E) se.

561. “...é discorrer diante de um polvo.”; esse segmento do texto representa uma tarefa:

(A) trabalhosa;

(B) inútil;

(C) frutífera;

(D) temerosa;

(E) destemida.

TEXTO.

FAMÍLIA.

Na cabeceira da mesa, a toalha manchada de coca-cola, o bolo desabado, ela era a mãe. A aniversariante piscou. Eles se mexiam agitados, rindo, a sua família. E ela era a mãe de todos. E se de repente não se ergueu, como um morto se levanta devagar e obriga mudez e terror aos vivos, a aniversariante ficou mais dura na cadeira, e mais alta. Ela era a mãe de todos. E como a presilha a sufocasse, ela era a mãe de todos e, impotente à  cadeira,  desprezava-os. E olhava-os piscando. Todos aqueles seus filhos e netos e bisnetos que não passavam de carne de seu joelho, pensou de repente como se cuspisse. Rodrigo, o neto de sete anos, era o único a ser a carne de seu coração, Rodrigo, com aquela carinha dura, viril e despenteada. Cadê Rodrigo? Rodrigo com olhar sonolento e intumescido naquela cabecinha ardente, confusa. Aquele seria um homem. Mas, piscando, ela olhava os outros, a aniversariante. Oh o desprezo pela vida que falhava. Como?! como tendo sido tão forte pudera dar à luz aqueles seres opacos, com braços moles e rostos ansiosos? Ela, a forte, que casara em hora e tempo devidos com um bom homem a quem, obediente e independente, ela respeitara; a quem respeitara e que lhe fizera filhos e lhe pagara os partos e lhe honrara os resguardos. O tronco fora bom. Mas dera aqueles azedos e infelizes frutos, sem capacidade sequer para uma boa alegria. Como pudera ela dar à luz aqueles seres risonhos, fracos, sem austeridade? O rancor roncava no seu peito vazio. Uns comunistas, era o que eram; uns comunistas. Olhou-os com sua cólera de velha. Pareciam ratos se acotovelando, a sua família. Incoercível, virou a cabeça e com força insuspeita cuspiu no chão. Mamãe! gritou mortificada a dona da casa. - Que é isso, mamãe! gritou ela, passada de vergonha, e não queria sequer olhar os outros, sabia que os desgraçados se entreolhavam vitoriosos como se coubesse a ela dar educação à velha, e não faltaria muito para dizerem que ela já não dava mais banho na mãe, jamais compreenderiam o sacrifício que ela fazia. - Mamãe, que é isso! disse baixo, angustiada. - A senhora nunca fez isso! Acrescentou alto para que todos ouvissem, queria se agregar ao espanto dos outros, quando o galo cantar pela terceira vez renegarás tua mãe. Mas seu enorme vexame suavizou-se quando ela percebeu que eles abanavam a cabeça como se estivessem de acordo que a velha não passava agora de uma criança. - Ultimamente ela deu pra cuspir, terminou então confessando contrita para todos.

562. Assinale a alternativa que NÃO condiz com o texto.

a) Algumas reflexões da protagonista denunciam uma visão machista quanto ao comportamento da mulher na família.

b) Embora haja uma livre associação de idéias aparentemente desconexas, a protagonista consegue estabelecer com propriedade a dicotomia “aparência X essência”.

c) “Abandonada” pelo narrador, a personagem central entrega-se ao monólogo interior, resultando disso um feitio frasal caótico tanto no plano da expressão quanto no plano do conteúdo.

d) Percebe-se uma reflexão sobre o papel  do idoso em nossa sociedade, na medida em que se apresenta a matriarca reacionária, inconformada com a mediocridade da sua família.

563. É correto dizer que em “Família”:

a) aparecem em igual proporção denotação e conotação; a primeira, nas reflexões da protagonista; e a segunda, na fala do narrador.

b) há predomínio da linguagem denotativa, pois a interpretação do texto depende de cada leitor e das experiências pessoais de cada um.

c) predomina a linguagem objetiva, estabelecendo uma comunicação eficaz e informativa, que privilegia a forma em detrimento do conteúdo.

d) prevalece a linguagem conotativa, utilizada a partir de uma visão pessoal da protagonista, que faz uso de comparações para caracterizar alguns membros de sua família.

564. Descartando-se qualquer consideração relativa à liberdade artística, pode-se dizer que falta uma vírgula preconizada pela norma culta da língua em:

a) “(...) quando o galo cantar pela terceira vez renegarás tua mãe.”

b) “(...) não faltaria muito para dizerem que ela já não dava mais banho na mãe (...)

c) “Mas seu enorme vexame suavizou-se quando ela percebeu que eles abanavam a cabeça (...)”

d) “(...) sabia que os desgraçados se entreolhavam vitoriosos como se coubesse a ela dar educação à velha (...)”

565. As formas verbais “respeitara”, “fizera”, “pagara” e “honrara” têm como equivalentes, respectivamente:

a) respeitou, fez, pagou e honrou.

b) respeitava, fazia, pagava e honrava.

c) tinha respeitado, havia feito, havia pago e tinha honrado.

d) tivesse respeitado, houvesse feito, houvesse pago e tivesse honrado.

566. Aponte o par de frases do texto em que determinadas palavras têm a mesma função sintática.

a) “E olhava-os piscando.”

“(...) a aniversariante ficou mais dura na cadeira (...)”

b) “Oh o desprezo pela vida que falhava.”

“(...) pudera (ela) dar à luz aqueles seres opacos (...)”

c) “Olhou-os com sua cólera de velha.”

“- Que é isso, mamãe! gritou ela passada de vergonha (...)”

d)“(...) terminou então confessando contrita para todos.”

“Eles se mexiam agitados, rindo, a sua família.”

567.“O rancor roncava no seu peito vazio.”

“(...) quando o galo cantar pela terceira vez renegarás tua mãe.”

Ocorrem nessas frases, respectivamente, as figuras de linguagem:

a) ironia e perífrase.

b) aliteração e alusão.

c) onomatopéia e pleonasmo.

d) personificação e preterição.

568. Observe estes excertos:

I. “ - Que é isso, mamãe! gritou ela, passada de vergonha, e não queria sequer olhar os outros, sabia que os desgraçados se entreolhavam vitoriosos como se coubesse a ela dar educação à velha, e não faltaria muito para dizerem que ela já não dava mais banho na mãe (...)”

II. “O tronco fora bom. Mas dera aqueles azedos e infelizes frutos, sem capacidade sequer para uma boa alegria. Como pudera ela dar à luz aqueles seres risonhos, fracos, sem austeridade? O rancor roncava no seu peito vazio.”

Ocorrem nos dois textos, sucessivamente:

a) discurso direto, discurso indireto e discurso direto.

b) discurso indireto, discurso direto e discurso indireto livre.

c) discurso direto, discurso indireto e discurso indireto livre.

d) discurso indireto, discurso indireto livre e discurso indireto livre.

569. Em relação a encontros vocálicos  e consonantais, é correto afirmar que as palavras “aniversariante”, “austeridade” e “compreenderiam” contêm, respectivamente:

a) ditongo; hiato e encontro consonantal; hiato e hiato.

b) hiato; ditongo e encontro consonantal; ditongo, hiato e ditongo.

c) encontro consonantal e hiato; hiato; encontro consonantal, hiato e ditongo.

d) encontro consonantal e hiato; ditongo e encontro consonantal; encontro consonantal, hiato e ditongo.

570. Marque a alternativa que ordena as frases abaixo, formando um parágrafo coerente e coeso, respeitando as relações expressas entre parênteses.

I. ainda existisse Rodrigo, com aquela carinha dura e viril (oposição, por subordinação, ao pensamento principal)

II. fora forte, impetuosa e austera (atributo do sujeito de III)

III. ela desprezava todos aqueles seus azedos e infelizes frutos (idéia principal)

IV. seria a única carne de seu coração (atributo do sujeito de I)

a) Ela que fora forte, impetuosa e austera desprezava todos aqueles seus azedos e infelizes frutos, contudo ainda existisse Rodrigo, que seria a única carne de seu coração, com aquela carinha dura e viril.

b) Ela fora forte impetuosa e austera e desprezava todos aqueles seus azedos e infelizes frutos, ainda que existisse Rodrigo que seria a única carne de seu coração, com aquela carinha dura e viril.

c) Ela, que fora forte, impetuosa e austera, desprezava todos aqueles seus azedos e infelizes frutos, embora ainda existisse Rodrigo, que seria a única carne de seu coração, com aquela carinha dura e viril.

d) Se bem que ainda existisse Rodrigo, que seria a única carne de seu coração, com aquela carinha dura e viril, ela desprezava todos aqueles seus azedos e infelizes frutos, embora tivesse sido forte, impetuosa e austera.

TEXTO.

A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos. De um lado, existe um estado permanente de beligerância, pela vizinhança com Israel, o que tende a concentrar o poder nas mãos de um líder ou de um grupo. O constante clima de guerra, além do mais, torna prioridade o fortalecimento do Exército, do serviço de inteligência, da polícia secreta, da guarda nacional, instituições que também servem para conter aspirações populares malvistas pelos dirigentes. De outro lado, a comunidade árabe é dividida pela glória e pela desgraça do petróleo. Quem tem senta-se sobre ele. Quem não tem usa sua influência junto aos países ricos em petróleo para garantir investimentos e ajuda externa. Assim, tanto os com-petróleo quanto os sem-petróleo, excessivamente amarrados à dependência do capital externo, tendem a ignorar as demandas internas por maior participação popular.

571. O texto apresenta como tema principal o(a):

A) clima de violência que impera nos países árabes.

B) dificuldade de implantar a democracia em países árabes.

C) divisão dos países árabes pela glória e pela desgraça do petróleo.

D) dependência de países árabes ao capital estrangeiro.

E) estratégia de manutenção do poder nos países árabes.

572. De acordo com o texto, é causa de um estado permanente de beligerância nos países árabes o(a):

A) concentração do poder nas mãos de um líder ou de um grupo.

B) fortalecimento de instituições que servem para conter aspirações populares.

C) vizinhança com Israel.

D) divisão da comunidade árabe pela glória e pela desgraça do petróleo.

E) auto-suficiência dos com-petróleo.

573. A propósito do texto, afirma-se:

I. Os sem-petróleo são mais sensíveis que os com-petróleo aos apelos da população árabe por uma maior participação política.

II. A divisão dos países árabes entre os que têm e os que não têm petróleo alimenta-lhes o interesse pela democracia.

III. O fato de que uns têm petróleo, e outros não, agrava entre os países árabes a dificuldade de criar regimes democráticos.

Das afirmações acima, está(ão) correta(s) apenas:

A) I. 

B) II. 

C) III. 

D) I e II.

E) I e III.

574. Considere os fragmentos:

I. ''...decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.''

II. ''....o que tende a concentrar o poder nas mãos de um líder ou de um grupo.''

III. ''Quem não tem usa sua influência junto aos países ricos em petróleo para garantir investimentos e ajuda externa.''

Os termos neles grifados têm, respectivamente, valor:

A) opositivo, aditivo e modal. 

B) concessivo, alternativo e locativo. 

C) adversativo, explicativo e final.

D) opositivo, alternativo e final.

E) adversativo, alternativo e consecutivo.

575. A construção ''Quem tem senta-se sobre ele.'' sugere, nos países que possuem o petróleo, uma atitude de: 

A) ganância e insatisfação. 

B) tolerância e resignação. 

C) vigilância e comodismo.

D) orgulho e generosidade.

E) humildade e temor.

576. Apresentam hiato todos os vocábulos da alternativa:

A) criar/ países/ prioridade. 

B) criar/ razão/ inteligência. 

C) países/ mãos/ vizinhança.

D) instituições/ prioridade/ aspirações.

E) inteligência/ petróleo/ beligerância.

577. No fragmento: ''A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.'', pertencem à mesma classe gramatical as palavras:

A) de/mas. 

B) de/em. 

C) hoje/dois.

D) dificuldade/árabes.

E) democráticos/fatores.

578. Só NÃO ocorre dígrafo nas palavras da alternativa: 

A) decorre/glória/vizinhança. 

B) assim/garantir/permanente. 

C) criar/clima/glória.

D) decorre/assim/glória.

E) vizinhança/clima/permanente.

579. Considere o trecho: ''A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.'' Segundo a norma culta da língua, outra forma correta de pontuá-lo seria:

A) ''A dificuldade de criar regimes democráticos, em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.''

B) ''A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão, de dois aspectos.''

C) ''A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre, de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.''

D) ''A dificuldade de criar regimes democráticos em países árabes decorre de fatores, históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.''

E) ''A dificuldade de criar regimes democráticos, em países árabes, decorre de fatores históricos e culturais, mas se agrava hoje em dia em razão de dois aspectos.''

TEXTO.

É DISSO QUE O BRASIL PRECISA.

   O grau de maturidade econômica de uma sociedade pode ser aferido com a ajuda de índices conhecidos, como o produto interno bruto do país. O estágio de maturidade política também conta com alguns indicadores. Um deles é a ocorrência seqüenciada de eleições livres, sem sustos nem sobressaltos. E como descobrir o grau de maturidade social de uma nação? Índices que medem a violência e a criminalidadesão úteis para a avaliação. Mas de um tempo para cá surgiu um dado novo: a taxa de envolvimento das pessoas com o trabalho social. Não que a filantropia seja novidade ou invenção moderna. Mas a onda do bem tornou-se um fenômeno especialmente notável nos últimos trinta anos.

   Nos países mais civilizados, a presença da filantropia, também chamada de terceiro setor, é mais perceptível. Nas nações menos desenvolvidas socialmente, o trabalho voluntário é mais embrionário. O Brasil está num meiotermo. Do ponto de vista do resultado financeiro, está entre os países que menos investem no social. Mas, quando se analisa o voluntariado pelo exército envolvido, alguma coisa espantosa está acontecendo. Há milhões de brasileiros dedicando-se a tarefas sociais (...).

580. Indique a alternativa que, sem contrariar a norma culta e o sentido, pode substituir o título do texto.

A) É disso de que o Brasil necessita.

B) É isso de que o Brasil exige.

C) É isso de que o Brasil carece.

D) É disso que o Brasil requer.

E) É disso a que o Brasil aspira.

581. Da leitura do texto, depreende-se que o pronome isso,do título, aponta para:

A) o grau de maturidade social de uma comunidade.

B) a ocorrência seqüenciada de eleições livres.

C) grau de maturidade econômica de uma nação.

D) o envolvimento das pessoas no trabalho social.

E) a eliminação da distância entre ricos e pobres.

582. Reescrevendo o trecho: ''O grau de maturidade econômica de um povo pode ser aferido ...'', de acordo com a norma culta e mantendo o sentido, obtém-se:

A) É possível o auferir...

B) Se pode lhe avaliar...

C) Pode-se inferi-lo...

D) É exeqüível examinar-lhe...

E) É possível estimá-lo...

583. A preposição com na expressão ''com a ajuda de índices conhecidos'' possui idéia de:

A) companhia.

B) instrumento.

C) causa.

D) concessão.

E) dúvida.

584. Observe a frase:

''Índices que medem a violência e a criminalidade são úteis para a avaliação''.

Passando-se avaliação para o plural, mantendo-se o sentido original e obedecendo-se à norma culta, o termo destacado poderá ser substituído por:

A) adequados às avaliações.

B) desnecessários as avaliações.

C) convenientes com as avaliações.

D) imprestáveis às avaliações.

E) aproveitáveis as avaliações.

585. Em lugar de filantropia poderia, no texto, figurar: 

A) antropofobia.

B) humanidade.

C) humanismo.

D) humanitarismo.

E) misantropia.

586. Em ''Nos países mais civilizados, (...) a presença da filantropia (...) é mais perceptível.'', depreende-se um julgamento de valor, segundo o qual o Brasil não compõe o grupo desses países. De acordo com o texto, pode-se contrapor a essa asserção: 

A) o número de voluntários do trabalho social.

B) o acanhado investimento financeiro no social.

C) o surgimento do voluntariado nessas nações.

D) a presença, nesses países, do terceiro setor.

E) a atuação do terceiro setor em tais países.

587. Antepostos ou pospostos a outros, alguns vocábulos podem sofrer alteração de sentido, como ocorre, por exemplo, com novo: novo escrivão e escrivão novo. Indique a alternativa em que se manifesta um desses vocábulos.

A) O estágio de maturidade econômica também conta com bons indicadores.

B) Não que a filantropia seja novidade ou invenção moderna.

C) (...) alguma coisa espantosa está acontecendo.

D) (...) está entre os países que menos investem socialmente.

E) (...) a onda do bem tornou-se um fenômeno especialmente notável.

588. Em ''Índices que medem a violência e a criminalidade são úteis...'', o termo destacado poderá, sem prejuízo do sentido e com a necessária adequação sintática, ser substituído por:

A) mensuráveis.

B) incomensuráveis.

C) mensurais.

D) dimensíveis.

E) mensuradores.

TEXTO.

 A terceira revolução industrial não ocorre no campo da indústria para depois, por irradiação, ir-se propagando pelos demais setores econômicos da sociedade, até revolucionar seu modo de vida como um todo, como foi a característica das revoluções anteriores. Antes de tudo, ela é uma transformação que ocorre no campo do pensamento e não tanto no dos objetos. Surge primeiro no mundo da pesquisa tecnocientífica para daí, então, implantar-se de forma generalizada nos demais setores do sistema econômico e da vida social. Ela é, fundamentalmente, uma revolução informática.

589. Em relação ao texto, assinale a opção incorreta.

a) A palavra “irradiação” está sendo utilizada no texto com o sentido de ação que se transmite de um centro para as partes periféricas.

b) O pronome “seu” concorda com “modo de vida” e refere-se a “sociedade”.

c) Estaria gramaticalmente correta a seguinte redação: e não apenas no campo dos objetos.

d) Em “implantar-se”, a eliminação do pronome enclítico mantém a correção sintática do período.

TEXTO.

      Existem hoje no País cerca de 3,8 milhões de computadores conectados à Internet. _____1_______ o ritmo atual de crescimento, esse número dobrará em menos de quatro anos, podendo comprometer a velocidade e a qualidade das conexões e esgotar em pouco tempo o potencial de ingresso de novos usuários.

O programa Sociedade da Informação tem como um de seus objetivos evitar ___2_____ esgotamento e contribuir para a redução das desigualdades sociais e regionais. Para isso, pretende ___3_____ o uso do computador em todo o território nacional e criar condições para que o maior número de brasileiros ___4___ acessar a Internet.

O programa inclui as Redes Metropolitanas de Alta Velocidade (Remavs), que já ___5____ implantadas por projetos pilotos em 14 cidades brasileiras.

Nessa etapa, o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Ministério da Educação terão interligado na rede todas as instituições federais de ensino superior e institutos de pesquisa do país.

590. Assinale a opção em que uma das sugestões é incorreta para o preenchimento coeso e coerente da lacuna correspondente.

a) 1. Se for mantido / Caso seja mantido

b) 2. esse / tal

c) 3. disseminar / difundir

d) 4. possa / chega a

e) 5. vêm sendo / estão sendo

TEXTO.

591. Leia o texto e marque a afirmação incorreta.

A ciência e o processo científico não constituem __1__ única forma de obtenção do conhecimento. Além da experiência cotidiana, constituindo __2__ base cultural, __3__ os saberes reflexivos da filosofia. Apenas o simples processo experimental da ciência não conduz __4__ sabedoria: é necessário submeter os seus resultados __5__ elaboração filosófico-conceitual, __6__  preceitos éticos, para torná-los verdadeiramente humanos.

a) As lacunas 1 e 2 devem ser preenchidas com a, artigo feminino singular.

b) Na lacuna 3 é correto colocar há, pois o verbo haver, quando utilizado no sentido de existir, é impessoal.

c) Duas opções, a e à, podem ser utilizadas indistintamente na lacuna 4, uma vez que conferem sentido idêntico ao período.

d) Estaria correto preencher a lacuna 5 com à.

e) A estrutura sintática do período admite que a lacuna 6 seja preenchida com aos.

592. Assinale a opção em que a redação sugerida para o fragmento está correta, coesa e coerente.

a) Diante da velocidade que ocorrem às transformações no setor de software, principalmente quanto aos curtos ciclos de tecnologia observados e à rápida evolução dos produtos, entende-se de que não basta um profissional bem formado. É preciso promover, regularmente, em termos de conhecimentos, sua atualização.

b) Quanto a curtos ciclos de tecnologia observados e a rápida evolução dos produtos, diante da velocidade que ocorrem as transformações no setor de software, entende que não basta um profissional bem formado. Promover, regularmente, sua atualização em termos de conhecimentos, é preciso.

c) Diante da velocidade com que ocorrem as transformações no setor de software, principalmente no que se refere aos curtos ciclos de tecnologia e à rápida evolução dos produtos, entende-se que não basta um profissional bem formado. É preciso promover, regularmente, sua atualização em termos de conhecimentos.

d) No setor de software, diante da velocidade em que ocorrem as transformações, tanto quanto aos curtos ciclos de tecnologia observados e a rápida evolução dos produtos, entendem-se que não basta um profissional bem formado. Regularmente, é preciso promover sua atualização em termos de conhecimento.

e) Ocorrem transformações com velocidade no setor de software, no que se refere aos curtos ciclos de tecnologia observados e a rápida evolução dos produtos, entende-se de que não basta um profissional bem formado. É preciso promoverem, regularmente, suas atualizações em termos de conhecimentos.

593. Os fragmentos abaixo constituem um texto, mas estão desordenados. Numere os itens quanto à sua ordenação coesa e coerente e assinale a opção correspondente:

(  ) O espaço aberto para a participação dos empregados na construção dessa atmosfera é constituído por meio de reuniões de trabalho, adoção de equipes, programas de sugestões e pesquisa de satisfação.

(  ) Conseqüentemente, as empresas, tanto quanto promover tal atualização de seus profissionais em termos de conhecimento, procuram estabelecer uma atmosfera em que as relações pessoais, o acesso às informações e o espírito de equipe sejam valorizados.

(  ) Entretanto, a partir dos anos 80, quase meio século passado desde que o controle estatístico de qualidade começou a ser implantado nas empresas, vem-se consolidando o interesse pela qualidade dos serviços associados e pelo comportamento humano.

(  ) Por volta dos anos 30, o que importava para as empresas era a produção e a redução da quantidade de peças defeituosas.

(  ) Assim, além de questões diretamente relacionadas a ganhos financeiros, os empresários vêm cuidando da qualidade técnica, dos padrões de seus produtos e serviços, e também da qualificação dos trabalhadores.

a) 3, 2, 1, 4, 5

b) 5, 4, 2, 1, 3

c) 2, 3, 4, 5, 1

d) 1, 5, 3, 2, 4

e) 4, 1, 5, 3, 2

594. Quanto  à estrutura sintática dos períodos, assinale a opção correta.

a) A busca da competitividade da indústria brasileira de software e outros produtos passam, necessariamente, pelo alcance de padrões internacionalmente aceitos de qualidade e produtividade de seus produtos e serviços.

b) As pesquisas de satisfação, o registro e o acompanhamento das reclamações dos clientes revestem-se de importância à proporção que os dados coletados são utilizados pelas empresas na revisão de seus projetos ou na especificação de novos produtos ou serviços.

c) As pesquisas diretas junto em empresas que desenvolvem software no Brasil vêm sendo realizadas com o objetivo de acompanhar a evolução desse setor quanto à aspectos do planejamento estratégico, sistemas da qualidade e certificação para a qualidade dos produtos.

d) Estratégias e ações propostas  a  luz  de   diagnósticos objetivos e fidedignos representam uma base sólida para a promoção da competição internacional dos produtos e serviços brasileiros, no momento que as economias mundiais passam por processos de globalização.

e) A contabilização de custos da qualidade está associada a ferramentas de maior complexidade, que se adaptam principalmente à sistemas da qualidade em fase relativamente madura.

Nas questões 595 e 596, assinale a opção que corresponde a erro gramatical, ortográfico ou relativo à propriedade vocabular no texto.

595. Planos e metas  não  devem  ser  estabelecidos para serem(1) esquecidos, pois são dinâmicos e exigem aperfeiçoamentos e mudanças contínuos(2). Um grande número de empresários já reconhece(3) que investimentos em qualidade produzem resultados extremamente positivos; não fazer nada é que custa caro, de tal modo que os prejuízos causados pela imagem de uma empresa associada em(4) má qualidade podem ser(5) incalculáveis. No entanto, apenas 6% das empresas mantinham em 1997 contabilidade de custos da qualidade de forma sistemática.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

596. A economia mundial passa por processos de globalização e pela liberalização dos mercados, as quais(1) exigem o crescimento e a modernização da indústria e da prestação de serviços, com base(2) não só na inovação e incorporação de novas tecnologias, mas(3) na capacidade gerencial das empresas, que(4) devem promover a competição de forma agressiva e em(5) crescentes níveis de qualidade e produtividade.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

597. Em relação à pontuação, assinale a opção correta.

a) O Programa Sociedade da Informação foi concebido, pelo Ministério da Ciência e Tec¬nologia para preparar a nova geração de redes, e viabilizar, assim, um novo estágio de evolução da Internet e suas aplicações no país.

b) Constitui um conjunto de iniciativas que prevê ações dos governos federal, estaduais, municipais, junto com a iniciativa privada, tanto na capacitação de pessoal para pesquisa, e desenvolvimento quanto na garantia de serviços avançados de comunicação e informação.

c) Faz parte do Plano Plurianual 2000-2004, com investimentos previstos de R$ 3,4 bilhões, e tem o objetivo de colocar o país em condições de operar a Internet com todos os requisitos técnicos; já existentes nos países mais avançados, tanto no que diz respeito à velocidade de transmissão de dados, quanto a novos serviços e aplicações.

d) Sua meta é criar, nos próximos quatro anos as bases para que aumente substancialmente a participação da economia da informação no Produto Interno Bruto (PIB) – hoje estimada em dez por cento, tornando as empresas mais competitivas no mercado internacional.

e) Estão sendo feitas articulações e firmadas parcerias que envolvem o governo, a iniciativa privada e o terceiro setor (entidades que prestam serviços à sociedade, sem objetivar lucro). A indústria e as empresas brasileiras deverão ser os setores mais beneficiados da sociedade.

TEXTO.

598.  Para que o fragmento de texto abaixo respeite as regras de regência da norma culta, assinale a opção que preenche corretamente as lacunas na ordem indicada.

Desde julho de 2000 a revista BANCO HOJE vem estimulando debate em torno das transformações que envolvem _____ implementação do SPD. O esforço empreendido é muito inferior ______ vantagens no que diz respeito ____evolução do sistema financeiro nacional e _____ oportunidades de integração com o mercado global.

a) à - as - à - às

b) a - às - a - às

c) à - às - à - as

d) a - às - à - às

e) a - às - a - as

599.  Assinale a opção incorreta a respeito das estruturas lingüísticas do texto abaixo.

“Temos uma legislação processual com dispositivos que permitem ao devedor, a pretexto de questionar uma cláusula contratual ou uma garantia dada em uma operação, deixar de pagar o principal. O que isso traz de conseqüência? Traz um aumento muito grande de inadimplência, que se traduz em um aumento de custo para o tomador. O prejuízo operacional sofrido pela instituição financeira, em decorrência dessa inadimplência, faz com que os bons pagadores acabem arcando com parte dessa conta, suportando uma taxa de juro maior e até desestimulando outros tomadores, que gostariam de expandir ou crescer seus empreendimentos com apoio no crédito”.

a) A forma verbal “Temos”, ao iniciar o texto, indica que autor e leitores partilham a situação que vem descrita a seguir.

b) A oração “deixar de pagar o principal”, apesar de não ter sujeito gramatical, refere-se semanticamente a “devedor”.

c) O pronome “que” refere-se a “inadimplência” e constitui o sujeito da oração em que ocorre.

d) A oração reduzida “sofrido pela instituição financeira” corresponde à idéia que também pode ser expressa pela oração “que a instituição financeira sofreu”.

e) “dessa inadimplência” constitui o sujeito da oração que tem como predicado “faz”.

600. Assinale a opção em que o termo sublinhado apresenta incorreção gramatical.

“No México e no Chile, persistem expectativas de que a distensão(1) característica de suas políticas monetárias contribuam(2) para a sustentação do nível de atividade. Na Argentina, a operação de troca da dívida exerceu efeitos favoráveis sobre a percepção dos investidores, mas ainda persistem(3) as incertezas em relação à capacidade de retomada do crescimento econômico, para o qual(4) não contribuirá o perfil retrativo(5) da política fiscal”.

a) 1

b) 2

c) 3

d) 4

e) 5

601. Assinale a opção que apresenta pontuação incorreta.

a) O ritmo de atividade econômica permaneceu robusto ao longo do primeiro trimestre de 2001 - período no qual a economia brasileira cresceu 4,13% em relação ao mesmo período do ano passado.

b) Entre os setores do PIB destaca-se o crescimento da indústria: 5,09% em relação ao primeiro  trimestre de 2000. Por outro lado, a agropecuária, na mesma base de comparação, cresceu apenas 1,82%, ou seja, menos que o esperado.

c) O setor de serviços - que representa aproximadamente 60% do PIB - registrou crescimento de 2,76% em relação ao mesmo período, do ano passado.

d) O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística também divulgou nova estimativa para o PIB de 2000, com crescimento de 4,46%, revisando para cima a estimativa anterior de 4,20%.

e) No entanto, a piora acentuada dos cenários econômico e político internos desde a última análise - com o surgimento de novos fatores de incerteza - tende a reduzir a taxa de crescimento do PIB em 2001.

602. Assinale a opção em que o trecho transcrito apresenta pontuação correta.

a) Aplicativos que visam consolidar notícias e informações internas e externas sobre as instituições, calcular e acompanhar os limites operacionais e a concentração das aplicações (maiores devedores) e das captações (maiores depositantes) ainda encontram-se em fase de desenvolvimento.

b) Tais sistemas possibilitam o acesso a dados contábeis com o intuito de diagnosticar situações de anormalidade; ou de risco, e acompanhar, tanto individualmente como de forma comparativa o comportamento das instituições com base em indicadores econômico-financeiros.

c) Outros sistemas aplicativos permitem também, obter informações relativas ao cadastro de instituições e de pessoas físicas que atuem, na condição de administradores no Sistema Financeiro Nacional, e à movimentação das reservas bancárias e operações de empréstimos de liquidez.

d) Permitem também, obter informações quanto: ao registro e controle do trânsito de processos; às taxas e índices praticados ou utilizados pelo mercado e ao controle de ocorrências, de irregularidades praticadas por instituição financeira.

e) Com base no Sistema de Informações do Banco Central, cujo uso é franqueado às instituições do Sistema Financeiro Nacional; a fiscalização utiliza intensivamente inúmeras informações através de diversos sistemas aplicativos.

603. Os trechos a seguir constituem um texto. Assinale a opção que apresenta erro de regência.

a) Desde abril, já é possível perceber algum decréscimo da atividade econômica, com queda da produção de bens de consumo duráveis, especialmente eletrodomésticos, e do faturamento real do comércio varejista.

b) Apesar da queda da inflação em maio, esperase aceleração no terceiro trimestre, fenômeno igual ao observado nos dois últimos anos, em decorrência da concentração de aumentos dos preços administrados.

c) Os principais focos de incerteza em relação às perspectivas para a taxa de inflação nos próximos anos referem-se a evolução do preço internacional do petróleo, o comportamento dos preços administrados domésticos e o ambiente econômico externo.

d) Desde maio, porém, entraram em foco outros fatores: o racionamento de energia elétrica, a intensificação da instabilidade política interna e a depreciação acentuada da taxa de câmbio.

e) A mais nova fonte de incerteza é o choque derivado da limitação de oferta de energia elétrica no País, pois há grande dificuldade em se avaliar seus efeitos com o grau de precisão desejável.

604. Assinale a opção em que o trecho foi transcrito com erro de concordância verbal.

a) Antes da criação do Banco Central, as autoridades monetárias brasileiras eram a Superintendência da Moeda e do Crédito - SUMOC, o Banco do Brasil - BB e o Tesouro Nacional que, em conjunto, exerciam funções típicas de um banco central, paralelamente ao desempenho de suas atribuições próprias.

b) A SUMOC, criada com a finalidade de exercer o controle monetário e preparar a organização de um banco central, fixava os percentuais de reservas obrigatórias dos bancos, as taxas do redesconto e da assistência financeira de liquidez, bem como os juros sobre depósitos bancários.

c) Além de receberem os depósitos compulsórios e voluntários dos bancos comerciais, o Banco do Brasil, por sua vez, desempenhava as funções de controlador das operações de comércio exterior, executor de operações cambiais em nome de empresas públicas e do Tesouro Nacional, executor das normas estabelecidas pela SUMOC e pelo Banco de Crédito Agrícola, Comercial e Industrial.

d) O Tesouro Nacional era o órgão emissor de papel-moeda, cujo processamento, por ser complexo, acabava envolvendo diversos órgãos do governo. No ato da criação do Banco Central, no entanto, não ocorreu o seu completo aprimoramento institucional.

e) Embora o Tesouro Nacional fosse o banco emissor, realizava as emissões em função das necessidades do Banco do Brasil e não detinha com exclusividade os depósitos das instituições financeiras, que recolhiam suas reservas voluntárias ao Banco do Brasil, além de diversas outras disfunções.

605. Assinale a opção em que a regência está de acordo com as regras da norma culta.

a) As funções de autoridade monetária foram sendo transferidas progressivamente do Banco do Brasil para o BC, enquanto as atividades atípicas exercidas por esse último, como as relacionadas ao fomento e à administração da dívida pública federal, foram transferidas para o Tesouro Nacional.

b) A Constituição de 1988 consagra dispositivos importantes para a atuação do BC, como ao do exercício exclusivo da competência da União para emitir moeda e o da necessidade de aprovação prévia pelo Senado Federal, em votação secreta, após argüição pública, dos designados pelo Presidente da República para os cargos de presidente e diretores.

c) A Constituição vedou o BC a concessão direta ou indireta de empréstimos ao Tesouro Nacional. A Constituição de 1988 prevê ainda, em seu artigo 192, a elaboração de Lei Complementar do Sistema Financeiro Nacional, que deverá substituir a Lei 4.595, abrangendo vários e importantes aspectos da estruturação e atuação do Banco Central.

d) Em 1998 o Banco Central retomou o processo de Planejamento Institucional, com à realização de um encontro de planejamento ao nível estratégico, contando pela participação do Presidente e diretores, e de encontros de planejamento no nível tático, que contaram com a participação do corpo gerencial das unidades especial, centrais e regionais.

e) No encontro ao nível estratégico foram definidos a missão do Banco, seus macroprocessos e os objetivos estratégicos para o horizonte de três anos, além das diretrizes balizadoras das ações para assegurar à estabilidade do poder de compra da moeda nacional.

606. Assinale a opção em que o texto foi transcrito com erro gramatical.

a) Para praticar a política monetária através das reservas compulsórias, a autoridade monetária exige que algumas instituições financeiras — especificamente bancos comerciais, bancos múltiplos com carteira comercial e caixas econômicas — sejam obrigadas a manter uma parcela de seus recursos no Banco Central, constituindo as reservas bancárias compulsórias.

b) Essa prática universal impede que as instituições financeiras receptoras de depósitos possam emprestar recursos ao público indefinidamente, exigindo que os depósitos sejam um múltiplo de seus encaixes denominados reservas obrigatórias e reservas voluntárias.

c) Os recolhimentos compulsórios sobre depósitos e os recursos em trânsito de terceiros, depósitos sob aviso, cobrança e arrecadação de tributos e cheques administrativos representa o mais tradicional instrumento de política monetária, no que diz respeito à modificação estrutural que provocam no nível global das reservas bancárias.

d) Esse instrumento decorre da exclusiva capacidade de criar moeda escritural que têm as instituições financeiras captadoras de recursos ao conceder crédito em conta-corrente a seus clientes.

e) Ao realizar crédito em conta-corrente, uma instituição bancária cria meios de pagamento que, ao serem utilizados pelo tomador de crédito, geram depósito em outra instituição financeira, que passa a dispor da capacidade de gerar novo crédito a outro cliente, e assim por diante.

TEXTO.

O SONO QUE MATA A FOME E ECONOMIZA ENERGIA.

A hibernação é um estado de entorpecimento completo ou parcial a que estão sujeitas certas espécies animais no inverno. Quando hibernam, esses animais passam por uma espécie de sono letárgico, no qual se mantêm completamente imóveis, privando-se de alimentos e diminuindo a intensidade de sua respiração e circulação sangüínea. (....) A explicação para isso é que, durante o inverno, os alimentos são escassos e a diminuição dos processos normais de metabolismo e crescimento economizam energia e evitam que os animais tenham de procurar por comida. (....)

607. Quanto ao título dado ao texto, podemos dizer que:

(A) se centraliza nos efeitos do sono sobre os animais que hibernam;

(B) discute apenas um dos aspectos abordados no texto;

(C) é bastante breve, já que se trata somente de um apelo à leitura;

(D) apresenta a hibernação sob os lados positivo e negativo;

(E) é adequado já que o sono, de fato, mata a fome.

608. Hibernação está para inverno, considerados os vários aspectos de sua formação, como:

(A) crescimento está para crescer;

(B) diminuição está para diminuir;

(C) mensal está para mês;

(D) liberdade está para livre;

(E) animação está para alma.

609. O texto começa por uma definição do termo hibernação; toda definição deve começar por um termo geral, seguido das especificidades que individualizam o termo geral. São, respectivamente, termo geral e especificidades:

(A) estado / de entorpecimento completo ou parcial a que estão sujeitas certas espécies animais no inverno;

(B) entorpecimento / completo ou parcial;

(C) estado de entorpecimento / completo ou parcial a que estão sujeitas certas espécies animais no inverno;

(D) estado de entorpecimento completo ou parcial / a que estão sujeitas certas espécies animais no inverno;

(E) entorpecimento completo ou parcial / a que estão sujeitas certas espécies animais no inverno.

610. “...entorpecimento completo ou parcial...”; a relação semântica existente entre os adjetivos completo e parcial repete-se em:

(A) inverno e verão;

(B) tranqüilo e agitado;

(C) paralisados e imóveis;

(D) branco e claro;

(E) amarelo e amarelado.

611. Os vocábulos que NÃO possuem formação completamente idêntica são:

(A) hibernação / entorpecimento;

(B) parcial / letárgico;

(C) explicação / diminuição;

(D) intensidade / completamente;

(E) sangüínea / normais.

612. “A hibernação é um estado de entorpecimento completo ou parcial a que estão sujeitas certas espécies animais no inverno.”; o comentário correto a respeito desse segmento do texto é:

(A) a ordem direta da segunda oração, substituindo-se que por seu antecedente, é: “certas espécies animais no inverno estão sujeitas [à hibernação];

(B) os adjetivos completo e parcial referem-se ao substantivo hibernação;

(C) a forma sujeitas concorda com o substantivo animais;

(D) o uso da preposição a está ligado à presença do adjetivo sujeitas;

(E) certas é forma de adjetivo.

613. “...respiração e circulação sangüínea.” ; na Nova gramática do português contemporâneo, página 265, o professor Celso Cunha diz: “(Quando o adjetivo vem depois dos substantivos), se os substantivos são do mesmo gênero e do singular, o adjetivo toma o gênero dos substantivos e, quanto ao número, vai: para o singular (concordância mais comum) ou para o plural (concordância mais rara).” Assim sendo:

(A) o adjetivo sangüínea poderia também aparecer com a forma sangüíneas;

(B) o autor preferiu a concordância mais rara à mais comum;

(C) o autor do texto cometeu um erro de concordância;

(D) razões semânticas fazem que a única forma possível do adjetivo seja sangüínea;

(E) a única forma correta do adjetivo é sangüíneas.

614. Sangüínea é uma forma tremada porque:

(A) o U é uma vogal pronunciada;

(B) o U é uma semivogal átona;

(C) GU formam um dígrafo;

(D) o U é tônico;

(E) o grupo GU sempre tem trema.

615. No segmento “Quando hibernam...”, mostra-se:

(A) um tempo em que se realizam os fatos citados a seguir;

(B) uma condição para que os fatos seguintes se realizem;

(C) um lugar em que se realizam os fatos apontados na continuidade do texto;

(D) uma situação concessiva, quando relacionada aos fatos seguintes;

(E) uma explicação causadora dos fatos citados a seguir.

TEXTO.

“(...) Mas mesmo o Renascimento, com sua afirmação autoral, é marcado pelo desejo de entender a ordem divina. Trata-se, portanto, antes e depois de tudo, de um respeito que sinto por essa tradição. E de uma aceitação tranqüila da crença dos que necessitam da idéia de Deus – como disse no New York Review of Books o extraordinário físico e ensaísta Freeman Dyson: "Para mim, adorar a Deus significa reconhecer que a mente e a inteligência são costuradas no tecido do nosso universo de uma forma que ultrapassa nossa compreensão." Dyson é um dos maiores defensores mundiais da ciência, mas sabe que a maioria das pessoas a teme, pois a vê, sobretudo desde a bomba atômica, como inimiga do humanismo – humanismo que é um conceito que deriva diretamente dos evangelhos cristãos. Mas a religião pode ser um campo de discórdia, de fomento ao anti-humanismo, tão nocivo quanto ou mais nocivo ainda. Vide Oriente Médio. E a ciência, bem entendida, pode não só colaborar com o desenvolvimento humano dos países, mas também ser um ensinamento da dúvida e da tolerância, os dois valores fundamentais do humanismo. Numa recém-lançada coletânea de artigos publicados no mesmo New York Review of Books, o genial físico Steven Weinberg chama a ciência de "arte liberal" e diz mais ou menos o que o biólogo Richard Dawkins diz: que o universo tem um "design", mas não um "designer". Ser religioso é acreditar na existência de um ente superior, de vontade própria. Ser a favor da ciência não significa reconhecer que existem coisas acima do sujeito, mas exatamente o contrário – e pode chamá-las de Natureza. Os valores morais que as religiões cultivaram ao longo dos séculos – como a solidariedade e a simplicidade –, assim como a admiração por seus produtos estéticos, não são incompatíveis com o desconfiar de seus dogmas. Mas desconfiar de dogmas, inclusive os que vêm da ciência, é uma lição que a ciência também dá”.

616. Considere as afirmativas que seguem, relativas ao texto.

I. Tanto religiosos quanto cientistas podem igualar-se na dúvida, que sempre é uma lição de como viver

em harmonia.

II. Cientistas não costumam aceitar a idéia de religião, pois ela diverge de seus pressupostos básicos.

III. Ciência e religião imbricam-se em seus valores e conseqüências, que podem ser tanto bons quanto

maus.

De acordo com o texto, é correto o que se afirma SOMENTE em:

(A) I.

(B) II.

(C) III.

(D) I, II.

(E) II, III.

617. ...”pois a vê, sobretudo desde a bomba atômica, como inimiga do humanismo”.

O comentário destacado na frase acima justifica-se pelo fato de que:

(A) o desenvolvimento científico teve início com a descoberta do átomo e a explosão da bomba, no século passado.

(B) a explosão da bomba atômica separou Ocidente e Oriente de forma radical, assim como se separam

ciência e religião.

(C) pode haver erros em projetos de base científica, como o da bomba atômica, com seu imenso poder de destruição.

(D) a ciência chegou ao seu limite máximo com a construção da bomba atômica e seus efeitos danosos.

(E) um avanço científico pode vir a tornar-se instrumento de destruição da humanidade, em vez de trazer-lhe benefícios.

618. “Vide Oriente Médio”. A frase, considerando-se o contexto:

(A) é o argumento utilizado pelo autor para comprovar a tese proposta.

(B) marca o início da conclusão a que o autor quer chegar, em defesa da religião.

(C) constitui um exemplo de como a religião pode impedir o desenvolvimento científico.

(D) aponta para uma opinião isolada dentro do contexto, interrompendo o fluxo das idéias.

(E) localiza um fato que se opõe, pela concisão, ao desenvolvimento da tese proposta.

619. “E a ciência, bem entendida, pode não só colaborar com o desenvolvimento humano dos países, mas também ser um ensinamento da dúvida e da tolerância”. Os segmentos destacados mantêm o mesmo sentido em:

(A) não pode colaborar - nem ser ensinamento.

(B) pode não colaborar - mas ser ensinamento.

(C) só não pode colaborar - e ser ensinamento.

(D) tanto pode colaborar - quanto ser ensinamento.

(E) enquanto colaborar - pode ser ensinamento.

620. – “como a solidariedade e a simplicidade” – Foram usados travessões para:

(A) interromper intencionalmente o pensamento.

(B) incluir um segmento explicativo.

(C) concluir, com uma hesitação, uma idéia secundária.

(D) preencher uma lacuna dentro do período.

(E) enunciar um fato com entoação exclamativa.

621. Está correta a frase:

(A) Alguns cientistas pensam de que é possível conciliar informações trazidas pela ciência e a crença em Deus.

(B) A maioria das pessoas acredita com que se deve temer o uso das descobertas científicas contra a humanidade.

(C) Supõe-se em que o universo seja o resultado da vontade soberana de um ente superior, acima da humanidade.

(D) Os pesquisadores, cujo o conhecimento científico deve ser notável, costumam ignorar a idéia de uma força sobrenatural no universo.

(E) A religião, de cuja importância os cientistas costumam duvidar, pode ser usada por extremistas para desencadear o mal.

622. A concordância está de acordo com a norma padrão, na frase:

(A) Tratam-se de opiniões diversas sobre um e outro campo, que marcaram o desenvolvimento da humanidade.

(B) São aspectos – seja da ciência, seja da religião – que ultrapassa nossa possibilidade de compreensão do universo.

(C) Há conceitos, derivados diretamente do Evangelho, que podem ser interpretados de maneira que  os torne extremamente nocivos.

(D) Sabe-se que as pessoas temem as descobertas científicas, pois as vê como prejudiciais, muitas vezes, à humanidade.

(E) Mesmo os postulados da ciência podem trazer, embutido neles, ensinamentos muito próximos da dúvida e da tolerância.

623. Está correta a flexão do verbo na frase:

(A) Alguns cientistas até crêem que existe no universo uma ordem que ultrapassa a compreensão dos homens.

(B) Muitas vezes, no decorrer da história, o progresso científico deteu-se em nome dos dogmas religiosos.

(C) Em todos os tempos adviram situações de conflito, devido tanto a posturas religiosas quanto a descobertas científicas.

(D) Até hoje, representantes das altas esferas religiosas vêm o desenvolvimento científico como um inimigo da fé popular.

(E) Descobertas científicas, em todo tempo, anteporamse à aceitação de dogmas, questionando-os.

624. “Muitas pessoas costumam permanecer ...... espera de soluções apontadas quer pela religião, quer pela ciência, mesmo que caiba ...... elas duvidar de postulados ...... que todos são submetidos”.

As lacunas da frase acima estão corretamente preenchidas por:

(A) à - à - a

(B) à - a - a

(C) à - à - à

(D) a - a - à

(E) a - a - a

TEXTO.

“A reação mais comum das pessoas diante da criminalidade é um sentimento de revolta e medo. O que difere é a forma como cada um lida com o problema. Alguns acreditam que não há como escapar quando a violência bate à sua porta. A saída é entregar todos os seus pertences e torcer para que não haja nenhum tipo de violência física. Outros imaginam que é possível reagir, enfrentar o bandido e vencê-lo. São essas pessoas que portam armas ou as têm guardadas em casa para se proteger. Quem é a favor do porte e do uso desses instrumentos sustenta que, se eles fossem proibidos, os bandidos reinariam absolutos contra o cidadão já indefeso pela ineficiência da polícia. Outra argumentação é que os delinqüentes sempre escolhem como vítimas os que são incapazes de resistir. A arma teria um efeito preventivo ao criar algum grau de dificuldade. Por mais razoáveis que pareçam, esses argumentos são apenas frações da verdade. As estatísticas policiais revelam que andar armado nem sempre é sinônimo de estar protegido. Ao contrário. Usar uma arma, mais do que perigoso, pode ser letal - especialmente quando se tenta reagir a um assalto”.

22. Um dos argumentos apresentados no texto em defesa do porte de arma é:

(A) ela permitiria que a vítima continuasse com seus pertences e não os entregasse aos bandidos.

(B) é possível, com ela, enfrentar e subjugar os bandidos, saindo-se bem de qualquer assalto.

(C) pessoas mais fracas, mesmo sem a ajuda da polícia, poderiam desarmar os bandidos.

(D) pessoas comuns não teriam como defender-se de bandidos, pois somente estes fariam uso delas.

(E) não é somente a polícia que deve proteger os cidadãos e, portanto, eles precisam usar armas para

defender-se.

625. A arma teria um efeito preventivo ao criar algum grau de dificuldade. Observa-se no segmento acima uma relação de:

(A) explicação e restrição.

(B) tempo e espaço.

(C) proporção e finalidade.

(D) condição e conclusão.

(E) causa e conseqüência.

626. ...entregar todos os seus pertences. ...os delinqüentes escolhem suas vítimas. Substituindo-se os termos grifados pelos pronomes correspondentes, a forma correta será:

(A) entregá-los - escolhem-nas

(B) entregá-los - escolhem elas

(C) entregar-lhes - escolhem-as

(D) entrega-lhes - escolhem-nas

(E) entregá-los - escolhê-las

627. ...os bandidos reinariam absolutos contra o cidadão já indefeso... O emprego da forma verbal grifada na frase indica:

(A) um fato real, que se segue a outro, anterior.

(B) uma situação provável, que depende de certa condição.

(C) a continuidade, no presente, de uma ação realizada no passado.

(D) uma ação real, terminada no passado, sem limites precisos.

(E) a repetição de uma ação que se projeta no futuro.

628. ...para que não haja nenhum tipo de violência física. O verbo que apresenta o mesmo tempo e modo da forma grifada está na frase:

(A) se fossem proibidos...

(B) os delinqüentes sempre escolhem como vítimas ...

(C) a arma teria um efeito preventivo ...

(D) por mais razoáveis que pareçam ...

(E) quando se tenta reagir a um assalto...

629. ...como cada um lida com o problema. A mesma regência exigida pelo verbo grifado está na frase:

(A) é um sentimento de revolta e medo.

(B) entregar todos os seus pertences.

(C) os que são incapazes de resistir.

(D) a arma teria um efeito preventivo.

(E) quando se tenta reagir a um assalto.

630. A concordância, nas frases adaptadas do texto, está feita em desrespeito à norma culta em:

(A) As reações mais comuns são sentimentos de revolta e medo.

(B) A diferença está nas formas como alguns lidam com os problemas.

(C) Os dados indicam que o uso de armas podem ser perigosos, resultando em graves ferimentos.

(D) Nem sempre é possível, para uma vítima, reagir contra os bandidos e dominá-los.

(E) A saída é torcer para que não haja agressões físicas durante os assaltos.

631. O bandido tem .......... seu favor o elemento surpresa e a vítima, geralmente indefesa, nem sempre resiste ........ agressão pois, se o fizer, poderá ser ferida ou mesmo morta .......... tiros. As lacunas da frase apresentada estão corretamente preenchidas por:

(A) a - à - à

(B) a - à - a

(C) a - a - a

(D) à - à - a

(E) à - a - à

632. Encontram-se palavras escritas de maneira INCORRETA na frase:

(A) O modelo carcerário, tal como se apresenta, em vez de recuperar delinqüentes, acaba sendo uma  escola de pervercidade e de incensatês.

(B) Diz um ditado popular que o crime não compensa, mas nem todos os delinqüentes recebem a devida punição pelos atos cometidos.

(C) Haverá sempre opiniões divergentes a respeito do porte de armas a cidadãos inexperientes, que acabam sendo vítimas de atitudes violentas.

(D) Agir com bom senso, não se expondo demasiadamente, é uma forma de as pessoas se protegerem da violência de um marginal.

(E) Alguns assaltantes agem por impulso, mas a maioria planeja bastante bem suas ações, embora também esteja sob pressão, como sua vítima, no momento

do ataque.

TEXTO.

ETERNO ENQUANTO DURA.

As linhas continuam inconfundíveis. E talvez resida nesse detalhe o grande fator do sucesso já anunciado para o New Beetle, o Fusca do ano 2000, cuja versão definitiva – a que estará nas revendas este ano – foi apresentada esta semana, pela Volkswagen, no 82º Salão de Detroit.

O New Beetle está sendo fabricado no México, único país do mundo que ainda produz o velho Fusca. (...)Embora sua importação para o Brasil ainda seja incerta, especula-se que o modelo viria a custar em torno de R$ 25 mil no Brasil.

Para os brasileiros, em especial, que ainda convivem com a maior e mais importante criatura de Ferdinand Porsche, o encontro com a novíssima geração do Beetle tem muito simbolismo. Foi particularmente agradável deparar com um Fusca século 21, equipado com air-bag e ABS, entre outros itens de segurança. (...)

A nova linhagem do Besouro acena com duas opções básicas de motor: 2.0, semelhante ao Golf, e 1.9. (...) Somente a versão 2.0 poderá ser importada para o Brasil.

A sofisticação do câmbio automático também impressiona, principalmente para quem não esqueceu o tempo do brasileiríssimo Pé-de-boi. Apresentado como veículo destinado a quatro passageiros, o New Beetle, no entanto, pode levar a quinta pessoa – como seus antecessores estão cansados de fazer. O espaço não é problema – ou, para ser mais exato – continua sendo o mesmo problema.

633. Todas as opções estão corretas, exceto:

A) A avaliação do novo Fusca foi positiva.

B) O sistema de segurança do Fusca é motivo de orgulho nacional.

C) A versão 2.0 poderá ser vendida no Brasil.

D) A versão popular Pé-de-boi foi sucesso no Brasil.

E) O Brasil não está produzindo o novo Fusca.

634.  Assinale a opção em que o vocábulo apresentado segue a mesma regra de acentuação de veículo.

A) agradável

B) potência

C) câmbio

D) faróis

E) país

635. Com referência ao processo de formação de palavras, enumere a 2ª coluna de acordo com a 1ª e marque a opção correta.

( 1 )  Palavra primitiva

( 2 )  Palavra derivada

(   )  válvula

(   )  envidraçada

(   )  tradicional

(   )  semelhante

(   )  besouro

(   )  dimensão

A) 1, 2, 1, 2, 1, 2

B) 2, 1, 2, 2, 2, 1

C) 1, 2, 2, 2, 1, 1

D) 1, 1, 1, 2, 2, 1

E) 1, 2, 2, 1, 2, 2

636. Em “Embora sua importação para o Brasil ainda seja incerta, especula-se (...)”, a reação indicada pela expressão conectora é de:

A) causa

B) conseqüência

C) condição  

D) conformidade

E) concessão

637. No último parágrafo, sem que o sentido se modifique, a expressão  no entanto pode ser substituída por:

A) embora.

B) contudo.

C) ainda que.

D) por causa de.

E) tanto que.

638. Marque a opção em que há construção na voz passiva.

A) O velho quebra-ventos é coisa do passado

B) Foi particularmente agradável deparar com um Fusca versão século 21.

C) O pára-brisas é amplo prolongando-se pelo teto.

D) A versão definitiva foi apresentada esta semana.

E) Seus antecessores estão cansados de levar a quinta pessoa.

639. Marque a opção em que não há erros de acentuação gráfica.

A) Antes de comprar um automóvel vocês veem vários.

B) Serão inúmeros Fuscas novos a serem distribuídos pelo mundo.

C) O para-choques foi todo renovado para encarar a concorrência.

D) Há um intercâmbio de tecnologia entre os paises fabricantes do Fusca.

E) Testado em todo o mundo, o Fusca apresenta ótimos rendimentos para as emprêsas usuárias.

640. Marque a opção em que a lacuna pode ser preenchida pelos dois verbos entre parênteses, sem incorrer em erros.

A) A quantia de R$ 25 mil ________ para comprar o novo Fusca (dará – darão)

B) No novo Fusca, _________  air bag e ABS, entre outros itens de segurança. (haverá – haverão)

C) O New Beetle ____________ duas opções de motor (tem – têm)

D) _____________ muitos anos  que foi lançado o primeiro Fusca. (fazem – faz)

E) A maioria dos brasileiros já _________ um Fusca. (possuiu – possuíram)

641.  Marque a opção correta graficamente.

A) A avaliação do sitema de segurança ainda não foi realisada no Brasil.

B) A nova versão do Fusca já é anssiada pelo público.

C) Para o Brasil, o excesso de produção de Fusca nunca foi problema.

D) Atualmente o Brasil não só importa como também esporta Fuscas.

E) Para os aficionados, o primeiro Fusca é motivo de lembranças.

TEXTO.

LADAINHA.

Por se tratar de uma ilha deram-lhe o nome de Ilha de Vera Cruz.

Ilha cheia de graça

Ilha cheia de pássaros

Ilha cheia de luz

Ilha verde onde havia

Mulheres morenas nuas

Anhangás a sonhar com histórias de luas

E cantos bárbaros de pajés em poracés batendo os pés.

Depois mudaram-lhe o nome

Pra Terra de Santa Cruz

Terra cheia de graça

Terra cheia de pássaros

Terra cheia de luz.

A grande Terra girassol onde havia guerreiros de tanga

E onças ruivas deitadas à sombra das árvores mosqueadas de sol.

Mas como houvesse, em abundância,

Certa madeira cor de sangue cor de brasa

E como o fogo da manhã selvagem

Fosse um brasido no carvão noturno da paisagem,

E como a Terra fosse de árvores vermelhas

E se houvesse mostrado assaz gentil,

Deram-lhe o nome de Brasil.

Brasil cheio de graça

Brasil cheio de pássaros

Brasil cheio de luz.

642. Cassiano Ricardo procura traduzir a religiosidade do povo brasileiro (marque a resposta que NÃO SERVE).

a) No próprio título do poema

b) Através da denominação de Brasil à nossa terra

c) Na denominação Terra de Santa Cruz

d) Na denominação Ilha de Vera Cruz

643. A expressão Terra girassol só não encontra apoio nas passagens:

a) “... a sonhar com histórias de lua...”

b) “Terra cheia de luz”

c) “Ilha cheia de graça”

d) “...árvores mosqueadas de sol”

644. O poema vem calcado predominantemente sobre imagens:

a) Auditivas.

b) Táteis

c) Olfativas

d) Visuais

645. Conduzindo o poema no sentido de explicar a denominação de Brasil, o autor emprega diversas palavras da área semântica de “vermelho”. Marque a alternativa que a palavra corresponda a essa área semântica:

a) Madeira

b) Sangue

c) Carvão

d) Gentil

646. Em que época você situaria o quadro apresentado no poema?

a) Por ocasião do Descobrimento do Brasil

b) Por ocasião da Independência do Brasil

c) Por ocasião da primeira Guerra Mundial

d) Por ocasião da Abolição da Escravatura

647. O processo de formação de palavras é o mesmo nos substantivos da opção:

a) Briga, relógio, cesta

b) Igreja, busca, amparo

c) Castigo, ataque, pesca

d) Preto, casa, amparo

648. Indique a opção que apresenta regência verbal INCORRETA:

a) Os alunos não se dignaram em ouvir as razões dos professores.

b) Poucos alunos se deram o trabalho de ler o programa.

c) O edital do concurso visa a estabelecer as regras para a sua realização.

d) A comissão examinadora só visa selecionar os melhores candidatos.

649. A justificativa para a concordância verbal usada em “Fazia horas que procuravam uma sombra” é a mesma para todas as concordâncias grifadas nas frases abaixo, EXCETO para:

a) Devia haver corujas em seus ninhos pelo coro.

b) Havia já uns três meses, mas aquilo lhe doía como no primeiro instante.

c) Havia, nas manhãs cheias de sol, de entusiasmo, as monções da ambição.

d) Todo esse amor haveria de revelar em seus versos.

650. Qual a afirmativa INCORRETA quanto à pontuação?

a) Havia, na reunião, representantes de todas as camadas da sociedade.

b) O aumento da produção, nos próximos seis meses, deve implicar um aumento na oferta de empregos.

c) Você precisa definir: ou casa, ou compra uma bicicleta.

d) Ajude-a a se sentar pois ela tem uma deficiência motora.

TEXTO.

RACISMO.

A imprensa brasileira vem noticiando uma proposta milionária do Lazio da Itália, que pretende adquirir o passe do zagueiro Juan por 10 milhões de dólares. Este é o time cuja torcida já agrediu o jogador brasileiro Antonio Carlos, do Roma, e perdeu o mando de campo por incitamento racista em pleno estádio. Aqui fica uma sugestão a este jovem negro, atleta brasileiro de 22 anos, com um brilhante futuro profissional: recuse o convite e não troque o Brasil pela Itália, pois moedas não resgatam a dignidade. Diga não aos xenófobos e racistas.

651. “A imprensa brasileira vem noticiando...”; com a utilização do tempo verbal destacado, o autor do texto quer referir-se a uma ação que:

a) acaba de terminar;

b) acaba de começar;

c) se iniciou antes de outra ação passada;

d) se iniciou há pouco tempo e permanece no presente;

e) se repete no passado e no presente.

652. Noticiando é forma do gerúndio do verbo noticiar; a frase em que a forma verbal destacada pode  NÃO estar no gerúndio é:

a) As notícias estão chegando da Itália cada vez mais rapidamente;

b) Transformando-se o ódio em amor, acabam-se as guerras;

c) Vindo o resultado, os clientes começaram a protestar;

d) Os jogadores italianos estão reclamando dos estrangeiros;

e) O atleta viajou, completando sua missão.

653. “Este é o time cuja torcida já agrediu o jogador brasileiro”; este segmento do texto é fruto da união das duas orações seguintes:

a) Este é o time / A torcida deste time já agrediu o jogador brasileiro;

b) Este é o time / o jogador brasileiro já foi atingido pela torcida deste time;

c) A torcida já agrediu o torcedor brasileiro / Esta é a torcida deste time;

d) A torcida já agrediu o jogador brasileiro / Este é o time cuja;

e) Este é o time cuja / a torcida agrediu o jogador brasileiro.

654. Considerando que a ação de agredir o jogador brasileiro Antonio Carlos ocorreu antes de o Lazio perder o mando do campo, ação também passada, o verbo agredir deveria estar no:

a) mais-que-perfeito do indicativo;

b) imperfeito do indicativo;

c) futuro do pretérito;

d) imperfeito do subjuntivo;

e) presente do subjuntivo.

655. O tom final do texto é de:

a) advertência;

b) alerta;

c) conselho;

d) ordem;

e) repreensão.

656. “recuse o convite e não troque o Brasil pela Itália.”; se em lugar da terceira pessoa, o autor do texto empregasse a segunda pessoa do singular, as formas convenientes dos verbos seriam:

a) recusa / não troca;

b) recusas / não trocas;

c) recusa / não troques;

d) recuse / não troca;

e) recuses / não trocas.

657. A relação entre verbo e substantivo INADEQUADA é:

a) pretender – pretensão;

b) adquirir – aquisição;

c) agredir – agressão;

d) perder – perdida;

e) recusar – recusa.

658. “...pois moedas não resgatam a dignidade.”; reescrevendo-se este segmento do texto, mantendo-se o seu sentido original, a única forma INADEQUADA é:

a) visto que a dignidade não é resgatada por moedas;

b) porque moedas não são o resgate da dignidade;

c) porquanto a dignidade não se resgata com moedas;

d) já que por moedas não é resgatada a dignidade;

e) pela razão de que a dignidade não é resgatada por moedas.

659. O adjetivo abaixo de valor nitidamente subjetivo é:

a) imprensa brasileira;

b) proposta milionária;

c) incitamento racista;

d) jovem negro;

e) brilhante futuro.

TEXTO.

COMPADRISMO.

O compadrismo é uma autêntica instituição nacional, nascida dessa nossa tendência para a aproximação e a camaradagem. Também a nossa política anda impregnada desses mesmos sentimentos, que têm levado o Brasil à beira do abismo, porque o governo tem de ser muito pessoal e individualista, cheio de vantagens e proteções, de abraços e intimidades.

660. Deduz-se da leitura do texto que:

(A) o compadrismo deve ser abolido para que a política brasileira tenha atuação positiva;

(B) o compadrismo é uma instituição nacional que se limita à política;

(C) os governos devem ser pessoais e individualistas para que não se contaminem pelo compadrismo;

(D) as vantagens e as proteções governamentais são frutos da recusa do compadrismo em nossa política;

(E) o compadrismo é uma instituição americana e tem feito a desgraça política de muitas nações do continente.

661. Palavra que NÃO é formada por derivação sufixal é:

(A) compadrismo;

(B) camaradagem;

(C) nacional;

(D) aproximação;

(E) vantagens.

662. Ao dizer que o compadrismo é uma autêntica instituição nacional, o autor não indica a que nação se refere, mas os leitores sabem que ele se refere ao Brasil; esse conhecimento deriva do fato de que:

(A) o autor é brasileiro;

(B) o texto foi produzido no Brasil e para ser lido aqui;

(C) a língua utilizada no texto é a portuguesa;

(D) só o Brasil possui o compadrismo;

(E) as informações do texto se referem ao Brasil.

663. Ao dizer que o compadrismo nasce da nossa tendência para a aproximação e a camaradagem, o autor do texto comete um erro argumentativo, que é:

(A) atribuir a um efeito a posição de causa;

(B) partir de uma inferência para o seu raciocínio;

(C) misturar método dedutivo e indutivo;

(D) formular inadequadamente um silogismo;

(E) partir do geral para o particular.

664. O autor empregou a palavra impregnada a fim de:

(A) mostrar a enorme participação do compadrismo em nossas decisões políticas;

(B) indicar uma visão negativa do compadrismo em nosso governo;

(C) melhorar o nível de linguagem empregada em texto destinado a leitores cultos;

(D) demonstrar sua preocupação com a clareza da linguagem utilizada;

(E) contaminar o texto com a linguagem médica, a fim de implicitamente dar a conhecer a sua profissão.

665. “... impregnada desses mesmos sentimentos,...”; termo do texto que desempenha a mesma função sintática do termo sublinhado é:

(A) autêntica instituição nacional (linha 1);

(B) a nossa política (linha 3);

(C) à beira do abismo (linha 5);

(D) muito pessoal e individualista (linha 6);

(E) de vantagens e proteções, de abraços e intimidades (linhas 6, 7).

666. “... porque o governo tem de ser muito pessoal e individualista,...” nesse caso, o autor:

(A) indica um caminho a ser seguido pelos bons governos;

(B) mostra como deveria ser a realidade política nacional;

(C) condena a ausência do compadrismo na política;

(D) mostra uma tendência derivada do compadrismo;

(E) elogia a atitude de um governo democrático.

667. “... desses mesmos sentimentos que têm levado o Brasil à beira do abismo,...”; a forma verbal têm levado indica uma ação:

(A) que já terminou;

(B) anterior a outra ação passada;

(C) habitual no passado;

(D) iniciada no passado que continua no presente;

(E) iniciada no presente que continua no futuro.

668. O texto pode ser classificado como:

(A) narrativo;

(B) argumentativo;

(C) informativo;

(D) publicitário;

(E) descritivo.

TEXTO.

Estava à toa na vida, o meu amor me chamou

Pra ver a banda passar cantando coisas de amor.

A minha gente sofrida despediu-se da dor

Pra ver a banda passar cantando coisas de amor.

O homem sério que contava dinheiro parou.

O faroleiro que contava vantagem parou.

A namorada que contava estrelas parou para ver,

ouvir e dar passagem.

A moça triste que vivia calada sorriu.

A rosa triste que vivia fechada se abriu.

A meninada toda se assanhou pra ver a banda

passar cantando coisas de amor. (...)

669. A passagem da banda provocou no povo da cidade:

(A) indignação com o tumulto.

(B) apatia diante do fato.

(C) hesitação quanto às atitudes a serem tomadas.

(D) intransigência com a desordem.

(E) transformação do comportamento.

670. Na expressão minha gente (verso 3), o uso do pronome possessivo minha indica:

(A) indiferença.

(B) desprezo.

(C) ironia.

(D) cortesia.

(E) afeto.

671. A oração pra ver a banda passar (verso 2) pode ser substituída por outra de sentido equivalente, apresentada na alternativa:

(A) porque viu a banda passar.

(B) quando viu a banda passar.

(C) a fim de que eu visse a banda passar.

(D) assim que a banda passou.

(E) embora tivesse visto a banda passar.

672. Assinale a alternativa em que há uma palavra empregada em sentido figurado.

(A) O homem sério que contava dinheiro parou.

(B) O meu amor me chamou...

(C) A moça triste que vivia calada sorriu.

(D) A rosa triste que vivia fechada se abriu.

(E) A meninada toda se assanhou.

673. No trecho – pra ver a banda passar, cantando coisas de amor (verso 2) –, tem-se o seguinte:

(A) “passar” como ação posterior a “cantando”.

(B) “passar” como ação anterior a “cantando”.

(C) “passar” como ação simultânea a “cantando”.

(D) “ver” como ação anterior a “passar”.

(E) “ver” como ação posterior a “passar”.

674. Assinale a alternativa em que a colocação pronominal está correta.

(A) Me disseram que hoje choverá.

(B) As pessoas nem importaram-se com o ocorrido.

(C) Se visse-a, não teria dúvidas sobre sua conduta.

(D) Nunca se deve acreditar em fofocas.

(E) Ele disse que amava-me muito.

675. Muito ........., disse ela. Vocês procederam ........., considerando meu ponto de vista e minha argumentação ......... .

(A) obrigada, certo, sensatos

(B) obrigado, certo, sensato

(C) obrigada, certos, sensatos

(D) obrigados, certo, sensatos

(E) obrigada, certas, sensata

676. Nenhum de nós ......... dizer ......... o cidadão portou-se tão ......... .

(A) soubemos, porque, eminente, mau

(B) soubemos, por quê, iminente, mal

(C) soube, por que, eminente, mal

(D) soube, porque, eminente, mau

(E) soube, porquê, iminente, mal

677. Dirigi-me ......... essa professora a fim de colocar-me ......... disposição para o trabalho planejado ......... tanto tempo.

(A) a, a, a

(B) à, à, a

(C) à, a, há

(D) a, à, à

(E) a, à, há

TEXTO.

DESAPARECIMENTO DOS ANIMAIS.

Tente imaginar esta cena: homens, animais e florestas convivendo em harmonia. Os homens retiram das plantas apenas os frutos necessários e cuidam para que elas continuem frutificando; não matam animais sem motivo, não sujam as águas de seus rios e não enchem de fumaça seu ar. Em outras palavras: as relações entre os seres vivos e o ambiente em que vivem, bem como as influências que uns exercem sobre os outros, estão em equilíbrio. (...) Nossa preocupação (de brasileiros) não é só controlar a exploração das florestas, mas também evitar uma de suas piores conseqüências: a morte e o desaparecimento total de muitas espécies de animais. Apesar de nossa fauna ser muito variada, a lista oficial das espécies que estão desaparecendo já chega a 86 (dentre elas, a anta, a onça, o mico-leão, a ema e o papagaio). E a extinção desses animais acabará provocando o desequilíbrio do meio ambiente, pois o desaparecimento de um deles faz sempre com que aumente a população de outros. Por exemplo: o aumento do número de piranhas nos rios brasileiros é conseqüência do extermínio de seus três inimigos naturais – o dourado, a ariranha e o jacaré.

678. O autor propõe ao leitor que imagine uma cena para que ela funcione como:

a) um ideal a ser alcançado;

b) uma fantasia que nunca se realizará;

c) um objetivo a que se deve dar as costas;

d) uma finalidade dos grupos religiosos;

e) uma mensagem de fraternidade cristã.

679. “...homens, animais, florestas e oceanos convivendo em harmonia.”; na continuidade do texto, o autor mostra que:

a) esqueceu-se de referir-se aos rios;

b) o homem é o agente desequilibrador da natureza;

c) os animais não matam seus semelhantes sem motivo;

d) a poluição do ar também tem causas naturais;

e) os seres vivos vivem em equilíbrio no mundo atual.

680. O item em que o elemento sublinhado tem um vocábulo correspondente indicado de forma adequada é:

a) “...convivendo em harmonia.”- harmoniosas;

b) “...não matam animais sem motivo,...”- impensadamente;

c) “...influências que uns exercem sobre os outros...”- recíprocas;

d) “...estão em equilíbrio. “- equilibradamente;

e) “...controlar a exploração das florestas...”- ecológica.

681. “Os homens retiram das plantas apenas os frutos necessários...”; esta parte da cena proposta pelo autor defende que:

a) não deixe para amanhã o que pode fazer hoje;

b) Deus proverá o dia de amanhã;

c) se souber usar não vai faltar;

d) a ciência prevê para poder prover;

e) quem espera sempre alcança.

682. No final do primeiro parágrafo aparecem dois parênteses com pontos; isso significa que:

a) o autor deixou de dizer outras coisas importantes;

b) o texto deixou de reproduzir uma parte do texto original;

c) parte do original do texto estava ilegível;

d) nesse espaço havia uma ilustração que foi omitida;

e) havia originalmente trechos em outras línguas.

683. O que o primeiro parágrafo tenta defender é:

a) o equilíbrio ecológico;

b) a extinção dos animais;

c) a despoluição ambiental;

d) o reflorestamento;

e) a proteção dos rios e oceanos.

684. “Nossa preocupação (de brasileiros)...”; o que vai entre parênteses, nesse caso, é:

a) a retificação de uma ambigüidade;

b) a explicação de um termo anterior;

c) a particularização de um significado;

d) a inclusão de uma idéia já explícita;

e) um comentário para o leitor.

685. O risco a que se refere o autor do texto com o último período do texto é:

a) a extinção dos jacarés, ariranhas e dourados;

b) o excesso de piranhas nos rios brasileiros;

c) a mortandade de outros peixes provocada pelas piranhas;

d) a desarmonia populacional das espécies animais;

e) a falta de alimento para o povo brasileiro.

686. A relação entre a morte do dourado e a piranha é a de:

a) causa / conseqüência;

b) efeito / causa;

c) agente / paciente;

d) fato / agente;

e) motivação / ação.

687. Falando dos perigos que o desaparecimento dos animais provoca em nosso ambiente, o autor apela para a:

a) sedução do leitor, mostrando as belezas do mundo natural;

b) intimidação do leitor, indicando os males que daí advêm;

c) a provocação do leitor, desafiando-o a mudar seu comportamento;

d) o constrangimento do leitor, deixando-o envergonhado por suas atitudes;

e) a tentação do leitor, prometendo-lhe uma recompensa por seus atos.

TEXTO.

XENOFOBIA E RACISMO.

As recentes revelações das restrições impostas, há mais de meio século, à imigração de negros, judeus

e asiáticos durante os governos de Dutra e Vargas chocaram os brasileiros amantes da democracia. Foram atos injustos, cometidos contra estes segmentos do povo brasileiro que tanto contribuíram para o engrandecimento de nossa nação. Já no Brasil atual, a imigração de estrangeiros parece liberalizada e imune às manchas do passado, enquanto que no continente europeu marcha-se a passos largos na direção de conflitos raciais onde a marca principal é o ódio dos radicais de direita aos imigrantes. Na Europa, a história se repete com o mesmo enredo centenário: imigrantes são bem-vindos para reforçar a mão-de-obra local em momentos de reconstrução nacional ou de forte expansão econômica; após anos de dedicação e engajamento à vida local, começam a ser alvo da violência e da segregação.

688. A seleção vocabular do primeiro período do texto permite dizer que:

a) o adjetivo recentes traz como inferência que as revelações referidas no texto ocorreram nos dias imediatamente antes da elaboração do artigo;

b) a escolha do substantivo revelações se refere a um conjunto de informações que, para o bem do país, deveria permanecer oculto;

c) o substantivo restrições indica a presença de limitações oficiais na política migratória do país;

d) o adjetivo impostas se liga obrigatoriamente a um poder discricionário, como o presente nas ditaduras de Dutra e Vargas;

e) em razão das referências históricas imprecisas do texto, o segmento há mais de meio século se refere a uma quantidade de anos superior a 50 e inferior a 100.

689. Se as restrições de imigração eram impostas a negros, judeus e asiáticos, podemos dizer que havia, nesse momento, uma discriminação de origem:

a) racial e religiosa;

b) exclusivamente racial;

c) econômica e racial;

d) racial e geográfica;

e) religiosa, econômica, racial, geográfica e cultural.

690. Em relação ao primeiro período do texto, o segundo:

a) explicita quais as revelações referidas;

b) indica, como informação nova, que os atos cometidos eram negativos;

c) esclarece qual a razão dos atos referidos terem chocado os brasileiros;

d) mostra a conseqüência dos fatos relatados anteriormente;

e) comprova as afirmativas iniciais do jornalista com dados históricos.

691. Ao classificar os atos restritivos à imigração de injustos, o autor do texto mostra:

a) somente a opinião dos brasileiros amantes da democracia;

b) a sua opinião e a de alguns brasileiros;

c) a sua opinião e a dos leitores;

d) somente a sua opinião;

e) a sua opinião e a dos brasileiros em geral.

692. Ao escrever que os atos injustos foram cometidos “contra esses segmentos do povo brasileiro...”, o autor do texto mostra que:

a) a população brasileira da era Vargas sofria pela discriminação oficial;

b) negros, judeus e asiáticos são vistos como brasileiros pelo autor do texto;

c) o povo brasileiro é constituído de raças e credos distintos;

d) alguns segmentos de nosso povo foram autores de atos injustos;

e) o Brasil e seu povo já passaram por momentos históricos difíceis.

693. Assim como engrandecimento, derivado de engrandecer, outros verbos possuem substantivos derivados de verbos com o sufixo – mento; o item em que todos os verbos citados possuem substantivos desse tipo é:

a) esmagar – coroar – desenvolver;

b) descobrir – prover - entregar;

c) receber – pagar – publicar;

d) preparar – envolver – reter;

e) deslocar – colocar – alocar.

694. O segundo parágrafo do texto é introduzido pelo segmento “Já no Brasil atual...”; tal segmento indica:

a) uma oposição de local e tempo;

b) uma oposição de tempo;

c) uma conseqüência do primeiro parágrafo;

d) uma comparação de duas épocas;

e) uma indicação das causas dos fatos relatados.

695. Ao escrever que a imigração de estrangeiros parece “imune às manchas do passado”, o autor do texto quer indicar que:

a) os estrangeiros já esqueceram as injustiças de que foram vítimas;

b) a imigração ainda traz marcas dos atos injustos do passado;

c) os imigrantes atuais desconhecem os fatos passados;

d) nada mais há que possa manchar o nosso passado histórico;

e) o processo migratório atual em nada lembra os erros do passado.

696. “...enquanto que no continente europeu marcha-se a passos largos na direção de conflitos raciais...”; o item abaixo em que SE tem o mesmo valor sintático que apresenta no segmento em destaque é:

a) A história se repete na Europa;

b) O líder declarou que, se levado ao poder, deportará imigrantes;

c) As manifestações contra imigrantes se transformaram em praga internacional;

d) Encontram-se muitas injustiças nas relações com os imigrantes;

e) Precisa-se de novos imigrantes para a lavoura brasileira.

697. De todas as idéias expressas abaixo, aquela que NÃO está contida direta ou indiretamente no texto é:

a) Os imigrantes são bem-vindos no Brasil de hoje;

b) A atual situação dos imigrantes na Europa faz prever conflitos futuros;

c) Os estrangeiros acabam sendo perseguidos, em alguns países, apesar de seus bons serviços;

d) A expansão econômica da Europa provocou a saída de emigrantes;

e) Os imigrantes são fator de colaboração para o progresso das nações.

TEXTO 1.

PETRÓLEO.

Os fatos desta vez deram razão a Monteiro Lobato. Existe o petróleo. Resta saber, e o grande escritor morreu antes que pudesse observá-lo, resta saber se o cobiçado líquido brindará os brasileiros com uma vida decente, ou fará do país outra Venezuela, onde, há um quarto de século, se põe fora, sem proveito para o povo, a maior fartura petrolífera da América Latina.

TEXTO 2.

PETRÓLEO.

Esse produto é o sangue da terra; é a alma da indústria moderna; é a eficiência do poder militar; é a soberania; é a dominação. Tê-lo é ter o sésamo abridor de todas as portas. Não tê-lo é ser escravo.

698. O que é explícito num enunciado pode gerar informações implícitas; os dois primeiros períodos do texto 1 nos permitem deduzir alguns dados implícitos, EXCETO:

(A) Monteiro Lobato defendia a existência de petróleo no país;

(B) nem sempre as posições de Monteiro Lobato tinham apoio nos fatos;

(C) Monteiro Lobato era figura conhecida na época de elaboração do texto;

(D) os fatos não são apoio incontestável de argumentos;

(E) os fatos a que alude o texto dizem respeito à descoberta de petróleo no Brasil.

699. “Os fatos desta vez deram razão a Monteiro Lobato.”; a(s) forma(s) INADEQUADA(s) de reescrever-se esse mesmo período, mantendo-se o sentido original, é(são):

I - A Monteiro Lobato foi dada razão pelos fatos, desta vez;

II - A Monteiro Lobato deram razão, desta vez, os fatos;

III - A Monteiro Lobato, foi-lhe dada razão pelos fatos, desta vez.

(A) nenhuma;

(B) III;

(C) I-III;

(D) II;

(E) II-III.

700. O texto 1 apresenta duas vezes o segmento resta saber; tal fato deve ter ocorrido por:

(A) distração do autor do texto;

(B) querer o autor referir-se a mais de um fato;

(C) distanciamento dessa forma verbal de seu complemento;

(D) necessidade de enfatizar o valor de Monteiro Lobato;

(E) impossibilidade de substituí-lo por uma forma sinonímica.

701. A relação entre o texto 1 e o texto 2 está:

(A) na presença de Monteiro Lobato ligada ao mesmo tema: o petróleo;

(B) no fato de as palavras de M. Lobato (texto 2) se realizarem no texto 1;

(C) na semelhança de preocupações com a riqueza do petróleo;

(D) na exploração dos países mais ricos sobre os mais pobres;

(E) no valor do petróleo como instrumento de dominação.

702. “...e o grande escritor morreu antes que pudesse observá-lo,...” (texto 1); neste segmento do texto, o pronome LO:

(A) substitui petróleo, referido anteriormente no texto;

(B) se refere a um termo ainda não expresso no texto;

(C) se liga a fatos, no primeiro período do texto;

(D) deveria estar colocado antes do auxiliar: o pudesse observar;

(E) é expletivo, ou seja, pode ser retirado do texto sem prejuízo da mensagem.

703.  “...resta saber se o cobiçado líquido brindará os brasileiros...”; para evitar a repetição do termo petróleo, o autor do texto se utilizou, no segmento em destaque, de um processo que também aparece em:

(A) “... e o grande escritor morreu antes que pudesse observálo...”; (texto 1)

(B) “...se põe fora, sem proveito para o povo, a maior fartura petrolífera da América Latina.”; (texto 1)

(C) “...brindará os brasileiros com uma vida decente, ou fará do país outra Venezuela,...”; (texto 1)

(D) “Esse produto é o sangue da terra; é a alma da indústria moderna;”; (texto 2)

(E) “Não tê-lo é ser escravo.” .

704. Ao dizer “...se o cobiçado líquido brindará os brasileiros com uma vida decente, ou fará do país outra Venezuela,...”, o autor do texto 1 mostra que:

(A) o Brasil terá uma vida pouco decente se a Venezuela igualar-se a ele;

(B) na Venezuela não há tanto petróleo quanto no Brasil;

(C) o petróleo é o único responsável pelo progresso de um país;

(D) deseja que o Brasil tenha tanto petróleo quanto tem a Venezuela;

(E) nem sempre o petróleo é garantia de bem-estar.

705. A idéia de o petróleo ser uma panacéia universal aparece no texto de Monteiro Lobato (texto 2), e de forma mais específica no segmento:

(A) “Esse produto é o sangue da terra”;

(B) “é a alma da indústria moderna”;

(C) “é a eficiência do poder militar”;

(D) “é a soberania; é a dominação”;

(E) “tê-lo é ter o sésamo abridor de todas as portas”.

706. Ao dizer, no texto 2, que o petróleo é “o sangue da terra”, Monteiro Lobato apela para um processo expressivo que é estruturado:

(A) numa comparação entre dois elementos por meio de uma semelhança;

(B) numa representação mágica, de fundo inverossímil;

(C) por meio de uma personalização do primeiro elemento;

(D) por meio de uma substituição de um termo concreto por um abstrato;

(E) por meio da troca entre causa e efeito.

707. “Tê-lo é ter o sésamo abridor de todas as portas. Não tê-lo é ser escravo.” (texto 2); essa afirmação:

(A) é repetida no texto 1;

(B) é contrariada integralmente pelas afirmações do texto 1;

(C) é formada por termos antitéticos;

(D) funciona como explicação das afirmações anteriores do texto 2;

(E) aparece como resumo do texto 1.

TEXTO.

CIDADANIA E IGUALDADE.

Mais do que em outras épocas da nossa história, o momento em que ingressamos num novo século exige a construção da cidadania e a implementação dos direitos humanos como tarefa de urgência. Realizá-la implica uma série de atitudes que envolvem, antes de mais nada, o indivíduo, o seu grupo, a comunidade e os diversos segmentos da sociedade. Impõe-se a cada pessoa o desafio de acreditar – ou voltar a acreditar, se perdeu tal crença – na possibilidade de uma sociedade justa e solidária, exercitando uma nova consciência crítica, conhecendo a realidade em suas várias nuances e mudando o que precisa ser mudado para uma vida melhor. Ter consciência crítica significa também saber analisar, com realismo, as causas e os efeitos das situações que precisam ser enfrentadas, para, a partir dessa atitude, descobrir os melhores caminhos na busca da transformação social, política, econômica e cultural. Significa, do mesmo modo, abrir-se para as mudanças e capacitar-se, de todas as formas, para absorvê-las. Há hoje cada vez mais espaços para ações de parceria voltadas ao desenvolvimento sustentado e à realização dos direitos humanos. O desafio apresenta-se de duas formas. De um lado, é preciso abrir-se para além dos círculos fechados em que as pessoas normalmente vivem, estimulando o respeito e a cooperação por uma sociedade com menores desigualdades, e de outro, para exercer o direito de cobrar das instituições do Estado a sua responsabilidade na preservação dos direitos humanos. O desafio essencial de cada um de nós é e sempre será fazer respeitar a nossa condição de ser humano vocacionado a uma vida digna e solidária. O princípio de igualdade é a base da cidadania e fundamenta qualquer constituição democrática que se proponha a valorizar o cidadão. Não é diferente com a nossa. Na Constituição de 1988, o direito à igualdade destaca-se como tema prioritário logo em seu artigo 5º: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no país a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (...)”

708. A realização da “tarefa de urgência”, de que trata o primeiro parágrafo do texto, exige:

(A) iniciativas enérgicas por parte do poder estatal.

(B) a defesa do convívio em círculos sociais restritos.

(C) uma nova reforma constitucional.

(D) uma alteração no fundamento da Constituição de 1988.

(E) novas atitudes dos indivíduos e dos grupos sociais.

709. Considere as seguintes afirmações:

I. As "duas formas" de desafio de que trata o 3º parágrafo acentuam a importância do papel da iniciativa do Estado.

II. A frase Não é diferente com a nossa, no penúltimo parágrafo, lembra que o princípio da igualdade é básico também na Constituição brasileira.

III. O direito à igualdade, tratado no artigo 5º da Constituição de 1988, é amplo em relação aos cidadãos brasileiros e restrito em relação a todos os demais.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em:

(A) I, somente.

(B) II, somente.

(C) I e II, somente.

(D) II e III, somente.

(E) I, II e III.

710. O texto manifesta a necessidade premente de se evitar:

(A) uma análise realista das causas e efeitos das situações que precisam ser enfrentadas.

(B) a prática de cobrar de setores do Governo suas responsabilidades constitucionais.

(C) a tendência de se viver no interior de círculos sociais fechados e estanques.

(D) a discriminação social, a não ser nos casos previstos no artigo citado da atual Constituição.

(E) qualquer desafio que diga respeito a mudança de atitude ou de hábitos tradicionais.

711. No contexto do 1º parágrafo, os elementos que constituem a enumeração o indivíduo, o seu grupo, a comunidade e os diversos segmentos sociais:

(A) estão dispostos numa ordem casual e arbitrária.

(B) obedecem à seqüência lógica do mais geral para o mais particular.

(C) são todos eles alternativos e excludentes entre si.

(D) estão dispostos numa progressão do particular para o geral.

(E) são todos eles sinônimos entre si.

712. Considerando-se o contexto, traduz-se corretamente o sentido de uma frase do texto em:

(A) em suas várias nuances = em seus diversos aspectos.

(B) implementação dos direitos humanos = preservação da assistência humanitária.

(C) vocacionado a uma vida solidária = ambientado no regime da privacidade.

(D) tema prioritário = questão de alguma relevância.

(E) inviolabilidade do direito à vida = protelação da garantia de vida.

713. A frase Ter consciência crítica significa também saber analisar, com realismo, as causas e os efeitos das situações, que precisam ser enfrentadas articula o segundo ao primeiro parágrafo. Considerando-se essa articulação, a palavra também tem o sentido de:

(A) ainda assim.

(B) apesar de tudo.

(C) além disso.

(D) sobretudo.

(E) antes de mais nada.

714. Está correta a grafia de todas as palavras do seguinte comentário sobre o texto:

(A) Uma das iniciativas encontornáveis da cidadania está em se ezercer a consciência crítica, aplicada aos fatos da realidade.

(B) Recusando os privilégios dos que se habituaram a viver em grupos autônomos, o texto propõe o acesso de todos a todas as instâncias sociais.

(C) Ninguém deve se ezimir de cobrar do Estado a prezervação do princípio de igualdade como um direito básico da cidadania.

(D) Constitue dever de todos manter ou readquirir a crença em que seja possível a vijência social dos princípios da igualdade e da solidariedade.

(E) O que se atribue a um cidadão, como direito básico, deve constituir-se em direito básico de todos os cidadãos, indescriminadamente.

715. As normas de concordância verbal estão plenamente respeitadas na seguinte frase:

(A) É uma tolice imaginar-se que não se devam satisfações àqueles que não pertençam ao âmbito do nosso próprio grupo social.

(B) Não nos cabem, nos dias que correm, ignorar o fato de que novas atitudes são absolutamente necessárias a uma nova ordem social.

(C) A base da cidadania se firmam nos princípios que postulam a inviolabilidade dos direitos básicos de todo cidadão.

(D) Assim como nas dos outros países, encontram-se em nossa Constituição, em palavras que não deixam dúvida, o princípio democrático da igualdade.

(E) As duas formas em que se apresentam para nós o desafio de acreditar na igualdade são a abertura para os outros e a vigilância quanto às funções do Estado.

716. Transpondo-se para a voz passiva a frase O desafio essencial será fazer respeitar a nossa condição de ser humano, o segmento sublinhado será substituído por:

(A) fazer com que respeitemos.

(B) fazermo-nos respeitados.

(C) ter feito respeitar.

(D) fazer ser respeitada.

(E) fizermos respeitá-la.

717. Está clara e correta a redação da seguinte frase:

(A) Viver em círculos fechados é o que muita gente gosta apesar de serem pouco beneficiados em razão disto.

(B) Quando se obedece princípios de igualdade a cidadania de que todos almejamos torna-se não apenas provável quanto possível.

(C) É bem melhor gozar de um direito coletivamente do que cada um por si, o mesmo ocorrendo com os demais.

(D) Verifica-se hoje muitas ações de parceria, onde a meta é o desenvolvimento sustentado, além de ser voltado à realização dos direitos humanos.

(E) Se há algumas razões para que se tenha deixado de crer na possibilidade de uma sociedade justa, há muitas mais para que se aceite o desafio de voltar a crer.

TEXTO.

“PRECAUÇÕES.

Produto inflamável. Manter longe do fogo e de superfícies aquecidas. Manter afastado de crianças e de animais domésticos. Evitar contato prolongado com a pele, lavando as mãos após o uso. Se houver contato com os olhos, lavar com bastante água. Se inalado em excesso, remover a pessoa para local ventilado. Se ingerido, não provocar vômito. Beber vagarosamente água em abundância e encaminhar ao médico”.

718. De acordo com o rótulo, o produto:

A. fere a pele.

B. mancha a roupa.

C. é sólido.

D. serve para colar.

E. pega fogo com facilidade.

719. Assinale a opção incorreta de acordo com o uso das palavras no rótulo acima.

A. “PRECAUÇÕES” é sinônimo de CUIDADOS.

B. “inalado” tem o mesmo sentido de digerido.

C. “ventilado” é sinônimo de arejado.

D. “ingerido” tem o mesmo sentido de engolido.

E. “abundância” é sinônimo de grande quantidade.

720. “Não reutilizar a embalagem vazia para outros fins”.

Assinale a opção que mais se aproxima do que quer dizer o aviso anterior, colocado na embalagem de um detergente.

A. A embalagem pode servir para guardar alimentos.

B. Somente aproveite a embalagem quando ela estiver completamente vazia.

C. Quando utilizar a embalagem novamente, tenha cuidado.

D. A embalagem é útil para várias finalidades.

E. Quando o detergente terminar, inutilize a embalagem.

721. “Convidamos todos os empregados para as comemorações do quinto aniversário da empresa Catil, que serão realizadas no dia 30 de novembro, no pátio central. A programação é a seguinte: 17 h – Culto ecumênico de ação de graças. 18 h – Cerimônia de entrega do prêmio ao operário nota 10. 20 h – Churrasco e seresta à luz de lamparinas. Esclarecemos que os convites para os familiares e acompanhantes devem ser retirados na secretaria, com antecedência mínima de três dias da data do evento”.

Com base no texto acima, assinale a opção incorreta.

A. Haverá uma cerimônia de entrega de um prêmio de 10 mil reais para o melhor operário do ano.

B. O texto é um convite dos diretores da empresa Catil.

C. Os empregados podem levar outras pessoas para as comemorações.

D. A empresa está completando mais um ano de existência.

E. Até três dias antes das comemorações, os convites estarão à disposição na secretaria.

722. “Joaquim, por favor, antes de encaminhar a correspondência ao setor de expedição, organize a sala de reuniões para o seminário e distribua as pastas conforme os lugares dos participantes; em seguida, avise ao Dr. José que chegarei às 10 horas; peça, então, ao pessoal da copa, café e água para todos. Agradeço, Dr. Roberto”.

Conforme o bilhete acima, a tarefa que Joaquim deve cumprir por último é:

A. organizar a sala de reuniões.

B. distribuir as pastas dos participantes.

C. avisar ao Dr. José que o Dr. Roberto chegará às 10 horas.

D. encaminhar a correspondência ao setor de expedição.

E. pedir café e água para todos.

723. “AVISO. Os funcionários que trabalham no turno da noite devem redobrar a atenção quanto à economia de energia elétrica, pois ainda não conseguimos cumprir nossa meta de redução de gastos”.

As palavras “redobrar” e “redução”, escritas em negrito no texto, têm, respectivamente, o mesmo significado de:

A. cobrar e confirmação.

B. reforçar e diminuição.

C. reduzir e limitação.

D. pedir e ampliação.

E. solicitar e redirecionamento.

724. “Se os funcionários _______________________ realmente, ______________ cumprir a meta de economia de energia”.

Assinale a opção que contém as palavras que completam corretamente a frase acima, na ordem apresentada.

A. colaborem, pudéssemos

B. colaborarem, pudéssemos

C. colaborassem, poderíamos

D. colabore, poderemos

E. colaborem, podia

725. “Os funcionários tentaram, mas não conseguiram cumprir a meta de economia de energia”.

Na oração anterior, a palavra que não pode substituir “mas”, pois provoca alteração do sentido, é:

A. porque.

B. porém.

C. contudo.

D. no entanto.

E. todavia.

726. “Informamos aos encarregados que os pacotes de detergente não ____________ nas gavetas do armário do almoxarifado e devem ser refeitos”.

Assinale a opção com a palavra que completa corretamente a frase.

A. coberam

B. caberam

C. couberam

D. cuberam

E. cuberão

727. Assinale a opção correta dos pontos de vista da grafia, da acentuação e da pontuação.

A. Todo usuário final, é obrigado a devolver a bateria usada a um ponto de venda.

B. Não descarte a bateria usada no lixo doméstico ou particular, pois ela, contem substâncias químicas perigosas.

C. Devolva a bateria usada ao revendedor, que têm obrigação de aceitá-la, no ato da troca.

D. Os revendedores são obrigados a aceitar a devolução da bateria usada, bem como a devolvê-la ao fabricante para reciclagem.

E. A composição básica de uma bateria é perigosa: xumbo, ácido sufúrico diluido e plástico.

TEXTO.

“A miséria tem um componente inercial. O problema não foi criado por este ou aquele governo, mas ao longo da história do País, e se avoluma ano a ano. Entre as famílias mais pobres, registra-se hoje uma taxa de natalidade de cinco filhos, maior que a média entre as faixas mais altas da pirâmide social. Perpetua-se assim a pobreza, que cresce num ritmo maior que a capacidade de geração de riqueza e empregos da economia. O primeiro contingente de miseráveis surgidos no país foram os escravos. Mesmo depois da Abolição, eles continuaram vivendo numa situação de pobreza extrema. Essa herança reflete-se até hoje em estatísticas como as taxas de analfabetismo e de mortalidade infantil, proporcionalmente maiores na população negra. Nos anos 30, o País começou a dar seus primeiros passos para se tornar mais urbano e industrial. O então presidente Getúlio Vargas promoveu mudanças significativas nas relações trabalhistas, o que certamente beneficiou muita gente, mas foi um desenvolvimento seletivo. Quem tinha emprego e estava nas cidades passou a ter a profissão regulamentada e a ganhar 13º salário, entre outros benefícios. Melhorou de vida. Os que na época estavam fora do mercado de trabalho continuaram na pobreza. A partir dos anos 50, durante o governo de Juscelino Kubitschek, o Brasil entrou num processo de industrialização convulsiva, simbolizado pelo slogan "Cinqüenta anos em cinco". Financiadas pelo Estado, surgiram a malha rodoviária, a indústria automobilística, diversas universidades e as grandes usinas de energia. De 48o PIB mundial na década de 60, o País saltou para a 8a posição, vinte anos depois. O progresso trouxe alguns efeitos colaterais: aumentou as diferenças regionais entre o Sudeste, onde se concentraram os investimentos da indústria, e o Nordeste, que permaneceu atrelado a uma economia rural atrasada sujeita a intempéries como a seca. As faixas mais altas da pirâmide social foram as mais beneficiadas por esse processo de desenvolvimento, que teve seu auge na década de 70. Sua renda cresceu num ritmo mais acentuado que o das camadas pobres. Foi sempre assim. Com uma singela exceção: o período inicial do Plano Real, quando milhões de pobres se beneficiaram do fim do imposto inflacionário e passaram a ter renda mínima para a sobrevivência”.

728. “Foi sempre assim”. Considerando-se o contexto, é correto afirmar que a frase:

(A) analisa os fatos a que o autor se refere no parágrafo anterior.

(B) introduz uma ressalva ao conjunto de situações abordadas.

(C) indica a causa que desencadeou os fatos anteriores.

(D) conclui a argumentação que vem sendo desenvolvida no texto.

(E) estabelece a condição necessária para uma solução dos problemas apontados.

729. É correto afirmar que, de acordo com o texto:

(A) as taxas de natalidade, maiores que as de mortalidade infantil, são índices que confirmam a melhoria das condições de vida da população brasileira.

(B) a indústria brasileira, especialmente a automobilística, trouxe bem-estar para toda a população do norte ao sul do País.

(C) convém que o Estado evite a ingerência dos órgãos oficiais na economia do País, a qual deve basear-se na propriedade e nas atividades particulares.

(D) a faixa mais alta da pirâmide social mantém-se em posição de destaque em razão da média mais elevada de natalidade.

(E) a população negra ainda permanece refém de problemas não solucionados, que se originaram na época da escravidão.

730. O componente inercial da pobreza (1ª linha) a que se refere o texto diz respeito:

(A) ao índice de natalidade, que é maior nas camadas sociais mais baixas da população.

(B) à ausência de controle da produção industrial, principalmente na região sudeste.

(C) ao desinteresse político dos governantes em controlar as taxas de natalidade.

(D) ao atraso da economia brasileira, que ainda se fundamenta na atividade rural.

(E) aos problemas derivados do clima, especialmente às secas da região nordeste.

731. Sua renda cresceu num ritmo mais acentuado que o das camadas pobres. O pronome grifado na frase acima substitui, no texto:

(A) seu auge.

(B) o ritmo.

(C) o progresso.

(D) o período inicial.

(E) um processo de desenvolvimento.

732. “Que tinha emprego...” O mesmo tempo e o mesmo modo da forma verbal anterior acima repetem-se na frase:

(A) e se avoluma ano a ano.

(B) mas foi um desenvolvimento seletivo.

(C) os que estavam fora do mercado de trabalho...

(D) o País saltou para a 8a posição.

(E) onde se concentraram os investimentos da indústria.

733. ...“que teve seu auge na década de 70”. O emprego da forma verbal na frase indica:

(A) uma ação terminada num tempo passado.

(B) uma hipótese a concretizar-se no futuro.

(C) a continuidade da ação até o momento presente.

(D) a repetição, no presente, de uma ação passada.

(E) uma ação realizada dentro de limites de tempo imprecisos.

734. A concordância deixa de seguir a norma padrão na frase:

(A) Registram-se, hoje, nas famílias mais pobres, taxas de natalidade maiores que a média brasileira.

(B) O número de pobres cresce mais do que as possibilidades de geração de riqueza.

(C) As condições de pobreza são perpetuadas, num ciclo vicioso, pois não existem postos de trabalho suficientes.

(D) Muitos empregados foram beneficiados com as mudanças nas relações trabalhistas, melhorando as condições de vida.

(E) Com isso, cresceu as diferenças regionais entre o Sudeste e o Nordeste, região sujeita a um clima inóspito.

735. “O problema não foi criado por este ou aquele governo”. Transpondo-se a frase para a voz ativa, a forma verbal passa a ser:

(A) criara.

(B) criou.

(C) criaram-se.

(D) tinha criado.

(E) era criado.

736. “Quem tinha emprego passou a ter a profissão regulamentada. Melhorou de vida. Continuaram na pobreza os que estavam fora do mercado de trabalho”. As três afirmativas encontram-se unidas num só período, com correção e clareza, mantendo o sentido original do texto, em:

(A) Enquanto melhorou de vida, quem tinha emprego passou a ter a profissão regulamentada e, em compensação, continuou na pobreza os que estavam fora do mercado de trabalho.

(B) Os que tinham emprego, houve melhora de vida, que passou a ter profissão regulamentada, e continuou na pobreza os que estavam fora do mercado de trabalho.

(C) Porque melhorou de vida, quem tinha emprego e passou a ter a profissão regulamentada, continuaram a pobreza, visto que estavam fora do mercado de trabalho.

(D) Quem tinha emprego, passou a ter profissão regulamentada e melhorou de vida, embora tenham continuado na pobreza os que estavam fora do mercado de trabalho.

(E) Em que pese o emprego, melhorou de vida com a profissão regulamentada, o que, em oposição, continuaram na pobreza os que estavam fora do mercado de trabalho.

737. Encontram-se palavras escritas com desrespeito à norma culta da língua na frase:

(A) Há, no país, bolsões de pobreza, em que inexistem recursos mínimos indispensáveis para a sobrevivência da população.

(B) A escassês de chuvas – um fato que caracterisa a região Nordeste – desencadeia sérios problemas socioeconômicos de difícil solução.

(C) O grande número de miseráveis – que vivem abaixo da linha de pobreza – não tem acesso a, no mínimo, uma refeição nutritiva básica diária.

(D) Uma grande porcentagem indica o número de brasileiros que, apesar da origem humilde, conseguiram prestígio profissional e ascensão social.

(E) O Brasil é um país rico, o que torna inexplicável a pobreza extrema de 23 milhões de brasileiros, problema até agora mal resolvido.

738. Está correta a pontuação no período:

(A) Como conseqüência do emprego inadequado de recursos, o Brasil aparece todos os anos nas listagens internacionais como um dos países com maior concentração de renda do planeta.

(B) Como conseqüência do emprego inadequado de recursos, o Brasil aparece todos os anos nas listagens internacionais como um dos países, com maior concentração, de renda do planeta.

(C) Como conseqüência do emprego inadequado de recursos o Brasil, aparece todos os anos nas listagens internacionais, como um dos países com maior concentração de renda do planeta.

(D) Como conseqüência do emprego, inadequado de recursos, o Brasil aparece todos os anos nas listagens, internacionais como um dos países com maior concentração de renda do planeta.

(E) Como conseqüência do emprego inadequado de recursos o Brasil aparece todos os anos, nas listagens internacionais como, um dos países com maior concentração de renda do planeta.

TEXTO.

UM SONHO DE SIMPLICIDADE.

Então, de repente, no meio dessa desarrumação feroz da vida urbana, dá na gente um sonho de simplicidade. Será um sonho vão? Detenho-me um instante, entre duas providências a tomar, para me fazer essa pergunta. Por que fumar tantos cigarros? Eles não me dão prazer algum; apenas me fazem falta. São uma necessidade que inventei. Por que beber uísque, por que procurar a voz de mulher na penumbra ou os amigos no bar para dizer coisas vãs, brilhar um pouco, saber intrigas? Uma vez, entrando numa loja para comprar uma gravata, tive de repente um ataque de pudor, me surpreendendo assim, a escolher um pano colorido para amarrar ao pescoço. Mas, para instaurar uma vida mais simples e sábia, seria preciso ganhar a vida de outro jeito, não assim, nesse comércio de pequenas pilhas de palavras, esse ofício absurdo e vão de dizer coisas, dizer coisas... Seria preciso fazer algo de sólido e de singelo; tirar areia do rio, cortar lenha, lavrar a terra, algo de útil e concreto, que me fatigasse o corpo, mas deixasse a alma sossegada e limpa. Todo mundo, com certeza, tem de repente um sonho assim. É apenas um instante. O telefone toca. Um momento! Tiramos um lápis do bolso para tomar nota de um nome, de um número... Para que tomar nota? Não precisamos tomar nota de nada, precisamos apenas viver sem nome, nem número, fortes, doces, distraídos, bons, como os bois, as mangueiras e o ribeirão.

739. Em seu sonho de simplicidade, o cronista Rubem Braga idealiza sobretudo:

(A) uma depuração maior no seu estilo de escrever, marcado por excessivo refinamento.

(B) as pequenas necessidades da rotina, que cada um de nós cria inconscientemente.

(C)) uma relação mais direta e vital do homem com os demais elementos da natureza.

(D) o aperfeiçoamento do espírito, por meio de reflexões constantes e disciplinadas.

(E) a paixão ingênua que pode nascer com a voz de uma mulher na penumbra.

740. Considere as seguintes afirmações:

I. O cronista condiciona a conquista de uma vida mais simples à possibilidade de viver sem precisar

produzir nada, sem executar qualquer tipo de trabalho, afora o da pura imaginação.

II. Alimentar um tal um sonho de simplicidade é, na perspectiva do cronista, uma característica exclusiva dos escritores que não mantêm relações mais concretas com o mundo.

III. Cigarros, gravatas e telefones são elementos utilizados pelo cronista para melhor concretizar o mundo que representa uma antítese ao seu sonho de simplicidade.

Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que se afirma em:

(A) I.

(B) II.

(C) III.

(D) I, II.

(E) II, III.

741. Na frase: “Mas, para instaurar uma vida mais simples e sábia, seria preciso ganhar a vida de outro jeito, não assim, nesse comércio de pequenas pilhas de palavras, esse ofício absurdo e vão de dizer coisas, dizer coisas...” o cronista:

(A) ressalta, com a repetição de dizer coisas, a importância de seu trabalho de escritor, pelo qual revela aos outros as verdades mais profundas.

(B) justifica com a expressão comércio de pequenas pilhas de palavras a visão depreciativa que tem de

seu próprio ofício.

(C) apresenta como conseqüência de instaurar uma vida mais simples e sábia o fato de ganhar a vida de outro jeito.

(D) utiliza a expressão não assim para apontar uma restrição à vida que seria preciso ganhar de outro jeito.

(E) se vale da expressão ofício absurdo e vão para menosprezar o trabalho dos escritores que se recusam a profissionalizar-se.

742. Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

(A) O sonho do cronista parece estravagante, mas há que se reconhecer nele a beleza de uma vida a ser levada com muito mais distenção.

(B) Quem vive de forma mais displiscente não é o homem distraído das obrigações, mas aquele que atribue importância exclusiva aos negócios e à rotina urbana.

(C) Um telefone corta abruptamente nossa evazão imaginária, e anotamos nomes e números, na sugeição aos velhos hábitos e compromissos.

(D) Se uma vida mais natural nos restitui a extinta simplicidade, que empecilhos tão fortes nos impedem de desfrutá-la?

(E) A singeleza de uma vida natural exclue, é obvio, aqueles valores supérfluos que encorporamos sem nunca os analisar.

743. As normas de concordância verbal estão inteiramente respeitadas SOMENTE na frase:

(A) Quando se fatigam os corpos, as almas restam mais sossegadas e limpas.

(B) O que aflige o autor é os compromissos e os ofícios vãos, com os quais se envolvem permanentemente.

(C) Não dura senão um rápido instante os vislumbres de uma vida mais simples.

(D) Todas as coisas que se sonha nascem de carências reais.

(E) Se houvessem mais coisas simples em nossa vida, não sonharíamos tanto com elas.

744. Transpondo-se para a voz passiva a frase “Eles não me dão prazer algum”, resultará a forma verbal:

(A) têm dado.

(B) é dado.

(C) tem sido dado.

(D) teriam dado.

(E) foi dado.

745. Todas as formas verbais estão corretamente flexionadas na frase:

(A) Se todos se detessem mais do que um instante, um sonho seria mais que um sonho.

(B) Como nunca te conviu sonhar, deduzo que sejas feliz.

(C) O cronista provê de sonhos sua vida, ainda que sejam fugazes.

(D) De onde proviram as gravatas, que se ostentam tão vaidosamente?

(E) Ah, se retêssemos por mais tempo os sonhos que valham a pena sonhar...

746. Está correto o emprego da expressão sublinhada na frase:

(A) Tirar areia do rio e cortar lenha são atividades a que o cronista se entregaria com amor.

(B) Ele julga ridícula a tira de pano colorido do qual se pretende ficar elegante.

(C) A pessoa cujo o nome anotamos, significará de fato algo para nós?

(D) O ribeirão e o boi, aos quais o cronista deseja pactuar, são exemplos de simplicidade.

(E) Com que providências haveremos de tomar, para mudar nossa vida?

747. Está clara e correta a redação da seguinte frase:

(A) Deu-lhe um sonho de simplicidade em face dessas desarrumações na vida, que aliás acomete a qualquer um, nestes tempos modernos de hoje que atravessamos.

(B) O cronista demonstra, talvez, excesso de rigor, quando considera seu ofício não mais que uma banal operação, com a qual amontoa pequenas pilhas de palavras inúteis.

(C) Se estamos emersos num sonho e o telefone toca, saímos deste e perdemos toda a continuidade do

devaneio que vale mais à pena do que viver assim mecanicamente.

(D) A verdade é que nem mesmo certo prazer é mais obtido pelo cigarro, cujo vício alimentamos sem pensar, assim como ocorrem em outros fatos da vida.

(E) Apenas viver simplesmente torna-se um sonho em nosso tempo, onde a rotina nos faz mergulharmos em inúteis atividades que nem paramos para pensar nelas.

748. Está inteiramente adequada a pontuação da seguinte frase:

(A) Tive, sim um ataque de pudor, quando olhando-me com a gravata, tomei consciência de que pretendia ficar elegante com um pano colorido que mecanicamente, amarrara ao pescoço.

(B) Tive sim um ataque de pudor quando, olhando-me com a gravata tomei consciência, de que pretendia ficar elegante com um pano colorido, que mecanicamente amarrara, ao pescoço.

(C) Tive, sim, um ataque de pudor quando olhando-me, com a gravata, tomei consciência, de que pretendia ficar elegante com um pano, colorido, que mecanicamente amarrara ao pescoço.

(D) Tive, sim, um ataque de pudor; quando olhando-me com a gravata, tomei consciência de que pretendia ficar elegante: com um pano colorido que, mecanicamente, amarrara ao pescoço.

(E) Tive, sim, um ataque de pudor quando, olhando-me com a gravata, tomei consciência de que pretendia ficar elegante com um pano colorido que, mecanicamente, amarrara ao pescoço.

TEXTO.

PRÁTICAS E CONVENÇÕES.

Os direitos e deveres estabelecem-se primeiro na prática, depois por convenção. O senso do que é justo, do que é socialmente desejável, mesmo do que é moral, firma-se em valores culturais, cujo acatamento coletivo muitas vezes demanda as prescrições de um código. Ocorre que a legitimidade desse código pode vir a se tornar mera e vazia convenção, quando seus postulados já não refletem a evolução dos fatos da cultura. As revisões dos dispositivos da lei fazemse, por vezes, com tal atraso, que apenas retiram de um texto caduco aquilo que as pessoas há muito removeram de suas práticas sociais. As recentes alterações no Código Civil brasileiro, elogiáveis em tantos aspectos, estão longe de representar algum avanço mais profundo, refletindo, apenas hoje, valores que, na prática social, firmaram-se há décadas. No que diz respeito ao papel da mulher na modernidade, essas alterações não fazem mais que formalizar (quase diria: envergonhadamente) direitos conquistados ao longo das lutas feministas, desde que a mulher tomou para si a tarefa que lhe cabia: demarcar com clareza e soberania o território de sua atuação, território que há muito é seu, não por convenção, mas pela ação cotidiana que se fez histórica.

749. Segundo o texto, as práticas sociais e o estabelecimento dos textos legais:

(A) ocorrem simultaneamente, com influências recíprocas.

(B) constituem, respectivamente, o plano das convenções e o plano da vida cultural.

(C) ocorrem simultaneamente, sem influência de um em outro.

(D) constituem, respectivamente, o plano da vida cultural e o plano das convenções.

(E) constituem, respectivamente, o plano dos valores ideais e o plano dos valores históricos.

750. Considere as seguintes afirmações:

I. As recentes alterações no Código Civil brasileiro, no que diz respeito ao papel da mulher na sociedade moderna, revelam-se anacrônicas, ignorando direitos há muito firmados na prática.

II. As lutas feministas constituem um claro exemplo de que, antes de se sistematizarem num texto legal, os valores e os direitos se afirmam na prática das ações sociais.

III. A legitimidade de um código legal depende de que este se apresente sem nenhum defeito formal, constituindo-se plenamente numa clara convenção.

Em relação ao texto está correto SOMENTE o que se afirma em:

(A) I.

(B) II.

(C) III.

(D) I, II.

(E) II, III.

751. Para preencher de modo correto a lacuna da frase, o verbo indicado entre parênteses deverá adotar uma forma do plural em:

(A) As normas que num código legal se ...... (estipular) devem acompanhar a prática das ações sociais.

(B) As recentes alterações que ...... (haver) no Código Civil brasileiro são elogiáveis em muitos aspectos.

(C) Não nos ...... (dizer) respeito definir o que é ou não é legítimo, se não distinguimos entre o que é e o que não é um fato social.

(D) Se dos postulados dos códigos ...... (nascer) todo direito, a justiça humana seria uma simples convenção.

(E) Ao longo das lutas feministas tanta coisa se ...... (conquistar) que muitos dispositivos legais se tornaram imediatamente obsoletos.

752. Os tempos verbais estão adequadamente articulados na frase:

(A) As mulheres muito lutariam para que possam ter seus direitos respeitados.

(B) Esses valores se instituíram na prática, e só muito depois houveram sido formalizados.

(C) Firma-se o senso do que é justo à proporção que passassem os anos.

(D) São de se elogiar as alterações apresentadas pelo Código que recentemente se lançou.

(E) Coube às mulheres lutar para que sejam reconhecidos os direitos que lhes negássemos.

753. A expressão de cujo preenche corretamente a lacuna da frase:

(A) É um processo de luta ...... sucesso muitas se empenham.

(B) As novidades do novo Código Civil, ...... muito se falou, são um tanto tímidas.

(C) As lutas feministas, ...... sucesso ninguém mais duvida, travaram-se ao longo de muitas décadas.

(D) A grande tarefa do legislador, ...... esforço devemos reconhecer, é acompanhar a evolução dos fatos da cultura.

(E) As práticas sociais, ...... valor nenhum outro deveria se sobrepor, são por vezes ignoradas.

754. Considere os seguintes casos:

I. Os homens, que ignoram os direitos da mulher, passarão a acatá-los.

Os homens que ignoram os direitos da mulher passarão a acatá-los.

II. Somente, agora o Código Civil brasileiro incorporou as mudanças ocorridas.

Somente agora o Código Civil brasileiro incorporou as mudanças ocorridas.

III. O valor de um código, estabelecido por convenção, deve ser comprovado na prática.

O valor de um código estabelecido por convenção deve ser comprovado na prática.

A alteração na pontuação provoca alteração de sentido em:

(A) I, somente.

(B) I, II, somente.

(C) I, III, somente.

(D) II, III, somente.

(E) I, II, III.

755. A única frase corretamente construída é:

(A) Espero que Vossa Excelência aprecieis o novo código.

(B) Se o senhor preferir, aguardarei que termines a leitura integral do código.

(C) Se passares os olhos pela nova redação, poderá ver que são pequenas as alterações.

(D) Conserva contigo esse exemplar do novo código; não vá perdê-lo, por favor.

(E) Se Vossa Senhoria não fizer objeção, levo-lhe ainda hoje a nova redação do código.

756. Está inteiramente clara e correta a redação da frase:

(A) É na constância da prática que os valores culturais se retificam, confirmando-se assim como valores

onde sua legitimidade torna-se indiscutível.

(B) Embora elogiáveis sobre muitos aspectos, as alterações do novo código não obtiveram mais do que

buscar acompanhar fatos há muito consolidados.

(C) O autor do texto ao tratar de práticas e convenções está referindo às ações nas quais cujos seus valores nem sempre são imediatamente acompanhados pela legislação vigorosa.

(D) A demarcação de um campo de direitos não prescinde de muita luta, tal como pode observar quem venha acompanhando o processo das batalhas feministas.

(E) Não obstante haja quem o discorde, muitos acreditam que o que é justo decorre do texto legal, não se passando o mesmo com a prática das ações.

757. É preciso corrigir a redação da seguinte frase:

(A) Li o novo código e, no fundamental, nada tenho a lhe opor.

(B) É louvável, reconheça-se, a coragem com que as feministas pioneiras se lançaram à luta.

(C) Os povos primitivos orientam-se por uma tradição de valores mais precisos e mais permanentes  que os nossos.

(D) Há sempre quem discuta as leis; mais difícil é haver quem discuta os valores já estabelecidos na prática social.

(E) Se contra fatos não há argumentos, esta é uma afirmação autoritária, na qual não se deve recorrer.

758. A necessidade ou não do sinal de crase está inteiramente observada na frase:

(A) Deve-se à luta das feministas o respeito aos direitos que cabem também às outras parcelas de injustiçados que integram a nossa sociedade.

(B) Encontra-se a disposição dos interessados a nova edição do Código Civil, à qual, aliás, já se fizeram

objeções à torto e à direito.

(C) À vista do que dispõe o novo código, não caberá à ninguém a condição "natural" de cabeça de casal, à qual, até então, se reservava para o homem.

(D) Pode ser que à curto prazo o novo código esteja obsoleto em vários pontos, à exemplo do que ocorreu com o antigo.

(E) Não se impute à uma mulher a culpa de não ter lutado por seus direitos; todas as pressões sociais sempre a conduziram àquela "virtuosa" resignação.

TEXTO.

O PARTO E O TAPETE.

Rio de Janeiro - Big nem era minha, era de um cunhado. Naquele tempo eu ainda não gostava de cachorros, pagando por isso um preço que até hoje me maltrata. Mas, como ia dizendo, Big não era minha, mas estava para ter ninhada, e meu cunhado viajara. De repente, Big procurou um canto e entrou naquilo que os entendidos chamam de “trabalho de parto”. Alertado pela cozinheira, que entendia mais do assunto, telefonei para o veterinário que era amigo do cunhado. Não o encontrei. Tive de apelar para uma emergência, expliquei a situação, 15 minutos depois veio um veterinário. Examinou Big, achou tudo bem, pediu um tapete. Providenciei um, que já estava desativado, tivera alguma nobreza, agora estava puído e desbotado. O veterinário deitou Big em cima, pediu uma cadeira e um café. Duas horas se passaram, Big teve nove filhotes e o veterinário me cobrou 90 mil cruzeiros, eram cruzeiros naquela época, e dez mil por filhote. Valiam mais – tive de admitir. No dia seguinte, com a volta do cunhado, chamou-se o veterinário oficial. Quis informações sobre o colega que me atendera. Contei que ele se limitara a pedir um tapete e pusera Big em cima. Depois pedira um café e uma cadeira, cobrando-me 90 mil cruzeiros pelo trabalho. O veterinário limitou-se a comentar: “Ótimo! Você

teve sorte, chamou um bom profissional!”. Como? A ciência que cuida do parto dos animais se limita a colocar um tapete em baixo? “Exatamente. Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e cobraria mais caro, moro longe”. Nem sei por que estou contando isso. Acho que tem alguma coisa a ver com a sucessão presidencial. Muitas especulações, um parto complicado, que requer veterinários e curiosos. Todos darão palpites, todos se esbofarão para colocar o tapete providencial que receberá o candidato ungido, que nascerá por circunstâncias que ninguém domina. E todos cobrarão caro.

759. A associação entre o episódio narrado e a sucessão presidencial apóia-se:

(A) no argumento de que dos dois nascerá algo de grande valia e importância.

(B) na idéia de que, num e noutro caso, cumprem-se rituais que pouco interferem nos fatos, mas que têm alto preço.

(C) no fato de que sempre se estendem tapetes aos líderes poderosos que estão por vir.

(D) na suposição de que as emergências são iguais por mais diferentes que pareçam.

(E) na constatação de que a sucessão requer o envolvimento de especialistas e muita precisão.

760. Observe as frases I e II, extraídas do texto.

I. “Big nem era minha, era de um cunhado.”

II. “Big não era minha, mas estava para ter ninhada, e meu cunhado viajara. ”

É correto dizer que o narrador:

(A) em I, sugere estar desobrigado em relação ao animal; em II, faz ressalva a essa desobrigação.

(B) em I, afirma ser estranho ao animal; em II, reitera sua indiferença em relação a este.

(C) em I, exprime desprezo pelo animal; em II, manifesta um mínimo de consideração pelo destino deste.

(D) em I, nega ter vínculos com o animal; em II, critica o cunhado que se ausentou, deixando Big aos cuidados de outrem.

(E) em I, mostra-se longe de ter responsabilidade pelo animal; em II, invoca a responsabilidade do legítimo proprietário.

761. Ao afirmar “tive de admitir”, o narrador dos fatos está indicando que:

(A) constatou a verdadeira importância do profissional que assistira Big, em seu trabalho de parto.

(B) tomou consciência de que pagara mais do que valiam os filhotes de Big no mercado.

(C) se curvou ao argumento empregado pelo veterinário para justificar o preço de seu serviço.

(D) se estarreceu com o valor que um filhote pode atingir e com o preço que cobram os veterinários.

(E) pagou pelos filhotes um preço justo, já que valiam mais do que dez mil cruzeiros.

762. Assinale a alternativa em que há correta equivalência entre as formas verbais simples e compostas no período.

(A) eu faria o mesmo / tinha feito o mesmo.

(B) meu cunhado viajara / haveria viajado.

(C) eu ainda não gostava de cachorro / tinha gostado.

(D) todos darão palpite / haveriam dado.

(E) tivera alguma nobreza / tinha tido.

763. "Muitas especulações, um parto complicado, que requer veterinários e curiosos. Todos darão palpites (...)." A versão adaptada deste trecho, que apresenta correta correlação dos tempos verbais, é:

(A) É possível que haja muitas especulações, um parto complicado, que talvez requeira veterinários e curiosos. Talvez todos dêem palpites.

(B) Quem sabe foram muitas especulações, um parto complicado, que já requeria veterinários e curiosos. Talvez todos têm dado palpites.

(C) Pode ser que se fazem muitas especulações, um parto complicado, que requererá veterinários e curiosos. Todos vêm dando palpites.

(D) Quem sabe ocorreram muitas especulações, um parto complicado, que talvez requeria veterinários e curiosos. Talvez todos tinham dado palpites.

(E) É possível que fizeram muitas especulações, um parto complicado, que talvez vinha requerendo veterinários e curiosos. Todos vinham dando palpites.

764. "Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e cobraria mais caro, moro longe." O significado do período está corretamente expresso em:

(A) Mesmo que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo cobrando mais caro, portanto moro longe.

(B) Caso tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, mas cobraria mais caro, pois moro longe.

(C) Embora tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porém cobraria mais caro; moro longe, pois.

(D) Desde que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, pois cobraria mais caro, contanto que moro longe.

(E) Salvo se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porque cobraria mais caro, mesmo morando longe.

765. A palavra que expressa corretamente o significado de ungido, em ... “colocar o tapete presidencial que receberá o candidato ungido” ..., é:

(A) sacrificado.

(B) usurpado.

(C) surgido.

(D) proposto.

(E) sagrado.

766. Assinale a alternativa cuja frase apresenta concordância correta, obedecendo à regra empregada em: "Chamou-se o veterinário oficial."

(A) Alugou-se imóveis novos.

(B) Trataram-se de assuntos pouco usuais.

(C) Indicaram-se as medidas cabíveis.

(D) Presenciou-se cenas desagradáveis.

(E) Precisam-se de balconistas com prática.

767. Assinale a alternativa cujas palavras são acentuadas segundo as regras que determinam a acentuação, respectivamente, de: emergência; puído; época.

(A) Ciência; idéia; marítimo.

(B) Circunstâncias; saúva; ninguém.

(C) Espécie; raízes; até.

(D) Veterinário; faísca; ótimo.

(E) Antagônico; uísque; pára.

768. A frase que traz implícita a idéia de mudança de situação é:

(A) Naquele tempo eu ainda não gostava de cachorros.

(B) Nem sei por que estou contando isso.

(C) Examinou Big, achou tudo bem, pediu um tapete.

(D) Quis informações sobre o colega que me atendera.

(E) Ótimo! Você teve sorte, chamou umbom profissional.

TEXTO.

O MITO E O MUNDO MODERNO.

MOYERS: Por que mitos? Por que deveríamos importar-nos com os mitos? O que eles têm a ver com minha vida?

CAMPBELL: Minha primeira resposta seria: “Vá em frente, viva a sua vida, é uma boa vida – você não precisa de mitologia”. Não acredito que se possa ter interesse por um assunto só porque alguém diz que isso é importante. Acredito em ser capturado pelo assunto, de uma maneira ou de outra. Mas você poderá descobrir que, com uma introdução apropriada, o mito é capaz de capturá-lo. E então, o que ele poderá fazer por você, caso o capture de fato? Um de nossos problemas, hoje em dia, é que não estamos familiarizados com a literatura do espírito. Estamos interessados nas notícias do dia e nos problemas do momento. Antigamente, o campus de uma universidade era uma espécie de área hermeticamente fechada, onde as notícias do dia não se chocavam com a atenção que você dedicava à vida interior, nem com a magnífica herança humana que recebemos de nossa grande tradição – Platão, Confúcio, o Buda, Goethe e outros, que falam dos valores eternos, que têm a ver com o centro de nossas vidas. Quando um dia você ficar velho e, tendo as necessidades imediatas todas atendidas, então se voltar para a vida interior, aí bem, se você não souber onde está ou o que é esse centro, você vai sofrer. As literaturas grega e latina e a Bíblia costumavam fazer parte da educação de toda gente. Tendo sido suprimidas, toda uma tradição de informação mitológica do Ocidente se perdeu. Muitas histórias se conservaram, de hábito, na mente das pessoas. [...]

769. A leitura do texto permite afirmar que a conjunção “e”, presente no título, sugere idéia de:

(A) adição.

(B) explicação.

(C) conseqüência.

(D) alternância.

(E) contraste.

770. Dando outra forma ao título do texto, de acordo com o sentido, obtém-se:

(A) Mitos? Por quê?

(B) Mitos: Porque?

(C) Mitos? Por que?

(D) Mitos: Porquê?

(E) Mitos? Por que?

771. Considerando que ironia seja um recurso com o qual se afirma o contrário do que se enuncia, aponte a alternativa em que tal recurso se manifesta.

(A) [...] as notícias não se chocavam com a atenção que você dedicava à vida interior.

(B) E então, o que ele poderá fazer por você, caso o capture de fato?

(C) [...] o campus de uma universidade era uma espécie de área hermeticamente fechada.

(D) Vá em frente, viva a sua vida, é uma boa vida – você não precisa de mitologia.

(E) Quando um dia você ficar velho [...], se você não souber onde está [...], você vai sofrer.

772. Com a substituição de você por tu, a frase “Vá em frente, viva a sua vida, é uma boa vida – você  não precisa de mitologia”, deverá, obedecendo à norma culta, ser:

(A) Vais em frente, vives a tua vida, é uma boa vida – tu não precisas de mitologia.

(B) Vai em frente, vive a tua vida, é uma boa vida – tu não precisas de mitologia.

(C) Vai em frente, vivas a tua vida, é uma boa vida – tu não precisará da mitologia.

(D) Vá em frente, vivas a sua vida, é uma boa vida – tu não precisarás da mitologia.

(E) Vá em frente, vive a tua vida, é uma boa vida – tu não precisas de mitologia.

773. Na frase “[...] uma espécie de área [...] onde as notícias do dia não se chocavam [...]”, o emprego da palavra destacada obedece – é evidente – à norma culta. O mesmo ocorre em:

(A) A Diretoria Central quer informações sobre onde você vai.

(B) Dessa conversa surgiu o pensamento onde se refletiu sobre nossa vida.

(C) É preciso investigar o escritório onde se esconderam os ladrões.

(D) O próximo domingo será o dia onde se tratará desse tema.

(E) Cuidado com aquele grupo de pessoas, onde o líder é agressivo.

774. Da leitura do texto, pode-se depreender que:

(A) entre outros, Platão, Confúcio, Goethe e Buda são os responsáveis pela mitologia.

(B) a satisfação das necessidades imediatas dos velhos propicia-lhes uma sobrevida feliz.

(C) o centro interior do homem idoso foi definido por Platão, Confúcio, Buda e Goethe, entre outros.

(D) o possível sofrimento do velho depende, entre outras coisas, da preocupação com a sua vida interior.

(E) a literatura do espírito não é acolhida nos campus das universidades declaradamente fechadas.

775. Com a substituição de você por um pronome de tratamento formal, a oração “Quando um dia você ficar velho” deverá, obedecendo à norma culta, transformar-se em:

(A) Quando um dia Sua Excelência ficar velha.

(B) Quando um dia Vossa Excelência ficar velho.

(C) Quando um dia Vossa Excelência ficares velha.

(D) Quando um dia Sua Excelência ficardes velha.

(E) Quando um dia Vossa Excelência ficardes velho.

776. Em “As literaturas grega e latina e a Bíblia costumam fazer parte da educação de toda a gente”, tem-se, nos termos em destaque, um procedimento de concordância nominal que se repete em:

(A) Não conheço as culturas africanas e asiáticas.

(B) Michel conhece a língua e literatura portuguesas.

(C) Marta estuda os idiomas francês e inglês.

(D) Nutria estima elevada e sincera pelo amigo.

(E) Paulo encomendou presentes e uma jóia cara.

777. Aponte a alternativa em que a reescrita da frase “Tendo sido suprimidas, toda uma tradição de informação mitológica do Ocidente se perdeu” conserva, de acordo com o texto, o conteúdo original.

(A) Após sua preservação, não se assegurou a transmissão da mitologia ocidental.

(B) Com sua supressão, desapareceu a tradição inteira de informação mitológica do Ocidente.

(C) O suprimento dessas literaturas acarretou o fim da mitologia ocidental.

(D) Com seu desaparecimento, frustrou-se a mitologia do Ocidente.

(E) Sua eliminação determinou o desaparecimento de toda a mitologia do Ocidente.

778. Aponte a alternativa em que os vocábulos devem, respectivamente, ser acentuados pelos mesmos motivos de deveríamos, alguém e notícias.

(A) árabe – detém – cônscio.

(B) revólver – também – vôo.

(C) límpido – vêm – apóio.

(D) enxágües – armazém – córtex.

(E) fôlego – têm – férteis.

TEXTO.

É DISSO QUE O BRASIL PRECISA.

O grau de maturidade econômica de uma sociedade pode ser aferido com a ajuda de índices conhecidos, como o produto interno bruto do país. O estágio de maturidade política também conta com alguns indicadores. Um deles é a ocorrência seqüenciada de eleições livres, sem sustos nem sobressaltos. E como descobrir o grau de maturidade social de uma nação? Índices que medem a violência e a criminalidade são úteis para a avaliação. Mas de um tempo para cá surgiu um dado novo: a taxa de envolvimento das pessoas com o trabalho social. Não que a filantropia seja novidade ou invenção moderna. Mas a onda do bem tornou-se um fenômeno especialmente notável nos últimos trinta anos. Nos países mais civilizados, a presença da filantropia, também chamada de terceiro setor, é mais perceptível. Nas nações menos desenvolvidas socialmente, o trabalho voluntário é mais embrionário. O Brasil está num meiotermo. Do ponto de vista do resultado financeiro, está entre os países que menos investem no social. Mas, quando se analisa o voluntariado pelo exército envolvido, alguma coisa espantosa está acontecendo. Há milhões de brasileiros dedicando-se a tarefas sociais [...].

779. Indique a alternativa que, sem contrariar a norma culta e o sentido, pode substituir o título do texto.

(A) É disso de que o Brasil necessita.

(B) É isso de que o Brasil exige.

(C) É isso de que o Brasil carece.

(D) É disso que o Brasil requer.

(E) É disso a que o Brasil aspira.

780. Da leitura do texto, depreende-se que o pronome “isso”, do título, aponta para:

(A) o grau de maturidade social de uma comunidade.

(B) a ocorrência seqüenciada de eleições livres.

(C) grau de maturidade econômica de uma nação.

(D) o envolvimento das pessoas no trabalho social.

(E) a eliminação da distância entre ricos e pobres.

781. Reescrevendo o trecho: "O grau de maturidade econômica de um povo pode ser aferido ...", de acordo com a norma culta e mantendo o sentido, obtém-se:

(A) É possível o auferir...

(B) Se pode lhe avaliar...

(C) Pode-se inferi-lo...

(D) É exeqüível examinar-lhe...

(E) É possível estimá-lo...

782. A preposição “com” na expressão “com a ajuda de índices conhecidos” possui idéia de:

(A) companhia.

(B) instrumento.

(C) causa.

(D) concessão.

(E) dúvida.

783. Observe a frase: “Índices que medem a violência e a criminalidade são úteis para a avaliação”. Passando-se avaliação para o plural, mantendo-se o sentido original e obedecendo-se à norma culta, o termo destacado poderá ser substituído por:

(A) adequados às avaliações.

(B) desnecessários as avaliações.

(C) convenientes com as avaliações.

(D) imprestáveis às avaliações.

(E) aproveitáveis as avaliações.

784. Em lugar de filantropia poderia, no texto, figurar:

(A) antropofobia.

(B) humanidade.

(C) humanismo.

(D) humanitarismo.

(E) misantropia.

785. Em “Nos países mais civilizados, [...] a presença da filantropia [...] é mais perceptível.”, depreende-se um julgamento de valor, segundo o qual o Brasil não compõe o grupo desses países. De acordo com o texto, pode-se contrapor a essa asserção:

(A) o número de voluntários do trabalho social.

(B) o acanhado investimento financeiro no social.

(C) o surgimento do voluntariado nessas nações.

(D) a presença, nesses países, do terceiro setor.

(E) a atuação do terceiro setor em tais países.

786. Antepostos ou pospostos a outros, alguns vocábulos podem sofrer alteração de sentido, como ocorre, por exemplo, com novo: novo escrivão e escrivão novo. Indique a alternativa em que se manifesta um desses vocábulos.

(A) O estágio de maturidade econômica também conta com bons indicadores.

(B)Não que a filantropia seja novidade ou invenção moderna.

(C) [...] alguma coisa espantosa está acontecendo.

(D) [...] está entre os países que menos investem socialmente.

(E) [...] a onda do bem tornou-se um fenômeno especialmente notável.

787. Em “Índices que medem a violência e a criminalidade são úteis...”, o termo destacado poderá, sem prejuízo do sentido e com a necessária adequação sintática, ser substituído por:

(A) mensuráveis.

(B) incomensuráveis.

(C) mensurais.

(D) dimensíveis.

(E) mensuradores.

788. Indique a alternativa em que a pontuação da frase obedece à norma culta.

(A) Nos últimos anos empresários, pegaram, firme, na questão da responsabilidade social.

(B) Associaram-se em fundações que, captam recursos, e orientam trabalhos.

(C) Outros, como era de se esperar, foram estimulados, pelos empregados, a olhar, para os desfavorecidos.

(D) O Brasil tem, segundo critérios do IBGE 20 milhões de pessoas, vivendo abaixo da linha da pobreza.

(E) Para os que recebem ajuda, essa multiplicação é bem vinda, mas está longe de representar uma solução.

TEXTO.

A MISÉRIA É DE TODOS NÓS.

Como entender a resistência da miséria no Brasil, uma chaga social que remonta aos primórdios da colonização? No decorrer das últimas décadas, enquanto a miséria se mantinha mais ou menos do mesmo tamanho, todos os indicadores sociais brasileiros melhoraram. Há mais crianças em idade escolar freqüentando aulas atualmente do que em qualquer outro período da nossa história. As taxas de analfabetismo e mortalidade infantil também são as menores desde que se passou a registrá-las nacionalmente. O Brasil figura entre as dez nações de economia mais forte do mundo. No campo diplomático, começa a exercitar seus músculos. Vem firmando uma inconteste liderança política regional na América Latina, ao mesmo tempo que atrai a simpatia do Terceiro Mundo por ter se tornado um forte oponente das injustas políticas de comércio dos países ricos. Apesar de todos esses avanços, a miséria resiste.

Embora em algumas de suas ocorrências, especialmente na zona rural, esteja confinada a bolsões invisíveis aos olhos dos brasileiros mais bem posicionados na escala social, a miséria é onipresente. Nas grandes cidades, com aterrorizante freqüência, ela atravessa o fosso social profundo e se manifesta de forma violenta. A mais assustadora dessas manifestações é a criminalidade, que, se não tem na pobreza sua única causa, certamente em razão dela se tornou mais disseminada e cruel. Explicar a resistência da pobreza extrema entre milhões de habitantes não é uma empreitada simples.

789. O título dado ao texto se justifica porque:

A. a miséria abrange grande parte de nossa população;

B. a miséria é culpa da classe dominante;

C. todos os governantes colaboraram para a miséria comum;

D. a miséria deveria ser preocupação de todos nós;

E. um mal tão intenso atinge indistintamente a todos.

790. A primeira pergunta – “Como entender a resistência da miséria no Brasil, uma chaga social que remonta aos primórdios da colonização?”:

A. tem sua resposta dada no último parágrafo;

B. representa o tema central de todo o texto;

C. é só uma motivação para a leitura do texto;

D. é uma pergunta retórica, à qual não cabe resposta;

E. é uma das perguntas do texto que ficam sem resposta.

791. Após a leitura do texto, só NÃO se pode dizer da miséria no Brasil que ela:

A. é culpa dos governos recentes, apesar de seu trabalho produtivo em outras áreas;

B. tem manifestações violentas, como a criminalidade nas grandes cidades;

C. atinge milhões de habitantes, embora alguns deles não apareçam para a classe dominante;

D. é de difícil compreensão, já que sua presença não se coaduna com a de outros indicadores sociais;

E. tem razões históricas e se mantém em níveis estáveis nas últimas décadas.

792. O melhor resumo das sete primeiras linhas do texto é:

A. Entender a miséria no Brasil é impossível, já que todos os outros indicadores sociais melhoraram;

B. Desde os primórdios da colonização a miséria existe no Brasil e se mantém onipresente;

C. A miséria no Brasil tem fundo histórico e foi alimentada por governos incompetentes;

D. Embora os indicadores sociais mostrem progresso em muitas áreas, a miséria ainda atinge uma pequena parte de nosso povo;

E. Todos os indicadores sociais melhoraram exceto o indicador da miséria que leva à criminalidade.

793. As marcas de progresso em nosso país são dadas com apoio na quantidade, exceto:

A. freqüência escolar;

B. liderança diplomática;

C. mortalidade infantil;

D. analfabetismo;

E. desempenho econômico.

794. “No campo diplomático, começa a exercitar seus músculos.”; com essa frase, o jornalista quer dizer que o Brasil:

A. já está suficientemente forte para começar a exercer sua liderança na América Latina;

B. já mostra que é mais forte que seus países vizinhos;

C. está iniciando seu trabalho diplomático a fim de marcar presença no cenário exterior;

D. pretende mostrar ao mundo e aos países vizinhos que já é suficientemente forte para tornar-se líder;

E. ainda é inexperiente no trato com a política exterior.

795. Segundo o texto, “A miséria é onipresente” embora:

A. apareça algumas vezes nas grandes cidades;

B. se manifeste de formas distintas;

C. esteja escondida dos olhos de alguns;

D. seja combatida pelas autoridades;

E. se torne mais disseminada e cruel.

796. “...não é uma empreitada simples” equivale a dizer que é uma empreitada complexa; o item em que essa equivalência é feita de forma INCORRETA é:

A. não é uma preocupação geral = é uma preocupação superficial;

B. não é uma pessoa apática = é uma pessoa dinâmica;

C. não é uma questão vital = é uma questão desimportante;

D. não é um problema universal = é um problema particular;

E. não é uma cópia ampliada = é uma cópia reduzida.

797. “...enquanto a miséria se mantinha...”; colocando-se o verbo desse segmento do texto no futuro do subjuntivo, a forma correta seria:

A. mantiver;

B. manter;

C. manterá;

D. manteria;

E. mantenha.

798. A forma de infinitivo que aparece substantivada nos segmentos abaixo é:

A. “Como entender a resistência da miséria...”;

B. “No decorrer das últimas décadas...”;

C. “...desde que se passou a registrá-las...”;

D. “...começa a exercitar seus músculos.”;

E. “...por ter se tornado um forte oponente...”.

TEXTO.

O CONSUMO ALIENADO.

“Em um mundo em que predomina a produção

alienada, também o consumo tende a ser alienado.

A produção em massa tem por corolário o consumo

de massa.

O problema da nossa sociedade de consumo

é que as necessidades são artificialmente estimuladas,

sobretudo pelos meios de comunicação de

massa, levando os indivíduos a consumirem de

maneira alienada.

A organização dicotômica do trabalho a que nos

referimos anteriormente - pela qual se separa a

concepção e a execução – reduz as possibilidades

do empregado de encontrar satisfação na

maior parte da sua vida, enquanto se obriga a tarefas

desinteressantes. Daí a importância que assume

para ele a necessidade de se dar prazer pela

posse de bens. “A civilização tecnicista não é uma

civilização de trabalho, mas do consumo e do ‘bem

estar’. O trabalho deixa, para um número crescente

de indivíduos, de incluir fins que lhe são próprios e

torna-se um meio de consumir, de satisfazer as

‘necessidades’ cada vez mais amplas.”1

A estimulação artificial das necessidades provoca

as aberrações do consumo: podemos montar

uma sala completa de som, sem gostar de

música; podemos comprar uma biblioteca “a

metro”, deixando volumes “virgens” nas estantes;

podemos adquirir quadros famosos, sem saber

apreciá-los (ou para mantê-los no cofre). A

obsolescência dos objetos, que rapidamente se

tornam “fora de moda”, exerce uma tirania invisível,

obrigando as pessoas a comprarem uma nova

televisão, refrigerador ou carro porque o design

se tornou antiquado ou porque uma nova

engenhoca se mostra “indispensável”.

(...)

Como esse consumo não é um meio, mas um

fim em si, ele se torna um poço sem fundo, um

desejo nunca satisfeito, um sempre querer mais.

A ânsia do consumo perdeu toda relação com as

necessidades reais do homem, o que faz com que

as pessoas gastem sempre mais do que têm.”

799. De acordo com o texto, é possível afirmar que:

A. os indivíduos, devido à estimulação artificial de suas necessidades, provocam aberrações de consumo e tornam-se alienados.

B. os indivíduos são tiranos com os objetos que estão “fora de moda” e obrigam as pessoas a adquirirem novos designs “indispensáveis”.

C. o trabalho não é um meio, mas um fim em si; ele se torna o princípio de satisfazer as “necessidades”

cada vez mais amplas dos indivíduos.

D. os indivíduos que trabalham são reduzidos às funções que desempenham, daí a sua necessidade de adquirir prazer pela posse de bens.

E. os indivíduos, de tanto que consomem, já não consomem mais apenas objetos que apresentam relação com as necessidades reais do homem.

800. No primeiro parágrafo do texto, o vocábulo “corolário” apresenta o mesmo sentido de:

A. “importância”;

B. “conseqüência”;

C. “influência”;

D. “necessidade”;

E. “desinteresse”.

801. Na oração: “Em um mundo em que predomina a produção alienada, também o consumo tende a ser alienado.”, a expressão em destaque poderia ser substituída, sem que houvesse alteração de sentido, por:

A. que;

B. o qual;

C. aonde;

D. o que;

E. onde.

802. No seguinte fragmento em destaque: “Daí a importância que assume para ele a necessidade de se dar prazer pela posse de bens”, a palavra “importância” recebe acento pela mesma regra que recebe a palavra:

A. daí;

B. é;

C. dicotômica;

D. apreciá-los;

E. próprios.

803. Observando a grafia e a acentuação, indique a alternativa em que todas as palavras estão corretas:

A. aliás; gás; gazolina;

B. análize, talves, despreso, busina;

C. atravéz; empreza, nazal; cartaz;

D. feroz; xadrez; colizão, catalizar;

E. atrás; invés; azar; magazine.

804. Selecione a alternativa que completa corretamente a frase a seguir: “Os jogadores usarão camisetas ______________ como uniforme do time.”

A. amarelas-ouros;

B. amarelas-ouro;

C. amarela-ouro;

D. amarelo-ouro;

E. amarelos-ouro.

805. Assinale a alternativa que foi construída de acordo com a norma culta da língua portuguesa.

A. O ator a cuja casa fomos é muito jovem.

B. O ator cuja casa estivemos é aposentado.

C. O ator cujas peças assisti é competente.

D. Há plantas cujas sementes os pássaros se alimentam.

E. Esses são os animais cuja carne o homem se alimenta.

806. Assinale a alternativa que está de acordo com a norma culta quanto à flexão do particípio dos verbos.

A. O homem tinha aceso a lâmpada do quarto.

B. A lareira foi acendida pelo homem.

C. Os alunos já haviam pego papel e caneta.

D. Tenho estado ocupada ultimamente.

E. Ana tinha abrido a janela do quarto.

807. Assinale a alternativa correta quanto ao uso da crase.

A. Chegar à Pernambuco e ir a praia.

B. Retornar a casa de D. Luísa, escrever a D. Cândida e levar as crianças a escola.

C. Assistiu à peça com entusiasmo.

D. Esse médico assistiu à população flagelada.

E. O pai não perdoará a filha.

808. Assinale a alternativa que está de acordo com a norma culta da língua portuguesa.

A. Que é oito meses?

B. Era quase oito horas da noite, quando ele ligou.

C. Batia oito horas no relógio da igreja, quando ele acordou.

D. Oito anos sempre são alguma coisa.

E. O mais são árvores velhas.

TEXTO.

Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba. Atreve-se o tempo as colunas de mármore, quanto mais a corações de cera! São as afeições como as vidas, que não há mais certo sinal de haverem de durar pouco, que terem durado muito. São como as linhas, que partem do centro para a circunferência, que, quanto mais continuadas, tanto menos unidas. Por isso os antigos sabiamente pintaram o amor menino; porque não há amor tão robusto que chegue a ser velho. De todos os instrumentos com que o armou a natureza, o desarma o tempo. Afrouxa-lhe o arco, com que já não atira; embota-lhe as setas, com que já não fere; abre-lhe os olhos, com que vê que não via; e faz-lhe crescer as asas com que voa e foge. A razão natural de toda essa diferença é porque o tempo tira a novidade às coisas, descobre- lhe os defeitos, enfastia-lhe o gosto, e basta que sejam usadas para não serem as mesmas. Gasta-se o ferro com o uso, quanto mais o amor? O mesmo amar é causa de não amar e o ter amado muito, de amar a menos.

809. Considerando o período contido na 1ª linha, assinale as opções corretas.

(a) É um período composto, com cinco orações coordenadas assindéticas.

(b) Em todas as orações há sujeito simples expresso: o pronome substantivo indefinido "tudo".

(c) Substituindo-se o verbo esquecer por sua forma pronominal não haveria alteração no campo semântico da respectiva oração.

(d) O segmento formado com a alteração citada no item anterior geraria o segmento:" ... tudo faz esquecer-se..." em que o "se", pronome reflexivo, exerceria a função de objeto indireto.

(e) Em todas as orações do período verificam-se verbos transitivos diretos.

810. Em relação ao período " Atreve-se o tempo a colunas de mármore, quanto mais a corações de cera!" (linhas 1 e 2), só não será correta a opção:

(a) O tempo atreve-se a colunas de mármore, quanto mais a corações de cera!

(b) Atreve-se o tempo às colunas de mármore, quanto mais aos corações de cera!

(c) Em "colunas de mármore", o termo preposicionado exerce a função sintática de adjunto adnominal.

(d) No texto, a locução adjetiva "de mármore" poderia ser substituída por "marmóreas" sem que houvesse prejuízo semântico.

(e) Os monossílabos o, a e a que aparecem nos dois primeiros períodos (linhas 1 e 2) são, respectivamente, artigo, preposição e preposição.

811. Assinale a opção incorreta em relação à acentuação gráfica.

(a) Os acentos agudo e circunflexo foram usados para acentuar os monossílabos tônicos "já" (linha 8) e "vê" (linha 9), seguindo a respectiva regra de acentuação e também para indicar, respectivamente, som aberto e fechado.

(b) Poderíamos dizer que os vocábulos "mármore" (linha 2) e "circunferência" (linha 4) foram acentuados pela mesma regra.

(c) A forma verbal "vê" (linha 9), na 3ª pessoa do plural, passa a ser "vêm".

(d) Os derivados dos verbos "ter" e "vir", na 3ª pessoa do singular do presente do indicativo, são acentuados por serem vocábulos oxítonos.

812. Marque a alternativa em que o "se" não tem o mesmo valor que nas expressões "Atreve-se o tempo..." (linhas 1 e 2) e "Gasta-se o ferro com o uso..." (linha 12).

(a) Antônio Vieira referia-se à transitoriedade do amor.

(b) Naquela época, discordava-se do autor...

(c) Segundo o autor, com o tempo tudo se desgasta...

(d) Antônio Vieira preocupava-se com o amor...

(e) O autor queixava-se do tempo...

813. Indique, nas expressões abaixo, aquela em que o vocábulo assinalado no segmento "O mesmo amar é causa de não amar" (linhas 13 e 14) foi empregado corretamente e exerce função adverbial.

(a) As pessoas mesmas esquecem do amor.

(b) Com o passar do tempo, o amor não é o mesmo.

(c) O tempo faz mesmo tudo mudar.

(d) Nós mesmo vivemos essa realidade.

(e) Há desgaste no amor por fazermos sempre a mesma coisa.

814. Em qual das alternativas seguintes a palavra "que" não pertence à mesma classe gramatical das demais?

(a) São como as linhas, que partem do centro da circunferência...(linha 4).

(b) De todos os instrumentos com que o armou a natureza... (linha 7).

(c) Afrouxa-lhe o arco, com que já não atira;... (linha 8).

(d) ...e faz-lhe crescer as asas com que foge e voa... (linha 9).

(e) ...enfastia-lhe o gosto e basta que sejam usadas... (linhas 11 e 12).

815. Escolha, dentre as alternativas, aquela em que o pronome oblíquo exerce função equivalente à assinalada no texto: "Afrouxa-lhe o arco, com que já não atira;... (linha 8).

(a) Era-nos importante aquela matéria.

(b) A mãe, desesperada, apalpava-lhe o coraçãozinho.

(c) Bastava-lhe que o amassem um pouco; mas, sinceramente.

(d) Deixei-o ficar puramente por caridade.

(e) Aos mestres, devo-lhes tudo quanto sou e virei a ser.

816. No período "Tudo cura o tempo, tudo faz esquecer, tudo gasta, tudo digere, tudo acaba." as vírgulas separam orações coordenadas assindéticas. Nas alternativas, há uma em que a justificativa da vírgula não está correta. Assinale-a.

(a) "Em todos os agrupamentos humanos é indispensável comunicar pensamentos e emoções; a comunicação é, portanto, a principal função da linguagem." Usou-se a vírgula para separar uma conjunção conclusiva deslocada; usou-se, em conseqüência, o ponto-e-vírgula para separar as orações.

(b) "Longe da pátria, sob um céu diverso, chorei saudades do meu lar querido." Usaram-se as vírgulas para separar um aposto explicativo...

(c) O aperfeiçoamento das relações humanas, a sua crescente complexidade, o progresso e a civilização exigiram da linguagem a flexibilidade de moldar-se às novas necessidades. As vírgulas separam termos coordenados, isto é, de mesma função sintática.

(d) "Andrada, arranca esse pendão dos ares! Colombo, fecha as portas dos teus mares". Ambas as vírgulas separam vocativos.

(e) "A noite não acabava, e, às vezes, a miséria se reproduzia..." Justifica-se o emprego das vírgulas do seguinte modo: a 1ª vírgula separa oração coordenada sindética aditiva com sujeito próprio e diferente do sujeito da oração anterior; a 2ª e a 3ª intercalam entre a conjunção e a respectiva oração coordenada um adjunto adverbial deslocado e anteposto ao verbo.

817. No período, "A razão natural de toda essa diferença é porque o tempo tira a novidade às coisas, descobre-lhe os períodos abaixo, verificando quais os corretos e os incorretos; depois, escolha a alternativa que espelhe suas conclusões.

1. A corrupção e a depravação empanou a honra do Governo e da Nação brasileira.

2. Para o Brasil progredir e sair da crise, bastariam apenas resolver alguns problemas socioeconômicos urgentes.

3. Nas últimas semanas, o dólar foi supervalorizado e, com certeza, seremos nós quem pagará a conta.

4. Notícias alarmistas inundaram o país e preocuparam a população, porém a maioria eram boatos sem quaisquer verossimilhanças.

5. Observa-se, com cautela e ansiedade, pequenas, mas alvissareiras mudanças no comportamento do homem urbano brasileiro.

(a) todos os cinco períodos estão corretos;

(b) há quatro períodos corretos;

(c) há três períodos corretos;

(d) há dois períodos corretos;

(e) somente um período está correto.

818. Observando-se a construção "...embota-lhe as setas, com que já não fere;...(linha 8), verifica-se que a preposição "com", antes do pronome relativo "que", deve-se à regência do verbo "ferir" (quem fere, fere-se com...). Analise os períodos abaixo, sob o aspecto da regência, verificando quais os corretos e os incorretos, depois escolha a alternativa que retrate suas conclusões.

1. O meritíssimo juiz da 3ª vara recomendou que se proceda a uma revisão minuciosa do processo, pois deparoudois equívocos da promotoria, os quais muito lhe desagradaram.

2. A sentença determinava que se pagasse incontinenti todos os empregados demitidos por ocasião da greve, mesmo que isso implicasse pesados ônus à empresa.

3. A petição não foi acolhida prontamente porque o magistrado custou a alcançar o pleito dos advogados.

4. No Brasil, a Justiça é tão lenta que alguns querelantes esquecem das ações impetradas e não comparecem nos tribunais no momento azado.

5. Embora residindo em Brasília há mais de quinze anos, não sabia aonde se localizava a sede do Ministério Público da União.

(a) todos os cinco períodos estão corretos;

(b) há quatro períodos corretos;

(c) há três períodos corretos;

(d) há dois períodos corretos;

(e) somente um período está correto.

TEXTO.

A MISÉRIA É DE TODOS NÓS.

Como entender a resistência da miséria no Brasil, uma chaga social que remonta aos primórdios da colonização? No decorrer das últimas décadas, enquanto a miséria se mantinha mais ou menos do mesmo tamanho, todos os indicadores sociais brasileiros melhoraram. Há mais crianças em idade escolar freqüentando aulas atualmente do que em qualquer outro período da nossa história. As taxas de analfabetismo e mortalidade infantil também são as menores desde que se passou a registrá-las nacionalmente. O Brasil figura entre as dez nações de economia mais forte do mundo. No campo diplomático, começa a exercitar seus músculos. Vem firmando uma inconteste liderança política regional na América Latina, ao mesmo tempo que atrai a simpatia do Terceiro Mundo por ter se tornado um forte oponente das injustas políticas de comércio dos países ricos. Apesar de todos esses avanços, a miséria resiste.

Embora em algumas de suas ocorrências, especialmente na zona rural, esteja confinada a bolsões invisíveis aos olhos dos brasileiros mais bem posicionados na escala social, a miséria é onipresente. Nas grandes cidades, com aterrorizante freqüência, ela atravessa o fosso social profundo e se manifesta de forma violenta. A mais assustadora dessas manifestações é a criminalidade, que, se não tem na pobreza sua única causa, certamente em razão dela se tornou mais disseminada e cruel. Explicar a resistência da pobreza extrema entre milhões de habitantes não é uma empreitada simples.

819. O título dado ao texto se justifica porque:

(A) a miséria abrange grande parte de nossa população;

(B) a miséria é culpa da classe dominante;

(C) todos os governantes colaboraram para a miséria comum;

(D) a miséria deveria ser preocupação de todos nós;

(E) um mal tão intenso atinge indistintamente a todos.

820.  A primeira pergunta – “Como entender a resistência da miséria no Brasil, uma chaga social que remonta aos primórdios da colonização?”:

(A)    tem sua resposta dada no último parágrafo;

(B)    representa o tema central de todo o texto;

(C)    é só uma motivação para a leitura do texto;

(D)    é uma pergunta retórica, à qual não cabe resposta;

(E)    é uma das perguntas do texto que ficam sem resposta.

821. Após a leitura do texto, só NÃO se pode dizer da miséria no Brasil que ela:

(A)    é culpa dos governos recentes, apesar de seu trabalho produtivo em outras áreas;

(B)    tem manifestações violentas, como a criminalidade nas grandes cidades;

(C)    atinge milhões de habitantes, embora alguns deles não apareçam para a classe dominante;

(D)    é de difícil compreensão, já que sua presença não se coaduna com a de outros indicadores sociais;

(E)    tem razões históricas e se mantém em níveis estáveis nas últimas décadas.

822. O melhor resumo das sete primeiras linhas do texto é:

(A)    Entender a miséria no Brasil é impossível, já que todos os outros indicadores sociais melhoraram;

(B)    Desde os primórdios da colonização a miséria existe no Brasil e se mantém onipresente;

(C)    A miséria no Brasil tem fundo histórico e foi alimentada por governos incompetentes;

(D)    Embora os indicadores sociais mostrem progresso em muitas áreas, a miséria ainda atinge uma pequena parte de nosso povo;

(E)    Todos os indicadores sociais melhoraram exceto o indicador da miséria que leva à criminalidade.

823. As marcas de progresso em nosso país são dadas com apoio na quantidade, exceto:

(A)    freqüência escolar;

(B)    liderança diplomática;

(C)    mortalidade infantil;

(D)    analfabetismo;

(E)    desempenho econômico.

824. “No campo diplomático, começa a exercitar seus músculos.”; com essa frase, o jornalista quer dizer que o Brasil:

(A)    já está suficientemente forte para começar a exercer sua liderança na América Latina;

(B)    já mostra que é mais forte que seus países vizinhos;

(C)    está iniciando seu trabalho diplomático a fim de marcar presença no cenário exterior;

(D)    pretende mostrar ao mundo e aos países vizinhos que já é suficientemente forte para tornar-se líder;

(E)    ainda é inexperiente no trato com a política exterior.

825. Segundo o texto, “A miséria é onipresente” embora:

(A)  apareça algumas vezes nas grandes cidades;

(B)  se manifeste de formas distintas;

(C)  esteja escondida dos olhos de alguns;

(D)  seja combatida pelas autoridades;

(E)  se torne mais disseminada e cruel.

826. “...não é uma empreitada simples” equivale a dizer que é uma empreitada complexa; o item em que essa equivalência é feita de forma INCORRETA é:

(A)    não é uma preocupação geral = é uma preocupação superficial;

(B)    não é uma pessoa apática = é uma pessoa dinâmica;

(C)    não é uma questão vital = é uma questão desimportante;

(D)    não é um problema universal = é um problema particular;

(E)    não é uma cópia ampliada = é uma cópia reduzida.

827. “...enquanto a miséria se mantinha...”; colocando-se o verbo desse segmento do texto no futuro do subjuntivo, a forma correta seria:

(A)    mantiver;

(B)    manter;

(C)    manterá;

(D)    manteria;

(E)    mantenha.

828. A forma de infinitivo que aparece substantivada nos segmentos abaixo é:

(A)    “Como entender a resistência da miséria...”;

(B)    “No decorrer das últimas décadas...”;

(C)    “...desde que se passou a registrá-las...”;

(D)    “...começa a exercitar seus músculos.”;

(E)    “...por ter se tornado um forte oponente...”.

TEXTO.

UM ARRISCADO ESPORTE NACIONAL.

01 Os leigos sempre se medicaram por conta própria, já que de

02 médico e louco todos temos um pouco, mas esse problema jamais

03 adquiriu contornos tão preocupantes no Brasil como atualmente.

04 Qualquer farmácia conta hoje com um arsenal de armas de

05 guerra para combater doenças de fazer inveja à própria indústria

06 de material bélico nacional. Cerca de 40% das vendas realizadas

07 pelas farmácias nas metrópoles brasileiras destinam-se a pessoas

08 que se automedicam. A indústria farmacêutica de menor porte e

09 importância retira 80% de seu faturamento da venda ''livre'' de

10 seus produtos, isto é, das vendas realizadas sem receita médica.

11 Diante desse quadro, o médico tem o dever de alertar a

12 população para os perigos ocultos em cada remédio, sem que

13 necessariamente faça junto com essas advertências uma sugestão

14 para que os entusiastas da automedicação passem a gastar mais

15 em consultas médicas. Acredito que a maioria das pessoas se

16 automedica por sugestão de amigos, leitura, fascinação pelo

17 mundo maravilhoso das drogas ''novas'' ou simplesmente para

18 tentar manter a juventude. Qualquer que seja a causa, os

19 resultados podem ser danosos.

20 É comum, por exemplo, que um simples resfriado ou uma

21 gripe banal leve um brasileiro a ingerir doses insuficientes ou

22 inadequadas de antibióticos fortíssimos, reservados para

23 infecções graves e com indicação precisa. Quem age assim está

24 ensinando bactérias a se tornarem resistentes a antibióticos. Um

25 dia, quando realmente precisar de remédio, este não funcionará.

26 E quem não conhece aquele tipo de gripado que chega a uma

27 farmácia e pede ao rapaz do balcão que lhe aplique uma

28 ''bomba'' na veia, para cortar a gripe pela raiz? Com isso, poderá

29 receber na corrente sangüínea soluções de glicose, cálcio,

30 vitamina C, produtos aromáticos - tudo sem saber dos riscos que

31 corre pela entrada súbita destes produtos na sua circulação.

829. Sobre o título dado ao texto - um arriscado esporte nacional -, a única afirmação correta é:

A) mostra que a automedicação é tratada como um esporte sem riscos;

B) indica quais são os riscos enfrentados por aqueles que se automedicam;

C) denuncia que a atividade esportiva favorece a automedicação;

D) condena a pouca seriedade daqueles que consomem remédio por conta própria;

E) assinala que o principal motivo da automedicação é a tentativa de manter-se a juventude.

830. Os leigos sempre se medicaram por conta própria,... Esta frase inicial do texto só NÃO eqüivale semanticamente a:

A) Os leigos, por conta própria, sempre se medicaram;

B) Por conta própria os leigos sempre se medicaram;

C) Os leigos se medicaram sempre por conta própria;

D) Sempre se medicaram os leigos por conta própria;

E) Sempre os leigos, por conta própria, se medicaram.

831. O motivo que levou o Dr. Geraldo Medeiros a abordar o tema da automedicação, segundo o que declara no primeiro parágrafo do texto, foi:

A) a tradição que sempre tiveram os brasileiros de automedicar-se;

B) os lucros imensos obtidos pela indústria farmacêutica com a venda ''livre'' de remédios;

C) a maior gravidade atingida hoje pelo hábito brasileiro da automedicação;

D) a preocupação com o elevado número de óbitos decorrente da automedicação;

E) aumentar o lucro dos médicos, incentivando as consultas.

832. Um grupo de vocábulos do texto possui componentes sublinhados cuja significação é indicada a seguir; o único item em que essa indicação está ERRADA é:

A) bélico - guerra;

B) metrópoles – cidade;

C) antibióticos - vida;

D) glicose - açúcar;

E) cálcio - osso.

833. O item em que o segmento sublinhado tem forma equivalente corretamente indicada é:

A) ...já que de médico e louco todos temos um pouco. - uma vez que;

B) ...vendas realizadas pelas farmácias... - entre as;

C) ...sem que necessariamente faça junto com essas advertências... - embora;

D) ...para que os entusiastas da automedicação... - afim;

E) Quem age assim está ensinando bactérias... - mal.

834. ...jamais adquiriu contornos tão preocupantes no Brasil como atualmente; ...sem que necessariamente faça junto com essas advertências...; ...quando realmente precisar de remédio...; os advérbios sublinhados indicam, respectivamente:

A) tempo, modo, afirmação;

B) tempo, modo, tempo;

C) tempo, tempo, tempo;

D) modo, tempo, modo;

E) modo, modo, afirmação.

835. O item em que o par de palavras NÃO está acentuado em função da mesma regra ortográfica é:

A) própria / advertências;

B) farmácia / bactérias;

C) indústria / cálcio;

D) importância / raízes;

E) remédio / circunstância.

836. Palavra que NÃO pertence ao mesmo campo semântico das demais é:

A) arsenal;

B) armas;

C) guerra;

D) combater;

E) inveja.

837. O termo sublinhado que exerce função diferente dos demais é:

A) ...venda de seus produtos...;

B) ...dever de alertar...;

C) ...sugestão de amigos...;

D) ...fascinação pelo mundo...;

E) ...fazer inveja à indústria...

838. Ao indicar as prováveis razões pelas quais os brasileiros se automedicam, o Dr. Geraldo Medeiros utiliza um argumento baseado em opinião e não numa certeza; o segmento que comprova essa afirmação é:

A) É comum...(linha 20);

B) Acredito...(linha 15);

C) ...por exemplo...(linha 20);

D) Com isso...(linha 28);

E) Qualquer que...(linha 18).

TEXTO.

DÍVIDA PÚBLICA CRESCE R$101,9 BILHÕES.

A alta dos juros e a desvalorização do real em relação ao dólar já elevaram a dívida líquida do setor público de 50,2% do PIB (Produto Interno Bruto) para 51,9% , um aumento de R$29,796 bilhões entre março e maio deste ano. Neste mês, a dívida deve superar os 53% do PIB, percentual elevado para o Brasil, que chegou a prometer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) a estabilização em 46,5% do PIB.

Para evitar o crescimento explosivo da dívida, devido à farta oferta de títulos atrelados ao câmbio para deter a alta do dólar, o governo será obrigado a fazer um novo aperto fiscal. ''Se a dívida crescer muito, o país terá que gerar ganhos fiscais para pagá-la'', afirma Carlos Thadeu de Freitas, ex-diretor do Banco Central.

De qualquer forma, a dívida vai crescer. Mas se ela se estabilizar em torno de 54% do PIB não haverá grandes problemas, afirma o consultor Raul Veloso, especialista no assunto.

A dificuldade, segundo ele, será estancar a tendência do crescimento. Isso exigirá ''um sacrifício maior'' da sociedade para que o governo possa aumentar o superávit primário, o que significa aumentar a arrecadação de impostos e reduzir as despesas.

839. ''...o governo será obrigado a fazer um novo aperto fiscal.'' ; isto significa que o governo será obrigado a:

A) modificar alguns impostos;

B) intensificar a fiscalização;

C) combater a sonegação;

D) arrecadar mais com impostos;

E) reduzir a devolução de impostos.

840. O título do texto (a manchete do jornal) destaca:

A) o aspecto mais favorável ao governo;

B) o fator de maior apelo afetivo;

C) o elemento mais inesperado do processo;

D) o sucesso maior do plano econômico;

E) o item de maior interesse público.

841. Como texto informativo que é, o texto lido:

A) pretende divulgar algo que é do interesse exclusivo do informante;

B) apóia suas informações em dados objetivos e em depoimentos de autoridades;

C) tenta criar suspense e expectativa nervosa nos leitores;

D) tem a intenção de ser claro em assunto que é do domínio comum;

E) é de interesse momentâneo e só pertinente à área econômica.

842. O interesse do leitor comum ao ler o texto acima no jornal é:

A) ilustração cultural;

B) informação privilegiada;

C) atualização de conhecimentos;

D) curiosidade mórbida;

E) atração pelo pitoresco.

843. Só NÃO pode estar entre os interesses do jornal ao publicar a informação contida no texto lido:

A) criar confiabilidade do leitor em relação ao jornal;

B) mostrar a situação difícil em que se encontram as finanças nacionais;

C) combater politicamente o governo atual;

D) criticar implicitamente a política econômica do governo;

E) demonstrar a ineficiência do setor público em comparação com o privado.

844. Ao indicar a tradução da sigla PIB entre parênteses, o autor do texto mostra que:

A) entende pouco do setor econômico no nível internacional;

B) escreve de forma específica para economistas;

C) pretende ser entendido pelo grande público;

D) a sigla é de criação recente e pouco conhecida;

E) tem a intenção clara de mostrar a influência do FMI em nossa economia.

845. Segundo o primeiro parágrafo do texto:

A) o FMI deve tomar medidas punitivas em relação ao Brasil;

B) o Brasil vai mal economicamente por não seguir as normas do FMI;

C) o PIB aumentou progressivamente de 1999 a 2001;

D) a alta de juros e a desvalorização do real aumentaram o PIB;

E) o aumento da dívida pública é visto por maior percentual do PIB.

846. Segmento do texto que NÃO traz, explícita ou implícita, uma ameaça à população é:

A) ''...o governo será obrigado a fazer um novo aperto fiscal.'';

B) ''Se a dívida crescer muito, o país terá que gerar ganhos fiscais para pagá-la'';

C) ''De qualquer forma, a dívida vai crescer.'';

D) ''...para que o governo possa aumentar o superávit primário,...'';

E) ''Mas se ela se estabilizar em torno de 54% do PIB não haverá grandes problemas.''

847. O latinismo superávit significa:

A) o lucro obtido com a venda de produtos;

B) o aumento da arrecadação de impostos;

C) a diferença favorável entre arrecadação e despesas;

D) a redução das despesas;

E) a diferença entre a alta dos juros e a desvalorização do real.

848. ''De qualquer forma a dívida vai crescer. Mas se ela se estabilizar em torno de 54% do PIB não haverá grandes problemas.'' ; esta afirmação do consultor Raul Veloso, reescrita de forma a manter-se o sentido original é:

A) A dívida vai crescer inevitavelmente, independente de estabilizar-se em torno de 54% do PIB, o que não trará grandes problemas;

B) Não haverá grandes problemas se a dívida se estabilizar em torno de 54% do PIB, mas, inevitavelmente, a dívida vai crescer;

C) Se a dívida crescer até 54% do PIB não haverá grandes problemas, mas seu crescimento é inevitável;

D) Se a dívida vai crescer ininterruptamente, não haverá grandes problemas se houver estabilização dos débitos em torno de 54% do PIB;

E) De qualquer forma a dívida vai crescer embora a estabilização em torno de 54% do PIB traga grandes problemas.

TEXTO.

POEMA DE DUAS MÃOZINHAS.

"E aquelas mãozinhas,

tão leves,

tão brancas,

riscavam as paredes,

quebravam os bonecos,

armavam castelos de areia

na praia,

viviam as duas

qual João mais Maria.

À boca da noite

o Cata-piolhos

rezava baixinho:

"Pelo sinal

da Santa Cruz

livre-nos Deus

Nosso Senhor".

E aquelas mãozinhas

dormiam unidinhas

qual João mais Maria.

"Dedo-mindinho,

Sêo vizinho,

O Pai-de-todos,

Sêo Fura-bolos,

Cata-piolhos,

quede o toicinho?

- o gato comeu."

Nas noites de lua

cheinhas de estrelas,

Sêo Fura-bolos

contava as estrelas...

O Pai-de-todos

cuidava dos outros:

nasciam berrugas

no Cata-piolhos.

E aquelas mãozinhas

viviam sujinhas

qual João mais Maria...

Um dia (que dia!)

O Dedo-mindinho

Feriu-se num espinho...

E à boca da noite

O Cata-piolhos deixou de rezar;

e João mais Maria, juntinhos,

ligados,

pararam em cruz cobertos de fitas

que nem dois bonecos

sem molas, quebrados...

Quem compra um boneco da loja deDeus?

849. Nos versos iniciais do texto, a partícula tão expressa a noção de:

A. inferioridade;

B. igualdade;

C. intensidade;

D. anterioridade;

E. posterioridade.

850. As mãos a que o autor se refere estão sempre sujas porque:

A. rezam baixinho;

B. são muito brancas;

C. dormem unidas;

D. fazem travessuras;

E. contam estrelas.

851. A comparação entre as mãos e certas personagens infantis leva em consideração:

A. a cor;

B. o formato;

C. o tamanho;

D. a beleza;

E. a irrequietude.

852. De acordo com a superstição popular, nascem berrugas no cata-piolhos quando:

A. as mãos riscam as paredes;

B. o fura-bolos aponta as estrelas;

C. a noite está enluarada;

D. o céu se cobre de nuvens;

E. o dedo-mínimo é ferido.

853. Assinale a passagem que caracteriza determinada brincadeira infantil:

A. "- o gato comeu";

B. "quebravam os bonecos";

C. "dormiam unidinhas";

D. "cuidava dos outros";

E. "feriu-se num espinho".

854. Segundo o contexto, a expressão que dia!, colocada entre parênteses, revela o sentimento de:

A. alegria incontida;

B. dor dissimulada;

C. profunda tristeza;

D. fúria passageira;

E. amarga ironia.

855. A expressão popular quede equivale à pergunta:

A. por que é?

B. como é?

C. quando é?

D. onde está?

E. como está?

856. De acordo com o contexto, o emprego freqüente de diminutivos realça, principalmente, a idéia de:

A. delicadeza;

B. pequenez;

C. harmonia;

D. compaixão;

E. ternura.

857. Indique o trecho em que a presença da morte se faz sentir de forma acentuada:

A. "armavam castelos de areia";

B. "o Cata-piolhos deixou de rezar";

C. "E aquelas mãozinhas viviam sujinhas";

D. "viviam as duas qual João mais Maria";

E. Sêo Fura-bolos contava as estrelas".

858. A indagação final, contida no último verso, deixa claro que:

A. a vida humana é insubstituível;

B. as criaturas são como bonecos;

C. há outra vida depois da morte;

D. não se compram seres humanos;

E. a eternidade da alma está garantida.

TEXTO.

FAZER RENASCER O NATAL.

Abaixo Papai Noel! Viva o menino Jesus!

O melhor da festa é esperar por ela, diz o provérbio. O melhor do Natal é ter passado por ele, sentem muitos sem dizer.

É insuportável a fissura desencadeada pelas festas de fim de ano. O consumo compulsório de produtos, o apetite compulsivo de comilanças, a máscara da alegria estampada no rosto para encobrir o bolso furado, a corrida aos espaços de lazer, as estradas engarrafadas, as filas intermináveis nos supermercados, os sinos de papel envoltos nas fitas vermelhas dos shopping centers, aquela mesma musiquinha marota, tudo satura o espírito.

Seria esse anticlima um castigo divino à nossa reverência pagã à figura de Papai Noel?

Natal é pouco verso e muito reverso. Em pleno trópico, nosso mimetismo enfeita de neve de algodão a árvore de luzinhas intermitentes. O estômago devora castanhas, nozes, avelãs e amêndoas, quando a saúde pede saladas e legumes.

Já que o espírito arde de sede daquela Água Viva do poço de Jacó (João 4), afoga-se o corpo em álcool e gorduras. A gula de Deus busca, em vão, saciar-se no ato de se empanturrar à mesa.

Talvez seja no Natal que nossas carências fiquem mais expostas. Damos presentes sem nos dar, recebemos sem acolher, brindamos sem perdoar, abraçamos sem afeto, damos à mercadoria um valor que nem sempre reconhecemos nas pessoas. No íntimo, estamos inclinados à simplicidade da manjedoura. O mal-estar decorre do fato de nos sentirmos mais próximos dos salões de Herodes.

(...)

Mudemos nós e o Natal. Abaixo Papai Noel, viva o Menino Jesus! Em vez de presentes, presença - junto à família, aos que sofrem, aos enfermos, aos soropositivos, aos presos, às famílias das vítimas de crimes, às crianças de rua, aos dependentes de droga, aos deficientes físicos e mentais, aos excluídos.

Façamos da ceia cesta a quem padece fome e do abraço laço de solidariedade a quem clama por justiça. Instalemos o presépio no próprio coração e deixemos germinar Aquele que se fez pão e vinho para que todos tenham vida com fartura e alegria.

Abandonemos a um canto a árvore morta coberta de lantejoulas e plantemos no fundo da alma uma oração que sacie nossa fome de transcendência.

Deixemo-nos, como Maria, engravidar pelo Espírito de Deus. Então, algo de misteriosamente novo haverá de nascer em nossas vidas.

859. A frase em que, segundo o uso culto escrito, são lícitas tanto a próclise quanto a ênclise do pronome oblíquo átono é:

A) ''afoga-se o corpo em álcool e gorduras'';

B) ''no ato de se empanturrar à mesa'';

C) ''Mudemos nós e o Natal'';

D) ''Aquele que se fez pão e vinho'';

E) ''Deixemo-nos, como Maria, engravidar''.

860. No texto, os adjetivos compulsório e compulsivo podem ser substituídos, respectivamente, por:

A) necessário / exagerado;

B) exagerado / desenfreado;

C) obrigatório / incontrolável;

D) incontrolável / desenfreado;

E) necessário / obrigatório. 

861. A partir de certo ponto, o texto passa a exprimir uma exortação. O fato que assinala essa mudança é: 

A) o emprego de frases imperativas;

B) o uso da 1a pessoa do plural;

C) o verbo iniciando o parágrafo;

D) o uso do ponto de exclamação;

E) a referência ao Menino Jesus.

862. A nova redação de algumas passagens do texto apresenta erro de concordância verbal em:

A) então, poderão haver coisas misteriosamente novas em nossas vidas;

B) afogam-se o corpo e a alma em álcool e gorduras;

C) abandonem-se a um canto as árvores mortas cobertas de lantejoulas;

D) hoje, o Natal são presentes e comilanças;

E) pode-se envolver os sinos de papel em fitas vermelhas.

863. O emprego da preposição NÃO se deve à regência nominal em:

A) ''um castigo divino à nossa reverência pagã'';

B) ''água Viva do poço de Jacó'';

C) ''nossa reverência pagã à figura de Papai Noel'';

D) ''estamos inclinados à simplicidade da manjedoura'';

E) ''o consumo compulsório de produtos''.

864. O uso do sinal indicador da crase é facultativo em:

A) ''castigo duro à nossa reverência'';

B) ''reverência pagã à figura de Papai Noel'';

C) ''ato de se empanturrar à mesa'';

D) ''damos à mercadoria um valor'';

E) ''estamos inclinados à simplicidade da manjedoura''.

865. Em cada alternativa abaixo apresenta-se, entre parênteses, um comentário sobre a pontuação de algum segmento do texto. A alternativa em que o comentário é inadequado ao respectivo exemplo é: 

A) ''o estômago devora castanhas, nozes, avelãs e amêndoas...'' (Normalmente não se usa vírgula antes do ''e'' que encerra uma seqüência de elementos com mesmafunção'');

B) ''já que o espírito arde de sede daquela Água Viva do poço de Jacó, afoga-se o corpo em álcool e gorduras'' (A vírgula separa a oração adverbial da principal, que a sucede);

C) ''plantemos no fundo da alma uma oração que sacie nossa fome de transcendência''. (É opcional o emprego de vírgula entre o pronome relativo e seu antecedente);

D) ''talvez seja no Natal que nossas carências fiquem mais expostas. Damos presentes sem nos dar, recebemos sem acolher...'' . (O ponto depois de ''expostas'' poderia ser trocado por dois pontos);

E) ''abandonemos a um canto a árvore morta''. ( Aexpressão ''a um canto'' poderia estar entre vírgulas).

866. No trecho ''(...) uma oração que sacie nossa fome de transcendência'', encontra-se o verbo SACIAR, que é regular. Pelo modelo do verbo SACIAR também se flexionam os verbos da opção:

A) ansiar, negociar, caluniar, rodopiar;

B) assobiar, odiar, amaciar, desviar;

C) policiar, aliviar, incendiar, contrariar;

D) anunciar, remediar, espiar, acariciar;

E) arriar, apreciar, renunciar, vigiar.

867. No texto, a frase ''Em pleno trópico, nosso mimetismo enfeita de neve de algodão a árvore de luzinhas intermitentes'' encerra uma crítica relacionada:

A) ao costume de enfeitarmos árvores de Natal com luzinhas;

B) às imitações indevidas que fazemos de outras culturas;

C) à preocupação que temos com as aparências no Natal;

D) ao fato de não nevar em países tropicais;

E) aos gastos excessivos com enfeites de Natal num país pobre.

868. ''No íntimo, estamos inclinados à simplicidade da manjedoura. O mal-estar decorre do fato de nos sentirmos mais próximos dos salões de Herodes''. No texto, essas frases significam que:

A) a manjedoura simboliza a simplicidade do Menino-Deus;

B) somos atraídos pelas festas dos ''salões de Herodes'';

C) a simplicidade da manjedoura vale mais que o luxo dos ''salões de Herodes'';

D) no Natal acabamos por contrariar nossos sentimentos mais profundos;

E) entre a simplicidade e o luxo, a nossa tendência é escolher o luxo.

TEXTO.

DA INFLUÊNCIA DOS ESPELHOS.

   Tu lembras daqueles grandes espelhos côncavos ou convexos que em certos estabelecimentos os proprietários colocavam à entrada para atrair os fregueses, achatando-os, alongando-os, deformando-os nas mais estranhas configurações?

   Nós, as crianças de então, achávamos uma bruta graça, por saber que era tudo ilusão, embora talvez nem conhecêssemos o sentido da palavra ''ilusão''.

   Não, nós bem sabíamos que não éramos aquilo!

   Depois, ao crescer, descobrimos que, para os outros, não éramos precisamente isto que somos, mas aquilo que os outros vêem.

   Cuidado, incauto leitor! Há casos, na vida, em que alguns acabam adaptando-se a essas imagens enganosas, despersonalizando-se num segundo ''eu''.

   Que pode uma alma, ainda por cima invisível, contra o testemunho de milhares de espelhos?

   Eis aqui um grave assunto para um conto, uma novela, um romance, ou uma tese de mestrado em Psicologia.

869. Nesta crônica, Mário Quintana:

A) vale-se de um incidente de seu tempo de criança, para mostrar a importância que tem a imaginação infantil.

B) alude às propriedades ilusórias dos espelhos, para mostrar que as crianças sentiam-se inteiramente capturadas por eles.

C) lembra-se das velhas táticas dos comerciantes, para concluir que aqueles tempos eram bem mais ingênuos que os de hoje.

D) alude a um antigo chamariz publicitário, para refletir sobre a personalidade profunda e sua imagem exterior.

E) vale-se de um fato curioso que observava quando criança, para defender a tese de que o mundo já foi mais alegre e poético.

870. Considere as seguintes afirmações:

I. O autor mostra que, quando criança, não imaginava a força que pode ter a imagem que os outros fazem de nós.

II. As crianças deixavam-se cativar pela magia dos espelhos, chegando mesmo a confundir as imagens com a realidade.

III. O autor sustenta a idéia de que as crianças são menos convictas da própria identidade do que os adultos.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em:

A) I, II e III.

B) III, apenas.

C) II e III, apenas.

D) I e II, apenas.

E) I, apenas.

871. Está INCORRETO o seguinte comentário acerca do emprego de termos ou expressões do texto:

A) A expressão ''Há casos, na vida'' indica que o autor está interessado em generalizar e absolutizar a verdade da tese que acaba de expor.

B) Na frase ''Nós bem sabíamos que não éramos aquilo'', o termo sublinhado acentua bem a distância e a superioridade com que as crianças avaliavam suas imagens deformadas.

C) Na frase ''Não éramos precisamente isto que somos, mas aquilo que os outros vêem'', os pronomes sublinhados reforçam a oposição entre somos e vêem.

D) Ao afirmar que algumas pessoas despersonalizam-se ''num segundo 'eu' '', o autor deixa implícito que todos temos um ''eu'' original e autêntico.

E) No penúltimo parágrafo, ''uma alma invisível'' e ''testemunho de milhares de espelhos'' representam, respectivamente, a personalidade verdadeira e suas imagens enganosas.

872. Na interrogação ''Que pode uma alma, ainda por cima invisível, contra o testemunho de milhares de espelhos?'' há a admissão de que:

A) só a força do olhar e do interesse alheio capta as verdades de nossa alma.

B) a verdade essencial da alma não tem como se opor às imagens que lhe atribuem.

C) o essencial da alma só é reconhecível na soma de suas múltiplas imagens.

D) a fragilidade da alma só é superada quando adquire a consistência de uma imagem.

E) a legitimidade do nosso modo de ser depende inteiramente do reconhecimento alheio.

873. Segundo Mário Quintana, a despersonalização num segundo ''eu'':

A) é a causa, e as ''imagens enganosas'' são a sua conseqüência.

B) e a adaptação às imagens enganosas são fatos paralelos e independentes.

C) é uma conseqüência, cuja causa é a adaptação às imagens enganosas.

D) é uma conseqüência, cuja causa é a invisibilidade da alma.

E) é a causa, cuja conseqüência é a invisibilidade da alma.

874. Todas as palavras estão corretamente grafadas e acentuadas na frase:

A) A reminicência dos espelhos côncavos e convexos levou o autor a expecular sobre a consistência da alma.

B) A assepção da palavra ilusão era desconhecida pelas crianças, o que não impedia que elas descriminassem entre o que era fato e o que era impressão.

C) Quando somos condecendentes com as imagens que os outros têm de nós, tornamos-nos cumplices do equivoco alheio.

D) Acreditar na consistência da imagem que os outros fazem de nós em nada contribui para o reconhecimento da nossa personalidade íntegra e verdadeira.

E) No ambito de uma pequena crônica, o autor trata de um tema que bem poderia ser objeto de uma ampla pesquiza em Psicologia.

875. Está inteiramente correta a frase:

A) Se nos vermos exatamente como os outros nos vêem, talvez nos surpreendemos.

B) Ele já havia despersonalizado-se, de tanto se preocupar com a própria imagem. 

C) O autor acha prudente que nos acautelemos diante das imagens enganosas.

D) É como se o olhar alheio fosse um espelho que contesse para sempre a nossa alma.

E) Uma vez perdida a nossa identidade, haverá um modo de a reouver?

876. As normas de concordância verbal estão inteiramente respeitadas na frase:

A) Aos incautos leitores recomendam-se cautelas com os poderes do olhar alheio.

B) O autor nos adverte de que, em sua pequena crônica, condensa-se muitas idéias para ficção ou ciência.

C) Para muitos, as imagens que os outros lhes fornecem é tudo o que lhes interessam.

D) Não parece atemorizar as crianças as imagens deformadas que vêem nos espelhos.

E) Quando houverem dúvidas sobre quem de fato somos, será prudente confiarmos nos espelhos?

877. Transpondo para a voz passiva a frase Talvez nem conhecêssemos o sentido da palavra ''ilusão'', a forma verbal resultante será:

A) tivesse sido conhecido.

B) seria conhecido.

C) fossem conhecido.

D) tivéssemos conhecido.

E) fosse conhecido.

878. Os tempos verbais estão corretamente articulados entre si no período:

A) Se olhássemos para aquelas imagens, não nos reconheceremos nelas.

B) À medida que se adaptem às imagens enganosas, alguns se despersonalizaram.

C) Que poderes terá tido uma alma contra milhares de espelhos que venham a refleti-la?

D) Depois que tivermos crescido é que poderemos avaliar a importância que tem o olhar alheio.

E) Não acreditássemos que éramos aquilo, apenas nos riremos de nossas imagens.

TEXTO.

PAÍS DO FUTURO.

   Rio de Janeiro - Lembra-se de quando o Brasil era o país do futuro?

   Primeiro foi um gigante adormecido (''em berço esplêndido''), que um dia iria acordar e botar pra quebrar.

   Depois tornou-se o país do futuro, um futuro de riqueza, justiça social e bem-aventurança.

   Eram tempos, aqueles, de postergar tudo o que não podia ser realizado no presente. A dureza do regime militar deixava poucas brechas para que se ousasse fazer alguma coisa que não fosse aquilo já previsto, planejado, ordenado pelos generais no poder.

   Só restava então aguardar o futuro, que nunca chegava (mais uma vez vale lembrar: foram 21 anos de regime autoritário).

   O pior é que, mesmo depois de redemocratizado o país, a coisa continuou e continua meio encalacrada, com muitos sonhos tendo de ser adiados a cada dia, a cada nova dificuldade. Com a globalização, temos que encarar (e temer) até as crises que ocorrem do outro lado do mundo.

   Todavia há que se aguardar o futuro com otimismo, e alguma razão para isso existe.

   Dados de uma pesquisa elaborada pela Secretaria de Planejamento do governo de São Paulo revelam que o Brasil chegará ao próximo século, que está logo ali na esquina, com o maior contingente de jovens de sua história.

   Conforme os dados da pesquisa, somente na faixa dos 20 aos 24 anos serão quase 16 milhões de indivíduos no ano 2000.

   Com esses dados, o usual seria prever o agravamento da situação do mercado de trabalho, já tão difícil para essa faixa de idade, e de problemas como a criminalidade em geral e o tráfico e o uso de drogas em particular.

   Mas por que não inverter a mão e acreditar, ainda que forçando um pouco a barra, que essa massa de novas cabeças pensantes simboliza a chegada do tal futuro? Quem sabe sairá do acúmulo de energia renovada dessa geração a solução de problemas que apenas se perpetuaram no fracasso das anteriores?

   Nada mal começar um milênio novinho em folha com o viço, a ousadia e o otimismo dos que têm 20 anos.

879. Encontra apoio no texto a afirmação contida na opção:

A) A existência de 16 milhões de jovens brasileiros no ano 2000 constituirá um problema insolúvel;

B) Com a população jovem brasileira na casa dos 16 milhões, só se pode esperar o pior;

C) Não se pode pensar de forma otimista em relação ao próximo século;

D) Pode-se pensar positivamente em relação ao nosso futuro, apesar de alguns problemas;

E) Pode-se pensar de forma positiva sobre nosso futuro a partir da previsão do agravamento do desemprego.

880. A idéia de futuro vem representada no texto por uma seqüência de conceitos. A opção que indica essa seqüência é: 

A) expectativa - gigantismo - idealização - otimismo;

B) otimismo - expectativa - idealização - gigantismo;

C) gigantismo - otimismo - idealização - expectativa;

D) expectativa - idealização - otimismo - gigantismo;

E) gigantismo - idealização - expectativa - otimismo.

881. A linguagem coloquial empregada no texto pode ser exemplifica pela expressão: 

A) ''em berço esplêndido'';

B) ''botar pra quebrar'';

C) bem-aventurança;

D) dados de uma pesquisa;

E) somente na faixa.

882. Postergar significa:

A) polemizar;

B) preterir;

C) manifestar;

D) difundir;

E) incentivar.

883. São acentuadas conforme a mesma regra as palavras constantes da opção:

A) já - só - é - tráfico;

B) país - autoritário - há - milhões;

C) indivíduos - acúmulo - milênio - têm;

D) até - chegará - está - sairá;

E) esplêndido - próximo - século - difícil.

884. Na nova redação dada a algumas passagens do texto, cometeu-se um erro gramatical em:

A) Segundo os dados da pesquisa, somente na faixa dos 20 aos 24 anos serão quase 16 milhões de indivíduos nos anos 2000;

B) Nada mau começar um milênio novinho em folha com o viço, a ousadia e o otimismo dos que têm 20 anos);

C) Todavia há que se aguardar o futuro com otimismo, e alguma razão há para isso;

D) Uma pesquisa elaborada pela Secretaria de Planejamento do governo de São Paulo revela que o Brasil chegará ao próximo milênio com o maior contingente de jovens de sua história;

E) A solução de problemas que apenas se perpetuaram no fracasso das anteriores sairão do acúmulo de energia renovada.

885. Encontram-se no texto palavras relacionadas a verbos formados com a terminação - izar, escrita com Z: redemocratização, globalização, simboliza. Nas opções abaixo, todas as palavras se escrevem com Z, EXCETO em:

A) utili - ar, catequi - ar, embele - ar, arbori - ar;

B) atuali - ar, rubori - ar, minimi - ar, parali - ar;

C) horrori - ar, suavi - ar, mobili - ar, moderni - ar;

D) sonori - ar, pressuri - ar, fertili - ar, particulari - ar;

E) reve - ar, martiri - ar, penali - ar, hospitali - ar. 

886. Em ''o maior contingente de jovens de sua história'', o substantivo ''jovens'', embora masculino, refere-se tanto aos rapazes quanto às moças. É comum, porém, que na distinção de gêneros haja referência a conteúdos distintos. Nas alternativas abaixo, a dupla de substantivos cuja diferença de gêneros NÃO corresponde a uma diferença de significados é:

A) novos cabeças - novas cabeças;

B) vários personagens - várias personagens;

C) outro guia - outra guia;

D) o faixa preta - a faixa preta;

E) algum capital - alguma capital.

887. A classificação gramatical dos vocábulos abaixo sublinhados está CORRETA na opção:

A) Em ''Primeiro foi um gigante adormecido'', primeiro é um adjetivo que concorda em gênero e número com o substantivo ''gigante'';

B) Em ''Conforme os dados da pesquisa'', dados é o particípio do verbo ''dar'';

C) Em ''com o maior contingente de jovens de sua história'', maior é o superlativo relativo de superioridade do adjetivo ''grande'';

D) Em ''Com esses dados, o usual seria prever o agravamento da situação do mercado de trabalho'', seria é uma forma do pretérito imperfeito do indicativo do verbo ''ser'';

E) Em ''foram 21 anos de regime autoritário'', foram é forma do pretérito perfeito do verbo ''ir''.

888. Em ''...começar um milênio novinho em folha com o viço, a ousadia e o otimismo dos que têm 20 anos'', a parte sublinhada é substituível, sem mudança do significado, por:

A) a juventude, a audácia;

B) a competência, a imaginação;

C) a criatividade, a perseverança;

D) a criatividade, a coragem;

E) a imaginação, o destemor.

TEXTO.

PROTESTO TÍMIDO.

   Ainda há pouco eu vinha para casa a pé, feliz da minha vida e faltavam dez minutos para a meia-noite. Perto da Praça General Osório, olhei para o lado e vi, junto à parede, antes da esquina, algo que me pareceu uma trouxa de roupa, um saco de lixo. Alguns passos mais e pude ver que era um menino.

   Escurinho, de seus seis ou sete anos, não mais. Deitado de lado, braços dobrados como dois gravetos, as mãos protegendo a cabeça. Tinha os gambitos também encolhidos e enfiados dentro da camisa de meia esburacada, para se defender contra o frio da noite. Estava dormindo, como podia estar morto. Outros, como eu, iam passando, sem tomar conhecimento de sua existência. Não era um ser humano, era um bicho, um saco de lixo mesmo, um traste inútil, abandonado sobre a calçada. Um menor abandonado.

   Quem nunca viu um menor abandonado? A cinco passos, na casa de sucos de frutas, vários casais de jovens tomavam sucos de frutas, alguns mastigavam sanduíches. Além, na esquina da praça, o carro da radiopatrulha estacionado, dois boinas-pretas conversando do lado de fora. Ninguém tomava conhecimento da existência do menino.

   Segundo as estatísticas, como ele existem nada menos que 25 milhões no Brasil, que se pode fazer? Qual seria a reação do menino se eu o acordasse para lhe dar todo o dinheiro que trazia no bolso? Resolveria o seu problema? O problema do menor abandonado? A injustiça social?

   (....)

   Vinte e cinco milhões de menores - um dado abstrato, que a imaginação não alcança. Um menino sem pai nem mãe, sem o que comer nem onde dormir - isto é um menor abandonado. Para entender, só mesmo imaginando meu filho largado no mundo aos seis, oito ou dez anos de idade, sem ter para onde ir nem para quem apelar. Imagino que ele venha a ser um desses que se esgueiram como ratos em torno aos botequins e lanchonetes e nos importunam cutucando-nos de leve - gesto que nos desperta mal contida irritação - para nos pedir um trocado. Não temos disposição sequer para olhá-lo e simplesmente o atendemos (ou não) para nos livrarmos depressa de sua incômoda presença. Com o sentimento que sufocamos no coração, escreveríamos toda a obra de Dickens. Mas estamos em pleno século XX, vivendo a era do progresso para o Brasil, conquistando um futuro melhor para os nossos filhos. Até lá, que o menor abandonado não chateie, isto é problema para o juizado de menores. Mesmo porque são todos delinqüentes, pivetes na escola do crime, cedo terminarão na cadeia ou crivados de balas pelo Esquadrão da Morte.

   Pode ser. Mas a verdade é que hoje eu vi meu filho dormindo na rua, exposto ao frio da noite, e além de nada ter feito por ele, ainda o confundi com um monte de lixo.

889. Uma crônica, como a que você acaba de ler, tem como melhor definição:

A) registro de fatos históricos em ordem cronológica;

B) pequeno texto descritivo geralmente baseado em fatos do cotidiano;

C) seção ou coluna de jornal sobre tema especializado;

D) texto narrativo de pequena extensão, de conteúdo e estrutura bastante variados;

E) pequeno conto com comentários, sobre temas atuais.

890. O texto começa com os tempos verbais no pretérito imperfeito - vinha, faltavam - e, depois, ocorre a mudança para o pretérito perfeito - olhei, vi etc.; essa mudança marca a passagem:

A) do passado para o presente;

B) da descrição para a narração;

C) do impessoal para o pessoal;

D) do geral para o específico;

E) do positivo para o negativo.

891. ''...olhei para o lado e vi, junto à parede, antes da esquina, ALGO que me pareceu uma trouxa de roupa...''; o uso do termo destacado se deve a que:

A) o autor pretende comparar o menino a uma coisa;

B) o cronista antecipa a visão do menor abandonado como um traste inútil;

C) a situação do fato não permite a perfeita identificação do menino;

D) esse pronome indefinido tem valor pejorativo;

E) o emprego desse pronome ocorre em relação a coisas ou a pessoas.

892. ''Ainda há pouco eu vinha para casa a pé,...''; veja as quatro frases a seguir:

I - Daqui há pouco vou sair.

II - Está no Rio há duas semanas.

III - Não almoço há cerca de três dias.

IV - Estamos há cerca de três dias de nosso destino.

As frases que apresentam corretamente o emprego do verbo haver são:

A) I – II.

B) I – III.

C) II – IV.

D) I – IV.

E) II – III.

893. O comentário correto sobre os elementos do primeiro parágrafo do texto é:

A) o cronista situa no tempo e no espaço os acontecimentos abordados na crônica;

B) o cronista sofre uma limitação psicológica ao ver o menino; 

C) a semelhança entre o menino abandonado e uma trouxa de roupa é a sujeira;

D) a localização do fato perto da meia-noite não tem importância para o texto;

E) os fatos abordados nesse parágrafo já justificam o título da crônica.

894. Boinas-pretas é um substantivo composto que faz o plural da mesma forma que:

A) salvo-conduto;

B) abaixo-assinado;

C) salário-família;

D) banana-prata;

E) alto-falante.

895. A descrição do menino abandonado é feita no segundo parágrafo do texto; o que NÃO se pode dizer do processo empregado para isso é que o autor:

A) se utiliza de comparações depreciativas;

B) lança mão de vocábulo animalizador;

C) centraliza sua atenção nos aspectos físicos do menino;

D) mostra precisão em todos os dados fornecidos;

E) usa grande número de termos adjetivadores.

896. ''Estava dormindo, como podia estar morto''; esse segmento do texto significa que:

A) a aparência do menino não permitia saber se dormia ou estava morto;

B) a posição do menino era idêntica à de um morto;

C) para os transeuntes, não fazia diferença estar o menino dormindo ou morto;

D) não havia diferença, para a descrição feita, se o menino estava dormindo ou morto;

E) o cronista não sabia sobre a real situação do menino.

897. Alguns textos, como este, trazem referências de outros momentos históricos de nosso país; o segmento do texto em que isso ocorre é:

A) ''Perto da Praça General Osório, olhei para o lado e vi...'';

B) ''...ou crivados de balas pelo Esquadrão da Morte'';

C) ''...escreveríamos toda a obra de Dickens'';

D) ''...isto é problema para o juizado de menores'';

E) ''Escurinho, de seus seis ou sete anos, não mais''.

898. ''... era um bicho...''; a figura de linguagem presente neste segmento do texto é uma:

A) metonímia;

B) comparação ou símile;

C) metáfora;

D) prosopopéia;

E) personificação.

TEXTO.

UM SENTIDO PARA A EDUCAÇÃO SEXUAL.

   A proposta de educação sexual nos currículos da escola de ensino médio é uma idéia que surge mais fortemente agora no Brasil. Um dos argumentos a favor da implantação da educação sexual nas escolas é o grande número de gestações na adolescência e o problema da Aids. Entretanto, não se observa redução nem no número de gestações indesejadas nem nas doenças sexualmente transmissíveis onde a educação sexual foi adotada como solução para este problema.

   Nos Estados Unidos, a educação sexual foi considerada como a solução e a implantação dos programas aconteceu intensamente; no entanto, os resultados são deploráveis.

   Por que a educação sexual tal como foi implantada não é a solução? O desastre começa no próprio conceito. A educação sexual apresentada não toma como base valores morais, e se orienta para a informação restrita de contracepção e prevenção de doenças.

   Isso não é educação sexual. Educação sexual é parte de algo mais complexo na vida do ser humano, e por isso não se pode restringir à informação sobre anatomia e fisiologia, ensino de meios contraceptivos e prevenção da Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis.

   Educação sexual é antes de tudo educação de valores, educação do verdadeiro amor, amor de doação, incluindo-se a sexualidade. [....]

   É preciso que além de uma sólida base filosófica de valores exista a parceria com os pais. Cabe aos pais dar um conjunto de valores sólidos, ensinados por palavras e exemplos.

   O mundo virou uma grande feira de sexo, com explosão de adultério, divórcio, Aids e outras doenças sexualmente transmissíveis, aborto, prostituição, pornografia, estupro, perversão e gravidez na adolescência. O fortalecimento da autoridade dos pais, conferida por Deus e alimentada pela experiência, é uma exigência urgente que pode reverter esse quadro.

   Um programa de educação sexual nos moldes pretendidos não trará benefício algum, pelo contrário, irá exacerbar a já muito forte sexualidade dos jovens e direcioná-la para fins não legítimos. E qual é a solução? Certamente não será um programa de educação sexual visando à prevenção de doenças ou de gravidez como está sendo pretendido.

   Um programa de educação sexual encontra a sua essência na proposta de vida regida pela castidade. Não tenhamos medo desta palavra. Educar para o amor é educar para a castidade, solução para uma vida de amor pleno. Praticar sexo seguro é esperar até o casamento, e viver o casamento na fidelidade. Por isso o valor da castidade nos planos religioso e psicológico deve ser ensinado aos jovens. Todo projeto de educação sexual deve ter como núcleo a castidade, enfatizada na sua relação com o amor e apresentada em seu significado mais profundo.

899. O título do texto, um sentido para a educação sexual, refere-se a(o):

A) novo posicionamento da autora do texto diante da educação sexual presente nos currículos das escolas;

B) novo direcionamento da educação sexual dirigido ao combate à gravidez precoce e à Aids;

C) orientação de educação sexual preferencialmente regida por valores médicos;

D) condução da educação sexual nas escolas com a ajuda das palavras e exemplos dos pais e mestres;

E)moderna concepção de educação sexual, apoiada na castidade, fidelidade matrimonial, uso de preservativos e prevenção da Aids.

900. ''A proposta de educação sexual nos currículos da escola de ensino médio é uma idéia que surge mais fortemente agora no Brasil.''; o que NÃO se pode inferir desse segmento do texto é que:

A) a mesma idéia já surgiu anteriormente no Brasil;

B) a educação sexual já foi implantada fora do ensino médio;

C) a educação sexual referida ainda não foi implantada;

D) a proposta de educação sexual é recente considerada a data de publicação do texto;

E) a educação sexual referida tem por objetivo os jovens.

901. ''Um dos argumentos a favor da implantação sexual nas escolas é o grande número de gestações na adolescência e o problema da Aids.''; daí se pode dizer que:

A) se não houvesse grande número de gestações na adolescência e preocupações com a Aids, a educação sexual não seria implantada;

B) o grande número de gestações na adolescência tem íntimas relações com o problema da Aids;

C) o fundamento da implantação da educação sexual é de base moral;

D) apesar da implantação da educação sexual, a Aids e as gestações na adolescência continuarão preocupando;

E) a preocupação demonstrada pelos autores da proposta se centraliza na saúde do adolescente.

902. No terceiro parágrafo do texto, a educação sexual referida na primeira linha é:

A) a que já foi anteriormente implantada no Brasil;

B) a que está sendo implantada no Brasil;

C) a que foi implantada nos Estados Unidos e anteriormente implantada no Brasil;

D) a que foi implantada nos Estados Unidos e recentemente implantada no Brasil;

E) a que foi implantada nos Estados Unidos.

903. Os argumentos da autora do texto a favor de uma nova educação sexual têm base prioritariamente:

A) religiosa;

B) econômica;

C) política;

D) médica;

E) higiênica.

904. Entre os elementos que caracterizam a ''feira do sexo'' citada pela autora, os que caracterizam, respectivamente, problema prioritariamente legal, médico e social são:

A) adultério / estupro / divórcio;

B) prostituição / Aids / divórcio;

C) estupro / aborto / Aids;

D) aborto / prostituição / pornografia;

E) perversão / doenças / estupro.

905. ''O mundo virou uma grande feira de sexo,...''; a comparação entre o mundo e uma feira, levando-se em conta o que é dito no texto logo a seguir, se apóia no(na):

A) variedade;

B) comercialização;

C) popularismo;

D) facilidade;

E) ilegalidade.

906. A ''contracepção'' citada na última linha do terceiro parágrafo refere-se a:

A) métodos para evitar a fecundação;

B) processos abortivos;

C) técnicas médicas de controle da libido;

D) sistema de proteção a adolescentes grávidas;

E) tratamento de combate a doenças sexuais.

907. ''É preciso que além de uma sólida base filosófica de valores exista a parceria com os pais.''; a presença da locução ALÉM DE nesse segmento do texto faz supor o aparecimento futuro de:

A) uma ratificação do que foi dito;

B) um termo de maior importância que o anterior;

C) um acréscimo de um novo elemento;

D) a explicação de um segmento anterior;

E) a complementação de algo inacabado.

908. ''...e direcioná-la para fins não legítimos.''; segundo a autora, seria um fim não legítimo da sexualidade dos jovens o(a):

A) divórcio;

B) Aids;

C) castidade;

D) fidelidade;

E) estupro.

TEXTO.

   Não há, no universo, duas coisas iguais. Muitas se parecem umas às outras. Mas todas entre si diversificam. Os ramos de uma só árvore, as folhas da mesma planta, os traços da polpa de um dedo humano, as gotas do mesmo fluido, os argueiros do mesmo pó, as raias do espectro de um só raio solar ou estelar.

   A regra da igualdade não consiste senão em quinhoar desigualmente os desiguais, na medida em que se desigualam. Nesta desigualdade social, proporcionada à desigualdade natural é que se acha a verdadeira lei da igualdade. O mais são desvarios da inveja, do orgulho ou da loucura. Tratar com desigualdade a iguais, ou a desiguais com igualdade, seria desigualdade flagrante, e não igualdade real. Os apetites humanos conceberam inverter a norma universal da criação, pretendendo não dar a cada um na razão do que vale, mas atribuir o mesmo a todos, como se todos se equivalessem.

   Esta blasfêmia contra a razão e a fé, contra a civilização e a humanidade, é a filosofia da miséria, proclamada em nome dos direitos do trabalho; e, executada, não faria senão inaugurar, em vez da supremacia do trabalho, a organização da miséria.

   Mas, se a sociedade não pode igualar os que a natureza criou desiguais, cada um, nos limites da sua energia moral, pode reagir sobre as desigualdades nativas, pela educação, atividade e perseverança. Tal a missão do trabalho.

909. No texto, predomina o uso de verbos no presente do indicativo. Esse fato realça a intenção de:

A) dar universalidade às afirmações;

B) sugerir que as observações são corretas;

C) mostrar que o enunciador do discurso está atualizado;

D) manter o clima da cena.

910. Basicamente, o texto interpreta e analisa dados da realidade por meio de:

A) aspectos simultâneos de um objeto;

B) mudanças de estado das personagens;

C) conceitos abstratos;

D) ações progressivas.

911. No texto, o enunciador não se destaca porque pretende:

A) ocultar a sua opinião;

B) neutralizar as informações;

C) enfatizar as idéias expostas;

D) diluir o impacto da sua opinião.

912. Quando o autor declara: ''O mais são desvarios da inveja, do orgulho ou da loucura'', visa a:

A) ampliar a argumentação;

B) restringir a validade dos seus argumentos;

C) dar consistência à argumentação;

D) desacreditar opiniões contrárias às suas.

913. O texto declara que, em relação à regra de igualdade social, a verdadeira igualdade consiste em:

A) dar diferentemente a iguais entre si;

B) dar a cada um na razão do que vale;

C) dar igualmente aos diferentes entre si;

D) dar igualmente a todos.

914. Segundo o texto, a impotência da sociedade para compensar as diferenças naturais pode ser suprida:

A) pela ação do direito;

B) pela distribuição de bens;

C) pela ambição pessoal;

D) pelo trabalho de cada um.

915. A frase entre: ''Os ramos de uma só árvore...'' até ''...de um só raio solar ou estelar.'' não apresenta verbo explícito. Qual destes verbos se aplicaria coerentemente ao espírito do texto?

A) diferem;

B) se igualam;

C) se parecem;

D) provêm.

916. Assinale a alternativa em que todas as palavras estão corretamente grafadas.

A) extinção, anteontem, beneficiente;

B) crâneo, esquisito, conseqüência;

C) despender, engolir, quesito;

D) tijela, meretíssimo, extorsão.

917. Assinale a alternativa em que todas as palavras estão corretamente acentuadas.

A) juízes, propôr, acórdão;

B) ávaro, deságua, caráter;

C) papéis, hífen, debênture;

D) polícia, gratuíto, saúva.

918. Assinale a frase correta quanto ao uso do verbo ''haver''.

A) Não haverão, no universo, duas coisas iguais.

B) Não havia, no universo, duas coisas iguais.

C) Não haviam, no universo, duas coisas iguais.

D) Não haveriam, no universo, duas coisas iguais.

TEXTO.

EUGÊNIO.

   Atravessou o pátio interno da fábrica. Os grandes pavilhões de concreto pareciam estremecer ao ritmo das máquinas. Eugênio ouviu aquela pulsação surda que lhe sugeria o bater dum enorme coração subterrâneo. Ela lhe dava uma vaga angústia, causava-lhe um indefinível temor: dir-se-ia a aflição dum homem que sente no subsolo o agitar-se duma sub-humanidade que trabalha com silenciosos propósitos de destruição. O atroar das máquinas era um ruído ameaçador.

   O escritório lhe pareceu mais frio e convencional que nos outros dias. Sentou-se à mesa, abriu uma das gavetas, remexeu nos papéis... Não encontrando os que procurava, chamou a secretária, uma rapariga magra de ar cansado

   - Boa tarde, D. Ilsa. Alguém me procurou?

   - Não senhor, ninguém.

   - Onde estão aquelas folhas que vão para o Ministério do Trabalho?

   - Na gaveta do centro.

   Tornou a abrir a gaveta e encontrou os papéis.

   - Tem razão, cá estão eles.

   Pô-los em cima da mesa, tomou da caneta.

   - A senhora anda muito pálida e com jeito de cansada. Por que não tira umas férias?

   Assinava os papéis automaticamente, sem revisá-los. Sentia agora um interesse fraternal pela secretária. A criatura tinha um jeito encolhido de passarito doente.

   - E a dor nas costas... ainda não passou?

   - Às vezes, quando me deito, ela vem.

   - Deve ser da posição em que fica quando escreve à máquina. Precisa cuidar-se D. Ilsa.

   A moça sorria, meio constrangida.

   Eugênio se perguntava a si mesmo por que era que de repente se fazia assim tão solícito, tão atencioso, como um irmão mais velho. Concluiu que era porque tinha pena da moça: pena de todos os que sofriam. Por um breve instante se sentiu reconciliado consigo mesmo. Entretanto seu eu puro e implacável lhe cochichou que se ele se mostrava assim tão fraternal para com a secretária e para com os outros empregados da fábrica era para com essa atitude comprar a cumplicidade, a boa vontade e a simpatia deles. Porque todos ou Quase todos sabiam da sua situação de inferioridade naquela firma. Não passava dum manequim, dum autômato que assinava papéis preparados pelos que realmente entendiam do negócio, pelos que trabalhavam de verdade mas que no entanto, em questões de ordenado, se achavam muito abaixo dele. Aquela gente sabia que ele ali era apenas o marido da filha do patrão.

919. O ritmo das máquinas, para o narrador, de acordo com o texto, era:

A) um desafio à sua compreensão.

B) um ruído ameaçador.

C) um agito no subsolo.

D) como se uma parede de concreto estivesse caindo.

E) um fator psicológico que lhe causava muita angústia.

920. No diálogo entre Eugênio e a secretária D. Ilsa, esta responde:

A) quatro vezes.

B) duas vezes.

C) três vezes.

D) cinco vezes.

E) seis vezes.

921. Das características abaixo, uma NÃO corresponde à secretária. Assinale-a.

A) Pálida e com jeito de cansada.

B) Com dor nas costas.

C) Jeito encolhido de passarito doente.

D) Procurava comprar tolerância.

E) Rapariga magra de ar cansado.

922. O último parágrafo do texto permite afirmar que:

A) Eugênio executava o seu trabalho conforme a vontade de sua esposa.

B) a questão salarial é que determinou a ascensão de Eugênio à chefia, em detrimento dos demais administradores.

C) ao procurar comprar a cumplicidade e a boa vontade dos empregados da firma, Eugênio seria reconhecido como administrador de empresa.

D) ser solícito, atencioso e simpático são instrumentos que devem ser utilizados por todos os empresários em situação idêntica à de Eugênio.

E) tanto os empregados da firma quanto ele (Eugênio) estavam conscientes da situação patética dele na fábrica.

923. Considerando as regras de acentuação gráfica, assinale a alternativa CORRETA.

A) Quando está acompanhado da garota, ele nunca pára o carro na sinaleira.

B) Todos tem ataque de nervos quando vêem os barulhentos de sempre.

C) Após o susto, ele disse: ''- Não quero por a mão naquilo outra vez.''

D) Os fabricantes de remédios falsos vem causando sérios problemas à população brasileira.

E) Neste ano, no plêito de outubro, escolheremos o novo Governador do Estado.

924. Assinale a alternativa em que a palavra em destaque foi empregada CORRETAMENTE.

A) Esse diálogo foi mau interpretado pelos jornalistas presentes.

B) Hoje, estou a fim de acertar todas as questões desta prova.

C) No domingo passado fui ao jogo de futebol aonde me diverti muito.

D) Infelizmente, deixarei a minha terra, mais um dia voltarei.

E) Algumas reinvindicações nunca foram atendidas por quem de direito.

925. Quanto à concordância verbal, assinale a alternativa CORRETA.

A) Nunca houveram tantas obras na cidade como agora.

B) Aluga-se cobertores para as noites mais frias do ano.

C) Ao consultar o relógio, disse: ''- Meu Deus, já é onze horas''.

D) Falharam a previsão e os resultados obtidos na corrida de ontem.

E) Já fazem dias que a notícia foi divulgada pela imprensa.

926. Assinale a alternativa INCORRETA quanto ao emprego da crase.

A) Sentou-se à mesa, abriu uma das gavetas, remexeu papéis...

B) Perfuraram-se vários lugares, à procura de alguma jazida de pedras preciosas.

C) Mesmo estando muito cansado, levantou-se às 8 e 15 para participar do evento.

D) Sua jaqueta de couro é semelhante à que comprei numa loja do shopping.

E) Viajava semanalmente à Brasília para conseguir recursos federais.

927. Assinale a alternativa cuja forma verbal preenche CORRETAMENTE a frase abaixo.

Ele ......... numa questão difícil de ser resolvida e ....... seus bens graças ao bom senso do mediador.

A) interveio – reouve. 

B) interveio – reaveu.

C) interviu – reaveu.

D) interviu – reouve.

E) interviu – reaverá.

928. Complete os espaços da frase abaixo com UMA das alternativas indicadas.

......... a entrada de pessoas estranhas no recinto. No entanto, uma vez lá dentro, o ambiente, que.............. pela .............. das pessoas, é muito agradável.

A) É proibido - caracteriza-se – expontaneidade.

B) É proibida - se caracteriza – expontaneidade.

C)É proibido - se caracteriza – espontaneidade.

D) É proibido - caracteriza-se – espontaneidade.

E) É proibida - se caracteriza – espontaneidade.

TEXTO.

   As condições em que vivem os presos, em nossos cárceres superlotados, deveriam assustar todos os que planejam se tornar delinqüentes. Mas a criminalidade só vem aumentando, causando medo e perplexidade na população.

   Muitas vozes têm se levantado em favor do endurecimento das penas, da manutenção ou ampliação da Lei dos Crimes Hediondos, da defesa da sociedade contra o crime, enfim, do que se convencionou chamar ''doutrina da lei e da ordem'', apostando em tais caminhos como forma de dissuadir novas práticas criminosas. Geralmente valem-se de argumentos retóricos e emocionais, raramente escorados em dados de realidade ou em estudos que apontem ser esse o melhor caminho a seguir. Embora sedutora e aparentemente sintonizada com o sentimento geral de indignação, tal corrente aponta para o caminho errado, para o retorno ao direito penal vingativo e irracional, tão combatido pelo iluminismo jurídico.

   O coro dessas vozes aumenta exatamente quando o governo acaba de encaminhar ao Congresso o anteprojeto do Código Penal, elaborado por renomados juristas, com participação da sociedade organizada, com o objetivo de racionalizar as penas, reservando a privação da liberdade somente aos que cometerem crimes mais graves e, mesmo para esses, tendo sempre em vista mecanismos de reintegração social. Destaca-se o emprego das penas alternativas, como a prestação de serviços à comunidade, a compensação por danos causados, a restrição de direitos etc.

   Contra a idéia de que o bandido é um facínora que optou por atacar a sociedade, prevalece a noção de que são as vergonhosas condições sociais e econômicas do Brasil que geram a criminalidade; enquanto essas não mudarem, não há mágica: os crimes vão continuar aumentando, a despeito do maior rigor nas penas ou da multiplicação de presídios.

929. O autor do texto mostra-se:

A) identificado com o coro das vozes que se levantam em favor da aplicação de penas mais rigorosas.

B) identificado com doutrina que se convencionou chamar ''da lei e da ordem''.

C) contrário àqueles que encontram nas causas sociais e econômicas a razão maior das práticas criminosas.

D) contrário à corrente dos que defendem, entre outras medidas, a ampliação da Lei dos Crimes Hediondos.

E) contrário àqueles que defendem o emprego das penas alternativas em substituição à privação da liberdade.

930. Considere as seguintes afirmações:

I. Não é mais do que uma simples coincidência o fato de que a intensificação das vozes favoráveis ao endurecimento das penas ocorre simultaneamente ao envio ao Congresso do anteprojeto do Código Penal.

II. A afirmação de que há vozes em favor da manutenção da Lei dos Crimes Hediondos deixa implícito que a vigência futura dessa lei está ameaçada.

III. Estabelece-se uma franca oposição entre os que defendem a ''doutrina da lei e da ordem'' e os que julgam ser o bandido um facínora que age por opção.

Em relação ao texto, está correto SOMENTE o que se afirma em

A) I.

B) II.

C) III.

D) I e II.

E) II e III.

931. Está corretamente traduzido o sentido de uma expressão do texto, considerando-se o contexto, em:

A) Embora sedutora e aparentemente sintonizada = Malgrado atrativa e parcialmente sincronizada.

B) forma de dissuadir = modo de ratificar.

C) tão combatido pelo iluminismo jurídico = de tal modo restringido pelo irracionalismo jurídico.

D) a despeito do maior rigor nas penas = em conformidade com o agravamento das punições.

E) mecanismos de reintegração social = meios para reinserção na sociedade.

932. Por ''iluminismo jurídico'' deve-se entender a:

A) doutrina jurídica que defende o caráter vindicativo da legislação.

B) corrente dos juristas que representam a ''doutrina da lei e da ordem''.

C) tradição jurídica assentada em fundamentos criteriosos e racionalistas.

D) doutrina jurídica que se vale de uma argumentação retórica.

E) corrente dos juristas que se identificam com o sentimento geral de indignação.

933. Está correta a grafia de todas as palavras em:

A) A reivindicada exumação da vítima sequer foi analisada pelo magistrado.

B) Sem maiores preambulos, pôs-se a vosciferar injúrias contra o indefeso escrivão.

C) Obsecado pelo cumprimento das leis, é incapaz de considerar a falibilidade da justiça.

D) A neglijência na aplicação da lei ocorre em relação aos previlegiados de sempre.

E) A impunidade dos ricos é insultosa diante da rigidez consernente aos pobres.

934. Quanto ao emprego de abreviaturas e de maiúsculas, está inteiramente correta a frase:

A) Não se entende que a Comp. que fornece eletricidade aumente sem aviso as txs. de seus serviços.

B) Não cabe ao estado agir como uma s/a, mas como a principal Instância de representação dos interesses públicos.

C) Abriram-se vagas no Minis. público, em obediência à determinação da Procur. Estadual.

D) A Medicina e a Matemática desenvolveram-se bastante na antiga U.R.S.S.

E) Na intr. de seu livro, o eminente Autor valeu-se de uma citação Horaciana.

935. A partição silábica ocorre de modo correto em todas as seguintes palavras:

A) ADJUN-ÇÃO; MIS-CE-LÂ-NE-A; OBS-TRU-CI-O-NIS-MO.

B) SOR-RI-A; CO-O-PE-RAR; HE-RO-ÍS-MO.

C) PERS-PI-CÁ-CI-A; DI-SSÍ-DIO; RÍ-TMI-CO.

D) DIS-PERS-ÃO; IG-NÓ-BIL; VA-LEN-TIA.

E) RE-PU-GNÂN-CI-A; FLU-Í-DO; CIR-CUI-TO.

936. Está correto e coerente o emprego do termo sublinhado no contexto da frase:

A) Se o piloto não ratificar a trajetória do vôo, haverá uma colisão.

B) Diz-se que é inamovível a pessoa que pouco ou nunca se emociona.

C) Diz-se que é um criminoso contumaz quando ele modifica seus costumes.

D) Ele é indolente, não hesita em despender esforços na realização de suas tarefas.

E) Em vez de reiterar seu julgamento, preferiu retificá-lo.

937. Quanto ao emprego dos numerais, a frase inteiramente correta é:

A) A Independência do Brasil ocorreu na terceira década do século XVIII.

B) Vovó morreu logo depois de completar seu nongen-tésimo aniversário.

C) Pouco antes das doze, na undécima hora, ele desistiu da compra.

D) Como são seis os herdeiros, caberá a cada um o sêxtuplo das ações.

E) Ele inverteu a ordem correta dos capítulos, colocando o LXIV depois do LXIII.

938. Quanto ao emprego da forma sublinhada, está correta a frase:

A) A razão porque ele se absteve compete a ele esclarecer.

B) Sem mais nem porque, ele resolveu nos deixar.

C) Recusou-se a nos esclarecer o por quê da sua decisão.

D) Que ele renunciou, todo mundo sabe, mas ninguém sabe por quê.

E) Ele se limita a responder apenas: - Por que sim...

TEXTO.

UM PÉ DE MILHO.

   Os americanos, através do radar, entraram em contato com a Lua, o que não deixa de ser emocionante. Mas o fato mais importante da semana aconteceu com o meu pé de milho.

   Aconteceu que, no meu quintal, em um monte de terra trazida pelo jardineiro, nasceu alguma coisa que podia ser um pé de capim - mas descobri que era um pé de milho. Transplantei-o para o exíguo canteiro da casa. Secaram as pequenas folhas; pensei que fosse morrer. Mas ele reagiu. Quando estava do tamanho de um palmo, veio um amigo e declarou desdenhosamente que aquilo era capim. Quando estava com dois palmos, veio um outro amigo e afirmou que era cana.

   Sou um ignorante, um pobre homem da cidade. Mas eu tinha razão. Ele cresceu, está com dois metros, lança suas folhas além do muro e é um esplêndido pé de milho. Já viu o leitor um pé de milho? Eu nunca tinha visto. Tinha visto centenas de milharais - mas é diferente.

   Um pé de milho sozinho, em um canteiro espremido, junto do portão, numa esquina de rua - não é um número numa lavoura, é um ser vivo e independente. Suas raízes roxas se agarram no chão e suas folhas longas e verdes nunca estão imóveis. Detesto comparações surrealistas - mas na lógica de seu crescimento, tal como vi numa noite de luar, o pé de milho parecia um cavalo empinado, de crinas ao vento e em outra madrugada, parecia um galo cantando.

   Anteontem aconteceu o que era inevitável, mas que nos encantou como se fosse inesperado: meu pé de milho pendoou. Há muitas flores lindas no mundo, e a flor de milho não será a mais linda. Mas aquele pendão firme, vertical, beijado pelo vento do mar, veio enriquecer nosso canteirinho vulgar com uma força e uma alegria que me fazem bem. É alguma coisa que se afirma com ímpeto e certeza. Meu pé de milho é um belo gesto da terra. Eu não sou mais um medíocre homem que vive atrás de uma chata máquina de escrever: sou um rico lavrador da rua Júlio de Castilhos.

939. A expressão sublinhada no segmento ''Os americanos, através do radar...'', indica:

A) lugar;

B) instrumento;

C) meio;

D) causa;

E) condição.

940. A crônica acima foi escrita há mais de vinte anos por Rubem Braga; o segmento do texto que mostra sua não-atualidade é:

A) ''Os americanos, através do radar, entraram em contato com a Lua,...'';

B) ''...sou um rico lavrador da Rua Júlio de Castilhos'';

C) ''Anteontem aconteceu o que era inevitável...'';

D) ''Sou um ignorante, um pobre homem da cidade'';

E) ''Detesto comparações surrealistas...''.

941. Entre os dois períodos do primeiro parágrafo do texto, a oposição mais importante para o próprio texto é:

A) estrangeiros X brasileiros;

B) emocionante X frio;

C) universal X particular;

D) cósmico X terrestre;

E) tecnológico X rudimentar.

942. ''...nasceu alguma coisa que podia ser um pé de capim...'', ''...e declarou desdenhosamente que aquilo era capim.''; os dois elementos sublinhados no texto indicam, respectivamente:

A) desprezo / desconhecimento;

B) desconhecimento / desprezo;

C) desconhecimento / desconhecimento;

D) desprezo / desprezo;

E) afetividade / menosprezo.

943. O motivo que levou o autor a escrever a crônica foi:

A) os americanos terem estabelecido comunicação com a lua;

B) ter nascido um pé de milho em seu canteiro;

C) o pé de milho de seu canteiro ter pendoado;

D) o pé de milho de seu canteiro ter conseguido sobreviver ao transplante;

E) ter sido confirmada a sua opinião de que o que nascia era um pé de milho.

944. ''...não é um número numa lavoura, é um ser vivo e independente''; o segmento que confirma o que está sublinhado é:

A) ''Suas raízes roxas se agarram no chão...'';

B) ''...suas folhas longas e verdes nunca estão imóveis'';

C) ''...meu pé de milho pendoou'';

D) ''Meu pé de milho é um belo gesto da terra'';

E) ''...afirmou que era cana''.

945. Considerando o segundo e o terceiro parágrafos do texto, o segmento que pode ser considerado uma interrupção da narrativa é:

A) ''Quando estava com dois palmos, veio outro amigo e afirmou que era cana'';

B) ''-mas descobri que era um pé de milho'';

C) ''Mas ele reagiu'';

D) ''Sou um ignorante, um pobre homem da cidade'';

E) ''Ele cresceu, está com dois metros...''.

946. A substituição correta do termo sublinhado por um sinônimo está em:

A) ''Transplantei-o para o exíguo canteiro...'' = raso;

B) ''...e declarou desdenhosamente que aquilo era capim'' = depreciativamente;

C) ''...veio enriquecer o nosso canteirinho vulgar...'' = popular;

D) ''Anteontem aconteceu o que era inevitável...'' = imprevisível;

E) ''...que se afirma com ímpeto e certeza'' = velocidade.

947. A substituição da expressão sublinhada por um só termo é INADEQUADA em:

A) ''Sou um ignorante, um pobre homem da cidade'' = urbano;

B) ''...tal como vi numa noite de luar...'' = enluarada;

C) ''...beijado pelo vento do mar...'' = marinho;

D) ''...exíguo canteiro da casa.'' = doméstico;

E) ''...é um belo gesto da terra.'' = terrestre.

948. Em todos os segmentos abaixo há um sintagma construído por um substantivo + adjetivo (ou vice-versa); o sintagma em que a troca de posições entre esses vocábulos pode trazer mudança de sentido é:

A) ''Transplantei-o para o exíguo canteiro da casa'';

B) ''Secaram as pequenas folhas'';

C) ''Sou um ignorante, um pobre homem da cidade'';

D) ''...e é um esplêndido pé de milho'';

E) ''...em um canteiro espremido...''.

TEXTO.

A MARCA DA MORTE NOS CIGARROS.

   A partir de 1º. de fevereiro, começa a circular no Brasil a nova safra de maços de cigarros impressos de acordo com a resolução da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A regra diz que as sessenta marcas vendidas no país devem estampar no verso da embalagem uma entre nove imagens associadas aos malefícios do cigarro. A iniciativa foi copiada de uma experiência bem-sucedida no Canadá. Com imagens explícitas, agressivas até - uma boca com dentes podres e a gengiva inflamada, um coração infartado ou um cérebro com as artérias estouradas - a campanha do Canadá provocou uma primeira reação negativa da sociedade, principalmente entre os não-tabagistas. É que muita gente não queria ser obrigada a conviver com as cenas repugnantes. O saldo final, no entanto, foi ótimo. Uma pesquisa realizada pela Sociedade Canadense do Câncer, com mais de 2000 pessoas, revela que a contrapropaganda surtiu efeitos positivos. Por causa das ilustrações, cerca de 45% dos fumantes ficaram motivados a abandonar o cigarro.

949. O título do texto se justifica porque:

A) o vício do fumo provoca doença em milhares de pessoas;

B) a maioria dos fumantes não sabe os riscos que corre;

C) as embalagens de cigarro vão aludir aos males que provoca;

D) fabricantes vão esconder dos fumantes os riscos que correm;

E) o vício do fumo está aumentando os óbitos por câncer.

950. ''...começa a circular a nova safra de maços de cigarros...''; a palavra safra aparece deslocada, já que se refere comumente a:

A) produtos vegetais e vinhos;

B) bebidas em geral e frutos;

C) produtos vegetais e bebidas em geral;

D) alimentos e produtos de exportação;

E) vinhos e produtos de exportação.

951. O fato de virem impressas cenas agressivas nos maços de cigarros:

A) é fruto de iniciativa dos próprios fabricantes;

B) é uma exigência dos não-fumantes;

C) é resultante de uma imposição legal;

D) mostra a força dos consumidores sobre a indústria;

E) demonstra a preocupação dos fabricantes com a saúde.

952. O fato de vir por extenso a denominação ''Agência Nacional de Vigilância Sanitária'' em lugar da forma abreviada ANVS, mostra que:

A) o texto 1 não pretende apresentar-se em forma resumida;

B) em textos informativos não se usam abreviaturas;

C) o público a que se dirige o texto não é da classe culta;

D) o texto pretende enfatizar o poder legal;

E) para o jornalista, nem sempre as abreviaturas são claras.

953. A resolução da ANVS e o texto-imagem dos maços de cigarros são respectivamente representantes de textos dos tipos: 

A) didático/informativo;

B) informativo/normativo;

C) normativo/publicitário;

D) publicitário/expressivo;

E) expressivo/didático.

954. As fotos presentes nos maços de cigarros apelam, a fim de convencerem o público, para a:

A) sedução;

B) provocação;

C) coação;

D) intimidação;

E) tentação.

955. ''A regra diz que as sessenta marcas vendidas no país devem estampar no verso da embalagem uma entre nove imagens associadas aos malefícios do cigarro''; o comentário INCORRETO sobre esse segmento do texto 1 é:

A) a regra aludida se refere à resolução da ANVS;

B) todas as marcas vendidas no país estão sujeitas à lei;

C) serão nove as imagens possivelmente veiculadas pelos maços;

D) todas as imagens são mensagens contrárias ao fumo;

E) os maços devem selecionar somente as imagens negativas.

956. ''A iniciativa foi copiada de uma experiência bem-sucedida no Canadá.''; em outras palavras, pode-se afirmar que:

A) a iniciativa do Canadá foi bem-sucedida porque foi copiada;

B) embora a iniciativa do Canadá tenha sido bem-sucedida, ela foi copiada no Brasil;

C) se a iniciativa do Canadá for bem-sucedida, ela será copiada no Brasil;

D) para que a iniciativa do Canadá seja bem-sucedida, ela vai ser copiada no Brasil;

E) já que a iniciativa do Canadá foi bem-sucedida, ela foi copiada no Brasil.

957. ''Com imagens explícitas, agressivas até...''; entre os adjetivos explícitas e agressivas há um aumento de intensidade, que também ocorre em:

A) Com belas imagens, bonitas...;

B) Com idéias ultrapassadas, antiquadas...;

C) Com cenas movimentadas, dinâmicas...;

D) Com conceitos antigos, remotos...;

E) Com medos eternos, permanentes...

958. Os dentes podres, a gengiva inflamada, o coração infartado, as artérias estouradas de um cérebro são, respectivamente, para fumantes e não-tabagistas:

A) intimidadoras e sedutoras;

B) atemorizadoras e repugnantes;

C) constrangedoras e nocivas;

D) repugnantes e atemorizadoras;

E) nocivas e alarmantes.

TEXTO.

A CIÊNCIA.

   I - A ciência permanecerá sempre a satisfação do desejo mais alto da nossa natureza, a curiosidade; ela fornecerá sempre ao homem o único meio que ele possui para melhorar a própria sorte.

   II - A ciência, que devia ter por fim o bem da humanidade, infelizmente concorre na obra de destruição e inventa constantemente novos meios de matar o maior número de homens no tempo mais curto.

   III - Faz-se ciência com fatos, como se faz uma casa com pedras; mas uma acumulação de fatos não é uma ciência, assim como um montão de pedras não é uma casa.

959. A(s) opinião(ões) que traduz(em) uma visão negativa da ciência é(são):

A) I;

B) II;

C) III;

D) I, II;

E) II, III.

960. Segundo o segmento I, a curiosidade é:

A) a satisfação de nosso desejo;

B) o caminho de melhorar a própria sorte;

C) o único meio de obter satisfação;

D) o desejo mais alto da nossa natureza;

E) sinônimo da própria ciência.

961. O ''desejo mais alto'', citado no segmento I significa o desejo:

A) mais contido;

B) mais difícil;

C) mais problemático;

D) mais intenso;

E) mais espiritual.

962. O emprego do futuro do presente do indicativo no segmento I significa:

A) certeza dos fatos futuros;

B) possibilidade de fatos futuros;

C) incerteza dos fatos futuros;

D) dúvida sobre os fatos futuros;

E) desejo do autor sobre os fatos futuros.

963. ''...para melhorar a própria sorte.''; o vocábulo sorte, nesse segmento, eqüivale semanticamente a:

A) futuro;

B) felicidade;

C) infortúnio;

D) horóscopo;

E) destino.

964. No segmento II, o uso do pretérito imperfeito do indicativo em ''...devia ter por fim o bem da humanidade...'', significa que:

A) a finalidade da ciência está equivocada;

B) o ideal da ciência, no passado, era o bem da humanidade;

C) a realidade é diferente da finalidade ideal da ciência;

D) a realidade confirma o ideal científico;

E) sob certas condições a ciência atinge o seu ideal.

965. ''...infelizmente concorre na obra de destruição...''; nesse segmento, o verbo concorrer eqüivale semanticamente a:

A) compete;

B) rivaliza;

C) prejudica;

D) colabora;

E) combate.

966. ''...bem da humanidade...'', ''...obra de destruição...'', ''...novos meios de matar...''; as expressões sublinhadas são respectivamente correspondentes a:

A) humano, destrutiva, mortíferos;

B) humanitário, destruidora, homicidas;

C) humanista, destrutiva, assassinos;

D) humano, destruidora, violentos;

E) humanitário, destruidora, mortais.

967. Vocábulos que no segmento II mostram a opinião do autor do texto sobre o conteúdo veiculado é:

A) infelizmente/devia;

B) constantemente/infelizmente;

C) por fim/devia;

D) destruição/ciência;

E) constantemente/destruição.

968. ''...matar o maior número de homens no tempo mais curto'' , como aparece no segmento II, demonstra:

A) violência inútil;

B) crueldade necessária;

C) qualidade suprema;

D) eficácia positiva;

E) eficiência mórbida.

TEXTO.

TRINTA ANOS DE UMA FRASE INFELIZ.

   Ele não podia ter arrumado outra frase? Vá lá que haja perpetrado grande feito indo à Lua, embora tal empreendimento soe hoje exótico como uma viagem de Gulliver. Mas Neil Armstrong, o primeiro astronauta a pisar na Lua, precisava ter dito: ''Este é um passo pequeno para um homem, mas um salto gigantesco para a humanidade''? Não podia ter se contentado com algo mais natural (''Quanta poeira'', por exemplo), menos pedante (''Quem diria, conseguimos''), mais útil como informação (''Andar aqui é fácil/difícil/gostoso/dói a perna'') ou mais realista (''Estou preocupado com a volta'')?

   Não podia. Convencionou-se que eventos solenes pedem frases solenes. Era preciso forjar para a ocasião uma frase ''histórica''. Não histórica no sentido de que fica guardada para a posteridade _______ a posteridade guarda também frases debochadas, como ''Se eles não têm pão, comam brioches''. Histórica, no caso, equivale à frase edificante. É a história em sua versão, velhusca e fraudulenta, de ''Mestra da Vida'', a História rebaixada a ramo da educação moral e cívica. À luz desse entendimento do que é ''histórico'', Armstrong escolheu sua frase.

   Armstrong teve tanto tempo para pensar, no longo período de preparativos, ou outros tiveram tempo de pensar por ele, no caso de a frase lhe ter sido oferecida de bandeja, junto com a roupa e os instrumentos para a missão, e foi sair-se com um exemplar do primeiro gênero. Se era para dizer algo bonito, por que não recitou Shakespeare? Se queria algo inteligente, por que não encomendou a Gore Vidal ou Woody Allen?

969. O tema central do texto é:

A) a indignação pelos poucos dados enviados sobre a aventura da ida do homem à Lua.

B) a narrativa da aventura do primeiro homem a pisar na Lua.

C) a importância do acontecimento do homem ter chegado à Lua.

D) a discordância com respeito a frase escolhida para um momento grandioso.

E) o impacto da frase dita no momento em que o homem pisou na lua.

970. A propósito do texto, o autor classifica a frase de Armstrong como infeliz, porque:

A) apesar de ter sido edificante, a frase não foi humilde.

B) apesar de ter sido bonita, a frase foi superficial.

C) apesar de ter ficado para a posteridade, a frase foi superficial, pedante, inútil e irreal.

D) apesar de ter sido solene, a frase foi exótica.

E) apesar de ter sido inteligente, a frase não foi edificante.

971. ''... embora tal empreendimento soe hoje exótico como uma viagem de Gulliver.'' O autor do texto expressa:

A) certa decepção, com o passar dos anos, quanto à ida do homem à Lua.

B) a importância capital que teve o evento para a humanidade.

C) o encantamento com que a ida do homem à Lua é vista até hoje.

D) a necessidade de que o homem volte à Lua.

E) Certa incredulidade quanto à ida do homem à Lua.

972. Para Roberto Pompeu de Toledo, a frase em apreço deveu-se ao fato de que:

A) o astronauta recebeu a frase já pronta, junto com a roupa e os instrumentos para a missão.

B) Armstrong não teve tempo para pensar em algo melhor.

C) Armstrong foi motivado pela convenção de que eventos solenes pedem frases solenes.

D) Armstrong quis ser original, não copiando Shakespeare, Gore Vidal e Woody Allen.

E) o astronauta não acreditou no êxito da missão.

973. Na opinião do autor do ensaio:

A) só frases edificantes são históricas.

B) a frase de Armstrong revela uma visão ultrapassada da História.

C) só frases bonitas ou inteligentes são históricas.

D) eventos solenes pedem frases solenes.

E) A frase de Armstrong foi rapidamente esquecida.

974. ''Elegeu-se deputado pelo prestígio''. O termo destacado na oração é classificado sintaticamente como:

A) adjunto adverbial;

B) predicativo do sujeito;

C) objeto direto;

D) aposto;

E) objeto indireto.

975. Indique a alternativa que apresenta oração subordinada substantiva predicativa.

A) É importante que todos compareçam.

B) Quando o professor chegar, começará a aula.

C) Segundo me informaram, acabou a promoção.

D) O importante foi que eles venceram.

E) Faltei a reunião porque chovia demais.

976. A figura de linguagem encontrada na frase ''Com muito suor o funcionário conseguiu a promoção'' é: 

A)catacrese; 

B) prosopopéia;

C) sinestesia; 

D) metonímia; 

E) metáfora; 

977. Qual das alternativas apresenta erro de concordância verbal?

A) Faltaram, naquele dia, oito candidatos.

B) Algum de nós receberam a encomenda.

C) Chegaram o livro e os cadernos.

D) Quinhentos reais é muito.

E) Sou eu quem duvida.

978. Indique a alternativa onde há erro de regência verbal.

A) Chegamos finalmente a Santos.

B) Sua atitude implicará demissão.

C) O vestibulando aspirava a uma classificação melhor.

D) Esqueci-me do seu nome.

E) Você lembra do dia do pagamento?

TEXTO.

O MERCADO MANDA MESMO?

01 Quem se dedicar hoje a ler todos os livros, manuais e artigos sobre o que é ser um ''bom

02 profissional'' certamente vai desistir de tentar qualquer emprego. Em primeiro lugar, as

03 descrições que encontramos são sempre de ''super-homens'', que nunca têm estresse, não

04 se cansam, são capazes de infinitas adaptações, nunca brigam com a família... Ou seja,

05 não é descrição de gente.

06 Em segundo lugar, o conjunto dessas fórmulas é francamente contraditório. O que uns di-

07 zem que é bom outros acham que não. É como se cada autor, cada consultor, cada

08 articulista pegasse uma idéia, transformasse em regra e quisesse aplicá-la a todos os seres

09 humanos, de qualquer sexo e de qualquer cultura.

10 Não é preciso muita sociologia para perceber que esse emaranhado todo, ao pretender indi-

11 car o bom caminho para o profissional, desenha uma espécie de ''tipo ideal'' de trabalhador

12 para as necessidades do mercado. E como o próprio mercado é todo cheio de ambigüidades

13 e necessidades que são contrárias umas às outras, o que sobra para nós é uma grande

14 perplexidade.

15 Então que tal parar um pouco de pensar no mercado e pensar em você mesmo? Qual é o

16 ''algo a mais'' que você, com sua personalidade, suas aptidões, seu jeito de ser, qual é esse

17 ''algo'' que você pode desenvolver? É preciso saber que formação é a mais adequada para

18 você, não a formação mais adequada para o mercado.

19 As diferentes cartilhas, as diversas teorias, as fórmulas mágicas servem apenas para tentar

20 conduzir todo mundo para o mesmo lugar. O desafio é sair desse lugar e se tornar alguém

21 incomum, de acordo com seus desejos e interesses. Então, não será apenas uma questão

22 de ''empregabilidade'', como dizem, mas de vida.

23 Pode até não parecer, mas nós somos seres humanos, com dignidade. No mercado, há

24 obviamente mercadorias, simplesmente com preço. E fazer o melhor por si mesmo, e não

25 pelo mercado, é algo que não tem preço.

979. A principal relação de idéias presente no texto é a oposição entre mercado e:

A) sociedade.

B) emprego.

C) consultores.

D) teorias.

E) indivíduo.

980. A crítica do autor dirige-se às publicações que, para vender a imagem do ''bom profissional'', apresentam orientações:

A) extraordinárias e incoerentes com o mercado.

B) inaceitáveis e muito cheias de regras.

C) extravagantes e indiferentes à cultura de cada um.

D) irrealizáveis e incompatíveis entre si.

E) enganadoras e pouco criativas.

981. Com a expressão ''super-homens'' (linha 03), o autor tem a intenção de:

A) fazer alusão ao potencial extraordinário das pessoas que buscam o constante aperfeiçoamento profissional.

B) ressaltar a admiração que os modelos de profissional apresentados pelos manuais despertam no leitor.

C) evidenciar a distância entre o que se recomenda nos livros e o que, de fato, as pessoas conseguem ser.

D) incitar os futuros profissionais a se equipararem com os heróis modernos.

E) reforçar a necessidade de preparação para que os jovens possam acompanhar, com um mínimo de segurança, os ''vôos'' do mercado. 

982. As expressões abaixo, extraídas do texto, referem-se todas ao conteúdo dos livros, manuais e artigos criticados pelo autor, EXCETO a da alternativa:

A) ''as descrições que encontramos'' (linhas 2, 3).

B) ''o conjunto dessas fórmulas'' (linha 6).

C) ''esse emaranhado todo'' (linha 10).

D) ''uma grande perplexidade'' (linhas 13, 14).

E) ''as diversas teorias'' (linha 19).

983. Para o autor, o mais importante na busca do sucesso profissional é:

A) fazer-se notar pela melhor formação, mesmo pagando caro por isso.

B) descobrir o que há de melhor em si mesmo e nisso investir.

C) esquecer o mercado para dedicar-se a algo mais interessante.

D) sacrificar tudo o que for preciso para conseguir um emprego digno.

E) seguir o que dizem as cartilhas, mas sem abrir mão da dignidade.

984. A alternativa que melhor corresponde ao sentido da palavra ''francamente'' na frase da linha 6 é: 

A) claramente.

B) honestamente.

C) diretamente.

D) cordialmente.

E) espontaneamente.

985. No texto, as palavras ''indicar'' (linhas 10, 11) e ''conduzir'' (linha 20) significam, respectivamente:

A) citar e acompanhar.

B) demonstrar e seguir.

C) expor e transmitir.

D) mencionar e transferir.

E) sugerir e encaminhar. 

986. A estrutura que, ao completar a frase abaixo, altera a recomendação apresentada na linha 15 é: O autor sugeriu que: 

A) você parasse um pouco de pensar no mercado para pensar em você mesmo.

B) você, ao pensar um pouco no mercado, parasse para pensar em você mesmo.

C) você, em vez de pensar tanto no mercado, pare um pouco para pensar em você mesmo.

D) você pensasse mais em você mesmo, parando um pouco de pensar no mercado.

E) você, sem pensar tanto no mercado, parasse um pouco para pensar em você mesmo.

987. A informação da frase ficaria alterada, caso fosse suprimida do texto a expressão:

A) ''que são'' (linha 13).

B) ''formação''(linha 18).

C) ''se'' (linha 20).

D) ''até'' (linha 23).

E) ''mesmo'' (linha 24).

988. A palavra ''que'' retoma uma palavra anterior na alternativa:

A)''as descrições que encontramos são sempre de super-homens'' (linhas 2, 3).

B) ''uns dizem que é bom'' (linhas 6 e 7).

C) ''outros acham que não'' (linha 7).

D) ''Então que tal parar um pouco'' (linha 15).

E) ''É preciso saber que formação é a mais adequada'' (linha 17).

TEXTO.

RELATÓRIO.

   Senhor Superintendente,

   Tendo sido designado por Vossa Senhoria para apurar as denúncias de irregularidades ocorridas no aeroporto de Marília, submeto à apreciação de Vossa Senhoria o relatório das diligências que nesse sentido efetuei.

   No dia 23 de julho de 1988 dirigi-me ao senhor Raimundo Alves Correia, encarregado do aeroporto daquela cidade, para que permitisse fosse interrogado o funcionário João Romão, acusado de ter furtado uma máquina de escrever Olivetti n. 146.801, pertencente ao patrimônio do aeroporto. O acusado relatou-nos que realmente havia levado a máquina para casa na sexta-feira - 18 de março de 1988 - apenas para executar alguma tarefa de caráter particular. Não a devolveu na segunda-feira, dia 21 de março, porque faltou ao serviço por motivo de doença. Quando retornou ao serviço dia 28 de março, devolveu a máquina. A doença do acusado está comprovada pelo atestado que segue anexo ao presente relatório; a devolução da máquina no dia 28 de março foi confirmada pelo senhor Raimundo Alves Correia.

   Do exposto conclui-se que me parece infundada a acusação. Não houve vontade de subtrair a máquina, mas apenas negligência do acusado em levar para casa um bem público para executar tarefa particular. Foi irresponsável. Não cometeu qualquer ato criminoso.

   Não me convence seja necessário impor-se a instauração de processo administrativo. O funcionário deve ser repreendido pela negligência que cometeu. É o que me cumpre levar ao conhecimento de Vossa Senhoria.

   Aproveito a oportunidade para apresentar-lhe protestos de minha distinta consideração.

989. O relatório é um texto de tipo:

A) descritivo;

B) narrativo;

C) argumentativo;

D) poético;

E) dramático.

990. A finalidade principal do texto é:

A) orientar o superior na tomada de uma decisão;

B) documentar oficialmente um ato irregular;

C) discutir um tema polêmico;

D) fornecer dados para uma investigação;

E) indicar funcionários passíveis de punição.

991. Não consta(m) do relatório lido:

A) o cargo da autoridade a quem é dirigido;

B) o relato dos fatos ocorridos;

C) uma preocupação literária do autor;

D) as conclusões dos fatos analisados;

E) uma fórmula de cortesia final.

992. ''Tendo sido designado por Vossa Senhoria...''; esta oração inicial do texto tem valor:

A) concessivo;

B) temporal;

C) conclusivo;

D) causal;

E) consecutivo.

993. O item em que se mostra a forma abreviada correta de Vossa Senhoria é:

A) V. Sria.

B) V. Sra.

C) V. S.

D) V. Senh.

E) V. Sª.

994. ''...submeto à apreciação de Vossa Senhoria...''; o acento grave indicativo da crase neste segmento se deve a que:

A) ocorre a união da preposição a com o artigo definido feminino singular;

B) a regência do verbo submeter exige o uso da preposição a;

C) há a obrigatoriedade do emprego do artigo definido feminino singular;

D) faça parte de uma locução adverbial;

E) faça parte de uma locução prepositiva.

995. O estilo burocrático se caracteriza, entre outras coisas, pelo emprego de palavras desnecessárias; no primeiro parágrafo do texto são exemplos desse caso:

A) denúncias; ocorridas; apreciação;

B) ocorridas; apreciação; relatório;

C) apreciação; relatório; nesse sentido;

D) relatório; denúncias; ocorridas;

E) nesse sentido; ocorridas; apreciação.

996. As datas presentes no texto têm a finalidade textual de:

A) mostrar a evolução dos acontecimentos;

B) documentar os fatos citados;

C) criar a falsa impressão de verdade;

D) valorizar o trabalho do autor do relatório;

E) facilitar a leitura do relatório.

997. ''... que se anexa ao presente relatório.''; o item abaixo em que a concordância do vocábulo anexo está correta é:

A) Vai anexa o atestado médico;

B) Vão anexo o atestado e a foto do funcionário;

C) Estão em anexas as fotografias pedidas;

D) Está em anexo a declaração do réu;

E) Está anexo os documentos solicitados.

998. O plural do verbo e do pronome em ''dirigi-me'' é:

A) dirigi-nos;

B) dirugimos-nos;

C) dirigimos-me;

D) dirigis-nos;

E) dirigimo-nos.

TEXTO.

ENTREVISTA.

01 O ensaísta canadense Alberto Manguel, autor de Uma

02 História da Leitura, explica por que a palavra escrita é a grande

03 ferramenta para entender o mundo.

04 Veja - Numa época em que predominam as imagens, por que a

05 leitura ainda é importante?

06 Manguel - A atual cultura de imagens é superficialíssima, ao

07 contrário do que acontecia na Idade Média e na Renascença,

08 épocas que também eram marcadas por uma forte imagética.

09 Pense, por exemplo, nas imagens veiculadas pela publicidade.

10 Elas captam a nossa atenção por apenas poucos segundos, sem

11 nos dar chance para pensar. Essa é a tendência geral em todos os

12 meios visivos. Assim, a palavra escrita é, mais do que nunca, a

13 nossa principal ferramenta para compreender o mundo. A

14 grandeza do texto consiste em nos dar a possibilidade de refletir e

15 interpretar. Prova disso é que as pessoas estão lendo cada vez

16 mais, assim como mais livros estão sendo publicados a cada ano.

17 Bill Gates, presidente da Microsoft, propõe uma sociedade sem

18 papel. Mas, para desenvolver essa idéia, ele publicou um livro.

19 Isso diz alguma coisa.

999. Na introdução da entrevista, o segmento autor de Uma História da Leitura está entre vírgulas; o item abaixo que apresenta a utilização de vírgulas pela mesma razão é: 

A) Pense, por exemplo, nas imagens veiculadas... (linha 9);

B) Assim, a palavra escrita é, mais do que nunca, a nossa principal ferramenta... (linhas 12, 13);

C) Bill Gates, presidente da Microsoft, propõe uma sociedade sem papel. (linha 17);

D) Mas, para desenvolver essa idéia, ele publicou um livro. (linha 18);

E) A atual cultura de imagens é superficialíssima, ao contrário do que acontecia na Idade Média e na Renascença,... (linhas 6, 7).

1000. ...explica por que a palavra escrita é a grande ferramenta para entender o mundo. (linhas 2, 3); o item abaixo cuja grafia do termo sublinhado se explica exatamente pelas mesmas razões que justificam a grafia em duas palavras do termo em destaque é:

A) Por que a leitura ainda é indispensável?

B) Ler ainda é útil por quê?

C) Ler ainda é o caminho por que se vê o mundo.

D) O autor declara por que ler ainda é indispensável.

E) Ler, por que ainda fazer isso?

1001. ...a palavra escrita é a grande ferramenta para entender o mundo. (linhas 2, 3); o item abaixo que representa o papel da palavra escrita no entendimento do mundo é o de:

A) instrumento;

B) motivo;

C) objetivo;

D) modo;

E) processo.

1002. ...a palavra escrita é a grande ferramenta para entender o mundo. (linhas 2, 3); o item abaixo em que o vocábulo grande apresenta o mesmo valor semântico que possui nesse segmento do texto é:

A) Por um grande tempo pensou-se que o livro iria ser substituído pelo computador.

B) Bill Gates tem grande interesse em mostrar a inutilidade da palavra escrita no mundo moderno.

C) O computador ainda tem uma grande estrada a percorrer até atingir a importância do livro.

D) O entrevistado Alberto Manguel é um dos grandes conhecedores do valor da língua escrita.

E) Os computadores mais modernos atingem grandes preços no mercado.

1003. O item abaixo em que o elemento destacado tem seu valor semântico corretamente indicado é:

A) ...a grande ferramente PARA entender o mundo - meio;

B) ...explica POR QUE a palavra escrita... - finalidade;

C) ...por que a leitura AINDA é importante? - concessão;

D) ...épocas TAMBÉM marcadas por uma forte imagética. - acréscimo;

E) ...ASSIM COMO mais livros estão sendo publicados a cada ano. - modo.

1004. Numa época em que predominam as imagens,...(linha 4); a época a que se refere o repórter é:

A) indeterminada;

B) a dos dias de hoje;

C) a da Idade Média e da Renascença;

D) a de um passado próximo;

E) hipotética.

1005. Na pergunta do repórter há uma oposição implícita entre imagens e leitura porque:

A) os livros teóricos não possuem ilustrações;

B) imagens só estão presentes em livros infantis;

C) a leitura só é a possibilidade de criar imagens;

D) as imagens independem de leitura;

E) as letras não possuem sentido sem imagens.

1006. Segmento do texto que NÃO mostra, direta ou indiretamente, uma visão negativa da cultura de imagens é:

A) A atual cultura de imagens é superficialíssima...(linha 6);

B) Essa é a tendência geral em todos os meios visivos. (linhas 11, 12);

C) Elas captam a nossa atenção por apenas poucos segundos,... (linha 10);

D) ...sem nos dar chance para pensar. (linhas 10, 11);

E) Bill Gates, presidente da Microsoft, propõe uma sociedade sem papel. (linhas 17, 18).

1007. Considerando que os vocábulos imagética e visivos aparecem há pouco tempo nos dicionários de língua portuguesa, isto pode significar que:

A) são vocábulos erradamente criados pelo autor do texto;

B) tais vocábulos são traduções inadequadas de vocábulos estrangeiros;

C) representam realidades ainda ausentes de nosso cenário cultural;

D) se trata de neologismos já reconhecidos oficialmente;

E) os dicionários atuais não estão atualizados.

1008. Segundo o que se depreende da resposta do entrevistado, em termos de cultura de imagens, a época moderna, em relação à Idade Média e à Renascença:

A) é bem mais superficial no tratamento das imagens;

B) prefere imagens profanas, ao invés de religiosas;

C) apresenta semelhanças nas imagens publicitárias;

D) mostra idênticas preocupações formais;

E) possui tecnologia bem mais avançada.

TEXTO.

QUE PAÍS...

   Dissecando os gastos públicos no Brasil, um economista descobriu barbaridades no Orçamento da União deste ano. Por exemplo:

   Considerada a despesa geral da Câmara, cada deputado federal custa ao país, diariamente, R$ 3.700. Ou R$ 1,3 milhão por ano.

   Entre os senadores, a loucura é ainda maior, pois o custo individual diário pula para R$ 71.900. E o anual, acreditem, para R$ 26 milhões.

   Comparados a outras ''rubricas'', os números beiram o delírio. É o caso do que a mesma União despende com a saúde de cada brasileiro - apenas R$ 0,36 por dia.

   E, com a educação, humilhantes R$ 0,20.

1009. Considerando o sentido geral do texto, o adjetivo que substitui de forma INADEQUADA os pontos das reticências do título do texto é:

A) autoritário;

B) injusto;

C) estranho;

D) desigual;

E) incoerente.

1010. O gerúndio da primeira frase pode ter como forma verbal desenvolvida adequada ao texto:

A) embora dissecasse;

B) porque dissecou;

C) enquanto dissecava;

D) já que dissecou;

E) logo que dissecou.

1011. O termo ''gastos públicos'' se refere exclusivamente a:

A) despesas com a educação pública;

B) Pagamentos governamentais;

C) salários da classe política;

D) gastos gerais do Governo;

E) investimentos no setor oficial.

1012. A explicação mais plausível para o fato de o economista citado no texto não ter sido identificado é:

A) não ser essa uma informação pertinente;

B) o jornalista não citar suas fontes de informações sigilosas;

C) evitar que o economista sofra represálias;

D) desconhecer o jornalista o nome do informante;

E) não ser o economista uma pessoa de destaque social.

1013. O item do texto em que o jornalista NÃO inclui termo que indique sua opinião sobre o conteúdo veiculado pelo texto é:

A) ''...um economista descobriu barbaridades no Orçamento da União...'';

B) ''Entre os senadores, a loucura é ainda maior...'';

C) ''E com a educação, humilhantes R$ 0,20'';

D) ''...os números beiram o delírio.'';

E) ''...cada deputado federal custa ao país, diariamente, R$3.700.''.

1014. O Orçamento da União é um documento que:

A) esconde a verdade da maioria da população;

B) só é consultado nos momentos críticos;

C) mostra a movimentação financeira do Governo;

D) autoriza os gastos governamentais;

E) traz somente informações sobre as casas do Congresso.

1015. Os exemplos citados pelo jornalista:

A) atendem a seu interesse jornalístico;

B) indicam dados pouco precisos e irresponsáveis;

C) acobertam problemas do Governo;

D) mostram que os gastos com a classe política são desnecessários;

E) Demonstram que o país não dispõe de recursos suficientes para as despesas.

1016. ''Considerada a despesa geral da Câmara, cada deputado federal custa ao país, diariamente, R$ 3.700.''; o cálculo para se chegar ao custo diário de cada deputado federal foi feito do seguinte modo:

A) a despesa geral da Câmara foi dividida pelo número de deputados federais;

B) a despesa com os deputados federais foi dividida igualmente por todos eles;

C) os gastos gerais da Casa foram repartidos por todos os funcionários;

D) os gastos da Câmara com os deputados foram divididos pelo seu número total;

E) as despesas gerais da Câmara foram divididas entre os deputados federais.

1017. Na oração ''Ou R$ 1,3 milhão por ano.'':

A) o termo milhão deveria ser substituído por milhões;

B) a conjunção ou tem valor de retificação do termo anterior;

C) o signo $ se refere ao dólar americano;

D) o termo milhão concorda com a quantidade da fração;

E) o numeral 1,3 é classificado como multiplicativo.

1018. ''Comparados a outras 'rubricas', os números beiram o delírio.''; o comentário correto sobre o significado dos elementos desse segmento do texto é:

A) o termo rubricas, escrito entre aspas, tem valor irônico;

B) o delírio refere-se aos gastos ínfimos com saúde e educação;

C) as outras rubricas referidas no texto são a educação e a saúde;

D) comparados com a educação, os gastos citados são humilhantes;

E) os números referem-se à grande quantidade de deputados e senadores.

TESTE.

AS VIRTUDES DA INTROMISSÃO.

   A imprensa peca mais pela omissão que pela intromissão. Essa máxima muitas vezes é esquecida em meio à investigação, às vezes obsessiva, que as revistas e os jornais brasileiros fazem da vida de políticos e autoridades, tendência que se acentuou muito nos últimos anos. Os órgãos de imprensa correm nesses casos o risco de parecer persecutórios ou de estar patrocinando campanhas gratuitas, movidas por interesses inconfessáveis, contra determinadas figuras públicas. Esta revista marcou sua presença na vida brasileira justamente pela convicção de que esse é um risco que vale a pena correr. É dever da imprensa investigar e divulgar os fatos que cercam a ascensão dos políticos. Mesmo que, às vezes, eles estejam enterrados em pontos remotos de suas biografias. Quando esses fatos passados servem para iluminar a personalidade atual do político ou para desnudar as entranhas da atividade pública, eles precisam ser expostos à sociedade.

1019. Entre as ''virtudes da intromissão'' está:

A) investigar obsessivamente a vida de políticos brasileiros;

B) patrocinar campanhas meritórias;

C) desenterrar pontos remotos das biografias de políticos;

D) explicar a prosperidade atual de políticos e autoridades;

E) arriscar-se a fazer campanhas gratuitas.

1020. Omissão e intromissão são vocábulos que diferem pelo prefixo que se junta ao mesmo radical; o mesmo ocorre em:

A) querer / requerer;

B) deter / conter;

C) haver / reaver;

D) contratempo / passatempo;

E) finalizar / finalidade.

1021. ''A imprensa peca mais pela omissão que pela intromissão''; deduz-se desse primeiro período do texto que a imprensa:

A) se intromete mais do que deve;

B) peca pela omissão e pela intromissão;

C) deveria omitir-se mais;

D) se intromete mais do que se omite;

E) não peca quando se intromete.

1022. ''... as revistas e os jornais brasileiros...''; com o deslocamento dos termos da frase, a única forma INCORRETA é:

A) as brasileiras revistas e jornais;

B) os brasileiros jornais e revistas;

C) os brasileiros revistas e jornais;

D) os jornais e as revistas brasileiras;

E) os jornais e as revistas brasileiros.

1023. ''Os órgãos de imprensa correm nesses casos o risco de parecer persecutórios''; a forma MENOS adequada de reescrever-se essa mesma frase por ser menos clara, é:

A) Nesses casos, os órgãos de imprensa correm o risco de parecer persecutórios;

B) Os órgãos de imprensa, nesses casos, correm o risco de parecer persecutórios;

C) Os órgãos de imprensa correm, nesses casos, o risco de parecer persecutórios;

D) Os órgãos de imprensa correm o risco, nesses casos, de parecer persecutórios;

E) Correm o risco de parecer persecutórios, nesses casos, os órgãos de imprensa.

1024. Relação INCORRETA entre palavras do texto em razão de grafia errada é:

A) omissão / omitir;

B) convicção /convencer;

C) ascensão / ascender;

D) obsessiva /obsecar;

E) persecutórios / perseguir.

1025. ''Essa máxima muitas vezes é esquecida em meio à investigação,...''; o comentário correto a respeito dos componentes desse segmento do texto é:

A) em meio à equivale a no meio da;

B) máxima equivale a sentença moral;

C) é esquecida equivale a esqueceram-se;

D) muitas vezes equivale a progressivamente;

E) muitas equivale a várias.

1026. Segundo o texto, a revista VEJA:

A) peca mais pela omissão que pela intromissão;

B) patrocina campanhas gratuitas, desinteressadas;

C) é movida por interesses inconfessáveis;

D) corre o risco consciente de investigar;

E) evita expor à sociedade fatos escabrosos.

1027. O item em que a omissão do vocábulo QUE foi feita de forma INADEQUADA é:

A) que as revistas e os jornais brasileiros fazem - feita pelas revistas e jornais brasileiros;

B) tendência que se acentuou muito nos últimos anos - tendência muito acentuada nos últimos anos;

C) convicção de que esse é um risco... - convicção de ser esse um risco;

D) divulgar os fatos que cercam a ascensão dos políticos - divulgar os fatos cerceadores da ascensão dos políticos;

E) Mesmo que, às vezes, eles estejam enterrados...- embora, às vezes, eles estejam enterrados...

1028. O texto tem a finalidade clara de:

A) denunciar os maus políticos;

B) incentivar a denúncia de crimes;

C) promover a própria revista;

D) mostrar a face oculta de muitos políticos;

E) justificar a omissão da revista em alguns casos.

TEXTO.

CÃO E HOMEM.

   Se você recolher um cachorro que morre de fome e o tornar próspero, ele não o morderá. É esta aí a diferença principal entre um cão e um homem.

1029. O defeito humano criticado pelo autor do texto é:

A) a violência;

B) a ingratidão;

C) o egoísmo;

D) o preconceito;

E) a inveja.

1030. Se na frase ''Se você recolher um cachorro'', substituirmos o complemento um cachorro pelo pronome oblíquo adequado, a forma correta dessa frase será:

A) Se você recolher-lo;

B) Se você recolher-lhe;

C) Se você o recolher;

D) Se você recolhe-lo;

E) Se você lhe recolher.

1031. O adjetivo que substitui convenientemente a oração que morre de fome é:

A) famigerado;

B) moribundo;

C) defunto;

D) faminto;

E) necessitado.

1032. O conectivo abaixo que apresenta seu valor corretamente indicado é:

A) SE você recolher... - concessão;

B) morre DE fome - causa;

C) E o tornar próspero - adversidade;

D) QUE morre de fome - explicação;

E) ENTRE um cão e um homem - distância.

1033. ''...e O tornar próspero, ele não O morderá.'' ; as duas ocorrências do vocábulo em maiúsculas retomam, respectivamente:

A) o cachorro /o cachorro;

B) o homem /o homem;

C) você / você;

D) o cachorro / você;

E) você /o cachorro.

1034. ''...ele não o morderá.'' ; se retirarmos a negativa não desse segmento do texto, a forma correta da frase será:

A) ele morde-lo-á;

B) ele lhe morderá;

C) ele o morderá;

D) ele morder-lhe-á;

E) ele morder-lo-á.

1035. ''entre um cão e um homem.''; a forma correta da construção da preposição ENTRE seguida de pronomes pessoais é:

A) entre mim e tu;

B) entre eu e ela;

C) entre ela e eu;

D) entre ti e eu;

E) entre mim e ti.

1036. Ao escrever cão em lugar de cachorro na última parte do texto, o autor:

A) demonstra que se esqueceu do vocábulo que havia usado anteriormente;

B) mostra que quer mostrar diferença de sentido entre os dois vocábulos;

C) economiza espaço gráfico ao preferir um vocábulo melhor;

D) prefere cão porque este vocábulo tem sentido negativo;

E) procura evitar a repetição de vocábulos idênticos.

1037. O verbo tornar possui sentido diferente do que aparece no texto em:

A) Os aviões se tornaram armas;

B) Tornar-se rico é o anseio do jovem;

C) Ele se tornou estrangeiro;

D) Nunca mais tornou a falar;

E) Elas se tornaram impacientes.

1038. O vocábulo cachorro, no plural, mantém a mesma pronúncia de o fechado na segunda sílaba; o vocábulo que muda o timbre da vogal o para aberto no plural é:

A) contorno;

B) bolso;

C) bolo;

D) rolo;

E) fofo.

TEXTO.

''ARRUMAR O HOMEM''.

   Não boto a mão no fogo pela autenticidade da estória que estou para contar. Não posso, porém, duvidar da veracidade da pessoa de quem a escutei e, por isso, tenho-a como verdadeira. Salva-me, de qualquer modo, o provérbio italiano: ''Se não é verdadeira... é muito graciosa!''

   Estava, pois, aquele pai carioca, engenheiro de profissão, posto em sossego, admitido que, para um engenheiro, é sossego andar mergulhado em cálculos de estrutura. Ao lado, o filho, de 7 ou 8 anos, não cessava de atormentá-lo com perguntas de todo jaez, tentando conquistar um companheiro de lazer.

   A idéia mais luminosa que ocorreu ao pai, depois de dez a quinze convites a ficar quieto e a deixá-lo trabalhar, foi a de pôr nas mãos do moleque um belo quebra-cabeça trazido da última viagem à Europa. ''Vá brincando enquanto eu termino esta conta''. sentencia entre dentes, prelibando pelo menos uma hora, hora e meia de trégua. O peralta não levará menos do que isso para armar o mapa do mundo com dos cinco continentes, arquipélagos, mares e oceanos, comemora o pai-engenheiro.

   Quem foi que disse hora e meia? Dez minutos depois, dez minutos cravados, e o menino já o puxava triunfante: ''Pai, vem ver!'' No chão, completinho, sem defeito, o mapa do mundo.

   Como fez, como não fez? Em menos de uma hora era impossível. O próprio herói deu a chave da proeza: ''Pai, vocë não percebeu que, atrás do mundo, o quebra-cabeça tinha um homem? Era mais fácil. E quando eu arrumei o homem, o mundo ficou arrumado!''

   ''Mas esse garoto é um sábio!'', sobressaltei, ouvindo a palavra final. Nunca ouvi verdade tão cristalina: ''Basta arrumar o homem (tão desarrumado quase sempre) e o mundo fica arrumado!''

   Arrumar o homem é a tarefa das tarefas, se é que se quer arrumar o mundo.

1039. Assinale o item cuja afirmativa está de acordo com o primeiro parágrafo do texto:

A) embora o autor do texto não confie na veracidade da estória narrada, conta-a por seu valor moral;

B) como o autor do texto confia na pessoa que lhe narrou a estória, ele a transfere para o leitor, mesmo sabendo que não é autêntica;

C) A despeito de ser bastante graciosa a história narrada, o autor do texto tem certeza de sua inautenticidade;

D) O autor do texto nos narra uma história de cuja autenticidade não está certo, apesar de ter sido contada por pessoas dignas de confiança;

E) a estória narrada possui autenticidade, veracidade e , além disso, certa graça.

1040. O título dado ao texto:

A) representa a tarefa que deveria ser executada pelo menino;

B) indica a verdadeira finalidade do jogo de quebra- cabeça;

C) mostra a desorganização reinante na família moderna;

D) assinala a tarefa básica inicial para a organização do mundo;

E) demonstra a sabedoria precoce do menino da estória narrada.

1041. Na continuidade de um texto, algumas palavras referem-se a outras anteriormente expressas; assinale o item em que a palavra destacada tem sua referência corretamente indicada:

A) Não boto a mão no fogo pela autenticidade da estória que estou para contar - refere-se à autenticidade da estória narrada;

B) Não posso, porém, duvidar da veracidade da pessoa de quem a escutei... - refere-se à veracidade da estória narrada;

C) ...e, por isso tenho-a como verdadeira. - refere-se a não poder duvidar da veracidade da pessoa que lhe narrou a estória;

D) ...tenho-a como verdadeira. - refere-se à pessoa que lhe narrou a estória do texto;

E) Salva-me de qualquer modo, o provérbio italiano. - refere-se à pessoa de cuja veracidade o autor do texto não pode duvidar.

1042. O item em que o vocábulo sublinhado está tomado em sentido não- figurado é:

A) Não boto a mão no fogo pela autenticidade da estória...

B) Estava, pois, aquele pai carioca...

C) ...não cessava de atormentá-lo com perguntas... 

D) ...comemora o pai-engenheiro.

E) Mas esse garoto é um sábio!

1043. ...por nas mãos do moleque um belo quebra-cabeça...; o substantivo quebra-cabeça forma o plural de modo idêntico a um dos substantivos abaixo:

A) guarda-chuva;

B) tenente-coronel;

C) terça-feira;

D) ponto-de-vista;

E) caneta-tinteiro.

1044. O item em que o vocábulo destacado tem seu sinônimo corretamente indicado é:

A) Salva-me, de qualquer modo, o provérbio italiano... - citação;

B) ...com perguntas de todo jaez... - tipo;

C) ...tentando conquistar um companheiro de lazer. - aventuras;

D) ...prelibando pelo menos uma hora... - desejando;

E) o peralta não levará menos do que isso... - revolucionário.

1045. Vá brincando enquanto eu termino esta conta; se fossem dois engenheiros querendo trabalhar e dois os meninos, esta mesma frase, mantidas as pessoas, deveria ter a seguinte forma:

A) Vão brincando enquanto nós terminamos esta conta;

B) Ide brincar enquanto eu termino esta conta;

C) Vamos brincando enquanto nós terminamos esta conta;

D) Vade brincando enquanto eles terminam esta conta;

E) Vai brincando enquanto nós terminamos esta conta.

1046. O segmento do texto que NÃO apresenta qualquer processo de intensificação vocabular é:

A) Arrumar o homem é a tarefa das tarefas...; 

B) Em menos de uma hora era impossível; 

C) Era mais fácil;

D) Nunca ouvi verdade tão cristalina;

E) A idéia mais luminosa que ocorreu ao pai...

1047. A frase do menino: E quando eu arrumei o homem, o mundo ficou arrumado! mostra que:

A) o pai do menino desconhecia a brilhante inteligência do filho;

B) o menino tinha uma visão critica do mundo bastante apurada;

C) o menino já havia feito a mesma tarefa antes;

D) o autor do texto quer mostrar a sabedoria do menino;

E) o menino descobrira um meio mais fácil de completar a tarefa.

1048. Mas esse garoto é um sábio...; esta frase do autor do .texto é introduzida por uma conjunção adversativa que marca, nesse caso, a oposição entre:

A) a idade e a sabedoria;

B) a autoridade e a desobediência;

C) o trabalho e o lazer;

D) a teoria e a prática;

E) a ignorância e o conhecimento.

TEXTO.

   A primeira vez que ouvi falar do mundo, o mundo para mim não tinha nenhum sentido, ainda; de modo que não me interessavam nem o seu começo, nem o seu fim. Lembro-me, porém, vagamente, de umas mulheres nervosas que choravam, meio desgrenhadas, e aludiam a um cometa que andava pelo céu, responsável pelo acontecimento que elas tanto temiam.

   Nada disso se entendia comigo: o mundo era delas, o cometa era para elas; nós, crianças, existíamos apenas para brincar com as flores da goiabeira e as cores do tapete.

   Mas, uma noite, levantaram-me da cama, enrolada num lençol, e, estremunhada, levaram-me à janela para me apresentarem à força ao temível cometa. Aquilo que até então não me interessara nada, que nem vencia a preguiça dos meus olhos, pareceu-me, de repente, maravilhoso. Era um pavão branco, pousado no ar, por cima dos telhados? Era uma noiva, que caminhava pela noite, sozinha, ao encontro de sua festa? Gostei muito do cometa. Devia sempre haver um cometa no céu, como há lua, sol, estrelas. Por que as pessoas andavam tão apavoradas? A mim não me causara medo nenhum.

   Ora, o cometa desapareceu, aqueles que choravam enxugaram os olhos, o mundo não se acabou, talvez tenha ficado um pouco triste - mas que importância tem a tristeza das crianças?

   Passou-se muito tempo. Aprendi muitas coisas, entre as quais o suposto sentido do mundo. Não duvido de que o mundo tenha sentido. Deve ter mesmo muitos, inúmeros, pois em redor de mim as pessoas mais ilustres e sabedoras fazem cada coisa que bem se vê haver um sentido do mundo peculiar a cada um.

1049. No primeiro parágrafo do texto, a autora afirma que, quando menina:

A) os adultos tinham preocupações de que ela compartilhava.

B) afligia-se vagamente com os anúncios do fim do mundo.

C) a significação do mundo era uma questão a que buscava responder.

D) a significação do mundo em nada lhe importava.

E) preocupou-se com o sentido do mundo quando soube que ele ia acabar.

1050. Considere as seguintes afirmações:

I. Para as crianças, mais importavam seus próprios jogos do que as crendices dos adultos.

II. As mulheres ''que choravam, meio desgrenhadas'' estabeleciam uma relação de causa e efeito entre a passagem do cometa e o fim do mundo.

III. O ''acontecimento que elas tanto temiam'' era a visão do cometa no céu.

Está correto o que se afirma em:

A) I, II e III.

B) I e II, apenas.

C) I e III, apenas.

D) II e III, apenas.

E) II, apenas.

1051. Quando foi levada à janela para ver o cometa, a menina:

A) experimentou pela primeira vez a sensação do temor.

B) reconheceu que o espetáculo era belo, além de assustador.

C) associou imagens fantásticas ao que viu no céu.

D) entendeu, finalmente, as razões do temor que os adultos sentiam.

E) pôde confirmar que nada havia nele de tão extraordinário.

1052. No último parágrafo do texto, a autora afirma que:

A) a visão do cometa provocara-lhe a descoberta do sentido do mundo.

B) as pessoas sábias concordam quanto ao verdadeiro sentido do mundo.

C) o sentido do mundo se manifesta de acordo com a visão de cada um.

D) passou a ter a convicção de qual é o verdadeiro sentido do mundo.

E) fortaleceu sua indiferença de menina em relação ao sentido do mundo.

1053. Considere as seguintes afirmações:

I. Ao empregar o termo ''ainda'', no primeiro período do texto, a autora indica que algo viria a se modificar, em seus pensamentos.

II. O sentido da expressão ''me apresentarem à força ao temível cometa'' equivale ao da expressão ''fui apresentada à força do temível cometa''.

III. O sentido da expressão ''nada disso se entendia comigo'' equivale ao sentido da expressão ''nada disso me dizia respeito''.

Está correto o que se afirma em:

A) I, II e III.

B) II e III, apenas.

C) II, apenas.

D) I e III, apenas.

E) I e II, apenas.

1054. Todas as palavras estão corretamente grafadas na frase:

A) As crianças ficaram frustadas depois que o cometa passou.

B) Foi facinante e inouvidável a visão que a menina teve naquela noite.

C) A visão do cometa sucitou na menina a de uma noiva indo para a cerimonia nupcial.

D) Talvez a autora quizesse dizer que o cometa lhe lembrava a cauda de um pavão branco.

E) O êxtase daquela visão extraordinária imprimiu-se para sempre na memória da autora.

1055. Está correta a forma verbal sublinhada na frase:

A) As crianças reteram para sempre a visão do cometa.

B) A menina jamais supusera que viesse a se preocupar com o sentido do mundo.

C) O que entretia as crianças eram a goiabeira e o tapete.

D) Se a autora revesse o cometa, teria a mesma sensação de quando menina?

E) Os astros que se vêm no céu constituem um eterno espetáculo.

1056. A menina foi ver o cometa, admirou a beleza do cometa de tal forma que a beleza do cometa jamais se apagou de sua memória.

Evitam-se as desagradáveis repetições do período acima substituindo-se os elementos sublinhados, respectivamente, por:

A) admirou-lhe a beleza – esta;

B) lhe admirou a sua beleza - a mesma;

C) admirou-o a beleza – esta;

D) admirou-lhe a sua beleza - a cuja;

E) o admirou a beleza - a mesma.

1057. A concordância verbal está inteiramente respeitada na frase:

A) Entre as crianças, ninguém se preocupavam com o fim do mundo.

B) Por que haveria as crianças de se preocupar com o fim do mundo?

C) Ocorreram à menina, quando viu o cometa, as imagens de um pavão e de uma noiva.

D) Toda vez que aludia ao cometa, os adultos estavam a pensarem no fim do mundo.

E) Visões fantásticas como a daquele cometa não mais se repete numa vida.

1058. Está correto o emprego da expressão sublinhada na frase:

A) O espetáculo de que a menina assistiu foi inesquecível.

B) As imagens com que a menina associou ao cometa foram as de uma noiva e de um pavão.

C) Foi um acontecimento à cuja beleza ninguém mais se esqueceria.

D) O cometa, cuja luminosidade encantou a menina, não demorou a passar.

E) Eram altos os telhados sobre quem o cometa sobrevoava.

TEXTO.

''Para as finalidades empresariais as fronteiras que separam uma nação da outra, são tão reais como o equador. Consistem meramente de demarcações convenientes de entidades étnicas, lingüísticas e culturais. Não definem necessidades empresariais nem tendência de consumidores. Uma vez que a administração compreenda e aceite essa economia mundial, a sua maneira de encarar a praça do mercado - e de planejá-la - necessariamente se expande''.

1059. A comparação presente no primeiro período do texto quer mostrar que:

A) as finalidades empresariais têm caráter bastante subjetivo;

B) os empresários desconhecem a realidade geográfica dos países que exploram;

C) as fronteiras dos países são obstáculos para os negócios empresariais;

D) os negócios empresariais não são limitados por fronteiras geográficas;

E) os hemisférios sul e norte não se misturam nos negócios empresariais.

1060. A mesma estrutura semântica presente em ''...são tão reais como o equador'' se repete em:

A) são tão desenvolvidas como os Estados Unidos;

B) são tão calmas como o Oriente Médio;

C) são tão grandes como o Brasil;

D) são tão extensas como o Amazonas;

E) são tão brilhantes como o sol.

1061. O segundo período do texto poderia ligar-se ao primeiro, mantendo sua significação dentro do texto, por meio do conector:

A) embora;

B) pois;

C) no entanto;

D) porque;

E) porquanto.

1062. ''Consistem meramente de demarcações convenientes...''; o adjetivo convenientes poderia ser equivalentemente substituído por:

A) que convêm;

B) que convém;

C) que convêem;

D) que convenham;

E) que convinham.

1063. No segundo período do texto, o termo que modaliza o conteúdo expresso é:

A) meramente;

B) convenientes;

C) étnicas;

D) lingüísticas;

E) culturais.

1064. ''...entidades étnicas...'' são as que se referem a:

A) aspectos folclóricos;

B) traços religiosos;

C) qualidades específicas;

D) hábitos sociais;

E) elementos raciais.

1065. Ainda que muitos digam o contrário, o trema ainda está em vigor e, por isso mesmo, o vocábulo lingüísticas aparece grafado com trema. A razão que nos obriga a empregá-lo, nesse caso, é:

A) mostrar que o encontro UI é um hiato e não um ditongo;

B) indicar que o U não deve ser pronunciado;

C) assinalar para o leitor que o U é semivogal;

D) demonstrar que o U é um sinal diacrítico;

E) indicar que a vogal U é átona.

1066. ''Consistem meramente de demarcações...''; o vocábulo demarcação tem seu plural corretamente formado no texto. O item abaixo em que há um vocábulo cuja forma plural é unanimemente considerada como equivocada é:

A) escrivães - tabeliães - cidadãos;

B) aldeãos - aldeões - aldeães;

C) artesãos - camaleões - vulcões;

D) artesões - corrimãos - verões;

E) guardiões - guardiães - charlatãos.

1067. ''Não definem necessidades empresariais nem tendências de consumidores.''; este mesmo segmento, se colocado na voz passiva analítica, com a explicitação de seu agente, ficaria da seguinte forma:

A) Necessidades empresariais nem tendências de consumidores são definidas pelos empresários;

B) Não são definidas necessidades empresariais nem tendências de consumidores pelas fronteiras;

C) Não se definem necessidades empresariais nem tendências de consumidores pelas finalidades;

D) As necessidades empresariais não são definidas pelas tendências dos consumidores;

E) As tendências dos consumidores não são definidas pelas necessidades empresariais.

1068. I – empresarial;

II – mundial;

III – cultural;

IV – real.

São formados pelo mesmo processo, apresentando o mesmo valor semântico do sufixo, os seguintes vocábulos acima:

A) I - III;

B) I - II - III;

C) II - IV;

D) I - II - III - IV;

E) II - III - IV.

TEXTO.

O AEROPLANO.

01 Quisera ser um ás para voar bem alto

02 sobre a cidade de meu berço!

03 Bem mais alto que os lamentos bronze

04 Das catedrais catalépticas;

05 Muito rente do azul quase a sumir no céu

06 Longe da casaria que diminui

07 Longe, bem longe deste chão de asfalto...

08 Eu quisera pairar sobre a cidade!...

09 O motor cantaria

10 No anfiteatro azul apainelado

11 A sua roncante sinfonia...

12 Oh! voar sem pousar no espaço que se estira

13 Meu, só meu;

14 Atravessando os ventos assombrados

15 Pela minha ousadia de subir

16 Até onde só eles atingiram!...

17 Girar no alto

18 E em rápida descida

19 Cair em torvelinhos

20 Como ave ferida...

21 Dar cambalhotas repentinas

22 Loopings fantásticos

23 Saltos mortais

24 Como um atleta elástico de aço

25 O ranger rascante do motor...

26 No anfiteatro com painéis de nuvens

27 Tambor...

28 Se um dia

29 O meu corpo escapasse do aeroplano,

30 Eu abriria os braços com ardor

31 Para o mergulho azul na tarde transparente...

32 Como seria semelhante

33 A um anjo de corpo desfraldado

34 Asas abertas, precipitado

35 Sobre a terra distante...

36 Riscando o céu na minha queda brusca

37 Rápida e precisa,

38 Cortando o ar em êxtase no espaço

39 Meu corpo cantaria

40 Sibilando

41 A sinfonia da velocidade

42 E eu tombaria

43 Entre os braços abertos na cidade...

44 Ser aviador para voar bem alto!

1069. Assinale a alternativa que MELHOR define o desejo do eu-lírico.

A) Ser aviador.

B) Visualizar a cidade lá de cima.

C) Voar mais alto que as catedrais.

D) Mergulhar no azul da tarde transparente.

1070. Considere os versos:

''O motor cantaria / A sua roncante sinfonia...''(versos 9 e 11).

''Meu corpo cantaria / Sibilando / A sinfonia da velocidade ''(versos 39 a 41).

Pode-se afirmar que o/a:

A) aviador e a máquina permanecem, durante todo o poema, como seres autônomos.

B) aviador e a máquina se afastam, à medida que se concretizam suas características.

C) aviador e a máquina fundem-se como se fossem um único ser.

D) máquina supera o aviador por sua roncante sinfonia.

1071. Considerando o texto, assinale a alternativa INCORRETA.

A) O cenário pastoril embeleza o poema, justificando a harmonia por todo o texto.

B) Quando o eu-lírico se refere a ''ave ferida'', considera a possibilidade de cair do azul do céu.

C) O poema é uma exaltação à máquina, à velocidade, à coragem e, sobretudo, ao movimento.

D) A 1ª estrofe retrata o desejo de voar bem alto e sumir no azul.

1072. Assinale a alternativa em que a relação palavra e sinônimo está INCORRETA.

A) cataléptico – rígido;

B) torvelinho – redemoinho;

C) sibilar - parece arranhar;

D) apainelado - dividido em painéis.

1073. Observe as palavras destacadas nos seguintes versos:

''Atravessando os ventos assombrados / Pela minha ousadia de subir''

''Cair em torvelinhos / Como ave ferida...''

Como procedimento estilístico, têm-se, respectivamente:

A) metáfora e hipérbole.

B) metáfora e metonímia.

C) prosopopéia e metáfora.

D) prosopopéia e comparação.

1074. Todos os versos abaixo são decassílabos, EXCETO:

A) ''A sinfonia da velocidade'';

B) ''Longe da casaria que diminui'';

C) ''Entre os braços abertos na cidade...'';

D) ''Atravessando os ventos assombrados''.

1075. O poema O aeroplano mostra-nos um eu-lírico eufórico ante loopings fantásticos e alturas extasiantes. Analisando o tempo verbal das formas cantaria, abriria, seria e tombaria, pode-se dizer que o poema:

A) exprime um fato atual, que ocorre no momento da fala.

B) enfatiza fatos concluídos num momento ou período definido do passado.

C) transmite uma idéia de continuidade, de processo que no passado era constante.

D) exprime um futuro hipotético, que talvez nem venha a ocorrer.

1076. Assinale a alternativa em que todos os vocábulos apresentam ditongos crescentes orais.

A) meu, catedrais, cantaria;

B) qualquer, aéreos, pessoas;

C) duas, embaixadas, oceanográfica;

D) conferência, humanitário, retaguarda.

1077. Considere as seguintes assertivas quanto à correta divisão silábica:

I - A palavra bisavô admite somente a seguinte divisão: bis-a-vô, pois o prefixo deve-se separar do radical.

II - A palavra obséquio admite a seguinte divisão: ob-sé-qui-o, pois termina em ditongo oral crescente, que se pode transformar em hiato.

III - A palavra vôo forma uma única sílaba, pois é constituída por um ditongo oral decrescente.

Pode-se afirmar que está(ão) correta(s) apenas:

A) I. 

B) II.

C) III.

D) I e II.

1078. Indique a alternativa que apresenta as duas seqüências em que as palavras NÃO estão corretamente separadas.

I - in-ter-na-cio-nal; i-dé-ia; as-som-bra-dos;

II - o-ce-a-no-grá-fi-ca; pa-í-ses; des-tru-i-ção;

III - a-é-re-os; ca-ta-lé-pti-cas; pai-néis;

IV - a-vi-a-dor; a-pai-ne-la-do; cons-ti-tu-í-do.

A) I e II.

B) I e III.

C) II e III.

D) II e IV.

TEXTO.

O MEU GURI.

01 Quando seu moço nasceu meu rebento

02 Não era o momento dele rebentar

03 já foi nascendo com cara de fome

04 E eu não tinha nem nome pra lhe dar

05 Como fui levando, não sei lhe explicar

06 Fui assim levando ele a me levar

07 E na sua meninice ele um dia me disse

08 Que chegava lá

09 Olha aí

10 Olha aí

11 Olha aí, aí o meu guri, olha aí

12 Olha aí, é o meu guri

13 E ele chega

14 Chega suado e veloz do batente

15 E traz sempre um presente pra me encabular

16 Tanta corrente de ouro, seu moço

17 Que haja pescoço pra enfiar

18 Me trouxe uma bolsa já com tudo dentro

19 Chave, caderneta, terço e patuá

20 Um lenço e uma penca de documentos

21 Pra finalmente eu me identificar, olha aí

22 Olha aí, ai o meu guri, olha aí

23 Olha aí, é o meu guri

24 E ele chega

(...)

25 Chega estampado, manchete, retrato

26 Com venda nos olhos, legenda e as iniciais

27 Eu não entendo essa gente, seu moço

28 Fazendo alvoroço de mais

29 O guri no mato, acho que tá rindo

30 Acho que tá lindo de papo pro ar

31 Desde o começo eu não disse seu moço

32 Ele disse que chegava láEle disse que chegava lá

33 Olha aí, olha aí

34 Olha aí, aí o meu guri, olha aí

35 Olha aí, é o meu guri                                        

1079. A expressão ''Que chegava lá'', retirada da linha 8, mostra que o menino tinha: 

A) otimismo; 

B) desconfiança;

C) pessimismo;

D) incredulidade.

E) medo.

1080. Qual a única palavra que não seria sinônimo da expressão ''fazendo alvoroço''? (linha 28).

A) confusão;

B) silêncio;

C) balbúrdia;

D) agitação;

E) tumulto.

1081. Por que nas manchetes o guri vinha somente com ''legenda e as iniciais''? (linha 26). 

A) porque o espaço do jornal é pequeno e não cabe o nome todo. 

B) porque ele é menor de idade e não pode ser identificado. 

C) porque os jornalistas não sabiam o nome do guri. 

D) porque a mãe não permitiu que colocassem o seu nome completo. 

E) porque pobre não sai no jornal. 

1082. Assinale a única alternativa onde o verbo é intransitivo. 

A) Foi à feira com a mãe. 

B) Quero a minha liberdade.

C) Vendeu as flores. 

D) Enviou as cartas ao pai. 

E) Ela concluiu o trabalho. 

1083. Só há uma opção onde o verbo está no modo indicativo. Assinale-a: 

A) Se ela me amasse. 

B) Sejais feliz. 

C) Jamais serei o mesmo. 

D) Tenhas calma. 

E) Há mais de uma opção correta. 

1084. Em qual das alternativas o adjunto adverbial é de causa? 

A) Caminhava lentamente, na praia. 

B) A mendiga morreu de fome. 

C) Sonhou à noite toda com ele. 

D) Saiu cedo para rua. 

E) Gostamos muito de vocês. 

1085. Assinale a opção onde o termo sublinhado foi classificado erradamente. 

A) Necessito de bons alunos. (objeto indireto). 

B) O livro foi comprado pelo aluno. (agente da passiva). 

C) O mecânico consertou o carro. (núcleo do sujeito). 

D) Certamente, não devolverei seus livros! (adjunto adnominal). 

E) Encontrei o velho caído. (predicativo do objeto). 

1086. Em qual das alternativas todos os verbos são irregulares? 

A) amar partir ser beber;

B) sonhar cantar por sair;

C) ficar beijar viajar cantar;

D) ir ser vir pedir;

E) As alternativas A e B estão corretas. 

1087. Assinale a opção onde o sujeito é inexistente. 

A) Há meses não chove. 

B) Alguém chegou cedo. 

C) Vendeu-se um automóvel. 

D) Dizem que a vida vai melhorar. 

E) Desobedecemos aos mais velhos.

1088. Qual é o verbo que exprime uma idéia de qualidade, de estado? 

A) Verbo transitivo direto. 

B) Verbo intransitivo. 

C) Verbo transitivo indireto. 

D) verbo de ligação. 

E) Nenhuma das opções responde a pergunta. 

TEXTO.

01 A urna eletrônica foi recebida pelo cidadão como uma conquista democrática, vez que

02 afastou do cenário eleitoral a possibilidade da prática de fraudes para as quais se

03 revelavam vulneráveis as cédulas, tanto na votação como na apuração.

04 Trata-se de empreendimento no qual nosso país é pioneiro, motivo de orgulho para o

05 cidadão brasileiro, vez que não se tem notícia de qualquer outra nação que utilize

06 a votação eletrônica na escala utilizada no Brasil, cujo eleitorado é composto de

07 aproximadamente cento e dez milhões de eleitores.

08 De todo modo, cabe à Justiça Eleitoral esclarecer as dúvidas levantadas sobre a

09 votação ele trônica, a fim de que o eleitorado possa continuar a nela depositar a

10 confiança indispensável à credibilidade do nosso sistema eleitoral.

11 É evidente que a Justiça Eleitoral é a maior interessada em preservar a segurança

12 do sistema de votação, pois tem como uma de suas principais missões zelar para que

13 a vontade do eleitor se faça valer na escolha de seus representantes.

1089. No texto, as palavras fraudes e vulneráveis (linha 2) podem ser substituídas, respectivamente, sem mudança de sentido da frase em que se encontram, por:

A) maracutaias / aceitáveis;

B) propinas / adequadas;

C) burlas / atacáveis; 

D) intrigas / imprescindíveis.

1090. Depreende-se, pela leitura do texto, que o brasileiro se sente orgulhoso, porque:

A) o eleitor não utiliza mais as cédulas eleitorais tradicionais.

B) os brasileiros sabem utilizar a urna eletrônica.

C) a Justiça Eleitoral esclarece as dúvidas na escolha dos seus representantes.

D) nosso país é pioneiro, com sucesso, no uso da votação eletrônica.

1091. O autor empregou duas vezes a expressão vez que (linhas 1 e 5). Ela pode ser substituída, sem prejuízo para a compreensão do texto, por:

A) porque;

B) sempre que;

C) talvez;

D) jamais.

1092. Na linha 9, o pronome nela refere-se à:

A) Justiça Eleitoral.

B) votação eletrônica.

C) confiança indispensável.

D) credibilidade do nosso sistema eleitoral.

1093. Muitas vezes, a utilização dos pronomes possessivos seu / sua pode tornar a frase ambígua. Assinale a única frase em que NÃO OCORREU ambigüidade, no emprego desse pronome.

A) O candidato saiu com o filho; seu nome é José Maria.

B) A tecnologia utilizada pela Justiça Eleitoral garantiu que seu empreendimento - a urna eletrônica - fosse reconhecido pelos americanos.

C) Jorge encontrou um amigo e soube que sua mãe viajara.

D) Você sabia que encontrei Marta e seu irmão Luís?

1094. Na frase ''A urna eletrônica foi recebida pelo cidadão'' o termo em destaque é classificado como:

A) adjunto adverbial de modo;

B) objeto direto;

C) agente da passiva; 

D) aposto.

1095. Sabendo que o relativo cujo não pode ligar dois termos idênticos, assinale a alternativa ERRADA.

A) O eleitor cujo encontrei no TRE sempre cumpriu seus deveres de cidadão responsável.

B) Residimos em um país cujo eleitorado aprovou a utilização das urnas eletrônicas.

C) A jovem, de cuja casa acabo de sair, irá amanhã para a Itália.

D) Marta, a cujas ordens obedeço, é minha diretora.

1096. Complete os espaços com a - as - à - às.

I. Refiro-me _______ eleições norte-americanas.

II. Dirija-se _______ senhora de azul.

III. Ontem ________ noite fomos ______ praia.

IV. Sandy e Júnior vivem ______ cantar.

Assinale a alternativa que completa CORRETAMENTE as lacunas acima.

A) as - à - a - a – à;

B) às - a - a - à – à;

C) as - a - à - a – a;

D) às - à - à - à – a. 

1097. Em ''É evidente que a Justiça Eleitoral é a maior interessada em preservar a segurança do siste-ma de votação'' (linhas 11, 12), há orações subordinadas; respectivamente:

A) substantiva subjetiva / substantiva completiva nominal;

B) substantiva objetiva direta / adjetiva explicativa;

C) adverbial causal / substantiva apositiva;

D) adjetiva restritiva / substantiva predicativa.

1098. Aponte a alternativa em que há pontuação gramaticalmente INACEITÁVEL.

A) Na última eleição, os políticos gastaram milhões de reais em suas campanhas.

B) Um desafio do candidato a cargo público, é descobrir, o perfil de seu eleitor.

C) Amo viver nesta terra catarina, em que nasceram meus pais.

D) Todos nós, brasileiros, somos responsáveis pelo progresso do país.

TEXTO.

01 Quem poderia imaginar que os Estados Unidos um dia reconheceriam ter alguma coisa

02 a aprender com a democracia brasileira? Depois do confuso resultado da última votação

03 presidencial nos Estados Unidos, o jornal The New York Times buscou no Brasil um

04 modelo exemplar de eleição.

05 'O Brasil, um país maior que a parte continental dos Estados Unidos, realizou a primeira

06 eleição nacional inteiramente eletrônica, com retumbante sucesso', escreveu em

07 editorial o mais influente jornal americano.

1099. Os termos retumbante e influente (linha 5) podem ser substituídos, sem prejuízo para a compreensão do texto, respectivamente, por:

A) muito / famoso;

B) barulhento / insipiente;

C) estrondoso / importante; 

D) duvidoso / maior.

1100. Segundo o texto, pode-se inferir que os Estados Unidos:

A) realizaram com sucesso sua primeira eleição nacional inteiramente eletrônica.

B) reconheceram, na última eleição, que o Brasil é o país mais democrático da América Latina.

C) buscaram, no Brasil, políticos que apurassem os votos de sua eleição presidencial.

D) tiveram problemas na apuração de votos, em sua última eleição presidencial.

1101. O jornal americano, segundo o texto, buscou no Brasil ''um modelo exemplar de eleição'', porque:

A) o Brasil realizou com sucesso sua primeira eleição nacional inteiramente eletrônica.

B) o Brasil é ''um país maior que a parte continental dos Estados Unidos''.

C) o Brasil jamais apresenta fraudes nas eleições que realiza.

D) os Estados Unidos reconheceram, finalmente, que há democracia em nosso país.

1102. Em ''O Brasil, um país maior que a parte continental dos Estados Unidos, realizou...'' (linhas 4, 5), a parte em destaque corresponde a um: 

A) Sujeito simples;

B) vocativo;

C) Aposto; 

D) predicativo.

1103. Assinale a alternativa que apresenta uma frase em que a concordância verbal obedece à mesma regra gramatical de ''os Estados Unidos um dia reconheceriam'' (linha 1).

A) Minas Gerais conta com uma paisagem de montanhas, vales e grutas maravilhosas.

B) As Ilhas Cayman constituem um paraíso fiscal para lavagem de dinheiro.

C) Os Estados do Paraná e de Santa Catarina não enfrentaram, em 2001, problemas de produção de energia elétrica.

D) Joinville, Blumenau e Brusque são algumas cidades catarinenses de colonização alemã.

1104. Marque a alternativa CORRETA quanto à concordância verbal.

A) Deu três horas e o candidato não apareceu.

B) É precaríssima as condições físicas desse prédio.

C) Houveram fraudes nas eleições americanas.

D) Quarenta por cento dos americanos votaram nas últimas eleições para a escolha de seu Presidente.

1105. Assinale a alternativa em que há ERRO quanto à regência.

A) Aspiramos uma boa classificação neste concurso.

B) A confiança é indispensável à credibilidade de nosso sistema.

C) Esqueci os documentos em casa.

D) Esqueci-me dos documentos no escritório.

1106. As formas verbais poderia e reconheceriam (linha 1) pertencem a este tempo e modo:

A) Futuro do pretérito do indicativo.

B) Futuro do presente do indicativo.

C) Imperfeito do subjuntivo.

D) Imperativo afirmativo.

1107. A classificação dos verbos, quanto à predicação, foi feita corretamente, EXCETO em:

A) Os Estados Unidos recorreram ao Brasil. - verbo transitivo indireto.

B) A Justiça Eleitoral é a maior interessada nesse estudo. - verbo intransitivo. 

C) Há, ainda, possibilidade de fraude? - verbo transitivo direto.

D) O eleitorado continua confiante na eficiência da urna eletrônica. - verbo de ligação.

1108. Assinale a alternativa em que as palavras recebem acento agudo em obediência à mesma regra ortográfica de: última e eletrônica.

A) trânsito - obediência – cidadãos.

B) democrático - pântano – próximo. 

C) assembléia - necessário – série.

D) abdômen - hífen – pólen.

TEXTO.

A LIBERDADE E O CONSUMO.

   Quantos morreram pela liberdade de sua pátria? Quantos foram presos ou espancados pela liberdade de dizer o que pensam? Quantos lutaram pela libertação dos escravos?,

   No plano intelectual, o tema da liberdade ocupa as melhores cabeças, desde Platão e Sócrates, passando por Santo Agostinho, Spinoza, Locke, Hobbes, Hegel, Kant, Stuart Mill, Tolstoi e muitos outros. Como conciliar a liberdade com a inevitável ação restritiva do Estado? Como as liberdades essenciais se transformam em direitos do cidadão? Essas questões puseram em choque os melhores neurônios da filosofia, mas não foram as únicas a galvanizar controvérsias.

   Mas vivemos hoje em uma sociedade em que a maioria já não sofre agressões a essas liberdades tão vitais, cuja conquista ou reconquista desencadeou descomunais energias físicas e intelectuais. Nosso apetite pela liberdade se aburguesou. Foi atraído (corrompido?) pelas tentações da sociedade de consumo.

   O que é percebido como liberdade para um pacato cidadão contemporâneo que vota, fala o que quer, vive sob o manto da lei (ainda que capenga) e tem direito de mover-se livremente?

   O primeiro templo da liberdade burguesa é o supermercado. Em que pesem as angustiantes restrições do contracheque, são as prateleiras abundantemente supridas que satisfazem a liberdade do consumo (não faz muitas décadas, nas prateleiras dos nossos armazéns ora faltava manteiga, ora leite, ora feijão). Não houve ideal comunista que resistisse às tentações do supermercado. Logo depois da queda do Muro de Berlim, comer uma banana virou ícone da liberdade no Leste Europeu.

   A segunda liberdade moderna é o transporte próprio. BMW ou bicicleta, o que conta é a sensação de poder sentar-se ao veículo e resolver em que direção partir. Podemos até não ir a lugar algum, mas é gostoso saber que há um veículo parado à porta, concedendo permanentemente a liberdade de ir, seja aonde for. Alguém já disse que a Vespa e a Lambretta tiraram o fervor revolucionário que poderia ter levado a Itália ao comunismo.

   A terceira liberdade é a televisão. É a janela para o mundo. É a liberdade de escolher os canais (restritos em países totalitários), de ver um programa imbecil ou um jogo, ou estar tão perto das notícias quanto um presidente da República - que nos momentos dramáticos pode assistir às mesmas cenas pela CNN. É estar próximo de reis, heróis, criminosos, superatletas ou cafajestes metamorfoseados em apresentadores de TV.

   Uma ''liberdade'' recente é o telefone celular. É o gostinho todo especial de ser capaz de falar com qualquer pessoa, em qualquer momento, onde quer que se esteja. Importante? Para algumas pessoas, é uma revolução no cotidiano e na profissão. Para outras, é apenas o prazer de saber que a distância não mais cerceia a comunicação, por boba que seja.

   Há ainda uma última liberdade, mais nova, ainda elitizada: a internet e o correio eletrônico. É um correio sem as peripécias e demoras do carteiro, instantâneo, sem remorsos pelo tamanho da mensagem (que se dane o destinatário do nosso attachment megabáitico) e que está a nosso dispor, onde quer que estejamos. E acoplado a ele vem a web, com sua cacofonia de informações, excessivas e desencontradas, onde se compra e vende, consomem-se filosofia e pornografia, arte e empulhação.

   Causa certo desconforto intelectual ver substituídas por objetos de consumo as discussões filosóficas sobre liberdade e o heroísmo dos atos que levaram à sua preservação em múltiplos domínios da existência humana. Mas assim é a nossa natureza, só nos preocupamos com o que não temos ou com o que está ameaçado. Se há um consolo nisso, ele está no saber que a preeminência de nossas liberdades consumistas marca a vitória de havermos conquistado as outras liberdades, mais vitais. Mas, infelizmente, deleitar-se com a alienação do consumismo está fora do horizonte de muitos. E, se o filósofo Joãosinho Trinta tem razão, não é por desdenhar os luxos, mas por não poder desfrutá-los.

1109. O primeiro parágrafo do texto apresenta:

A) uma série de perguntas que são respondidas no desenrolar do texto;

B) uma estrutura que procura destacar os itens básicos do tema discutido no texto;

C) um questionamento que pretende despertar o interesse do leitor pelas respostas;

D) um conjunto de perguntas retóricas, ou seja, que não necessitam de respostas;

E) umas questões que pretendem realçar o valor histórico de alguns heróis nacionais.

1110. Nos itens abaixo, o emprego da conjunção OU (em maiúsculas) só tem nítido valor alternativo em:

A) ''Quantos foram presos OU espancados pela liberdade de dizer o que pensam?'';

B) ''A segunda liberdade moderna é o transporte próprio, BMW OU bicicleta...'';

C) ''...de ver um programa imbecil ou um jogo, OU estar tão perto das notícias...'';

D) ''...só nos preocupamos com o que não temos OU com o que está ameaçado.'';

E) ''É estar próximo de reis, heróis, criminosos, superatletas OU cafajestes...''.

1111. O item abaixo que indica corretamente o significado da palavra em maiúsculas no texto é:

A) ''...mas não foram as únicas a GALVANIZAR controvérsias.'' - discutir;

B) ''...comer uma banana virou um ÍCONE da liberdade no Leste europeu.''- fantasia;

C) ''...consomem-se filosofia e pornografia, arte e EMPULHAÇÃO.''; grosseria;

D) ''...cafajestes METAMORFOSEADOS em apresentadores de TV.'' - desfigurados;

E) ''...que a distância não mais CERCEIA a comunicação...''- impede.

1112. ''Como conciliar a liberdade com a inevitável ação restritiva do Estado?''; nesse segmento do texto, o articulista afirma que:

A) o Estado age obrigatoriamente contra a liberdade;

B) é impossível haver liberdade e governo ditatorial;

C) ainda não se chegou a unir os cidadãos e o governo;

D) cidadãos e governo devem trabalhar juntos pela liberdade;

E) o Estado é o responsável pela liberdade da população.

1113. ''...concedendo permanentemente a liberdade de ir, seja AONDE for.''; ''...em qualquer momento, ONDE quer que se esteja.'' ; o emprego das palavras em maiúsculas mostra que:

A) ONDE e AONDE são palavras equivalentes;

B) AONDE é forma popular (e errada) correspondente a ONDE;

C) a diferença de formas depende da regência do verbo da frase;

D) só ONDE representa a idéia de lugar;

E) AONDE se refere a locais vagos enquanto ONDE se refere a lugares específicos.

1114. ''O primeiro templo da liberdade burguesa é o supermercado. Em que pesem as angustiantes restrições do contracheque, são as prateleiras abundantemente supridas que satisfazem a liberdade do consumo...''; o segmento sublinhado corresponde semanticamente a:

A) as despesas do supermercado são muito pesadas no orçamento doméstico;

B) os salários não permitem que se compre tudo o que se deseja;

C) as limitações de crédito impedem que se compre o necessário;

D) a inflação prejudica o acesso da população aos bens de consumo;

E) a satisfação de comprar só é permitida após o recebimento do salário.

1115. ''Não houve ideal comunista que resistisse às tentações do supermercado''.; com esse segmento do texto o autor quer dizer que:

A) todo ideal comunista se opõe aos ideais capitalistas;

B) a ideologia comunista sofre pressões por parte dos consumidores;

C) os supermercados socialistas são menos variados que os do mundo capitalista;

D) o ideal comunista ainda resiste à procura desenfreada por bens de consumo;

E) as tentações do supermercado abalaram as estruturas capitalistas.

1116. ''É a liberdade de escolher os canais (restritos em países totalitários),...''; o segmento sublinhado significa que:

A) nos países totalitários a censura impede o acesso à programação capitalista;

B) o número de canais disponíveis é bem menor do que nos países não-totalitários;

C) a televisão, nos países totalitários, é bem de que só poucos dispõem;

D) nos países totalitários todos os canais são do sistema de TV a cabo;

E) nos países totalitários, a TV não sofre censura governamental.

1117. ''Há ainda uma última liberdade, mais nova, ainda elitizada:...''; o item abaixo em que as vírgulas são empregadas pelo mesmo motivo das que aparecem nesse segmento destacado do texto é:

A) ''O que é percebido como liberdade para um pacato cidadão contemporâneo que vota, fala o que quer, vive sob o manto da lei...'';

B) ''Logo depois da queda do muro de Berlim, comer uma banana virou um ícone da liberdade no Leste Europeu.'';

C) ''A segunda liberdade moderna é o transporte próprio, BMW ou bicicleta, o que conta é a sensação de poder sentar-se ao veículo...'';

D) ''É estar próximo de reis, heróis, criminosos, superatletas ou cafajestes...'';

E) ''Para outras, é apenas o prazer de saber que a distância não mais cerceia a comunicação, por boba que seja.''

1118. A frase abaixo que se encontra na voz passiva é:

A) ''Quantos morreram pela liberdade de sua pátria?'';

B) ''Quantos foram presos ou espancados pela liberdade de dizer o que pensam?'';

C) ''Quantos lutaram pela libertação dos escravos?'';

D) ''O primeiro templo da sociedade burguesa é o supermercado.'';

E) ''...a maioria já não sofre agressões a essas liberdades tão vitais,...''.

TEXTO.

FASCISMO SOCIAL NO PAÍS DO SOCIÓLOGO.

   A definição dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil está no artigo 3º de nossa Constituição. São todos de grande nobreza e esperança. Valem como pólos de concentração ideal para o povo, como destinos a serem alcançados pelo Brasil, na permanente viagem de nossos sonhos.

   O primeiro desses objetivos consiste em realizar uma sociedade livre, justa e solidária. Para ser livre, a sociedade terá liberdades públicas asseguradas a todos. Cidadania livre é cidadania sem intervenção excessiva do poder. No país das medidas provisórias, o cidadão acorda tolhido, dia após dia, com e sem ''apagões'' e ''caladões''. Para que a sociedade possa ser tida por justa, é necessário diminuir as distâncias sociais, com pobres menos pobres. Depois que a moeda se estabilizou, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, honra seja feita, houve melhora nesse campo, mas o Brasil ainda é dos mais atrasados do mundo na satisfação das necessidades sociais do ser humano.

   A solidariedade proclamada no texto constitucional deve ser espontânea, colhida na consciência de cada um e, pelo menos, da população mais aquinhoada em favor dos que têm pouco. A solidariedade do artigo 3º da Constituição precisa, porém, ser catalisada pelo Estado para o trabalho espontâneo em favor dos menos favorecidos. O objetivo social exigirá da administração pública e de seus funcionários que atuem em favor dos cidadãos, com eles e não contra eles, como se os considerassem inimigos. O desenvolvimento nacional, segunda das grandes metas do país, tem ido bem no plano econômico. Progredimos em termos materiais, mas não o quanto baste.

   O terceiro e o quarto objetivos fundamentais, previstos no artigo 3º , são projetos de um sonho estratosférico. Erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir desigualdades sociais e regionais é trabalho para séculos. Não há nação do mundo sem faixas de miserabilidade - nem as mais ricas. A promoção do bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação carece de remédio forte, como criminalização das condutas contrárias. Sem a ameaça grave de sanções, a cobra raivosa do preconceito continuará agindo no coração de muitas pessoas.

   A Carta proíbe a discriminação entre o homem e a mulher (artigo 5º , I , e artigo 226, parágrafo 5º), contra as liberdades fundamentais, e a prática do racismo (artigo 5º , incisos XLI e XLII). No trabalho, veda distinções quanto ao salário, ao exercício de funções e aos critérios de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou estado civil (artigo 7º , inciso XXX). O sociólogo português Boaventura de Souza Santos, professor da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, falando recentemente a esta Folha, verberou a polarização da riqueza em muitos países, inclusive no nosso, em condições parecidas com a dos Estados fascistas tradicionais. Exemplificou com grupos criminosos que substituem o Estado em certas regiões (vide o PCC) e com a parte corrupta da polícia, colaboradora do crime organizado, não se sabendo onde acaba a administração pública e começa a sociedade.

   Boaventura lembra a incapacidade de redistribuição da riqueza, permitindo que o capitalismo opere contra o pobre, e não a favor dele. Chama essa situação de fascismo social. Neste país, presidido por um sociólogo, precisamos meditar sobre as insuficiências gerais e as do direito em particular, afirmadas pelo sábio sociólogo português. Meditar para corrigi-las.

1119. Ao dizer que os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil são ''de grande nobreza e esperança'', o autor do texto quer dizer que:

A) nossos objetivos constitucionais estão fora da realidade atual de nosso país;

B) apesar de serem nobres, os objetivos constitucionais até hoje não foram atingidos;

C) por serem nobres, esses objetivos só poderão ser alcançados com a mudança profunda da sociedade brasileira;

D) eles representam, por sua nobreza, algo que dificilmente será atingido pelo povo brasileiro;

E) os objetivos constitucionais mostram algo nobre que funciona como ponto ideal de chegada.

1120. ''Valem como pólos de concentração ideal para o povo, ...''; o item em que aparece um vocábulo acentuado graficamente pela mesma razão do acento gráfico na palavra sublinhada é:

A) As riquezas não têm sido distribuídas de forma justa em nosso país;

B) O governo não pôde atingir o ideal proposto pela nossa Constituição;

C) Os objetivos constitucionais não contêm todas as esperanças do povo brasileiro;

D) O povo brasileiro não deve pôr o ideal em lugar que não possa ser alcançado;

E) A Constituição não provê os meios necessários à realização dos objetivos propostos.

1121. ''Valem como pólos de concentração ideal para o povo, como destinos a serem alcançados pelo Brasil, na permanente viagem de nossos sonhos.''; neste segmento do texto, os vocábulos que se aproximam semanticamente são:

A) ideal/sonhos;

B) pólos/viagem;

C) povo/Brasil;

D) viagem/ Brasil;

E) concentração/ideal.

1122. No que diz respeito aos objetivos fundamentais do Brasil, presentes no artigo 3º de nossa Constituição, podemos dizer, segundo o texto, que:

A) o primeiro dos objetivos só será atingido se a liberdade, a justiça e a solidariedade brotarem espontaneamente do povo;

B) o segundo desses objetivos já foi alcançado, apesar de algumas injustiças sociais;

C) o terceiro e o quarto objetivos só serão alcançados após um trabalho de séculos;

D) o quarto objetivo vai de encontro à cobra raivosa do preconceito, que ainda age no coração de muitos;

E) para se alcançarem os objetivos constitucionais é indispensável a criminalização das condutas contrárias.

1123. O segmento do texto que NÃO mostra, explícita ou implicitamente, uma crítica ao governo atual é:

A) ''Cidadania livre é cidadania sem intervenção excessiva do poder.'';

B) ''No país das medidas provisórias, o cidadão acorda tolhido, dia após dia, com e sem 'apagões' e 'caladões' '';

C) ''O terceiro e o quarto objetivos fundamentais, previstos no artigo 3º , são projetos de um sonho estratosférico.'';

D) ''O objetivo social exigirá da administração pública e de seus funcionários que atuem em favor dos cidadãos, com eles e não contra eles,...'';

E) ''Neste país, presidido por um sociólogo, precisamos meditar sobre as insuficiências gerais e as do direito em particular...''.

1124. Os vocábulos ''apagão'' e ''caladão'', presentes no texto, aparecem grafados entre aspas porque são:

A) termos de cunho popular;

B) neologismos;

C) vocábulos que perderam velhos sentidos;

D) de presença comum na mídia;

E) referentes a acontecimentos recentes.

1125. ''O terceiro e o quarto objetivos...''; o caso de concordância nominal presente neste segmento do texto encontra-se referido no item:

A) o adjetivo, quer em função de adjunto adnominal, quer em função de predicativo, desde que se refira a um único substantivo, com ele concorda em gênero e número;

B) quando o adjetivo se associa a mais de um substantivo, o adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo mais próximo;

C) se os substantivos são de gêneros diferentes e do singular, o adjetivo pode concordar com o substantivo mais próximo;

D) é possível que o adjetivo predicativo concorde com o sujeito mais próximo se estiver anteposto aos substantivos;

E) no caso de uma só palavra determinada e mais de uma determinante, a palavra determinada irá para o plural ou ficará no singular.

1126. Ao apelar para o depoimento do sociólogo português Boaventura de Souza Santos, o articulista pretende:

A) demonstrar a força do jornal para o qual trabalha, indicando a qualidade de seus colaboradores;

B) comparar, por oposição, o pensamento de um sociólogo português com o de um sociólogo brasileiro, o Presidente da República;

C) dar autoridade e credibilidade às opiniões veiculadas pelo artigo;

D) condenar a discriminação de raça, sexo, cor e idade que aparecem em nossa sociedade;

E) indicar o retrocesso de nosso país, comparando a nossa situação com a de outros países do primeiro mundo.

1127. ''...é necessário diminuir as distâncias sociais...''; se reescrevermos esse segmento do texto com a transformação da oração reduzida em forma nominal, teremos:

A) é necessária a diminuição das distâncias sociais;

B) é necessário que diminuamos as distâncias sociais;

C) é necessário que as distâncias sociais sejam diminuídas;

D) há necessidade de se diminuírem as distâncias sociais;

E) há necessidade da diminuição das distâncias sociais.

1128. ''...são projetos de um sonho estratosférico.'' ; no contexto em que está inserido, o vocábulo sublinhado eqüivale semanticamente a:

A) revolucionário;

B) utópico;

C) superior;

D) ultrapassado;

E) superado.

TEXTO.

    Seria impertinente, hoje, falar-se de feminismo ou machismo entre os que trabalham no campo do Direito. Nos fóruns, homens e mulheres se misturam, num ritmo frenético, movidos pela responsabilidade de ''correr atrás'' da Justiça. Não há disputa de valores ou espaços, mas uma saudável cumplicidade tácita entre os dois sexos. Se a presença dos homens é ainda dominante no Poder Judiciário, a participação feminina vem aumentando progressivamente, até mesmo dentro das seccionais e subseções da OAB, a cada dia apresentando uma quantidade maior de conselheiras e diretoras.

   As mulheres vêm ocupando, por mérito, um crescente número de espaços importantes dentro das carreiras jurídicas, sem que essa escalada tenha sido marcada por reivindicações impositivas ou conveniências políticas. Com o passar dos anos, no silêncio da competência e com desprendimento de ambições desnecessárias, as mulheres vêm galgando posições, defendendo seus pontos de vista, criando, junto com os homens, uma prestação jurisdicional melhor e mais efetiva.

   A mulher contemporânea encontra no homem um parceiro, no enfrentamento dos desafios impostos por um Poder Judiciário com muitas falhas estruturais e que deve se preparar para entrar no Terceiro Milênio. O futuro exige de todos uma grande capacidade de renovação; o respeito entre homens e mulheres é essencial para que sejam vencidos, tanto no campo do trabalho jurídico como nos demais, os desafios comuns impostos pela modernidade.

1129. Atualmente, as mulheres que trabalham no campo do Direito:

A) vêm sofrendo menos discriminação do que sofriam há poucos anos.

B) travam intensa disputa com os homens, provocada por ambições desnecessárias.

C) enfrentam, juntamente com os homens, os desafios do trabalho comum.

D) são cúmplices dos homens, galgando posições ao defenderem o ponto de vista destes.

E) ocupam majoritariamente os cargos de maior significação.

1130. Considerando-se o contexto, o sentido de uma expressão do texto está corretamente traduzido em:

A) num ritmo frenético = numa movimentação ensurdecedora.

B) ''correr atrás'' da Justiça = despachar os processos atrasados.

C) falhas estruturais = lapsos ocasionais.

D) seria impertinente = poderia parecer arrogante.

E) cumplicidade tácita = companheirismo implícito.

1131. Há a sugestão de que o trabalho das mulheres é feito de modo discreto e eficaz em:

A) encontra no homem um parceiro.

B) uma grande capacidade de renovação.

C) uma prestação jurisdicional melhor e mais efetiva.

D) no silêncio da competência e com desprendimento de ambições desnecessárias.

E) não há disputa de valores ou espaços, mas uma saudável cumplicidade tácita.

1132. Considere as seguintes afirmações:

I. A atuação das mulheres advogadas reflete-se em sua cada vez mais expressiva participação no órgão da classe.

II. Há muito o que se fazer para que o Poder Judiciário, no Brasil, supere as graves falhas de seu funcionamento.

III. Não é pela força de pressões ou de arranjos políticos que as mulheres vêm obtendo sucesso na carreira jurídica.

Em relação ao texto, está correto o que se afirma em:

A) I, II e III.

B) II e III, somente.

C) II, somente.

D) I e III, somente.

E) I e II, somente.

1133. O emprego e a colocação dos pronomes sublinhados estão corretos em:

A) É para mim partir o bolo? Farei-o com prazer.

B) Unam-se agora, e todos lhes seguirão o exemplo.

C) Eles já haviam vingado-se dela uma vez, embora eu lhe houvesse prevenido disso.

D) Por mais que venha a se esforçar, não consigo os bons resultados de que ele orgulha-se.

E) O médico receitou-a um remédio, mas ela não lhe encontrou.

1134. A concordância verbal está plenamente respeitada na frase:

A) Uma combinação de resultados desfavoráveis podem eliminar o nosso adversário.

B) Não se ouve notícias deles já há muito tempo.

C) A hesitação que eles demonstram nas horas mais difíceis é que os vêm prejudicando.

D) Constam em nossos arquivos muita informação acerca de sua carreira.

E) É justo que se homenageiem aqueles que merecem.

1135. Está correto o emprego dos dois elementos sublinhados na frase:

A) Ele costuma afirmar a todos de que trabalhou muito para chegar àquele cargo.

B) Você pode discordar de mim quanto a isto, mas não com o que lhe direi agora.

C) A arrogância da qual sempre lhe foi característica devia-se pelo fato de ser rico.

D) Nada havendo com que se satisfizesse, passou a gozar da fama de resmungão.

E) Ninguém sabe onde ele vai chegar, se continuar teimando de endividar-se.

1136. Está correta a partição silábica de todas as palavras em:

A) FLU-TU-A-ÇÃO ; IM-PRE-SCIN-DÍ-VEL ; I-LU-SÓ-RI-O.

B) PERS-PI-CAZ ; CI-Ú-MES ; MA-NI-A.

C) IN-TRÓI-TO ; MA-SSI-FI-CAR ; HI-A-TO.

D) VI-GIA-DO ; PRU-DÊN-CIA ; OP-CIO-NAL.

E) FA-TIA-DO ; AD-VO-GAR ; CE-LES-TIAL.

1137. Quanto ao emprego de maiúsculas e abreviaturas, está inteiramente correta a frase:

A) Ele não sabe nem o Pai Nosso e se julga mais cristão que D. Ernestina.

B) O Padre Antônio Vieira notabilizou-se por seus sermões ao tempo do Brasil Colonial.

C) O Programa de história do Brasil será divulgado na quinta-feira p.p.

D) A Companhia de Navegação Aérea irá recorrer do processo que corre nesta Comarca.

E) Venho solicitar a V.S. o envio da minha Certidão de nascto.

1138. Por semelhança com outros vocábulos (paronímia), empregaram-se INCORRETAMENTE os que estão sublinhados em:

A) Pagarei a multa: o pedido de cancelamento do auto de infração foi denegado.

B) O campo foi arroteado; espera-se farta colheita.

C) Divertem-nos suas fumaças de grandeza, seus arroubos de autoritarismo.

D) Ao proscrever o prazo para a entrada do recurso, já não haverá o que preitear.

E) Um maior insumo para a lavoura é uma necessidade premente.

TEXTO.

    Violência e clausura continuam fazendo parte do método utilizado, na maioria das unidades da Febem, para ''recuperar'' os milhares de internos. Do lado de fora da instituição, experiências mostram que um projeto pedagógico sério, fundamentado no respeito e na liberdade parcial, dá mais resultados. No choque entre as duas realidades, sobram acusações à entidade, aos juízes, aos promotores e à própria sociedade.

   Um dos principais problemas da instituição é a superlotação. A formação de multidões deve-se também, de acordo com os especialistas, ao fato de medidas como a liberdade assistida e a prestação de serviços à comunidade não serem amplamente utilizadas pelos juízes. De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), a internação deveria atender aos princípios de brevidade e excepcionalidade.

   A superpopulação, aliada a fatores como o despreparo dos profissionais e a ausência de atividades educativas e profissionalizantes, acaba resultando em um verdadeiro depósito de menores, que saem em condições emocionais iguais ou piores àquelas em que estavam quando chegaram à instituição. Insatisfações e frustrações dos internos acabam gerando a violência que, não raro, é retribuída pelos funcionários.

   ''Faltam um orçamento claro e prioritário para a criança e o adolescente e políticas amplas nas áreas da educação, da saúde e do lazer'', acredita o padre Júlio Lancelotti, coordenador do Centro de Defesa da Criança e do Adolescente.

1139. De acordo com o texto, a superpopulação na maioria das unidades da Febem tem como uma de suas causas:

A) os métodos disciplinares nelas empregados.

B) a falta de utilização de medidas alternativas.

C) o atendimento aos princípios de brevidade e excepcionalidade.

D) a falta de preparo dos profissionais e a ausência de atividades educativas.

E) o fato de serem verdadeiros depósitos de menores.

1140. Considere as seguintes afirmações:

I. Por ''princípios de brevidade e excepcionalidade'' deve-se entender, no contexto do segundo parágrafo: por curto período e internação apenas em casos excepcionais.

II. O padre Júlio Lancelotti acredita que a solução dos problemas da Febem está na adoção de novos métodos educacionais para os internos.

III. A palavra ''recuperar'' (primeiro parágrafo) está entre aspas para ressaltar que a ação indicada por esse verbo está longe de ocorrer.

Em relação ao texto, está correto somente o que se afirma em:

A) I.

B) II.

C) III.

D) I e II.

E) I e III.

1141. Há uma relação de causa (I) e efeito (II) entre:

A) I. falta de orçamento claro e prioritário para a criança e o adolescente;

II. políticas amplas nas áreas da educação, da saúde e do lazer.

B) I. violência e clausura continuam fazendo parte do método;

II. um projeto pedagógico sério daria mais resultados.

C) I. superpopulação, despreparo dos profissionais e falta de atividades educativas;

II. os menores saem em condições emocionais desfavoráveis.

D) I. atendimento aos princípios de brevidade e ex-cepcionalidade;

II. violência e clausura continuam fazendo parte do método.

E) I. superpopulação, despreparo dos profissionais e falta de atividades educativas;

II. políticas amplas nas áreas da educação, da saúde e do lazer.

1142. Todas as palavras estão corretamente grafadas e acentuadas na frase:

A) O circuito do autódromo exigirá extrema habilidade por parte dos pilotos.

B) O rapazinho não cessava de rir dos tregeitos em que o humorista se esmerava.

C) A absolvição do reu está na dependencia do êxito da tese apresentada pelo advogado.

D) Nenhuma dotação orçamentária é realizada sem que o diretor a avalise.

E) Sua suspenção deveu-se à má vontade que sempre exibiu em seus afazeres.

1143. A partição silábica está correta em todas as seguintes palavras:

A) O-DIO-SO ; MO-SA-I-CO ; MAR-TÍ-RIO.

B) SU-A-VE ; BRI-O-SO ; I-RI-DES-CEN-TE.

C) CON-STER-NA-ÇÃO ; QUI-A-BO ; AR-RE-PI-O.

D) MOÍ-DO ; ES-TEI-RA ; PUS-I-LÂ-NI-ME.

E) OB-SE-SSÃO ; GRA-TU-I-TO ; RE-MOER.

1144. Quanto ao emprego de abreviaturas e de maiúsculas, a frase inteiramente correta é:

A) Vossa excia. poderá comparecer à inauguração de nossa Escola?

B) Esta secretaria do Estado solicita que os snrs. Prefeitos enviem os orçamentos.

C) Se Sua Sria. não puder ir, mandará seu representante Oficial.

D) Será que o Eminente deputado se mostrará sensível a esta reivindicação?

E) Exmo. Sr. Ministro: seguem, em folha anexa, os dados solicitados.

1145. O emprego e a colocação dos pronomes sublinhados estão corretos em:

A) Lhe envio amanhã os livros e as fitas; trate-lhes com carinho.

B) Ela havia negado-me um favor, e agora quer que eu a retribua?

C) Acompanhe aquele rapaz, siga-lhe todos os passos, não o perca de vista.

D) Entrei na casa, a examinei bem e não notei-lhe nenhum defeito.

E) Deu o carro para pintarem-no, pediu o orçamento e lhe achou muito caro.

1146. Todas as formas verbais estão corretas na frase:

A) Se o dinheiro de fato proviu do narcotráfico, a instituição ficará em apuros.

B) O que lhe caber fazer daqui para a frente, faça-o com o máximo empenho.

C) Se elas não o detessem, ele cometeria um crime.

D) Ao refazerem as contas do orçamento, entreviram algumas irregularidades.

E) O técnico interveio, mas os jogadores não se conteram e brigaram muito.

1147. A concordância verbal está plenamente respeitada na frase:

A) Não se notou quaisquer irregularidades neste processo.

B) Deveram-se a uma pequena minoria os tumultos que interromperam a sessão.

C) Será que nenhum de nós os advertiram quanto ao perigo desta rota?

D) Podem ser que dêem mais resultados as novas medidas que tomamos.

E) Uma soma de erros tão graves não pode se atribuírem a uma só pessoa.

1148. Está correto o emprego do elemento sublinhado na frase:

A) Não vejo porque ele não possa nos responder.

B) O trem a cujo me referi já foi desativado.

C) A dedicação com que ele demonstra ter com ela é comovente.

D) São coisas das quais ele jamais se mostra atento.

E) É uma pessoa de cuja falta todos se ressentem.

TEXTO.

PACOTES, EXCLUÍDOS E EMERGENTES.

   Considere-se a afirmação seguinte: ''Os países atrasados anunciaram um pacote de ajuda aos miseráveis.'' Considere-se agora esta outra: ''Os países emergentes anunciaram um conjunto de medidas de ajuda aos excluídos.'' Qual a diferença entre uma frase e outra? Nenhuma, quanto ao conteúdo. Mas como soa mais benigna a segunda, expurgada da crueza selvagem da primeira... A primeira, dita num salão, choca como palavrão. Soa como vitupério de rameira em rixa de bordel. A segunda deleita como solo de clarineta. Parece discurso de doutor em noite de entrega de título honoris causa. Por isso, governa-se com a segunda.

   Estamos falando da arte de se valer dos eufemismos. Quando morre a mãe de alguém, é grosseiro anunciar-lhe: ''Sua mãe morreu''. No mínimo, a pessoa dirá que a mãe ''faleceu''. Também poderá dizer que ''desapareceu''. Ou então, se ainda achar pouco, que ''feneceu'', delicado verbo emprestado às flores, com o que a morte se apresentará cheirosa como lírio, colorida como cravo. O eufemismo, como a hipocrisia, é a homenagem que, na linguagem, o vício presta à virtude. Soa mais virtuoso confessar a existência de ''relações impróprias'' com alguém, conforme fórmula celebrizada pelo presidente dos Estados Unidos, do que dizer que se cometeu adultério.

   Na segunda das frases acima estão reunidos três dos eufemismos mais correntes na vida pública. Dois deles são universais - ''emergente'' para país atrasado e ''excluído'' para miserável. O terceiro, ''conjunto de medidas'' em lugar de ''pacote'', fala exclusivamente à sensibilidade brasileira e, mais ainda, do atual governo brasileiro. ''Emergente'' para país atrasado ou, para ser mais exato, remediado, é a última de uma longa linhagem de fórmulas classificatórias dos países segundo sua riqueza. Até a primeira metade do século, quando ainda não se carecia de eufemismos, nesta área - ou, caso se prefira, de linguagem politicamente correta - os países eram simplesmente ricos e pobres, quando não metrópoles e colônias. Com a adoção do conceito de ''desenvolvimento'', depois da II Guerra, passaram a ser ''desenvolvidos'' e ''subdesenvolvidos''. Mais adiante, para não achincalhar a todos, indistintamente, com a pecha infamante de ''subdesenvolvido'', premiou-se os melhores com o gentil ''em desenvolvimento''. Tais países não eram mais ''sub'', não estavam mais tão por baixo. Nos últimos anos, substituiu-se o ''em desenvolvimento'' por ''emergente'', palavra que igualmente se opõe ao ''sub''. São países não mais submersos, mas que emergem. Já põem a cabeça para fora.

   ''Excluídos'' para designar os miseráveis é o coroamento de uma linhagem mais longa ainda de palavras com as quais se tenta melhorar a condição das pessoas na rabeira da escala social. Já se recorreu a peças do vestuário, por exemplo. Na Revolução Francesa havia os ''sans-culottes'', os desprovidos do tipo de calça - o ''culotte'' - de uso dos nobres. Na Argentina de Perón e Evita consagrou-se o ''descamisado''. Também já se falou - e se fala ainda - em menos favorecidos, despossuídos, humildes... ''Excluído'', dirá o leitor, tem um sentido diverso. É aquele que o sistema produtivo exclui. Alguém pode ser pobre, porque mal remunerado, mas incluído, porque tem emprego e função na produção. Se o pobre pode não ser excluído, no entanto, dificilmente alguém será miserável e incluído. O que leva a concluir que, na prática, o excluído quase sempre se confunde com o miserável.

   Resta falar da sorte da palavra ''pacote''. ''Pacote'' nasceu inocentemente, na administração da economia, talvez por imitação das agências de turismo, que quando vendem passagens e hospedagem, tudo junto, vendem um ''pacote'', para designar não uma, mas várias iniciativas adotadas ao mesmo tempo. Nasceu nesse sentido e nele devia permanecer: o de uma pluralidade de medidas, em vez de uma única. Sabe-se que o governo, para enfrentar a presente crise, adotará uma pluralidade de medidas. Por que então o horror à palavra pacote, anatematizada repetidas vezes pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que, ainda num discurso na semana passada, garantiu que ''não existe nada de pacotes''?

   Ocorre, circunstância fatídica, que os pacotes foram introduzidos na política brasileira pelo regime militar e costumavam ser baixados sem aviso nem consulta. Essa característica acabou contaminando o conceito de pacote, e eis-nos então de volta à anódina expressão ''conjunto de medidas'', com a qual se pretende conferir a tais medidas, por maldosas que sejam, um atestado de bom comportamento. O eufemismo, desde sempre, foi parte integrante tanto da arte de governar quanto da de administrar as relações entre as classes sociais. No Brasil do século passado não havia escravo. Havia o ''elemento servil''. O que isso tudo quer dizer é que quando é difícil modificar a sociedade, ou o governo, modifica-se a linguagem. Se não conseguimos, governo e sociedade, ser mais justos ou mais democráticos, sejamos, pelo menos, mais finos

1149. Encontra apoio no texto a afirmação contida na opção:

A) o governo trata os fatos políticos com linguagem objetiva;

B) a hipocrisia é homenagem prestada ao vício pela virtude;

C) o termo ''pacote'' teve uso polissêmico;

D) as empresas de turismo contribuem para a proliferação de eufemismos;

E) a linguagem do regime militar brasileiro ainda possui alto prestígio.

1150. Ao discorrer sobre o significado de ''excluídos'', no 4º parágrafo, o autor:

A) identifica os ''excluídos'' com os pobres em geral;

B) identifica os ''excluídos'' com os trabalhadores mal remunerados;

C) chama de ''excluídos'' os pais de família que perderam o emprego;

D) insinua que este termo equivale, na área urbana, aos sem terra da área rural;

E) vê nessa expressão apenas mais um eufemismo com que o poder designa os miseráveis. 

1151. Anatematizada significa:

A) elogiada;

B)repudiada;

C) citada;

D) glorificada;

E) registrada.

1152. A expressão ''modifica-se a linguagem'' equivale a:

A) altera-se o conteúdo;

B) cria-se nova idéia;

C) muda-se a aparência;

D) troca-se o significado;

E) mantém-se a forma. 

1153. A expressão ''em desenvolvimento'' apresenta valor:

A) adjetivo;

B) substantivo;

C) adverbial;

D) prepositivo;

E) conjuntivo.

1154. O autor comenta, ao longo do texto, a função do eufemismo, o qual, como se sabe, serve para:

A) incentivar;

B) acentuar;

C) enaltecer;

D) amenizar;

E) criticar.

1155. O autor construiu uma frase EM DESACORDO com as regras normativas de concordância verbal em:

A) ''Mais adiante (...) premiou-se os melhores com o gentil ''em desenvolvimento'';

B) ''Na segunda das frases acima estão reunidos três dos eufemismos mais correntes na vida pública.'';

C) ''Até a primeira metade do século, quando ainda não se carecia de eufemismos (...)'';

D) ''Excluídos'' para designar os miseráveis é o coroamento de uma linhagem mais longa ainda de palavras (...).'';

E) '' Na Revolução Francesa havia os ''sans-culottes'', os desprovidos do tipo de calça - o ''culotte''- de uso dos nobres.''.

1156. Observe o uso das vírgulas em ''Sabe-se que o governo, para enfrentar a crise, adotará uma pluralidade de medidas.'' A justificativa para o emprego de vírgulas neste exemplo é a mesma válida para a opção:

A) ''...com a qual se pretende conferir a tais medidas, por maldosas que sejam, um atestado de bom comportamento.'';

B) ''Nos últimos anos, substituiu-se o ''em desenvolvimento'' por ''emergente'', palavra que igualmente se opõe ao ''sub''. ;

C) ''O terceiro, ''conjunto de medidas ''em lugar de ''pacote'', fala exclusivamente à sensibilidade brasileira (...).'';

D) ''O que isso tudo quer dizer é que quando é difícil modificar a sociedade, ou o governo, modifica-se a linguagem.'';

E) ''Excluído'', dirá o leitor, tem um sentido diverso.''.

1157. O autor refere-se no primeiro parágrafo ao ''discurso de doutor em noite de entrega de título honoris causa'' (= por causa da honra). Ao dirigir-se ao Diretor da Faculdade que propõe a homenagem, esse mesmo doutor, para exprimir-se de acordo com o padrão culto da língua e a formalidade da situação, diria: 

A) Vossa Senhoria sois uma pessoa generosa;

B) Vossa Excelência sois uma pessoa generosa;

C) Vossa Excelência é uma pessoa generosa;

D) Sua Senhoria é uma pessoa generosa;

E) Sua excelência sois uma pessoa generosa.

1158. Em ''...palavra que igualmente se opõe ao ''sub'', ocorre uma forma do verbo irregular OPOR. A alternativa em que este verbo aparece incorretamente flexionado é:

A) palavra que igualmente se opunha ao ''sub'';

B) palavra que igualmente se oporia ao ''sub'';

C) palavra que igualmente se oponha ao ''sub'';

D) palavra que igualmente se oposse ao ''sub'';

E) palavra que igualmente se opusera ao ''sub''.

TEXTO.

O LOBO SEMPRE DIZ QUE A CULPA É DO CORDEIRO.

   Sempre que tentarem destruir a imagem dos servidores públicos, fique alerta.

   Como na fábula, o lobo sempre acusa o cordeiro para poder dar o bote.

   E o bote é acabar com os serviços públicos.

   Grandes interesses estão por trás dessa campanha, comandada pelos próprios responsáveis pela deteriorização dos serviços.

   Suas armas foram a ausência de investimentos nas instituições públicas; nomeação para cargos de chefia por critérios políticos; falta de treinamento; baixo nível salarial, entre outras.

   Anos a fio, as entidades representativas dos servidores públicos denunciaram e tentaram mudar esta dura realidade, sem serem ouvidas.

   Tudo isso pode ser comprovado por qualquer cidadão. A verdade não pode ser mascarada. Os serviços públicos seriam mais eficientes se aqueles que detém o poder o quisessem.

   Ainda é tempo de restaurar e melhorar as instituições e seus serviços em defesa da própria sociedade.

   Não se deixe enganar. Você conhece a estratégia do lobo: culpar o cordeiro para justificar o bote.

   Reaja contra a destruição premeditada e criminosa dos serviços públicos.

1159. O texto faz parte de uma campanha do Movimento Nacional em Defesa do Serviço Público e refere-se em seu título à (ao):

A) fama de mau que tem o lobo;

B) fábula de amplo conhecimento público;

C) símbolo de pureza do cordeiro;

D) valor religioso do cordeiro;

E) injustiça social do país.

1160. O item em que a palavra de ligação destacada apresenta valor corretamente indicado é:

A) ''Sempre que tentarem destruir...'' – intensidade;

B) ''Como na fábula, o lobo sempre acusa o cordeiro...'' - lugar;

C) ''...denunciaram e tentaram mudar esta dura realidade...'' - oposição;

D) ''...seriam mais eficientes se aqueles que detém o poder...'' - condição;

E) ''...culpar o cordeiro para justificar o bote''.- direção.

1161. Imagem é palavra grafada com G; o item em que a palavra está corretamente escrita é:

A) vertijem;

B) gorjeta;

C) jiló;

D) jibóia;

E) magestade. 

1162. ''... fique alerta.'' Se trocarmos a pessoa do verbo para a segunda do singular, mantendo-se o mesmo tempo e modo verbal, a frase teria a forma:

A) fiquem alerta;

B) ficas alerta;

C) fica alerta;

D) ficai alerta;

E) fiques alerta.

1163. O plural de ''qualquer cidadão'' é:

A) qualquer cidadãos;

B) quaisquer cidadões;

C) quaisquer cidadãos;

D) quaisquer cidadãos;

E) qualquer cidadãos.

1164. ''Grandes interesses estão por trás dessa campanha...'' O melhor sinônimo, no texto, para o elemento destacado é:

A) enormes;

B) imensos;

C) grandiosos;

D) internacionais;

E) poderosos.

1165. O item a seguir em que as duas palavras citadas não são acentuadas em razão da mesma regra:

A) públicos – fábula;

B) é – trás;

C) próprios – responsáveis;

D) ausência – critérios;

E) nível – própria.

1166. Segundo o texto, não se inclui explicitamente como arma da campanha contra o serviço público:

A) o baixo salário dos funcionários;

B) falta de investimentos no setor;

C) o alto gasto com o funcionalismo;

D) interesse político;

E) desprezo pela formação do funcionário.

1167. ''Anos a fio...'' A expressão significa:

A) há muitos anos;

B) há anos atrás;

C) por muitos anos;

D) por uma seqüência de anos;

E) nos últimos anos;

1168. ''Tudo isso pode ser comprovado por qualquer cidadão...'' A forma ativa dessa mesma frase é:

A) Qualquer cidadão pode comprovar tudo isso.

B) Tudo isso pode comprovar-se.

C) Qualquer cidadão se pode comprovar tudo isto.

D) Pode comprovar-se tudo isso.

E) Qualquer cidadão pode ter tudo isso comprovado.

TEXTO.

AS COMUNICAÇÕES SOB O IMPACTO DA INFORMÁTICA.